Instrução | Equipamento
Tudo o que você precisa saber sobre as bolinhas
Por Fabrizio Tivolli
23/06/2008 às 14h20
instrucao/fotos_destaques/bolas_usadas_int_instr.jpg

Apesar do mundo dos equipamentos para tênis ser cada vez mais amplo e cheio de novidades que não se resumem apenas às raquetes, mas também à infinidade de acessórios disponíveis, não podemos deixar de lado um produto essencial em nosso jogo: as bolas de tênis. Muitos tenistas podem considerar as bolas como um item sem diferenciações, mas como veremos a seguir, está longe disso!

As bolas de tênis são uma mistura de borracha, lã artificial e lã natural. O que definirá as características da bola será a quantidade com que cada material desses será usado, o tipo e obviamente a qualidade, o que torna um tipo de bola, mais caro que outro, porém muitas vezes com maior durabilidade e maior qualidade ao jogo.

Para começar, existem bolas específicas para cada superfície, o que traz grandes mudanças na hora do jogo. Podemos dividi-las em bolas para quadra rápida ou dura, para quadra lenta ou saibro e para todos os tipos de superfície.

Bolas para quadra dura ou rápida: Esse tipo de bola tem em sua mistura maior quantidade de lã natural do que lã artificial, pois a lã natural oferece maior atrito, consequentemente deixando a bola um pouco mais lenta. Isso também interfere um pouco na durabilidade da bola.

Bolas para quadra lenta ou saibro: As bolas para quadra lenta possuem maior quantidade de lã artificial, que é mais "lisa", resultando em menos atrito, tornando o jogo na quadra lenta um pouco mais rápido.

Bolas para todo tipo de quadra: Esse tipo de bola "all court" é o "feijão com arroz", pois trata-se de uma mistura homogênea de lã natural com artificial, tornando-se ideal para qualquer superfície.

Recomendações da ATP: Existem exigências da Associação dos Tenistas Profissionais que definem um padrão mundial para as bolas, o que garante que não encontremos bolas tão distintas entre as marcas. São elas: peso, circunferência, pressão e quique.

Por isso é ideal procurar um tubo de bolas de uma marca credenciada por alguma entidade de respeito no tênis, para não passar nervoso! Muitos tenistas sentem grande diferença quanto ao "peso" da bola, de marca para marca. Realmente isso existe. O que define uma bola mais pesada de outra é a qualidade e tipo de borracha que está sendo usada. Apesar da diferença não ser gritante, ela existe, por isso muitos tenistas têm suas marcas de preferência, por sentir mais a bola, no caso de bolas mais "pesadas", ou até mesmo preferem bolas mais leves para evitar problemas físicos.

Números nas bolas de tênis para que servem? É simplesmente uma questão de diferenciação, pois a bola é exatamente igual. Por exemplo: Vou jogar em meu clube em um fim de semana: escolho a bola da marca "x" com o número 3 e meu colega compra a marca "x" de número 1. Estes numeros só servem (inteligentemente) para não misturar com as bolas do oponente.

Prazo de validade: Antigamente algumas marcas especificavam o prazo de validade de uma bola em 18 meses. Realmente, duram bastante tempo quando estão sob pressão, porém, esse tempo é relativo, pois algumas bolas podem durar mais tempo do que isso (não muito mais!), mas difícilmente duram menos. Por isso, não há um prazo de validade milimétricamente determinado.

Bolas sem pressão: Quando o tubo perde pressão ou a bola é aberta, seus dias já estão contados, pois a bola fica "murcha",quicando muito menos, além de fazer aquele barulho estranho na hora do golpe. Porém, são recomendadas para crianças, por serem menos "duras". Existem as bolas "soft", que são de espuma, ideais para crianças (na minha opinião até aproximadamente 8 anos).

Como guardar? Comentei que a partir do momento que se abre um tubo de bolas, elas já estão com os dias contados, realmente. Porém, existe um acessório muito útil: o pressurizador de bolas. Trata-se de um tubo de bolas "rosqueável", que mantém as bolas abertas sob pressão, prolongando sua vida útil. Acho de grande valia, desde que a bola seja de uma qualidade boa, ou seja, terá boa durabilidade de feltro para valer a pena o investimento.

Espero que tenha tirado boa parte das dúvidas de nossos amigos, caso contrário espero as perguntas pelo e-mail!

Grande abraço e até a próxima!

Fabrizio Tivolli foi o encordoador oficial do Brasil Open; atuando também em torneios estaduais e brasileiros. Formado em encordoamento e análise técnica de raquetes por Lucién Nogues na convenção Babolat. É técnico e consultor de equipamentos tenísticos; encordoador e proprietário da Tivolli Sports; de Alphaville. Escrevendo sobre equipamentos também para a Federação Paulista. Encordoador oficial do Australian Open 2017.

fabrizio@tivollisports.com.br
Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis