Notícias | Dia a dia | US Open
Federer acredita que lesões são 'coisas da idade'
26/08/2017 às 18h21

Federer espera estreia trabalhosa contra Tiafoe

Foto: Arquivo

Nova York (EUA) - O suíço Roger Federer está recuperado das dores nas costas que prejudicaram sua atuação em Montréal. Isso ao menos foi o que ele garantiu na entrevista oficial dos tenistas deste sábado no US Open.

"A primeira semana depois da final de Montréal comecei a me sentir um pouco melhor", contou. "Ao menos, tenho tido condições de ir à quadra a partir desta semana. Passei a disputar sets nos últimos dias e estou satisfeito como venho me sentindo", revelou o cabeça 3. "Na semana anterior ao Australian Open, lembro também ter lutado muito nos treinamento, já que vinha de uns bons dias na Copa Hopman".

"Está sendo um tanto surpreendente vermos 2017 com Rafa e Roger novamente no topo do ranking, não resta dúvida. Creio que as lesões que têm ocorrido no circuito são pelo fato de que não é mais divertido para tenistas com mais de 30 anos jogar com apenas 80 ou 85% de suas possibilidades", opina ele, que acabou de completar 36 anos. "Nessas condições, é melhor parar, descansar e só voltar quando estiver 100%. Não acredito que essa série de contusões seja um problema do calendário ou com o circuito, acho que tem mais a ver com idade".

O suíço não esconde que ficaria muito feliz se enfim pudesse enfrentar Nadal em Nova York, único grande torneio do circuito em que os dois jamais se cruzaram. "Seria muito bonito jogar contra ele, mas existe uns 60 adversários à nossa frente que não estão de acordo com isso. Com tantas desistências acontecendo, poderá ser uma grande oportunidade para muitos deles, até mesmo para quem está fora do top 10".

Em busca do 20º troféu de Grand Slam e do primeiro triunfo no US Open desde 2008, Federer já terá uma estreia delicada diante do garoto americano Frances Tiafoe. "Ele é um adversário mais do que interessante para uma primeira rodada. Nos enfrentamos em Miami, assim conheço um pouco mais seu estilo. Mas vou me concentrar no meu jogo".

Momento divertido da entrevista aconteceu quando um garoto de nove anos perguntou por que as pessoas chamam Federer de 'Goat' (abreviatura em inglês para melhor de todos os tempos). O mesmo garoto depois quis saber se o suíço aguentaria ficar mais sete anos no circuito para que ele pudesse enfrentá-lo.

Comentários