A volta por cima de Djokovic
Por Chiquinho Leite Moreira
julho 17, 2018 às 3:00 pm

Demorou – 25 meses -, mas Novak Djokovic conseguiu dar a volta por cima. Reviveu seus melhores momentos, com grande emoção, e celebrou o seu 13. troféu de Grand Slam, ao vencer Kevin Anderson na final de Wimbledon. Só que nem tudo foi tão fácil como o placar da partida contra o sul africano possa ter sugerido. O caminho foi longo e tortuoso.

As primeiras curvas que Djokovic teve de enfrentar surgiram quando tentou voltar desesperadamente ao circuito. Vindo de lesão e cirurgia, o tenista sérvio não se conformava com uma verdade da natureza: a de não conseguir exibir o mesmo nível de performance. Sem entender esta situação entrou em parafuso. Ficou desnorteado, brigou com sua equipe e em quadra andava desanimado, irritado e nervoso.

Para sua própria surpresa, Novak Djokovic viu o seu tênis voltar gradativamente e atingir um bom nível em Wimbledon. Ele mesmo reconheceu na entrevista do campeão que não esperava que isso pudesse acontecer no All England Club. E, por isso, como bem definiu o José Nilton Dalcin, o sérvio voltou a sorrir.

Fica a lição da necessidade de se respeitar os limites. Não há milagres, mas sim muita dedicação e boas orientações para dar a volta por cima e reviver os bons tempos.

 

 


Comentários
  1. WALDIR DOS SANTOS

    BOM TARDE….VOCE FALOU PARTE CERTO, MAS ESQUECEU DE DIZER QUE O DJOKO GANHOU DO NADAL NA SEMI FINAL NUM JOGÃO…..VEJA O QUE DISSE KRAJICEK EX TENISTA E DIRETOR DE ATP, QUE O DJOKO SE NÃO TIVER PROBLEMA NA CIRURGIA DO COTOVELO PODE GANHAR OS PROXIMOS 5 SLANS E QUE ELE É FAVORITO EM NEW YORK O PROXIMO SLAM . POR FAVOR COMENTE. OBRIGADO

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      O US Open tem suas peculiaridades. Os jogadores dizem que a Arthur Ashe tem uma velocidade, que varia para os jogos diurnos e diferente, mais rápida, para os noturnos. Acrescente a isso a atual alternativa de um teto fechado. Portanto, a sorte na escala dos jogos pode determinar a sorte dos jogadores.

      Responder
  2. Marcelo

    Exato, Chiquinho.
    A vida é feita de inúmeras curvas perigosas, embora, possa parecer que há apenas retas.
    E hoje tem ACE!

    Responder
  3. carlos

    Chiquinho
    Foi o Djokovic que decidiu, porque quando o jogo começa com a quadra com teto fechado, ele tem que terminar com o teto fechado. Só vai abrir se os dois concordarem, provavelmente Nadal queria abrir e o Djokovic, não quis

    Responder
  4. Rosicleia Batista Gomes

    Chiquinho em primeiro lugar quero dizer que sou sua fã, mas não gostei do termo “brigou” que vc usou! Não ouve briga!! Pode ter tido um desgaste na convivência, o que é compreensível, mas não briga!! Por favor ….

    Responder
  5. Rosicleia Batista Gomes

    E a segunda semi-final começou com o teto fechado por falta de luz natural, sendo assim deveria recomeçar exatamente como parou, a menos que os dois jogadores (concordo plenamente) concordasse por abri-lo! Agora vamos combinar ne Chiquinho.. …

    Responder
  6. Rosicleia Batista Gomes

    … vc acha mesmo que se fosse melhor pro Nadal e não pro Djokovic que ele concordaria em abrir??? Nós todos sabemos que não!! Então qual o problema do Djoko usar algo a seu favor uma vez na vida?? Não que ele precisasse ne!! Ia ganhar de qualquer jeito!!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Olá… a minha discussão é que essa decisão não deveria ser do jogador. Mas sim para o árbitro geral. Se está chovendo-teto fechado- se está ensolarado teto aberto.

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>