Arquivo da tag: Kei Nishikori

Bendita Bia
Por José Nilton Dalcim
28 de fevereiro de 2019 às 01:00

Numa fase tão negativa do tênis brasileiro, Bia Haddad Maia continua sendo a nossa maior alegria. Dona de um potencial inegável que apenas os problemas físicos conseguiram arrefecer, a canhota de 1,84m e 22 anos marcou nesta quarta-feira o maior resultado individual do tênis feminino nacional dos últimos 30 anos.

Deu tudo certo para Bia. Furou um qualificatório difícil no fim de semana de calor extremo em Acapulco, aí pegou outra qualificada na estreia e, muito adaptada ao piso veloz e ao clima severo, jogou de forma eficiente e inteligente diante da norte-americana Sloane Stephens, nada menos que número 4 do ranking que pisava sua superfície predileta, a mesma que lhe deu o troféu do US Open de 2017.

A brasileira usou muito bem suas armas de canhota, não se precipitou nem mesmo quando saiu perdendo o saque na partida. Ao contrário, entendeu que precisava alimentar Sloane de erros e soube agredir nos momentos certos. Fez um segundo set irretocável no plano técnico e tático, sem jamais dar espaço ou esperanças à gabaritada adversária.

Foi o primeiro triunfo sobre uma top 10 de Bia, que havia perdido nas seis tentativas anteriores. O último a obter vitória individual sobre tops 5 havia sido Thomaz Bellucci, que tirou Andy Murray, então quarto colocado, na mágica campanha sobre o saibro de Madri de 2011 e há dois anos eliminou Kei Nishikori, 5º, no Rio Open. Porém, mais distante ainda estão os feitos de Dadá Vieira, última tenista nacional a derrotar uma top10 (Conchita Martinez) e uma top 5 (Helena Sukova), ambos em 1989.

É bem provável que Bia se reaproxime das 150 primeiras do ranking com a campanha já feita até aqui, mas ela certamente pertence a um grupo de nível muito mais elevado. Não à toa, já tem um vice de WTA e chegou a 58ª. Com confiança em alta e um segundo semestre inteiro sem pontos a defender em 2019, pode-se esperar ascensão contínua.

O desafio das quartas é diante da chinesa Yafan Wang, 65ª do mundo, que jogou apenas cinco games antes de Monica Puig desistir. Wang é parceira de Laura Pigossi nas quartas de final de duplas. Se passar, Bia enfrentará Donna Vekic ou Johanna Konta e quem sabe decidir contra Vika Azarenka.

– Brasil Open ficou sem brasileiros em simples, mas Thiago Wild teve uma vitória importante na primeira rodada e mostrou novamente qualidade com seus golpes. Claro que precisa de rodagem e o correto é não colocar pressão. O ponto negativo foi a conduta na primeira coletiva. Não ajuda nada se desentender com os jornalistas e alguém precisa dizer isso a ele. Talento nato, Felix Auger-Aliassime voltou a derrotar Pablo Cuevas, com grande terceiro set.

– Roger Federer teve novamente momentos instáveis, mas fez um belíssimo terceiro set diante de Fernando Verdasco, num dia em que o cabeça 1 Kei Nishikori e o atual campeão Roberto Bautista deram adeus. Está ficando cada vez melhor para o suíço. Boa chance de uma semi entre Stefanos Tsitsipas e Gael Monfils.

– E Nadal perdeu três match-points, um deles com o saque, num duelo de 3h03 contra Nick Kyrgios. O australiano pode ter dezenas de defeitos, mas é um tenista espetacular. Fez coisas incríveis o tempo todo, mesclando agressividade e criatividade. Pena para Rafa, que jogou muito melhor do que na estreia e talvez só tenha pecado mesmo pela falta de iniciativa no primeiro tiebreak.

Presente para Djoko, façanha de Pliskova
Por José Nilton Dalcim
23 de janeiro de 2019 às 13:44

Infelizmente, o prognóstico se confirmou. Com 18 sets disputados, duas viradas de 0-2 e uma maratona de cinco horas no jogo anterior, o frágil físico de Kei Nishikori não aguentou mais do que 52 minutos e 12 games diante do tênis robusto de Novak Djokovic.

Na verdade, o japonês se arrastou em quadra desde o terceiro game. Sempre inteligente, Nole chegou a recuar dois passos atrás da linha para entrar em todos os pontos e voltar o máximo de bolas para o outro lado. Não precisava muito mais do que uma troca de direção.

Lá no fundo, Djokovic não deve ter lamentado tanto assim a falta de competitividade, porque pôde recuperar todo o fôlego eventualmente perdido diante de Daniil Medvedev e entrará com armas afiadas diante de (quem diria) Lucas Pouille, duelo inédito no circuito.

O pupilo de Amélie Mauresmo foi muito feliz nas devoluções diante de Milos Raonic, com 31% de pontos no poderoso saque do canadense, ao mesmo tempo que explorou a conhecida deficiência do adversário como receptor. Raonic, claro, vacilou feio quando teve a chance de fechar o primeiro set e isso encheu Pouille de confiança. Apesar de sua primeira semi de Slam, vale lembrar que o francês já foi top 10 no ano passado.

O grande jogo do dia, outra vez, foi das mulheres. É recomendável no entanto dividir o duelo entre Karolina Pliskova e Serena Williams em três pedaços distintos. Com golpes muito consistentes e excelente movimentação, a tcheca dominou até ter 3/2 e saque no segundo set. Serena vinha errando muito, mas enfim achou o ritmo e anotou uma reação incrível, chegando a 5/1 com match-point. Aconteceu então a leve torção de pé, que talvez tenha tirado a concentração da norte-americana, e Pliskova voltou a jogar um grande tênis para anotar uma virada quase impensável.

Duas coisas essenciais. A primeira é que Serena não usou a torção como desculpa em qualquer momento, enchendo a adversária de elogios. A outra é que a tcheca vem trabalhando muito contra o problema do foco, tendo perdido incríveis chances na carreira, como o 4/2 sobre a mesma Serena no US Open ou o 3/0 em cima de Simona Halep no AusOpen no ano passado.

Sai um finalista
A manhã desta quinta-feira conhecerá o primeiro candidato ao título, e aí podemos ter o experiente Rafael Nadal, que completa 10 anos de sua única conquista em Melbourne, período em que colecionou três vices, ou a grande sensação Stefanos Tsitsipas, candidato a ser tornar o terceiro e também o mais jovem tenista a derrotar Nadal e Roger Federer num mesmo Grand Slam (os outros foram Del Potro e Djokovic).

Impossível não dar favoritismo a Nadal. Não bastassem a diferença gritante de currículo e os 2 a 0 nos confrontos, ele ainda mostrou até aqui em Melbourne um tênis agressivo e eficiente, nenhum problema físico e desgaste muito menor que o do grego (foram 5 horas a menos de quadra). A seu favor também o fato de Stef usar o backhand de uma mão. Mas o grego tem sim armas para incomodar, desde o ótimo saque até o jogo de rede bem tramado, assim como golpes bem sólidos da base. Mais importante, mostrou cabeça no lugar em todos os momentos delicados.

Curiosa estatística da Federação Internacional, Nadal e Tsitsipas estão distantes entre si por 12 anos e 70 dias, o que é a nona maior diferença da Era Profissional para uma semi de Slam. O recorde está também na Austrália, quando Mark Edmondson ganhou de Ken Rosewall em 1976, então 19 anos e 238 dias distantes.

Caso obtenha a façanha, o grego será o mais jovem finalista de um Slam desde Djokovic no US Open de 2007 e do Australian Open desde Carlos Moyá, hoje treinador de Rafa, em 1997. A vitória também valerá o nono lugar do ranking.

A 9ª campeã diferente?
Com a incrível queda de Serena, o tênis feminino tem agora 75% de chance de ver a nona diferente campeã de Slam na sequência, já que Petra Kvitova não vence desde 2014, Pliskova e Danielle Colliins ainda não têm troféus.

Os jogos acontecem na próxima madrugada e são bem interessantes. Kvitova está jogando o melhor tênis entre todas, mas enfrentará a surpreendente Collins, revivendo duelo de dias atrás na estreia de Brisbane em que a canhota venceu após perder o 1º set. Vindo da espetacular e emocionante virada, Pliskova tenta derrubar outra campeã de Slam, a jovem e ousada Naomi Osaka, tendo pequena vantagem de 2 a 1 nos confrontos diretos.

A luta pelo número 1 também segue entre três das quatro postulantes, mas Kvitova e Pliskova precisam do título.

Bruno ainda tenta
A campanha vinha aos trancos e barrancos, e aí um dia pouco inspirado de Jamie Murray determinou a queda para os fortíssimos Henri Kontinen e John Peers nas quartas de final.
Mas Bruno ainda tem boa chance de alcançar mais um troféu em Melbourne, já que disputará a semi de mistas com a confiável parceira Nicole Melichar.

Quem vai parar Nadal?
Por José Nilton Dalcim
22 de janeiro de 2019 às 12:44

O novo Rafael Nadal jogou um tênis exuberante até agora no Australian Open. Sua tradicional competência nos contraataques e a determinação física se aliaram a um saque mais veloz, que não apenas decide pontos rapidamente a seu favor mas lhe permite jogar de forma bem agressiva, encurtando pontos e enfatizando sua incrível habilidade em trocar direções com bola na subida.

É bem verdade que o espanhol ainda não enfrentou um adversário verdadeiramente ofensivo em seus cinco jogos até aqui, e sempre foi muito difícil alguém derrotá-lo só com um jogo sólido de fundo de quadra, mesmo no piso sintético.

Por isso mesmo, o duelo de sexta-feira contra Stefanos Tsitsipas gera ótima expectativa. O grego de 20 anos joga no risco, usa muito bem o saque, faz excelente transição para a rede e, acima de tudo, tem dominado os nervos e a ansiedade. Depois do emocionante duelo contra o ídolo Roger Federer, achou soluções na vitória diante das bolas retas de Roberto Bautista.

Claro que encarar a força mental, o spin e o novo saque de Nadal são outros 500. Um dos aspectos mais interessantes de seu serviço agora é a dificuldade na leitura, sem falar no efeito de canhoto. O espanhol também devolve muito mais atrás, tentando entrar no ponto com um spin alto e profundo. Se for para as trocas de bola, Tsitsipas sabe que terá de correr muito para os lados e sustentar um golpe venenoso no seu backhand, o que o obrigará a engolir a frustração. É um desafio gigantesco.

Ao menos, Stef já teve essa experiência por duas vezes em pisos mais lentos que Melbourne, o que é um handicap que Frances Tiafoe não tinha. E aí o norte-americano foi sufocado, sequer conseguiu soltar seu poderoso forehand já que a bola constantemente saia de sua linha de cintura. Só não levou surra maior porque conseguiu sacar pesado em boa parte do tempo.

Destaque por fim aos 68 winners de Tsitsipas no gostoso duelo diante de Bautista, sendo 22 deles aces. O grego no entanto terminou com 57% de acerto do primeiro saque, 10% a menos do que fez contra Federer, e isso não me parece o bastante contra Nadal. Mas tem mantido uma média bem aceitável de erros não forçados – na faixa dos 36 em quatro sets -, o que ajuda na confiança.

 A volta de Kvitova
O feminino também já conhece sua primeira semifinal, e se prepara para um duelo de força bruta entre a canhota Petra Kvitova e a surpreendente Danielle Collins. A experiente tcheca não perdeu sets no torneio, mostrou toda sua cabeça forte diante do tênis variado e do apoio da torcida que Ash Barty possuía.

Embora por vezes tenha dias tenebrosos, Kvitova é uma jogadora de muitos recursos. Ficou obviamente emocionada por voltar a uma campanha tão nobre depois da facada que levou em 2016 e que quase acabou com sua carreira. Até hoje, não recuperou sensibilidade total na mágica mão esquerda. Fará sua sexta semi de Slam e já superou Simona Halep no ranking, embora ainda tenha concorrência na luta para recuperar o número 1.

Collins é no entanto um perigo real. A norte-americana de 25 anos e 35ª do mundo, que saiu do circuito universitário e nunca havia vencido uma partida de Slam até 10 dias atrás, levou Kvitova a três sets na primeira rodada de Brisbane semanas atrás. Seu estilo é típico das quadras duras: saca bem, bate forte, é muito feliz nas devoluções de primeiro saque e não pensa duas vezes para tentar um winner. Diante de Anastasia Pavyuchenkova, foram 38.

A quarta-feira
– Desde a inesperada vitória na semi do US Open de 2014, Nishikori nunca mais ganhou de Djokovic, com 13 derrotas consecutivas e placar geral de 15-2.
– Japonês soma 4h a mais de esforço em seus quatro jogos, sendo três que foram ao 5º set e duas viradas de 0-2. Sérvio cedeu apenas 2 sets.
– Djokovic busca 34ª semi de Slam, o que o deixaria 9 atrás do recordista Federer e quatro acima do já classificado Nadal.
– O único japonês a fazer semi no torneio foi Jiro Satoh, em 1932. Nishikori tem três na carreira, mas todas no US Open.
– Raonic nunca perdeu set para Pouille em três confrontos, dois deles na quadra dura e outro na grama.
– Canadense faz campanha notável, com vitórias sobre Kyrgios, Wawrinka e Zverev, enquanto maior feito do francês foi tirar Coric.
– Esta pode ser a quarta semi de Slam de Raonic e a segunda na Austráia (2016, a outra). Pouille, que nunca havia vencido jogos em Melbourne, soma quartas em Wimbledon e US Open de 2016.
– Nishikori já garantiu o 7º lugar do ranking, Raonic será 13º se vencer e Pouille recuperou o 24º.
– Svitolina ganhou três dos cinco confrontos diante de Osaka, incluindo os dois do ano passado. Quem vencer continua na luta pelo número 1, ao lado de Kvitova.
– Serena cruzou apenas três vezes com Pliskova, com 2 a 1 e vitória no US Open do ano passado.
– Ucraniana tem quarta chance de fazer primeira semi de Slam e Osaka busca segunda consecutiva.
– Pliskova tem estado nas quartas de Melbourne nos três últimos anos e ainda sonha com seu primeiro troféu de Slam.
– Serena chegou ao menos na semi em 12 de seus últimos 13 Slam, com 6 títulos e 3 vices.