Arquivo da tag: ATP

Decisão do calendário 2019 é adiada
Por José Nilton Dalcim
4 de dezembro de 2017 às 18:50

A reunião entre ATP, dirigente de torneios e representante dos jogadores, que aconteceu durante o Finals de Londres, no meio de novembro, não deu em nada.

A entidade apresentou uma proposta de mudanças e adaptações no calendário para 2019, quando se esperam modificações importantes, mas os promotores não gostaram das sugestões, que consideraram ‘quadradas’, se recusaram a colocar em votação e uma nova rodada de estudos e negociação deve acontecer agora no Australian Open.

Segundo um dirigente brasileiro presente no encontro, a maior queixa foi da falta de detalhes por parte da ATP na proposta apresentada. Sabe-se que há muita gente pleiteando mudanças, seja de datas ou de piso, como é o caso do Rio Open e de Buenos Aires, que fazem parte da perna sul-americana do saibro e querem a quadra dura para tentar atrair nomes de maior peso para seus torneios.

A reunião também ratificou a ideia, já divulgada na imprensa italiana, que é fazer com que os torneios conjuntos de ATP e WTA em Madri e em Roma adotem o mesmo formato de Indian Wells e Miami, ou seja, sejam disputados ao longo de 10 dias. Isso no entanto causará um aperto ainda maior no calendário do saibro europeu. Vale lembrar que recentemente foi acrescentada uma semana na temporada de grama, o que forçou Wimbledon a começar uma semana mais tarde.

A possibilidade de um novo calendário para 2019 está aberta porque terminará o prazo de 10 anos desde a última reforma, corrida em 2008 para a temporada seguinte. Com isso, os descontentes correram à porta da ATP na intenção de puxar a sardinha para seu lado. O diretor do Masters 1000 de Paris, Guy Forget, declarou há poucos dias que gostaria de mudar o evento para fevereiro e assim fugir da proximidade com o Finals, o que geralmente enfraquece o torneio de Bercy.

Torneios de base despencam no Brasil
Por José Nilton Dalcim
4 de outubro de 2017 às 23:19

Considerados o degrau mais importante na transição entre a carreira juvenil e o universo profissional, os torneios ‘futures’ praticamente desapareceram do calendário brasileiro nas três últimas temporadas.
O auge da crise para os meninos veio justamente em 2017, quando apenas três campeonatos dessa categoria serão realizados e todos agora em novembro. Isso quer dizer que não houve um único future masculino no país desde julho do ano passado. Os três previstos acontecerão em Santos, São Paulo e São Carlos, todos com a premiação mínima exigida que é agora de US$ 15 mil.

Este é o pior calendário de torneios de base para os homens desde que Gustavo Kuerten virou número 1 do mundo. Apenas cinco foram promovidos em 2002, mas a partir de 2006 veio um crescimento vertiginoso, principalmente porque a Confederação decidiu investir pesado, ajudando os promotores com arbitragem e bolas. Assim, houve 38 em 2009, 33 na temporada seguinte, o recorde de 37 em 2011.

Daí em diante, a queda foi gradativa. Em 2014, com a retirada dos subsídios da CBT, o calendário de futures masculinos caiu para 13, depois 9 em 2015 e 4 no ano passado, com o agravamento da crise econômica. A consequência imediata é que os pre-profissionais brasileiros tiveram de ir para o Exterior em busca de experiência e pontos, o que certamente limitou a aventura da maciça maioria.

O resultado é visível no ranking de simples da ATP. Na lista desta semana, estão classificados 61 brasileiros, mas apenas 11 deles entre os top 500. Seis anos antes, quando tivemos o maior calendário de futures, eram 89 pontuados e 25 deles entre os 500 primeiros.

Embora numericamente menos abastado, o tênis feminino ao menos tem mantido um padrão. Neste ano, foram nove torneios de base promovidos, dois deles de US$ 25 mil, um pouco inferior aos 11 do ano passado, sendo seis deles de US$ 25 mil. Novamente, o ano de 2011 foi o mais rico, com 20 ITFs promovidos, apenas um a mais do que em 2010. Fica muito claro perceber também a diferença: nesta semana, são 17 meninas brasileiras no ranking de simples contra 30 de seis anos atrás.

Não por acaso, Thiago Monteiro e Bia Haddad Maia subiram os degraus a partir dos futures e ambos começaram aos 14 anos. O cearense foi ganhar o primeiro título justamente num dos últimos torneios de 2011 e disputou nove futures aqui para saltar 300 posições no ano seguinte. Bia também faturou seu primeiro ITF em Goiânia há seis anos.

Qual a solução? A curto prazo, parece difícil. Torneios futures sofrem para conseguir pagar as despesas, que necessariamente já começam perto dos R$ 50 mil. Mesmo dando o mínimo de estrutura regulamentar, a conta beira os R$ 70 mil. E como o Brasil permanece em crise econômica, não está fácil arrumar patrocinadores. Vamos lembrar que são eventos pequenos, com raros tenistas conhecidos e portanto muito pouca mídia. Acredito que a principal solução seja a criatividade, buscar fórmulas atrativas de envolvimento do investidor, o que pode incluir clínicas, torneios amadores ou ações sociais paralelas.

Para complicar ainda mais, existe a regra internacional da ITF que exige a disputa de ao menos dois torneios próximos em semanas consecutivas para autorizar uma data. Claro que a CBT poderia voltar a dar algum apoio como fazia antes, principalmente com relação à arbitragem, já que bola não é o fim do mundo. Um bom caminho é negociar melhor valores com as equipes de arbitragem. Afinal, se o calendário crescer, todo mundo sai ganhando.

Como sempre insisto, é só com união das várias partes que o tênis começará a sair do buraco. Outra vez.

Futures no Brasil (masculino)
2017 – 4 previstos e 1 cancelado
2016 – 7 previstos e 3 cancelados
2015 – 9
2014 – 16 (3 cancelados)
2013 – 21 (3)
2012 – 36 (8)
2011 – 44 (7)
2010 – 38 (5)
2009 – 39 (1)
2008 – 35
2007 – 25
2006 – 22
2005 – 11
2004 – 14
2003 – 6
2002 – 5
2001 – 10
2000 – 2

ITFs no Brasil (feminino)
2017 – 10 (1 cancelado)
2016 – 11
2015 –  8 (1)
2014 –  8
2013 – 16 (1)
2012 – 14 (1)
2011 – 25 (5)
2010 – 21 (2)
2009 –  8
2008 – 10
2007 – 16
2006 –  3
2005 –  5
2004 –  5
2003 –  3
2002 –  3
2001 –  6
2000 –  2

ATP acaba com o Challenger Finals
Por José Nilton Dalcim
14 de julho de 2016 às 20:13

O tênis brasileiro perdeu mais um torneio de peso. Depois de ficar sem os dois WTA num espaço tão curto de tempo, agora também deixará de promover o Challenger Finals, aquele torneio de novembro que reunia os mais bem classificados em torneios de nível challenger com distribuição de valiosos pontos e nada desprezíveis US$ 220 mil.

Criado para ser disputado no Brasil num acordo entre a promotora Koch Tavares e a ATP, o Challenger Finals foi disputado em 2011 e 2012 no ginásio do Ibirapuera, mas rapidamente ficou claro que o local era grande demais para o tamanho do evento e só mesmo a presença de Thomaz Bellucci como convidado salvou a bilheteria.

Em 2013, a ATP autorizou a mudança para saibro descoberto e o Finals foi para a bonita Sociedade Harmonia. Por fim, nos dois últimos anos, acabou na acanhada quadra coberta do clube Pinheiros. Pior ainda. Só foi confirmado na última hora em 2015 e ainda assim porque a ATP ajudou a Koch com metade da premiação.

O fato é que a ideia parecia boa, porém a própria ATP jamais deu a devida importância, já que sempre viu a série challenger como um subproduto. Não exigia a presença dos principais classificados e, pela distância da Europa e por encerrar o calendário puxado, assistíamos a um mar de desistências. Nem assim os brasileiros aproveitaram a chance, a ponto de apenas Guilherme Clezar ter feito uma final.

O mais lastimável ainda é que Thiago Monteiro e muito provavelmente Rogerinho Silva tinham grande chance de se classificar entre os oito participantes neste ano.

Fim de semana de Copa Davis
Com grande chance de vitória e de voltar à repescagem, não há como imaginar que o Brasil tenha qualquer dificuldade contra o Equador sobre piso duro coberto em Belo Horizonte. Ficarei surpreso se o confronto não terminar logo no terceiro ponto, na dupla do sábado. Não deveríamos aliás perder set.

Assim, o Brasil precisa ficar de olho nos outros zonais, já que daí saem possíveis adversários. Olhando o ranking, vai ser muito difícil sermos cabeça de chave na repescagem. Espanha é o único grande em quadra com favoritismo sobre romenos, Rússia e Ucrânia devem confirmar vantagem de jogar em casa. Hungria e Eslováquia jogam com times fracos e bem que poderiam ser nossos oponentes de setembro, ainda mais aqui no saibro. Da Ásia, podem sair Índia e Uzbequistão, enquanto Chile recebe a Colômbia.

Pelo Grupo Mundial, sem Novak Djokovic, a Sérvia escolheu acertadamente o saibro descoberto e não terá o campeão de Wimbledon pela frente, que foi poupado e só viajou para ajudar o time. Também interessante é Itália x Argentina no saibro e tchecos x franceses na quadra dura, mas sem Tomas Berdych. Os EUA completos são favoritos contra a visitante Croácia.