Reis supera metas, sofre com inoportuna catapora, e sonha com a Davis
Por Mario Sérgio Cruz
novembro 30, 2018 às 10:33 am

Pouco mais de um ano depois de marcar seu primeiro ponto no ranking da ATP, João Lucas Reis cumpriu e até superou algumas metas que ele próprio determinava para sua temporada de transição do circuito juvenil para os torneios profissionais. O pernambucano de 18 anos pretendia disputar os Grand Slam como juvenil, vencer um torneio de nível future e terminar o ano entre 650 e 700 do mundo. A primeira conquista como profissional veio ainda em maio, no saibro de Curitiba, e ele termina a temporada com o melhor ranking da carreira, já no 554º lugar.

Reis conquistou seu primeiro future e superou suas expectativas no ranking (Foto: João Pires/Fotojump)

Reis conquistou seu primeiro future e superou suas expectativas no ranking (Foto: João Pires/Fotojump)

O jovem natural de Recife disputou três dos quatro Grand Slam do circuito mundial juvenil. Por méritos, poderia ter participado de todos, mas faltou sorte. Reis pegou catapora em momento inoportuno, a poucos dias de estrear no US Open. “Foi bem frustrante, porque eu estava muito motivado para o torneio e não consegui jogar”, disse Reis ao TenisBrasil durante a Maria Esther Cup, na semana passada, em São Paulo.

Também em 2018, Reis teve sua primeira experiência acompanhando a equipe brasileira da Copa Davis. Reserva no confronto contra a Colômbia em Barranquilla, o pernambucano aprovou a experiência, apesar do revés do time nacional. “A equipe toda me acolheu muito bem no time, pude treinar com eles a semana inteira. Pude ver como os profissionais treinam e a intensidade que eles colocam no treino”, recordou. “Eu tenho o sonho de jogar a Copa Davis, defendendo o Brasil. Acho que qualquer jogador tem o sonho de vestir a camisa e representar o país”.

Reis começou a jogar tênis aos quatro anos e a treinar desde os sete, por influência do irmão mais velho Antônio Gabriel. O jovem jogador pernambucano se mudou ainda muito jovem para o estado de São Paulo, treinando primeiro com Leandro Afini em São José dos Campos e desde 2014 é atleta do Instituto Tênis, em Barueri, onde é acompanhado pelo técnico Francisco Costa. Hoje, já sente em casa, mesmo longe da família. “Foi bem difícil ficar longe da minha família e dos meus amigos, mas consegui superar o começo, que era a parte mais difícil e fui me adaptando. Agora eu posso dizer que estou 100% adaptado”.

Confira a entrevista com João Lucas Reis.

Queria que você avaliasse um pouco sua temporada. Você até falou que queria ficar entre 650º e 700º, mas chegou a 554º do ranking, que é acima da sua meta. Como você avalia esse ano?
Acho que foi um ano muito bom. Tive alguns altos e baixos, mas achei uma temporada bem boa. Consegui meu primeiro título profissional no início do ano, fiquei bastante feliz com a evolução que eu tive no meu jogo do início do ano para agora. Tive boas experiências e pude passar dois meses na Europa, um mês nos Estados Unidos, jogando meus últimos torneios juvenis, ainda consegui jogar três Grand Slam e consegui cumprir algumas metas. Achei bem bom.

Durante a semana em que você conquistou seu primeiro título em Curitiba, o que você sente que seu jogo encaixou e em termos de confiança também?
Acho que eu consegui jogar meu melhor tênis durante a semana inteira. Consegui crescer durante o torneio, o que é o mais importante, cheguei à final jogando muito bem. E bom… Acho que ajudou a evoluir meu nível de tênis, eu consegui subir mais um nível naquela semana, e deu bastante confiança para seguir trabalhando e seguir o meu sonho.

Você acompanhou a equipe da Davis. Como que foi a experiência? Jogar a Davis é um sonho que você tem mesmo com essa mudança de formato?
Foi uma ótima semana, uma bela experiência. A equipe toda me acolheu muito bem no time, pude treinar com eles a semana inteira. Pude ver como os profissionais treinam, a intensidade que eles colocam no treino e o capricho. Treinei com Clezar, com o Monteiro, com a dupla do Melo com o Demoliner, com o Sorgi… Com todo mundo. Eu aprendi bastante na semana. Eu tenho o sonho de jogar a Copa Davis, defendendo o Brasil. Acho que qualquer jogador tem o sonho de vestir a camisa e representar o país.

Você foi contra a Colômbia ou contra República Dominicana?
Contra a Colômbia. Nós perdemos o confronto por 3 a 2, foi bem duro, mas valeu a semana da mesma forma.

Pouco antes do US Open, você pegou catapora. O quanto isso foi frustrante para você e como foi tratar a doença fora do Brasil, longe da família e longe até dos médicos que te acompanham normalmente?
Foi bem frustrante, porque antes do torneio eu estava me sentindo muito bem nos treinos. Eu estava sentindo que estava jogando muito bem na quadra rápida, estava bem confiante para o torneio, e aconteceu isso. Aí eu tive que ficar seis dias de cama, sem fazer nada. O Cristiano [Borrelli], que é o CEO do Instituto Tênis, a organização onde eu treino, ele me ajudou bastante na semana, e ficou como um enfermeiro para mim. E foi bem frustrante, porque eu estava muito motivado para o torneio e não consegui jogar. E depois eu continuei a gira, que eu não consegui jogar bem lá nos Estados Unidos.

– Era cabeça 1 nos futures, mas acabou perdendo na primeira e tal…
Sim. Nas primeiras semanas eu estava com uma energia baixa, sem ritmo, e não consegui jogar. Na terceira semana eu consegui jogar um pouquinho melhor. Mas foi um aprendizado. Mesmo nessas piores ocasiões, a gente aprende um pouco.

Mas como foi para diagnosticar? Você começou a sentir alguma coisa e já passou no médico do torneio?
Eu achei que eu estava com umas espinhas a mais, apareceram umas bolinhas, e aí eu fui no médico do torneio e eles me diagnosticaram errado. Eles falaram que eu estava com impetigo, que é um vírus que tem bastante lá nos Estados Unidos, e eu achei que eu podia jogar, porque ele falou que com aquilo eu podia jogar. Bom, eu falei: ‘Tô bem’. Mas aí um dia depois eu passei muito mal à noite, tive bastante febre, pioraram muito as bolinhas e aí eu fui de manhã num médico e eles falaram que eu estava com catapora e provavelmente não poderia jogar e tinha que ficar isolado.

E o médico era do US Open mesmo ou do torneio juvenil que você estava jogando na semana anterior?
Era o que estava no US Open juvenil, na semana do quali. Foi bem difícil. Talvez se ele falasse que eu estava com catapora e eu pudesse tratar uns três dias antes do torneio, talvez eu poderia estar um pouquinho melhor, mas ainda é difícil. Acho que, de todo jeito, não era para acontecer mesmo.

E você saiu da sua casa muito novo, com 14 anos, foi para São José [dos Campos] e depois foi para o IT (Instituto Tênis, em Barueri). Sua família continua em Recife ou se mudou para São Paulo depois?
Eu saí com 13 anos, ainda quando jogava torneios de 14, e vou bastante para Recife. Foi bem difícil ficar longe da minha família e dos meus amigos, mas consegui superar o começo, que era a parte mais difícil e fui me adaptando. E agora estou muito bem. Mantenho bastante contato com todos os meus amigos e família, tento ir bastante para lá, mas eles vêm mais para cá. Eu também tenho duas tias que moram em São Paulo, a família inteira do meu pai é daqui de São Paulo, então isso me ajuda bastante a não dar tanto valor à distância. E agora eu posso dizer que estou 100% adaptado.

A gente sabe que o circuito de futures tem um custo muito alto para o jogador e pouco retorno financeiro imediato. Como você tem feito para se manter? O IT oferece passagem e hospedagem? Vocês conseguem viajar com o técnico?
Bom, o IT me ajuda bastante nessa parte. Esse é meu primeiro ano que eu joguei future, e não joguei só future, joguei juvenil também, e eu não tenho como te dizer como é a vida dos profissionais que estão jogando já há algum tempo, mas este ano o IT me ajudou bastante. Em alguns torneios com hotéis e passagens, então eu não tive tanta necessidade quanto a isso. Eu só tenho a agradecer a eles por me dar toda essa estrutura.

Você é um cara bem tranquilo na quadra, não é muito de vibrar muito, de gritar muito. É algo que você traz de fora das quadras também e você consegue transformar isso em coisas positivas?
É, eu sou um cara bem tranquilo. Pelo menos, me falam isso, e eu também me considero. Acho que na quadra isso me ajuda a manter a concentração, mentalmente focado no que eu tenho que fazer. Em alguns momentos tenho que subir a energia, porque o tênis exige isso, fazer um pouco mais de barulho e vibrar mais. Eu também tenho a tendência de ficar um pouco apático às vezes, mas tenho que lutar contra isso todos os dias. É mais o temperamento mesmo.

Tem alguma meta para o ano que vem, não só de ranking, mas de desempenho. De repente, ganhar mais alguns futures, tentar jogar um challenger…
Acho que agora eu não tenho como falar isso, ainda não sei do meu calendário do ano que vem. Vou jogar esse torneio aqui, que vale bastante, e depois ficar de férias e pensar no meu calendário.


Comentários
  1. Mauricio Andrade

    Vejo bom potencial no jogo dele, mas principalmente no saibro. No saibro lento ele está no mesmo nível, talvez até um pouco a frente do Wild. Mas sofre muito ainda na quadra rápida. Precisa evoluir esse jogo. Em todo o caso, é legal termos 2 jogadores de 18 anos relativamente bem rankeados.

    Reply
  2. PIETER

    Parece-me um garoto com ótimo potencial, principalmente pelo estilo de jogo, agressivo e que se adapta bem às quadras rápidas. No 2o semestre, porém, jogou bem abaixo do seu potencial. Esperava uma campanha bem melhor dele, talvez até mais um título. Tomara que siga evoluindo no ano que vem…

    Reply
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>