fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Tomas Berdych, Rafael Nadal, Andy Murray, Daniel Vallverdu, Australian OpenCopa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Tomas Berdych, Rafael Nadal, Andy Murray, Daniel Vallverdu, Australian OpenCopa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Tomas Berdych, Rafael Nadal, Andy Murray, Daniel Vallverdu, Australian Opentênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/berdych/0127_ausopen_comemora_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/berdych/0127_ausopen_comemora_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Australian Open
Berdych destaca estratégia na vitória sobre Nadal
27/01/2015 às 10h41
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/berdych/0127_ausopen_comemora_int.jpg" title="Berdych encerrou série de 17 derrotas contra Nadal" />

Berdych encerrou série de 17 derrotas contra Nadal

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Melbourne (Austrália) - Depois de amargar 17 derrotas seguidas para o espanhol Rafael Nadal, enfim o tcheco Tomas Berdych conseguiu derrubar o canhoto de Mallorca. A vitória veio nesta terça-feira, pelas quartas de final do Australian Open, e com um placar de certa forma surpreendente, uma vez que o número 3 do mundo não conseguiu vencer um set sequer e chegou a levar um “pneu” no segundo.

“Comecei muito bem, adotei o plano que havia traçado antes da partida e parece que foi a certa. Consegui manter a estratégia até o fim”, comemorou o tcheco, que não batia Nadal desde 2006. “Mesmo que os dois primeiros sets parecessem ter sido fácil, tive que manter o nível, pois Nadal é o tipo de cara que pode fazer qualquer coisa”, acrescentou Berdych,

O tcheco destacou que a estratégia por si só não serviria de nada se ele não tivesse capacidade para executá-la. “Não é apenas uma questão de estudar o que fazer, mas sim de ter capacidade de conseguir isso em quadra. Por isso você tem que treinar muitas horas para poder tentar algumas coisas”, comentou Berdych, que também deu importância à chegada do novo treinador, o venezuelano Daniel Vallverdu.

“Fizemos uma tática e fui capaz de executá-la. Ele mudou algumas coisas em mim e trouxe coisas positivas. Acho que vou guardar um pouco de segredo”, brincou o atual número 7 do mundo.

Mesmo tenho vencido os dois primeiros sets com tranquilidade, cedendo apenas dois games. Berdych sabia que não poderia diminuir o ritmo por conta da capacidade do rival. “Ele mudou o estilo de como jogou. Estava mais defensivo no começo, mas depois ficou mais agressivo e partiu para os golpes. Ele passou a vencer mais pontos, mas ainda bem que consegui lidar com isso”.

Na semifinal, o tcheco irá medir forças com o britânico Andy Murray, que tinha Vallverdu em sua equipe até o fim da temporada passada. “Com certeza será uma vantagem, mas o mais importante é eu estar preparado para executar o plano de jogo. A preparação será a mesma para os outros adversários que tive, não vou mudar nada”, avaliou Berdych.

A contratação de Vallverdu veio após o não que Berdych tomou do tcheco naturalizado norte-americano Ivan Lendl, que também trabalhou com Murray. Ele negou que o venezuelano tenha sido indicação do ex-treinador do britânico. “Falei com Ivan depois de Xangai, quando a temporada ainda estava rolando. Minha abordagem foi apenas sobre ele, não conversamos sobre ninguém mais”, explicou o tcheco.

Últimas notícias
Comentários