Notícias > Dia a dia
A-  A+
Tsonga se supera no saibro pesado e pega Simon
19/04/2012 às 12h01

Monte Carlo (Mônaco) - O francês Jo-Wilfried Tsonga se superou nesta quinta-feira e conseguiu uma inédita vaga nas quartas de final do Masters 1000 de Monte Carlo. Em jogo paralisado duas vezes por conta do mau tempo, ele ainda reuniu forças no saibro pesado e conseguiu derrotar o espanhol Fernando Verdasco, depois de salvar dois set-points, com parciais de 7/6 (9-7) e 6/2.

Seu adversário desta sexta-feira será o compatriota Gilles Simon, que venceu o duelo contra o sérvio Janko Tipsarevic, por 6/0, 4/6 e 6/1. Simon não possui também grande retrospecto sobre a terra batida, mas manteve seu tabu pessoal contra Tipsarevic com quatro triunfos seguidos.

O duelo contra Verdasco foi intensamente disputado no primeiro set, em que o canhoto espanhol surpreendeu pelo baixo número de erros não-forçados. Seu maior chance veio no final do tiebreak, quando abriu 6-4, com um saque a favor, mas não aproveitou. Tsonga reagiu e salvou um set-point com uma jogada muito ousada, obtendo depois a virada.

Verdasco desanimou e aí permitiu que o cabeça 5 abrisse rapidamente 4/1 no segundo set antes de completar a partida. O espanhol obteve apenas sete winners no saibro lento, enquanto Tsonga arriscou muito mais e obteve 26. Nos erros não-forçados, houve maior equilíbrio, com 37 do vencedor e 26 do espanhol.

Tsonga disputará as quartas de final de um Masters sobre o saibro apenas pela segunda vez em toda a carreira, repetindo o feito de Roma em 2010. O francês, que completou 27 anos na terça-feira, soma agora 21 vitórias em 27 partidas da temporada, com titulo em Doha e semifinal em Marselha.

Simon, por sua vez, tenta a terceira semifinal de nível Masters, depois um vice em Madri e uma semi em Cincinnati. Sua melhor campanha num grande evento sobre o saibro aconteceu no ano passado, em Roland Garros, quando atingiu a quarta rodada. Ele, no entanto, perdeu quatro dos cinco duelos contra o amigo Tsonga, mas venceu o único sobre o saibro, há quatro anos, em Roma.

comentariosCOMENTÁRIOS