TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Qualidades divinas, erros infernais
Por Chiquinho Leite Moreira
agosto 30, 2018 às 9:18 pm

É curioso, chega a ser intrigante, o fato de alguns tenistas terem recebido qualidades divinas e não aproveitarem. Jogam tênis com arte, maestria, habilidade. São capazes de jogadas geniais, mas parecem que não sabem agradecer a Deus o dom que receberam. São frequentes as cenas demoníacas. Erros infernais de artistas rebeldes da raquete como Benoit Paire, Nick Kyrgios, Fabio Fognini, entre outros de várias épocas que não tiram proveito do que têm de melhor.

O sonho de disputar um Grand Slam invade a alma de qualquer tenista. Ter ainda a honra de enfrentar um adversário como Roger Federer deveria transformar-se em ótima oportunidade de fazer história. Benoit Paire é um desses jogadores, de uma restrita lista, que poderiam sim ameaçar a vitória do ex-número um, considerado por muitos como o melhor de todos os tempos. Mas, o tenista francês deu um outro tipo de espetáculo, ao tentar, por exemplo, bater uma bola por entre as pernas, sem a menor necessidade. Atirou várias vezes a raquete no chão e quase tomou o troco. Fez embaixadinha, reclamou com o treinador e saiu de quadra com um 3 a 0 para o suíço.

Outro desses endiabrados tenistas por pouco também não deu um espetáculo vexatório. Nick Kyrgios, dono de uma extensa lista de impropérios, parecia que não queria mais jogar reclamando de um calor de 34 graus, de um sol que também batia na cabeça do adversário. Para não ser punido por falta de combatividade, o juiz de cadeira Mohamed Lahyani assumiu o posto de conselheiro e treinador. E depois de uma longa conversa com o irrequieto Kyrgios , o tenista resolveu mostrar seu talento e avançou na competição. Será o próximo adversário de Federer.

Já o italiano Fabio Fognini parecia estar com boas intenções em Nova York. Seu uniforme – de duvidoso gosto – homenageou o star and atripes com as cores da bandeira dos Estados Unidos. Mas voltou a desperdiçar seu talento, com uma atuação bem abaixo de sua arte de empunhar uma raquete.

 


Comentários
  1. stephany raposo

    Concordo com seu texto esses jogadores ao invés de tentar destronar o big3 , ficam com esse mimi,de quebrar raquetes, esquecer tênis, discutir com juiz,entre outras peripécias…aguardamos cenas dos próximos capítulos, só quero ver Djokovic tricampeão do Us open 2018. Mas o jogo tem que ser jogado e o lambari pescado.

    Responder
  2. jc maciel

    Coloque-se aí no topo da lista o Mr. Federer! e suas famosas viajadas da famosa Federer Airlines, como diria Fernando Melligeni. O cara chega a ser patético com os erros absurdos que comete para um tenista do calibre dele!

    Responder
  3. JOTAT10

    Como está surgindo jogadores novos com grande expectativas que a hora, que o Nadal, Federer e mais um pouco o Joko pararem, poderemos ter uma caída, mas alguns desses garotos poderão representa-los não tanto como eles, porque depois que o Peter Sampras, Agassi, Becker, Ivan Lendell, alguns pra citar vieram a geração de Guga, Del Potro, Nadal, Federer e outros e mais tarde vieram a do Joko que foi o único que se destacou, por isso Chiquinho que eu acho que vai demorar pra eles serem a Cereja do bolo da festa do TÊNIS bem jogado, eu te vejo com o SARETTA no programa da BAND NEWS.

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>