Notícias | Dia a dia | US Open
Ameaças ao número 1 não preocupam Pliskova
29/08/2017 às 23h12

Tcheca precisa voltar à final do US Open para não perder a liderança

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - Precisando voltar à final do US Open para não perder a liderança do ranking mundial e com seu primeiro lugar ameaçado por outras seis jogadoras, Karolina Pliskova diz que nada disso entra em quadra no momento em que ela precisa lutar pelas vitórias.

"Honestamente, eu não fico com isso na cabeça quando estou dentro de quadra. Isso não passou pela minha mente em nenhuma das partidas que eu fiz nas últimas semanas. Então não é algo em que eu queira pensar durante os jogos", disse Pliskova, que disputa seu terceiro torneio como número 1 do mundo.

"Talvez fora da quadra, obviamente, eu gostaria de permancer na liderança pelo tempo que eu puder, mas não quero me pressionar ou me estressar por causa disso. Acredito que se eu jogar um bom tênis, tenho uma boa chance de continuar em primeiro", acrescenta a tcheca, que assumiu a liderança em Wimbledon.

"Obviamente, há muitas jogadoras se aproximando de mim agora. Sei que Simona está fora, mas ainda há mais seis ou sete no torneio, então eu vou ter que ir longe (sorrindo)", completa a jogadora de 25 anos, que pode perder o lugar para Garbiñe Muguruza, Elina Svitolina, Caroline Wozniacki, Venus Williams, Svetlana Kuznetsova e até mesmo para Simona Halep, que já foi eliminada do torneio.

Pliskova aprovou o desempenho na estreia, em que venceu a polonesa Magda Linette por 6/2 e 6/1. "Antes de tudo, fico feliz por ter vencido. Estava esperando um jogo mais duro do que acabou sendo, porque eu estava um pouco nervosa antes da partida, especialmente por ser um Grand Slam por eu defender tantos pontos da final do ano passado".

"Foi um pouco difícil, mas acho que deu tudo certo hoje. O jogo poderia ser melhor. Acho que sacar poderia ser melhor, mas no geral, acho que fui sólida", explica a líder do ranking, que espera pela partida entre a norte-americana Nicole Gibbs e a paraguaia Veronica Cepede Royg.

Reconhecida como uma das melhores sacadoras do circuito, Pliskova utilizara um de seus principais golpes para fazer caridade. Em parceria com seus patrocinadores, ela irá doar 200 euros por cada ace que fizer para o Departamento de Hematologia Pediátrica e Oncologia do Hospital Universitário Motol em Praga. 

A tcheca disparou 517 aces em 2015 e aumentou esse total para 530 em 2016. Antes do torneio, ela liderava a estatística da temporada com 348 e já disparou outros oito nesta terça-feira. Ela afirma também que a iniciativa surgiu antes mesmo de ela chegar à liderança do ranking.

"Eu não acho que isso tenha algo a ver com o fato de eu ser a número 1 agora. Eu já tinha a ideia de fazer isso no ano passado e tenho pessoas muito boas ao meu redor agora. Então, de alguma forma, achamos uma maneira de doar o dinheiro e acho essa forma muito boa, especialmente comigo fazendo muitos aces todos os anos. Acho que eles poderiam obter ganhar bastante dinheiro".

Comentários