fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andy Murray, Novak Djokovic, Australian Open Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andy Murray, Novak Djokovic, Australian Open Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andy Murray, Novak Djokovic, Australian Open tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/murray/0119_ausopen_prepara_slice_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/murray/0119_ausopen_prepara_slice_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Australian Open
'Será uma surpresa se eu vencer', garante Murray
31/01/2015 às 11h33
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/murray/0119_ausopen_prepara_slice_int.jpg" title="Murray pode recuperar o 3º lugar se ganhar título" />

Murray pode recuperar o 3º lugar se ganhar título

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Melbourne (Austrália) - Qual a melhor forma de se preparar para um título de Grand Slam e encerrar um pequeno tabu pessoal? O escocês Andy Murray, que tentará neste domingo o primeiro título no Australian Open depois de ter perdido três finais em Melbourne, busca uma receita diferente. "Tento não pensar muito sobre a final", contou em entrevista oficial neste sábado. Ele contou sequer ter visto a vitória de Novak Djokovic e Stan Wawrinka na sexta-feira, mas que iria ver um resumo e discutir isso com a técnica Amélie Mauresmo. "Acompanhei o jogo pelo placar enquanto jantava".

"Foi importante ter esses dois dias para descansar, depois dos jogos duros que tive contra (Grigor) Dimitrov e (Tomas) Berdych. Ao mesmo tempo, muda um pouco sua rotina, porque você está preparado para jogar dia sim, dia não. Mas está tudo sob controle". Ele aproveitou para contestar a programação: "Acho que as semifinais deveriam ser jogadas no mesmo dia, dando oportunidade igual para os vencedores. No caso de um jogo muito longo, talvez quem jogou depois tenha desvantagem. Nem acho que seja o caso de Novak, porque ele já teve recuperações incríveis. Fiz uma semi com ele e nem podia caminhar dois dias depois, mas ele estava inteiro para a final".

O escocês, que não disputava uma final de Slam desde a conquista de Wimbledon de 2013, não vê como comparar este momento com os outros que já viveu. "Sei apenas que estou jogando bem. Sempre que estive em situações difíceis, consegui um bom trabalho na parte mental e encontrei um jeito de me recuperar". Esta será a nona final de Slam de Murray, tendo vencido duas elas (US Open de 2012 foi a outra).

"Sei que será extremamente difícil ganhar de Novak amanhã. Será um grande desafio físico, então preciso estar preparado mentalmente para o esforço. Ele tem marcas fantásticas aqui, adora esta quadra e o clima do torneio. Será uma surpresa se eu ganhar". Murray no entanto evita se pressionar: "O que já fiz é uma marca expressiva, se conseguir três ou quatro Slam será incrível, porque isso é algo muito difícil de se fazer, ainda mais na era que vivemos".

De volta ao top 4 do ranking, Murray comemora na verdade a sua recuperação técnica. "Sinto que estou jogando bem novamente e se você sobe no ranking é uma mostra que está realmente progredindo. O ano passado foi duro e comecei a reagir no final. Como não fiz boas campanhas, tenho este primeiro semestre para recuperar pontos. Sabia que, se trabalhasse duro, da forma certa e com as pessoas ideais, conseguiria voltar ao meu melhor. Não posso relaxar. Assim que este torneio acabar, volto ao trabalho para corrigir coisas.

Últimas notícias
Comentários