fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Milos Raonic, Dustin Brown, US Open Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Milos Raonic, Dustin Brown, US Open Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Milos Raonic, Dustin Brown, US Open tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/raonic/0829_usopen_preparasaque_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/raonic/0829_usopen_preparasaque_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | US Open
Raonic sai da estreia descontente com o saque
30/08/2016 às 12h36
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/raonic/0829_usopen_preparasaque_int.jpg" title="Raonic não cedeu sets em sua estreia no US Open" />

Raonic não cedeu sets em sua estreia no US Open

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Nova York (EUA) - Apesar de ter superado a estreia no US Open, contra o alemão Dustin Brown, em sets diretos, o canadense Milos Raonic não saiu muito contente com sua apresentação. Ele colocou apenas 56% dos primeiros serviços em quadra e mostrou certa insatisfação com os seus saques.

"Tive trabalho com meu serviço hoje. Fui melhorando, mas definitivamente é algo que terei que trabalhar para meu próximo jogo. É algo que preciso recuperar, mas que está lá", analisou o canadense, que terminou o jogo com 15 aces. Raonic ainda venceu 88% dos pontos com a primeira bola, 61% com a segunda e acabou quebrado apenas uma vez. 

Em contrapartida, ele destacou o fato de não ter cedido uma parcial sequer a Brown, fechando o jogo em 1h43 de disputa. "Foi um começo eficiente, em apenas três sets e não muito tempo em quadra. Gostaria de ter jogado melhor, mas a meta não é jogar o meu melhor tênis logo na estreia. Espero continuar evoluindo", comentou.

Questionado sobre o rompimento com o norte-americano John McEnroe, que não irá trabalhar com ele no US Open, Raonic foi sucinto. "Acho que ele tem muitas coisas a fazer neste período e sentiu que era essa a atitude certa. No final das contas, foi uma decisão da qual ambos concordamos e não ficou sentimento ruim algum". 

O canadense também comentou o fato de tentar se intrometer no chamado 'Big Four', buscando grandes conquistas diante de nomes como o do suíço Roger Federer, do espanhol Rafael Nadal, do sérvio Novak Djokovic e do britânico Andu Murray.

"Roger sempre chega, mas infelizmente está afastado por um tempo. Andy e Novak têm liderado o circuito nos últimos tempos e Rafa é sempre um dos jogadores mais perigosos. Você tem que se adaptar a esse panorama, esperar por enfrentá-los só na reta final e poder mostrar seu melhor tênis. Tento melhorar a cada dia. O que tenho que fazer contra esses caras é ser competitivo, pois nos grandes torneios não tem como evitar enfrentá-los em algum momento", finalizou.

Últimas notícias
Comentários