Author Archives: Mario Sérgio Cruz

Erros e acertos do Next Gen Finals
Por Mario Sérgio Cruz
novembro 14, 2017 às 4:35 pm

Muito se falou ao longo da última semana do Next Gen ATP Finals a respeito das várias regras que foram testadas, como o set até quatro games, a comunicação entre atletas e jogadores em quadra, o relógio de 25 segundos para marcar o tempo entre os saques e a ausência dos juízes de linha. Em português, recomendo o ótimo post do blog Saque e Voleio e a matéria do site da ATP reproduzida pelo TenisBrasil com as opiniões do técnicos sobre as mudanças.

Mas como qualquer edição inaugural, o torneio que acabou no último sábado com o título do sul-coreano Hyeon Chung teve erros e acertos. É praticamente unânime que a forma como foi conduzida o sorteio, que foi discutida na semana passada, não agradou e deve ser revista para o ano que vem. Então listei alguns pontos positivos e negativos do evento que reuniu sete jogadores classificados com até 21 anos e o convidado local Gianluigi Quinzi, vencedor de um playoff preparatório.

Next+Gen+ATP+Finals+NaHFGiNiYGtl

A Data: O maior acerto da ATP e dos organizadores. O torneio ocupou uma semana praticamente “morta”, prévia à disputa do ATP Finals e das finais da Fed Cup. Não houve nenhum outro evento que concorresse com o de Milão e o torneio da nova geração e suas regras diferentes praticamente dominaram o assunto entre os fãs de tênis. Nem mesmo os horários dos jogos coincidiram com o sorteio do Finals ou com a disputa feminina em Minsk.

A duração do evento: É praticamente um complemento do tópico anterior. A ideia de resolver a fase de grupos em três dias e dividir as sessões com dois jogos na sessão diurna e outros dois na noturna não deixou o torneio tão cansativo de acompanhar. Para o campeão e o vice pode ter ficado um pouco cansativo jogar em cinco dias seguidos, mas desmembrar demais a primeira fase poderia causar um desgaste prematuro do público com a fórmula.

Zverev: Principal estrela da nova geração do tênis, Alexander Zverev foi “vendido” desde o ano passado como um nome a ser visto em Milão. Mas a espetacular temporada do alemão de 20 anos, que alcançou o terceiro lugar do ranking e se classificou para o ATP Finals, o fez desistir do evento italiano. Ainda assim, foi viabilizada uma exibição dele contra o grego Stefanos Tsitsipas entre as sessões diurna e noturna da última terça-feira, premiando os donos de ingressos do primeiro dia. Zverev ainda entrou na brincadeira das novas regras e chamou o amigo Marcelo Melo para participar da conversa entre jogador e técnico.

DODHyRWXkAI4WTy

Equipe de estatísticas da ATP: Em torneio com jogos em melhor-de-cinco e regras diferentes, não seria fácil calcular as possibilidades de classificação e critérios de desempate. Antes dos jogos da última quinta-feira, o Grupo B tinha TREZE cenários diferentes de combinações de resultados para a definição dos classificados. Que bom que a ATP viabilizou isso com antecedência.

Faltou juntar o grupo: Um tópico que já foi abordado no último post. A foto oficial do torneio foi feita um dia antes dos jogos, na quadra que seria utilizada e com os jogadores em uniforme de treino. Foi uma oportunidade perdida de fazer o sorteio ou alguma ação promocional com os oito jogadores em local público. Como a própria ATP fez com o Finals.

DOMXH8EXcAALLB9

 

official-singles-photo-nitto-atp-finals-2017-tt

A decisão do terceiro lugar: Estava prevista para o último sábado uma partida entre Borna Coric e Daniil Medvedev pelo terceiro lugar, mas o croata abdicou da disputa. Foi marcada então uma exibição entre Medvedev e o canadense Denis Shapovalov, que também abriu mão de jogar. A solução encontrada foi trazer o diretor do torneio Ross Hutchins para um bate-bola com Medvedev e os boleiros que trabalharam durante a semana em Milão.

Em torneio que não oferece pontos no ranking -e nem poderia, por conta da limitação por idade- a realização da decisão de 3º e 4º lugar dificilmente seria atrativa para o jogador. Se os organizadores não queriam deixar a sessão do último dia com apenas uma partida, poderia ser planejada com antecedência uma exibição entre veteranos ou de tênis feminino em parceria com a WTA -Só lembrar que a Schiavone não pôde jogar em Roma este ano-. Se a quadra tivesse marcação de duplas, seria uma outra opção também.

Comunicação e respeito aos horários: No primeiro dia de disputas, tanto a sessão diurna quanto a noturna sofreram atrasos. Durante o dia, os jogos começaram aproximadamente 30 minutos depois do horário previsto. Já à noite, o atraso passou de uma hora. Além disso, não houve uma comunicação mais clara sobre os motivos que causaram as mudanças de horário. Lembrando que a exibição entre Zverev e Tsitsipas terminou antes do horário previsto para o início os jogos da noite.

Next Gen Finals testa novas regras e tem sorteio constrangedor
Por Mario Sérgio Cruz
novembro 6, 2017 às 7:07 pm

Novidade no calendário, a edição inaugural do Next Gen ATP Finals começa nesta terça-feira em Milão. A cidade italiana tem contrato para organizar o evento com sete melhores do ranking com até 21 anos e mais um convidado local até 2021. Mas o evento que deveria apenas para promover a nova geração do circuito, movimentar uma semana sem competições e testar regras diferentes para  o esporte já trouxe uma dor de cabeça para a ATP e para a Federação Italiana de Tênis antes mesmo de começar.

O centro da polêmica está na forma pouco convencional que os organizadores optaram para realizar o sorteio das chaves. Cada um dos oito jogadores do precisaria escolher uma modelo e desfilar com ela em uma passarela. Mas o que poderia ser apenas uma proposta descontraída teve uma execução de péssimo gosto, já que era preciso tirar uma peça de roupa das meninas para saber se você estava no Grupo A ou no Grupo B. O constrangimento e o incômodo de alguns participantes com a situação era visível.

Não demorou para que as imagens se espalhassem e a comunidade do tênis reagisse negativamente ao ocorrido. As ex-líderes do ranking  Amelie Mauresmo e Bille Jean King, a jogadora francesa Alizé Cornet, além de Judy Murray que é treinadora além de mãe de Andy e Jamie Murray, foram alguns nomes que se manifestaram contra o deprimente espetáculo. A ideia também não foi bem recebida por muitos dos fãs que assistiram aos vídeos.

https://twitter.com/alizecornet/status/927450010823704577

Por meio de nota, já nesta segunda-feira, a ATP e a Red Bull que é uma das principais patrocinadoras do torneio já tiveram que se explicar: “A ATP e a Red Bull pedem desculpas pelas ofensas causadas durante o sorteio das chaves do Next Gen ATP Finals. A intenção era integrar o evento com o rico legado que Milão possui como uma das capitais da moda em todo o mundo. Entretanto, a execução foi de muito mau gosto e inaceitável. Nós lamentamos muito por isso e asseguramos que nada parecido com isso irá se repetir no futuro”.

Diante da repercussão negativa, um evento que em tese serviria para atrair um público mais jovem acabou falhando feio logo de cara. Cenas como as do último domingo passam longe de quem quer vender a imagem de um produto de elite. Além disso, em uma cidade com tanto apelo turístico e histórico como é Milão, os organizadores perderam a oportunidade de aproximar os jogadores dos fãs ao restringir um raro encontro entre os oito participantes do torneio a um evento fechado que se transformou em um espetáculo deprimente.

Ações de interação entre atletas e o público foram mais pontuais e com poucos nomes envolvidos, como a visita de Hyeon Chung ao estádio San Siro ou o bate-bola entre Denis Shapovalov e Daniil Medvedev em dois dos principais pontos turísticos do centro de Milão, a Piazza del Duomo e a Galeria Vittorio Emanuele, que ficam praticamente lado a lado.

Talvez uma imagem com todos os oito jogadores diante dessas duas construções históricas de Milão (ou na frente do Castello Sforzesco que fica a menos de dez minutos a pé) e a participação do público da cidade e de turistas no sorteio causassem maior impacto e um retorno positivo. Dá para fazer muita coisa legal com esse produto nas mãos e os organizadores terão toda uma edição pela frente e mais outros quatro anos para aprimorar a relação do torneio com seu público no futuro.

Quem joga? – O Grupo A ficou com o russo Andrey Rublev, o canadense Denis Shapovalov, o sul-coreano Hyeon Chung e o italiano convidado Gianluigi Quinzi. Já o Grupo B tem os russos Karen Khachanov e Daniil Medvedev, o croata Borna Coric e o norte-americano Jared Donaldson.

  • Andrey Rublev: Jogador de melhor ranking no torneio ao ocupar o 37º lugar, Rublev teve uma rápida ascensão no segundo semestre. Ex-número 1 juvenil, o russo de 20 anos entrou no top 100 no final de junho e já saltou para o top 50 no mês seguinte com o tíutlo do ATP de Umag. Outro ganho expressivo de posições veio após a boa campanha no US Open, em que foi até as quartas de final.
  • Denis Shapovalov: O canhoto de 18 anos é provavelmente o nome mais conhecido no Next Gen Finals. Shapovalov levantou a torcida durante o Masters 1000 de Montréal, vencendo nomes como Rafael Nadal e Juan Martin del Potro no caminho até as semifinais. Seu grande momento continuou no US Open, em que chegou às oitavas de final depois de derrubar Jo-Wilfied Tsonga. O promissor canadense começou a temporada no 234º lugar e hoje aparece na 51ª posição.
  • Hyeon Chung: Dono de oito títulos de nível challenger, o sul-coreano de 21 anos teve indas e vindas no top 100 ao longo das últimas três temporadas por conta de lesões no músculo abdominal e no tornozelo esquerdo. Jogando sem dor, chegou ao melhor ranking da carreira em setembro, quando esteve no 44º lugar e termina a temporada na 54ª posição.
  • Gianluigi Quinzi: O canhoto de 21 anos foi número 1 do ranking juvenil em 2013, ano em que foi campeão de Wimbledon na categoria. Convidado após vencer um torneio classificatório entre jovens jogadores italianos no fim de semana, Quinzi tem uma trajetória modesta no tênis profissional com nove títulos de future e apenas 36 vitórias em nível challenger na carreira. Ele só venceu um jogo em chaves principais de ATP e está no 306º lugar do ranking, depois de ter sido o 226º colocado em maio.

DN6CiwiV4AEhIaW

  • Karen Khachanov: Atual 45º do ranking, Khachanov chegou ao 29º lugar em agosto. O russo que se formou como tenista na Espanha e é treinado por Galo Blanco se destacou na temporada de saibro, chegando às quartas em Barcelona e oitavas em Roland Garros, além de ser semifinalista na grama alemã de Halle. Ele já tem um título de ATP, obtido ainda em 2016, em Chengdu.
  • Daniil Medvedev: Finalista do ATP de Chennai na primeira semana da temporada, o russo de 21 anos terminou 2017 no 65º lugar do ranking. Ele se destacou nos torneios da grama, ao chegar às quartas em s-Hertogenbosch e Queen’s, além de ser semifinalista em Eastbourne. Embalado, derrubou o número 3 do mundo Stan Wawrinka na primeira rodada de Wimbledon, mas se despediu na fase seguinte.
  • Borna Coric: O croata de 20 anos é o participante com mais tempo em evidência, já que entrou no top 100 ainda em outubro de 2014, ano em que conseguiu a primeira de suas seis vitórias contra top 10 ao derrotar Rafael Nadal na Basileia. Ex-número 33 e atual 48º do ranking, Coric comemorou este ano seu primeiro título de ATP no saibro marroquino de Marrakech.
  • Jared Donaldson: Atual 55º do ranking, Donaldson aproveitou as chances que teve nos grandes torneios. Nove de suas 21 vitórias de nível ATP na temporada foram em Masters 1000 e outras três aconteceram em Grand Slam. Assim, o norte-americano de 21 anos conseguiu até ser top 50 no mês de outubro. Seu resultado de maior destaque foi a chegada às quartas em Cincinnati.

A programação desta terça-feira começa às 11h (de Brasília) com o duelo russo entre Khachanov e Medvedev, seguido pelo encontro entre Shapovalov e Chung. A partir das 16h30, Coric enfrenta Donaldson, enquanto Rublev e Quinzi fecham a rodada.

DN9l_C3W0AEEyV3


Novas regras – Diferente do que acontece no circuito, os jogos acontecem em formato FastFour. As disputas serão em cinco sets que são definidos quando um jogador vence quatro games. Em caso de empate por 3/3, será disputado um tiebreak. Além disso, os games serão em formato no-ad, como já acontece no circuito de duplas, com ponto decisivo em caso de 40 iguais.

O evento também irá testar uma redução no tempo de aquecimento, com apenas cinco minutos de intervalo entre a chegada dos jogadores à quadra e a disputa do primeiro ponto. Outras novidades são o uso de um relógio de 25 segundos para medir o tempo entre os saques e não marcação do Let. Os jogadores poderão também se comunicar com seus técnicos. Mas isso só será permitido nos intervalos entre os sets caso um atleta deixe a quadra para ir ao vestiário.

Mais polêmicas – Alguns dos testes de regra também geram polêmica. Uma delas é a retirada de todos os juízes de linha do torneio, já que todas as marcações serão revistas eletronicamente e em tempo real. Também chama atenção a autorização para que o público se movimente na arena durante a disputa dos pontos.

Vale o quê? Por conta da limitação dos participantes por idade não seria justo que o torneio distribuísse pontos no ranking. Afinal, quem está acima da idade não teria a oportunidade de jogar o torneio e acabaria prejudicado. O evento, entretanto, distribui boa premiação em dinheiro. Do montante de US$ 1,275 milhão, o campeão pode levar US$ 390 mil se vencer o torneio de forma invicta.

2017-11-06

Transmissão – O canal Bandsports exibe o Next Gen ATP Finals para o Brasil. No site da emissora só constam horários de exibição a partir da próxima quinta-feira, mas já nos guias de programação das operadoras já mostram horários disponíveis a partir desta terça. Vale dar uma conferida no canal no horário das partidas. Assinantes da NET ou ClaroTV também têm acesso ao Bandsports por meio do site e aplicativo NOW. Já os clientes da Sky, Vivo e Algar Telecom podem assistir à programação do canal por login no próprio site da emissora.

Uma campeã de trick-shots e acrobacias
Por Mario Sérgio Cruz
outubro 30, 2017 às 4:26 pm

Chegou ao fim neste domingo a terceira edição do ITF Junior Masters, evento que reuniu dezesseis dos melhores jogadores da temporada do circuito mundial juvenil na cidade chinesa de Chengdu. O destaque deste ano ficou para a ucraniana Marta Kostyuk. Ela era a mais jovem da chave, com apenas 15 anos, campeã da chave feminina ao vencer todos os cinco jogos que fez durante a semana, sem perder nenhum set e conquistou a torcida com seu carisma, jogadas de efeito e comemorações acrobáticas.

https://twitter.com/ITF_Tennis/status/924550961963474945

Kostyuk venceu a final do último domingo contra a eslovena Kaja Juvan por 6/4 e 6/3, devolvendo a derrota sofrida na decisão do European Junior Championship, disputado em julho na Suíça. Ela também havia vencido Juvan durante a fase de grupos e liderou uma chave que ainda tinha a colombiana Maria Camila Osorio Serrano e chinesa Xin Yu Wang. Na semi, a ucraniana bateu a argentina Maria Lourdes Carle, com direito a lances de muita plasticidade.

https://twitter.com/ITF_Tennis/status/924210173203353601

Na final contra Juvan, vimos duas tenistas muito agressivas e com capacidade de contruir os pontos a partir de boas devoluções, estilo que tem sido comum na elite do circuito feminino. Nas rápidas condições de Chengdu, a potência dos golpes dos dois lados ficou ainda mais evidente, com pontos definidos de maneira muito rápida.

Kostyuk teve dificuldades em seus três primeiros games de saque, sofrendo duas quebras, mas aos poucos foi encontrando seu melhor ritmo. Depois de estar perdendo o set inicial por 4/2, a ucraniana conseguiu vencer os últimos quatro games. Já o segundo set teve menos alternância na liderança do placar e a ucraniana conseguiu quebras em momentos importantes e sacou bem no momento de fechar a partida.
Sobre sua característica comemoração, Kostyuk explicou: “Eu pratiquei ginástica durante sete anos e também jogava tênis. Faço isso quando a torcida me pede ou quando venço um torneio”, comentou a jogadora de apenas 15 anos, que sinalizou após a partida que este ter sido seu último torneio como juvenil

O título do Masters, aliado à conquista do Australian Open em janeiro, fazem com que Kostyuk suba do terceiro para o segundo lugar no ranking juvenil da ITF e diminua a distância para a norte-americana Whitney Osuigwe. A temporada ainda reserva dois torneios de graduação A que podem ser decisivos na disputa pelo número 1 até o fim do ano, o Aberto Juvenil Mexicano em novembro e o Orange Bowl em dezembro. Caso ela decida jogar, pode haver uma disputa interessante.

Marta Kostyuk e Emil Ruusuvuori conquistaram os títulos no Junior Masters (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Marta Kostyuk e Emil Ruusuvuori conquistaram os títulos no Junior Masters (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Finlandês campeão no masculino: O título masculino ficou com o finlandês Emil Ruusuvuori, que tem 18 anos e entrou no torneio como 15º do ranking. Ele venceu a final contra o chinês Yibing Wu, líder do ranking mundial e atual campeão do US Open, por 3/6, 6/1 e 7/6 (7-4) e fecha sua trajetória nas competições de base entre os dez melhores do mundo.

Ruusuvuori já teve a oportunidade de até jogar a Copa Davis por seu país, chegando a enfrentar o top 100 georgiano Nikoloz Basilashvili em abril, agora concentra esforços em seu início de carreira profissional. “Esse título pode ser o meu trampolim para o circuito profissional. Será um grande desafio, mas muito divertido”.

Argentinos se destacam: Legal também destacar a participação argentina, que colocou três semifinalistas. Axel Geller e Sebastian Baez avançaram no torneio masculino, enquanto Maria Lourdes Carle se classificou na chave feminina.

Baez terminou invicto a participação no Grupo Yong antes de cair na semi para o favorito e anfitrião Wu. Geller, número 2 do ranking da ITF e finalista de dois Grand Slam, veio da mesma chave de seu compatriota e perdeu a semifinal para o campeão Ruusuvuori. Geller ficou devolveu a derrota sofrida a Baez na fase de grupos e ficou com o terceiro lugar.

Já Carle terminou em segundo lugar na chave encabeçada pela norte-americana Whitney Osuigwe, líder do ranking mundial com apenas 15 anos e campeã de Roland Garros. Após a derrota para Kostyuk na semi, ela voltou a cair diante de Osuigwe e terminou na 4ª posição do torneio. Outra sul-americana no torneio, a colombiana de 15 anos Maria Camila Osorio Serrano foi a quinta colocada em Chengdu.

Para assistir: Por conta dos horários e da coincidência de datas com o WTA Finals, uma opção para ver mais dos jogos do Junior Masters é acompanhar os VTs completos no Olympic Channel. Eles disponibilizaram jogos da sexta-feira (último dia da fase de grupos), sábado (semifinais) e domingo (finais).

Conquistas em Challengers: A semana também teve dois jovens de 18 anos vencendo seus primeiros título de nível challenger, o sérvio Miomir Kecmanovic e o francês Corentin Moutet. Com isso, a temporada passa a ter 15 challenger vencidos por jogadores com menos de 20 anos. Em 2015 e 2016, foram 13 conquistas desses jovens, contra apenas seis em 2014.

O francês Corentin Moutet e sérvio Miomir Kecmanovic, ambos de apenas 18 anos, venceram os primeiros challengers neste domingo.

O francês Corentin Moutet e sérvio Miomir Kecmanovic, ambos de apenas 18 anos, venceram os primeiros challengers neste domingo.

Kecmanovic triunfou na cidade chinesa de Suzhou ao vencer a final contra o moldavo Radu Albot, 134º do ranking, por duplo 6/4. O título faz com que o sérvio salte 85 posições no ranking da ATP e se estabeleça no 209º lugar, melhor marca de sua promissora carreira. Há pouco menos de um ano, ele encerrava a última temporada como número 1 do ranking juvenil.

Já Corentin Moutet, que encerrou sua carreira juvenil apenas em agosto, venceu o challenger de Brest, em quadras duras e cobertas em seu país. A final foi contra o também promissor grego de 19 anos Stefanos Tsitsipas e terminou com parciais de 6/2 e 7/6 (10-8) e outra comemoração pouco ortodoxa (veja no vídeo abaixo). Com o título, ele salta 64 posições e fica no 160º lugar do ranking.

https://twitter.com/ATPChallenger/status/924816035487744000

 

Juniors Masters dá a largada. Veja quem joga!
Por Mario Sérgio Cruz
outubro 24, 2017 às 11:10 pm

A terceira edição do ITF Junior Masters dá a largada na madrugada desta quarta-feira. Serão cinco dias de disputa com os dezesseis melhores juvenis da temporada nas quadras duras do Sichuan International Tennis Center, na cidade chinesa de Chengdu. Os grupos da chave masculina levam os nomes de SHUAI e YONG. Já as chaves femininas se chamam LI e LIANG.

GRUPO LI

  • Whitney Osuigwe: Líder do ranking mundial juvenil, a norte-americana de apenas 15 anos foi campeã de Roland Garros e um dos destaques de seu país na Fed Cup Júnior. Ela vem de um vice-campeonato em Osaka e também venceu o Banana Bowl em março.
  • Elena Rybakina: Quinta no ranking juvenil, a russa de 18 anos já é 420ª na WTA e tem dois títulos profissionais. Como juvenil, seus principais feitos foram o título do Trofeo Bonfiglio e as semifinais na Austrália e em Roland Garros.
  • Maria Lourdes Carle: A argentina de 17 anos foi semifinalista do US Open e venceu no fim do ano passado o prestigiado torneio americano Eddie Herr, além de ter chegado às quartas no Orange Bowl. Ela tembém foi semifinalista do Sul-Americano Individual.
  • Sofia Sewing: Atual 15ª do ranking juvenil aos 18 anos, Sewing foi finalista do Campeonato Internacional de Porto Alegre e chegou às quartas em Wimbledon.

GRUPO LIANG

  • Marta Kostyuk: Terceira do ranking, a ucraniana de 15 anos foi campeã do Australian Open em janeiro. Ela também se destacou no European Junior Championships, onde foi finalista de simples e campeã de duplas, além de ter vencido um torneio ITF G1 no Canadá na semana anterior à do US Open.
  • Maria Camila Osorio Serrano: A colombiana de 15 anos já jogou até Fed Cup por seu país e é 15ª no ranking juvenil. Ela foi vice no Sul-Americano Individual e semifinalista em Porto Alegre.
  • Kaja Juvan: Campeã do European Junior Championships e atual detentora do título do Orange Bowl, a eslovena de 16 anos foi top 5 em janeiro. Ela também foi campeã de duplas em Wimbledon e já se dedica ao circuito profissional, conquistando dois títulos na carreira.
  • Xin Yu Wang:Sexta do ranking, a chinesa de 16 anos vem embalada pelo título de Osaka na última semana. A maior parte de seus resultados foi conquistada na Ásia.

GRUPO SHUAI

  • Yibing Wu: O chinês de 18 anos é o líder do ranking mundial juvenil e disputará sua última competição na categoria, em que foi campeão de simples e duplas no US Open e semifinalista na Austrália. Como profissional, ele já tem um título de challenger em Xangai e um future.
  • Marko Miladinovic: Sérvio de 16 anos e décimo do ranking da ITF. Ele chegou a ser o sétimo colocado em junho. Venceu o Banana Bowl em março e se destacou no saibro italiano com semifinal no torneio Santa Croce e vice no Trofeo Bonfiglio de Milão, mas não foi bem nos Grand Slam.
  • Jurij Rodionov: O canhoto austríaco de 18 anos e nono do ranking venceu três títulos de simples na temporada, dois deles em seu próprio país. Seu melhor resultado em Grand Slam foi em Wimbledon, onde chegou às quartas de final.
  • Emil Ruusuvuori: Finlandês de 18 anos e 15º do ranking mundial juvenil. Ele foi semifinalista do US Open e também fez a mesma campanha na grama de Roehampton.

GRUPO YONG

  • Axel Geller: Argentino de 18 anos e que treina na IMG Academy. Vice-líder do ranking mundial juvenil, ele foi finalista de Wimbledon e do US Open, mas ainda não tem pontos no ranking profissional.
  • Sebastian Baez: Também argentino e 11º do ranking aos 16 anos, ele chegou às quartas de final no US Open e foi semifinalista da categoria principal do último Orange Bowl. Ele é treinado pela lenda do tênis argentino Jose Luis Clerc.
  • Trent Bryde: O norte-americano de 18 anos venceu o Campeonato Internacional Juvenil de Porto Alegre em março. O resultado na capital gaúcha é responsável por 250 de seus 751,25 pontos no ranking.
  • Yu-Hsiou Hsu: O taiwanês de 18 anos já foi top 5 em junho e atualmente é o 14º do ranking e foi campeão de duplas em Wimbledon e no US Open.

PROGRAMAÇÃO – Os jogos serão disputados a partir de meia-noite (de Brasília). A programação do estádio principal começa com a partida masculina entre Wu e Miladinovic, seguida pelo encontro entre Kostyuk e Wang. Não antes das 3h, Osuigwe e Carle se enfrentam. Já o duelo argentino entre Geller e Baez fecha a rodada.

Já na quadra 1, Rybakina e Sewing fazem o primeiro jogo do dia. Depois, acontece o duelo entre Ruusuvuori e Rodionov. A partir das 3h, Osorio Serrano enfrenta Osorio Serrano. O último jogo dia nesta quadra envolve Trent Bryde e Hsu.

TRANSMISSÃO – Nos outros dois anos, a ITF disponibilizava transmissão ao vivo pelo YouTube. Já em 2017, os links estão disponíveis a partir da fase final do torneio, em parceria com o Olympic Channel. Já o placar ao vivo está disponível neste link.

Definidos os jogadores no ITF Junior Masters
Por Mario Sérgio Cruz
outubro 13, 2017 às 9:56 pm

A terceira edição do ITF Junior Masters já tem suas listas de participantes definidos. Assim como nas duas últimas temporadas, o evento acontece no Sichuan International Tennis Center, na cidade chinesa de Chengdu, entre os dias 25 e 29 de outubro.

O torneio terá oito jogadores na chave masculina e mais oito na feminina. Os tenistas serão divididos em dois grupos com quatro, tal como acontece no ATP Finals e no WTA Finals. Diferente do que aconteceu nas edições anteriores, o torneio passa a valer pontos para o ranking mundial juvenil e ajuda a determinar quem será o número 1 ao final da temporada.

Líder do ranking e campeão do US Open, o chinês Yibing Wu será a principal atração (Foto: Arata Yamaoka)

Líder do ranking e campeão do US Open, o chinês Yibing Wu será a principal atração (Foto: Arata Yamaoka)

A chave masculina é encabeçada pelo chinês Yibing Wu, líder do ranking e campeão do US Open, e pelo argentino Axel Geller, que vice de Wimbledon e também em Nova York. Outro argentino na disputa é Sebastian Baez, 11º colocado. O taiwanês Yu-Hsiou Hsu, que venceu três Grand Slam nas duplas, o austríaco Jurij Rodionov e o finlandês Emil Ruusuvuori também estão no páreo. Campeões do Banana Bowl e do Campeonato Internacional Juvenil de Porto Alegre, o sérvio Marko Miladinovic e o norte-americano Trent Bryde completam a disputa.

O torneio feminino é liderado pela norte-americana campeã de Roland Garros Whitney Osuigwe e pela ucraniana vencedora do Australian Open Marta Kostyuk. Os Estados Unidos ainda contam com Sofia Sewing. Duas sul-americanas estarão presentes no torneio, a argentina semifinalista do US Open Maria Lourdes Carle e a colombiana Maria Camila Osorio Serrano. A eslovena atual campeã do Orange Bowl Kaja Juvan, a chinesa semifinalista do US Open Xin Yu Wang, a russa campeã do Trofeo Bonfiglio Elena Rybakina fecham o grupo de participantes.

Saiba Mais – Desde a semana passada, a ITF tem disponibilizado os perfis de cada um dos participantes. Diariamente, eles apresentam um menino e uma menina que estarão presentes no torneio.

Americanas ratificam domínio na Fed Cup Júnior
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 25, 2017 às 8:12 pm

O amplo domínio do tênis feminino norte-americano na temporada juvenil dos Grand Slam e, consequentemente, no ranking mundial da categoria foi ratificado no último domingo com o título da Fed Cup Júnior. As jogadoras Amanda Anisimova, Whitney Osuigwe e Caty McNally venceram o Mundial disputado no saibro de Budapeste.

Estados Unidos contaram com as campeãs de Slam Amanda Anisimova e Whitney Osuigwe, além de Caty McNally (Foto: Srdjan Stevanovic)

Estados Unidos contaram com as campeãs de Slam Amanda Anisimova e Whitney Osuigwe, além de Caty McNally (Foto: Srdjan Stevanovic)

Ainda que Davis e Fed Cup Júnior recebam atletas de até dezesseis anos, o time dos Estados Unidos teve o privilégio de contar com duas jogadoras campeãs juvenis de Grand Slam e colocadas entre as quatro melhores do juvenis do mundo (em ranking com atletas de até 18 anos). Osuigwe venceu Roland Garros, enquanto Anisimova vem de título no US Open. Na final disputada contra o Japão, McNally marcou o primeiro ponto americano ao vencer Naho Sato por 6/3 e 6/2. Na sequência, Osuigwe decretou o título ao derrotar Yuki Naito por 7/5 e 6/3.

Durante a semana, os Estados Unidos passaram por Belarus, Uruguai, Itália, Canadá e Japão. Das 14 partidas disputadas pelas americanas, foram doze vitórias e apenas duas derrotas. Em simples, elas venceram dez jogos e perderam apenas dois, com dezesseis sets vencidos e apenas quatro cedidos às adversárias. Já nas duplas, foram quatro vitórias e apenas um set perdido.

Vice-líder do ranking mundial juvenil com apenas 15 anos, Osuigwe venceu todas as oito partidas que disputou entre simples e duplas, com apenas um set perdido em dezessete realizados. McNally, 27ª colocada, venceu seis jogos de sete possíveis. Já Anisimova, número 4 como juvenil e já 194ª na WTA com apenas 16 anos, só atuou durante a fase de grupos, com uma vitória e uma derrota em simples e uma vitória na dupla.

EUA

História: Dos quatro títulos conquistados pelos Estados Unidos na Fed Cup Júnior, que é realizada desde 1985, três foram conquistados nesta década. O primeiro troféu veio em 2008 com a agora campeã do US Open Sloane Stephens tendo a companhia de Christina McHale, Kristie Ahn. O segundo título veio em 2012 com Louisa Chirico, Taylor Townsend e Gabrielle Andrews. Já a terceira conquista aconteceu há três anos, com Catherine Bellis, Sofia Kenin e Tornado Black.

Davis Júnior  

Equipe da República Tcheca venceu todas as partidas que disputou durante a semana (Foto: Srdjan Stevanovic)

Equipe da República Tcheca venceu todas as partidas que disputou durante a semana (Foto: Srdjan Stevanovic)

O título da Copa Davis Júnior ficou com a República Tcheca, que voltou a conquistar a competição depois de vinte anos. Os tchecos ainda têm um título de 1988, ainda da antiga Tchecoslováquia. O time campeão é formado por Dalibor Svrcina, 53º do ranking mundial juvenil, Jonas Forejtek, 61º, e Andrew Paulson, 93º.

O título veio após a vitória contra os Estados Unidos na final. Forejtek marcou 6/4 e 7/5 contra William Grant em 1h26 de jogo. Na sequência, Svrcina que tem apenas 15 anos, marcou duplo 6/2 em 1h12 de disputa contra Govind Nanda para consolidar uma conquista que não vinha desde 1997 com Jaroslav Levinsky e Ladislav Chramosta.

Os tchecos tiveram uma semana impecável. Terminaram em primeiro em um grupo com Japão, Peru e Canadá vencendo todas as oito partidas disputadas, com apenas dois sets perdidos. Na semifinal e final também, os confrontos contra Croácia e Estados Unidos foram vencidos também por 2 a 0. Outro destaque na competição, fica para a Argentina, terceira colocada.

TCH

Brasil termina em 11º lugar

Time brasileiro foi formado por Mateus Alves, Natan Rodrigues e João Ferreira (Foto: Srdjan Stevanovic)

Time brasileiro foi formado por Mateus Alves, Natan Rodrigues e João Ferreira (Foto: Srdjan Stevanovic)

Depois de ter começado bem na Davis Cup Júnior, o Brasil terminou a competição entre dezesseis países apenas na 11ª posição. O time brasileiro contou com o baiano Natan Rodrigues, o paulista Matheus Alves e o mineiro João Ferreira, comandados pelo capitão Roland Santos. Entretanto, apenas Alves e Ferreira entraram em quadra. Natan Rodrigues não jogou durante a semana, enquanto o paulista Matheus Pucinelli, 65º do ranking mundial da ITF, não fez parte do time.

Nas duas primeiras rodadas da fase de grupos, o Brasil havia superado Taiwan por 2 a 1 e a Bélgica por 3 a 0. Isso fez com que a equipe entrasse na última rodada na primeira posição de seu grupo e com chances de ficar entre os semifinalistas. Porém, a derrota para a Croácia por 3 a 0 derrubou o time brasileiro para o terceiro lugar no grupo e colocou o time nacional na disputa entre o 9º e o 12º lugar. Por conta da chuva no início da semana, os duelos contra Bélgica e Croácia aconteceram no mesmo dia.

davis junior

No sábado, o Brasil perdeu um duelo sul-americano para o Peru. Ferreira perdeu por 6/3 e 6/2 para Sebastian Rodriguez, enquanto Alves venceu Mateo Verau por 6/3 e 6/1. Nas duplas, os peruanos venceram por 0/6, 7/6 (10-8) e 10-6. Já no domingo, a disputa foi contra a China. Ferreira perdeu por 6/3 e 7/5 para Xiaofei Wang, ao passo que Mateus Alves derrotou Xinmu Zhou por 6/1 e 6/2. Nas duplas os chineses desistiram, dando vitória do confronto para o Brasil.

Durante a semana, o Brasil disputou dez partidas de simples, com cinco vitórias e cinco derrotas. E mais quatro partidas de duplas, também com 50% de aproveitamento. Alves venceu três jogos de simples, enquanto Ferreira venceu outros dois.

Brasil

“Encerramos nossa participação aqui na Hungria com a sensação de ter chegado tão perto de estar pelo menos entre os 4 finalistas, mas isto Infelizmente não foi possível. O que me conforta é saber que nossos garotos estão em iguais condições de seguir em uma carreira de sucesso. Esta competição reúne os melhores juvenis do mundo até 16 anos e enfrentamos nossos adversários em condições de igualdade”, afirmou o técnico Roland Santos.

Grande semana para Bia e Stefani – A semana passada foi promissora para dois nomes do tênis feminino brasileiro. Beatriz Haddad Maia teve seu melhor resultado na elite do circuito e disputou sua primeira final de WTA em Seul. Foram quatro vitórias na capital sul-corena, sobre Katarina Zavatska, Irina-Camelia Begu, Sara Sorribes Tormo e Richel Hogenkamp. A derrota só viria diante da top 10 e campeã de Roland Garros Jelena Ostapenko.

Bia venceu quatro jogos ao longo da semana em Seul

Bia venceu quatro jogos ao longo da semana em Seul (Foto: Korea Open)

Bia teve suas chances na final. Venceu o primeiro set ao contar 33 erros da letã e aprovetiou a oportunidade depois de a rival cometer uma dupla-falta quando o tiebreak estava empatado por 5-5. Mas um dos maiores problemas de enfrentar Ostapenko é que uma hora ela encontra o ritmo e para de errar. Foram só nove pontos dados de graça no segundo set e seis quebras nos últimos oito games de saque da brasileira. Ostapenko soube fazer sua condição de favorita e colocou pressão sempre que a paulista conseguia voltar para o jogo.

A grande campanha em Seul coloca Bia no inédito 58º lugar do ranking mundial. Melhor marca da carreira da jovem paulista de 21 anos. Bia é a quinta melhor brasileira na história do ranking, ficando atrás apenas de Maria Esther Bueno, Niege Dias, Teliana Pereira e Patrícia Medrado e pode se tornar a quinta top 50 na história do país. Ela agora segue para o quali de Pequim antes dos WTA de Tianjin e Luxemburgo.

Outro bom resultado para o Brasil veio com a paulista Luisa Stefani, que furou o quali e ainda avançou uma rodada no ITF de US$ 100 mil de Tampico, no México. Stefani só parou na favorita americana Louisa Chirico, então 163ª colocada e que foi top 60 no ano passado. Com vinte pontos somados, Stefani saltou mais de duzentas posições no ranking, saindo do 809º para o 605º lugar, melhor marca de sua carreira.

Raio-X dos juvenis brasileiros nos Grand Slam em 2017
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 11, 2017 às 10:49 pm

O fim do US Open também representou o término da participação brasileira nas chaves juvenis de Grand Slam. Assim como feito no ano passado, o blog levantou todos os resultados dos jovens atletas nacionais nos quatro principais torneios da temporada e comparou com o desempenho mostrado em anos anteriores. Para os resultados do ano passado, clique aqui.

Foram apenas cinco vitórias brasileiras em chaves principais de simples, ainda assim três a mais que as do ano passado, mas os resultados positivos foram obtidos por só dois nomes: Thiago Wild venceu três jogos em Roland Garros e foi às quartas, enquanto Thaísa Pedretti avançou uma rodada em Paris e outra em Wimbledon.

Wild e Pedretti também estiveram em quadra nas únicas vitórias brasileiras em duplas, três para cada um. Ao todo, então, o Brasil acumulou apenas onze vitórias entre simples e duplas, nas chaves masculinas e femininas dos Grand Slam juvenis.

Quanto ao número de jogadores, houve mínimo aumento em relação ao ano passado nas chaves principais: Wild e Pedretti tiveram a companhia de João Lucas Reis, Gabriel Décamps e Matheus Pucinelli. No ano passado, foram quatro nomes, todos do masculino.

geral correto

Entre os quatro meninos que jogaram chaves principais de Grand Slam, apenas Décamps está no último ano de juvenil. O paulista que completou 18 anos em agosto segue para o circuito universitário americano e frequentará a University of Southern California (USC).

O Brasil tem hoje quatro juvenis entre os cem do mundo no masculino, sendo que Décamps não continuará no circuito na próxima temporada. Thiago Wild (17º do ranking) e Igor Gimenez (73º) vão para o último ano de juvenil. Já Matheus Pucinelli, que é nascido em 2001, tem mais duas temporadas.

Os três nomes conseguir vagas nos Grand Slam do ano que vem. Mateus Alves, João Lucas Reis e Gilbert Klier estão próximos do top 100 e precisam de bons resultados, em especial na Gira Sul-Americana do início do ano, para conseguir disputar os maiores torneios da temporada. Dos oito brasileiros entre os 250 do mundo e treze entre os 500, três estão no último ano como juvenil.

RANKING

Depois de um ano sem participação feminina, o Brasil voltou a ser representado este ano. Entretanto, apenas Thaísa Pedretti que está no último ano de juvenil pôde disputar os Grand Slam. A jogadora que completou 18 anos em maio treina no Instituto Tênis, em São Paulo, e deverá seguir para as competições profissionais no próximo ano.

Entretanto, é provável que o cenário de 2016 se repita na próxima temporada. Afinal, as três primeiras brasileiras no ranking completaram 18 anos em 2017. Além disso, somente oito brasileiras estão entre as 500 melhores da categoria. A mineira Marina Figueiredo, de 17 anos e que está atualmente no 189º lugar, é hoje a primeira colocada entre as atletas nacionais que seguirão no juvenil.ranking-feminino

ÚLTIMOS ANOS

AO

AUSTRALIAN OPEN – Assim como aconteceu na temporada passada, nenhum jogador brasileiro disputou o Grand Slam australiano. Além do fato de ser uma viagem cara e difícil de ser encaixada com uma série maior de torneios, houve este ano uma mudança com relação aos torneios da Gira Sul-Americana no saibro. Com a antecipação dos eventos, que antes aconteciam entre fevereiro e março, para os dois primeiros meses do ano, nenhum juvenil sul-americano foi para a Austrália este ano. O Brasil tem um título em 2010 com o alagoano Tiago Fernandes, que encerrou a carreira em 2014, aos 21 anos.

RG

ROLAND GARROS – Assim como em 2016, seis juvenis brasileiros estiveram em Paris. Mas se no ano passado houve quatro jogadores nas chaves principais, desta vez apenas Thiago Wild e Thaísa Pedretti conseguiram entrar diretamente.

Pelo terceiro ano seguido, o Rendez-Vous à Roland Garros levou jogadores nacionais à seletiva de Paris, mas diferente do que havia acontecido em 2015 com Gabriel Décamps e 2016 com Rafael Wagner, o mineiro João Ferreira e a paranaense Nathalia Gasparin não conseguiram passar pela fase final contra campeões da China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia e Japão.

O paranaense Thiago Wild venceu três jogos e só caiu nas quartas de final contra o cabeça 1 sérvio Miomir Kecmanovic. A campanha de Wild foi a melhor do Brasil desde 2014, quando Orlando Luz foi semifinalista de simples, enquanto Marcelo Zormann chegou às quartas. Nas duplas, Thaísa Pedretti venceu dois jogos, ao lado da colombiana Maria Camila Osório Serrano e também fez quartas. Há três anos, Luisa Stefani foi semifinalista de duplas em Paris.

WIM
WIMBLEDON – Assim como aconteceu na temporada passada, o Brasil só teve uma vitória em simples no Grand Slam britânico. Em 2016, coube a Felipe Meligeni Alves avançar uma rodada, enquanto este ano Thaísa Pedretti venceu um jogo. No qualificatório, o pernambucano João Lucas Reis venceu dois jogos e entrou na chave.

O melhor resultado recente em simples foi de Beatriz Haddad Maia, hoje 70ª do ranking da WTA aos 21 anos. Em 2013, Bia esteve nas oitavas e só caiu para a croata Ana Konjuh, que chegou ao top 20 em julho e está no 40º lugar. Nas duplas, o Brasil comemorou o título em 2014 com a parceria de Orlando Luz e Marcelo Zormann.

USO

US OPEN – O Grand Slam americano foi o que contou com a maior participação brasileiras. Foram quatro nomes em chaves principais (três meninos e uma menina) e mais quatro no qualificatório (de novo, com três para uma).

Lembrando que uma das vagas na chave veio por Special Exempt, após Matheus Pucinelli, que disputaria o quali em Nova York, conseguir uma boa campanha no ITF G1 de Quebec na semana anterior ao ser finalista do forte torneio canadense.

O Brasil não teve bons resultados em simples, com eliminações na estreia de todos os representantes. No qualificatório, somente Igor o paulista Gimenez chegou a avançar uma rodada. O resultado mais expressivo veio nas duplas, com a semifinal de Thiago Wild ao lado do argentino Sebastian Baez.

Wild tentava colocar o Brasil na terceira final de US Open nos últimos quatro anos. Na última temporada, Felipe Meligeni Alves conquistou o título junto do boliviano Aguilar. Foi a primeira vez que um jogador brasileiro ganhou um título juvenil no Slam americano. Em 2014, João Menezes e Rafael Matos foram vice-campeões.

Keys se prepara para ser a próxima estrela
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 9, 2017 às 7:56 pm

Cada vez mais preparada para assumir o papel de próxima estrela do tênis feminino, Madison Keys disputa seu jogo mais importante neste sábado. Não haveria palco melhor para sua primeira final de Grand Slam que o Arthur Ashe Stadium, maior estádio do mundo e quadra principal do US Open. Ela decide o título em Nova York em uma final exclusivamente americana contra Sloane Stephens, uma de suas melhores amigas no circuito.

Keys fez cinco de seus seis jogos no caminho para a final em horário nobre

Keys fez cinco de seus seis jogos no caminho para a final em horário nobre

Em um ano atípico para o US Open por conta da ausência de Serena Williams, além de o fato de chave masculina não contar com três campeões recentes (Stan Wawrinka, Novak Djokovic e Andy Murray), a organização do torneio teve que se desdobrar para encaixar nomes atrativos nas principais sessões para o público e televisão. Na maioria das vezes, Keys acabou sendo a escolhida como o carro-chefe na chave feminina, mesmo com várias americanas se destacando e colocando quatro nomes nas semifinais.

De seus seis jogos disputados até a semifinal, cinco foram na sessão noturna do Arthur Ashe Stadium: A estreia diante da belga Elise Mertens, a terceira fase contra Elena Vesnina, as oitavas diante de Elina Svitolina, as quartas contra Kaia Kanepi, além da semifinal americana contra CoCo Vandeweghe. Somente a segunda rodada conta Tatjana Maria foi no Louis Armstrong Stadium.

Keys jogou no horário nobre até mesmo no dia em que a também americana Vandeweghe desafiava a número 1 do mundo Karolina Pliskova pelas quartas de final. Também teve a preferência no segundo dia do torneio em relação à atual campeã Angelique Kerber, que acabaria perdendo na estreia. Quem esteve presente no estádio relata que, durante a entrada das jogadoras em quadra, seu nome era anunciado como “The future of American Tennis”.

Ao longo de duas semanas, a esperança americana atuou diante dos holofotes e só não era favorita quando desafiou Svitolina. Ela sempre contou com o apoio do público mesmo quando seu jogo contra Elena Vesnina terminou à 1h45 da manhã (horário local), ficando a apenas três minutos do jogo feminino que terminou mais tarde pelo US Open.

“O público é incrível, porque não importa o que aconteça, elas ainda estão torcendo por você. Não importava qual era o placar, eles definitivamente estavam comigo e me ajudaram você a aumentar meu nível”, disse em entrevista coletiva depois de ter vencido Svitolina de virada, em outro que também acabou muito tarde.

“É um pouco insano. Ir dormir às 4 da manhã todas as noites e acordar às 11, não é totalmente natural e normal. Mas agora eu tenho um pouco de medo de jogar no sol, porque eu não fiz isso em duas semanas. Mas estou bem em jogar de noite”, explicou a americana de 22 anos, que é a mais jovem jogadora de seu país numa final desde 2003, quando Serena Williams decidiu Wimbledon aos 21.

Primeira vitória de Keys em um Grand Slam foi em 2011, quando tinha apenas 16 anos

Primeira vitória de Keys em um Grand Slam foi em 2011, quando tinha apenas 16 anos

Keys tem uma carreira precoce, tanto que parou de jogar torneios juvenis com 16 anos recém-completados em 2011. Naquela temporada, ela já havia vencido um jogo na chave principal do US Open, depois de ter recebido um convite. Filha de um casal de avogados, Rick and Christine, ela teve condições de sair muito cedo de Rock Island, no estado de Illinois para ir treinar na Flórida

“Meus pais me mudaram das Quad Cities quando eu tinha 10 anos porque eu tinha manifestado interesse em me tornar um jogadora profissional de tênis. Eles sabiam que não conseguiria fazer isso lá. Felizmente, isso funcionou. Sempre foi um sonho meu. Eu nunca quis jogar tênis universitário ou algo assim. Mudei-me para a Flórida e fiz tudo o que pude para chegar a esse nível”, comentou após a estreia no US Open.

Mas como tem duas irmãs mais novas, chamadas Sydney, Montana e Hunter, Keys sempre teve que ser modelo para todas elas e amadureceu muito cedo. Assumindo o papel protetor de irmã mais velha e decidiu expandir suas ações. Ela é uma das jogadoras mais combativas quanto às denúncias de racismo e assédio virtual dentro do circuito e, desde o ano passado, é embaixadora da organização Fearlessly Girl, que visa desenvolver lideranças jovens entre as meninas em suas escolas e comunidades, realizando palestras e rodas de debates em colégios americanos. “Vou às escolas e converso com as adolescentes sobre o mundo delas e os problemas que elas enfrentam”, disse em entrevista ao Tennis Channel.

Como falei num post de abril, o engajamento de Keys junto às adolescentes e seus comentários pertinentes sobre temas como bullying, assédio virtual e racismo podem fazer dela uma atleta extremamente representativa para para uma comunidade, tal como as irmãs Williams foram e são até hoje para as mulheres negras americanas, e ser a próxima atleta a transcender o esporte. Um eventual título do US Open potencializa tudo isso.

Dentro de quadra, Keys trabalhou com diversos técnicos sem nunca ter mudado o jeito de jogar. Assim, um processo que para a maioria das pessoas é caótico, não afetou sua evolução no circuito. Formada pela academia de Chris Evert, na Flórida, Keys trabalhou anteriormente com dois técnicos da USTA Juan Todero e Jay Gooding.

A americana passou a temporada de 2015 ao lado da ex-número 1 do mundo Lindsay Davenport, com quem saltou do 31º para o 18º lugar, e chegou ao top 10 no ano passado sob comando do renomado sueco Thomas Hogstedt, depois de também ter tido breves colaborações do recém-aposentado Jesse Levine e do sueco Mats Wilander. Na atual temporada, ela voltou a treinar com Davenport e explica que a relação de proximidade é muito diferente das demais.

“A melhor coisa com Lindsay é que ela sempre me ajudou nos grandes momentos apenas, porque ela esteve nessas situações e as entende. Então ter sua perspectiva no que ela fez para lidar com essas situações foi realmente benéfico para mim”, falou após a vitória sobre Tatjana Maria pela segunda rodada.

“Acho que estamos extremamente próximas e é provavelmente o mais próximo que já estive com um treinador. Eu realmente amo o simples fato de estar ao seu redor”, acrescentou também após seu segundo jogo no torneio.  “Dentro de quadra, ela sempre me disse para fazer meu jogo e tomar a iniciativa dos pontos, porque é assim que eu vou ganhar. Essa foi a sua maior mensagem, especialmente com os saques. Tenho que ser uma grande sacadora, acreditar nos meus saques e jogar confiante. Acho que ter essa mentalidade em quadra me ajuda em todos os aspectos”.

Caso conquiste o US Open, Keys voltará ao top 10 e coroa a grande recuperação que teve na temporada. Depois de ter terminado o ano passado na oitava posição, a americana precisou operar o punho esquerdo e não jogou o Australian Open e chegou a fazer uma segunda cirurgia depois de Roland Garros para jogar sem dor. Em seus últimos treze jogos, foram doze vitórias, incluindo o título de Stanford e sua única derrota foi para Garbiñe Muguruza no tiebreak do terceiro set em Cincinnati.

Vai ser interessante ver o ambiente da primeira final entre duas americanas desde o duelo entre as irmãs Venus e Serena Williams em 2002. Novamente, será uma final entre duas mulheres negras, o que é extremamente representativo diante de tantas portas abertas pelas Williams nos últimos vinte anos. Que seja um grande jogo.

Stephens e o Brasil – Demos ontem no TenisBrasil uma matéria sobre a curiosa relação de Sloane Stephens com o Brasil. Afinal, seus primeiros pontos no ranking foram conquistados nas cidades paulistas de Itu e Serra Negra. Vale a pena ler e conferir também sua história de superação ao longo da temporada.

A festa dos coadjuvantes
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 4, 2017 às 5:06 am

Há uma semana, falávamos sobre a busca de Alexander Zverev pelo papel de protagonista neste US Open, especialmente após os grandes resultados nos torneios preparatórios e diante de uma chave que oferecia a possibilidade de obter seu primeiro resultado expressivo em Grand Slam. Como todos vimos, Zverev não cumpriu as expectativas e se se despediu precocemente ainda na segunda rodada. Mas se o alemão não conseguiu seu papel principal, outros jovens coadjuvantes roubaram a cena e brilharam durante a primeira semana do Grand Slam americano.

O primeiro jovem a se destacar foi Borna Coric, que foi o próprio algoz de Zverev na segunda fase. O duelo da nova geração na quadra Grandstand foi um dos melhores da chave masculina até aqui e teve uma atuação de gala do croata, que rivaliza com o alemão desde os tempos de juvenil e já venceu os dois encontros entre eles na elite do circuito.

https://twitter.com/borna_coric/status/903224202605494272

Tal como Zverev, ainda falta a Coric um grande resultado em Slam, já que ele jamais passou da terceira rodada, mas é inegável que o ex-número 33 e atual 61º do ranking já poderia ter ido muito mais longe se não fosse a lesão e cirurgia no joelho direito, realizada em setembro do ano passado. Suas seis vitórias contra top 10, sendo três delas este ano e o título do ATP de Casablanca, dão indício de que o croata de 20 anos pode e merece alçar voos mais altos.

Kasatkina venceu o duelo da nova geração contra Ostapenko

Kasatkina venceu o duelo da nova geração contra Ostapenko

Em um cenário muito parecido, Daria Kasatkina eliminou Jelena Ostapenko pela terceira rodada da chave feminina e já está nas oitavas de final. Este é o melhor resultado em Grand Slam para a russa de 20 anos e 36ª do ranking, que já chegou a ocupar o 24º lugar. Adversária da veterana Kaia Kanepi nas oitavas, Kasatkina é uma das poucas atletas restantes na chave feminina, que aposta muito mais no jogo sólido do fundo de quadra em vez de bolas mais pesadas e agressivas.

A vitória sobre Ostapenko, atual campeã de Roland Garros, reedita o resultado do último duelo anterior entre elas. As duas jogadoras nascidas em 1997 já haviam se enfrentado na final de Charleston, em abril, quando Kasatkina conquistou seu primeiro título da carreira. Na época, a russa dava sinais de evoluiria mais rápido diante de uma letã que arriscava tudo. Mas a ajuda da veterana Anabel Medina Garrigues, Ostapenko aprendeu a trabalhar melhor os pontos e se desenvolveu no piso em que tinha mais dificuldade para conquistar o Grand Slam parisiense.

 

Denis Shapovalov foi outro que brilhou durante o Grand Slam americano, com direito a mais uma expressiva vitória em sua carreira, ao eliminar o experiente francês Jo-Wilfried Tsonga numa sessão noturna do Arthur Ashe Stadium. A queda precoce de Zverev, aliás, foi um dos fatores que levou a organização do torneio marcar três jogos seguidos do carismático canadense no estádio principal.

A experiência de disputar as partidas contra Kyle Edmund e Pablo Carreño Busta foi engrandecedora para o canhoto de 18 anos que, se ainda não pode ser consider favorito em nenhum desses jogos, pôde entrar numa quadra grande com uma perspectiva diferente daquela de franco-atirador contra um grande nome. Nesses dois jogos e até mesmo diante do cabeça 8 francês, Shapovalov era a atração principal e a razão para que aquelas partidas fossem disputadas no Ashe (basta a diferença na reação do público no vídeo acima). Isso algo que ele precisa se acostumar nesse processo para se tornar uma nova estrela.

Osaka voltou ao Ashe um ano depois de frustrante derrota para Keys

Osaka voltou ao Ashe um ano depois de frustrante derrota para Keys

Outra coadjuvante a aprontar no Ashe foi a japonesa de 19 anos Naomi Osaka, que despachou a atual campeã Angelique Kerber. A vitória por 6/3 e 6/1 diante da canhota alemã foi a primeira de Osaka contra uma top 10 e marcou sua volta à maior quadra de tênis do mundo, um ano depois de ter sofrido uma incrível virada contra Madison Keys pela terceira rodada do Slam americano. Havia possibilidade de um duelo de jovens contra Kasatkina, mas a japonesa caiu para Kanepi no último sábado.
Já o russo Andrey Rublev segue vivo na chave e tenta se tornar o mais jovem jogador nas quartas do US Open desde Andy Roddick em 2001. Para isso, precisa vencer David Goffin nesta segunda-feira. O tenista de 19 anos só tinha duas vitórias em chaves principais de Slam antes de chegar a Nova York, onde já obteve três triunfos. Ele também nunca havia derrotado um top 10 em três tentativas e foi superar logo o nono colocado e cabeça 7 búlgaro Grigor Dimitrov, vindo de título do Masters 1000 de Cincinnati.

O crescimento de Rublev no ranking é expressivo. Pouco mais de três meses depois de entrar pela primeira vez no top 100, o russo começa a se estabelecer entre os cinquenta melhores. O atual 53º colocado, que deve subir para o 43º lugar, chegou a ocupar a 49ª posição por uma semana, logo após conquistar seu primeiro título do ATP, no saibro croata de Umag em julho.

Começou o juvenil

Marta Kostyuk e Marko Miladinovic venceram forte torneio canadense na última semana

Marta Kostyuk e Marko Miladinovic venceram forte torneio canadense na última semana

As chaves juvenis do US Open deram a largada no último domingo, infelizmente com as eliminações precoces de Thaísa Pedretti e Gabriel Décamps. O tênis brasileiro ainda contra com o paranaense Thiago Wild e com o paulista Matheus Pucinelli, que entrou por Special Exempt, após chegar à final do ITF G1 de Quebec na última semana.

A chave masculina é encabeçada pelo argentino Axel Geller, destaque nos torneios na grama, e pelo chinês Yibind Wu. Já o feminino tem como principais nomes a americana Whitney Osuigwe e a ucraniana Marta Kostyuk, respectivas campeãs de Roland Garros e do Australian Open.

Aconteceram dois bons torneios preparatórios nas últimas semanas: Em Maryland, o colombiano Nicolas Mejia e a australiana Jaime Fourlis (que já jogou chave principal de Roland Garros) triunfaram de simples e duplas. Já no Canadá, os títulos ficaram com a já citada Kostyuk no feminino e com o sérvio Marko Miladinovic entre os meninos, ao vencer Pucinelli na decisão.

Zverev busca o papel principal
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 28, 2017 às 2:13 pm

Condicionado desde muito jovem para se tornar a próxima estrela do tênis mundial, Alexander Zverev passará por seu maior teste no US Open. Pela primeira vez, o alemão de 20 anos terá a oportunidade assumir o papel de protagonista na busca por um título um Grand Slam. Os títulos recentes em Washington e no Canadá e a ausência de muitos grandes nomes do circuito farão com que cada passo de Zverev, desde a primeira rodada, fique diante dos olhos dos grande público.

O número 6 mundo disputará cada vez mais partidas em quadras centrais, e na maioria das vezes sendo ‘a atração do jogo’. Será assim nesta segunda-feira, quando estreia na sessão noturna do Arthur Ashe Stadium contra o barbadiano vindo do quali Darian King. Estar em um grande palco está longe de ser novidade para Zverev, tampouco a ideia de jogar como favorito. Mas os jogos em que o alemão era o único chamariz costumavam acontecer nas quadras secundárias e a maior parte de suas experiências nos estádios principais foram no papel de franco-atirador, como um jovem promissor que poderia complicar a vida dos grandes nomes. Desta vez, Alexander Zverev é o grande nome, o jogador a ser batido.

Alexander+Zverev+Rogers+Cup+Presented+National+9owKrn2M1sBl

Em seu melhor momento na carreira, Zverev visualiza uma chance real de fazer seu primeiro resultado expressivo em um Grand Slam. O alemão, que fará sua décima aparição em um dos quatro maiores eventos do calendário, tem como melhor marca as oitavas de final de Wimbledon desta temporada. Será sua terceira participação no US Open, torneio do qual nunca passou da segunda rodada.

Com as desistências de Andy Murray, Novak Djokovic e Stan Wawrinka, além do fato de Roger Federer e Rafael Nadal terem sido sorteados do mesmo lado da chave, Zverev só pode enfrentar um jogador melhor colocado que ele no ranking em uma eventual final. Além disso, o atual sexto colocado só cruzaria com outro top 10 em uma possível semifinal. Com Marin Cilic inativo desde Wimbledon e Jo-Wilfried Tsonga sem grandes resultados em torneios importantes (embora tenha vencido um ATP 500 e mais dois 250), não seria nenhum absurdo vê-lo na decisão sem ter passado por nenhum top 10 durante o caminho.

Amplamente favorito na estreia, Zverev pode ter um duelo de jovens contra Borna Coric ou encarar o canhoto tcheco Jiri Vesely na rodada seguinte. Nas próximas fases, são cotados três jogos contra grandes sacadores: Kevin Anderson na terceira rodada, Gilles Muller nas oitavas, e John Isner ou Sam Querrey nas quartas. Com a incógnita sobre a real condição de Cilic, o aberto quadrante que definirá um dos semifinalistas pode ser vencido pelo veterano David Ferrer ou pelo ascendente francês Lucas Pouille, que foi às quartas no ano passado.

Títulos recentes e ausência de outros favoritos fazem com que Zverev tenha muito mais holofotes do que está habituado

Títulos recentes e ausência de outros favoritos fazem com que Zverev tenha muito mais holofotes que de costume

 

Fora do ambiente de jogo, as salas de entrevistas coletivas vão estar mais cheias, contando com jornalistas que não estão no dia a dia do circuito. E o número de compromissos extra-quadra virá nas megalomaníacas proporções do Slam americano. Saber lidar com esse tipo de situação será primordial e ter o ex-número 1 Juan Carlos Ferrero na equipe vale ouro nesse momento. Por ora, o espanhol tem ficado muito animado com a rotina de treinos do jovem alemão durante os três torneios em que viajaram juntos.

Mas nessa vida fora de quadra, Zverev cometeu um deslize no último sábado. Durante a entrevista coletiva prévia ao torneio, o alemão se irritou com uma pergunta, considerada por ele como repetitiva, sobre um assunto que sequer poderia causar alguma polêmica. (Confira a íntegra da entrevista)

2017-08-27 (1)

Repórter – Ter um irmão no circuito o ajuda? O quanto isso o afetou em sua carreira?
Zverev – Você já assistiu alguma entrevista minha? Estou fazendo uma pergunta. Você já viu? Quantas vezes eu respondi a essa pergunta nos últimos três meses?
Repórter – Muitas?
Zverev – Sim. Mas vou falar de novo (…) [e prosseguiu com a resposta]

Entendo o incômodo de Zverev em ter que responder à mesma pergunta tantas vezes. Entendo também que, o jornalista não iria ‘gastar’ a oportunidade da pergunta caso tivesse (ou tido tempo de ter) feito uma uma pesquisa um pouco mais qualificada para não colocar em discussão um tema que já foi debatido anteriormente.

Mas Zverev precisa entender que o ambiente de um Grand Slam é diferente, ainda mais na posição que ele ocupa agora. Não estarão lá apenas os repórteres habituados a cobrir semanalmente o circuito. Ali estarão profissionais do mundo inteiro, alguns que dominam o assunto, mas não têm a oportunidade de viajar para todos os eventos. Outros, com pautas e interesses jornalísticos diversos ao habitual, dispostos a apresentar a nova estrela ao seu público. Sem falar nos que estão ali apenas para cumprir ordens e nos que parecem ter ‘caído de paraquedas’ numa entrevista coletiva de um Grand Slam.

É preciso ter paciência. O jogador de destaque tem que saber que lidar com esse tipo de situação e a própria ATP oferece treinamento sobre como lidar com a imprensa aos mais jovens. Quantas vezes, Federer, Nadal, Djokovic ou Murray tiveram que responder às mesmas perguntas? Ou ainda quantas vezes foram perguntados sobre temas alheios à rotina do torneio? Falar à imprensa e dar seu ponto de vista sobre diferentes assuntos faz parte do trabalho de um jogador de elite é preciso saber sair dessas perguntas com elegância para não seja criado um desgaste desnecessário logo no primeiro dia do torneio.

Quadrante promissor

DIGaGkYXgAA5Fhe

Localizados no segundo quadrante da parte de baixo da chave, encabeçado por Tsonga e Cilic, dois jovens vindos de bons resultados podem protagonizar surpresas na primeira semana antes de um eventual duelo. O canadense Denis Shapovalov e o britânico Kyle Edmund podem se encontrar logo na terceira rodada caso aprontem diante dos cabeças mais próximos.

Por ter subido no ranking após o fechamento da lista de inscritos e sem receber um convite dos organizadores, Shapovalov precisou vencer três jogos no quali para disputar seu segundo Slam na carreira (foi convidado em Wimbledon por ser atual campeão do juvenil). O canhoto de 18 anos e 69º mundo estreia em duelo de jovens contra o russo Daniil Medvedev. Logo depois, o canadense pode cruzar o caminho de Jo-Wilfried Tsonga, cabeça 8 do US Open e eliminado nas estreias de Montréal e Cincinnati.

Edmund fez boas campanhas em Atlanta e Winston Salem

Edmund fez boas campanhas em Atlanta e Winston Salem e foi às oitavas no último US Open.

Já Edmund foi semifinalista dos ATP 250 de Atlanta e Winston Salem durante a preparação para o US Open. O britânico de 22 anos subiu nesta segunda-feira para o 42º lugar, ficando a duas posições de sua melhor marca da carreira. Sua estreia será o cabeça 32 holandês Robin Haase (semifinalista em Montréal, mas superado na estreia em Cincy) e logo depois pode rever o americano Steve Johnson, a quem derrotou há menos de uma semana.

É bom lembrar que Edmund já mostrou do que é capaz no US Open. Há um ano, quando era apenas 84º do mundo, surpreendeu nomes do porte de Richard Gasquet e John Isner, além de também vencido o anfitrião Ernesto Escobedo antes de cair para Novak Djokovic nas oitavas e encerrar sua melhor participação em Grand Slam.