Tag Archives: Frances Tiafoe

Conheça os jogadores e regras do Next Gen ATP Finals
Por Mario Sérgio Cruz
novembro 5, 2018 às 11:50 pm

A segunda edição do Next Gen ATP Finals dá a largada nesta terça-feira em Milão. O evento destinado a jogadores de até 21 anos terá sete jovens destaques da temporada masculina, além de um convidado vindo de uma seletiva italiana. A fase de grupos será disputada até a próxima quinta-feira, com semifinais na sexta e decisão do título no sábado. Nos três primeiros dias de evento, serão quatro jogos por rodada em duas sessões às 11h e às 16h (de Brasília). No Brasil, o evento é transmitido pelo canal Bandsports.

Assim como no ano passado, o torneio irá testar algumas regras diferentes. Destaque para o formato da pontuação, com cinco sets de até quatro games. A disputa também não terá vantagens nos games com 40-iguais, e nem ‘let’ para o saques que tocam na fita. Não há a presença de árbitros de linha, já que todas essas marcações são definidas eletronicamente. Para a edição de 2018, também haverá a possibilidade de revisão por vídeo em lances subjetivos como quique duplo da bola em quadra ou toque dos jogadores na rede.

Disputas serão em cinco sets, definidos em até quatro games.

Disputas serão em cinco sets, definidos em até quatro games.

Outra novidade para o segundo ano do evento é um novo protocolo sobre as funções dos boleiros em quadra. Os jogadores terão espaço para pendurar as toalhas no fundo da quadra, fazendo com que os voluntários apenas recolham e distribuam bolas aos atletas. A discussão voltou à tona recentemente após atitudes ríspidas de Fernando Verdasco e Stefanos Tsitsipas ao exigirem mais rapidez dos boleiros na entrega de toalhas e raquetes e reavivam o debate sobre as atribuições desses auxiliares.

“Eu já fui um pegador de bola. Confiem em mim, o trabalho que eles têm que colocar para ter as coisas em ordem é duas vezes maior que nosso, dos jogadores na quadra. Eu aprecio tudo o que eles têm que passar para nos fazer sentir confortáveis e satisfeitos enquanto fazemos o nosso trabalho. Eles são uma grande ajuda!”, disse Tsitsipas, por meio de seu perfil no Twitter, em pedido de desculpas depois de um incidente uma boleira no ATP 500 da Basileia.

https://twitter.com/TennisTV/status/1056127113386958848

Pelo segundo ano consecutivo, haverá comunicação por rádio entre jogadores e técnicos e um relógio de 25 segundos para determinar o tempo de saque. O público também terá a oportunidade de circular livremente pela arena montada no pavilhão de exposições da Fiera Milano. Normalmente, nos torneios da ATP, existe uma determinação para que os torcedores só possam andar pelas dependências dos estádios durante as viradas de lado.nextgenrules-2018-1920x1080

GRUPO A

  • Stefanos Tsitsipas: Principal cabeça de chave e número 15 do mundo, o grego de 20 anos começou a temporada no 91º lugar do ranking e logo de cara já foi do quali até as quartas em Doha. Tsitsipas disputou duas primeiras finais pela elite do circuito no ATP 500 de Barcelona e no Masters 1000 de Toronto, caindo diante de Rafael Nadal nas duas ocasiões. Já em outubro, o grego conquistou seu primeiro ATP nas quadras duras e cobertas de Estocolmo. Ao longo da temporada de 41 vitórias e 27 derrotas, Tsitsipas se tornou o primeiro jogador de seu país a entrar no top 20, a vencer um torneio ATP, a disputar uma final de Masters e a chegar às oitavas de final em um Grand Slam.
  • Frances Tiafoe: O norte-americano de 20 anos começou o ano no 79º lugar do ranking e aparece atualmente como número 40 do mundo, chegando a ocupar a 38ª posição em agosto. Ele conquistou seu primeiro ATP em fevereiro, nas quadras duras de Delray Beach, onde chegou a derrotar Juan Martin del Potro pelo caminho.
  • Hubert Hurkacz: O polonês de 21 anos saltou da 238ª para a 85ª posição do ranking e chegará a Milão embalado pela conquista do challenger francês de Brest há duas semanas. Ele também triunfou em casa, no saibro de Poznan, em junho, e foi finalista na cidade chinesa de Zhuhai em março. Na elite do circuito, furou os qualis de Roland Garros, Wimbledon e US Open, vencendo dois jogos de Grand Slam. Seu recorde pessoal no ranking foi o 79º lugar, alcançado na semana passada.
  • Jaume Munar: O jovem espanhol de 21 anos treina na Rafa Nadal Academy em Mallorca e iniciou a temporada na 184ª posição e debutou no top 100 em junho. Ele aparece nesta semana no 76º lugar do ranking, marca que é a melhor de sua carreira. Ao longo da atual temporada, Munar venceu nove jogos em nível ATP, com destaque para a semifinal alcançada no saibro de Kitzbuhel. Já nos torneios de nível challenger, conquistou títulos em Caltanissetta e Prostejov.

DrO3HbnXQAE-Rb8

GRUPO B

  • Alex de Minaur: Segundo favorito no torneio, o australiano de 19 anos e número 31 do mundo é uma das revelações da temporada. De Minaur ocupava apenas o 208º lugar do ranking no dia 1º de janeiro e, em duas semanas, saltou para o 167º lugar depois de uma semifinal em Brisbane e um vice-campeonato em Sydney. A chegada ao top 100 aconteceu em junho, após bons resultados em challengers na grama. Já em agosto, foi finalista do ATP 500 de Washington.
  • Taylor Fritz: O norte-americano de 21 anos chama atenção do circuito desde que foi número 1 do ranking mundial juvenil em 2015 e alcançou uma final de ATP em Memphis no ano seguinte. Depois de lidar com muitas lesões no joelho e resultados aquém do esperado em duas temporadas seguidas, Fritz teve o melhor ano da carreira em 2018 e enfim debutou no top 50 nesta segunda-feira, quando aparece no 47º lugar.
  • Andrey Rublev: O russo de 21 anos e 68º colocado ficou três meses sem jogar, entre abril e julho, por conta de uma lesão nas costas. Como não conseguiu defender o título do ATP 250 de Umag, conquistado no ano passado, caiu do ranking e aparece distante de seu recorde pessoal, que foi a 31ª posição alcançada em fevereiro. Seu resultado de maior destaque na temporada foi a semifinal no ATP 500 de Washington.
  • Liam Caruana: Convidado para a disputa do torneio, Caruana tem 20 anos e é apenas o número 622 do mundo. A melhor marca de sua carreira foi o 375º lugar, obtido em fevereiro. O italiano precisou vencer três jogos durante a seletiva nacional e buscou viradas contra Luca Giacomini e Raul Brancaccio nas rodadas decisivas. Caruana tem um título de future e sete vitórias em challenger na carreira.

PROGRAMAÇÃO: No primeiro dia do torneio, Tsitsipas e Munar abrem o Grupo A às 11h, seguidos pelo duelo entre Rublev e Fritz pelo Grupo B. A rodada continua às 16h30 com Tiafoe e Hurkacz pela primeira chave, enquanto De Minaur será desafiado por Caruana na sequência da programação. A programação da segunda rodada do torneio depende dos resultados do primeiro dia.

https://twitter.com/nextgenfinals/status/1059196543075528704

Os jovens destaques da temporada de grama
Por Mario Sérgio Cruz
junho 29, 2018 às 8:18 pm

Ao longo de três semanas de torneios em quadras de grama, vários nomes da nova geração do circuito se destacaram e conseguiram resultados expressivos, como títulos, boas campanhas e vitórias sobre adversários bem colocados no ranking. Com a definição das chaves masculina e feminina de Wimbledon, jovens tenistas que participarão do Grand Slam britânico conheceram nesta sexta-feira seus caminhos até os confrontos diante de favoritos na grama do All England Club.

Borna Coric (21 anos, 21º do ranking, Croácia)

Coric só tinha duas vitórias na grama antes da incrível campanha até o titulo em Halle.

Coric só tinha duas vitórias na grama antes da incrível campanha até o titulo em Halle.

Coric não chega a ser uma surpresa no circuito, mas seu desempenho na grama superou suas próprias expectativas. Campeão do ATP 500 de Halle no último domingo, o croata só tinha duas vitórias na grama como tenista profissional antes de disputar forte torneio alemão, em que venceu cinco jogos seguidos. Destaque para as vitórias sobre Alexander Zverev na primeira rodada e diante do nove vezes campeão Roger Federer na final. Durante a perfeita semana em Halle, seu saque foi bastante elogiado.

“Eu não esperava por isso. Estou feliz por ter vencido meu primeiro torneio em quadra de grama aqui e contra Roger Federer. Estou realmente surpreso, nem sonhava com isso”, disse Coric após a vitória por 7/6 (8-6), 3/6 e 6/2 na final diante de Federer. Até então ele só tinha um título de ATP, conquistado no saibro de Marrakech. “Durante toda a semana eu estava sacando muito bem. Fiquei confiante de que poderia manter isso para jogar menos pressionado”, acrescentou o jovem croata de 21 anos.

Com os 500 pontos recém conquistados, Coric saltou do 34º para o 21º lugar do ranking mundial, marca que já é a mais alta de sua carreira, e foi designado como cabeça 16 em Wimbledon. Seu adversário de estreia é o russo Daniil Medvedev, a quem derrotou no único duelo anterior. Depois podem pintar o espanhol Guillermo Garcia-Lopez ou o português Gastão Elias antes de um duelo com o francês Adrian Mannarino na terceira rodada e um possível reencontro com Federer nas oitavas.

Ashleigh Barty (22 anos, 17ª do ranking, Austrália)

Ashleigh Barty foi campeã do WTA de Nottingham há duas semanas

Ashleigh Barty foi campeã do WTA de Nottingham há duas semanas

Quem também comemorou um título durante a temporada de grama foi Ashleigh Barty, australiana de 22 anos que foi campeã do WTA de Nottingham há duas semanas. Ela derrotou as também integrantes do top 20 Naomi Osaka e Johanna Konta nas fases finais do torneio. A atual 17ª colocada está a uma posição de igualar seu melhor ranking da carreira, que foi o 16º lugar alcançado em janeiro.

Depois da conquista em Nottingham, Barty chegou às oitavas em Birmingham e às quartas em Eastbourne. A australiana é uma das jogadoras com maior variedade de recursos no circuito feminino, já que consegue usar muito bem os slices e drop shots, além de subir bem à rede. Mesmo sem ter um saque muito potente, é uma jogadora difícil de ser derrotada na grama e já foi campeã juvenil de Wimbledon em 2011.

Seu caminho em Wimbledon começa contra a 95ª colocada suíça Stefanie Voegele, a quem derrotou em dois dos três duelos anteriores, incluindo uma partida na campanha para o título em Nottingham. Depois podem pintar a convidada Gabriella Taylor ou a ex-top 5 vinda do quali Eugenie Bouchard. A russa Daria Kasatkina, cabeça 14, é uma possível adversária na terceira rodada, enquanto a número 3 do mundo e atual campeã Garbiñe Muguruza pode pintar nas oitavas.

Alex de Minaur (19 anos, 77º do ranking, Austrália)

Alex de Minaur disputou duas finais de challenger na grama e debutou no top 100

Alex de Minaur disputou duas finais de challenger na grama e debutou no top 100

A Austrália também tem um destaque da nova geração masculina na temporada de grama. Alex de Minaur venceu nove dos onze jogos que disputou no piso este ano. O jovem jogador de 19 anos fez duas finais de challengers seguidas, ficando com o vice-campeonato em Surbiton e conquistando o título em Nottingham. Com isso, saltou em duas semanas do 105º para o 78º lugar, além de ganhar mais uma posição na lista da última segunda-feira. De Minaur só não manteve o embalo no ATP 250 de Eastbourne, onde caiu ainda na estreia.

Dias depois de receber um convite para a chave principal de Wimbledon, De Minaur acabou herdando uma vaga direta por conta de algumas desistências. Sua estreia no Grand Slam britânico será contra o italiano Marco Cecchinato, cabeça 29 e semifinalista de Roland Garros. Depois, podem pintar o francês Pierre-Hugues Herbert ou o alemão Mischa Zverev antes de um possível encontro com o bicampeão do torneio e número 1 do mundo Rafael Nadal na terceira rodada.

Aryna Sabalenka (20 anos, 45ª do ranking, Belarus)

Sabalenka derrotou quatro jogadoras do top 20 na campanha até a final de Eastbourne

Sabalenka derrotou quatro jogadoras do top 20 na campanha até a final de Eastbourne

A jovem bielorrussa Aryna Sabalenka chegará embalada a Wimbledon depois de uma ótima campanha no WTA Premier de Eastbourne nesta semana, em que venceu cinco jogos e enfrentará a número 2 do mundo Caroline Wozniacki na decisão marcada para este sábado. Depois de estrear vencendo a lucky-loser norte-americana Sachia Vickery, Sabalenka buscou três vitórias contra top 20 seguidas, diante de Julia Goerges, Elise Mertens e Karolina Pliskova. Já na semifinal, bateu a experiente Agnieszka Radwanska, ex-número 2 e atual 31ª do ranking. Duas semanas atrás, também fez quartas na grama holandesa de ‘s-Hertogenbosch.

Sabalenka tem muita potência nos golpes e um estilo de jogo extremamente ofensivo, que lembra um pouco o jeito de jogar de Madison Keys. Em um dia inspirado ou numa semana em que esteja bem habituada às condições, pode fazer um estrago e seu jogo agressivo é favorecido nas rápidas quadras de grama. Atual 45ª colocada, ela certamente chegará a Wimbledon com o melhor ranking da carreira, seja ele o 32º lugar com vice em Eastbourne ou o 30º se vencer o torneio preparatório.

A estreia de Sabalenka em Wimbledon será contra a romena Mihaela Buzarnescu, cabeça de chave 29. Depois, pode enfrentar a convidada local Katie Swan ou a também romena Irina Begu. Em uma eventual terceira rodada, podem pintar as ex-líderes do ranking Victoria Azarenka ou Karolina Pliskova.

Katie Boulter (21 anos, 144ª do ranking, Grã-Bretanha)

Katie Boulter foi convidada para Wimbledon depois de bons resultados em WTA e ITF na grama

Katie Boulter foi convidada para Wimbledon depois de bons resultados em WTA e ITF na grama

Convidada para disputar a chave principal de Wimbledon pelo segundo ano seguido, Katie Boulter vem de bons resultados em quadras de grama. Na primeira semana de junho, ela fez quartas no ITF de US$ 100 mil em Surbiton, depois repetiu a campanha no WTA de Nottingham, onde derrotou nomes experientes Yanina Wickmayer e Samantha Stosur antes de cair para Ashleigh Barty nas quartas de final. Eliminada na estreia do Premier de Birmingham na semana passada, Boulter jogou mais um ITF de US$ 100 mil, desta vez em Southsea.

A atual 144ª do ranking era a 163ª colocada no início do mês e chegará a Wimbledon na inédita 122ª posição. Ela vai estrear no Grand Slam britânico contra a paraguaia Veronica Cepede Royg antes de um possível reencontro com a cabeça 18 Naomi Osaka, para quem perdeu em Birmingham e que estreia em Londres contra a romena Monica Niculescu.

Claire Liu (18 anos, 238ª do ranking, Estados Unidos)

Claire Liu, norte-americana de 18 anos, foi campeã juvenil de Wimbledon no ano passado e furou o quali do Slam britânico

Claire Liu, norte-americana de 18 anos, foi campeã juvenil de Wimbledon no ano passado e furou o quali do Slam britânico

Campeã juvenil de Wimbledon no ano passado, Claire Liu recebeu um convite para o quali em Londres e aproveitou a chance para vencer os três jogos que fez na fase classificatória. A norte-americana de apenas 18 anos disputará o segundo Grand Slam da carreira, já que também atuou no US Open do ano passado. O melhor ranking da carreira de Liu foi o 181º lugar, alcançado em abril. A estreia da norte-americana será contra a croata de 20 anos Ana Konjuh e depois pode enfrentar Angelique Kerber ou Vera Zvonareva, ambas que já foram finalistas do torneio.

Melhores rankings de Tsitsipas e Tiafoe

Tsitsipas atingiu o melhor ranking da carreira e será cabeça de chave em Wimbledon

Tsitsipas atingiu o melhor ranking da carreira e será cabeça de chave em Wimbledon

Também durante a temporada de grama, dois nomes da nova geração masculina atingiram os melhores rankings de suas carreiras. O grego de 19 anos Stefanos Tsitsipas chegou ao 35º lugar, depois de chegar às quartas no ATP 250 de ‘s-Hertogenbosch e nas oitavas do ATP 500 de Halle. Ele será cabeça 31 em Wimbledon e estreia contra o francês vindo do quali Gregoire Barrere. Já o norte-americano de 20 anos Frances Tiafoe saltou do 62º para o inédito 52º lugar depois de fazer quartas no ATP 500 de Queen’s, em Londres. Ele inicia a campanha em Wimbledon diante do cabeça 30 espanhol Fernando Verdasco.

Os quatro testes e o 1º ATP de Tiafoe
Por Mario Sérgio Cruz
fevereiro 26, 2018 às 11:18 pm

É difícil ver um jogador tendo que passar por tantas situações distintas no caminho para um título quanto Frances Tiafoe teve nesta semana até a conquista do ATP 250 de Delray Beach. O norte-americano de apenas 20 anos lidou com diferentes estilos de adversário e diferentes tipos de pressão no caminho durante a trajetória até sua primeira conquista na elite do circuito.

Tiafoe foi de franco-atirador da partida contra Juan Martin del Potro ainda nas oitavas de final a favorito absoluto e esperança da torcida americana na decisão diante do alemão Peter Gojowczyk. Entre esses dois jogos, duas vitórias seguidas em duelos da nova geração sobre Hyeon Chung e Denis Shapovalov.

Tiafoe passou por Del Potro, Shapovalov e Chung antes da final em Delray Beach (Foto:  Peter Staples/ATP World Tour)

Tiafoe passou por Del Potro, Shapovalov e Chung antes da final em Delray Beach (Foto: Peter Staples/ATP World Tour)

O favorito: Diante de Del Potro, Tiafoe desafia os números. Era o sétimo jogo que o norte-americano faria contra um top 10 e a única vitória até então viera há mais de seis meses, contra Alexander Zverev no ano passado em Cincinnati. Some-se a isso uma recente vitória de Del Potro sobre o americano em sets diretos no Australian Open e o bom retrospecto do argentino no torneio. Em duelo de 2h27, com apenas duas quebras para cada lado, o jovem norte-americano disparou dezessete aces e salvou 14 dos 16 break points que enfrentou, em muitos deles com ótimos saques. Vitória por 7/6 (8-6), 4/6 e 7/5.

O jogo de dois dias: A partida contra Chung começou com desvantagem no placar e foi marcada por uma marcação controversa do árbitro de cadeira, que não viu uma bola tocar duas vezes na quadra do sul-coreano.

https://twitter.com/doublefault28/status/967221732347170816

https://twitter.com/doublefault28/status/967223353063944192

Além disso, Chung exibia seu característico jogo sólido de fundo de quadra, sempre mandando uma bola a mais. Quando o norte-americano enfim adquiriu ritmo e ficou mais perto da vitória, aconteceu mais uma situação que poderia desestabilizá-lo. Começou a chover no momento que Tiafoe liderava a parcial decisiva por 5/3 e o jogo foi suspenso para a tarde seguinte. Na volta, Chung confirmou o serviço e passou a pressão para o lado do anfitrião. Sacando para o jogo, Tiafoe enfrentou um game longo e precisou de oito match points para garantir um lugar na semifinal, que seria disputada no mesmo dia. Placar de 5/7, 6/4 e 6/4 em 2h29 de partida.

A barreira:  Muita coisa estava em jogo na semifinal diante de Denis Shapovalov. Afinal, o vencedor do encontro entre dois expoentes da nova geração disputaria uma final de ATP pela primeira vez na carreira. E ambos sabiam que passar por essa barreira representaria uma decisão diante de Gojowczyk, que apesar dos 28 anos tem apenas um título no circuito, representaria uma oportunidade muito grande de conquistar o primeiro troféu.

Além disso, vencer um jogo importante contra um colega de geração serve para marcar terreno entre jogadores dessa faixa etária e que tendem a rivalizar nos próximos anos. O próprio Shapovalov vinha de duas vitórias assim, sobre os americanos Jared Donaldson e Taylor Fritz e estava sacando muito bem no torneio. A semifinal foi rápida, com apenas 1h11 de duração e equilibradas parciais de 7/5 e 6/4 a favor do anfitrião.

A grande chance: Depois de passar por um dos principais nomes do torneio e por dois rivais de sua geração, Tiafoe viu a sorte sorrir do outro lado da chave. Os principais nomes do outro lado do quadro caíram precocemente, casos de Jack Sock, John Isner e Milos Raonic. Veio Gojowczyk, então 64º colocado e ainda com algumas limitações físicas.

O começo de partida foi arrasador para Tiafoe, que venceu os cinco primeiros games. Mesmo sem colocar tantos primeiros saques em quadra, o norte-americano cedeu apenas sete pontos em seus games de serviço durante o set inicial e enfrentou apenas um break point. Gojowczyk chegou a pedir atendimento antes do sexto game e até confirmou o saque quando voltou, mas seguia com poucas chances diante do anfitrião.

Ainda com limitações físicas, o alemão frequentemente recebia o fisioterapeuta nas viradas de lado. Tiafoe foi o primeiro a quebrar ainda no terceiro game da parcial seguinte. Na sequência, em um game de duas duplas faltas permitiu a única quebra a favor do alemão no jogo. Ainda assim, o norte-americano manteve o domínio das ações e voltou a liderar o placar para não ser mais ameaçado. O jovem de 20 anos terminou o jogo com 13 aces, dois deles no último game disputado.

O ranking e os jovens americanos: Tiafoe é o primeiro expoente da nova geração do tênis masculino norte-americano a ter um título de ATP. De quebra, ele saltou trinta posições no ranking para atingir o 61º lugar e ficar a apenas uma posição da melhor marca de sua carreira.

O campeão de Delray Beach ainda está a duas posições de Jared Donaldson, que é um ano mais velho, mas já está à frente do 77º colocado Taylor Fritz que disputou uma final em Memphis há dois anos. Outros jovens americanos de até 21 anos no top 200 são Ernesto Escobedo (123º), Tommy Paul (151º), Stefan Kozlov (160º), Michael Mmoh (176º) e Reilly Opelka (197º).

Aos 18 anos, Tiafoe entra no top 100
Por Mario Sérgio Cruz
outubro 10, 2016 às 11:40 pm

A nova geração americana tem mais um representante no top 100. Depois de Taylor Fritz romper a barreira no início da temporada, Frances Tiafoe atingiu a façanha ao conquistar o challenger de Stockton no último domingo. O jovem de 18 anos vive uma temporada com dois títulos, cinco finais e 39 vitórias em torneios de nível challenger, além de uma vitória em ATP no Masters 1000 de Indian Wells.

CuaUV8lWEAEtN4h

“Isso significa o mundo para mim”, disse Tiafoe ao site da ATP sobre sua chegada ao top 100. Tiafoe é o primeiro jogador nascido em 1998 a atingir essa marca. “Ver seu ranking na primeira página é aquilo que você sonha quando é criança”, acrescenta o jovem que em agosto havia vencido challenger de Granby, no Canadá.

“Mas não é aqui onde eu quero terminar. Venho de boas semanas e quero continuar enfileirando vitórias”, completou após vencer Noah Rubin na final de Stockton por 6/4 e 6/2. As rodadas finais do challenger tinham quatro jovens americanos, com Michael Mmoh e Mackenzie McDonald chegando à penúltima fase, além do vice-campeão Rubin.

Em março, durante o Banana Bowl, conversei com o técnico brasileiro Léo Azevedo que está desde 2009 na USTA e acompanhou o início da trajetória deste jovem americano. “Nunca trabalhei com o Tiafoe diariamente, mas fui o primeiro que o convidou para vir a um centro da USTA em um fim de semana que tinha clínica”.

“A gente fez um monte de ‘camps’ e começamos a acompanhar muitos desses jovens americanos desde que tinham 12 anos”, contou Azevedo, que ainda destacou a excelente condição física do jogador. “Tiafoe é um atleta formidável, mas o melhor dele ainda está por chegar. Ele vai ser um dos melhores atletas do circuito”. (A íntegra da entrevista está neste link)

Tiafoe & Fritz quebram marcas – Ao lado do atual 71º colocado Taylor Fritz, Tiafoe quebra marcas. A última vez que dois americanos de 18 anos apareceram simultaneamente no top 100 aconteceu em 6 agosto de 1990 com os então adolescentes Pete Sampras e Michael Chang. Já o último país com dois jogadores nessa idade entre os cem melhores foi a França, com Gael Monfils e Richard Gasquet em 6 junho de 2005.

Kyrgios campeão – Outro destaque da semana foi o terceiro título da carreira de Nick Kyrgios. O australiano de 21 anos foi campeão do ATP 500 de Tóquio com vitória por 4/6, 6/3 e 7/5 sobre David Goffin. Na semifinal, ele ainda conseguiu a sexta vitória contra top 10 no ano e décima na carreira ao marcar duplo 6/4 diante de Gael Monfils.

CuUGSRdXYAAIzyO

Kyrgios conquistou seu terceiro título na temporada, bateu o melhor ranking e é o mais jovem a ganhar um ATP 500 desde 2009

Aos 21 anos, Kyrgios é o mais jovem a vencer um ATP 500 desde 2009, quando Juan Martin del Potro foi campeão em Washington. Ele também alcançou o ranking mais alto da carreira, subindo ao 14º lugar. O tênis masculino australiano não comemorava um título tão importante desde 2004, em Washington, com o ex-número 1 do mundo Lleyton Hewitt. No feminino, Samantha Jane Stosur ganhou o US Open há cinco anos.

Career High – O alemão Alexander Zverev segue cada vez mais próximo do top 20. A campanha até as quartas de final do ATP 500 de Pequim o colocou no 21º lugar. Caso derrotasse David Ferrer na última sexta-feira, ele já garantiria um lugar entre os 20 melhores.

Como não tem mais pontos a defender em 2016, além de já avançar uma rodada no Masters 1000 de Xangai é provável que Zverev seja o primeiro jogador com menos de 20 anos a terminar a temporada no top 20 desde que Novak Djokovic e Andy Murray o fizeram em 2006.

Outro jogador que atingiu sua melhor marca pessoal é o britânico Kyle Edmund, que também foi às quartas de final em Pequim e perdeu um jogo de parciais muito distintas para Murray. O jovem de 21 anos entrou no top 50 e aparece no 48º lugar do ranking.

og

Votação na WTA – A duas semanas para o fim do calendário regular, a WTA abriu votação para escolher a revelação da temporada. As opções são a americana Louisa Chirico (60ª do ranking aos 20 anos), a suíça Viktorija Golubic (62ª colocada aos 23), a japonesa Naomi Osaka (42ª do mundo aos 18) e a letã Jelena Ostapenko (43ª colocada aos 19).

Entre as quatro indicações, Golubic foi a única a conquistar um título, no saibro de Gstaad. Chirico também teve como ponto alto uma campanha no saibro, chegando à semifinal de Madri. Ostapenko foi finalista em Doha lá em fevereiro, derrotou a então top 10 Petra Kvitova antes de cair para Carla Suárez Navarro, mas não vem de bons resultados. Já Osaka é a mais jovem do top 50, chegou à terceira fase no Australian Open e US Open e foi vice-campeã em Tóquio.

Grego bate na trave – Líder do ranking mundial juvenil, o grego Stefanos Tsitsipas esteve próximo de conquistar seu primeiro challenger aos 18 anos. O jogador de 1,93m foi finalista no saibro marroquino de Mohammedia, mas perdeu a decisão para o canhoto austríaco Gerald Melzer por 3/6, 6/3 e 6/2. Mesmo com o vice-campeonato, ele subiu 72 posições e aparece com seu melhor ranking profissional no 241º lugar.

Altos e baixos para os novos americanos
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 31, 2016 às 6:04 pm

Com o término da primeira rodada da chave principal do US Open, alguns dos novos nomes do tênis americano vivem situações. Jared Donaldson anotou uma grande vitória sobre o cabeça 12 David Goffin, Catherine Bellis manteve o embalo após furar o qualificatório, Frances Tiafoe deixou escapar o que seria a maior vitória da carreira contra John Isner e Taylor Fritz não conseguiu completar a reação no duelo de cinco sets contra Jack Sock.

Algoz de Goffin, Donaldson está com o melhor ranking da carreira e venceu 15 dos últimos 19 jogos

Algoz de Goffin, Donaldson está com o melhor ranking da carreira e venceu 15 dos últimos 19 jogos

“Aprendi que para jogar contra os melhores, você não pode realmente viver no passado. Passado é passado. Você tem que se concentrar no próximo ponto e sinto que fiz isso muito bem hoje”, disse Donaldson após a vitória por 4/6, 7/5, 6/4 e 6/0 contra Goffin.

“Eu acho que depois do segundo set, senti honestamente como se eu tivesse roubado aquele set”, disse o americano que perdia a parcial por 4/2. “Depois disso, foi uma questão de continuar lutando e manter o saque. Então, quando estava 6/5 para mim, senti que ele talvez tenha me deixado entrar no jogo, porque ele não fez um game tão bom.

“Senti que depois de ganhar o segundo set, o jogo começou a ficar para o meu lado e ganhei confiança, ainda mais vindo de uma quebra abaixo”, completou o jogador de 19 anos e 122º do mundo. Treinado por Taylor Dent, Donaldson está com o melhor ranking da carreira e venceu 14 dos últimos 19 jogos que fez (incluindo chaves de qualificação). Seu próximo rival é o sérvio Viktor Troicki.

Catherine Bellis, apesar de ter apenas 17 anos, já se destaca desde o US Open de 2014

Catherine Bellis, apesar de ter apenas 17 anos, já se destaca desde o US Open de 2014

“O quali foi uma das maiores coisas que eu gostaria de fazer, é um dos melhores momentos para minha carreira. Todo o resto é a cereja do bolo a partir de agora”, revelou Catherine Bellis depois de marcar 6/2 e 6/3 contra a suíça Viktorija Golubic na primeira rodada.

“Eu acho que apenas por jogar três partidas me deixaram muito mais confortável, e sabendo como estariam as quadras e acabou sendo uma grande vantagem para mim. Acho que foi melhor vir do qualificatório em vez de apenas receber o convite”, acrescenta a jovem que agora enfrenta a também americana Shelby Rogers.

Apesar de ter apenas 17 anos, o nome de Bellis já é destaque desde o US Open de 2014, quando recebeu convite e derrubou Dominika Cibulkova na primeira rodada. Ela ocupa o 158º lugar no ranking da WTA, mas vai priorizar o circuito universitário e frequentará Stanfrod.

Taylor Fritz só quer treinar nas próximas semanas e votará a jogar apenas em Tóquio

Taylor Fritz só quer treinar nas próximas semanas e votará a jogar apenas em Tóquio

“Vou tirar algumas semanas apenas para treinar e ficar mais forte”, disse Fritz após perder para Sock por 7/6 (7-3), 7/5, 3/6, 1/6 e 6/4. Antes disso, ele encerra sua participação no US Open disputando o torneio de duplas em Nova York

“Faz muito tempo que eu não tenho um período mais longo de treinamento para ficar mais forte e realmente melhorar o meu jogo”, disse o americano de 18 anos que treinará no Centro de Excelência da USTA em Carson, na Califórnia e só volta a jogar no ATP 500 de Tóquio, que começa em 3 de outubro.

“Eu tive muitos altos e baixos este ano, mas a temporada é melhor do que eu esperava. Tenho que ficar orgulhoso de estar onde eu estou na minha idade”, afirma o atual 53º colocado no ranking mundial.

“É difícil porque eu defini expectativas muito altas para mim e quero fazer melhor do que eu fiz. No final do dia, é preciso dar um passo atrás e olhar o quadro mais amplo. Estou com 18 anos e sou 50 e pouco do mundo. É muito mais do que eu pensava que estaria há um ano.

Tiafoe esteve muito perto de eliminar John Isner na estreia

Tiafoe esteve muito perto de eliminar John Isner na estreia

“Foi a derrota mais difícil da minha carreira, com certeza”, disse Tiafoe após a derrota por 3/6, 4/6, 7/6 (7-5), 6/2 e 7/6 (7-3) diante do cabeça 20 John Isner. O jovem americano esteve a dois pontos da classificação em sets diretos no tiebreak da terceira parcial. “Estou decepcionado por ter errado aquele backhand com 5-5 e a quadra aberta. Tive de lidar com isso”.

O jogador de 18 anos e 125º do ranking ainda teve outra chance de vitória quando sacou para o jogo no último set. “E quando eu saquei para o jogo, eu pensei que o jogo tinha acabado, mas ele fez um ótimo game de devolução. Não encaixei muitos primeiros saques naquele game e provavelmente deveria ter jogado com uma percentagem mais elevada, mas é difícil”.