Notícias | Dia a dia | US Open
Nadal vê evolução em relação aos 2 primeiros jogos
03/09/2017 às 10h26

Nadal espera jogo duro com Dolgopolov nas oitavas

Foto: USTA/Garrett Ellwood

Nova York (EUA) – Embora tenha precisado mais uma vez buscar uma virada para seguir adiante neste US Open, o espanhol Rafael Nadal saiu contente com o seu desempenho contra o argentino Leonardo Mayer neste sábado. O canhoto de Mallorca viu evolução em relação às duas primeiras partidas que teve em sua campanha até então.

“Acho que joguei bem melhor do que nas duas primeiras partidas. Preciso de mais jogos como esse se quiser ir bem aqui. Já estou na segunda semana e isso é a coisa mais importante”, comentou o número 1 do mundo, que gostou do que fez desde o começo da partida, mesmo tendo perdido o primeiro set.

“Não acho que tenha começado de vagar, pois tive vários break-points e apenas não os consegui converter. Se eu tivesse conseguido converter um ou dois deles a história seria outra. Aí a definição foi para o tiebreaks, no qual cometi um erro, ele jogou bem e acabou vencendo”, analisou Nadal.

Para o espanhol, depois que ele enfim anotou o primeiro break as coisas ficaram mais tranquilas. “Você fica um pouco mais tenso quando vê que tem oportunidades e não consegue aproveitá-las. Quando você finalmente consegue fazer isso acaba jogando bem mais solto. Consegui então a jogar melhor com meu forehand, fui mais para as linhas e também melhorei o backhand”, explicou.

O próximo obstáculo no caminho de Nadal será o ucraniano Alexandr Dolgopolov, contra quem ele tem um retrospecto positivo (6 a 2). “Perdi para ele em Indian Wells alguns anos atrás e o enfrentei neste ano em Brisbane. Preciso jogar bem contra ele, que é um cara agressivo, tem muita habilidade e bate na bola muito cedo. Preciso ser agressivo e não dar a chance para que ele comande o ponto”, observou o canhoto.

Questionado sobre uma possível pressão extra sobre ele e o suíço Roger Federer, uma vez que muitos favoritos já se despediram do torneio, Nadal garantiu que isso não o preocupa em absolutamente nada. “Foco na minha próxima partida, em tentar jogar bem, não fico pensando em quem ainda está na chave ou não. Eu não sinto pressão extra se os grandes nomes estão lá ou não”, finalizou.

Comentários