Federer dá prioridade ao US Open
Por Chiquinho Leite Moreira
agosto 14, 2017 às 5:00 pm

IMG_3702Entre brigar pela liderança do ranking e estar bem preparado para o US Open, Roger Federer decidiu dar prioridade à disputa do título do quarto e último Grand Slam do ano. Esta semana, o tenista suíço estava na chave do Master de Cincinnati e brigaria com Rafael Nadal pela liderança do ranking. Com essa decisão de não jogar, o espanhol volta a ser número um do mundo, depois de ocupar este lugar pela última vez em 23 de junho de 2014.

A decisão de Federer foi inteligente. Afinal, neste último domingo perdeu a final do Master do Canadá para Alexander Zverev, em jogo que esteve dolorosamente lento em alguns momentos da partida. Agora, já não há dúvidas de que sentiu problemas físicos e precisa se poupar para ter esperanças de chegar 100% a Nova York.

Respeito diversas opiniões, mas entre ser número um do mundo e conquistar um título de Slam, acho a segunda hipótese mais legal. Não vejo um líder do ranking, sem pelo menos um troféu dos quatro majors. Todas as conquistas são importantes, mas me sinto ao lado de Federer em dar prioridade ao US Open.

 

 


Comentários
  1. Rui Diógenes de Souza

    Também concordo. Não adianta jogar no sacrifício e correr um grande risco de piorar o problema. Ontem ficou nítido que Federer estava com algum problema. Ele estava muito lento e batendo na bola sem muita segurança.

    Responder
    1. Milton Luiz Valente

      Caro Carlos. Desrespeitar um cara educado e competente quanto Federer só pode ser brincadeira. Nenhum tenista escreveria o que você escreveu por mais recalcado que fosse. Acho que nem a namorada do Nadal faria isto.

      Responder
  2. Otavio Neves

    Isso mesmo. Além do mais ele é o recordista de semanas como nº 1., 302 – e nenhum outro tenista em atividade chega nem perto disso! Muito mais relevante no Mundo do Tênis hoje pra ele é a ampliação de sua vantagem em número de Grand Slams… A questão pra ele hoje não é jogar grande quantidade de torneios pra marcar pontos na ATP e brigar a qualquer preço pelo nº 1 – isso pode vir depois naturalmente, seria a cereja do bolo. O negócio pra ele hoje, aos 36, é jogar com saúde e brigar pelos grandes títulos – tudo com qualidade…. Que outro seja por algum tempo o nº 1 formal num ranking que considera um total de 52 semanas – mas o verdadeiro nº 1 nas duas semanas de cada Grand Slam é o Campeão do mesmo – todos sabemos disso! E é o que importa! Claro, se ele nunca tivesse sido o nº 1 do Mundo tal feito faria falta na carreira dele – mas, como sabemos, bem ao contrário disso, Federer é o recordista de semanas como nº 1… Abraço!

    Responder
  3. Dario Lemos

    Chiquinho, boa tarde. Pela idade e pela fantástica carreira, na minha opinião, o mais importante será tentar ganhar o US Open e o Finals; o principal objetivo, Wimbledon, ele já conseguiu e vejo o número 1 do ranking como consequência dos resultados nos torneios. Se realmente conquistar estes dois importantes torneios a liderança do ranking seria, digamos, a cereja do bolo.

    Responder
  4. Emerson FV

    Chiquinho, boa tarde!

    Ao que tudo indica foi o velho problema nas costas que fez o RF jogar mal a final e pular Cincinatti, certo?
    Ou você tem outra informação?

    O que mais preocupa é que se for isso mesmo, já se tornou recorrente…
    Espero que não atrapalhe os planos pro USOpen e número 1 ao final do ano.

    Abraços!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      A informação que tenho veio do departamento de comunicações da ATP, com declarações de que Federer sentiu dores nas costas, mas que ele próprio considera normais para torneios de quadras duras.

      Responder
  5. Guilherme Carvalho

    Chiquinho,
    o negócio é ensinar matemática para o povo.
    Recentemente o Federer reclamou da pontuação da ATP e agora fica claro.
    Se ele descansar agora e for campeão do US Open, ele volta a ser número 1 do mundo mesmo se o Nadal ganhar o Master 1000 e ser vice no Us Open
    Os 2000 pontos dos Slam pesam demais.
    Além de que o Nadal não foi bem no Canadá, podendo não acumular muitos pontos novamente

    Responder
    1. Expedito

      Se Nadal ganhar Cincinnati ficará com 8465 pontos contra os 7145 do Federer.
      Ganhando o US Open, Federer chegará aos 9145 pontos. E Nadal sendo vice somará 1020 pontos (1200 menos os 180 do ano passado).
      Ou seja, Nadal continuaria à frente no ranking.
      Mas é muito “se”. O razoável é que Federer prefere investir agora no torneio de maior importância e… mais pontos.
      A briga pelo ranking não termina em agosto. E Federer, sem lesões, tende a terminar o ano no topo, mesmo jogando menos torneios.

      Responder
  6. Daniel

    Concordo. Mas ele pode alcançar a liderança no Us Open também, não? Ou no restante do ano. Tem tempo pra isso. Estar bem é prioridade. Não tem como chegar no n1 estando mal.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Acredito que Federer pense que a liderança virá com naturalidade. Afinal não jogou no segundo semestre do ano passado e não tem pontos para defender.

      Responder
  7. Marcelo

    Discordo, não vejo como opção. Ele está visivelmente lesionado, não precisou de 24 horas para desistir. Ele deve estar rezando para chegar bem no US Open.

    Responder
  8. Diego Bezerra

    Olá Chiquinho, Federer estar correto!! Longevidade é o seu objetivo e é claro jogar os maiores torneios! N significa dizer q ganhará o USOPEN após essa pequena pausa, ele só quer jogar bem, pois o q ele já fez no Ano está acima de qualquer outro, lembrando é claro q pulou a gira do Saibro(4milpontos)

    Responder
  9. Rossini

    Entre ficar mais algumas semanas no. 1 depois de já ter ficar lá por centenas de semanas e ganhar o 20o. Slam, qual a dúvida de que o Slam é melhor? Só esses tenistas de VirtuaTennis e esses guitarristas de GuitarHero que não entendem. Aliás, os Nadaletes e os Federetes são igualmente imbecis. Qualquer coisa já estão xingando um dos dois tenistas.

    Responder
  10. Herald

    O Roger além de ser um fantástico jogador, se mostra muito inteligente.

    Enquanto os tenistas se matam em quadra nesse calendário cruel, ele já entendeu que na sua idade precisa dosar as coisas.

    O que adiantaria jogar um Master 1000 e chegar cansado e quebrado no US Open?
    Digamos que o Nadal vença o Master 1000 e vá para o US Open cansado…Já estaria um passo atrás porque sabemos que o Nadal tem mais chances de perder nesse piso. E dificilmente o Roger perde para um jogador de Ranking mais baixo em um Grand Slam, coisa que já aconteceu com o Nadal algumas vezes.

    Responder
  11. Rubem Barros

    Até porque dificilmente ele não será número 1 no final da temporada caso ganhe 3 Slams.
    Teve uma semana abaixo da média deste ano em Montreal. E, na final, não estava indo em muitas bolas desde o primeiro set. Lembrou o Guga contra o Kafelnikov nas quartas de final do US Open de 2001. Oxalá não seja nada com a mesma gravidade.

    Responder
  12. Luciano

    É até engraçado ver os comentários, fica clara a torcida por Nadal, Federer ou mesmo quem é Djokovic , pena alguns faltem com respeito e esquecem de ver o lado do esporte.
    Vejo tenis deste Ivan Lendl, grande campeão. Espero que Nadal e Roger joguem 100% do que podem, assim teremos a chance de ver o 1 º Fedal no Us Open.
    Fedal que pode acontecer na semi, Nadal parece estar com dificuldades p jogar bem na quadra dura, Federer depende das costas, pois na quadra dura não tem segredo para ele. Como o Us Open vai usar a mesma bola do Australian, talves Nadal jogue melhor q em Montreal e Cincinnati, abç

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>