Nadal enfrenta mais um desafio
Por Chiquinho Leite Moreira
janeiro 24, 2018 às 5:21 pm

Enquanto Roger Federer segue voando nas quadras de Melbourne Park, Rafael Nadal já segue viagem de volta para a Espanha para enfrentar mais um desafio. Em exame de ressonância realizado ainda na Austrália confirmou-se uma lesão na perna direita. Segundo o relato de seu assessor de imprensa, Benito Barbadillo, não se trata de nada muito grave, e, provavelmente, três semanas serão suficientes para ele voltar a ação e disputar o ATP 500 de Acapulco, no México.

Não lembro de Rafael Nadal passar um ano sequer de sua carreira, sem ser prejudicado por problemas físicos. E olha que fui vê-lo jogar pela primeira vez, quando o espanhol tinha apenas 16 anos. Isso foi no Masters 1000 de Monte Carlo. E logo depois a então jovem promessa saiu de cena para tratar de uma fratura por estresse. Só fui voltar a vê-lo em Roland Garros do outro ano, quando conquistou seu primeiro título em Paris.

Por este sacrificante histórico, Nadal já deve estar acostumado com estes problemas, mas jamais conformado. Confesso que jamais tinha visto o tenista espanhol sair de quadra tão bravo. Sempre cuidadoso em seus gestos, desta vez, atirou a munhequeira com violência no chão, revelando toda sua indignação. Afinal, ele já sabia que se tratava de uma nova lesão, mais um desafio entre tantos.

Vítima de seu estilo de jogo, de muita força física, Nadal resolveu contra atacar e criticou as autoridades do esporte por um calendário cada vez mais exigente e o grande número de competições em quadras duras. Não há como não concordar com o espanhol. Mas lembro também de outros exemplos, como o de Ivan Lendl, que certa vez fez um calendário dos mais enxutos para manter-se por mais tempo em ação. Hoje, algo muito parecido está ocorrendo com Roger Federer.

Como aprendi na escola de jornalismo: perguntar não ofende. Por que então voltar em Acapulco, torneio que recentemente deixou o saibro para servir como aquecimento às quadras duras de Indian Wells e Miami?

 


Comentários
  1. Ernesto

    Nem irei fazer comentários desse post, pois é muito alerde em cima de uma contusãozinha, sem proveito nenhum face ao excelente torneio que Federer , Cilic, e o japonês vêm fazendo. Seria se ater a mesquinharias e atitudes antiesportivas sem proveito algum. By by.

    Responder
  2. Ivan

    Nossa, quanto cuidado pra tratar de tanta contradição. Em primeiro lugar, o Nadal maltrata seu corpo há décadas. É o que mais treina e mais físico usa pra jogar. Queria o que? Na verdade, ele mostra muita resistência e capacidade esportiva. Jogadores que faziam menos a seus corpos tiveram menos vida util no tenis do que ele. Poucos aguentariam a carga que ele coloca sobre o próprio corpo. É de se aplaudir sua dedicação, mas isso tudo tem um.preço. Além disso, ele tem mais de 30 anos. Pode reduzir seu calendário. Mas não o faz. E a culpa é das organizações de tenis? Ficou no jogo mesmo machucado. Legal. Lutador. Se ganha é um herói. Se perde vem com essa conversa? Ah tenha dó.

    Responder
    1. Fernando Dantas

      Acredito que seja o mais determinado do circuito, porém extrapola, no número de torneios que participa. por isso se contunde tanto. Quando esteve no Brasil disputando o Rio Open, eu acreditava, que não voltaria a ganhar torneios importantes. Veja o Federer, mesmo com um jogo mais suave, tem um calendário mais racional, respeitando suas possibilidades atuais. Chiquinho, te deixo uma pergunta. è um exercício de futurologia…rs Vc acredita que o Nadal na idade atual do Federer estará jogando ainda em alto nível?Abraço.

      Responder
      1. Chiquinho Leite Moreira

        Fernando esta pergunta já foi respondida pelo próprio Nadal. Ele confessou que sua vida útil no tênis será mais breve que a do Federer

        Responder
  3. Marcos RJ

    Claro que há como discordar das incoerências do espanhol. Ele critica o calendário ATP enquanto não consegue planejar seus próprios intervalos para recuperação. Deveria procurar um especialista para entender suas próprias obsessões, o que vai lhe poupar bastante tempo na fisioterapia.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Marcos ele defende mais torneios no saibro . Acho justo, por exemplo, um Finals pelo menos no saibro. Só que durante o inverno europeu isso é difícil. Em 2000, qdo Guga foi campeão em Lisboa, a ideia do João Lagos, português que organizou o torneio, era de realizar o evento na Brasil e no saibro. Mas ele não sabia que país é este.

      Responder
  4. ROBÉRIO DA SILVA DE ANDRADE

    Infelizmente o corpo do Nadal está cobrando por anos de extremos esforços. Embora o Nada seja um craque do tênis, seu físico foi imperativo para atingir o ápice de sua carreira, mas do que sua própria técnica(também indiscutível). Não quero fazer comparações, diferentemente o Federer sempre teve mais recursos técnicos superior ao Nadal e Nole. Duvido que eles chegue aos 36 anos no nível do Federer. No entanto, o tênis precisa desses caras. sem exemplos de determinação e amor pelo esporte que praticam.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      O próprio Nadal já declarou que não terá uma vida profissional tão longa como a do Federer. Mas temos de levar em consideração que seu jogo é muito mais intenso, sempre cheio de emoções… um show de jogador

      Responder
  5. lucas

    Nadal ganhou seu primeiro RG em 2005, ano que fez 19 anos. Você viu ele jogando em Monte Carlo em 2003. Dois anos depois você viu ele ganhando seu primeiro RG, e não 1.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Então… ele jogou Monte Carlo e naquele ano não jogou RG. Fiquei, portanto, cerca de 14 meses sem vê-lo. De menino em Mônaco chegou como homem feito em Paris para conquistar seu primeiro RG. Tenho de reconhecer que fui ver Nadal, graças a um convite do juiz de cadeira Adão Chagas. Ao cruzar comigo disse… Chiquinho vamos ver este espanhol jogando. Nosso comentário foi de que era muito veloz. Mas sempre legal testemunhar o nascimento de um astro, mas tenho de admitir que Adão Chagas me despertou para esse momento, senão estaria vendo os grandes nomes da época como Magnus Norman… e parabéns pela sua boa memória, especialmente quanto às datas. Obrigado pel sua ajuda

      Responder
  6. Luiz Fernandes

    Aprendi a respeitar o Nadal, por sua determinação em quadra, mas quando ele resolve reclamar é um desastre! Que aprenda com o Federer a fazer um calendário mais enxuto, lembrando que ele arriscou o físico quando resolveu disputar o ATP Finals, naquela ocasião, já estava contundido. Conseguiu a vitória que precisava para manter a liderança do ranking e depois se retirou, mas o estrago já estava feito!

    Responder
  7. Reinaldo

    Chiquinho, mesmo com o questionamento sobre a Volta en Acapulco (poderia pular este torneio), eu entendo que e importante escutar os comentarios do Nadal. O tenis e muito mais legal com Nadal, Nole, Murray, Roger, wawrinka em geande fase. Talvez a partir dessas reclamacoes alguma melhoria pode ser encontrada. Eu gosto mais do Federer mas respeito muito os grandes craques como o Nadal. Eu tambem acho que o finals poderia ser no saibro e num país como o Brasil para difundir o esporte cada vez mais… abracos

    Responder
  8. caco mauricio

    Chiquinho, ouso discordar quanto ao Finals no saibro; na minha humilde opinião seria o mesmo que um RG na quadra dura; sei que outros torneio mudaram de piso ao longo dos anos, inclusive AO e USOPEN e até mesmo o Finals, quando era denominado MASTERS já foi jogado no carpete, se não me engano; mas não acho interessante a mudança; a pensar assim, deveria de haver um Finals na grama; quanto à reclamação dos jogadores em relação à quantidade de torneios ao longo do ano, eles mesmo são, de certa forma, coniventes com a situação, vez que não dispensam uns $$$$ pela participação nos torneios…..

    Responder
  9. Felipe Gonçalves

    É a mesma ladainha de sempre. O Nadal reclama do calendário e vive entupindo o seu com vários torneios seguidos. No saibro, por exemplo, joga seis semanas em oito até o final de Roland Garros – e ele sempre chega longe nesses torneios. Depois resolve engatar, quase que em semanas consecutivas, Laver Cup, Pequim e Xangai (todas em quadras duras). E pra que jogar Acapulco? Vai fazer alguma diferença jogar no México, seja no ranking ou financeiramente? E ele costuma jogar também duplas em Indian Wells pois o Larry Ellison paga cachê. Mais uma vez, ele precisa disso? Com essas atitudes o espanhol apenas reforça seu apelido de drama queen nos fóruns de tênis pelo mundo.

    Responder
    1. Renan

      Com a defesa do título no Australian Open, federer tomará o posto de número 1 caso o Nadal não defenda os pontos pelo vice de Acapulco em 2017. Acho que este é o principal motivo.. grana o cara tem demais já rs..

      Responder
  10. Mário Fagundes

    Se tivesse vencido a partida, certamente não reclamaria. Nadal já tem mais de 30 anos, por que não enxuga o calendário? E a culpa é dos organizadores? E você ainda concorda com ele? Finals no saibro? Fala sério!

    Responder
  11. Sofia Bertolini

    Boa tarde.

    O Nadal volta no México por causa da grana. Posso até estar enganada. Mas não vejo outra explicação. Realmente o piso dura maltrata muito o Touro Miúra. Seu jogo depende muito do físico. Por mais que ele tenha evoluído ao longo dos anos, ainda é visível o quento o seu vigor físico, impulsiona seu jogo. A primeira vez que vi Nadal jogar foi em Maimi 2004, quando ele surpreendeu o Leão da Montanha e o eliminou logo na segunda rodada, dando inicio a uma rivalidade incrível entre os dois, onde durante muito tempo o espanhol quase aniquilou mentalmente o suíço. Mas isso é outro assunto.
    Nadal tem uma movimentação de pernas que nuca vi no Tênis, isso sem falar na sua força mental. Mas esse jogo desgasta demais e chega uma hora que o organismo pede a conta. As lesões de Nadal, daqui pra frente, por causa das primaveras que vão avançando, serão mais constantes e mais próximas umas das outras, afinal existem muito mais torneios no piso no duro do que no saibro. nadal tem mais força do que habilidade. Já Federer por ter mais habilidade do que força ainda consegue flutuar, como está acontecendo no Australian Open. Se vai ganhar, não sei. Mas que o carro chefe desse seu incrível desempenho no meio de tantas feras é por causa de uma destreza para jogar nunca vista antes na historia do Tenis, é. Disso eu não tenho duvidas.
    O que você acha, Chiquinho?
    Muito prazer e um abraço.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Sofia vc tem razão. Jogar no México é uma decisão do próprio Nadal. E é claro que estilos diferentes refletem formas de jogar. O Federer parece mais leve. Mas não pense vc e tantos outros que ele tb não viveu e vive problemas físicos. Por isso faz um calendário adequado a ele …

      Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Difícil resposta. Depende do estilo do jogador. Para Federer Wimbledon parece ser o mais fácil – ou menos difícil – O suíço encontra dificuldades em Roland Garros. Já Nadal tem 10 títulos em Paris. O US Open tem as variações da superfície. Dizem que na central o jogo é diferente das outras quadras, pelo gigantismo etc e tal da Arthur Ashe. Na Austrália, o calor é desumano, mas depende da hora em que se joga. Enfim, uma pergunta muito difícil.

      Responder
  12. Maria izabel

    Nadal é um exemplo de determinação,Educação e amor ao tenis. Se não joga,está fugindo,se confunde é migué ou “contusaozinha”.Seus feitos são memoráveis. Mas alguns preferem só dizer coisas pejorativas.As vezes penso que é tanta implicância que beira a inveja.Afinal tem quase US100 milhões e ainda é o mais bonito do circuito é isso causa…!!!Parabéns Nadal saúde,para você e a todos do circuito.Pois passear na quadra sozinho é chaato!!

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>