Notícias | Dia a dia | US Open
Coric festeja vitória, mas prega cautela na sequência
31/08/2017 às 14h06

Coric venceu os dois duelos que travou com Zverev

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) – Responsável por uma das principais surpresas desta quarta-feira no US Open, o croata Borna Coric levou a melhor no duelo de jovens com o alemão Alexander Zverev, que ostentava a condição de cabeça de chave número 4 e era o jogador mais bem cotado em toda a parte de baixo da tabela.

O ótimo resultado conquistado deixou o croata de 20 anos empolgado, embora ele reconheça que ainda há um longo caminho pela frente. “A vitória me dá uma grande confiança, mas no fim do dia é apenas uma partida de tênis a mais. Terei outra pela frente em um dia e meio”, observou Coric.

“Tive grandes vitórias neste ano e acabei perdendo na sequência, por isso quero ir pensando jogo a jogo. O próximo é contra Kevin Anderson e perdi para ele duas vezes, por isso será extremamente duro. Tenho que pensar em me recuperar, pois não estou já nas semifinais, na verdade eu não estou nem perto disso”, acrescentou o croata.

Atual 61 do mundo, ele revelou que chegou a ser dúvida para o último Grand Slam do ano. “Estava sofrendo com uma lesão no pescoço e não sabia se realmente conseguiria jogar ou se conseguiria aguentar bem durante o torneio. Fiz fisioterapia e isso me ajudou muito, já estou bem melhor”, revelou Coric, que não vê a vitória sobre Zverev algo tão especial assim.

“Jogamos de forma similar, a única diferença é que ele saca melhor do que eu. Assim como em todas as partidas que eu disputo, entrei pensando em vencer e não morreria se perdesse. Foi para a quadra e lutei, dei o meu melhor e deixei tudo o que tinha lá”, declarou o croata, que também analisou seu desenvolvimento na partida.

“No primeiro set eu joguei muito mal no game em que fui quebrado e depois não consegui me recuperar. Evolui no segundo e passei a sacar um melhor. Nos dois sets seguintes, confirmamos os serviços e a diferença veio nos pontos importantes”, concluiu o tenista de 20 anos.

Comentários