Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Serena rechaça pressão por recorde e confirma lesão
03/06/2016 às 13h19

Serena vem jogando com problema no adutor

Foto: Divulgação

Paris (França) - Pela segunda vez este ano, Serena Williams está a uma vitória de igualar o recorde de 22 títulos de Grand Slam de Steffi Graf. Finalista de Roland Garros e muito perto de mais uma vez fazer história no tênis feminino, a americana de 34 anos rechaça qualquer tipo de pressão adicional por isso.

"Se eu chegar lá vai ser ótimo. Vocês podem dizer também que levou tempo para eu chegar ao 18º título, mas depende da forma como se olha para isso. É a mesma coisa agora com 21. Não há nada que eu posssa fazer, apenas jogar para ganhar o torneio".

Líder do ranking mundial, Serena enfrenta neste sábado a quarta colocada espanhola Garbiñe Muguruza, contra quem tem três vitórias e uma derrota. O resultado negativo veio justamente em Paris.

"Eu não acho que a minha mentalidade seja diferente. Obviamente, eu quero jogar bem e ganhar amanhã", afirmou a americana. "Acho que a Muguruza vem jogando muito bem, ela tem um estilo muito agressivo. Independentemente disso, acho que vai ser um bom jogo".

"Na última vez que jogamos aqui na França ela conseguiu vencer", lembrou. "Eu aprendi muito com aquele jogo. Vocês sabes que eu odeio perder, mas quando acontece, eu espero que pelo menos tenha valido a pena. E aquela partida foi assim".

Outro assunto colocado em pauta durante a entrevista coletiva foi uma possível lesão no adutor. A ex-jogadora francesa Marion Bartoli, que está atuando como comentarista em Paris, revelou o caso durante a transmissão da partida.

"Ouvi dizer que ela falou isso, mas não sei. Preciso perguntar para ela", disse Serena, que confirmou a informação com poucas palavras. "Sim, eu tive alguns problemas e é isso".

Serena falou pouco sobre a vitória por 7/6 (9-7) e 6/4 contra a holandesa Kiki Bertens, mas fez questão de enaltecer a grande fase da holandesa que venceu doze jogos seguidos no circuito e chegou a derrubar duas top 10 em Paris. "Eu acho que ela tem, obviamente, muito mais confiança. Ela vem de grandes vitórias no torneio e chegar a uma semifinal de Grand Slam e sem ter nada a perder realmente faz uma grande diferença"

Comentários