Tag Archives: Leylah Fernandez

Osaka salta do 72º lugar ao número 1 em um ano
Por Mario Sérgio Cruz
janeiro 28, 2019 às 9:36 pm

A chegada de Naomi Osaka à liderança do ranking mundial com apenas 21 anos marca o ápice de uma rápida evolução no circuito ao longo dos últimos doze meses. Vencedora dos dois últimos Grand Slam, o US Open do ano passado e o Australian Open deste ano, Osaka aparecia apenas no 72º lugar do ranking em janeiro de 2018 e teve uma incrível escalada para o topo.

“Eu sinto que nos últimos dois anos, tudo que eu realmente queria fazer era estar no top 10, porque eu pensei que é assim que você constrói o seu nome. Estar nesta posição agora é realmente surreal”, disse Osaka, em entrevista ao site da WTA após a vitória por 7/6 (7-2), 5/7 e 6/4 na final do Australian Open contra Petra Kvitova no último sábado.

Introvertida para falar em público, a japonesa expressa com simplicidade o sentimento de ser a nova número 1. “Ainda não sinto que isso tenha acontecido. Talvez no próximo torneio eu jogar e vir o número 1 ao lado do meu nome, eu sentirei algo. Mas agora, estou mais feliz poque ganhei este troféu”, falou durante a coletiva de imprensa após a final em Melbourne.

Osaka comemorou em Melbourne seu segundo título de Grand Slam (Foto Ben Solomon/Tennis Australia)

Osaka comemorou em Melbourne seu segundo título de Grand Slam (Foto Ben Solomon/Tennis Australia)

Atualmente com 7.030 pontos no ranking, Osaka acumulava apenas 871 na lista divulgada em 15 de janeiro de 2018, a última antes de chegar pela primeira vez às oitavas de final de um Grand Slam. Superada pela então número 1 do mundo Simona Halep no Australian Open do ano passado, Osaka sairia do torneio com 240 pontos (defendia apenas 70) para chegar ao 52º lugar. Aquele era apenas o segundo torneio que ela disputava com seu então novo treinador, o alemão Sascha Bajin, que durante uma década atuou como rebatedor nas equipes de Serena Williams, Victoria Azarenka e Caroline Wozniacki e fazia sua primeira experiência como técnico principal de uma jogadora.

O segundo salto no ranking aconteceria em março. A japonesa era a 44ª colocada e enfrentaria a ex-número 1 e então 41ª do mundo Maria Sharapova logo na primeira rodada do Premier de Indian Wells. Depois de eliminar a russa com uma vitória por duplo 6/4, Osaka também passou na fase seguinte por outra adversária expressiva, a polonesa Agnieszka Radwanska.

A chave abriu para a japonesa, que eliminou Sachia Vickery (100ª) e Maria Sakkari (58ª) antes de cruzar o caminho da número 5 do mundo Karolina Pliskova nas quartas. Com uma boa vitória por 6/2 e 6/3, a jovem jogadora garantiu uma revanche contra Halep e despachou a líder do ranking marcando 6/3 e 6/0. Na final, venceu um duelo da nova geração contra a favorita russa de 20 anos e 19ª do ranking Daria Kasatkina por 6/3 e 6/2 para conquistar seu primeiro título na elite do circuito, faturar mil pontos no ranking e ir parar na 22ª posição.

O que se viu nos meses seguintes ao de seu primeiro título foi uma Osaka bastante instável no circuito. Os destaques ficavam para a vitória em Miami sobre uma Serena Williams que ainda fazia seu segundo torneio desde o nascimento da filha e para uma semifinal alcançada na grama inglesa de Nottingham. Passando a lidar com o favoritismo a pressão, a japonesa desabafou nas redes sociais. Três semanas antes de conquistar seu primeiro Grand Slam, Osaka escreveu uma mensagem em que admitia que sua vida havia mudado muito, mas mas que sentia estar voltando à direção certa e que estava novamente se divertindo em jogar tênis.

https://twitter.com/Naomi_Osaka_/status/1030201441309343749

Eu não sentia muito bem a bola e isso me levou a um ponto em que eu comecei a ficar muito frustrada e deprimida durante os treinos. Tive muita pressão no começo da temporada de quadras duras, porque havia senti que havia muita expectativa sobre mim desde Indian Wells e eu não me sentia mais uma ‘zebra’, o que é totalmente novo para mim.

Se alguém acompanhou o torneio de Cincinnati deve saber que que no jogo que eu perdi eu dei um passo na direção certa. As coisas não estavam funcionando da maneira como eu queria, mas finalmente eu senti que estava me divertindo ao jogar tênis, o que eu não sentia desde Miami. Então estou muito feliz e animada por isso.

Osaka chegou ao US Open como número 18 do mundo e vinda de duas eliminações em terceiras rodadas de Grand Slam, em Roland Garros e Wimbledon. Nas duas primeiras fases em Nova York, passou por adversárias de fora do top 100, a alemã Laura Siegemund (uma ex-top 30, mas que voltava de grave lesão no joelho) e a israelense Julia Glushko antes da primeira grande vitória, um duplo 6/0 sobre a bielorrussa Aliaksandra Sasnovich, número 33 do mundo. Na fase seguinte, mais uma bielorrussa pelo caminho, a 20ª colocada Aryna Sabalenka, e o único jogo de três sets da campanha para o título. A japonesa ainda passaria por Lesia Tsurenko e Madison Keys antes de chegar à sua primeira final de Grand Slam e reencontrar Serena Williams.

A admiração de Osaka por Serena era evidente. Respondeu com um “Eu te amo” a uma pergunta feita após a vitória na semi se teria alguma algo a dizer à próxima adversária. O que se viu dois dias depois no Arthur Ashe Stadium foi um ambiente montado para celebração do 24º título de Grand Slam de Serena Williams, o primeiro depois de passar por uma gravidez de risco e se tornar mãe, que a igualaria à australiana Margaret Court como as maiores vencedoras em todos tempos.

Em sua primeira final de Slam, Osaka não se intimidou em nenhum momento da partida, nem mesmo durante e depois das ríspidas discussões entre Serena e o árbitro português Carlos Ramos. Com a vitória por 6/2 e 6/4, a japonesa conquistou Nova York e se tornou a primeira jogadora de seu país a vencer um Grand Slam, além de ser apenas a quarta atleta da nação a debutar no top 10, chegando ao sétimo lugar.

Osaka vinha de eliminações precoces antes da campanha para o título do US Open. Mas depois, chegou pelo menos às semifinais em quatro dos cinco torneios seguintes. (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Osaka vinha de eliminações precoces antes da campanha para o título do US Open. Mas depois, chegou pelo menos às semifinais em quatro dos cinco torneios seguintes. (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Depois da partida, Osaka foi às lágrimas por conta do clima hostil no estádio após a derrota da favorita da casa. A japonesa preferiu esconder o rosto durante a cerimônia de premiação. “Eu não queria que as pessoas me vissem chorando, porque isso é patético”, disse em entrevista á revista norte-americana Time, de janeiro de 2019.

Ainda assim, ela insiste que continua a admirar Serena e não mudaria nada do que aconteceu. “Em um sonho perfeito, as coisas aconteceriam exatamente do jeito que você gostaria. Mas é mais interessante que na vida real, as coisas não são exatamente como você planejou. E há certas situações que você não espera, mas elas vêm até você e criam uma base para novas experiências”, afirmou à Time. “Serena é Serena. Eu não vivi a vida dela. Não posso dizer a ela o que ela deveria fazer, porque tem coisas que só ela passou. Não tenho nada contra ela. Na verdade, eu ainda a amo muito”.

Osaka nunca escondeu sua admiração por Serena Williams

Osaka nunca escondeu sua admiração por Serena Williams

Diferente do que aconteceu com muitas jogadoras que recentemente conquistavam seus primeiros títulos de Grand Slam, mas caíam de rendimento logo depois, Osaka se manteve competitiva. Duas semanas após o título em Nova York, já disputava mais uma final, desta vez em Tóquio, onde perdeu para Karolina Pliskova. A japonesa também foi semifinalista em Pequim antes de terminar 2018 eliminada ainda na fase de grupos do WTA Finals. Ao alcançar a posição de número 4 do mundo, a jovem jogadora já havia igualado os melhores rankings da história de seu país, de Kei Nishikori e Kimiko Date. Por sua vez, o técnico Sacha Bajin foi eleito entre seus pares como o melhor da temporada. Logo no início de 2019, outra boa campanha: uma semifinal em Brisbane que a deixou muito próxima de um inédito top 3.

Osaka chegou a Melbourne como uma das onze candidatas ao topo do ranking (Foto: Tennis Australia)

Osaka chegou a Melbourne como uma das onze candidatas ao topo do ranking (Foto: Tennis Australia)

De volta a Melbourne, agora na condição de campeã de Grand Slam, e com quatro semifinais nos últimos cinco torneios que havia disputado, Osaka era também uma das onze candidatas à liderança do ranking mundial. Depois de passar pela polonesa Magda Linette e pela eslovena Tamara Zidansek nas fases iniciais, veio o primeiro teste para a japonesa no torneio. Ela perdeu o primeiro set para a taiwanesa Su-Wei Hsieh e estava bastante frustrada em quadra, mas conseguiu buscar a virada com parciais de 5/7, 6/4 e 6/1.

“Estou feliz com o quanto eu lutei. Para mim, essa é uma das maiores coisas que eu sempre achei que poderia melhorar, porque parece que antes eu aceitaria a derrota”, disse em entrevista coletiva após a partida. “Eu entrei no jogo sabendo que ela ia fazer um monte de coisas estranhas, sem ofensas (sorrindo). Mas ela estava jogando tão bem que eu fiquei impressionada. E no começo do segundo set eu tentei fazer coisas que eu sei que não são necessariamente do meu jogo, como se eu estivesse tentando acertar bolas mais altas. Eu nem treino isso”.

“Então depois de um tempo, comecei a pensar que estou em um Grand Slam. Eu não deveria estar triste, estava jogando contra uma jogadora muito boa, então eu deveria aproveitar o meu tempo e tentar colocar toda a minha energia em fazer o melhor que posso em cada ponto”, comenta a japonesa, que ainda passou por Anastasija Sevastova nas oitavas e Elina Svitolina nas quartas antes de vencer a semifinal contra Pliskova por 6/2, 4/6 e 6/4.

“Não acho necessariamente que joguei o meu melhor tênis, mas nunca desisti, e isso é algo de que eu realmente me orgulho”, avaliou a japonesa após vencer a difícil semifinal em três sets. “Em alguns momentos eu pensei ‘O jogo está ficando muito equilibrado’, mas eu não me perdoaria se eu tivesse um pequeno vacilo ou se aceitasse a derrota”, comentou a jovem jogadora. “Quando você é pequena, você assiste os Grand Slam e vê todos os grandes jogadores. Para mim, são os torneios mais importantes. Há apenas quatro deles por ano, então é claro que quero fazer o melhor que posso aqui. São os lugares onde eu acho que vale todo o treinamento”.

Já na final contra Petra Kvitova, Osaka teve a chance de definir a disputa em sets diretos, mas viu a canhota tcheca salvar três match points no saque quando perdia o segundo set por 5/3 e forçar o terceiro set, mas ainda assim pôde se manter mentalmente na disputa. “Os match points foram no saque dela, então ela deveria confirmar seu saque. Ela é uma das melhores jogadoras do mundo, então não achei que fosse um drama”, argumentou após a partida sobre como lidou com a situação. “Quero dizer, não demorou muito. Eu não tive escolha. Acho que se eu não me reagrupasse depois do segundo set, eu provavelmente teria chorado ou algo assim”.

A origem da família e a inspiração nas Williams – Filha da japonesa Tamaki Osaka e do haitiano Leonard Maxine François, Naomi Osaka é a mais filha mais nova do casal. Sua irmã, Mari Osaka, está com 22 anos e também é tenista profissional, ocupando atualmente a posição de número 332 do ranking da WTA. Os dois se conheceram quando estudavam juntos em Sapporo e se mudaram para Osaka, no sul do país, porque os pais de Tamaki não aceitavam o relacionamento da filha com um homem estrangeiro. A família migrou do Japão para os Estados Unidos quando Naomi tinha apenas três anos e se estabeleceu na Flórida a partir de 2006 para que as meninas tivessem mais oportunidades no tênis.


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Naomi Osaka 大坂なおみ (@naomiosakatennis) em

A inspiração para que Naomi e Mari jogassem tênis veio após o pai assistir a uma partida entre as irmãs Venus e Serena Williams pela TV. Leonard até repetiu os passos de Richard Williams ao evitar colocar as filhas em torneios juvenis e treiná-las jogando sucessivamente uma contra a outra. Em entrevista ao New York Times em agosto do ano passado, Naomi Osaka falou sobre o desafio diário de enfrentar a irmã mais velha. “O mais importante para mim era ganhar da minha irmã. Para ela, não era uma competição, mas para mim, todo dia era uma competição. Todo dia eu dizia, ‘eu vou ganhar de você amanhã'”.

No Japão, pessoas de origem multirracial são chamadas de hafu (da palavra inglesa ‘half’, ou metade). Até por isso, Osaka encontrou algumas barreiras dentro de seu próprio país. Um exemplo disso vinha das próprias colegas de circuito, como na declaração da atual 115ª colocada Nao Hibino ao New York Times no ano passado. “Para ser honesta, nós nos sentimos um pouco distantes dela, porque ela é fisicamente diferente, cresceu em um lugar diferente e não fala muito japonês. Não é como Kei [Nishikori], que é um jogador japonês puro”.

Até por isso, o legado de Naomi Osaka pode ir além do tênis e aumentar a representatividade étnica dentro da sociedade japonesa. É o que aposta seu agente Stuart Duguid, da IMG. “Quando olho 15 anos para o futuro, vejo Naomi tendo uma ótima carreira no tênis”, falou em agosto ao New York Times. “Mas também espero que ela tenha mudado a percepção cultural sobre as pessoas multirraciais no Japão. Espero que ela tenha aberto as portas para outras pessoas seguirem, não apenas no tênis ou nos esportes, mas em toda a sociedade. Ela pode ser uma embaixadora da mudança”.

Osaka chegou a receber ofertas para defender os Estados Unidos, mas a escolha por defender o Japão e ser uma pioneira no tênis de seu país, em vez de ser apenas mais uma promissora atleta norte-americana, trouxe uma série de contratos com grandes empresas japonesas. Em recente entrevista à revista Time, a jovem jogadora mais uma vez fez o simples ao definir sua nacionalidade. “Eu realmente não sei como é se sentir japonesa, haitiana ou americana. Eu me sinto apenas como eu”.

O torneio juvenil – Chegou ao fim no último sábado o torneio juvenil do Australian Open. Como de costume, o Grand Slam australiano é o único que disponibiliza sua principal quadra para a nova geração e as duas finais foram disputadas na Rod Laver Arena.

No feminino, Clara Tauson conquistou o título ao vencer a canhota canadense Leylah Fernandez por 6/4 e 6/3. Esta foi a terceira final entre as duas jogadoras de 16 anos no circuito, que iniciaram a rivalidade com uma vitória de Fernandez no Campeonato Internacional Juvenil de Tênis de Porto Alegre do ano passado, enquanto Tauson já havia levado a melhor no torneio torneio preparatório para o Australian Open em Traralgon.

Clara Tauson assume a liderança no ranking mundial juvenil após o título em Melboune (Foto Martin Sidorjak/ITF)

Clara Tauson assume a liderança no ranking mundial juvenil após o título em Melboune (Foto Martin Sidorjak/ITF)

Tauson é a quarta jogadora dinamarquesa a conquistar um título de Grand Slam como juvenil, e a primeira desde que Caroline Wozniacki venceu Wimbledon em 2006. Ela também se torna a primeira jogadora de seu país a liderar o ranking mundial da categoria, lembrando que Wozniacki chegou a segunda posição durante as competições de base. A ITF ainda cita que Eva Dyrberg foi número de duplas, antes da Federação Internacional estabelecer um ranking unificado para os juvenis.

No masculino, o campeão foi o italiano Lorenzo Musetti, que já havia sido finalista no US Open e perdido para Thiago Wild na decisão. O jogador de 16 anos venceu uma equilibrada final contra o norte-americano Emilio Nava por 4/6, 6/2 e 7/6 (14-12) e recebeu o troféu das mãos de Ivan Lendl. Musetti sobe do quarto para o segundo lugar no ranking juvenil, atrás apenas do taiwanês Chun Hsin, atual campeão de Roland Garros e Wimbledon.