Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Murray é o último obstáculo para sonho de Djokovic
04/06/2016 às 16h36

Djokovic triunfou em Madri, Murray venceu em Roma

Foto: Arquivo

Paris (França) - Só o britânico Andy Murray pode impedir agora que o sérvio Novak Djokovic consiga enfim conquistar o tão sonhado título de Roland Garros, o único Grand Slam que lhe falta no currículo. O atual número 1 do mundo já bateu na trave em três oportunidades e neste domingo, às 10h (horário de Brasília), tenta acabar com a espera e se tornar o oitavo e vencer nos quatro principais torneios do circuito.

Djokovic pode ainda se tornar apenas um dos únicos três a vencer os quatro Slam de forma consecutiva, algo que apenas o norte-americano Don Budge e o australiano Rod Laver conseguiram. Outra marca rara no alvo do tenista de Belgrado é a dobradinha Australian Open/Roland Garros, algo que foi feito apenas dez vezes na história, a última delas em 1992, com o norte-americano Jim Courier. 

Mas se falhar na decisão contra Murray terá que esperar mais um ano para fechar o Slam de carreira e será o mais velho a alcançar tal feito, posto atualmente ocupado pelo norte-americano Andre Agassi. Apenas quatro jogadores precisaram de mais de quatro finais para vencer um dos maiores títulos: Roger Federer (Roland Garros), Goran Ivanisevic (Wimbledon) e Ivan Ledl (US Open).

Coadjuvante de luxo na decisão deste domingo, Murray tem contra si um histórico nada favorável diante do sérvio. Ele tem apenas 10 vitórias em 33 confrontos, venceu somente um em cinco embates no saibro e em Grand Slam são apenas dois triunfos e sete derrotas. O único jogador que perdeu mais vezes de Djokovic nessa situação foi Fedrer, com nove derrotas. 

Tentando ser apenas o segundo britânico a vencer em Roland Garros, repetindo o feito de Fred Perry em 1935, Murray pode se apegar ao fato de ter conquistado seu dois títulos de Slam justamente contra Djokovic, encerrando o jejum britânico no US Open de 2012 e acabando com a seca da casa de 77 em WImbledon, no ano seguinte.

A partida vai servir também como um tira-teima entre os dois que mais somaram no saibro europeu nesta temporada. Murray chega com 1.960 pontos, frutos do título do Masters de Roma, do vice em Madri e semi em Monte Carlo. Já Djokovic tem 1.610, do vice na Itália, do título na Espanha e da primeira rodada no principado.

Comentários