Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djokovic confirma mudança no saque após lesão
13/01/2018 às 13h25

Sérvio teve que mudar o movimento de saque para poupar o cotovelo

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Desde que disputou uma exibição contra Dominic Thiem no Kooyong Park na última quarta-feira, Novak Djokovc chamou atenção por conta de uma mudança no movimento de saque. Em sua primeira entrevista coletiva no Australian Open confirmou aos jornalistas que precisou modificar a mecânica do serviço por conta da lesão no cotovelo que o afastou de quadra por seis meses.

"Era uma parte do meu jogo que eu precisava resolver por causa dos problemas do cotovelo", disse Djokovic neste sábado. "Trabalhei nisso nos últimos meses com Radek e Andre, que passou uma semana com toda a equipe".

"O movimento de saque comparado ao de antes não é inteiramente diferente, mas no início, mesmo esses pequenos ajustes fizeram muita diferença mentalmente. Eu precisava de tempo para me acostumar com essa mudança e entender se isso seria bom ou não para mim", explicou o ex-líder do ranking mundial.

"Até agora está funcionando muito bem. Eu só fiz o jogo em Kooyong onde eu realmente pude tentar, mas também joguei muitos sets de treinos. Estou feliz com esse novo movimento de serviço, mas não quero dizer que seja um 'novo saque'", complementou o sérvio, que não disputa um torneio oficial desde Wimbledon.

Questionado se a dor no cotovelo era mais intensa durante o saque quando estava lesionado, Djokovic confirmou a informação e também expôs que esse era o movimento que mais incomodava. "Apenas o saque. Era o movimento mais crítico para mim".

"Fiz algumas correções e melhorias na técnica, que devem permitir que eu seja mais eficiente com o saque e também me liberar a carga do cotovelo, por causa dessa lesão", comentou o sérvio, que agora trabalha com Andre Agassi e o ex-jogador profissional tcheco Radek Stepanek.

"Nós conversamos sobre isso. Ele estava mencionando suas próprias experiências. Bem, tanto Radek quanto Andre discutiram muito antes de repassar essa informação a mim. Eles passaram muitas horas analisando meu saque. Eu fiz isso também e nós conversamos sobre isso".

Djokovic reconhece que foi incomum passar tanto tempo longe das competições. "Nunca perdi um Grand Slam desde que comecei a jogar profissionalmente. Nunca estive ausente do circuito por mais de um mês. Foi uma sensação estranha para mim ficar sem poder competir por seis meses".

"Mas o que é positivo é que quando tomamos essa decisão, depois de consultas com médicos, ficou bastante claro o que aconteceria. Nos seis meses seguinte, eu não iria jogar, independentemente de quão rápido ou lenta fosse a recuperação".

Depois de desistir da série de exibições em Abu Dhabi e do ATP 250 de Doha, o sérvio justificou a escolha de adiar o início da temporada. "Bem, o cotovelo ainda não estava pronto para competir no dia-a-dia, fazer jogos seguidos em dias seguidos. Ainda não estava preparado, então eu tive que tomar essa decisão".

"Mas depois de consultas longas e muito aprofundadas com minha equipe, médicos e especialistas em ortopedia, tomamos uma decisão de que é possível jogar aqui", comentou o atual número 12 do mundo. "Ainda não estou 100% curado, mas já estou no nível em que eu posso competir, e estou melhorando a cada dia. Espero estar 100% já no início do torneio".

Aos trinta anos e de olho no sétimo título em Melbourne, Djokovic espera repetir o sucesso que Roger Federer teve no ano passado, quando também voltava de uma longa pausa por lesão e terminou como campeão do Grand Slam australiano.

"O ano que Roger e Rafa tiveram no ano passado, mostrou que a idade é apenas um número, especialmente no caso de Roger. Ele é um ótimo exemplo de alguém que consegue cuidar de si mesmo, sabe como se preparar bem e ter o auge no momento certo. Ele ganhou dois Grand Slam. Quem poderia prever isso depois dos seis meses de ausência?"

"Eu me sinto jovem lá dentro. Mesmo que pelas opiniões de algumas pessoas, você não seja mais considerado jovem quando você passa dos 30 anos, você ainda tem um terço ou um quarto de carreira pela frente", completou o sérvio que vai estrear no Australian Open contra o norte-americano Donald Young.

Comentários