Notícias | Dia a dia | US Open
'Ainda não sou sólido como fui hoje', diz Shapovalov
31/08/2017 às 12h32

Shapovalov não perdeu set no duelo com Tsonga

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) – Mais uma vez o canadense Denis Shapovalov conseguiu uma grande vitória. Na noite desta quarta-feira, pela segunda rodada do US Open, o tenista de apenas 18 anos foi o responsável por surpreender o francês Jo-Wilfried Tsonga, cabeça de chave número 8, com um firme triunfo definido em sets diretos.

Apesar do grande feito, o jovem canadense prefere frear um pouco a euforia pelo ótimo resultado. “Não tem nada de rotina em uma vitória como essa. Claro que joguei incrivelmente bem, em um nível muito alto, acertando os meus golpes durante quase toda a partida, exceto no 5/3 e no 5/4, sacando para o terceiro set”, disse Shapovalov.

O atual 69 do mundo deve saltar por volta de 10 colocações no ranking com a campanha e sabe que sua evolução é uma coisa que acontecerá com o tempo. “Acredito que é um processo longo, pois ainda não sou sempre mentalmente sólido como fui hoje. Venho trabalhando duro nisso com o meu time e acho que tenho evoluído um pouco já”.

Na próxima rodada, Shapovalov medirá forças com o britânico Kyle Edmund, seu adversário na fatídica partida de Copa Davis em que o canadense acabou acertando uma bolada no juiz e acabou sendo desclassificado por causa disso. A eliminação do canadense da partida custou também a derrota de sua equipe na competição.

“Isso me ajudou a amadurecer, mas acho que a partida de agora não terá nada a ver com aquela. Já pedi desculpas por minhas atitudes e isso é algo com o qual vou ter que conviver, mas já deixei no passado e hoje sou um jogador e uma pessoa diferente”, comentou o jovem tenista sobre o reencontro com Edmundo.

Shapovalov também falou sobre a sensação de jogar no Arthur Ashe Stadium. “Estava solto desde o começo e já o quebrei no primeiro game. Claro que o estádio é intimidador, há muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. São muitos telões e várias pessoas falando e andando, não é fácil jogar assim. De qualquer maneira tenho que agradecer a USTA por me colocar para jogar lá, foi muito divertido”, falou o canadense.

Comentários