Monthly Archives: setembro 2017

Americanas ratificam domínio na Fed Cup Júnior
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 25, 2017 às 8:12 pm

O amplo domínio do tênis feminino norte-americano na temporada juvenil dos Grand Slam e, consequentemente, no ranking mundial da categoria foi ratificado no último domingo com o título da Fed Cup Júnior. As jogadoras Amanda Anisimova, Whitney Osuigwe e Caty McNally venceram o Mundial disputado no saibro de Budapeste.

Estados Unidos contaram com as campeãs de Slam Amanda Anisimova e Whitney Osuigwe, além de Caty McNally (Foto: Srdjan Stevanovic)

Estados Unidos contaram com as campeãs de Slam Amanda Anisimova e Whitney Osuigwe, além de Caty McNally (Foto: Srdjan Stevanovic)

Ainda que Davis e Fed Cup Júnior recebam atletas de até dezesseis anos, o time dos Estados Unidos teve o privilégio de contar com duas jogadoras campeãs juvenis de Grand Slam e colocadas entre as quatro melhores do juvenis do mundo (em ranking com atletas de até 18 anos). Osuigwe venceu Roland Garros, enquanto Anisimova vem de título no US Open. Na final disputada contra o Japão, McNally marcou o primeiro ponto americano ao vencer Naho Sato por 6/3 e 6/2. Na sequência, Osuigwe decretou o título ao derrotar Yuki Naito por 7/5 e 6/3.

Durante a semana, os Estados Unidos passaram por Belarus, Uruguai, Itália, Canadá e Japão. Das 14 partidas disputadas pelas americanas, foram doze vitórias e apenas duas derrotas. Em simples, elas venceram dez jogos e perderam apenas dois, com dezesseis sets vencidos e apenas quatro cedidos às adversárias. Já nas duplas, foram quatro vitórias e apenas um set perdido.

Vice-líder do ranking mundial juvenil com apenas 15 anos, Osuigwe venceu todas as oito partidas que disputou entre simples e duplas, com apenas um set perdido em dezessete realizados. McNally, 27ª colocada, venceu seis jogos de sete possíveis. Já Anisimova, número 4 como juvenil e já 194ª na WTA com apenas 16 anos, só atuou durante a fase de grupos, com uma vitória e uma derrota em simples e uma vitória na dupla.

EUA

História: Dos quatro títulos conquistados pelos Estados Unidos na Fed Cup Júnior, que é realizada desde 1985, três foram conquistados nesta década. O primeiro troféu veio em 2008 com a agora campeã do US Open Sloane Stephens tendo a companhia de Christina McHale, Kristie Ahn. O segundo título veio em 2012 com Louisa Chirico, Taylor Townsend e Gabrielle Andrews. Já a terceira conquista aconteceu há três anos, com Catherine Bellis, Sofia Kenin e Tornado Black.

Davis Júnior  

Equipe da República Tcheca venceu todas as partidas que disputou durante a semana (Foto: Srdjan Stevanovic)

Equipe da República Tcheca venceu todas as partidas que disputou durante a semana (Foto: Srdjan Stevanovic)

O título da Copa Davis Júnior ficou com a República Tcheca, que voltou a conquistar a competição depois de vinte anos. Os tchecos ainda têm um título de 1988, ainda da antiga Tchecoslováquia. O time campeão é formado por Dalibor Svrcina, 53º do ranking mundial juvenil, Jonas Forejtek, 61º, e Andrew Paulson, 93º.

O título veio após a vitória contra os Estados Unidos na final. Forejtek marcou 6/4 e 7/5 contra William Grant em 1h26 de jogo. Na sequência, Svrcina que tem apenas 15 anos, marcou duplo 6/2 em 1h12 de disputa contra Govind Nanda para consolidar uma conquista que não vinha desde 1997 com Jaroslav Levinsky e Ladislav Chramosta.

Os tchecos tiveram uma semana impecável. Terminaram em primeiro em um grupo com Japão, Peru e Canadá vencendo todas as oito partidas disputadas, com apenas dois sets perdidos. Na semifinal e final também, os confrontos contra Croácia e Estados Unidos foram vencidos também por 2 a 0. Outro destaque na competição, fica para a Argentina, terceira colocada.

TCH

Brasil termina em 11º lugar

Time brasileiro foi formado por Mateus Alves, Natan Rodrigues e João Ferreira (Foto: Srdjan Stevanovic)

Time brasileiro foi formado por Mateus Alves, Natan Rodrigues e João Ferreira (Foto: Srdjan Stevanovic)

Depois de ter começado bem na Davis Cup Júnior, o Brasil terminou a competição entre dezesseis países apenas na 11ª posição. O time brasileiro contou com o baiano Natan Rodrigues, o paulista Matheus Alves e o mineiro João Ferreira, comandados pelo capitão Roland Santos. Entretanto, apenas Alves e Ferreira entraram em quadra. Natan Rodrigues não jogou durante a semana, enquanto o paulista Matheus Pucinelli, 65º do ranking mundial da ITF, não fez parte do time.

Nas duas primeiras rodadas da fase de grupos, o Brasil havia superado Taiwan por 2 a 1 e a Bélgica por 3 a 0. Isso fez com que a equipe entrasse na última rodada na primeira posição de seu grupo e com chances de ficar entre os semifinalistas. Porém, a derrota para a Croácia por 3 a 0 derrubou o time brasileiro para o terceiro lugar no grupo e colocou o time nacional na disputa entre o 9º e o 12º lugar. Por conta da chuva no início da semana, os duelos contra Bélgica e Croácia aconteceram no mesmo dia.

davis junior

No sábado, o Brasil perdeu um duelo sul-americano para o Peru. Ferreira perdeu por 6/3 e 6/2 para Sebastian Rodriguez, enquanto Alves venceu Mateo Verau por 6/3 e 6/1. Nas duplas, os peruanos venceram por 0/6, 7/6 (10-8) e 10-6. Já no domingo, a disputa foi contra a China. Ferreira perdeu por 6/3 e 7/5 para Xiaofei Wang, ao passo que Mateus Alves derrotou Xinmu Zhou por 6/1 e 6/2. Nas duplas os chineses desistiram, dando vitória do confronto para o Brasil.

Durante a semana, o Brasil disputou dez partidas de simples, com cinco vitórias e cinco derrotas. E mais quatro partidas de duplas, também com 50% de aproveitamento. Alves venceu três jogos de simples, enquanto Ferreira venceu outros dois.

Brasil

“Encerramos nossa participação aqui na Hungria com a sensação de ter chegado tão perto de estar pelo menos entre os 4 finalistas, mas isto Infelizmente não foi possível. O que me conforta é saber que nossos garotos estão em iguais condições de seguir em uma carreira de sucesso. Esta competição reúne os melhores juvenis do mundo até 16 anos e enfrentamos nossos adversários em condições de igualdade”, afirmou o técnico Roland Santos.

Grande semana para Bia e Stefani – A semana passada foi promissora para dois nomes do tênis feminino brasileiro. Beatriz Haddad Maia teve seu melhor resultado na elite do circuito e disputou sua primeira final de WTA em Seul. Foram quatro vitórias na capital sul-corena, sobre Katarina Zavatska, Irina-Camelia Begu, Sara Sorribes Tormo e Richel Hogenkamp. A derrota só viria diante da top 10 e campeã de Roland Garros Jelena Ostapenko.

Bia venceu quatro jogos ao longo da semana em Seul

Bia venceu quatro jogos ao longo da semana em Seul (Foto: Korea Open)

Bia teve suas chances na final. Venceu o primeiro set ao contar 33 erros da letã e aprovetiou a oportunidade depois de a rival cometer uma dupla-falta quando o tiebreak estava empatado por 5-5. Mas um dos maiores problemas de enfrentar Ostapenko é que uma hora ela encontra o ritmo e para de errar. Foram só nove pontos dados de graça no segundo set e seis quebras nos últimos oito games de saque da brasileira. Ostapenko soube fazer sua condição de favorita e colocou pressão sempre que a paulista conseguia voltar para o jogo.

A grande campanha em Seul coloca Bia no inédito 58º lugar do ranking mundial. Melhor marca da carreira da jovem paulista de 21 anos. Bia é a quinta melhor brasileira na história do ranking, ficando atrás apenas de Maria Esther Bueno, Niege Dias, Teliana Pereira e Patrícia Medrado e pode se tornar a quinta top 50 na história do país. Ela agora segue para o quali de Pequim antes dos WTA de Tianjin e Luxemburgo.

Outro bom resultado para o Brasil veio com a paulista Luisa Stefani, que furou o quali e ainda avançou uma rodada no ITF de US$ 100 mil de Tampico, no México. Stefani só parou na favorita americana Louisa Chirico, então 163ª colocada e que foi top 60 no ano passado. Com vinte pontos somados, Stefani saltou mais de duzentas posições no ranking, saindo do 809º para o 605º lugar, melhor marca de sua carreira.

Raio-X dos juvenis brasileiros nos Grand Slam em 2017
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 11, 2017 às 10:49 pm

O fim do US Open também representou o término da participação brasileira nas chaves juvenis de Grand Slam. Assim como feito no ano passado, o blog levantou todos os resultados dos jovens atletas nacionais nos quatro principais torneios da temporada e comparou com o desempenho mostrado em anos anteriores. Para os resultados do ano passado, clique aqui.

Foram apenas cinco vitórias brasileiras em chaves principais de simples, ainda assim três a mais que as do ano passado, mas os resultados positivos foram obtidos por só dois nomes: Thiago Wild venceu três jogos em Roland Garros e foi às quartas, enquanto Thaísa Pedretti avançou uma rodada em Paris e outra em Wimbledon.

Wild e Pedretti também estiveram em quadra nas únicas vitórias brasileiras em duplas, três para cada um. Ao todo, então, o Brasil acumulou apenas onze vitórias entre simples e duplas, nas chaves masculinas e femininas dos Grand Slam juvenis.

Quanto ao número de jogadores, houve mínimo aumento em relação ao ano passado nas chaves principais: Wild e Pedretti tiveram a companhia de João Lucas Reis, Gabriel Décamps e Matheus Pucinelli. No ano passado, foram quatro nomes, todos do masculino.

geral correto

Entre os quatro meninos que jogaram chaves principais de Grand Slam, apenas Décamps está no último ano de juvenil. O paulista que completou 18 anos em agosto segue para o circuito universitário americano e frequentará a University of Southern California (USC).

O Brasil tem hoje quatro juvenis entre os cem do mundo no masculino, sendo que Décamps não continuará no circuito na próxima temporada. Thiago Wild (17º do ranking) e Igor Gimenez (73º) vão para o último ano de juvenil. Já Matheus Pucinelli, que é nascido em 2001, tem mais duas temporadas.

Os três nomes conseguir vagas nos Grand Slam do ano que vem. Mateus Alves, João Lucas Reis e Gilbert Klier estão próximos do top 100 e precisam de bons resultados, em especial na Gira Sul-Americana do início do ano, para conseguir disputar os maiores torneios da temporada. Dos oito brasileiros entre os 250 do mundo e treze entre os 500, três estão no último ano como juvenil.

RANKING

Depois de um ano sem participação feminina, o Brasil voltou a ser representado este ano. Entretanto, apenas Thaísa Pedretti que está no último ano de juvenil pôde disputar os Grand Slam. A jogadora que completou 18 anos em maio treina no Instituto Tênis, em São Paulo, e deverá seguir para as competições profissionais no próximo ano.

Entretanto, é provável que o cenário de 2016 se repita na próxima temporada. Afinal, as três primeiras brasileiras no ranking completaram 18 anos em 2017. Além disso, somente oito brasileiras estão entre as 500 melhores da categoria. A mineira Marina Figueiredo, de 17 anos e que está atualmente no 189º lugar, é hoje a primeira colocada entre as atletas nacionais que seguirão no juvenil.ranking-feminino

ÚLTIMOS ANOS

AO

AUSTRALIAN OPEN – Assim como aconteceu na temporada passada, nenhum jogador brasileiro disputou o Grand Slam australiano. Além do fato de ser uma viagem cara e difícil de ser encaixada com uma série maior de torneios, houve este ano uma mudança com relação aos torneios da Gira Sul-Americana no saibro. Com a antecipação dos eventos, que antes aconteciam entre fevereiro e março, para os dois primeiros meses do ano, nenhum juvenil sul-americano foi para a Austrália este ano. O Brasil tem um título em 2010 com o alagoano Tiago Fernandes, que encerrou a carreira em 2014, aos 21 anos.

RG

ROLAND GARROS – Assim como em 2016, seis juvenis brasileiros estiveram em Paris. Mas se no ano passado houve quatro jogadores nas chaves principais, desta vez apenas Thiago Wild e Thaísa Pedretti conseguiram entrar diretamente.

Pelo terceiro ano seguido, o Rendez-Vous à Roland Garros levou jogadores nacionais à seletiva de Paris, mas diferente do que havia acontecido em 2015 com Gabriel Décamps e 2016 com Rafael Wagner, o mineiro João Ferreira e a paranaense Nathalia Gasparin não conseguiram passar pela fase final contra campeões da China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia e Japão.

O paranaense Thiago Wild venceu três jogos e só caiu nas quartas de final contra o cabeça 1 sérvio Miomir Kecmanovic. A campanha de Wild foi a melhor do Brasil desde 2014, quando Orlando Luz foi semifinalista de simples, enquanto Marcelo Zormann chegou às quartas. Nas duplas, Thaísa Pedretti venceu dois jogos, ao lado da colombiana Maria Camila Osório Serrano e também fez quartas. Há três anos, Luisa Stefani foi semifinalista de duplas em Paris.

WIM
WIMBLEDON – Assim como aconteceu na temporada passada, o Brasil só teve uma vitória em simples no Grand Slam britânico. Em 2016, coube a Felipe Meligeni Alves avançar uma rodada, enquanto este ano Thaísa Pedretti venceu um jogo. No qualificatório, o pernambucano João Lucas Reis venceu dois jogos e entrou na chave.

O melhor resultado recente em simples foi de Beatriz Haddad Maia, hoje 70ª do ranking da WTA aos 21 anos. Em 2013, Bia esteve nas oitavas e só caiu para a croata Ana Konjuh, que chegou ao top 20 em julho e está no 40º lugar. Nas duplas, o Brasil comemorou o título em 2014 com a parceria de Orlando Luz e Marcelo Zormann.

USO

US OPEN – O Grand Slam americano foi o que contou com a maior participação brasileiras. Foram quatro nomes em chaves principais (três meninos e uma menina) e mais quatro no qualificatório (de novo, com três para uma).

Lembrando que uma das vagas na chave veio por Special Exempt, após Matheus Pucinelli, que disputaria o quali em Nova York, conseguir uma boa campanha no ITF G1 de Quebec na semana anterior ao ser finalista do forte torneio canadense.

O Brasil não teve bons resultados em simples, com eliminações na estreia de todos os representantes. No qualificatório, somente Igor o paulista Gimenez chegou a avançar uma rodada. O resultado mais expressivo veio nas duplas, com a semifinal de Thiago Wild ao lado do argentino Sebastian Baez.

Wild tentava colocar o Brasil na terceira final de US Open nos últimos quatro anos. Na última temporada, Felipe Meligeni Alves conquistou o título junto do boliviano Aguilar. Foi a primeira vez que um jogador brasileiro ganhou um título juvenil no Slam americano. Em 2014, João Menezes e Rafael Matos foram vice-campeões.

Keys se prepara para ser a próxima estrela
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 9, 2017 às 7:56 pm

Cada vez mais preparada para assumir o papel de próxima estrela do tênis feminino, Madison Keys disputa seu jogo mais importante neste sábado. Não haveria palco melhor para sua primeira final de Grand Slam que o Arthur Ashe Stadium, maior estádio do mundo e quadra principal do US Open. Ela decide o título em Nova York em uma final exclusivamente americana contra Sloane Stephens, uma de suas melhores amigas no circuito.

Keys fez cinco de seus seis jogos no caminho para a final em horário nobre

Keys fez cinco de seus seis jogos no caminho para a final em horário nobre

Em um ano atípico para o US Open por conta da ausência de Serena Williams, além de o fato de chave masculina não contar com três campeões recentes (Stan Wawrinka, Novak Djokovic e Andy Murray), a organização do torneio teve que se desdobrar para encaixar nomes atrativos nas principais sessões para o público e televisão. Na maioria das vezes, Keys acabou sendo a escolhida como o carro-chefe na chave feminina, mesmo com várias americanas se destacando e colocando quatro nomes nas semifinais.

De seus seis jogos disputados até a semifinal, cinco foram na sessão noturna do Arthur Ashe Stadium: A estreia diante da belga Elise Mertens, a terceira fase contra Elena Vesnina, as oitavas diante de Elina Svitolina, as quartas contra Kaia Kanepi, além da semifinal americana contra CoCo Vandeweghe. Somente a segunda rodada conta Tatjana Maria foi no Louis Armstrong Stadium.

Keys jogou no horário nobre até mesmo no dia em que a também americana Vandeweghe desafiava a número 1 do mundo Karolina Pliskova pelas quartas de final. Também teve a preferência no segundo dia do torneio em relação à atual campeã Angelique Kerber, que acabaria perdendo na estreia. Quem esteve presente no estádio relata que, durante a entrada das jogadoras em quadra, seu nome era anunciado como “The future of American Tennis”.

Ao longo de duas semanas, a esperança americana atuou diante dos holofotes e só não era favorita quando desafiou Svitolina. Ela sempre contou com o apoio do público mesmo quando seu jogo contra Elena Vesnina terminou à 1h45 da manhã (horário local), ficando a apenas três minutos do jogo feminino que terminou mais tarde pelo US Open.

“O público é incrível, porque não importa o que aconteça, elas ainda estão torcendo por você. Não importava qual era o placar, eles definitivamente estavam comigo e me ajudaram você a aumentar meu nível”, disse em entrevista coletiva depois de ter vencido Svitolina de virada, em outro que também acabou muito tarde.

“É um pouco insano. Ir dormir às 4 da manhã todas as noites e acordar às 11, não é totalmente natural e normal. Mas agora eu tenho um pouco de medo de jogar no sol, porque eu não fiz isso em duas semanas. Mas estou bem em jogar de noite”, explicou a americana de 22 anos, que é a mais jovem jogadora de seu país numa final desde 2003, quando Serena Williams decidiu Wimbledon aos 21.

Primeira vitória de Keys em um Grand Slam foi em 2011, quando tinha apenas 16 anos

Primeira vitória de Keys em um Grand Slam foi em 2011, quando tinha apenas 16 anos

Keys tem uma carreira precoce, tanto que parou de jogar torneios juvenis com 16 anos recém-completados em 2011. Naquela temporada, ela já havia vencido um jogo na chave principal do US Open, depois de ter recebido um convite. Filha de um casal de avogados, Rick and Christine, ela teve condições de sair muito cedo de Rock Island, no estado de Illinois para ir treinar na Flórida

“Meus pais me mudaram das Quad Cities quando eu tinha 10 anos porque eu tinha manifestado interesse em me tornar um jogadora profissional de tênis. Eles sabiam que não conseguiria fazer isso lá. Felizmente, isso funcionou. Sempre foi um sonho meu. Eu nunca quis jogar tênis universitário ou algo assim. Mudei-me para a Flórida e fiz tudo o que pude para chegar a esse nível”, comentou após a estreia no US Open.

Mas como tem duas irmãs mais novas, chamadas Sydney, Montana e Hunter, Keys sempre teve que ser modelo para todas elas e amadureceu muito cedo. Assumindo o papel protetor de irmã mais velha e decidiu expandir suas ações. Ela é uma das jogadoras mais combativas quanto às denúncias de racismo e assédio virtual dentro do circuito e, desde o ano passado, é embaixadora da organização Fearlessly Girl, que visa desenvolver lideranças jovens entre as meninas em suas escolas e comunidades, realizando palestras e rodas de debates em colégios americanos. “Vou às escolas e converso com as adolescentes sobre o mundo delas e os problemas que elas enfrentam”, disse em entrevista ao Tennis Channel.

Como falei num post de abril, o engajamento de Keys junto às adolescentes e seus comentários pertinentes sobre temas como bullying, assédio virtual e racismo podem fazer dela uma atleta extremamente representativa para para uma comunidade, tal como as irmãs Williams foram e são até hoje para as mulheres negras americanas, e ser a próxima atleta a transcender o esporte. Um eventual título do US Open potencializa tudo isso.

Dentro de quadra, Keys trabalhou com diversos técnicos sem nunca ter mudado o jeito de jogar. Assim, um processo que para a maioria das pessoas é caótico, não afetou sua evolução no circuito. Formada pela academia de Chris Evert, na Flórida, Keys trabalhou anteriormente com dois técnicos da USTA Juan Todero e Jay Gooding.

A americana passou a temporada de 2015 ao lado da ex-número 1 do mundo Lindsay Davenport, com quem saltou do 31º para o 18º lugar, e chegou ao top 10 no ano passado sob comando do renomado sueco Thomas Hogstedt, depois de também ter tido breves colaborações do recém-aposentado Jesse Levine e do sueco Mats Wilander. Na atual temporada, ela voltou a treinar com Davenport e explica que a relação de proximidade é muito diferente das demais.

“A melhor coisa com Lindsay é que ela sempre me ajudou nos grandes momentos apenas, porque ela esteve nessas situações e as entende. Então ter sua perspectiva no que ela fez para lidar com essas situações foi realmente benéfico para mim”, falou após a vitória sobre Tatjana Maria pela segunda rodada.

“Acho que estamos extremamente próximas e é provavelmente o mais próximo que já estive com um treinador. Eu realmente amo o simples fato de estar ao seu redor”, acrescentou também após seu segundo jogo no torneio.  “Dentro de quadra, ela sempre me disse para fazer meu jogo e tomar a iniciativa dos pontos, porque é assim que eu vou ganhar. Essa foi a sua maior mensagem, especialmente com os saques. Tenho que ser uma grande sacadora, acreditar nos meus saques e jogar confiante. Acho que ter essa mentalidade em quadra me ajuda em todos os aspectos”.

Caso conquiste o US Open, Keys voltará ao top 10 e coroa a grande recuperação que teve na temporada. Depois de ter terminado o ano passado na oitava posição, a americana precisou operar o punho esquerdo e não jogou o Australian Open e chegou a fazer uma segunda cirurgia depois de Roland Garros para jogar sem dor. Em seus últimos treze jogos, foram doze vitórias, incluindo o título de Stanford e sua única derrota foi para Garbiñe Muguruza no tiebreak do terceiro set em Cincinnati.

Vai ser interessante ver o ambiente da primeira final entre duas americanas desde o duelo entre as irmãs Venus e Serena Williams em 2002. Novamente, será uma final entre duas mulheres negras, o que é extremamente representativo diante de tantas portas abertas pelas Williams nos últimos vinte anos. Que seja um grande jogo.

Stephens e o Brasil – Demos ontem no TenisBrasil uma matéria sobre a curiosa relação de Sloane Stephens com o Brasil. Afinal, seus primeiros pontos no ranking foram conquistados nas cidades paulistas de Itu e Serra Negra. Vale a pena ler e conferir também sua história de superação ao longo da temporada.

A festa dos coadjuvantes
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 4, 2017 às 5:06 am

Há uma semana, falávamos sobre a busca de Alexander Zverev pelo papel de protagonista neste US Open, especialmente após os grandes resultados nos torneios preparatórios e diante de uma chave que oferecia a possibilidade de obter seu primeiro resultado expressivo em Grand Slam. Como todos vimos, Zverev não cumpriu as expectativas e se se despediu precocemente ainda na segunda rodada. Mas se o alemão não conseguiu seu papel principal, outros jovens coadjuvantes roubaram a cena e brilharam durante a primeira semana do Grand Slam americano.

O primeiro jovem a se destacar foi Borna Coric, que foi o próprio algoz de Zverev na segunda fase. O duelo da nova geração na quadra Grandstand foi um dos melhores da chave masculina até aqui e teve uma atuação de gala do croata, que rivaliza com o alemão desde os tempos de juvenil e já venceu os dois encontros entre eles na elite do circuito.

https://twitter.com/borna_coric/status/903224202605494272

Tal como Zverev, ainda falta a Coric um grande resultado em Slam, já que ele jamais passou da terceira rodada, mas é inegável que o ex-número 33 e atual 61º do ranking já poderia ter ido muito mais longe se não fosse a lesão e cirurgia no joelho direito, realizada em setembro do ano passado. Suas seis vitórias contra top 10, sendo três delas este ano e o título do ATP de Casablanca, dão indício de que o croata de 20 anos pode e merece alçar voos mais altos.

Kasatkina venceu o duelo da nova geração contra Ostapenko

Kasatkina venceu o duelo da nova geração contra Ostapenko

Em um cenário muito parecido, Daria Kasatkina eliminou Jelena Ostapenko pela terceira rodada da chave feminina e já está nas oitavas de final. Este é o melhor resultado em Grand Slam para a russa de 20 anos e 36ª do ranking, que já chegou a ocupar o 24º lugar. Adversária da veterana Kaia Kanepi nas oitavas, Kasatkina é uma das poucas atletas restantes na chave feminina, que aposta muito mais no jogo sólido do fundo de quadra em vez de bolas mais pesadas e agressivas.

A vitória sobre Ostapenko, atual campeã de Roland Garros, reedita o resultado do último duelo anterior entre elas. As duas jogadoras nascidas em 1997 já haviam se enfrentado na final de Charleston, em abril, quando Kasatkina conquistou seu primeiro título da carreira. Na época, a russa dava sinais de evoluiria mais rápido diante de uma letã que arriscava tudo. Mas a ajuda da veterana Anabel Medina Garrigues, Ostapenko aprendeu a trabalhar melhor os pontos e se desenvolveu no piso em que tinha mais dificuldade para conquistar o Grand Slam parisiense.

 

Denis Shapovalov foi outro que brilhou durante o Grand Slam americano, com direito a mais uma expressiva vitória em sua carreira, ao eliminar o experiente francês Jo-Wilfried Tsonga numa sessão noturna do Arthur Ashe Stadium. A queda precoce de Zverev, aliás, foi um dos fatores que levou a organização do torneio marcar três jogos seguidos do carismático canadense no estádio principal.

A experiência de disputar as partidas contra Kyle Edmund e Pablo Carreño Busta foi engrandecedora para o canhoto de 18 anos que, se ainda não pode ser consider favorito em nenhum desses jogos, pôde entrar numa quadra grande com uma perspectiva diferente daquela de franco-atirador contra um grande nome. Nesses dois jogos e até mesmo diante do cabeça 8 francês, Shapovalov era a atração principal e a razão para que aquelas partidas fossem disputadas no Ashe (basta a diferença na reação do público no vídeo acima). Isso algo que ele precisa se acostumar nesse processo para se tornar uma nova estrela.

Osaka voltou ao Ashe um ano depois de frustrante derrota para Keys

Osaka voltou ao Ashe um ano depois de frustrante derrota para Keys

Outra coadjuvante a aprontar no Ashe foi a japonesa de 19 anos Naomi Osaka, que despachou a atual campeã Angelique Kerber. A vitória por 6/3 e 6/1 diante da canhota alemã foi a primeira de Osaka contra uma top 10 e marcou sua volta à maior quadra de tênis do mundo, um ano depois de ter sofrido uma incrível virada contra Madison Keys pela terceira rodada do Slam americano. Havia possibilidade de um duelo de jovens contra Kasatkina, mas a japonesa caiu para Kanepi no último sábado.
Já o russo Andrey Rublev segue vivo na chave e tenta se tornar o mais jovem jogador nas quartas do US Open desde Andy Roddick em 2001. Para isso, precisa vencer David Goffin nesta segunda-feira. O tenista de 19 anos só tinha duas vitórias em chaves principais de Slam antes de chegar a Nova York, onde já obteve três triunfos. Ele também nunca havia derrotado um top 10 em três tentativas e foi superar logo o nono colocado e cabeça 7 búlgaro Grigor Dimitrov, vindo de título do Masters 1000 de Cincinnati.

O crescimento de Rublev no ranking é expressivo. Pouco mais de três meses depois de entrar pela primeira vez no top 100, o russo começa a se estabelecer entre os cinquenta melhores. O atual 53º colocado, que deve subir para o 43º lugar, chegou a ocupar a 49ª posição por uma semana, logo após conquistar seu primeiro título do ATP, no saibro croata de Umag em julho.

Começou o juvenil

Marta Kostyuk e Marko Miladinovic venceram forte torneio canadense na última semana

Marta Kostyuk e Marko Miladinovic venceram forte torneio canadense na última semana

As chaves juvenis do US Open deram a largada no último domingo, infelizmente com as eliminações precoces de Thaísa Pedretti e Gabriel Décamps. O tênis brasileiro ainda contra com o paranaense Thiago Wild e com o paulista Matheus Pucinelli, que entrou por Special Exempt, após chegar à final do ITF G1 de Quebec na última semana.

A chave masculina é encabeçada pelo argentino Axel Geller, destaque nos torneios na grama, e pelo chinês Yibind Wu. Já o feminino tem como principais nomes a americana Whitney Osuigwe e a ucraniana Marta Kostyuk, respectivas campeãs de Roland Garros e do Australian Open.

Aconteceram dois bons torneios preparatórios nas últimas semanas: Em Maryland, o colombiano Nicolas Mejia e a australiana Jaime Fourlis (que já jogou chave principal de Roland Garros) triunfaram de simples e duplas. Já no Canadá, os títulos ficaram com a já citada Kostyuk no feminino e com o sérvio Marko Miladinovic entre os meninos, ao vencer Pucinelli na decisão.