Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djokovic luta por 3h, mas cai para o aplicado Chung
22/01/2018 às 09h42

Chung superou seu ídolo para anotar a maior vitória da carreira

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Longe de seu melhor tênis e com demonstração de dor e frustração, o sérvio Novak Djokovic disse adeus ao sonho do heptacampeonato do Australian Open nesta segunda-feira. Mas se não faltou luta ao sérvio, também sobrou determinação e aplicação tática do coreano Hyeon Chung, jovem de apenas 21 anos, que venceu um duelo de 3h21 de 7/6 (7-4), 7/5 e 7/6 (7-3).

Número 58 do ranking, Chung já havia deixado pelo caminho o cabeça 4 Alexander Zverev em duelo de cinco sets e disputará as quartas de final de um Grand Slam pela primeira vez. E com chances de ir além. Seu adversário será o norte-americano Tennys Sandgren, jogador de 26 anos, mas pouco experiente na elite do circuito, que surpreendeu o austríaco Dominic Thiem no quinto set. Há duas semanas, Chung venceu o norte-americano em Auckland.

Primeiro tenista sul-coreano a atingir as quartas de final de um Grand Slam, Chung anotou apenas a nona vitória em Slam na carreira justamente no dia em que Nole completou 950 jogos como tenista profissional. É o segundo Australian Open seguido que o hexacampeão, atual 14º do ranking, não atinge as quartas.

Mais uma vez, Djokovic começou a partida com o movimento de saque travado. Cometeu quatro duplas faltas nos dois primeiros games de serviço e rapidamente Chung já tinha 4/0. Só então o sérvio começou a reagir, calibrando melhor o jogo da base. O coreano sentiu a pressão quando sacou com 5/4 para fechar o set e levou a virada diante de um Nole que procurava muito a rede. Mas no tiebreak, o hexacampeão foi mais irregular, com sua sétima dupla falta e um erro bobo que deram confiança ao adversário.

Depois de um intenso game de abertura do segundo set, em que teve chance de quebra, Djokovic perdeu intensidade e viu Chung fazer grandes lances até mesmo junto à rede. O sérvio, que havia pedido atendimento para algum desconforto no pé, dava demonstração de dor e frustação mas continuou lutando. Com vacilada do coreano, empatou no oitavo game mas acabou por entregar o serviço no final do set, fruto de seu 19º erro não forçado diante de apenas seis.

Ao iniciar o terceiro set, Djokovic tentava a façanha de virar um jogo saindo de dois sets abaixo pela quinta vez na carreira. O sérvio quebrou o saque do jovem rival logo de cara, mas em nenhum momento parecia confortável com seu próprio saque e rapidamente cedeu o empate. Chung permanecia muito firme do fundo de quadra, sustentando as trocas de bola e encontrava respostas para tudo o que o ex-número 1 tentava fazer, especialmente quando contra-atacava com o backhand na paralela. Em alguns momentos, era como se Djokovic enfrentasse uma jovem versão de si mesmo.

O equilíbrio permaneceu até a disputa de um novo tiebreak, em que o sérvio começou perdendo por 3-0, buscou a igualdade, mas mais uma vez o sul-coreano foi brilhante para vencer os quatro pontos seguintes e conseguir a maior vitória da carreira contra seu ídolo.

Comentários