fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Francesco Ricci Bitti, Copa Davis , Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Francesco Ricci Bitti, Copa Davis , Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Francesco Ricci Bitti, Copa Davis , tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/copa_davis/torcida_mascara_raonic_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/copa_davis/torcida_mascara_raonic_int.jpg" />
Notícias | Copa Davis
ITF estuda final da Copa Davis em campo neutro
20/04/2015 às 15h22
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/copa_davis/torcida_mascara_raonic_int.jpg" title="Torcida é um dos principais componentes da Davis" />

Torcida é um dos principais componentes da Davis

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Sochi (Rússia) - A possível mudança no formato da Copa Davis teve mais um capítulo neste final de semana. Depois de anunciar que irá implementar o tiebreak no quinto set “muito em breve”, a Federação Internacional de Tênis estuda fazer a decisão da maior competição entre nações em campo neutro.

“Estamos considerando ter a final em uma sede neutra”, disse o presidente da ITF, Francesco Ricci Bitti, à Associated Press. “Consideramos muitas mudanças. São pequenas mudanças, mantendo os grandes princípios básicos que querem defender”.

Todas as sugestões anunciadas por Ricci Bitti precisam ser aprovadas na reunião anual da ITF, realizada em setembro, para que sejam aplicadas já em 2016. No sistema atual, o mandante de um confronto será o visitante na próxima vez que os dois países se enfrentarem pela Copa Davis.

A introdução do tiebreak no quinto set seria uma medida para evitar jogos muito longos, como o do paulista João “Feijão” Souza e do argentino Leonardo Mayer, na primeira rodada da competição, em março.

“O Tênis está se tornando muito competitivo, os jogos estão mais longos e acredito que não podemos ir contra isso”, disse o presidente da ITF. Apesar das mudanças que podem acontecer em breve, Ricci Bitti também recusa outras sugestões. O italiano é contra a possibilidade de a Davis ser disputada somente a cada dois anos e não quer tirar das federações nacionais o direito de escolha dos atletas que defenderão o país.

Sobre a competição ficar “esvaziada” de grandes estrelas em alguns confrontos, Ricci Bitti se mostra, ao mesmo tempo, conformado e satisfeito. “Tênis está muito mais exigente, é difícil jogar dois dias seguidos nesse nível. Temos que aceitar que alguns jogadores vão ficar de fora. Apesar das dificuldades e do formato de jogar em casa e fora, nós temos 90% de participação (dos principais tenistas de cada país), então estamos muito felizes”, encerrou.

Últimas notícias
Comentários