Monthly Archives: dezembro 2018

Nova geração vence 29 challengers no ano
Por Mario Sérgio Cruz
dezembro 6, 2018 às 6:37 pm

Com o fim da temporada de torneios de nível challenger, a ATP compilou as estatísticas desses eventos que servem de acesso para a elite do circuito. A tendência dos últimos anos com a nova geração vem ganhando cada vez mais espaço é novamente reforçada, mas o perfil dos vencedores mudou um pouco em relação ao ano passado. Os dados estão disponíveis no site da ATP e são públicos. A atualização é do dia 26 de novembro, após a realização dos challengers de Andria (Itália) e Pune (Índia). A relação completa de estatísticas está neste link.

Ao todo, 29 challengers foram vencidos por nomes da chamada Next Gen, que englobou este ano os jogadores nascidos a partir de 1997 e postulantes a vagas em Milão. O número de conquistas de jogadores dessa faixa etária é um pouco maior que as do ano passado, com 24 títulos. A ATP, aliás, mudou um pouco a metodologia e passou a dar o rótulo de “Next Gen” também aos atletas de fora do top 200.

nova_geracao

O mais jovem vencedor de challenger no ano foi o allemão Rudolf Molleker, que completou 18 anos em outubro e tinha 17 anos e seis meses quando foi campeão no saibro de Heilbronn em maio. Molleker era número 568 do mundo no dia 1º de janeiro e aparece atualmente já no 194º lugar, a duas posições da melhor marca da carreira. Além de um título de challenger, ele também já tem duas vitórias de nível ATP, em Stuttgart e Hamburgo.

heilbronn-2018-molleker1

Outro número que reforça o bom momento dos jovens jogadores nos challengers diz respeito ao número de títulos por idade. Jogadores de 22 anos foram os maiores vencedores da temporada, com 17 conquistas, e são seguidos de perto pelos atletas de 21 anos, que venceram 16 torneios. Na sequência, aparecem os jogadores de 28 anos com 15 títulos, e os de 27 anos com 12 troféus. Na temporada de 2017, os jogadores de 27 anos foram os que mais venceram challengers, com 19 títulos ao todo.

Em contrapartida, caiu o número de challengers vencidos por jogadores com menos de 20 anos, classificados pela ATP como Teenages. Em 2018, apenas oito tenistas dessa faixa etária conquistaram títulos deste porte, contra 15 no ano passado, e 13 tanto em 2015 quanto em 2016. O número atual foi o menor desde 2014, quando apenas seis torneios tiveram campeões com menos de 20 anos.

Além dos oito títulos, os adolescentes (chamados assim por aqui apenas pela falta da tradução exata do termo em português) ficaram com o vice-campeonato e não houve nenhuma final entre dois jogadores com menos de 20 anos. Dessa forma, 19 finais tiveram a presença de atletas dessa idade. No ano passado, esses jogadores estiveram em 22 finais, uma delas entre Corentin Moutet (18) e Stefanos Tsitsipas (19).

teen winners
Menos títulos dos trintões, Karlovic bate recorde – Enquanto o número de títulos da nova geração aumenta, os veteranos perderam espaço. Em 2018, foram 27 títulos conquistados por jogadores com mais de 30 anos, número inferior aos das três temporadas anteriores. Os ‘trintões’ chegaram a vencer 37 challengers em 2016, com 37 conquistas em 2017 e 31 troféus em 2015.

Por outro lado, o veteraníssimo Ivo Karlovic estabeleceu um recorde. O croata se tornou o mais velho vencedor de um torneio de nível challenger ao conquistar o título em Calgary, no Canadá, aos 39 anos e sete meses. A segunda melhor marca da história também foi conquistada em 2018, com o francês Stephane Robert triunfando em Burnie, na Austrália, aos 37 anos e 8 meses.

Top 10 no juvenil, Klier começa carreira profissional do zero
Por Mario Sérgio Cruz
dezembro 3, 2018 às 5:56 pm

O ano em que um tenista completa 18 anos costuma ser marcado pela transição do circuito juvenil para o profissional. Em geral, os jogadores dessa idade disputam apenas as competições mais fortes na base e já começam a buscar importantes pontos na ATP em torneios de nível future. Mas para Gilbert Klier Júnior o ano acabou sendo majoritariamente voltado aos torneios juvenis, muito por conta de lesões que aconteceram em momentos inoportunos da temporada. Depois de ter alcançado o décimo lugar no ranking mundial juvenil da ITF, o brasiliense de 18 anos começará a carreira profissional praticamente do zero em 2019.

Ao chegar às quartas, Gilbert Klier teve o melhor resultado de um  brasileiro em dez anos

Klier se destacou nas competições juvenis em 2018, mas lesões impediram seu progresso como profissional (Foto: Arata Yamaoka/ITF)

“Vamos ter que começar do zero. Mas no profissional é como se eu começasse a jogar de novo”, disse Klier ao TenisBrasil. “Vou começar a pré-temporada no dia 15 de dezembro e com o objetivo de jogar os torneios de transição e, com certeza, vai ser um bom ano. Se Deus quiser, essa fase vai ser bem rápida”, acrescenta o brasiliense, que aparece no 1.283º lugar no ranking da ATP e acumula quatro vitórias como jogador profissional.

Como juvenil, Klier teve quatro ótimos resultados. Ainda no mês de março, ele venceu a Copa Paineiras, torneio Sul-Americano Individual disputado em São Paulo. Em julho, se destacou no torneio juvenil de Wimbledon, onde chegou às quartas de final e teve o melhor resultado de um brasileiro desde 2008. No mês seguinte, conquistou o título do ITF G1 de College Park, no piso duro de Maryland, nos Estados Unidos. Já em outubro, foi medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires.

“Foi um ano incrível como juvenil. Acabei parando de jogar o juvenil no top 10. Não sei quanto estou agora, devo estar como 11 ou 12, mas foi um ano muito bom”, comenta o atual 11º colocado no ranking da ITF para a categoria. “No profissional eu não joguei tantos torneios e acabei me lesionando nos poucos torneios que eu joguei, mas para mim está sendo um ano excelente”, comenta o brasiliense, que diz que a medalha olímpica terá lugar especial em casa. “Tá lá na prateleira. Minha mãe já levou para casa, separou um espaço, vai enquadrar e botar na parede”.

Brasiliense foi medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires (Foto: Sergio Llamera/ITF)

Brasiliense foi medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires (Foto: Sergio Llamera/ITF)

Por três oportunidades em 2018, Klier venceu o argentino Sebastian Baez, que chegou a liderar o ranking mundial juvenil, além de também derrotar outros jogadores bem ranqueados na categoria, casos do búlgaro Adrian Andreev (que termina o ano como número 4 do mundo) e do sérvio Marko Miladinovic, ex-número 2. “É sempre muito bom ganhar desses caras. Isso mostra onde a gente está e o nível que a gente está jogando. É claro que eu fiquei bem feliz de conseguir essas vitórias e saber que estou nesse nível é muito gratificante”.

O calendário do jovem brasiliense também foi prejudicado por lesões no joelho, que o fez começar o ano só em março, e uma no ombro esquerdo em maio, às vésperas da disputa do future de Brasília. “Naquele encontro da CBT em Floripa no ano passado, eu acabei lesionando o joelho. Por sorte eu não precisei operar. Eu ia até para a Austrália, estava na chave e não fui. Para mim foi muito difícil porque seria meu primeiro Grand Slam. E ali antes de Brasília, eu desloquei o ombro treinando. Foi um pouquinho de azar também, mas acontece com qualquer atleta”.

Diante de um início de carreira profissional com muitos custos e retorno financeiro muito pequeno, Klier consegue viajar com treinador para praticamente todos os torneios. Ele é atleta do Instituto Tennis Route, do Rio de Janeiro, e é acompanhado de perto pelos técnicos Arthur Rabelo e João Zwetsch. “Graças a Deus eu tenho a ajuda de um apoiador e eu acabo tendo que pagar muito pouco. De material eu também ganho tudo da Yonex, então para mim esse lado está muito bom”.

Klier não estabelece metas em termos de ranking ou resultados para 2019 e foca apenas na melhora do desempenho em quadra. “Nunca penso resultado, em ranking ou coisa assim. Penso em jogar meu melhor e fazer o melhor que eu posso e estar sempre no meu melhor estado físico, que eu sei que os resultados vão vir em consequência”.