Notícias | Dia a dia | US Open
Stephens diz que enfrentará melhor amiga na final
08/09/2017 às 11h33

Stephens terá Keys pela frente na final em NY

Foto: USTA/Andrew Ong

Nova York (EUA) – A primeira final de Grand Slam da norte-americana Sloane Stephens será contra uma grande amiga. Depois de vencer a experiente compatriota Venus Williams na primeira semifinal desta quinta-feira, ela viu Madison Keys levar a melhor no outro duelo 100% local contra Coco Vandeweghe.

“Eu a conheço há muito tempo e ela é provavelmente minha amiga mais próxima no circuito. Vai ser duro, pois nunca é fácil enfrentar uma amiga. Ela é uma jogadora muito forte, saca muito bem e tenta jogar pela primeira boa”, declarou Stephens, que saiu vitoriosa de quadra na única vez que cruzou com Keys, na segunda rodada de Miami em 2015.

Sloane comemorou muito o feito inédito, tendo já batido na trave uma vez. Em 2013, ela foi até a semi do Australian Open e acabou derrotada pela bielorrussa Victoria Azarenka. “Estou super feliz por disputar minha primeira final de Grand Slam e fazer isso dentro de casa é ainda mais especial, acho que esse é o sonho de todo jogador”, festejou a norte-americana de 24 anos.

Apesar da celebração pelo feito em Nova York, a temporada não começou muito boa para Stephens, que encarou uma cirurgia no pé e teve que assistir o Australian Open de casa. “Eu tinha acabado de passar pela cirurgia, não podia andar. Acordava super cedo para acompanhar os jogos e ficava o tempo todo no meu sofá”, lembrou.

“Sou uma lutadora, uma pessoa com muita bravura e não desisto nunca”, acrescentou a atual 83 do mundo, que só voltou a jogar em Wimbledon, onde não passou da segunda rodada. Ela começou sua preparação para o US Open na 957ª colocação no ranking, mas com as semifinais seguidas de Toronto e Cicninnati deu um grande salto.

A campanha em Flushing Meadows vai garanti-la uma nova arrancada, ganhando mais 61 lugares até então, indo para o 22º posto. Em caso de título, Stephens voltará ao top 20, aparecendo na 17ª colocação, um pouco abaixo da melhor marca que já conseguiu, a 11ª posição.

Questionada sobre os altos e baixos na semifinal, ela disse que se concentrou para recobrar o melhor tênis depois de levar um ‘pneu’ no segundo set. “As coisas não foram muito boas para mim no segundo, ela elevou seu nível de tênis, mas consegui me levantar. Sabia que eu teria uma oportunidade, consegui melhorar e fiz um grande terceiro”, analisou.

Comentários