Começam a valer as mudanças no ranking juvenil
Por Mario Sérgio Cruz
abril 4, 2018 às 6:10 pm

Começa a valer a partir desta semana a reestruturação no sistema de pontos para o ranking mundial juvenil da ITF. Anunciada em novembro do ano passado, a iniciativa da Federação Internacional é valorizar os torneios mais fortes do calendário. Para evitar distorções, a ITF postergou a mudança no ranking para o quarto mês da temporada. Dessa forma, o modelo anterior do ranking ainda serviu como base para as inscrições nos torneios dos primeiros três meses do ano.

Os Grand Slam e Jogos Olímpicos da Juventude passam a dar 1.000 pontos para o campeão e 600 para o vice, enquanto o vencedor do ITF Junior Masters receberá 750 pontos com 450 para o outro finalista. Os torneios de nível GA passam a dar 500 pontos para o campeão e não mais 250 como acontecia anteriormente. Já as competições continentais de nível GB1, GB2 e GB3 terão pontuação equivalente aos torneios G1, G2 e G3.

ranking_juvenil_2018_800_int

Mudanças significativas – A primeira das mudanças expressivas na classificação é a mudança do número 1 no ranking masculino. Campeão do Australian Open, o norte-americano Sebastian Korda aproveitou o bônus na pontuação por seu título de Grand Slam e ultrapassou o argentino Sebastian Baez.

O norte-americano Sebastian Korda volta à liderança do ranking mundial juvenil (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

O norte-americano Sebastian Korda volta à liderança do ranking mundial juvenil (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Outro que saltou na tabela foi o espanhol Nicola Khun, agora 24º colocado depois de ganhar 60 posições. Kuhn completou 18 anos em março e já privilegia o circuito profissional, mas esse ganho expressivo de posições para o atual vice-campeão juvenil de Roland Garros exemplifica o que uma boa campanha um torneio grande pode significar.

No feminino, a principal mudança de pontuação também acabou beneficiando uma jogadora que já é profissional. A norte-americana de 16 anos Amanda Anisimova, 128ª no ranking da WTA. Ela subiu 23 posições na lista juvenil e aparece no 12º lugar, mesmo contabilizando só o título do US Open e as quartas de Roland Garros.

Brasileiros: Entre os sete brasileiros no top 100, apenas o paranaense Thiago Wild ganhou posições. Ele foi beneficiado pelo título do Torneo Città Di Santa Croce, ITF G1 disputado no saibro italiano no ano passado, e pelas quartas de Roland Garros. Com isso, ele sobe 15 poisções e aparece no 31º lugar.

ranking juvenil abril brasil

O brasiliense Gilbert Klier Júnior, campeão Sul-Americano, perdeu só uma posição e está no 38º lugar. Logo atrás, está o pernambucano João Lucas Reis, utrapassado por sete concorrentes. Outro que perdeu sete posições é o paulista Mateus Alves, agora 43º do ranking. O paulista Matheus Pucinelli é o 52º do mundo e perdeu só um lugar. As maiores quedas aconteceram com o paulista Igor Gimenez, que perdeu 15 postos e está no 65º lugar, e do mineiro João Ferreira, ultrapassado por 24 jogadores e agora 73º colocado.

A disciplinada Osaka e a artista Kasatkina
Por Mario Sérgio Cruz
março 18, 2018 às 12:52 am
A final feminina em Indian Wells, marcada para às 15h (de Brasília) deste domingo, coloca em lados opostos duas integrantes da nova geração do circuito e adeptas de estilo de jogo bastante distintos. Enquanto Naomi Osaka devolve muito bem saque e bate forte na bola dos dois lados, Daria Kasatkina consegue variar alturas, direções e velocidades. Em comum entre elas, além dos 20 anos de idade, está o caminho cheio de adversárias expressivas que elas precisaram superar. Juntas, Osaka e Kasatkina eliminaram cinco campeãs de Grand Slam e seis jogadoras que já estiveram ou que ocupam atualmente a primeira posição do ranking mundial.

Designada como cabeça de chave número 20, Kasatkina entrou diretamente na segunda rodada, fase em que superou a tcheca Katerina Siniakova. Depois disso, a jovem russa que ocupa o 19º lugar do ranking só passou por campeãs de Grand Slam: Ela eliminou Sloane Stephens na terceira rodada, passou por Caroline Wozniacki nas oitavas, cedeu apenas dois games a Angelique Kerber nas quartas e virou o jogo contra Venus Williams na semifinal.

Osaka, que é 44ª do mundo, estava no setor mais duro da chave. Logo na primeira rodada, teve que desafiar Maria Sharapova e venceu em dois sets. Dois dias depois, passou pela ex-número 2 do mundo Agnieszka Radwanska com apenas cinco games perdidos. A chave poderia colocá-la diante da terceira colocada Garbiñe Muguruza já na fase seguinte, mas a queda da espanhola para Sachia Vickery abriu o caminho para a japonesa, que passou pela americana vinda do quali e também pela grega Maria Sakkari. Nas quartas, duelo com a quinta do ranking Karolina Pliskova e rápida vitória por 6/3 e 6/2. Já na penúltima rodada, uma atuação ainda mais convincente e assustadores 6/3 e 6/0 contra a número 1 do mundo Simona Halep.

2018-03-17

Os estilos – Kasatkina é umas das jogadoras mais dotadas de recursos técnicos na elite do circuito. A russa faz jogar tênis parecer fácil e deve ter nascido para fazer o que bem entende com a bolinha. Com naturalidade, ela consegue fazer uma transição da defesa para o ataque, tirar um drop shot da cartola, entrar na cabeça da adversária com slices de backhand ou até mesmo bater o revés saltando ao estilo de Marat Safin e Gael Monfils. Se precisar, ela faz tudo no mesmo ponto.

Osaka é mais pragmática. A japonesa, que se destaca no circuito desde uma vitória sobre Samantha Stosur há quase quatro anos em Stanford, aposta em um jogo mais agressivo e já declarou que procura não olhar muito para quem está do outro lado da rede para não comprometer seu foco no que precisa fazer. Contra Simona Halep, a asiática conseguiu se impor e deixar a número 1 do mundo sem respirar.

Diante de Pliskova, dona de um dos melhores saques do circuito, Osaka não quis esperar as bombas da tcheca muito longe da linha de base. Pelo contrário, a japonesa agredia até mesmo o primeiro serviço da ex-número 1 do mundo. Além disso, a própria Pliskova admite sua dificuldade contra adversárias que tentam mudar muito a direção da bola fazendo com que a tcheca tenha que correr e bater desequilibrada. E foi exatamente isso o que Osaka executou. A aplicação tática da japonesa treinada por Sascha Bajin foi invejável nos dois últimos jogos.

 

 

 

 

O que disseram – Depois de vencer uma batalha de 2h48 contra Venus Williams na última sexta-feira, Kasatkina disse que para vencer um jogo tão importante seria preciso aproveitar as poucas chances que aparecessem. “Eu sabia que se eu tivesse uma chance, teria que aproveitar imediatamente”, explicou Kasatkina após a vitória por 4/6, 6/4 e 7/5. “Porque nesse nível, você pode ter poucas oportunidades por set ou por jogo. E se você não as usar, pode perder a partida depois. Então, a coisa mais importante foi perceber quando eu tinha chances e aproveitá-las”.

Apesar disso, a jovem russa também tentou aproveitar a experiência de enfrentar uma jogadora do calibre de Venus Williams em um torneio tão grande. “Às vezes eu estava sorrindo na quadra”, elaborou a russa. “Em um momento, você simplesmente começa a pensar que está na sessão noturna, com o estádio cheio, jogando contra uma lenda. Então eu começava a pensar: ‘Talvez seja o momento da minha vida’ e então eu consegui curtir esse momento”.

Quando eliminou Kerber nas quartas, destaque de novo para o equilíbrio emocional e para a capacidade de repetir durante o jogo os mesmos movimentos das quadras de treinos. “Não foi uma partida fácil, mas eu estava fazendo as coisas certas para ganhar. Tudo o que mostrei hoje, eu estava fazendo nos treinos, então eu estava jogando muito calma”, explicou após a vitória por 6/0 e 6/2 diante da ex-número 1 do mundo.

“Entendo que era uma partida realmente importante, de quartas de final, em um torneio grande e na quadra central”, comentou. “Mas eu estava tentando evitar pensar nessas coisas e simplesmente entrar na quadra sem dúvidas e sem qualquer pensamento que pudessem colocar pressão sobre mim mesma. Na verdade, minha cabeça estava bastante vazia. Essa foi a melhor coisa”.

DYd1dE0VAAAA3Lf

Tentar evitar a pressão é algo que Osaka também quis fazer. “Ganhar o torneio seria bom, mas não estou tentando me pressionar. Todas as jogadoras que enfrentei aqui sofriam com pressão sobre elas porque eram cabeças de chave, então estou tentando não fazer isso comigo mesma”, falou depois de superar Simona Halep na madrugada deste sábado.

Em seus dois últimos jogos, Osaka derrotou jogadoras para quem havia perdido anteriormente e sabe o que fez de diferente para mudar o resultado. Contra Pliskova, que a derrotou no ano passado em Toronto, era preciso ser mais agressiva. “Eu já havia enfrentado ela antes e por isso sabia o que esperar. Antes, cometi muitos erros não forçados sem ir realmente para as bolas. Desta vez me comprometi um pouco mais em ser agressiva, mas também em ficar nos ralis mais longos. Estou muito feliz com o resultado que conquistei”.

Já contra Halep, que havia levado a melhor nos três embates anteriores, era preciso errar menos. “Eu realmente tentei ser consistente. Penso que na Austrália eu cometi muitos erros, e eu meio que entreguei o jogo, então eu tentei ser um pouco irritante e colocar mais devoluções em quadra”, disse a japonesa que também reconheceu que a romena não jogou bem. “Fiquei um pouco surpresa, especialmente o início do segundo set, porque sinto que ela me deu pontos de graça, mas não tentei pensar muito sobre isso”.

Simona+Halep+BNP+Paribas+Open+Day+12+4JL1YfWBtsrl

O que foi dito – O técnico de Kasatkina Philippe Dehaes falou ao site Sport 360º sobre o relacionamento com sua atleta. De uma de suas declarações surgiu a ideia para o título do post. “Eu confio nela. Tento não colocar muita informação na cabeça dela porque para mim, ela é uma artista”.
No ranking:

– Kasatkina debutará no top 15 a partir de segunda-feira. A jovem russa assumirá o 11º lugar do ranking da WTA e o número 1 de seu país com o vice-campeonato. Em caso de título, ela entra pela primeira vez no top 10 e será a nona colocada.

– O melhor ranking da carreira de Osaka era o 40º lugar. Ela certamente irá superar essa marca e já garantiu o 26º posto, o que faz dela a japonesa mais bem colocada desde Ai Sugiyama, que era 25ª colcoada em março de 2009. Se for campeã, será 22ª do mundo

Curiosidades:

– Desde 2001 que uma final de Indian Wells não tem duas jogadoras com menos de 21 anos. Na ocasião, Serena Williams foi campeã ao derrotar Kim Clijsters na decisão.

– Desde 2005, Osaka é apenas a quarta jogadora a decidir Indian Wells sem ser cabeça de chave do torneio.

– Osaka acumula US$ 1.483.053 em premiações na carreira. Caso conquiste o título, ela praticamente dobra esse valor, já que a campeã receberá US$ 1.30.860.

– Kasatkina é a sexta russa a chegar à final de Indian Wells. Maria Sharapova, Elena Vesnina e Vera Zvonareva já foram campeãs, enquanto Svetlana Kuznetsova e Elena Dementieva ficaram com o vice-campeonato.

A parceria: Antes do início do torneio Indian Wells, Kasatkina e Osaka uniram forças para uma divertida ação promovida pela WTA. A russa deu algumas dicas para a amiga japonesa poder executar um tweener (ou grand willy) com precisão. Confira o resultado!

Embalada, colombiana de 16 anos sonha ser a número 1 do mundo
Por Mario Sérgio Cruz
março 9, 2018 às 4:25 pm

Com quatro títulos na temporada e uma invencibilidade que durou até a semana passada durante o Juvenil de Porto Alegre, Maria Camila Osório Serrano começou 2018 vencendo 24 jogos seguidos e conquistando os troféus das etapas do circuito mundial juvenil da ITF na Costa Rica, Paraguai, Colômbia e no Banana Bowl, em Criciúma. Sua série invicta, aliás, chegou a 26 partidas já que carregava dois jogos do fim do ano passado.

Enquanto vive um ótimo momento no circuito, a atual número 6 do ranking mundial juvenil sonha alto. Em conversa com o TenisBrasil durante a Copa Paineiras, torneio ITF GB1 disputado no clube Paineiras do Morumby em São Paulo, Osório Serrano disse com todas as letras qual é seu principal objetivo: “Quero chegar a ser a número 1 do mundo”.

Maria Camila Osório Serrano venceu 26 jogos seguidos no circuito juvenil (Foto: Heusi Action/Gabriel Heusi)

Maria Camila Osório Serrano venceu 26 jogos seguidos no circuito juvenil (Foto: Heusi Action/Gabriel Heusi)

O quanto a meta desta colombiana é ambiciosa aparece na história do tênis feminino sul-americano. Desde a criação do ranking em 1975, a melhor sul-americana foi a argentina Gabriela Sabatini que chegou ao terceiro lugar em 1989, enquanto a última top 10 foi a também argentina Paola Suarez em 2004. Na história do tênis colombiano, Fabiola Zuluaga tem a melhor marca de seu país ao ser 16ª do mundo em 2005. Não custa lembrar que Maria Esther Bueno foi nomeada a número 1 antes da criação do ranking, e tem como melhor marca na Era Aberta o 29º lugar em 1976.

Osório Serrano está ciente de que terá menos oportunidades durante a transição para o circuito profissional que outras jogadoras da mesma idade, mas de origem europeia ou norte-americana. “Uma menina dos Estados Unidos ou da Europa ganha convites para torneios importantes. Na América do Sul no máximo que dão é um convite para um torneio de 250 mil. Para elas, dão convite nos Grand Slam”, afirmou.

A jovem colombiana também já pensa nas mudanças que serão promovidas no circuito profissional a partir da próxima temporada. “Se eu ganhar um torneio de US$ 15 mil em novembro, por exemplo, em janeiro do próximo ano ele já não vai valer. Então a ideia é começar a jogar já os torneios maiores para este ano eu me meter mais entre as profissionais e começar a correr o ranking e ficar entre as 750″, comentou sobre a proposta da ITF em retirar a pontuação do ranking dos torneios com premiação mínima e estabelecer a criação de um circuito de transição.

Dotada de um jogo inteligente e cheio de recursos, como slices, drop shots e subidas à rede, a jogadora de 16 anos não esconde a idolatria por Roger Federer. “Ele me encanta. Roger é meu ídolo desde que eu tenho seis anos e comecei a jogar tênis”, ela disse. “Quando eu tinha seis anos, na primeira vez que comprei uma raquete, todas as meninas queriam a rosa da Sharapova e eu sempre escolhia a preta ou vermelha do Federer porque ele é meu ídolo e eu sempre queria jogar como ele”.

Confira a entrevista com Maria Camila Osório Serrano.

Você começou a temporada com muitas vitórias consecutivas. Foram 26, se contar as duas últimas do ano passado. Como você lidou fisicamente e mentalmente com isso, porque se você chega às finais em todas as semanas a recuperação deve ser muito complicada.
Jogar tantos dias seguidos durante quatro semanas foi muito duro para mim. Agora eu pude descansar dois ou três dias antes de voltar a jogar. Porém eu tentava pensar apenas no próximo jogo e não que eu estava cansada, nem nada. As partidas que passaram, passaram e o foco era nos jogos seguintes. Creio que isso foi chave para seguir avançando.

E como era o seu trabalho de recuperação, porque imagino que você tivesse muito pouco tempo para treinar e também para o descanso porque você jogava praticamente todos os dias.
O que eu fazia era me alongar muito, tomar muita água e isotônico para recuperar os líquidos. Também fazias muitas sessões de massagem e na banheira com gelo. Tive que fazer muitas coisas, porque eram muitos jogos e eu queria estar continuar sempre ganhando e ganhando. Acredito que isso foi a chave para eu me recuperar bem.

Você já teve algumas experiências com a equipe da Fed Cup, inclusive jogando. Conta como foi sua vivência com jogadoras profissionais, especialmente com a Mariana Duque que foi top 100 e já ganhou um WTA.
Foi uma experiência muito bonita. Faz dois anos desde a primeira vez que me convocaram e para mim é sempre um orgulho representar o meu país, representar a Colômbia. Isso trouxe muitas coisas positivas. Estive com uma jogadora que já esteve no top 100 e pude ver de perto tudo o que ela faz, o que come e como treina. Saber quando ela aquece uma hora antes ou meia hora antes de entrar em quadra, a hora de sair, de voltar e de alongar. As jogadoras lá respiram tênis e me ensinam a ser profissional.

O seu jogo tem muita variação, você usa muito slice e vai bastante à rede. Em que jogadoras você mais se inspira? Na Radwanska, por exemplo?
Roger Federer, mas gosto dela também. Roger me encanta. Ele é meu ídolo desde que eu tenho seis anos e comecei a jogar tênis. Vou te contar uma história: Quando eu tinha seis anos, na primeira vez que comprei uma raquete, todas as meninas queriam a rosa da Sharapova e eu sempre escolhia a preta ou vermelha do Federer porque ele é meu ídolo e eu sempre queria jogar como ele.

E no tênis feminino tem alguma jogadora que você se espelha?
Eu gosto muito da Halep e gostava muito da Serena Williams quando ela estava jogando.

Hoje no circuito tem muitas jogadoras altas, fortes e agressivas, como Pliskova e a Muguruza no alto nível e jovens que tentam se espelhar nelas. Como você tenta falar com sua equipe antes de enfrentar uma jogadora desse estilo?
Sempre que eu entro em quadra… Todavia, eu ainda não estou nesse nível, mas se eu chegar a ele, eu tenho que pensar em fazer o meu jogo, não? Nenhum jogador entra em quadra pensando ‘Vou jogar contra ela, tenho que mudar’, sempre entram pensando em fazer o que sabem. Se as coisas não acontecem, tenho que buscar soluções e alternativas, mas sempre tenho que entrar pensando em fazer o meu jogo.

A jovem colombiana já atuou no ITF Junior Masters no ano passado (Foto: Paul Zimmer/ITF)

A jovem colombiana já atuou no ITF Junior Masters no ano passado (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Inclusive na China, você jogou o Masters e enfrentou algumas das melhores do mundo na categoria. Algumas meninas como a Kostyuk, por exemplo, jogam nesses estilo mais agressivo. Como foi sua experiência?
Sim, a Kostyuk e a Kaja Juvan jogam assim. Eu penso que quatro meses atrás estava jogando contra elas na China e agora a Marta chega a uma terceira rodada de um Grand Slam. E ela não é a única. Também há muitas meninas que estão se destacando em alto nível como a [Amanda] Anisimova, a [Anastasia] Potapova, [Clarie] Liu e [Kayla] Day são juvenis que estão se dando muito bem.

Claro que temos que entender que elas são de outros países e têm mais oportunidades. Uma menina dos Estados Unidos ou da Europa ganha convites para torneios importantes. Na América do Sul no máximo que dão é um convite para um torneio de 250 mil (WTA International). Para elas, dão convite nos Grand Slam.

Você pode ganhar um convite para o WTA de Bogotá, talvez.
Creio que sim. Acredito que vou jogar o WTA. Eu não sei ainda, mas me parece muito bom e é algo que me motiva muito. Obviamente tenho que seguir trabalhando, lutando e dar tudo para chegar onde quero chegar.

A partir do ano que vem, o circuito profissional terá mudanças e os torneios de US$ 15 mil não darão mais pontos no ranking. Você tem conversado sobre isso com sua equipe?
Sim, você tem que estar entre as 750 para estar no ranking, senão tem que jogar o circuito de transição. Para este ano ainda não vale, mas se eu ganhar um torneio de US$ 15 mil em novembro, por exemplo, em janeiro do próximo ano ele já não vai valer. Então a ideia é começar a jogar já os torneios maiores. Eu tenho três Junior Exempt para torneios de US$ 25 mil para este ano eu me meter mais entre as profissionais e começar a subir no ranking e ficar entre as 750.

Quando você terminar a carreira juvenil, seu objetivo é seguir direto para o circuito profissional ou tentar fazer uma faculdade nos Estados Unidos antes?
Eu quero ser profissional, essa é a meta, meu sonho e tenho que focar totalmente nisso. Quero chegar a ser a número 1 do mundo.

Destaques nos 16 anos avaliam 1ª experiência em ITF
Por Mario Sérgio Cruz
março 8, 2018 às 8:04 pm

Jovens tenistas brasileiros que se destacaram nos torneios da categoria 16 anos durante o circuito da Confederação Sul-Americana (Cosat) ao longo da temporada tiveram nesta semana a experiência de jogar em uma categoria acima. Nomes como o mineiro João Victor Loureiro e a goiana Lorena Cardoso, que estão com 14 anos, e o catarinense de 15 anos Pedro Boscardin Dias receberam convites para a disputa da Copa Paineiras, torneio ITF GB1 no saibro do clube Paineiras do Morumby e avaliaram a oportunidade de atuar contra alguns dos melhores juvenis do continente na categoria 18 anos, valendo pontos para o ranking mundial júnior.

“As meninas de 16 jogam muito bem, mas elas ainda não têm tanta força. Aqui as meninas são mais agressivas, conseguem ficar concentradas durante mais tempo, estão mais bem preparadas, são mais experientes e mais fortes”, comentou Lorena Cardoso, que venceu duas etapas seguidas do circuito da Cosat de 16 anos, no Equador e na Colômbia. “Eu já tinha jogado três torneios de 18 anos, mas este está bem mais forte”, complementou a goiana que só havia jogado ITFs de nível G4 e G5 até a semana passada, quando disputou o Campeonato Internacional Juvenil de Tênis de Porto Alegre.

Nos dois torneios que conquistou, Lorena venceu duelos caseiros nas finais contra a também goiana Nalanda Silva, que vem de um projeto social e atualmente treina no Rio de Janeiro. “Desde pequena e ela sempre ganhou todos os jogos de mim. Ela sempre foi a melhor de Goiás e era tipo a minha ‘rivalzinha’, mas nós somos amigas fora da quadra. E nesses dois torneios eu consegui jogar bem contra ela e acabar ganhando”.

A goiana de 14 anos Lorena Cardoso deve priorizar torneios de 18 anos (Foto: Thiago Parmalat/CBT)

A goiana de 14 anos Lorena Cardoso deve priorizar torneios de 18 anos (Foto: Thiago Parmalat/CBT)

Loureiro também destacou a diferença entre as duas categorias. “Mais volume de jogo! Os caras sobem o nível de jogo nos pontos importantes”, avaliou o mineiro, que venceu quatro eventos da gira Cosat. Campeão do Banana Bowl de 16 anos, o jogador que treina em Santa Catarina também venceu a etapa paraguaia em Assunção e tem mais duas conquistas em Cali, na Colômbia, e Córdoba, na Argentina.

Em São Paulo, Loureiro manteve o embalo e marcou seus primeiros pontos no ranking mundial juvenil da ITF com as vitórias sobre o argentino Facundo Tumosa e no duelo nacional contra Gustavo Madureira antes de cair para o brasiliense Gilbert Klier Júnior nas oitavas. “Estava um pouco gripado, então ficava um pouco mais cansado que o comum após o término de alguns pontos, mas consegui manter a confiança que estou tendo desses últimos torneios para vencer. Muito feliz em marcar meus primeiros pontos no ranking mundial”.

“Foi uma gira muito boa. Comecei na Colômbia já com o título, estava confiante e consegui aproveitar o convite aqui no ITF. Ganhei duas rodadas e caí nas oitavas. Foi uma boa experiência. Agora é voltar e treinar para a gira europeia”, complementou o mineiro que completa 15 anos em março e já mede 1,85m.

O mineiro João Loureiro venceu quatro etapas do circuito sul-americano de 16 anos (Foto: Luiz Cândido/Divulgação)

O mineiro João Loureiro venceu quatro etapas do circuito sul-americano de 16 anos (Foto: Luiz Cândido/Divulgação)

“A diferença mais na força e na maturidade dos caras durante o jogo. Eles sabem melhor escolher as horas de escolher as jogadas e isso faz a diferença”, explicou Pedro Boscardin Dias, que na temporada passada disputou importantes competições de 14 anos como o Les Petits As na França e o Le Mondial Lacoste em Londres durante o ATP Finals, mesclando o calendário com torneios sul-americanos de 16 anos.

“Eu consegui jogar os principais torneios do mundo e pude ver como os meninos jogam. É importante para ver que estou no nível dos caras, não estou muito longe”, comentou o catarinense, que voltará ao velho continente para jogar em categorias acima. “A experiência no Cosat foi muito boa e consegui conquistar meu objetivo que era classificar para a gira europeia”.

Para a sequência na temporada, a prioridade é tentar os torneios de 18 anos.”Pelo que eu conversei com o Rico [Schlachter, seu técnico] a ideia é jogar mais torneios de 18 anos. Acho que tem um ou dois torneios de 16 anos na gira europeia. Foi bom conseguir esse ponto na ITF para começar a transição”, avaliou o catarinense que fez seu primeiro ponto no ranking mundial juvenil ao avançar uma rodada na chave de duplas no Paineiras.

Pedro Boscardin Dias jogou os principais torneios do mundo nos 14 anos e o circuito sul-americano de 16 anos (Foto: Miriam Jeske/Heusi Action)

Pedro Boscardin Dias jogou os principais torneios do mundo nos 14 anos e o circuito sul-americano de 16 anos (Foto: Miriam Jeske/Heusi Action)

Lorena Cardoso também deve seguir o caminho do circuito mundial juvenil apesar de sua pouca idade. As únicas competições de 16 anos deverão ser os torneios por equipes. “Acho que o Sul-americano e o Mundial vão ser os únicos que eu vou jogar de 16 este ano, porque eu vou focar no 18. Vai ser um pouco difícil no início, mas servirá para conseguir resultados bons e subir no ranking para já estar bem posicionada”, explicou a goiana que treina desde os doze anos no Instituto Tênis, em Barueri.

“Eu tava jogando um torneio de duplas com uma integrante do IT e eu tinha dez anos, mas já jogava torneio de 12 anos. Então um treinador me viu e perguntou a minha idade porque eu já era grande e forte. Perguntaram se eu queria fazer um teste no IT e treinar, mas eu ainda era muito nova e tinha dez anos, então meus pais não deixaram. Fiquei mais dois anos em Goiás ainda, e só depois fui fazer o teste, gostei e estou lá até hoje”.

A goiana que já tem 1,74m tenta ser uma jogadora agressiva e se inspira em Beatriz Haddad Maia: “Ela é alta, forte e joga bem firme”, comentou. “Eu gosto de jogar agressiva, pegando bem na bola. No 16 eu ainda conseguia ter diferença de força, mas agora não tem muita diferença para as meninas mais velhas, meio que iguala todo mundo. Sou um pouco lenta ainda por causa da altura, mas é o caminho. Sinto que minha agressividade é onde fico com energia e consigo jogar bem”.

O técnico Ricardo Schlachter acompanha os juvenis Pedro Dias e João Loureiro (Foto: Miriam Jeske/Heusi Action)

O técnico Ricardo Schlachter acompanha os juvenis Pedro Dias e João Loureiro (Foto: Miriam Jeske/Heusi Action)

O técnico Ricardo Schlachter, treinador que trabalhou com Ricardo Mello quando o campineiro conquistou o ATP 250 de Delray Beach em 2004, é quem acompanha Boscardin e Loureiro atualmente. Schlachter, que coordena um centro de treinamento de alto rendimento em Joinvlle (SC), fez uma análise sobre as diferenças entre as competições de formação e a elite do circuito juvenil.

“Acredito que existe uma diferença, mas não acredito mais ser tão grande, principalmente fisicamente. Claro que sempre tem jogadores acima da média, mas eles [Boscardin e Loureiro] conseguem competir de igual para igual na maioria das vezes. Esse é ponto principal. Que eles entrem em torneios e consigam ser competitivos”.

Schlachter também afirma que deve testar seus jovens jogadores nos torneios maiores e em competições profissionais ainda este ano. “Agora o foco vai virar para os torneios de 18 anos. A ideia era terminar a gira Cosat de 16 e agora sim focar nos 18. E esse ano ainda algumas eles terão poucas semanas para experimentar um pouco do profissional, em termos de futures ou de torneios com a premiação apenas em dinheiro, para que eles joguem com adultos que são bons jogadores e que têm muito a ensinar a eles. Mas essa é uma parcela menor do calendário que vai se basear muito nos ITFs de 18 anos”.

O treinador também avaliou o desempenho e evolução dos dois atletas e reconhece que a grande fase de Loureiro o surpreendeu. Ele treina o juvenil mineiro desde agosto de 2015, quando o jogador saiu de Belo Horizonte e mudou-se para Santa Catarina. Já com Boscardin, o acompanhamento vem desde as escolinhas ainda aos sete anos.

“Eu diria que os resultados foram acima da expectativa. É claro que a gente sempre se prepara para entrar em um torneio para ganhar, mas de oito etapas ganhar quatro, ou seja ganhar um a cada dois torneios, realmente nos surpreendeu. O que não é uma surpresa é a evolução dele. Eu que acompanho o dia a dia, vejo que ele vem se dedicando há muito tempo. Esses resultados deram a ele um dos quatro postos para a gira europeia, mas agora ele precisa correr atrás de pontos na ITF. Por isso até a gente solicitou para a CBT e eles nos concederam o wildcard para os meninos jogarem aqui”, explicou Schlachter.

“Como não existe ranking internacional nessa categoria e pelo que eu conheci na Europa, eu poderia dizer até o ano passado que o Pedro estaria entre os 15 ou 20 melhores jogadores do mundo na idade dele, até 14 anos. Isso numa avaliação minha como treinador. Agora já não deve ser mais assim entre os garotos de 15 anos, também por causa da evolução dos outros. O tênis é muito dinâmico e esses garotos evoluem muito rápido em seis meses ou um ano”, avaliou.

“E dentro da minha própria estrutura, que tenho só dois jogadores, vejo que existe uma diferença. O João Loureiro estava um pouquinho abaixo dele, hoje não só se equivaleu como já está um pouco à frente dele. E aí envolvem outras coisas, que são os amadurecimentos. É lógico que o porte físico dele também ajuda, é um jogador alto e essas coisas fazem diferença”.

Juvenis brasileiros priorizam futures na transição
Por Mario Sérgio Cruz
março 7, 2018 às 8:09 pm

Diante da mudança nas regras do circuito profissional no ano que vem, quando será criado um circuito de transição e os torneios de nível future de US$ 15 mil não darão mais a dar pontos no ranking da ATP, alguns dos principais jogadores juvenis brasileiros sinalizam que devem priorizar as competições profissionais já no segundo semestre deste ano. Os atletas nacionais que estão na última ou penúltima temporada das competições de base também pretendem já iniciar rapidamente o longo caminho dos futures, sem passar por uma transição no tênis universitário norte-americano que já atraiu nomes como Gabriel Décamps, Lucas Koelle e Luisa Stefani nos últimos anos.

“Por enquanto o meu foco é entrar no profissional, a começar pelos futures e seguir evoluindo. A transição é bem difícil, principalmente para nós brasileiros. A gente já teve muito juvenil top, mas a transição é um ponto mais difícil. Então acho essa etapa a mais importante a partir de agora”, disse o paulista de 17 anos Mateus Alves, treinado pelo ex-top 100 Thiago Alves.

“A gente já está conversando sobre calendário e sobre misturar os torneios juvenis com profissionais. Este ano a gente já vai montar uma programação de jogar mais futures a partir de agora e mesclar com os ITFs. Fiquei sabendo dessa mudança que vai ter para o ano que vem e a gente ainda não sabe como vai ser essa mudança, o que ela vai afetar e o que vai trazer de bom, mas espero que tudo isso seja bem feito e ajude a gente do juvenil a ir para o profissional”, complementou o jovem paulista, que ainda poderá jogar torneios juvenis em 2019.

“Meu sonho sempre foi jogar como profissional mesmo. Eu nunca fui muito atraído pela ideia de jogar pela faculdade no College, então eu vou seguir no ano que vem nos futures e challengers em busca do sonho que eu sempre tive”, comentou o brasiliense Gilbert Klier Junior, que completa 18 anos em maio e treina na Tennis Route do Rio de Janeiro.

Para o pernambucano de 17 anos João Lucas Reis e o paulista Matheus Pucinelli, um ano mais novo, que treinam juntos em Barueri, a mudança na regra pode facilitar a entrada dos jovens nos torneios profissionais já que o ranking juvenil servirá como base para incluir nomes nas chaves principais. “É bem nova essa regra e acho que ela vai ajudar um pouco os juvenis em transição, mas a gente ainda não conversou muito [com os técnicos] sobre isso. Acho que mais para o final do ano a gente vai acabar sabendo mais e jogar alguns futures também”, disse Reis, que reitera o desejo de seguir a carreira como tenista profissional. “O desejo é seguir no profissional e jogar nos torneios futures”.

João Lucas Reis vem de dois bons resultados no Banana Bowl e em Porto Alegre (Foto: Matheus Joffre/CBT)

João Lucas Reis vem de dois bons resultados no Banana Bowl e em Porto Alegre (Foto: Matheus Joffre/CBT)

Pucinelli, que ainda terá mais um ano de juvenil pela frente, deve ter um calendário parecido com o de seus parceiros de treino. Além dele e de Reis, o também paulista Igor Gimenez treina junto com eles no Instituto Tênis e todos têm ranking juvenil próximo. “Para esse ano, o calendário deve ser mais parecido. Não deve mudar tanto, mas para o ano que vem vou mesclar bastante os torneios profissionais com os juvenis com o ranking juvenil ajudando para entrar”.

Até mesmo para o catarinense Pedro Boscardin Dias, jogador que completou 15 anos em janeiro e ainda luta pelo primeiro ponto na ITF, a intenção de seguir para os torneios profissionais é prioridade. “Para mim a ideia é seguir direto para o profissional sem passar pela transição nos Estados Unidos”.

Nas entrevistas feitas durante a disputa da Copa Paineiras, torneio exclusivamente sul-americano e de nível GB1 para o circuito de 18 anos da ITF, os jovens jogadores brasileiros falaram sobre o quanto esse torneio é decisivo para a definição do calendário. Nos últimos dois anos, Felipe Meligeni Alves e Thiago Wild venceram a competição continental e, com os 180 pontos conquistados, deram um salto no ranking juvenil e puderam já antecipar as vagas nas chaves principais de Roland Garros e Wimbledon.

“Este é um G1 com bônus e dá bastante ponto e te aproxima do corte do ranking para alguns torneios. É claro que um torneio desse vai modificar bastante o meu calendário, independente se eu for bem ou se eu for mal, porque ele define para quais torneios eu vou viajar. Então se eu for bem, é um calendário, e se eu for mal é outro. Então com certeza alguns pensam nisso aqui”, avaliou Klier, que só pôde começar a temporada há duas semanas, no Banana Bowl, por conta de uma lesão no joelho.

“Seria muito importante ir bem nesse torneio para já estar com os pontos na média para conseguir jogar os Grand Slam e começar a jogar os futures. Mas independente disso, acho que este ano eu já vou fazer um bom calendário de futures no segundo semestre”, explicou o tenista brasiliense que está no último ano como juvenil.

O brasiliense Gilbert Klier Júnior teve que iniciar sua temporada mais tarde por conta de lesão (Foto: Matheus Joffre/CBT)

O brasiliense Gilbert Klier Júnior teve que iniciar sua temporada mais tarde por conta de lesão (Foto: Matheus Joffre/CBT)

“No meu caso, os torneios que eu joguei antes já me ajudaram nesse aspecto. Com os torneios que eu fiz antes acho que eu já garanti a entrada em Roland Garros e Wimbledon, mas esse GB1 só com jogadores aqui da América do Sul acaba sendo um torneio bom para pontuar, mas também é duro e requer bastante esforço”, explicou Reis, que está no 32º lugar no ranking mundial juvenil da ITF.

“Acho que o torneio é importante nessa parte da pontuação e por ser o último torneio da gira. Porque diferencia jogar o quali ou chave dos Grand Slam”, avaliou Pucinelli. “A Gerdau (Campeonato Internacional Juvenil de Porto Alegre) e o GB1 são muito importantes no calendário para a gente que é daqui do Brasil. Aqui só tem os sul-americanos e fica melhor ainda para jogar e pontuar. Sim, a gente pensa bastante nisso, mas o mais importante é entrar na quadra e fazer o trabalho bem feito”, complementou Alves.

Reis comemorou o nível técnico apresentado no início de temporada. O pernambucano disputou a chave juvenil do Australian Open e equilibrou as ações contra o segundo favorito sérvio Marko Miladinovic. Depois, engatou três bons resultados seguidos em ITFs no saibro sul-americano, com semifinal em Assunção e quartas tanto no Banana Bowl quanto no Juvenil de Porto Alegre.

“Na Austrália eu fiz um jogo bem duro com o cabeça 2, foi um bom torneio e depois desses torneios eu consegui uma boa constância nos jogos. Acho que venho jogando meu melhor tênis nesses torneios e espero continuar assim”, explicou o jogador de 17 anos que está de volta ao Paineiras, clube onde foi semifinalista de um future no ano passado. “Gosto bastante de jogar aqui, as quadras são boas. É bom que esse GB1 seja aqui no Brasil este ano. Estou bem confiante para essa semana aqui no Paineiras de novo”.

Alves não foi à Austrália e começou o ano jogando no piso duro da Costa Rica, onde foi vice-campeão. Depois, o paulista voltou ao saibro e chegou às quartas tanto no Equador quanto no Juvenil de Porto Alegre. Os resultados renderam boa evolução no ranking para o atual 34º lugar. “Acho que foi uma gira bem produtiva. Fiz ótimos torneios no começo do ano, na Costa Rica, Colômbia e Equador. Consegui uma semifinal, final e quartas. Na Costa Rica era piso duro e tinha bastante diferença de clima e condições de jogo. Consegui me adaptar bem em todos esses e isso deu uma alavancada no ranking e agora na Copa Gerdau, fiz jogos bem duros, ganhei de um cara que era 13 do mundo [o americano Drew Baird] e acabei perdendo nas quartas para o japonês [Naoki Tajima], que eu tive match point, mas mesmo assim serviu bastante de aprendizado”.

Mateus Alves treina com o ex-top 100 Thiago Alves e tenta usar de sua altura para ter um bom saque e um tênis agressivo (Foto: Srdjan Stevanovic/ITF)

Mateus Alves treina com o ex-top 100 Thiago Alves e tenta usar de sua altura para ter um bom saque e um tênis agressivo (Foto: Srdjan Stevanovic/ITF)

O jogador de 1,93m está ciente de que seu estilo de jogo pode trazer uma vantagem no futuro, já que muitos dos principais jovens destaques do circuito apostam em bons saques e estilo agressivo. Ele inclusive cita o chileno Nicolas Jarry, jogador de 22 anos e que foi semifinalista do Rio Open e vice do Brasil Open, como um de seus modelos. “Sempre fui maior que o pessoal da minha idade e isso sempre me trouxe bastante vantagem, principalmente no saque que é um ponto mais forte meu. O saque e a direita. Agora o Nicolas Jarry foi bem nos ATPs. Ele é alto como eu, tem um jogo bem agressivo e é um cara muito bom para eu me espelhar. É um cara novo, que está despontando agora e a maneira de jogo dele, indo para a frente é uma maneira que eu tenho que jogar também”.

O pupilo de Thiago Alves também comentou sobre a experiência de treinar com um jogador que terminou recentemente a carreira no circuito. “Ele é um cara que mostra bem os caminhos. Já foi bom juvenil e vivenciou toda essa careira de profissional, então ele já passou por tudo o que eu estou passando agora e sabe me orientar bastante sobre onde vou jogar e como vou jogar. Então ele tá me passando bastante experiência”.

Para Klier, apesar da lesão e da pré-temporada reduzida, o balanço dos três primeiros torneios do ano foi positivo. “Meu primeiro torneio foi o Banana, mas foi uma gira muito boa para mim. Eu ia para a Austrália, mas machuquei o joelho e não pude ir. Não tive muito bem uma pré-temporada, porque eu fiquei um mês e meio sem sair da cama, machucado, mas dentro do possível foi um bom começo de ano. Fiz duas ou três semanas intensas e fui para o Banana. Joguei super bem, ganhei de bons jogadores, mas acabei não avançando mais por causa de problemas físicos. Eu estava com muita câimbra e abandonei nas oitavas. Na Gerdau também fiz um torneio muito bom e perdi para o japonês Tajima que vinha jogando muito bem. Faltou pouco, mas agora estou bem melhor”.

Os quatro testes e o 1º ATP de Tiafoe
Por Mario Sérgio Cruz
fevereiro 26, 2018 às 11:18 pm

É difícil ver um jogador tendo que passar por tantas situações distintas no caminho para um título quanto Frances Tiafoe teve nesta semana até a conquista do ATP 250 de Delray Beach. O norte-americano de apenas 20 anos lidou com diferentes estilos de adversário e diferentes tipos de pressão no caminho durante a trajetória até sua primeira conquista na elite do circuito.

Tiafoe foi de franco-atirador da partida contra Juan Martin del Potro ainda nas oitavas de final a favorito absoluto e esperança da torcida americana na decisão diante do alemão Peter Gojowczyk. Entre esses dois jogos, duas vitórias seguidas em duelos da nova geração sobre Hyeon Chung e Denis Shapovalov.

Tiafoe passou por Del Potro, Shapovalov e Chung antes da final em Delray Beach (Foto:  Peter Staples/ATP World Tour)

Tiafoe passou por Del Potro, Shapovalov e Chung antes da final em Delray Beach (Foto: Peter Staples/ATP World Tour)

O favorito: Diante de Del Potro, Tiafoe desafia os números. Era o sétimo jogo que o norte-americano faria contra um top 10 e a única vitória até então viera há mais de seis meses, contra Alexander Zverev no ano passado em Cincinnati. Some-se a isso uma recente vitória de Del Potro sobre o americano em sets diretos no Australian Open e o bom retrospecto do argentino no torneio. Em duelo de 2h27, com apenas duas quebras para cada lado, o jovem norte-americano disparou dezessete aces e salvou 14 dos 16 break points que enfrentou, em muitos deles com ótimos saques. Vitória por 7/6 (8-6), 4/6 e 7/5.

O jogo de dois dias: A partida contra Chung começou com desvantagem no placar e foi marcada por uma marcação controversa do árbitro de cadeira, que não viu uma bola tocar duas vezes na quadra do sul-coreano.

https://twitter.com/doublefault28/status/967223353063944192

Além disso, Chung exibia seu característico jogo sólido de fundo de quadra, sempre mandando uma bola a mais. Quando o norte-americano enfim adquiriu ritmo e ficou mais perto da vitória, aconteceu mais uma situação que poderia desestabilizá-lo. Começou a chover no momento que Tiafoe liderava a parcial decisiva por 5/3 e o jogo foi suspenso para a tarde seguinte. Na volta, Chung confirmou o serviço e passou a pressão para o lado do anfitrião. Sacando para o jogo, Tiafoe enfrentou um game longo e precisou de oito match points para garantir um lugar na semifinal, que seria disputada no mesmo dia. Placar de 5/7, 6/4 e 6/4 em 2h29 de partida.

A barreira:  Muita coisa estava em jogo na semifinal diante de Denis Shapovalov. Afinal, o vencedor do encontro entre dois expoentes da nova geração disputaria uma final de ATP pela primeira vez na carreira. E ambos sabiam que passar por essa barreira representaria uma decisão diante de Gojowczyk, que apesar dos 28 anos tem apenas um título no circuito, representaria uma oportunidade muito grande de conquistar o primeiro troféu.

Além disso, vencer um jogo importante contra um colega de geração serve para marcar terreno entre jogadores dessa faixa etária e que tendem a rivalizar nos próximos anos. O próprio Shapovalov vinha de duas vitórias assim, sobre os americanos Jared Donaldson e Taylor Fritz e estava sacando muito bem no torneio. A semifinal foi rápida, com apenas 1h11 de duração e equilibradas parciais de 7/5 e 6/4 a favor do anfitrião.

A grande chance: Depois de passar por um dos principais nomes do torneio e por dois rivais de sua geração, Tiafoe viu a sorte sorrir do outro lado da chave. Os principais nomes do outro lado do quadro caíram precocemente, casos de Jack Sock, John Isner e Milos Raonic. Veio Gojowczyk, então 64º colocado e ainda com algumas limitações físicas.

O começo de partida foi arrasador para Tiafoe, que venceu os cinco primeiros games. Mesmo sem colocar tantos primeiros saques em quadra, o norte-americano cedeu apenas sete pontos em seus games de serviço durante o set inicial e enfrentou apenas um break point. Gojowczyk chegou a pedir atendimento antes do sexto game e até confirmou o saque quando voltou, mas seguia com poucas chances diante do anfitrião.

Ainda com limitações físicas, o alemão frequentemente recebia o fisioterapeuta nas viradas de lado. Tiafoe foi o primeiro a quebrar ainda no terceiro game da parcial seguinte. Na sequência, em um game de duas duplas faltas permitiu a única quebra a favor do alemão no jogo. Ainda assim, o norte-americano manteve o domínio das ações e voltou a liderar o placar para não ser mais ameaçado. O jovem de 20 anos terminou o jogo com 13 aces, dois deles no último game disputado.

O ranking e os jovens americanos: Tiafoe é o primeiro expoente da nova geração do tênis masculino norte-americano a ter um título de ATP. De quebra, ele saltou trinta posições no ranking para atingir o 61º lugar e ficar a apenas uma posição da melhor marca de sua carreira.

O campeão de Delray Beach ainda está a duas posições de Jared Donaldson, que é um ano mais velho, mas já está à frente do 77º colocado Taylor Fritz que disputou uma final em Memphis há dois anos. Outros jovens americanos de até 21 anos no top 200 são Ernesto Escobedo (123º), Tommy Paul (151º), Stefan Kozlov (160º), Michael Mmoh (176º) e Reilly Opelka (197º).

Banana Bowl e Porto Alegre: Brasil recebe seus principais torneios juvenis
Por Mario Sérgio Cruz
fevereiro 20, 2018 às 8:02 pm

Nas mesmas semanas em que as duas maiores cidades do país recebem os dois torneios ATP em solo brasileiro, o Rio Open e o Brasil Open, acontecem também as duas principais competições nacionais do calendário infanto-juvenil.

A primeira disputa será a do Banana Bowl, mais tradicional competição juvenil no Brasil e que este ano chega à sua 48ª edição. Pelo segundo ano seguido, a disputa será concentrada no Sul do país, depois três edições no interior de São Paulo. O público paulista, aliás, também poderá acompanhar tênis juvenil em alto nível dentro de duas semanas, na edição inaugural da Copa Paineiras, competição sul-americana no clube Paineiras do Morumby, na Zona Sul da capital.

A cidade catarinense de Criciúma recebe a categoria 18 anos, que vale pontos no circuito mundial da ITF. Os jogos acontecem na Sociedade Recreativa Mampituba. Já os gaúchos de Caxias do Sul podem acompanhar os jogos das categorias 12 anos (nacional), 14 anos e 16 anos (que fazem parte do circuito sul-americano da COSAT), além do Tennis Kids (categorias 8, 9, 10 e 11 anos – nacional) no Recreio da Juventude.

Já na semana que vem, dois clubes da capital gaúcha recebem a 35ª edição do Campeonato Internacional Juvenil de Tênis de Porto Alegre, antigamente chamada de Copa Gerdau. A principal categoria acontece na Associação Leopoldina Juvenil, que também será palco do Tennis Kids. Já os jogos das categorias 12, 14 e 16 anos serão realizados na Sociedade de Ginástica Porto Alegre (SOGIPA).

ATRAÇÕES: Alguns dos principais juvenis do tênis brasileiro estarão presentes. É o caso do pernambucano João Lucas Reis e dos paulistas Mateus Alves, Igor Gimenez e Matheus Pucinelli, todos que aparecem no top 50 do ranking mundial juvenil da ITF. Já o paranaense Thiago Wild prioriza o circuito profissional, jogando o quali do Rio Open e a chave principal do Brasil Open como convidado.

Com experiência em ATP, o búlgaro de 16 anos Adrian Andreev jogará torneios juvenis no Brasil (Foto: DIEMA XTRA Sofia Open)

Com experiência em ATP, o búlgaro de 16 anos Adrian Andreev jogará torneios juvenis no Brasil (Foto: DIEMA XTRA Sofia Open)

Entre os estrangeiros, destaque para o búlgaro de 16 anos Adrian Andreev, que recentemente teve sua primeira experiência em nível ATP ao ser convidado para jogar a chave principal em Sófia. Argentina e Colômbia contam com os principais nomes no masculino e feminino: Sebastian Baez, Nicolas Mejia, Maria Camila Osorio Serrano e Maria Lourdes Carlé.

CAMPEÕES ILUSTRES: A lista de campeões na categoria principal do Banana Bowl tem nomes como Andy Roddick, John McEnroe (em final contra Ivan Lendl!), Thomas Muster, Fernando Meligeni, Fernando Gonzalez e Sevetlana Kuznetsova. Nos 16 anos, Juan Martin del Potro já foi finalista perdendo a final para o brasileiro Raony Carvalho em 2003.

Já o principal campeão da Copa Gerdau é Gustavo Kuerten, que venceu em simples e duplas na categoria principal de 1994. Nomes de destaque do tênis brasileiro como Flavio Saretta, Marcos Daniel e Thiago Monteiro também já foram campeões. No feminino, destaque para duas atletas que atingiram o top 10 da WTA: A canadense Eugenie Bouchard e a francesa Kristina Mladenovic.

TÍTULOS RECENTES: As últimas conquistas nacionais vieram com o gaúcho Orlando Luz, biampeão do Banana Bowl e também em Porto Alegre nos anos de 2014 e 2015. Já entre as meninas acontecem dois jejums. Roberta Burzagli foi a última brasileira a vencer o Banana Bowl ainda em 1991, enquanto Miriam D’Agostini venceu a Gerdau pela última vez em 1996. Entre as últimas finalistas, Roxane Vaisemberg foi vice do Banana em 2006 e Bia Haddad Maia jogou duas decisões na Gerdau em 2012 e 2013.

QUEM JÁ JOGOU: Além da galeria de campeões, os torneios juvenis no Brasil já trouxeram outros nomes que se destacaram na sequência da carreira. Só em edições recentes, podemos nos lembrar de Marion Bartoli, Sabine Lisicki, Alizé Cornet, Dominika Cibulkova, Kei Nishikori e Denis Shapovalov.

Denis Shapovalov jogou o Banana Bowl de 2015 em São José dos Campos (Foto: Marcelo Zambrana/DGW)

Denis Shapovalov jogou o Banana Bowl de 2015 em São José dos Campos (Foto: Marcelo Zambrana/DGW)

CLUBES: Essas competições costumam ser abertas ao público e ter entrada franca, mas é legal entrar em contato com os próprios clubes sobre eventuais protocolos de entrada, especialmente para quem não é associado.

Sociedade Recreativa Mampituba
Rodovia SC 446, 4, São Simão
CEP: 88811-400
Criciúma/SC
Telefone: (47) 3431-3000
www.mampituba.com.br

Recreio da Juventude
Avenida Atilio Andreazza, 3525, Sagrada Família
CEP: 95052-070
Caxias do Sul/RS
Telefone: (54) 3028-3555
www.recreiodajuventude.com.br

Associação Leopoldina Juvenil (ALJ)
Rua Marques do Herval, 280 – Porto Alegre/RS
CEP: 90570-140
Telefone: (51) 3323-4300
www.juvenil.com.br

Sociedade de Ginástica Porto Alegre (SOGIPA)
Rua Américo Vespucio, 580
CEP: 90540-020
Porto Alegre/RS
Telefone: (51) 3325-7200
www.sogipa.com.br

Barty mostra que é possível jogar diferente
Por Mario Sérgio Cruz
fevereiro 12, 2018 às 9:00 pm

Em um circuito dominado por jogadoras cada vez mais altas, mais fortes e mais agressivas, a australiana Ashleigh Barty mostra que é possível atuar em alto nível jogando de maneira diferente. A australiana de 21 anos é uma das atletas mais versáteis da atualidade e suas atuais décima sexta posição no ranking de simples e décima nas duplas ratificam essa condição.

Barty tem um bom forehand, mas não compete em potência dos golpes contra nomes como Petra Kvitova, Karolina Pliskova e Garbiñe Muguruza. Nem mesmo a consistência defensiva de uma Caroline Wozniacki ou Simona Halep aparecem tanto no jogo da australiana. Suas apostas são em frequentes slices, drop shots e subidas à rede. A variação aparece também nas devoluções, que em alguns momentos apenas bloqueiam o saque das adversárias. Junte isso com tempo de resposta muito rápido para a tomada de decisões de improviso e temos uma adversária bem chata de ser enfrentada até mesmo pelas melhores do mundo.

Barty mostra a cada semana que é possível jogar em alto nível sem ter o estilo dominante do circuito

Barty mostra a cada semana que é possível jogar em alto nível sem ter o estilo dominante do circuito (Foto: SMP Images)

Com apenas 1,66m, Barty pode não ser dona de um dos saques mais velozes do circuito, mas tem um das mais eficientes. A australiana é sexta jogadora que mais fez aces neste começo de ano com 50 no total. Ela é também a nona jogadora que melhor aproveita os pontos disputados em seu serviço, com 62,2%.

2018-02-12 (4)

 

No ano passado, Barty teve o quinto melhor aproveitamento de pontos jogados no saque com 62% em 41 jogos e venceu 70% dos pontos jogados em primeiro saque, média que fez dela a oitava melhor do circuito nesse quesito. A australiana também apareceu entre as dez que mais venceram pontos com segundo saque e entre as que mais salvaram break points. Como isso é possível? Barty coloca muito bem o saque e sabe como poucas variar efeito e direção. Jogando ora aberto, ora no T, ora no corpo, ela faz tudo muito bem.

barty

No último fim de semana, Barty defendeu a Austrália no Grupo Mundial II da Fed Cup e responsável pelos três pontos no confronto diante da Ucrânia em quadra de grama em Camberra. Além de vencer seus dois jogos de simples, ela também marcou a vitória decisiva nas duplas, ao lado de Casey Dellacqua. A atuação mais impactante do fim de semana veio diante da promessa ucraniana de 15 anos Marta Kostyuk, uma das principais revelações deste início de temporada e adepta do estilo agressivo. Barty criou uma verdadeira armadilha para sua jovem rival e não a deixou confortável em nenhum momento. Resultado, 6/2 e 6/3 em dos jogos mais importantes do confronto.

Uma trajetória diferente –  Barty começou a chamar atenção no mundo tênis em 2011 quando foi campeã juvenil de Wimbledon e vice-líder no ranking mundial da categoria com apenas 15 anos. Pouco depois, conseguiu uma vaga na chave principal do Australian Open do ano seguinte ao vencer a forte seletiva nacional entre jogadoras profissionais tradicionalmente disputada em dezembro. Já em 2013, foi finalista de duplas em três Grand Slam, Australian Open, Wimbledon e US Open, todos ao lado de Dellacqua.

Entretanto, depois de ter alcançado o 129º lugar no ranking de simples e o 13º em duplas, Barty fez uma pausa na carreira após o US Open de 2014. Estava cansada da pressão sofrida no circuito e tentou a sorte no críquete, chegando a jogar profissionalmente em seu país. “Tudo aconteceu rápido demais”, disse Barty ao site da WTA, em fevereiro de 2016, quando voltou às quadras jogando ITFs. “Eu era uma desconhecida até ganhar o juvenil de Wimbledon e seis meses depois jogar o Australian Open. Fui vítima do meu próprio sucesso”.

Depois de jogar torneios menores e lesionar o braço direito há dois anos, a australiana só pôde efetivamente voltar ao circuito de WTA no início do ano passado. Ainda em março, conquistou seu primeiro título na elite do circuito em Kuala Lumpur, entrou no top 100 e não parou mais. Fez boas campanhas ao longo do ano, com destaque para os vice-campeonatos em Wuhan e Birmingham e venceu quatro jogos contra top 10. Ao final da temporada, a australiana havia saltado 308 posições do 325º para o 17º lugar, tendo a segunda maior evolução na elite do circuito.
2018-02-12 (1)

De promessa no circuito juvenil, a uma jovem jogadora estafada no início da carreira profissional à volta ao circuito em alto nível. O que mudou? Ela mesma explicou em entrevista coletiva antes do Australian Open. “Isso foi há muito tempo e para mim foi uma surpresa. Simplesmente aconteceu muito rápido e eu não estava pensando muito à frente. Acho que se você é um bom juvenil, não há garantias de que você vá se dar bem no circuito e isso foi muito difícil para mim. Mas acho que isso já passou e hoje me sinto ótima em quadra. Tenho uma equipe realmente sólida em torno de mim. São pessoas genuínas que estão me ajudando em tudo”.

A cada semana, Barty mostra que jogar diferente da maioria não é uma sentença de morte no circuito. Também serve para refutar o argumento simplista, preguiçoso (e preconceituoso, por que não?) de que não há variação no tênis feminino. Além da própria australiana, nomes como Anastasija Sevastova, Magdalena Rybarikova, Elise Mertens e a veterana Svetlana Kuznetsova aparecem hoje no top 20 e nenhuma delas é adepta de “quebrar a bola e atacar a todo custo”. O caminho pode até ser mais longo, mas ainda há espaço para quem subverta os padrões.

Ineditismo cobra o preço a Chung e Edmund
Por Mario Sérgio Cruz
janeiro 26, 2018 às 5:39 pm

Os dois nomes da nova geração que mais se destacaram durante o Australian Open terminaram suas campanhas de forma parecida. Semifinalistas da chave masculina, o sul-coreano Hyeon Chung e o britânico Kyle Edmund encantaram o público ao longo de duas semanas e venceram adversários de peso, mas ambos chegaram para os jogos mais importantes do início de suas carreiras na elite do circuito com muitas limitações físicas.

Edmund sentiu um incômodo no quadril e precisou de atendimento durante a partida contra Marin Cilic. O britânico de 22 anos e 49º do mundo acabou oferecendo resistência ao croata apenas durante dois dos três sets da partida disputada na última quinta-feira. Por sua vez, Chung lidou com bolhas nos pé esquerdo ao longo da segunda semana do torneio e o problema se agravou antes de enfrentar Roger Federer nesta sexta-feira. A melhor solução encontrada pelo sul-coreano de 21 anos e 58º colocado foi abandonar a partida ainda no segundo set.

Não é mera coincidência que dois jogadores que chegam tão longe em Grand Slam pela primeira vez acabem sendo traídos pelo próprio corpo. Esse é um caso em que a juventude pesa mais contra que a favor. Edmund passou 14h48 em quadra nos cinco primeiros jogos do torneio, o que inclui duas partidas definidas apenas no quinto set. Chung atuou por menos tempo, 11h55, muito por conta da desistência do alemão Mischa Zverev ainda na rodada de estreia.

edmund

chungNenhum dos dois está tão habituado à uma sequência tão desgastante de jogos, ainda mais com a intensidade que as partidas de Grand Slam têm. Edmund tem apenas quatro semifinais de ATP na carreira, com somente duas para Chung (sendo uma delas no Next Gen ATP Finals com regras diferentes do habitual). As únicas vezes em que haviam disputado seis jogos em um mesmo torneio aconteceram quando vieram do qualificatório ou jogando competições de nível challenger e future.

A capacidade de lidar melhor com essa situação para chegar às fases decisivas em condições de lutar pelo título só virá com o tempo e, principalmente, com a experiência em competições de alto nível. Não há uma idade certa para que isso aconteça, mas quanto mais cedo eles se habituarem com fases rodadas finais nos torneios regulares da ATP, mais prontos para dar um novo salto nos Grand Slam eles estarão. Por ora, é comemorar a boa campanha e trabalhar para a recuperação física.

Sensações parecidas

Chung eliminou Zverev e Djokovic no caminho para sua primeira semifinal de Grand Slam (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Chung eliminou Zverev e Djokovic no caminho para sua primeira semifinal de Grand Slam (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Tanto Chung quanto Edmund lamentaram os problemas físicos em jogos tão importantes, mas preferiram enaltecer as boas campanhas que fizeram. Chung foi o algoz do hexacampeão Novak Djokovic e do número 4 do mundo Alexander Zverev, enquanto Edmund passou pelo terceiro do ranking e semifinalista do ano passado Grigor Dimitrov e pelo sul-africano Kevin Anderson que foi vice no US Open. Os dois jovens jogadores terão os melhores rankings de suas carreiras na próxima segunda-feira e aparecerão entre os 30 melhores do mundo.

“Eu aproveitei as duas semanas dentro e fora de quadra. Estou realmente feliz. Cheguei pela primeira vez às oitavas, depois às quartas e à semifinal. Joguei contra Sascha, Novak e Roger”, disse Chung após a partida contra Federer, que abandonou quando perdia por 6/1 e 5/2. “Acho que ganhei confiança, enfrentei bons jogadores e estarei mais confortável em quadra contra esses grandes nomes na próxima vez”.

Como o sul-coreano não tem tanto o domínio da língua inglesa, Stuart Duguid, seu agente na IMG, explicou aos jornalistas sobre a condição física do jogador. “Posso responder por ele”, disse Diguid. “É algo pior do que bolhas regulares. Nos últimos dias, foi se formando bolha sobre bolha. Ele raspou e agora ficou em carne viva. Ele tomou injeções para ver se aliviaria a dor, mas não funcionou. É muito pior do que uma bolha regular”.

Edmund foi responsável por eliminar o terceiro do ranking Grigor Dimitrov (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Edmund foi responsável por eliminar o terceiro do ranking Grigor Dimitrov (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Edmund adotou discurso parecido com o de Chung sobre sua boa campanha. “Este tipo de torneio só lhe dá vontade de querer mais. Depois sentir o gosto, é como se eu pensasse: ‘Sim, eu quero mais disso'”, disse o britânico de 22 anos. “É claro que estou decepcionado pela derrota, mas foram duas boas semanas. Chegar em uma semifinal de um Grand Slam definitivamente é algo de que eu posso me orgulhar e levar isso para frente. Pude também jogar algumas partidas na Rod Laver e vencer partidas difíceis contra grandes jogadores”.

Até mesmo os desgastantes jogos de cinco sets foram comemorados pelo britânico. “Não há nada melhor do que ganhar um jogo de cinco sets. Os jogos em melhor-de-cinco devem permanecer sempre no circuito masculino. É um verdadeiro teste de qualidade e prova sua resistência física e mental”.

Os quatro juvenis brasileiros 

Ausentes nos últimos dois anos, os brasileiros voltaram à chave juvenil do Australian Open. Em 2018, quatro jogadores nacionais jogadores nacionais estiveram em quadra: o paranaense Thiago Wild, o pernambucano João Lucas Reis e os paulistas Igor Gimenez e Matheus Pucinelli.

Igor Gimenez foi o brasileiro de melhor campanha, ao chegar às oitavas (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Igor Gimenez foi o brasileiro de melhor campanha, ao chegar às oitavas (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

A melhor campanha foi de Gimenez, que venceu o holandês Lodewijk Weststrate e o uzbeque Sergey Fomin antes de cair nas oitavas para o taiwanês Chun Hsin Tseng, que aliás está na final do torneio. Wild e Pucinelli conseguiram uma vitória cada um, enquanto Reis não teve sorte com a chave e perdeu na estreia para o cabeça 2 sérvio Marko Miladinovic, que só parou na semifinal.

Se por um lado, os resultados dos brasileiros foram discretos, é legal destacar que a representação nacional no torneio é a maior desde 2014 e que quatro brasileiros não disputavam uma chave principal de um Grand Slam juvenil desde 2016 em Roland Garros. Depois de dois anos sem representantes, resta torcer para que um torneio com quatro jogadores nacionais se torne uma regra, não exceção.

Thiago Wild terá experiência inédita na Copa Davis (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Thiago Wild treinou com Zverev e terá experiência inédita na Copa Davis (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Wild, que já é top 10 no ranking mundial juvenil, ainda teve duas boas oportunidades. Ainda em Melbourne, ele treinou com o número 4 do mundo Alexander Zverev e recebeu a notícia da convocação para a equipe brasileira da Copa Davis, que enfrenta a República Dominicana na semana que vem.

O filho de Korda e o discípulo de Murray

Por muito pouco, a final da chave juvenil não envolveu dois nomes com DNA de peso. O norte-americano Sebastian Korda é filho do tcheco Petr Korda, ex-número 2 do mundo e campeão do Australian Open em 1998, e se garantiu na final ao derrotar o sérvio Marko Miladinovic por 7/5, 5/7 e 6/4. Vinte anos depois do título de seu pai, ele terá a oportunidade de jogar na Rod Laver Arena neste sábado, quando disputará o título contra o taiwanês Chun Hsin Tseng.

“Com certeza, é um sentimento especial”, disse Korda em entrevista ao site da ITF. “Meu pai completou 50 anos há alguns dias e disse a ele que levaria alguma coisa para seu aniversário. Espero que o troféu seja um bom presente”.

Semifinalista na chave juvenil, Aidan McHugh tem a carreira agenciada por Murray

Eliminado na chave juvenil, Aidan McHugh tem a carreira agenciada por Murray (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Já o taiwanês Tseng foi o responsável por eliminar o britânico Aidan McHugh por 6/3, 5/7 e 6/4. Apesar da queda na semi, é legal ficar de olho na trajetória de McHugh. O escocês de 17 anos tem sua carreira acompanhada de perto e administrada por Andy Murray desde o fim do ano passado. Vale acompanhar as entrevistas de Murray e McHugh à BBC realizadas em novembro último sobre a parceria, que já começa a mostrar bons resultados.

Na Austrália, Kostyuk desfruta do tênis pela primeira vez
Por Mario Sérgio Cruz
janeiro 17, 2018 às 5:06 pm

Destaque neste primeiros dias de Australian Open, a ucraniana Marta Kostyuk tem chamado atenção por diferentes razões. Com apenas 15 anos, ela passou por três rodadas do qualificatório e mais duas na chave principal. Mas além dos resultados expressivos para sua idade, e que a colocam no patamar de outros prodígios do esporte, Kostyuk também se destacou pela autenticidade de suas declarações.

Logo após a vitória diante da australiana Olivia Rogowska por 6/3 e 7/5 na Margaret Court Arena, Kostyuk participou da tradicional entrevista em quadra, realizada nos três principais estádios do Grand Slam australiano. A comemoração pela vitória foi discreta: “Estou feliz por passar de fase. Na verdade, não senti que fui bem em quadra hoje” e não se mostrou impressionada ao saber que havia se tornado a jogadora mais jovem a chegar em uma terceira rodada de Grand Slam desde Mirjana Lucic (no US Open de 1997) e a mais nova nesta fase do torneio australiano desde Martina Hingis em 1996. “Eu bato recordes ou os repito a cada ano, então eu me sinto Ok”.

De fato, novas marcas vieram a cada rodada para ela. No domingo, quando venceu a tcheca Barbora Krejcikova por 6/3, 5/7 e 6/0 pela última rodada do qualificatório, a ucraniana havia se tornado a mais jovem jogadora a passar pelo quali de um Grand Slam desde a búlgara Sesil Karatantcheva, que tinha 15 anos e 5 meses no Australian Open de 2005. Já no dia seguinte, derrotar a 27ª colocada chinesa Shuai Peng por duplo 6/2 fez dela a mais jovem a vencer.um jogo pela chave principal Melbourne em 21 anos. Faz sentido que ela encare tais números com tamanha naturalidade.

Mas a frase que mais chamou atenção foi sobre o fato de poder cobrar menos de si mesma, se comparada aos tempos de juvenil. “Isso mudou, porque você não pode ser perfeccionista no tênis. Você comete erros a cada ponto e em cada golpe, então você não pode ser assim ou você vai acabar num hospital psiquiátrico”.

Na Austrália, Kostyuk diz estar desfrutando do tênis pela primeira vez em sua vida. Em longa entrevista ao site da WTA, a jovem jogadora falou sobre sua mudança de mentalidade, motivada principalmente pelo caráter profissional do circuito e das premiações em dinheiro.

“Agora eu mudei completamente minha atitude em quadra neste torneio. Não antes. Apenas neste torneio. Eu era uma jogadora diferente no meu último torneio. Eu posso mudar assim, mas também posso mudar na direção oposta (risos). Agora eu entendo o que é administrar as emoções, não mostrá-las o tempo todo e estar sempre motivada”.

“Você sabe qual é a diferença? Agora você está nos profissionais e você começa a ganhar dinheiro e é diferente porque você está jogando e é como se você estivesse trabalhando. Você está trabalhando duro, você dá energia, mas depois disso recebe o dinheiro. Vale a pena. Eu teria perdido minhas três partidas do quali se eu me comportasse como na semana passada”.

“Eu poderia estar ganhando por 5/0 e 40-0 se eu errasse uma bola e eu jogaria minha raquete no chão e ficaria irritada. ‘Como eu pude errar essa bola?’ Eu era perfeccionista. Na escola, tudo tinha que ser bom, minhas notas tinham que ser boas. Na ginástica [esporte que também já praticou], tudo tinha que ser bom. Eu ficava sempre estressado e as pessoas ao meu redor apenas diziam: ‘Marta, aproveite'”.

Kostyuk mudou a mentalidade como tenista depois de se tornar profissional (Foto: Elizabeth Bai/Tennis Australia)

Kostyuk mudou a mentalidade como tenista depois de se tornar profissional (Foto: Elizabeth Bai/Tennis Australia)

Apesar da pouca idade e de estar apenas começando sua trajetória no circuito profissional, Kostyuk mostra uma mentalidade diferente no planejamento de sua carreira a longo prazo e na maneira como estabelece suas metas. “Eu ouço muitos jogadores dizerem que o ‘tênis é tudo para mim’, ‘o tênis é a minha vida’. Eu não quero assumir isso, porque se eu perder ou algo acontecer, isso destruiria minha vida. Quando terminar minha carreira, quero também ser boa em outras coisas, não só no tênis”.

“Conheço muitos jogadores que se aposentam e depois voltam porque dizem que não têm nada o que fazer fora do tênis. Eu não quero ser uma pessoa assim e é por isso que eu não tenho tênis tão perto de mim”, explica a ucraniana, que treina em Zagreb, na Croácia, e tem a carreira agenciada por Ivan Ljubicic.

“Eu nunca determino um super objetivo. Penso naquilo que é real. Quando eu alcanço, então eu traço outro objetivo. Eu não digo que vou ser a número 1 no final do ano, porque se eu não conseguir, alguma parte de mim nunca mais será a mesma”, comentou a jogadora, que irá saltar mais de duzentas posições no ranking da WTA depois do Grand Slam australiano, saindo do atual 521º lugar para uma posição entre as 250 melhores.

Durante a entrevista coletiva, na sala de imprensa do Melbourne Park, a ucraniana expôs um pouco mais sobre a mudança de sua relação com o tênis, já que em algumas falas anteriores ela dava a entender que não gostava tanto do esporte. “Não é como se eu não gostasse. Na verdade, eu disse que não estava aproveitando. Eu gostava de tênis e continuo amando, mas sempre queria vencer, não importa o que. Se eu perdesse, era uma tragédia e aí eu não queria mais jogar. Agora estou finalmente começando a aproveitar”.

A ideia de não se cobrar tanto também a ajuda a lidar com uma limitação de regulamento imposta pela WTA. “Como tem menos de dezesseis anos, ela só pode disputar doze torneios profissionais durante um ano. No ano passado, eu estava jogando muitos torneios juvenis e queria encerrar esse ciclo. Então, meu primeiro torneio foi há duas semanas em Brisbane foi e depois deste, ainda tenho 10 torneios, o que está bom. Mas desde o meu próximo aniversário até o ano seguinte, serão 16 torneios. Poderia jogar 16 torneios em um ano, enquanto as pessoas estão jogando 20″.

Atual campeã juvenil em Melbourne, a ucraniana já encerrou seu ciclo nas competições de base (Foto: Corinne Dubreuil/ITF)

Atual campeã juvenil em Melbourne, a ucraniana já encerrou seu ciclo nas competições de base (Foto: Corinne Dubreuil/ITF)

Rosto conhecido: Já falamos da Kostyuk aqui no blog em duas oportunidades. A primeira foi há pouco menos de um ano, quando ela conquistou o título juvenil do Australian Open aos 14 anos e sete meses, ficando muito próxima se tornar a mais jovem campeã da história do torneio. Na ocasião, também foi destacado o histórico respeitável da ucraniana em competições de base, especialmente na categoria até 14 anos.

Já em outubro, quando foi campeã da terceira edição do ITF Junior Masters, na cidade chinesa de Chengdu, foi comentado sobre seu estilo de jogo agressivo e condizente com a atual elite do circuito feminino. A ucraniana imprime muita potência nos golpes dos dois lados, mas também tem recursos para improvisação. Seu passado na ginástica também rendeu um incomum estilo de comemoração, dando um mortal para trás após o título. Já naquela ocasião, ela sinalizava que aquele teria sido seu último torneio como juvenil.