Notícias | Dia a dia | Australian Open
Nadal não vê tanta desvantagem por jogar depois
27/01/2017 às 15h56

Nadal fez uma partida de 4h54 nesta sexta-feira, enquanto Federer jogou no dia anterior

Foto: Arquivo

Melbourne (Austrália) - Todos os anos quando o Australian Open chega à reta final, muitos fãs de tênis consideram injusto que as semifinais masculinas sejam disputadas em dias diferentes, ao contrário do que acontece nos outros três Grand Slam. Mas para o principal envolvido nessa questão, Rafael Nadal, a desvantagem física em relação a Roger Federer que jogou no dia anterior não é tão grande.

"Não é um problema. Para mim, é justo o suficiente. É verdade que se você tiver um jogo como o que eu fiz hoje, você provavelmente estará em desvantagem, mas isso é uma situação especial e não posso reclamar. Acho que está bom", disse Nadal após vencer Grigor Dimitrov por 6/3, 5/7, 7/6 (7-5), 6/7 (4-7) e 6/4 em duelo de 4h54 nesta sexta-feira.

"Para mim é muito mais injusto quando você joga em dois dias seguidos no US Open, por exemplo, porque aí sim, você fica em uma grande desvantagem. Se você jogar uma partida como a que eu joguei hoje, provavelmente estará morto amanhã, sem nenhuma chance. Isso uma desvantagem maior do que a daqui", acrescentou o espanhol que buscará seu 15º título de Grand Slam.

"Grigor jogamos muito bem e fizemos uma grande partida hoje à noite. Acho que nós dois merecíamos estar nessa final, porque foi uma grande luta. Felizmente, fui eu o vencedor. Estou com sorte", comentou o espanhol que derrotou o búlgaro pela oitava vez em nove jogos.

Ao alcançar sua 21ª final de Grand Slam, Nadal garantiu o nono duelo com Federer valendo um dos quatro troféus mais importantes do tênis. O histórico nessas condições é favorável ao espanhol, que lidera por 6 a 2.

"É incrível estar em uma final de Grand Slam novamente aqui na Austrália. Significa muito para mim. Eu sinto o amor que as pessoas têm por mim aqui e eles me dão muita energia positiva", acrescentou o campeão de 2009, que também foi vice-campeão em 2012 e 2014.

"É especial jogar com Roger novamente em uma final de um Grand Slam. Eu não posso mentir. É ótimo. É emocionante para nós dois que ainda estejamos lutando por títulos importantes", disse o ex-número 1 do mundo que tem 23 vitórias e 11 derrotas contra Federer, e lidera a estatística em finais por 14 a 7.

Na campanha para o título de 2009, Nadal também disputou uma longa semifinal de cinco sets e superou Fernando Verdasco antes de bater Federer na decisão. "Fiz em 2009 e sou oito anos mais velho agora", afirmou o canhoto de 30 anos.

"Foi há muito tempo. É um jogo diferente e um momento diferente para nós dois. Acho que este jogo é completamente diferente dos que aconteceram antes", avalia. "Nós não estivemos nesta situação há algum tempo, então isso torna o jogo especial. Eu realmente não penso sobre o que aconteceu no passado. Acho que quem joga melhor vai ser o vencedor".

Comentários