Notícias | Dia a dia | US Open
Stephens coroa o retorno e conquista o US Open
09/09/2017 às 18h26

Stephens ficou onze meses parada por lesão e só voltou ao circuito em Wimbledon

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - Com uma das mais incríveis histórias de recuperação dos últimos anos, Sloane Stephens é uma campeã de Grand Slam. A norte-americana de 24 anos conquistou o US Open neste sábado ao vencer um duelo caseiro contra Madison Keys por 6/3 e 6/0 em 1h01 de partida, na primeira final entre duas anfitriãs desde o encontro entre as irmãs Venus e Serena Williams em 2002.

Ex-número 11 e atual 83ª do ranking, Stephens tem o segundo ranking mais baixo entre as vencedoras de Grand Slam, ficando atrás apenas de Chris O'Neil, que venceu o Australian Open de 1978 como 111º colocada. Lembrando que Kim Clijsters e Evonne Goolagong conquistaram títulos de Slam sem aparecer no ranking. Ela aliás se junta a Clijsters, campeã em 2009, entre as não-cabeças de chave a vencerem o US Open.

Stephens corou uma trajetória incrível de recuperação. Ela ficou onze meses parada, entre agosto do ano passado e julho deste ano, por lesão no pé esquerdo. Após ser constatada uma fratura por estresse, a americana precisou operar no início deste ano. De volta em Wimbledon, Stephens precisou do ranking protegido para entrar no Grand Slam britânico e ao não defender a campanha até a terceira rodada cairia do 336º para o 901º lugar.

Stephens chegou a ocupar a 957ª posição em julho antes de iniciar uma espetacular reação. Semifinalista em Toronto e Cincinnati, a americana voltou ao top 100 e a campanha até o título em Nova York a coloca no 17º lugar. A norte-americana tem 15 vitórias nas últimas 17 partidas, superada apenas por Caroline Wozniacki e Simona Halep nas semifinais dos principais eventos preparatórios.

Vice-campeã, Keys perdeu a oportunidade de voltar ao top 10. A jovem de 22 anos terminou a temporada passada no oitavo lugar, mas precisou operar o punho esquerdo. Ela ainda fez a segunda cirurgia depois de Roland Garros, quando enfim pôde jogar sem dor. Atual 16ª colocada, ela sobe para a 12ª posição.

O começo de partida foi com as duas jogadoras muito firmes nos games de saque, sem oferecer oportunidades. Keys, que entrou em quadra com a perna direita enfaixada e tinha um pouco de dificuldade na movimentação, partia para a definiçãos dos pontos, enquanto Stephens era muito firme do fundo de quadra e só atacava nos momentos em que tinha a certeza de que venceria o ponto.

A primeira quebra aconteceria no quinto game da partida, após quatro erros não-forçados de Keys. A ex-top 10 seguia bastante irregular e, ao final de seis games, tinha doze erros contra nenhum de sua adversária. Keys já não repetia o mesmo desempenho no saque e voltaria a ser ameaçada. Stephens cometeria seus dois primeiros erros quando já vencia por 5/3, um deles em um set point, mas voltaria a quebrar para fechar o set inicial.

A parcial seguinte começou com Keys batendo ainda mais forte na bola, especialmente quando Stephens tinha que jogar com o segundo saque. Mas a estratégia de ir para o risco o tempo todo a fez dar muitos pontos importantes de graça, incluindo três chances de quabra, e ela logo se viu perdendo por 5/0. Mesmo com a adversária pressionando o tempo todo, Stephens não se intimidou com o jogo agressivo da rival e aplicou um incontestável 'pneu' logo em sua primeira final de Grand Slam. Keys liderou nos winners por 18 a 10, mas cometeu 30 erros não-forçados contra apenas seis da inspiradíssima Stephens.

Comentários