Arquivo da tag: Stan Wawrinka

Muitas dúvidas
Por José Nilton Dalcim
13 de dezembro de 2017 às 16:20

Dias atrás, Roger Federer garantiu esperar um 2018 extremamente duro e concorrido com a volta de vários dos grandes nomes do tênis que tiveram sérios problemas físicos e se afastaram ao longo do segundo semestre. Apesar do otimismo do suíço, a verdade é que sobram dúvidas.

Algumas das mais ansiosas perguntas podem começar a ser respondidas ainda neste ano. Dentro de 15 dias, Stan Wawrinka faz seu primeiro jogo na exibição de Abu Dhabi diante de Pablo Carreño, mesmo dia que marcará a volta do também contundido Milos Raonic frente Dominic Thiem.

A sexta-feira será mais importante. Novak Djokovic fará seu primeiro jogo desde Wimbledon diante de Raonic ou Thiem e o número 1 Rafa Nadal terá a chance de mostrar que está recuperado do joelho diante de Stan ou Carreño. Mesmo que percam, Nole e Nadal voltarão à quadra no sábado para disputar o terceiro lugar. Mas não é nada difícil que ambos disputem o título, um teste bem mais valioso.

Logo em seguida, na segunda-feira, Nadal vai para Brisbane e Djokovic, para Doha. Mais cauteloso, Wawrinka não programou nada até o Australian Open.

Brisbane merece toda a atenção, porque ali acontecerão os retornos de Andy Murray e Kei Nishikori. O grupo é fortíssimo. Além de Nadal e Raonic, estão inscritos Grigor Dimitrov e Nick Kyrgios. Ao mesmo tempo, Thiem e Carreño são os principais concorrentes de Djokovic, atual campeão de Doha, que terá ainda as presenças de Jo-Wilfried Tsonga e Tomas Berdych.

Mesmo sem ter dado muito detalhes de sua recuperação, Djokovic treina em Monte Carlo, contratou Radek Stepanek como técnico para acompanhá-lo nos torneios e chamou o analista de desempenho Craig O’Shannessy para participar da pré-temporada e do Australian Open. Sinais positivos.

Sobre Murray recaem maiores incógnitas, principalmente depois da tentativa frustrada de tentar jogar o US Open. O escocês decidiu evitar a cirurgia no quadril e, segundo a mãe, cumpre a cronologia de recuperação. Liberou Ivan Lendl e ficou com Jamie Delgado, que foi reticente na semana passada sobre a volta do pupilo em janeiro.

Wawrinka é outro que não disputa jogos desde Wimbledon e optou por operar o joelho em agosto. O suíço luta eternamente contra a balança e admitiu que a saída repentina do técnico Magnus Norman foi um choque para ele. De qualquer forma, divulgou um calendário repleto até Monte Carlo.

Nishikori por sua vez segue o mesmo caminho de Murray. Não quis operar o punho direito e corre contra o tempo num tratamento longo. Embora esteja inscrito em Brisbane, seu empresário mostrou certo pessimismo e preferiu não garantir sua presença em Brisbane, embora diga que ele estará no Australian Open. De todos os grandes nomes contundidos, o japonês é quem mais desabou no ranking. Enquanto Stan se manteve no top 10, Djoko caiu para 12º e Murray ainda está no 16º, ele deixou o top 20.

Brincando de ranking: acerte os top 10
Por José Nilton Dalcim
2 de outubro de 2017 às 10:53

overgripO ranking da ATP vive um momento curioso. Voltou a ser liderado pelos heróis de uma década atrás, tem um novato forte candidato ao top 3 e uma grande chance de renovar drasticamente a lista dos 10 mais bem classificados com a pontuação decadente de Andy Murray, Novak Djokovic e Stan Wawrinka.

Então achei interessante lançar um Desafio, dividido em três partes. Quem chegar mais perto, ganha um ótimo prêmio: pacote com 12 overgrip Pro Sensation da Wilson.

Vamos então às três perguntas

1. Quem será o número 1 ao final de 2017?
Nadal ou Federer
Só vai para a segunda fase, quem acertar a resposta desta pergunta.

2. Quem serão os outros top 5 ao final de 2017?
Exemplo:
Alexander Zverev
Dominic Thiem
Marin Cilic
Só vai para a terceira fase, quem acertar pelo menos dois nomes desta pergunta. Cada nome certo vale 10 pontos.

Quem serão os outros top 10 ao final de 2017?
Exemplo:
Grigor Dimitrov
Stan Wawrinka
Pablo Carreño
Sam Querrey
Kevin Anderson
Cada resposta certa vale 20 pontos.

Em caso de empate na pontuação geral, leva aquele que fizer mais pontos na pergunta 3. Se persistir o empate, vence quem postou primeiro entre os empatados.

Vai dar trabalho conferir, daí peço que vocês sigam o modelo acima.

Quem topa o Desafio?

Votação aberta até o final do segundo dia do Masters de Xangai.

Mesmo esvaziado, US Open espera façanhas
Por José Nilton Dalcim
27 de agosto de 2017 às 21:44

Andy Murray mexeu com o US Open antes mesmo de ser dado o primeiro saque. Cerca de 24 horas depois de sorteada a chave, o campeão de 2012 anunciou que não se sentia em condições de lutar pelo título e, sem isso, não faria sentido competir. De um lado, ficou certa frustração porque vimos Rafael Nadal e Roger Federer serem colocados no mesmo lado superior da chave. Mas, lá no fundo, não faz grande diferença, já que ninguém realmente imaginou que o britânico pudesse ser candidato sequer às semifinais.

A última vez que o circuito masculino viu um Grand Slam sem Murray, Novak Djokovic e Stan Wawrinka foi no US Open de 2004, quando nenhum deles tinha ainda currículo expressivo, Federer iniciava seu domínio e Nadal não passava de uma promessa. Faz muito tempo. São cinco dos 11 mais bem colocados do ranking de fora. E dos seis restantes ainda há dúvidas sobre Federer e Marin Cilic, que não joga desde a final de Wimbledon.

Segundo mais antigo torneio do tênis, o US Open é o único Grand Slam que tem sido disputado sem interrupção desde seu início. Por isso, realizará a 137ª edição geral e a 50ª da Era Profissional. Vejamos alguns detalhes que apimentarão Big Apple:

– Com a saída de Murray, a liderança do ranking masculino estará entre Nadal e Federer, mas a briga só começará se o suíço atingir pelo menos as quartas de final.
– No feminino, oito lutam pelo número 1, mas quatro só têm chance se conquistarem o título. Halep e Muguruza possuem as melhores chances, já que Pliskova defende o vice e Svitolina precisa no mínimo de semi.
– Ao entrar em quadra nesta terça-feira, Federer se tornará o tenista com mais Slam disputados em todos os tempos, com 71. No feminino, Venus amplia seu recorde absoluto para 76.
– A derrota mesmo na primeira rodada renderá incríveis US$ 50 mil ao tenista. Os campeões faturarão o recorde de US$ 3,7 milhões.
– Último tenista a ganhar nos EUA sem perder sets foi Neale Frases, em 1960.
– O estádio Arthur Ashe completa 20 anos. Federer é o recordista de jogos (74), de vitórias (66) e de vitórias noturnas (31-1).
– Nadal não ganha um título na quadra dura desde Doha em 2014. Desde então, foram 34 torneios e oito finais disputadas.
– Feli López atingirá 63 Slam consecutivos e ficará a dois de igualar Federer.
– Se vencer na estreia, Federer igualará Agassi com 79 vitórias em Nova York e ficará atrás somente das 98 de Connors.
– Nadal tem 219 triunfos em Grand Slam e pode superar Lendl (222) e Agassi (224) ao longo do US Open para se isolar no quarto lugar.
– Patrick Kypson, aos 17, é o mais jovem participante. Ivo Karlovic, aos 38, o mais velho.