Máquina mortífera
Por José Nilton Dalcim
27 de janeiro de 2019 às 13:18

Novak Djokovic esmurrou a bolinha, deu um show de apuro tático, dominou direções e efeitos como se tênis fosse jogo de amarelinha. Demoliu o número 2 do mundo Rafael Nadal, que vinha na ponta dos cascos sem set perdido, com monumental volume e precisão de golpes. Nada nem parecido com a dura disputa que haviam protagonizado seis meses atrás em Wimbledon.

Duas coisas me chamaram especialmente a atenção nesse duelo inesperadamente desigual de dois jogadores que vinham se mostrando competitivos, confiantes e em ótima forma física.

A primeira é que Djokovic fez com Nadal exatamente o que havia feito diante de Lucas Pouille, e há anos-luz entre os dois adversários. Foi sempre para a bola, trabalhou cada ponto com esmero, colocou o forehand da base num patamar muito parecido com o do backhand. Na semi, cometeu 5 erros não forçados; na final, apenas nove.

A outra, não menos relevante, foi a forma com que Nadal desabou mentalmente, o que todos sabemos é um de seus pontos mais fortes. Em nenhum momento demonstrou se sentir à vontade em quadra, apressou-se demasiado em pontos importantes o que custou erros incomuns, não buscou soluções táticas e ficou quase sempre à mercê do sérvio, correndo e se defendendo. Enquanto Djokovic entrou com a intensidade lá em cima, Rafa pareceu ter dificuldade em controlar nervos, ansiedade e frustração.

O novo saque de Nadal até funcionou e o tirou de buracos, mas não bastou diante da velha devolução de Nole, a ponto de ganhar apenas 51% desses pontos, o que é absurdamente baixo. Sofreu cinco quebras, mesmo tendo sacado à média de 185 km/h (quase idêntica aos 186 do sérvio) e terminado a partida com bons 64% de acerto do primeiro serviço. O motivo? Acima de tudo a falta de iniciativa, o que sobrou para Djokovic. Notem como ele esperou sempre o saque de Rafa grudado na linha, até porque é a forma mais eficiente de proteger o saque aberto de canhoto.

Por fim, é assombroso como o sérvio ataca sem medo nem dúvida o temido forehand de Nadal, algo que nenhum outro adversário se atreve. Leva é verdade um ou outro contragolpe mortal, mas no conjunto da obra vale a pena. Isso tem muito a ver com a distância sempre grande com que o espanhol fica da linha de base, mas também porque ainda existe menor discrepância entre o forehand-backhand de Nole para os golpes de base do espanhol.

Djokovic reafirma seu domínio em Melbourne, tal qual Rafa tem em Paris e Roger Federer, em Wimbledon. Nada mais que justo. Também se separa de Pete Sampras para confirmar o trio como o maior da história, e passa a ameaçar Nadal na tabela de títulos de Grand Slam: 15 contra 17, mirando os 20 do suíço. Tudo parece possível neste momento em que Nole sobra da turma e Rafa, afinal de contas, retornou muito bem e mais eclético de sua nova parada por contusão.

Parecia difícil, mas é inegável que Djokovic conseguiu colocar o tênis masculino num patamar ainda mais elevado e isso, tomara, servirá de motivação e desafio para todo mundo.


Comentários
  1. Adriano Souza

    Lógica das federetes: O Federer ganha do Alexander, ganha do Dominic, ganha do Poulie, então chega e perde pro Djokovic
    e perdeu por causa da idade. Essa é a lógica das federetes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  2. Luiz Henrique

    Dalcim, interessante notar que o Nadal perdeu duas finais do AO, para federer e djokovic, sendo ambas no quinto set, e com uma quebra de vantagem sobre os dois, fato interessante, sendo ele tido como o rei do mental.

    Responder
  3. José Eduardo Pessanha

    Não vou botar o Dalcim nessa sinuca de bico….rsrs Então vou perguntar pro Sérgio Ribeiro e pro Ando, que acompanham o circuito há mais tempo do que eu…..quantos Slams Nadal e Djokovic teriam se jogassem nos anos 80? Acho que pouquíssimos. Federer, por sua vez, seria o Federer. Por isso ele é o melhor de todos os tempos. Um monstro na lentidão dos pisos de hoje e um provável doutrinador nos antigos pisos velozes.
    Abs

    Responder
    1. João ando

      José. Vou responder com o coração e não com a razao.minha memoria esta ruim em função da idade mas nos anos 80 tínhamos connors borg mcenroe lendl
      Vilas wilander…entao roger seria Roger agora djoko e Nadal seriam jogadores comuns. Minha opinião não é isenta ja que sou torcedor fervoroso do Roger e do jimbo

      Responder
  4. Oswaldo E. Aranha

    Nando tenho um nome que meus pais me deram, desprezo o que colocas como meu nome; podemos discordar mas devemos ter respeito e tenha um mínimo de educação..

    Responder
  5. André Barcellos

    O mesmo que se fala de Pelé pode-se falar do Federer.
    Djokovic pode ultrapassar vários dos números do Federer, mas não despertará nunca o encanto que Federer desperta.
    Pode ganhar 20 GS, mas nunca ganhará 1 GS como o maestro.
    Pela genialidade das jogadas , plasticidade dos movimentos, variação no jogo e capacidade de improviso.
    Com isso não digo que o sérvio não seja talentoso. Ele é.
    Mas não é mágico.

    E não sou eu apenas. Essa constatação é mundial.

    Responder
  6. Renato

    Só pra lembrar que, Novak estava presente em todos os slam que Roger venceu em 2017 e 2018. Perdeu pra Chung, Istomim e cia…..

    Nadal é o maior e melhor no saibro. Roger o maior e melhor mas hards e grama.

    Responder
  7. Renato

    Confesso que me divirto vendo os fakes fazerem malabarismo cerebral pra tentar ganhar de mim na argumentação. Kkkkk Os caras devem espumar de raiva pela boca.

    Responder
  8. DANILO AFONSO

    Dalcim, em outubro do ano passado, você listou os 20 melhores tenistas de todos os tempos. No seu texto, tem uma passagem importante, na qual você dizia que DJOKOVIC estava muito próximo de ser o 2º maior de todos os tempos:

    “Considero Djokovic muito perto de superar Nadal. Ainda que tenha menor quantidade de Slam, seu largo histórico no Finals e a soma superior de semanas na liderança são fortes indicadores…”
    (http://tenisbrasil.uol.com.br/blogs/blogdotenis/index.php/2018/10/21/especial-20-anos-os-maiores-tenistas-de-todos-os-tempos/)

    Com o título no Aberto da Austrália e mais algumas semanas na liderança garantidas, você já entende que NOVAK já assumiu o posto de 2º melhor de todos os tempos ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vamos ficar atualizando toda hora as listas, Danilo, porque os três principais envolvidos continuam em plena atividade. Meu post de agora pouco versa um pouco sobre o tema. Abs!

      Responder
  9. Luiz Fabriciano

    Uma sátira pós AUSOpen:

    Quinta-feira, primeiro dia das semi-finais:

    Nadal: – E aí Carlos, gostou do que fiz hoje com o moleque algoz de Roger?
    Moya: – Esplêndido.

    Sexta-feira, segundo dia das semi-finais:

    Nadal: – Carlos, viste o que Novak fez com o francês?
    Moya: – Vi, e tomei alguns cuidados. Compilei vários dados para estudarmos nossa estratégia para a grande final. Vamos organizar tudo,
    sentar e definir nosso plano de jogo. Domingo a essa hora estaremos com a Norman Brookes na mão.

    Sábado, véspera da grande final:
    Nadal (extenuado): – Carlos, vamos colocar nossa equipe em campo para saber em que quadra Novak está treinando. E o que ele está
    fazendo.
    Moya: – Rafa, já fiz isso e não o encontramos em nenhuma quadra do Melbourne Park, inclusive nos disseram que ele não
    reservou nenhuma para hoje.
    Nadal: – Estranho, muito estranho…
    Enquanto isso um membro do time surge de repente: “Encontramos Novak Djokovic”.
    Nadal: – Onde? Contratou um clube particular para treinar?
    Equipe: – Está no Instagram…
    Nadal: – Instagram? Como assim?
    Equipe: – Vejam: foi à praia curtir com o Marian Vajda.
    Nadal: – É louco esse cara?

    Domingo, pós final:
    Equipe: – Vejam Djokovic novamente no Instagram exibindo seu cardápio do jantar de hoje.
    Nadal: – O que tem?
    Equipe: – Fígado de touro à moda sérvia.

    *Essa é uma brincadeira fruto da imaginação de um grande torcedor de Novak Djokovic. Qualquer semelhança com fatos reais, poderá ter sido mera coincidência.
    Obrigado por deixar passar pela moderação nobre Dalcim.

    Responder
  10. lEvI sIlvA

    Dalcim, não se pode admirar que Djpkovic ataque com tanta vontade o forehand de Nadal. Além de ter um backhand inigualável, o sérvio capitaliza ali pontos e domínio do jogo em quadra e tático/mental. Quanto mais o faz, mais em dúvida põe espanhol. A final foi quase um “se fica o bicho pega, se correr o bicho come”!

    Responder
  11. Nando

    Mestre, fazendo uma “projeção”, o q vc espera do Federer no saibro? Acha q ele pode ser competitivo (no quesito de ao menos chegar às semis dos torneios q for disputar) ?

    Responder
  12. sander

    Dalcim, boa tarde.

    Fora o TenisBrasil, que é o melhor site do mundo sobre tenis, você conhece ( e poderia indicar) algum outro site estrangeiro em que poderíamos olhar as notícias sobre o nosso querido esporte?
    abraços

    Responder
  13. Oswaldo E. Aranha

    Rodrigo S. Cruz
    Tens o nome de um sobrinho afilhado meu e o sobrenome de um grande amigo.
    Gosto de trocar mensagens contigo pois podemos discordar mas não nos agredimos; pois no blog há alguns e algumas que só sabem louvar seu tenistas preferidos, destratando o demais que não comungam com suas preferências, utilizando muitas vezes de linguajar inadequado para relações humanas. Abraços.

    Responder
  14. Renato

    Como o Chileno escreveu, se o Federer 2014/2015 foi o maior rival de Novak na época, vencendo pelo menos 1/3 ou mais das partidas, mas quais razões não podemos acreditar que o Federer versão 2017 não venceria a maioria? Digo que venceria quase todas.

    E os dois se enfrentaram muito mais à partir de 2011 do que antes de 2009, o que impediu que Roger tivesse vitórias de vantagem sobre seu rival. Não tem como contestar.

    Lembrando que as duas vitórias de Nole no ano passado foram facilitadas pela contusão na mão de Federer.

    Outra coisa: Se Novak ficou dois anos sem vencer slam, quem garante que não vai acontecer de Novo? E ele é mais velho hj do que quando ficou chupando dedo…..
    Velha mania da sua torcinha de acha que vai ganhar tudo toda hora.
    É só começar a perder que alguns oportunistas como Jonas, Danilo e etc….. Somem na mesma velocidade que apareceram quando ele venceu slam. São os fakes de sempre…

    Responder
    1. Jonas

      Gostaria que Novak tivesse enfrentado Roger em 2017. Sendo realista, em Slam o sérvio teria vencido, com excessao de Wimbledon. Não importa o Federer ter saque melhor, backhand afiado ou slice melhor, porque o Djokovic lida muito bem com isso. Em Slams e contra Federer e Nadal mais ainda, o sérvio entra em quadra com uma postura muito dominante. Ele tem mental mais forte que Federer, óbvio. É muito leviano afirmar que o Djoko de hoje não bateria o Roger de 2017, lembremos que o suíço venceu Nadal meia bomba na final do Ao 2017, quase que ele treme de novo diante do Espanhol totalmente cansado.

      Enfim, Djokovic ficou uns 2 anos jogando bem mal e abraçando árvores. Pra quem não é fanático pelo Federer como você, é muito claro que o sérvio hoje é uma ameaça real tanto nos recordes quanto quando enfrenta Federer ou Nadal que já entram em quadra borrados.

      Responder
  15. Luiz Fernando

    Lamentável a foto q vi hj com metal no quadril de Murray. Claro q o principal p ele é ficar livre das dores e melhorar sua qualidade de vida, mas qualquer coisa grave como essa com esses caras q estamos acostumados a ver e comentar é muito triste.

    Responder
  16. Gabi

    Os torcedores do Djoko devem estar muito radiantes! E sobram motivos para a alegria. A final foi um show de eficiência do sérvio!

    Mas, se já não bastasse a derrota no domingo, agora toda vez que ligo a tv tá lá a espn reprisando o massacre…

    O Rafael, a Lola, o Chetnik devem ter mandado e-mail pedindo, só pode.

    Responder
      1. Lola

        Esse cara que acusa os outros de ser fake, ele é um fake, daí acusa os outros do que ele é.
        E nem vou dizer o que ele faz com as fotos do federer, pq não vou ser publicada. Kkk

        Responder
    1. Lola

      Gabi,
      Não pedi reprise, mas deveria 🙂
      O jogo foi tão fácil que até eu fiquei decepcionada.
      O Djokito deu uma de Renato Gaúcho, indo pra praia, e o Nadal treinou, treinou e morreu na praia. 🙂
      Bjo,L

      Responder
  17. Maurício SP

    Dalcim, vendo o histórico de confrontos entre eles na quadra dura a partir de 2011, parece que o único fora da curva foi a final do US Open de 2013, onde o Nadal venceu facilmente. Pelo que você lembra, o Djokovic simplesmente não estava num bom dia ou o Nadal tinha mesmo armas para desestabilizá-lo? Sendo que poucas semanas depois o Djokovic já vencia facilmente o Nadal em Pequim e no Finals.

    Responder
      1. André

        Slice na paralela de forehand, pelo que me recordo, renderam muitos erros não forçados, pois o Djoko chegava na corrida com a bola baixa… e a paralela de forehand estava entrando bem mais também!

        Responder
    1. Cassio

      Também houve o fator físico, Maurício.

      Nole teve uma batalha de 5 sets contra o Wawrinka na semi enquanto o Nadal “treinou” contra o Gasquet. Aliás, o Nadal teve uma chave facílima nesse USO 2013.

      Responder
    2. Marcelo-Jacacity

      Maurício SP,
      Essa derrota do Djokiller no USOpen-13 foi uma das piores para mim. O jogo do Nadal estava bem ok, e sem nexo algum o sérvio se perdeu totalmente na decisão. Decepção total.
      No USOpen-10, Novak não tinha chance alguma, como não teve mesmo. Nole já feito o jogo do campeonato na semi ao eliminar o Federer após salvar macht points. Em 2010 o Nadal estava jogando demais, o melhor saque da carreira dele foi nessa época. Depois desse jogo e da Davis, Nole revelou em 2011 o maior tenista que já vi jogar.

      Responder
  18. ANTONIO GABRIEL

    Ontem pude assistir ao jogo, pois nao tinha visto ao vivo, e apesar do Nadal realmente estar irreconhecível em algumas bolas, foi impressionante o que o Djoko fez no jogo, atacou quase sempre e fez bolas mirabolantes, o que me leva a crer que mesmo que o Nadal não errasse algumas bolas que normalmente ele não erra, perderia o jogo da mesma forma, realmente foi uma exibição de Gala de NOVAK DJOKOVIC!

    Responder
  19. Renato

    Apenas para lembrar:

    Forehand: Federer
    Backhand: Novak
    Devolução: Novak
    Saque: Federer
    Voleio: Federer
    Drop: Federer
    Slice: Federer
    Smash: Federer
    Federer 6 x 2 Novak. Goleada técnica!

    Não existe questionamento sobre quem é melhor tecnicamente falando. A diferença está no físico.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Eu questionaria alguns aspectos nesse seu levantamento:
      1. Se o forehand do Federer é tão mais eficiente, por que ele apresenta maior n° de erros não forçados que o sérvio com esse golpe?
      2. Faltou você apontar o Drive do sérvio como MUITO superior ao do suíço!
      3. A discrepância técnica, favorável ao Federer nos quesitos saque, voleio e drop-shot, é bem menor que aquela existente entre as devoluções e o backhand deles meu amigo!
      Pergunte a qualquer reles mortalis no circuito o que ele gostaria de ter? Garanto que boa parte preferiria ter o Drive, a devolução e o backhand destruidores do Djokovic. Ate porque isso o torna o melhor adaptado a todas as superfícies.

      Responder
    2. DANILO AFONSO

      kkkkkkk

      Djokovic é mais completo porque não há buracos no seu jogo, diferentemente do o suíço que tem um backhand mais irregular. Ademais, o nível de devolução do sérvio é tão monstruoso que compensa a vantagem que o suíço tem nos outro golpes.

      Responder
    3. Jonas

      O jogo entre eles em si vai muito além disso. Djokovic é mais tático e sabe melhor do que ninguém achar a fraqueza de seus oponentes. Federer com sua agressividade e genialidade consegue até vencer Djokovic em melhor de 3.

      Agora, quando há Slams em jogo o suíço claramente treme e perde um caminhão de Break points.Por que? Ele é MUITO inferior a Novak no aspecto mental, não é atoa que o último triunfo do suíço foi em WB 2012! Ai vc vai argumentar questão física, no entanto, as derrotas de Federer em 2015 tanto em Wb, quanto Uso foram muito mais psicológicas, Djokovic minou a confiança de Federer. Não adianta vir com esse papo, tanto que em 2017 o suíço estava voando e no ano seguinte triunfou sobre Cilic em 5 sets.

      Quanto a auge de Federer em 2006/2007 concordo totalmente, mas serve para o contrário ora. Djokovic tinha 19 anos! Veio chegar ao auge em 2011, aos 24 anos. Infelizmente não tem a mesma idade, embora eu gostaria que tivessem.

      Responder
  20. Diego Rodrigues

    Coincidência envolvendo Djokovic no Tenis e Hamilton da F1

    Djokovic 73 Títulos
    Hamilton 73 Vitórias

    Djokovic Cinco vezes terminou o ano da ATP em primeiro.

    Hamilton Cinco vezes terminou o campeonato mundial da F1 em primeiro.

    Responder
  21. Eduardo

    Discussões e infinitas inferências estatísticas à parte, a verdade é que se o Djokovic estiver bem e com vontade, não tem para ninguém, principalmente nos Slams. Ao Federer e Nadal resta somente torcer pra algum Cechinatto ou Chung da vida fazer o trabalho sujo para eles nos próximos Grand Slams, porque se cruzarem com o sérvio, seja em qual fase do torneio for, vão apanhar e não ganharão mais nenhum troféu de Major. A intensidade da surra só vai depender do quão a fim estará o Djokovic. Não existe mais rivalidade entre eles nos Slams. O Djokovic está muito na frente deles e a tendência é de que esse quadro fique cada vez mais consolidado com a idade do Federer e o desgaste do Nadal. Acabaram os jogos épicos entre eles nos Slams, infelizmente…

    Responder
  22. Thiago Silva

    Que gosto amargo essa final deixou, achei que dessa vez o Rafa ia surpreender, mas nem kkk
    Fazer o que, não vai muito longe e o Cotonete vai bater todos os recordes e se afirmar como o maior da história.
    Não temos outra alternativa que não seja tirar o chapéu pro sérvio, chegou à final sem fazer força, perdeu alguns sets bobos porque quis
    e engoliu a melhor versão do Nadal.

    Responder
  23. Alison Cordeiro

    Três Grand Slams seguidos, massacrando um dos seus maiores rivais? O título do post é a mais pura e absoluta verdade neste momento. Djoko voltou a ser quase imbatível, um pesadelo para seus adversários. Os números vão consolidando sua vitoriosa carreira ainda mais, isolando-o como o terceiro maior vencedor de Slams da história, ameaçando Nadal outra vez. Buscar Federer é muito difícil, talvez impossível, o que está virando especialidade do Sérvio. Diferentemente de quando ganhou o “Djoko-Slam” anos atrás, chegando quebrado e esgotado, agora está em plena forma. Confiante e jogando muito. Nesse nível, são poucos os que conseguem batê-lo.

    Nadal fez um grande torneio, e mesmo tendo perdido a final acho que tem motivos para estar sentindo-se satisfeito. Sem o ritmo adequado, mudando o estilo, ainda assim fez miséria com quem cruzou seu caminho. Fico imaginando como teria sido o confronto com Federer, se o suiço tivesse chegado à semi-final. Nadal teria superado Federer ou perderia também?

    O tênis é muito dinâmico e de um torneio para o outro muita coisa pode acontecer. Um dia ruim, uma virose, uma mudança de tempo e as certezas se esmigalham. Mas hoje Djoko é outra vez o cara a ser batido. Tem condições e capacidade para o maior desafio do tênis atual: vencer Nadal em Paris. Não um Nadal em queda, como em 2015. Um Nadal outra vez temido no circuito. Claro que nenhuma derrota vai mudar para Nadal qualquer coisa em Rolanga, pois tudo o que já fez o coloca como o maior de todos os tempos lá. Mas para Djoko a vitória vale muito. E vai chegar mais solto que nunca. Grandes expectativas para o que há por vir ainda!!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade!

      Mas o problema, é que você só reclama disso quando falam do Djoko.

      Por que você não se manifesta quando fazem o mesmo com algum outro?

      Responder
  24. Rafael

    Impressionante como nas seções de comentários das notícias do tenisbrasil tem um monte de gente com seu nome e foto de facebook dizendo:

    Sou fá de Federer, mas tenho que reconhecer que Djoko….(elogios variados).

    Maturidade é isso aí, a turma reconhecendo o momento.

    Responder
  25. O JR7

    O que o sérvio nos ensina é o seguinte:
    – A direita deve ser a base mas o backhand deve ser igualmente bom ou melhor se possível.
    – Tem que suar, correr, batalhar pelo ponto, não existe bola perdida. Pode haver um deslize aqui e outra queda ali, mas não é vergonha cair. Feio é fazer corpo mole e perder.
    – Tem que estar com o físico em dia. O cabra tem que estar “sobrando” em preparo. Se a partida pode durar 4 horas, tenha fôlego pra no mínimo 5.
    – Não é deselegante vencer sem subir à rede. Triste é tomar passada feito um louco. Seja o rei na base e o adversário será o teu zelador.
    – Teu saque não precisa ser o mais rápido, mas que seja o mais bem colocado possível.
    – Devolva o melhor que puder: uma boa resposta pode ser o começo de uma quebra de saque.

    Sobre o Djoko, penso que ele gostaria sim de ter 20 ou mais slans. E vai trabalhar pra isso. Mas, diferente do que eu vejo em certas figuras, que são mais que bem sucedidas, isso não parece lhe ser uma “obsessão”. Se acontecer, tudo bem. Se não puder ter os recordes ele será feliz do mesmo jeito. Isso é admirável, o cara parece saber viver a vida.

    Só pra terminar, não querendo contrariar qualquer colega. Eu me identifico com o jogo do suíço RF e torço por ele quando joga, mas o sérvio apresenta, gostem ou não, o tênis mais eficiente que já vimos. E dá pra separar as coisas sem problema nenhum.

    Responder
  26. Carlos

    Federer é o maior tenista de todos os tempos (mais slams, mais títulos, mais semanas como número um) . E Djokovic é o melhor (quando atinge o auge em determinada temporada é o mais difícil de ser vencido). Esse é o meu critério.

    Responder
  27. DANILO AFONSO

    O tênis masculino nesta DÉCADA passa por duas simples perguntas, e que dependendo da resposta, o torna um pouco mais previsível.

    1 )NADAL está saudável e em alto nível para jogar a temporada de SAIBRO ??

    2) DJOKOVIC está saudável e em alto nível para jogar a temporada de quadra dura e Wimbledon ??

    Sendo afirmativas as respostas acima, certamente teremos um NADAL papando os títulos no saibro, principalmente Roland Garros, e DJOKOVIC faturando de dois a três Slams por temporada.

    Em 2015 NADAL não estava competitivo e STAN conquistou Paris na final contra DJokovic, e em 2016 NADAL abandonou por lesão Roland Garros no meio da competição, abrindo espaço para Djokovic ser campeão.

    MURRAY em 2016 apesar de ter elevado o seu nível de tênis, somente terminou o ano como número 1 em razão do declínio assustador do NOVAK após a conquista de Paris. NOVAK fez seu pior 2º semestre na década.

    FEDERER em 2017 e início de 2018 somente conquistou seus 3 SLAMS com a falta de competitividade e lesão do NOVAK, este que é disparado seu principal adversário e algoz na quadra dura e grama.

    Responder
    1. Rodrigo Campos

      Se não existe, mas SE o Djokovic não tivesse se lesionado, teria vencido os três que o Federer venceu e já seria o recordista de Slam. Se bem que o Federer jogou demais o AO17…

      Responder
  28. Weslei

    Dalcim,

    Será que o jogo de ontem te sido tão fácil para o Djokovic é por causa do novo estilo de jogo do Nadal? Falo isso pois ele atropelou os outros jogadores em pouquíssimo tempo de jogo, mais por conta disso não pegou ritmo/experiência/adaptação necessário para enfrentar o Djoko que devolve tudo e não te da ponto de graça. Antigamente ele e o próprio Djokovic já estava esperando que a cada ponto seria no mínimo 15 trocas de bolas em um break point o Nadal não entregaria se não fosse pelo menos 20 troca de bolas, e justamente por isso entrava na cabeça dos adversários que eles teriam que fazer tudo que sabe se quisesse quebrar o serviço do espanhol ou até mesmo fazer para fazer um ponto, pois eu achei que até nos BP foi fácil, eu não estava nem acreditando como estava fácil quebrar o Nadal, achei que em algum momento as coisa iriam mudar mais isso não aconteceu.

    Responder
  29. DANILO AFONSO

    Nobre CHILENO, entendeu o porquê da minha teimosia em dizer que o “renascer” de FEDERER em 2017 e 2018 só ocorreu em razão do seu principal oponente nas quadras duras e grama estava em um nível inaceitável ou lesionado (ou recuperando de cirurgia).
    Vejo alguns alguns postarem, inclusive o nobre Dalcim, que o melhor nível de FEDERER foi em 2017.
    Entendo que tal conclusão é equivocada. Na época falaram na melhoria significativa do seu backhand e troca de raquete. Ok !! Falaram a mesma coisa do jogo do Nadal neste Aberto da Austrália. O que vimos ? Na adiantou a melhora do saque e o jogo mais agressivo. O sérvio ignorou tal aperfeiçoamento do adversário. E acredito que faria o mesmo em 2017 contra o suíço.

    Os títulos conquistados em 2017 e 2018 levam a tal percepção errônea.
    FEDERER teve sorte que o seu principal rival em Melbourne, Wimbledon e Masters americanos estava “ausente”.

    No aberto da Austrália em 2017, Federer suou para levar o título passando por Nishikori, Stan e Nadal, todos em 5 sets. Se contra esses oponentes o suíço ganhou apertado, contra NOVAK não acredito que tiraria mais que um set. Não tem como comparar o nível de devolução e teste que o “novo backhand” do suíço seria exigido se o duelo tivesse acontecido. Alguém realmente acredita que NADAL é mais competitivo que NOVAK na quadra dura, ainda mais na Austrália onde NOVAK nunca perdeu uma final ???

    Nos masters 1000 americanos em 2017, acredito que NOVAK chegando na final com FEDERER, também seria um adversário mais duro, mas por ser melhor de 3 sets, seria normal que o craque suíço ganhasse um dos Masters.

    Já em Wimbledon, já tivemos outros capítulos (2014 e 2015) que o suíço fez campanhas excelentes, mas na hora H o monstro sérvio mostrou quem manda nesta década na grama sagrada.

    Para tirar essa dúvida, basta fazermos as seguintes perguntas:

    Qual era o enredo da rivalidade FEDERER x DJOKOVIC entre 2012 e 1º semestre de 2016 em todos os pisos ?? SUPREMACIA do sérvio.

    Qual era o enredo da rivalidade FEDERER x DJOKOVIC entre 2017 e 1º semestre 2018 ? Djokovic em baixo nível abraçando arvores, lesionado e recuperando de cirurgia, enquanto FEDERER se aproveitou com títulos da ausência competitiva do sérvio.

    Qual é o enredo da rivalidade FEDERER x DJOKOVIC após o 2º semestre 2018 ? Duas vitórias do sérvio e sensação que será dominante no duelo, principalmente nos jogos de 5 sets.

    Resumindo: FEDERER somente fez o que fez naquele período, porque o seu algoz nas quadras duras e grama não estava competitivo ou com saúde naquele intervalo, caso contrário, iria colecionar mais algumas bandejas, e nunca cogitariam que seu melhor tênis ocorreu em 2017. Lembrando que essa conclusão também já foi propalada por outros especialistas e ex tenistas.

    Responder
    1. Jonas

      Pra quem deseja comprovar isso, basta assistir parte dos jogos do Djokovic no período compreendido entre 2° semestre de 2016 e 1° semestre de 2018.

      Já no 2° semestre de 2016 percebe-se que ele estava estranho e pra piorar o Murray jogou muito. Lembro que naquele ano pós RG parecia barbada que Djokovic iria superar Nadal e Federer de longe, mas a coisa desandou. Djokovic desabou emocionalmente e parecia ter perdido o foco pelo tênis. Sua derrota na final do ATP finals 2016 foi muito esquisita.

      O ano de 2017 foi pra se esquecer. Ali eu achei que Djokovic iria se aposentar…derrotas pra Istomin, Thiem (sendo massacrado) e Berdych…Djokovic parecia querer largar tudo, ele sozinho não conseguia mais ser o melhor do mundo. Pra piorar veio a lesão e ainda viu Federer vencer +2 slams.

      2018 teve um início horrível, mas lembro que em Abril deste ano, Marian Vajda falou algo sobre a alimentação de Djokovic e sobre sua forma. Lembro que em Roma ele já estava em ‘bom’ nível mas não era nem perto do necessário pra bater Nadal. Acreditei nele em RG 2018, mas a derrota pro Cechinato foi um balde de água fria…me lembro de como Djokovic ficou puto na coletiva pós jogo. Muita gente novamente o deu como aposentado e brincou com sua derrota, mas o sérvio queria voltar.

      O que aconteceu depois quem acompanha tênis sabe muito bem. Eu não sei como Djokovic venceu Nadal em Wb 2018, mas venceu…me pergunto o que aconteceria se ele estivesse motivado assim no ano de 2017 ou final de 2016. Eu tenho certeza de que Djokovic venceria o Federer de 2017, inclusive naquele AO sem duvidas. O sérvio joga on fire contra Nadal e Federer em slams, não é segredo pra ninguém, ele é o terror dos 2 não só em quadra mas nos recordes. São grandes jogadores mas pegando de 2011 pra cá, enquanto o sérvio esteve motivado ele dominou o tênis, isso é fato gostem ou não. Pra mim já é o jogador mais dominante da história, mas ninguém sabe o dia de amanhã. Djokovic tem que continuar nessa sintonia com sua equipe porque se isso ocorrer, ainda vejo o sérvio dominando pelo menos nos próximos 2 anos.

      Responder
    2. Fabio

      O titulo de Federer em 2017 veio depois de uma looooonga parada por contusao. Soh ele para conseguir isso. Quando Djokovic voltou, parou bem cedinho. Bom lembrar que estava com 35 anos e meio naquele titulo.

      Responder
    3. Chileno

      Olha Danilo… eu discordo da maioria dos seus argumentos. Mas obrigado por compartilhar suas ideias e levantar a discussão. Aqui vão meus pontos de vista:

      Primeiro, não é demérito nenhum vencer um Slam tendo que batalhar em alguns jogos. Isso nem sempre quer dizer que o cara não estava num nível bom. Muitas vezes apenas mostra que os adversários estavam bem. Tanto Nishikori, quanto Wawrinka, quanto Nadal vinham muito bem naquele torneio. Em 2015, por exemplo, com Djokovic voando e no auge máximo do seu tênis, ele teve que batalhar por 5 sets pra vencer o Wawrinka no Australian Open, por exemplo. Ou você vai me dizer que o Djoko 2015 não era tão bom assim porque precisou de 5 sets pra despachar o Stan?

      Segundo lugar, eu não acho que você está fazendo uma comparação justa, ao comparar este Nadal 2019 com o Federer 2017. Eu vou começar comparando o Federer 2015 e o Federer 2017, ok? Vamos lá. Em 2017, o craque tinha pelo menos 3 diferenças gritantes em relação a 2015: backhand, devolução e preparo físico. Pode assistir qualquer jogo do Federer em 2015, inclusive os que ele ganhou bem. Você vai ver que a maioria esmagadora dos backhands dele eram slice ou um top spin insosso, pra se manter no ponto e não errar. O Federer 2017 aplicava winners o tempo todo de backhand, na cruzada ou na paralela, e muitas vezes lá da linha de base mesmo, sem precisar de uma bola encurtada do adversário. A devolução também foi muito melhor. Em 2015, o maestro usava bastante slice pra entrar no ponto. Eventualmente arriscava uns SABR no segundo saque do adversário. Em 2017 ele regularmente atacava já a partir do saque do adversário, botando muita pressão no serviço dele. E por fim, o preparo físico esteve abismalmente melhor. Só ver o quanto o maestro conseguia correr e chegar mais inteiro nas bolas nos 4º e 5º sets dos jogos, ao passo que em 2015, a partir do terceiro set o desempenho dele ia caindo vertiginosamente.

      Ok. Agora vamos dizer que esse mesmo Federer 2015, sem o backhand, com a devolução mais passiva, e sem o preparo físico tão bom quanto em 2017, conseguiu engrossar pro Djoko 2015, a versão mais vitoriosa do sérvio. Levou a 4 sets em WB (com dois tiebreaks) e US Open, e ainda o venceu em 3 de 8 partidas naquele ano. Se considerarmos que o Djoko era melhor em 2015, e mesmo assim, não teve vida fácil com um Federer que era nitida e cristalinamente pior que o Federer 2017, você não concorda que é razoável supor que em 2017, o maestro provavelmente teria no mínimo dos mínimos ótimas chances, ainda que o Djoko em 2017 fosse tão bom quanto em 2015? Se pensarmos ainda num Djoko nível 2018, que esteve muito bom, mas abaixo de 2015, fica ainda mais palpável imaginar o suíço levantando os canecos.

      Não dá pra comparar de forma nenhuma o Nadal deste Australian Open 2019 com o Federer 2017, se o Federer 2015 já deu muito mais trabalho para uma versão melhor do Djoko. Pra mim, quem deu sorte foi o Djoko de não cruza com o Federer em 2017.

      Responder
      1. Chileno

        Só pra acrescentar algo que considero relevante. Em 2018, o nível do craque suíço estava consideravelmente abaixo do nível de 2017. Eu acho bastante provável que se Federer estivesse no nível de 2018 para o Australian Open 2017, ele provavelmente não teria vencido o torneio. Diria até que provavelmente teria perdido pro Stan na semi. Mas embora já não estivesse num nível tão espetacular assim em 2018, a chave foi bem mais fácil, e ele conseguiu exercer seu favoritismo. Mas aqui sim, eu acho que cabe dizer que um Djokovic em alto nível (como o do segundo semestre de 2018, por exemplo), poderia sim, ter lhe privado do título. Em 2017, eu não concordo.

        Responder
      2. DANILO AFONSO

        Nobre CHILENO, talvez teria um jogo mais competitivo, pelas razões expostas acima. Eu só bato nesta tecla por causa de 2 pontos:

        1) Muita coincidência o suíço ter vencido 3 Slams justamente quando seu principal rival estava lesionado ou em nível de competitividade reduzida;

        2) Não tem como comparar Nishikori, Stan e Nadal com DJOKOVIC na quadra dura;

        A verdade que não adianta mais chorar pelo leite derramado.

        Responder
  30. José Eduardo Pessanha

    Mestre Dalcim, achei interessante a seguinte sequência do ranking dessa semana, dada a presença de veteranos, ex-top 10, novato e brazuca:
    103 – Garcia-López;
    104 – Berankis;
    105 – Istomin;
    106 – Félix Aliassime;
    107 – Thiago Monteiro;
    108 – João Meia (Jack Sock).

    Abs

    Responder
  31. Ronildo

    Passado o assombro, vou fazer um comentário na contramão dos da maioria. É verdade, Djokovic apresentou o tênis mais completo até o dia de hoje. Eu já considero os três no mesmo nível, historicamente falando, não em tênis. No tênis mesmo, no braço ou na mão, ainda considero Roger Federer o maior. Porém, dos três, foi o que menos explorou o físico, e aí tudo ficou igual! Porém, talvez Djokovic não esteja assim tão insuperável e o Nadal pode ter sido o maior culpado de perder de maneira tão fácil. Digo isto por causa das derrotas dele para Krachanov e para Zverev no final do ano passado, quase ontem. Derrotas totalmente imprevisíveis. Em melhor de três sets a garotada enfia a mão mesmo. Acho que a atitude deles fica totalmente diferente em melhor de cinco sets. Tipo: Em melhor de cinco seus os caras pensam: “Vou dar o melhor de mim, ganho dois sets e depois levo uma vira daquelas desses caras. (Todo mundo sabe a fama de incansável que Nadal e Djokovic tem). Assim, em melhor de cinco sets já entram jogando para o gasto e com a percepção de que a derrota é inevitável. Acredito que o único que foge desta mentalidade é o Tsitsipas, que parece ser um cara muito encardido, mas perde do mesmo jeito.

    Porém, é só uma teoria gente, nada sério. Mas a moçada pode aprontar nos master 1000 e também acreditarem mais nos slans, dependendo do sucesso anterior.

    Responder
  32. Enoque

    Detalhe importante que não está sendo visto:
    O abandono do Nishikori nas quartas de final, certamente colaborou na sequencia dos jogos. O Djoko vinha, fisicamente, desgastado até então e um jogo duro naquela altura teria consequências também na semi conta Pouille, o que daria a vantagem física e psicológica para Nadal. Não sei se a ponto de reverter o resultado, mas a historia seria outra.

    Responder
    1. Rodrigo Campos

      Porém há a injustiça de um semifinalista jogar um dia depois do outro e ter menos um dia de descanso. O abandono do japa no final das contas deixou a final mais justa fisicamente, e aí pode sobressair o melhor jogo do djoko

      Responder
  33. jose da silva

    Mestre Dalcim,
    quanto ao desafio do placar, acredito que apenas eu acertei o placar e na ordem – 6×3, 6×2 e 6×3 – 2h02min, ou seja, errei o tempo por dois minutos.
    Veja abaixo:

    José da Silva
    26 de janeiro de 2019 às 17:05

    Djoko: 3 x 0, 6 x 3, 6 x 2, 6 x 3 – 2h02min

    Responder
  34. Fernando Pauli

    No Saque e Voleio foi feito um comparativo entre Djko e o Big 3 na “década”, que em se tratando de Djoko e Federer só tem 8 anos de 2011 até 2018. Essa década começou bem oportunamente em 2011, um dos melhores anos de Djoko. Pois bem para ser justo vamos fazer uma comparativo entre Federer e Djoko de 2003 ( ano que Djoko se profissionalisou) até 2010 (parte1) e de 2011 até 2018 (parte2), oito anos para cada lado. Veja como a idade faz muita diferença entre os comparativos. Na parte1 Federer tem de 22 a 29 anos e Djoko tem de 16 a 23, já na parte2 Federer vai de 29 a 37 anos e Djoko de 23 a 31. Dos 32 GS disputados em cada parte, Federer ganha 16 (50%) na parte1, enquanto Djoko apenas 1 (3,12%), na parte2 Federer ganha 4 (12,5%) e Djoko 13 (40,6 %). Já no H2H parte1 apenas 19 confrontos, onde o primeiro só aconteceu em maio de 2006, 3 anos e meio após o início dos oito anos, (13/6) para Federer, aí Djoko tem um aproveitamento de (6/19) 31,57%. Na parte2 foram 28 confrontos, bem mais, pois se enfrentaram durante todo o período de 8 anos, (19/9) para Djoko, Federer teve um aproveitamento de (9/28) 32,14%. Note que seja em GS ou H2H Federer teve melhor desempenho entre as partes. Mais, as únicas quatro vitórias seguidas entre ambos, foram justamente os 4 primeiros para Federer e os 4 últimos para Djoko. Os primeiros 4 não passaram das quartas e os 4 últimos só SF e F. Comparações desse tipo não são justas entre jogadores onde a diferença de idade é grande. A comparação mais justa é quando ambos pararem, ver o que cada um conquistou ao longo da carreira, nesse caso vai ter que esperar ainda uns bons anos.

    Responder
    1. Carlo

      Bela análise. Talvez se pegássemos os últimos anos da era Federer e os primeiros da era Djokovic, tb teríamos uma boa fonte de comparação, mas no fim, tudo acaba em alguma arbitrariedade de quem escolhe o critério. São dois gênios e não faltarão argumentos de cada lado para defender quem é o melhor. Nesse nível a questão caba ficando muito subjetiva

      Responder
    2. André Barcellos

      É isso! É de clareza meridiana pra mim, mas não….os caras querem que o velhinho aos 36, 37 dispute de igual pra igual. E se ele perde (mesmo dando um sufoco), ainda é digno de gozação.
      Outra coisa: não acho que Federer tenha alcançado seu auge em 2017 de forma alguma. Foi em 2006, onze anos antes. Doze torneios no ano, 16 finais, se não me engano.
      O que aconteceu em 2017 é que ele conseguiu produzir um tênis de alto nível técnico nas partidas mais importantes. Sempre em condições favoráveis (quadras rápidas).
      O Federer de 2014, 2015 era de altíssimo nível técnico, mas já de declínio físico.
      Tanto que no AO, assim como no double sunshine daquele ano ele começou lento e errático em algumas partidas.
      Mas quando encaixava o jogo tava bonito de se ver.

      Acho engraçado as pessoas acharem que Djokovic vá ter mais três temporadas aguentando tudo.
      Olhem o indicativo no fim de 2018.
      A idade está chegando,pra ele também. Observemos.

      Responder
        1. André Barcellos

          Não entendi.
          De qualquer forma, o indicativo a que me refiro é o fato de Nole ter perdido duas finais por aparente esgotamento físico.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Entendi seu indicativo. O meu é que o sérvio venceu – após as duas derrotas de 2018 – um Slam sem esgotamento nenhum.

      1. Rodrigo Campos

        Outra questão a favor do Djoko é que ele agora tem o Fedal em declínio (sim, pois o Nadal apesar de ser da mesma idade estourou mais cedo e por consequência cansará mais cedo), e quando o Federer estava nessa idade tinha o Djokodal ainda lá em cima, ou seja, no final de suas carreiras, o Djoko terá tido um cenário bem mais favorável

        Responder
  35. Alexandre G.

    A falta de um Plano B foi a coisa que mais me surpreendeu no Nadal nessa final, pois ele sempre busca mudanças táticas quando está em desvantagem, e vi nada de diferente nos três sets.
    Dalcim você percebeu se o Nadal tentou algum ajuste?

    Responder
  36. Marcelo Calmon

    Só discordo em uma coisa do seu post. Não achava improvável um jogo desigual. Há muito tempo Nadal não vence um set em quadras duras do Djoko (17 sets). E até a semi o Nadal só tinha pego jogos fáceis. O próprio Tsitsipas ainda tem que ralar muito para chegar no nível do TOP 3, se é que um dia vai chegar. Aliás ele numa entrevista disse que não entendia como o Federer conseguia ganhar do Nadal. Imagina o que ele não deve estar pensando do Djoko.
    Eu que acho assombroso como o Federer tem uma desvantagem tão grande no H2H com o Nadal.
    Enquanto o Djoko não tem nenhum problema com o Nadal no backhand, o Federer sofre ! Isso seria só por conta de um jogar o backhand com as 2 mãos e o outro só com 1 ? Pois vejo que o Nadal atropela os jogadores que fazem o backhand só com uma das mãos.

    E o Thiago reagiu e ganhou o título no Uruguai. Bom momento para ver se a confiança aumenta !! Mais chances na Davis !
    abs

    Responder
  37. Fernando Brack

    Nadal disse precisar de mais jogos, mas quando o número de jogos aumenta ele se queixa do calendário. Acho que ele e Moyá deveriam contratar um supercomputador, pra determinar o número exato de jogos que ele teria que fazer antes de cada grande torneio, e assim acabar com essa ladainha modorrenta.

    Responder
  38. Vítor Barsotti

    Dalcim, dei uma lida nos comentários e não achei nada sobre algo que me chamou a atenção nesse jogo. Em determinado momento, Nadal, por mais de uma vez, tentou adivinhar o lado do saque. E várias vezes chegou atrasado nas trocas de bola, batendo desequilibrado. Pareceu-me, inacreditavelmente (pois, para mim, esse é o seu ponto mais forte), com má leitura do jogo.

    Teve esse impressão também? Seria falta de confiança ou é o Djokovic que vem “escondendo” bem seus golpes?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O saque é um tanto comum o tenista tentar se antecipar em alguns momentos, porque a maciça maioria esconde bem o lançamento. Nos lances de quadra, eu costumo dizer que qualquer bola que quique mais de 2m da linha de base é um pênalti nesse nível de tênis.

      Responder
  39. antonio gabriel

    Nao assisti ao jogo, mas pelo que li aqui e pude perceber acredito que Nadal sentiu a pressão imposta por Djokovic, certamente que a postura do servio em quadra contribuiu para isto e Nadal com certeza ira buscar formas de se redimir desta derrota. Certamente vai trabalhar muito, principalmente para o saibro. A vitória de Nole na semi deve ter funcionado realmente como um recado a Nadal e perturbou os planos do espanhol com certeza, essa vitoria ira fortalecer Nole para o Saibro e o vejo com muitas mais chances para RG. Se Nole continuar com esse foco, não tiver nenhum problema fisico, este ano de 2019 será o ano em que dificilmente será batido, mesmo no saibro.
    Go NOLE!

    Responder
  40. Luiz Fernando

    Li em dos tópicos do site q Djoko pode levar o GS, o q é uma absoluta verdade. Salvo contusões ou más fases técnicas, algo improvável, ele teoricamente só não é o maior favorito em RG, mas mesmo ali se jogar com essa intensidade ele pode perfeitamente levar seu segundo trofeu dos Mosqueteiros. Esse semestre será muito legal de se assistir.

    Responder
  41. CARLOS EDUARDO MULHSTEDT GIACOMITTI

    Dalcim, vc acha que o nadal pode dar a volta por cima, essa partida o nadal estava muito abaixo… Não tiro o mérito do NOVAK que é um monstro, mas esses duelos entre nadal e djoko são sempre épicos, salve WB 2018?

    Responder
  42. Miguel BsB

    Dalcim, vc acha o backhand do Djokovic melhor que o do Wawrinka? Minha opinião: sim, mas somente por ser mais regular… E auxiliá-lo demais nas devoluções.
    Quando o do Wawrinka tá on fire, tenho minhas dúvidas…

    Responder
  43. Luiz Henrique

    É claro que não dá pra sair fazendo previsões, porém se o Djokovic aproveitar essa entre safra nos próximos anos, pode bater todos os recordes.
    Federer já está pra se aposentar. Nadal e Del Potro sem físico pra aguentar uma temporada completa. Murray e Stan sumidos.
    Nos próximos 4 anos se não surgir algo pra mudar, pode ocorrer um domínio igual do Federer entre 04-08.

    Responder
  44. Ivan

    Dalcim,
    um aspecto interessante do jogo foi o posicionamento do Djoko na devolução, com um pé plantado na área de duplas, como quem diz: “Amigão, se quiser, saca no T”. Certamente a equipe dele viu o quanto o rapazote da Grécia sofreu com aquele saque aberto na semi. Por outro lado, o Nadal percebeu que não dava pra ficar tão atrás da linha de base na devolução, mas ficou a impressão que quando ele tentou se adiantar um pouco, por várias vezes ele “escolheu” o lado errado… No fim das contas, o Nadal deve ter sofrido com a falta de ritmo de jogo e Djoko mostrou mais uma vez como “manter a pólvora seca” para a hora certa.

    Desafio: quem ganha um Slam primeiro, o “Lost Gen” ou o “Next Gen”?
    Até!

    Responder
  45. Ricardo Costa

    Mestre Dalcim, apesar de não ter sido abordado, percebi uma sutil alteração na mecânica de saque do Federer, após o suíço ter terminado os trabalhos com o técnico Paul Annacone. Percebi que ele passou a concluir o movimento do saque um pouco mais de frente para a quadra, talvez para girar menos o tronco e diminuir o esforço na região lombar. Mas no caso do Nadal, o que especificamente mudou na mecânica do seu saque? Você poderia elaborar uma matéria ilustrando a mudança?

    Responder
  46. O LÓGICO

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    PRIMEIRA VERDADE LÓGICA: O Diabo é gay kkkkkkkk. Sim, já há algum tempo venho desconfiando disso. Afinal, como pode ele permitir humilhações sucessivas ao seu filho – o robozinho aperta-que-eu-abro-as-pernas kkkkkkk – aplicadas por um mesmo tenista, na presença dos seus familiares kkkkkk, se não fosse por uma paixão descarada pelo sérvio? Até aquelas devoluções de bolas impossíveis de serem defendidas e que quando voltam caem sobre a linha, coisa que o primogênito produzia a rodo, ele concedeu ao Djokiller. E a capacidade de trocar bolas ad infinitum com o adversário? E o preparo físico? Ah, ninguém sacou, mas as caras feias do robozinho não eram para seu staff: ele tava se matando por dentro NUMA CONVERSA SECRETA COM O SEU PAI KKKKK, face ao desamparo do satanás kkkkkkkkkkk. Num dessas queixas secretas, ele levantou o olhar para os céus kkkkkkk, e eu, telepaticamente, capturei seu murmúrio: me ajuda Senhor!!!!! Apelo a Deus kkkkKKKK. Um pouco tarde kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    SEGUNDA VERDADE LÓGICA: o robozinho tá se reinventando!!! Já ouviram essa? Fake news kkkkkk. Sim, pois na verdade, ele vem aprendendo, lentamente, a jogar tênis kkkkkk. Não? E como pode só agora seu saque lhe render elogios? Mas não adianta nenhuma melhora no jogo do robozinho frente ao Serialsiris do circuito. Até a ajudinha do Diabo-biba kkkk é descartável. De 2017 pra cá estamos vendo a prova cabal de que no robozinho sobra vigor físico e gana, mas falta tênis. O Rei, com a idade avançada, humilhou ele em 2017, fazendo apenas um breve ajuste na sua devolução. E como a memória das nadalzetes é interesseira, vale lembrar que depois do AO 2017, Fedex espancava kkkkk o robozinho com a mesmíssima facilidade com que o meu herói (perdoem-me pela minha bissexualidade tenística kkkk) zoofilizou kkkkKK o tourinho hoje kkkkkkkkkKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    TERCEIRA VERDADE LÓGICA: O robozinho é UNIDIMENSIONAL KKKKKKKKK Costuma-se dizer que ele só não ganhou o finals até agora porque esse torneio acontece no final do ano, e nessa época o filho renegado do capeta-gay tá no bagaço. Como se isso não valesse para todos os demais tenistas. Mas por que O UNIDIMENSIONAL kkkkkkk só ganhou o AO uma única vez? E olha que ele tava endiabrado naquele jogo final. Deu sorte porque a final não foi contra o Djokolouco kkkk

    CHUPA QUE É DE UVA NADALZETES KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Aparece MC dos fakes kkkkkkkkkkk e L Ferdandu kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      [quote] “(…)o robozinho tá se reinventando!!! Já ouviram essa? Fake news kkkkkk. Sim, pois na verdade, ele vem aprendendo, lentamente, a jogar tênis (…)”. [/quote]

      Eu confio que o Nadal está se reinventando.

      Sim, eu confio em HARVEY DENT. kkkkkkkkkk

      Responder
    2. Gilvan

      Lembrando que véspera da final, enquanto Djokovic estava curtindo uma praia com a sua equipe, comendo camarão, queijo coalho e pegando jacaré, o Bezerro Miúra estava treinando sob um sol escaldante o seu “novo tênis ofensivo”.

      Responder
    3. Maurício Luís *

      Demorou um pouco, mas quem é vivo sempre aparece. Devia estar de ressaca com a comemoração… Aposto como gastou metade do salário com rojões…

      Responder
    4. Ziggy Stardust

      “O LÓGICO”, nosso querido Barão de Itararé, nosso sardônico Stanislaw Ponte Preta, nosso arguto Millôr Fernandes, como é bom vê-lo de volta, sempre em grande forma, inebriante e impecável ! ! !
      Não há agradecimentos bastantes para quem nos arranca sadias gargalhadas…
      Felicidades ! ! !

      Responder
  47. Tadeu

    Mestre,

    Mais uma coluna perfeita, sem lacunas.
    Obviamente que o nível de Djokovic, na semifinal e na final, foi sobrenatural, beirou à perfeição. Em cenário semelhante, não vejo ninguém em condições de confrontar o sérvio que parece, mais uma vez, estar em plena forma física, técnica e mental. Dito isso, tenho dois questionamentos:

    – O Djokovic deste domingo me pareceu muito mais agressivo e menos passivo do que o Nole o qual estamos acostumados, apostando em longas trocas e no erro não forçado do rival como na versão 15/16. Concorda?
    – Com tanta soberania, por que o Djokovic, com alguns nomes da nextgen, enfrenta dificuldades? Foi assim com Kyrgios e Tsitsipas, apesar do retrospecto equilibrado com Zverev e Khachanov, entre outros.

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Tadeu, eu costumo dizer que é praticamente impossível se vencer Djokovic ou Nadal sem um tênis ofensivo, e isso cabe também aos dois.

      Responder
    2. Pedro Paulo

      Ele, djoko, faz isso direto. Só eleva o nível contra Federer e principalmente contra Nadal. Muitas derrotas dele para a nextgen e a lostgen, poderiam ser evitadas, se ele já entrasse com o nível alto.

      Responder
  48. Maurício Luís *

    Dalcim, não sei se o que vou sugerir é algo descabido, mas será que os jornalistas especializados em tênis poderiam fazer um comunicado em conjunto com a CBT pedindo ao Big 3 doações para as vítimas de Brumadinho? Grato .

    Responder
  49. Renato

    Novak só tem vantagem contra Roger no h2h porque não enfretou o suíço entre 2003 e 2007, além de 2017. Roger sempre esteve presente em todos os períodos favoráveis ao sérvio. Do contrário não podemos dizer o mesmo, seja por diferença de idade ou outros fatores.

    O circuito de hoje permite um passador de bolas, fisicamente perfeito e sem variação de jogo ser dominante nos slam. Bizarro.

    Novak não passa de um passador de bolas 4.1, freguês de Roddick, Kyrgios, Karlovic, além de eterno freguês da nova geração em final de masters 1000 é de Wawrinka em final de slam.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Como diria a pensadora contemporânea, “beijo no ombro pro recalque passar longe”. Uma vitória a menos para o Roddick faz de Djokovic freguês, mas passar o trator no Federer de forma sistema não tem qualquer relevância. Não interessaria que o sérvio era um adolescente e Federer #1 do mundo quando os embates começaram. Não importaria que os anos que hoje vão de encontro ao suíço já foram ao encontro lá atrás. Vai ‘venu’.

      Responder
      1. Paulo F.

        Bem colocado, Alessandro!
        Para as federetes apenas vale a ideia de que Djokovic virou o H2H por causa do envelhecimento do suíço.
        Somente esse argumento é válido.

        Responder
    2. Sérgio Cipriani

      Pesquisa aí no Google, coleguinha! Djokovic é o único jogador da história que tem H2H positivo contra todos os jogadores com quem duelou ao menos 10 vezes! Durma com essa! hehe

      Responder
    3. Carlos Henrique

      Quanto sofrimento! kkkk Chamar de freguesia o h2h contra Roddick, Kyrgyos e Karlovic é o tamanho da amargura!
      Bem vindo a “seita”. Aceita que dói menos.

      Responder
    4. Luis

      Eita, tá doendo ein?!
      Dica: disfarça um pouco o desespero e a tristeza nos seus comentários porque vc tá parecendo um menininho birrento de 12 anos.
      “O meu é melhor, o meu é melhor e ponto. RUM” kkkkkkkkkkkk

      Abs

      Responder
    5. Paulo F.

      Nadal viu ontem o quanto Djokovic é passador de bolas, não tomou nenhum winner de Djokovic.
      Tá certo, é muito fácil dar winners em Nadal,, né?
      Ganhando 03 GS em sequência, uau que “problemão” ser “freguês” da nova geração em finais de M1000.

      Responder
    6. Jonas

      Parece que o 15° slam do sérvio afetou você, já que o choro voltou e já fala as maluquices de sempre.

      Mas enfim, não precisa ser tão fã de tenis pra saber que no período 2003/2007 Djokovic estava surgindo para o circuito. Fanáticos como você não vêem o quanto o sérvio teve que evoluir pra bater de frente com a dupla Fedal, mas hoje é pai dos dois. Não há muito que vc possa fazer a não ser chorar mesmo.

      Responder
    7. Fonseca

      Que coisa triste… duvido que o autor de tal “brilhante” texto acredite nas próprias palavras…. enfim… o negócio é chamar atenção…

      Responder
    8. Enoque

      O confronto Federer x Djoko começou em 2006, sendo:
      2006 2×0 pro Federer
      2007 3×1 pro Federer
      2008 2×1 pro Federer
      2009 3×2 pro Djoko
      2010 4×1 pro Federer
      Então temos nestes 5 anos uma vantagem de 13 x 6 para o Federer. O Federer poderia ter colocado uma vantagem maior já que estava no auge contra o Djoko no início de carreira.
      À partir de 2011 a vantagem do Djoko foi enorme, ai sim, aproveitando a diferença de idade.

      Responder
    9. Roger Porciuncula

      Acho que você não entende de tênis. Dizer que Djokovic é um mero passador de bolas é demais para a minha cabeça. O sérvio é o único tenista que venceu todos os master 1000, o único, na era atual a ganhar os quatro Grand Slan em sequência. Leva vantagem no H2H contra Federer, Nadal, Murray, Wawrynka, Del Potro, e cia. Recentemente , no Austrália Open, surrou Nadal impiedosamente e conquistou 15 Grand Slans. Realmente te dou razão. Djokovic é um mero passador de bolas.

      Responder
  50. Renato

    Aviso aos fakes: Vamos parar com essas idiotices de se passar por torcedores de Roger e escrever: Sou torcedor do Federer mais admito que Novak é o melhor tenista que existe”. Kkkkk Que coisa idiota! Tá pra nascer um torcedor do suíço que pense que o sérvio é melhor. Não é!

    Se o Dalcim ou qualquer site esportivo dizer qualquer enquete, Roger teria o dobro ou triplo do que qualquer tenista. Fato!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ainda se surpreende ? Isso acontece sempre que o Sérvio vence. A sorte é que o Chatonik e seus BlueCaps desaparecem rapidinho na primeira derrota kkkkkkk Ainda bem que Novak nos ajuda e já perdeu 9 Finais de SLAM kkkkkkkk Abs!

      Responder
  51. Renato

    Paulo F,

    Não seja leviano. Onde eu escrevi que o título estava garantido para o espanhol. Está completamente enganado. Disse que se Nadal e Novak fizessem a final, a coleção de pratos australianos do espanhol iria aumentar.

    Aliás me arrisco a dizer que se o sérvio estiver fisicamente ok, Rafa jamais voltará a vence-lo fora do barro.

    Responder
  52. Valmir

    Esta final do Australian Open, embora não tenha tido um pneu… pela dominação total do primeiro ao último game me lembrou muito os… 6×1 6×3 6×0 da final de Roland Garros 2008.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é.

      E com a diferença de que o Federer nunca foi um suprassumo, jogando no saibro.

      Acho que comparativamente, o Nadal é melhor jogando nas rápidas, do que o Federer jogando no saibro…

      Imagine então, encarar uma final contra o mais temível especialista de saibro da história, e estando este, no auge da forma física…

      Ok, o Federer poderia ter feito um pouco mais. Não nego…

      No entanto, o Nadal de ontem, não poderia também?

      Só que a derrota dele, apenas serviu pra mostrar que isso pode acontecer com qualquer um.

      Talvez, até com o Djoko, um dia…

      Responder
      1. Miguel BsB

        Federer no auge foi um grande jogador de saibro sim…Chegou a diversas finais em RG, venceu uma, e nos Masters da terra batida.
        O azar dele foi sempre ter que enfrentar o Imperador do Saibro, Rafa Nadal…
        Chamo de imperador, porque reis do saibro para mim foram Villas, Borg, Muster, Bruguera, Guga….O Nadal é o Rei dos Reis nessa superfície.

        Responder
    1. Carlos Henrique

      Exato. Não fosse aquele charlatão que calhou de aparecer no pós RG2016, onde a motivação de Nole foi pro espaço, dando azo à dieta estapafúrdia e às vindouras lesões, quantos slams a menos estaria a diferença para o Nadal e o Federer?

      Responder
  53. Rafael Wuthrich

    Vi agora. Minhas impressões:

    1 – Maior derrota de Nadal em uma final e uma das maiores surras em final de Slam. Top 5 fácil. Lembrou muito o UO/2011, com a diferença que Djoko, dessa vez, não brincou nem relaxou em nenhum momento. O placar é enganoso: Djokovic deveria ter vencido ainda de mais, não fossem alguns erros e méritos do espanhol ainda no fim do 1o e início do 2o set.

    2 – Taticamente, espanhol não foi páreo ao backhand do sérvio. Tudo voltava angulado demais ou no corpo – e profundo. Nadal não conseguia agredir com o FH alto na esquerda – aliás, seu erro tatico de sempre contra Djokovic. O que o salvou diversas vezes foi o bh, já que Nole explorou as cruzadas e paralelas no bh do espanhol insistentemente.

    3 – O tão falado novo saque não serviu de nada. Atacado muitas vezes, não permitiu a Nadal tomar a iniciativa dos pontos. Me estranhou Nadal usar pouco o slice e tentar ser agressivo no que beirou a afobação. Inúmeros ENF bobos saíram da raquete do espanhol com o sérvio na defensiva.

    4 – Esse é um risco que um jogador não agressivo e de contraataque passa na carreira quando decide mudar de postura devido ao físico: o estilo de golpes e posicionamento não pagam com winners os ENF. Daí, o balanço de pontos é desequilibrado, e a confiança desaba.

    5 – Djokovic fez uma partida sublime, mas curiosamente nem achei ele tão espetacular como noutros tempos. Fez pontos impressionantes, mas o que lhe deu essa vitória acachapante foi a postura tática e um poder mental alto nas duas vezes que o espanhol incomodou. De resto, bolas na paralela com o backhand e ataques angulados nos saques em cima da linha – como Federer escancarou ser o calcanhar de aquiles de Nadal ainda em 2017.

    6 – Poucas vezes vi Nadal tão cabisbaixo em quadra. Essa surra doeu e ainda em quadra ele parecia derrotado. O poder mental sumiu e ele parecia um 50-70 do mundo qualquer. Até Pouille, mesmo na surra que tomou, parecia estar mais positivo. Tenho pra mim que essa foi a pior derrota que Nadal sofreu na carreira psicologicamente, porque vinha bem no torneio e foi engolido pelo rival como poucas vezes foi na carreira. Se isso o afetará daqui por diante só os Masters vindouros dirão.

    7 – Se o cenário seguir a tendência do AO, acho que Federer faz bem em se aventurar no saibro. Pressão zero pra ele.

    Responder
  54. Anti anti-jogo

    Uma pena apenas o número 1 do mundo esmigalhar raquetes com frequência… não prego o “moralmente correto” todo o tempo, mas essa esmigalhação é deprimente (isso quando não dá aqueles risinhos irônicos quando sente que a torcida não está com ele, ou quando o adversário põe bola na linha, etc).

    Contudo, foi o antídoto perfeito para Evil Robolito Kid. Ao menos o sérvio entra com uma certa leveza na face, cumprimenta amigavelmente na rede após derrotas, grunhe apenas em pouquíssimos pontos/rallies…

    Responder
  55. Renato

    Não vou me dar nem ao trabalho de responder o lixo que se referiu a mim como doente. Ser patético que se aproveita do anonimato para isso.

    Novak é um grande tenista. Ninguém se defende melhor que ele ou tem consistência igual. Agora dizer que ele tem um arsenal maior que Roger é piada! Kkkkk Apenas a devolução e o back São melhores que o do suíço. Em todos os outros golpes Roger supera.

    E dizer que ele é ou será maior que Roger é patético. O sérvio não passa de uma azeitona se comparado ao suíço.

    Responder
    1. Shesmam

      Uma azeitona q tem mais vitórias q ele no confronto direto kkkk Chora mais pq em dois ou 3 o Novak passará a ser o o recordista de GS, ele é bem mais novo q o Roger, é questão de tempo para ultrapassa-lo

      Responder
    2. Romão Gomes

      Numero de títulos é algo circunstacial. Navratilova, Evert e Graf foram melhores que a Serena, mas enquanto a Martina teve a Evert para dividir as conquistas, e a Graf teve a Monica Seles, a Serena não teve uma adversária a altura. A geração da Serena foi marcada por várias jogadoras talentosas, mas muito inconsistentes. Vejam a alternancia inccrível de jogadoras no posto de numero 1 nos períodos menos vigorosos da Serena. E aí chegamos ao Big3. Os três são fantasticos mas, embora com menos slams, o sérvio é aquele que mais conseguiu superar os outros dois quando os mesmos estavam em seu melhor. Por outro lado, Nadal e Federer só superaram Djoko antes da sua maturidade (pós gluten) em 2011 e, posteriormente, apenas quando o Nole não estava no seu melhor.

      Responder
  56. Marcelo-Jacacity

    Cassio,

    Você está certíssimo! Prudência é tudo. No tênis e na vida tudo pode mudar rapidamente.
    Não vejo o Djokovic, tão dominante quanto 2011 e 2015. Tomara que o sérvio continue nos surpreendendo.

    Responder
  57. Sônia

    Dalcim, por que esses tenistas aposentados “comentaristas” rsrsrs insistem tanto em previsões futuras, sendo que as possibilidades ainda estão distantes? Nem parece que conhecem as “variáveis” desse esporte, aliás, perdi a conta de quantos já falaram besteira, continuam falando besteira e sempre fica por isso mesmo. Seria “holofote”? Beijos.

    Responder
  58. RicardoCWB

    E voltamos a junho de 2016.

    Djoko recuperou o tempo perdido e, novamente, está a 5 títulos de GS atrás de Federer e 3 atrás de Nadal.

    Roland Garros 2019 promete e muito!

    Além de contar com a volta do suíço depois de 4 anos sem jogar por lá, pela pela primeira vez poderemos ter a diferença do número de títulos em majors do BIG 3 reduzida: o espanhol pode ficar a 2 títulos de se igualar a Federer e o sérvio pode ficar a 2 de Nadal e a 4 do suíço.

    Ou, claro, Federer poderá ampliar seu domínio, o que acho bem improvável, e, sinceramente, sinto que ele deve pensar o mesmo.

    Que venha o saibro!

    Ps.: Os três conquistaram seu 15º GS nos torneios em que são os maiores vencedores:
    Federer: Wimbledon 2009
    Nadal: Roland Garros 2017
    Djokovic: Australian Open 2019

    Responder
  59. Geraldo Flavio

    a vitoria de hoje sobre Nadal lembra as contra Federer no Wimbledon 15, US Open 15, e Aopen 2016. onde Federer vinha humillando adversarios e ao encontrar Djokovic desabava em quadra. isso prova que a melhor versao djokovic supera em muito, mas muito mesmo o melhor Federer e o melhor nadal

    Responder
    1. Chileno

      Você tá de brincadeira. Não dá pra comparar essa derrota do Nadal com as do Federer em 2015 de maneira nenhuma. Em WB os dois primeiros sets foram ao tie-break. Federer venceu um e Djoko venceu o outro. Daí pra frente sim, o físico começou a pesar muito, e Djoko passou a ter mais facilidade. No US Open também o Djoko não teve tanta facilidade quanto ontem.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Chileno, o que o colega disse aí é que Federer matava os adversários (Murray inclusive numa semi) até a final, e somente nela apitava.
        Fica incoerente culpar o físico apenas.

        Responder
        1. Chileno

          Luiz, na minha opinião, o colega acima falou duas besteiras enormes. A primeira delas: Federer “desabou” em quadra em WB 2015, US Open 2015 e Australian Open 2016. Onde que ele desabava contra o Djokovic? Em todos esses jogos levou pelo menos 1 set. Em WB, os dois primeiros sets foram ao tiebreak. No US Open também, o jogo foi parelho até pelo menos o terceiro set, quando o desempenho do Federer começou a cair e o Djoko continuou com a mesma intensidade. O único momento minimamente comparável à final deste Australian Open 2019 dentre os citados, foi a semi do Australian Open 2016, na qual, realmente o Federer começou o jogo bastante cabisbaixo, e Djoko levou dois sets com grande facilidade. Ainda assim, ao contrário do Nadal nesta última final, Federer se fortaleceu e ainda reagiu no terceiro set. Não acho que o Federer jogou o melhor que podia contra o Djoko nesses jogos. Quanto a isso eu concordo. Mas DESABAR?

          A segunda é usar essas vitórias como uma suposta “prova” que Djoko venceria o melhor Federer e o melhor Nadal. O que tem a ver uma coisa com a outra? Em 2015, o melhor ano da carreira do sérvio, ele teve dificuldades contra um Federer já muito abaixo do que foi seu auge. Eu até acho razoável imaginar se o Djokovic 2015 venceria o Nadal 2010, o Federer 2006 ou mesmo o Federer 2017. Talvez vencesse mesmo. Nunca saberemos. Mas onde que ele vencer um Federer lento e burocrático em 2016 prova que ele teria vencido o Federer 2017 com backhand retrabalhado, preparo físico aprimorado, etc.?

          Responder
  60. Eduardo

    Dalcim, quando tu diz “Parecia difícil, mas é inegável que Djokovic conseguiu colocar o tênis masculino num patamar ainda mais elevado” é em relação a atuação de hoje beirando a perfeição?

    Responder
      1. Daniel

        O que me chamou a atenção foi isso: o tênis subiu um nível.
        A precisão, VELOCIDADE e força dos golpes chegou num patamar que não lembro de ter visto. Nâo durante tanto tempo seguido.
        Isso só foi possível porque o Nadal estava do outro lado e jogou muito também.
        Após assistir um compacto da partida, apareceu um video com pontos incríveis do Federer, inclusive muitos deles contra o Djokovic.
        A elegância e variedade de golpes é inegavelmente superior, porém a velocidade e a força…
        Nâo sei o que é, se é preparo, evolução física, dopping (tomara que não) ou o quê, mas o tênis está mudando novamente.

        Responder
        1. Sônia

          Não há fiscalização séria e “poucos” conseguem os “privilégios”. Nesse esporte impera o $$$, lamentavelmente está valendo tudo. Não adianta o Safin cobrar da nextgen (garotada fraquinha fisicamente), físico é 75% hoje. Difícil Slam, muito difícil. Beijos.

          Responder
  61. Carlos

    Lembro do Djokovic espantoso em 2011. Agora ele está melhor ou ainda 2011 é referência?
    Outra pergunta, Dalcim: Federer teve, nesta década (a começar em 2010), algum momento melhor do que os anos que ele dominou o tênis , entre 2004 e 2007?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Djokovic subiu de nível nos últimos meses, mas não tem ainda a consistência de 2011. Para mim, o Federer de 2017 foi o melhor de todos.

      Responder
      1. Ulisses Gutierrez

        Idem.
        Aquele Federer do AO2017 ganhava do sérvio de hoje. não tenho a menor dúvida. Seria muito disputado, mas ele naquele torneio atingiu um nível gigantesco.

        Responder
      2. Ed Jr

        Nessa discordo do mestre, o dominio de Djoko em 2011 foi pleno. Foi como se ele jogasse TODOS os jogos como o dia de hoje, Federer foi em 2017 o q sempre foi: genio, mais genio ainda. Mas sem esse dominio.

        Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Federer 2006 foi melhor. Deu o azar de pegar o Ogro em finais de Masters no saibro em melhor de 5 sets (Djokovic deu sorte nessa, pois enfrentou Nadal no saibro em melhor de 3 sets).
          2006 – Federer teve 5 derrotas no ano, sendo 4 pro Nadal. Isso em 97 jogos disputados. 16 finais em 17 torneios disputados. Monstruoso.

          Abs

          Responder
      3. Luiz Fabriciano

        Apesar de não ser torcedor de Federer, gostei muito dessa resposta, por uma questão de ideologia. Assim, vindo de um especialista como você, que até hoje sustenta a posição de não se declarar torcedor de A ou B, talvez acabem de vez de atribuírem apenas à idade de Federer, o incrível domínio que Novak Djokovic exerce no cenário tenístico desses últimos 10 anos para cá.

        Responder
  62. Anti anti-jogo

    Por trás de todo o “blá, blá, blá” (Robolito Kid não pode fazer um ajuste de meio milímetro no serviço, por exemplo, que teses de doutorado são escritas à respeito), Nadal não perde a chance em cada derrota de falar de suas contusões.

    Enfim, uma coisa que não foi dita: nas cinco vitórias do Meste Suíço sobre Robolito Kid, do último set da vitória no Asutralian Open até a última vitóri, foram SETE sets seguidos vencidos pelo suíço…. Somando-se aos vinte sets seguidos de Djokovic vencidos sobre Nadal na quadra dura desde o US OPen 2013, a conclusão é dramática: ROBOLITO NÂO VENCE MAIS SET SOBRE DJOKOVIC OU FEDERER FORA DO SAIBRO! (mas a conta continua gorda, então tudo bem, cada um no se upedaço).

    Responder
  63. Renatinho

    Dalcim ,na minha opinião do big 3 o menos bom é o Nadal.Ele é sobrenatural no saibro (maior da história neste piso),mas nos outros pisos apesar de ser ótimo(tem slans neles inclusive) é inferior ao Nadal e Djo.Se vc colocar o nível máximo de cada um nos outros pisos o Nadal tem menos tênis que Djo e Federer.Só no saibro que sobressai sobre os 2.O que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Por outro lado, é o tenista que precisou fazer mais adaptações no seu estilo para brilhar fora do seu habitat, e para mim isso também tem um grande valor.

      Responder
      1. Renatinho

        Dalcim,cometi uma gafe sem ver o que escrevi kkkkkkk Imagino que assim como eu vc tb não percebeu e leu mentalmente Federer aonde digitei Nadal.Eu falei que Nadal era inferior tecnicamente a ele mesmo nos outros pisos kkkkkkkkkkkkk Correção:”……….outros pisos apesar de ser ótimo(tem slans neles inclusive) é inferior ao FEDERER e Djo.”

        Responder
  64. Romão Gomes

    Dalcim, não é curioso como o Finals quase não entra na discussão sobre o número de títulos importantes do Big 3? Afinal, esse torneio é considerado por muitos o 5° maior. Deveria então, ser somado, no mínimo, ao numero de conquistas em Masters. Mas fica meio que fora de lugar, sei lá…

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Concordo contigo. Tbm penso que deveriam ser somados ao número de Masters, afinal é o torneio da classe Masters mais importante da ATP, tanto que já foi chamado Masters Finals!!

      Responder
    2. Cleydson

      É só somar, jovem

      Djokovic…….37 ( 32 + 5 )
      Federer……..33 ( 27 + 6 )
      Nadal………..33 ( 33 + 0 )

      O Djoko, apesar de ser o mais novo e de ter muita lenha ainda pra queimar, já lidera isso. A tendencia é terminar a carreira muito a frente.

      Responder
      1. Sônia

        “Outrora”, os Marters 1000 eram disputados em 5 sets (creio, não tenho certeza, só as finais). Essa comparação, se consegue entender, não faz sentido. GS e Finals, não mudaram. Beijos.

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Não sei se essa observação de outrora, foi para desmerecer fulano, ou enaltecer beltrano, mas os Masters tinha 5 sets apenas em finais mesmo, como você colocou sua dúvida e o Finals mudou sim, também era de 5 sets em finais, vide Guga 3 x 0 Agassi – Lisboa 2000.
          Mas as mudanças, em meu ponto de vista, não tira o mérito das conquistas de ninguém e também acho que o Final é o 5º evento em importância no calendário atual.

          Responder
    3. Penido

      Acho que nem dá para dizer que muitos “o consideram” o 5º maior, como se fosse algo teórico e baseado puramente no subjetivismo da opinião. Quando pensamos que depois dos 2.000 pontos distribuídos pelos 4 slams ao seu vencedor máximo, temos os 1.500 distribuídos pelo Finals ao campeão (se este não perder jogos no Round Robin), constatamos que este é, sim, sem sombra de dúvidas o torneio de 5ª grandeza no circuito.

      Além disso, não exite formatação de torneio tirando o próprio Finals onde se joga 5 vezes contra top 8 (podendo ser 2 vezes um mesmo se encontrar alguém do próprio grupo na final). Nos demais torneios, se joga no máximo 3 vezes contra top 8 (isso se não forem eliminados antes – só como ilustração Djoko e Nadal pegaram somente um ao outro de top 8 na campanha).

      Então, também concordo completamente com essa observação no sentido de que deveria ser um ponto relevante na matemática para se analisar as carreiras dos tenistas.

      Responder
  65. Alan Guimarães

    Olá Dalcim,

    Fazendo uma análise global dos Slams do Big 3:

    Federer : 11 nas quadras rápidas, 8 na grama e 1 no saibro
    Nadal: 4 nas quadras rápidas, 2 na grama e 11 no saibro
    Djokovic: 10 nas quadras rápidas, 4 na grama e 1 no saibro

    Na hard , Djokovic vai passar o federer e teremos os 3 grandes dominando cada 1, um tipo de piso.

    Com relação ao jogo de hoje, sem comentários, Djokovic é mais jogador que o espanhol, fora do saibro.

    Sobre recordes, acho mais fácil o Djokovic bater o número de semanas como 1 do mundo que ganhar mais 6 Slams….

    Dalcim, o que você pensa sobre essa previsão??

    Um grande abraço!!!

    Responder
  66. Carlos

    Sou fâ do Federer. Gosto de tênis muito por causa do Federer. Sou, então, “federista”.
    Mas tenho que dizer: Djokovic é o melhor tenista que já vi jogar. É o melhor de todos os tempos em minha opinião. Como já disse em outra oportunidade, o Djoko está colocando o tênis num patamar quase sobre-humano, sei lá como se chama algo acima do humano. É quase um robô programada para matar, no caso derrotar os adversários.
    O Nadal, na história do tênis, será inferior ao Federer (pela plasticidade do tênis, o Federer é muito mais craque) e com certeza inferior ao Djokovic (que é o melhor mentalmente e fisicamente da história). Para haver discussão Nadal e Federer, o Nadal precisará ganhar mais slams que o mestre. Djoko eu acho que passa o Federer em Slams, ainda que machuque um tempo, sempre voltará forte, pois tem um físico privilegiado.
    Enfim, nessa disputa quem ganha somos nós, admiradores dos craques. Reconheço os três como grandes, enormes, fenômenos. Cada um que tenha sua preferência, mas o que vale é ver todos bem. Quando pararem, todos sofreremos, pois não vejo nessa “next gen” ninguém com essa força dos três.

    Responder
  67. Eduardo Silva de Oliveira

    Olhando a expressão do Nadal durante o jogo achei ele apático e não demonstrando espírito de reação nem no terceiro set. O que será que aconteceu ao Nadal, sendo que ele teve alta performance durante o torneio, muito confiante e agressivo. Acho que pelo menos ele deveria disputar o jogo com o Djokovic.

    O tempo dirá o que aconteceu!

    Responder
  68. Leonardo Felix

    A frieza de alguns números para enriquecer o debate:

    -Djokovic agora lidera o H2H contra Nadal por 28×25. Sendo: 19×6 nas quadras duras; 2×2 na grama; 7×16 no saibro.

    -O mais impressionante é que, desde o US Open 2013, Nadal e Djokovic se enfrentaram 15 vezes com placar de 12×3 para o sérvio. As três vitórias de Nadal vieram no saibro, o que ainda assim deixou o placar meramente empatado em 3×3. Ao mesmo tempo, Novak somou 8×0 na quadra dura e 1×0 na grama. Detalhe: nos oito últimos embates sobre piso duro o sérvio não perdeu um set sequer para o espanhol, e teve seu serviço quebrado apenas duas vezes.

    -De 2006 a 2010, Nadal aplicou 16×7 sobre Djokovic, sendo: 9×0 no saibro; 2×0 na grama; 4×7 no cimento. Ou seja: o ibérico sempre teve dificuldades contra o rival do leste europeu no piso duro.

    -De 2011 até hoje, quando Djokovic deu a guinada definitiva em sua carreira, o placar está 21×9 para Djokovic. Sendo: 12×2 nas quadras duras; 2×0 na grama; e um interessante empate de 7×7 no saibro.

    Sendo assim, acho que fica mais do que claro que Nadal virou freguês de carteirinha de Djokovic sobre o piso duro, coberto ou não, e passou a sofrer contra ele até mesmo no seu reduto, o barro. É mais provável Djokovic bater Nadal na quadra dura do que este bater aquele no saibro.

    Podemos afirmar mais: de 2011 até o presente momento Nadal foi tão freguês de Djokovic quanto Federer foi freguês dele mesmo, Nadal, entre 2004 e 2014.

    Responder
  69. Igor Menezes

    Apesar do tenisbrasil dizer que Nole não mira Federer, o site português yellow ball afirmou que Nole assumiu abertamente que passar os 20 Slams de Federer é uma de suas motivações no esporte… Ele tem duas metas ambiciosas: o Grand Slam e recorde de Majors. Por incrível que pareça, ambas possíveis! Ahhhh…. onde Djoko estaria agora, se não inventasse de sair por aí abraçando árvores…. Como me custa aceitar esse episódio.

    Responder
  70. Luiz Fernando

    IMPRESSIONANTE, indiscutível e cristalina vitoria do Djoko, q fez com Rafa o q este fez com os seis adversários anteriores. Dominou os 3 sets, sem dar qualquer chance a Rafa. O mais absurdo é q ele venceu mais pontos com o segundo serviço do q Rafa com o primeiro. Precisa dizer mais algo? O servio se firma como o mais forte candidato a obter os maiores recordes do tênis, pois ainda tem muita lenha pra queimar.

    Responder
  71. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,

    Você também vê o sérvio muito leve? Quero dizer, sem pressão, já tendo vivenciado esse momento em 2015 e com o retorno que teve parece que ele está mais em paz consigo mesmo, você concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Aparentemente sim, Marcelo, mas ele por vezes exagera. Outra vez correu sério risco de eliminação nesse AusOpen ao isolar uma bola sem necessidade.

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Isso é verdade. Ainda oscila! É cerebral e ao mesmo tempo emotivo. Às vezes passa por uma briga interna…rs
        Bom, o importante é o guru ficar longe!

        Responder
  72. Marcelo-Jacacity

    Djokovic está surpreendendo a todos e mim com certeza! Depois de cair em poço de incertezas conquista 3 slams em sequência.
    Inacreditável! Sinceramente, achava que o sérvio não tinha mais chances de conquistar tantos Majors, e olha o que aconteceu!?
    Tem os Master norte-americanos e europeus, mas a ansiedade é ver o que o Novak pode aprontar para cima do Nadal!
    15 Slams —–Histórico e ainda mais nessa época com Nadal e Federer.

    Responder
  73. FRED JOSE FERREIRA RIBEIRO

    Na verdade era uma duvida,mestre Dalcim.

    O senhor acha que Federer na grama ou Nadal no Saibro podem trazer mais problemas ao Djoko?
    Bem…acho que o Federer na grama pode trazer mais problemas ao Djoko jogando bem. Acho que o Djoko pode elevar muito mais o nível em RG quem na grama sagrada.

    E o senhor?

    Responder
  74. Rafael

    Estava eu lendo no TenisBrasil que “Nadal enaltece algoz etc” e fui pros comentários, todos brincando ou falando mais sério, mas de boa.

    Aí vem um cidadão e posta: “Eu quero as brigas, não esqueçam de falar do Federer.”

    Não tem jeito mesmo, rsrsrsrs Por isso que BBBs e esses lixos duram tanto no Brasil, o pessoal adora um pega pra capar.

    Responder
      1. Rafael Couto

        Muito obrigado Dalcim!
        Assisti o jogo e interessante como o Ceará melhorou na aproximação de rede.
        Pontuou muito bem com esse fundamento.
        Bem feliz com a vitória do Monteiro!!!

        Responder
  75. Gilvan

    Ao assistir o jogo de hoje, nao pude deixar de lembrar do personagem vivido pelo humorista Manfried Santanna em Os Trapalhoes> Dede Santanna.
    Dede nao era o mais talentoso e inteligente (papel do Didi), nao era o mais engracado (papel do Mucum), tambem nao era o melhor ator ou o personagem preferido das criancas (papel do Zacarias).
    Dede era um escada. Sua funcao era preparar a piada para que um terceiro pudesse brilhar em cena. Em suma, Dede levantava a bola para o Didi, o Mucum ou o Zacarias cortarem.
    Era uma figura necessaria no programa? Nao tenha duvidas. Contudo, seu papel era secundario e seu momento de gloria era o brilho da estrela alheia.
    No jogo de hoje, Rafael Nadal escolheu ser Dede Santanna. Sua postura defensiva serviu perfeitamente ao Djokovic, que fez do espanhol gato e sapato. Ele esteve atras em todos os numeros (erros, winners, aces, break points etc) e parecia estar em quadra apenas para `preparar` os pontos em prol do servio, para que ele brilhasse.
    Em outros tempos, quando o fisico lhe ajudava, talvez ficar na defesa fosse o suficiente para garantir uma vitoria pelo cansaco do adversario. Hoje, com 32 anos nas costas, seu jogo lhe garante apenas um papel de coadjuvante numa partida de alto nivel, principalmente fora da terra batida.
    Por fim, com as seguidas contusoes e sem a capacidade para realmente mudar seu estilo de jogo (eu ouvi essa semana que o Nadal tambem sabe jogar no ataque?), esta situacao so tende a se acentuar, o que certamente redundara na cada vez mais proxima aposentadoria do Touro.

    Responder
  76. Jonatas Bruno

    Vitória incontestável de Djokovic! Me pareceu bem relaxado no jogo e em nenhum momento demostrou fragilidade. Faz o que bem entender, com o seu conhecido poder de fogo na devolução, aliada a sua virtude de colocar a bola aonde quer.. E quando a cabeça e físico estão em dia, aí é só com ele mesmo!

    Já o Nadal era visível que demonstrava tensão desde o início, com isso fez Djoko jogar cada vez mais solto e confiante.
    Ainda assim, o bravo espanhol vem forte para os próximos torneios. Ainda é um nome a ser respeitado. Djokovic sabe disso! Cada jogo é uma história. É quem estiver melhor no momento e no contexto como um todo.

    Enfim, o jogo não foi “divertido” conforme indicava que podia ser. Ainda sim, põe mais molho na disputa do ouro nos Grand Slams.
    Será um “barato” acompanhar o desenrolar…

    Curioso que Novak e Naomi, ganharam dois Grand Slams consecutivos ao mesmo tempo!
    Ambos tomando gosto pela repetência rs
    Com isso a motivação tende a subir. Para isso terão que pousar na terra batida!
    Próxima parada: Paris-A Cidade Luz
    Até lá!

    Ao Dalcim e equipe, não poderia deixar de prestar o reconhecimento pelas informações, atualizações de resultados, análises e estatísticas.
    Considerando as circunstâncias dos horários dos jogos, sabemos das dificuldades inerentes em passar a informação para seus fiéis leitores.
    Valeu D+!!!
    Abraços.

    Responder
  77. Ricardo - DF

    O massacre de hoje reacende a discussão sobre o GOAT. Para mim, é Federer, pela exuberância de seu tênis. Independente dos números, pois Djokovic, se manter esse nível por mais uns 2 anos, pode superar o suíço. Mas, ocorre o que Dalcim já tinha levantado em outro post, que gerou controvérsias. A exuberância técnica do Fedex não é mais tão importante no tênis moderno.
    Vejam os campeões deste ano no AUSOPEN, Djoko e Naomi. Saque, forehand e backhand, do fundo da quadra. No feminino isso é muito mais gritante. Naomi foi campeã com pouquíssima variação de golpes. Sharapova foi quase patética ao insistir do início ao fim nas pancadas de direita e esquerda – e seus berros impotentes – contra Barty, que devolvia tudo. Nem uma curtinha, slide, subida à rede, nada !!!
    E, com quadras lentas e raquetes poderosas se resolve tudo do fundo da quadra. Para quê gastar tempo treinando voleios se 90% ou mais dos pontos podem ser resolvidos do fundo? Melhor investir quase todo o treinamento em poderosos golpes de fundo, o ganho é muito maior. E o tênis fica mais pobre em variações, mas muito competitivo.

    Responder
    1. Gildokosn

      Pow cara, concordo muito contigo, e acho até triste as vezes mas essa é a realidade. E digo mais, o cara que tiver a capacidade de devolver tudo para o outro lado, sempre uma bola a mais e mais e mais, esse cara ta com mais de meio caminho andado hoje em dia. E à anos quem são os 2 tenistas que sempre vimos fazer isso com perfeição? Justamente as 2 lendas que se enfrentaram hoje.
      Esse é o tênis dos anos 2010 kkkk

      Responder
  78. Carlo

    Dalcim, pelo histórico recente entre eles, parece que o Djokovic fez com o Nadal o que o espanhol fez com o Federer: criou uma barreira mental que já faz com que ele entre em quadra inseguro, vc concorda que isso tenha ocorrido? Se ocorreu, isso pode deixar o Nadal vulnerável tb no saibro?

    Responder
  79. Eduardo

    A menos que o Nadal revele que almoçou uma feijoada hoje, a final de hoje deixou muito claro que ele nunca mais ganhará do Djokovic em uma quadra dura.

    Responder
  80. Igor Menezes

    Do jeito que as coisas estão acontecendo, a primeira grande marca a cair será o n° de semanas no topo do ranking. Djoko terá 236 amanhã. Tem matematicamente garantido até a semana n° 250, durante o Masters de Madrid. Mas a possibilidade de perdoar a ponta em Madrid é apenas residual e é quase certo que ele chega até à semana n° 259, na metade de Wimbledon. Mas considerando que na contagem de um ano, ainda seriam contados, pelo menos, 2 dos 4 Slams (USO 2018 e AO 2019), é provável que ele saia de WB na ponta e chegue sem muito esforço até a metade do US OPEN, o que seria a semana n° 267 na ponta. A partir daí, pra seguir avançando, ele vai precisar dos pontos que conseguir conquistar nesta temporada.

    Responder
  81. Ricardo - DF

    Eu achava que ia dar o Djoko. Afinal, em Wimbledon, o Nole com 60-70% de sua capacidade já tinha conseguido bater Nadal, imagine agora que está acima de 90%. Mas não imaginava um atropelamento desses! Impressionante.

    Dalcim, dá para comparar o domínio mental de Djoko sobre Nadal com o domínio que Nadal tinha sobre Federer ? Uma vez num AUSOPEN cheguei a ficar com pena do suíço, tal a surra que tinha levado do espanhol, numa semifinal, creio.

    Federer conseguiu se reinventar, especialmente atacando o balão espanhol no backhand, fonte de pesadelos do suíço. Teria alguma coisa que Nadal poderia fazer para tentar enfrentar o sérvio? Reinventar seu forehand, com preparação mais curta e mais chapado?

    ABS, parabéns pela análise!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim. Além do mental em si, são estilos que se encaixam, algo peculiar no tênis. Fiquei surpreso por ver Nadal tão recuado. Nada daquela segunda bola na subida, agressiva, de direções variadas. Acho que faltou postura, o que tem a ver com confiança talvez.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Esses pisos nunca estão idênticos de um ano para outro, mas o US Open costuma ser um pouco mais lento, principalmente nos estádios principais e à noite, Edval.

      Responder
      1. Sérgio Cipriani

        Em complemento ao colega, lembro que ele tem mais finais no USO do que no AO (8 x 7)… Mas, concordo que o jogo dele não é tão vistoso nos EUA quanto na Austrália, e ele dá mostras de insegurança também no Slam americano. Quanto a sua resposta, mestre Dalcim, penso que o vento também é um fator que danifica muito o jogo de Nole, que é um jogo baseado em ataques de precisão… Como ele não consegue atacar do jeito que gosta, fica naquele jogo defensivo de empurrar bolas pra quadra adversária… Mas graças a estrutura do teto da quadra principal do USO, que diminui o efeito do vento, seu jogo tem melhorado.

        Responder
  82. Igor Menezes

    Rafa precisa vencer RG pra chegar aos 18 Slams, se aproximar de Federer e conter o ímpeto do sérvio… Olhar pra frente sem descuidar do retrovisor… Teremos momentos de tensão históricos vindo pela frente… Com tanto em jogo, motivação não lhes vão faltar e nossos carentes e sensíveis meninos abandonados precisarão esperar mais um pouco pra terem a chance de vencerem Slams…

    Responder
  83. Igor Menezes

    Fica a expectativa de ver como Federer vai lidar com esse cerco cada vez mais apertado de Nole e Rafa sobre seus recordes… Uma coisa é certa, se ele intencionava se aposentar ano que vem, pode já estar revendo seus planos… Duvido que ele tem a coragem de sair do circuito com seus 2 principais rivais no topo do ranking e ainda dividindo títulos de Grand Slam… Vejo uma insegurança danada de Roger em deixar Nole e Rafa sozinhos no circuito, mas é inevitável, isso vai precisar acontecer mais cedo ou mais tarde… Seria legal pra equilibrar o período que Roger venceu na ausência deles.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Meu caro , Igor Meneses. Sumiu um bom tempo e continua o mesmo imaturo de sempre. Ainda bem que não voltou com aquele papo de farmácia . Vou te dar uma dica. Martina Navratilova se aposentou pela idade avançada. Não foi a maior vencedora em número de SLAM ( em Simples ) e também não em Semanas no Topo do Ranking.Para muitos , inclusive o blogueiro , é a maior Tenista de Todos os Tempos à frente de Serena e Court. O Craque Suíço CINCO, SEIS anos mais velho que seus principais oponentes desde 2005 , 2007 ,vai se aposentar do mesmo jeito que a Theca. É óbvio que pra muitos como você, caso seja ultrapassado pelos seus Sobrinhos, perde a Majestade. Para o Esporte Tênis considero muito difícil. Somente o tempo vai mostrar as crianças, que a história será contada de uma maneira bem diferente. Abs!

      Responder
      1. Jonas

        Errado. Caso seus recordes sejam quebrados, será tratado como um dos maiores tenistas da história, é isso pq de fato ele é.

        E quem o passar, será tido como o MAIOR, just like that.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Essa é a sua opinião. Pode ser que o Mundo do Tênis não concorde. Sampras foi considerado ( devido aos números ) , superior a Laver e Borg. Muitos não concordaram e o Jonas ? Há , sei . Não os conhece…. Abs !

          Responder
      2. Sérgio Cipriani

        Bom, gosto da sua agressividade. Se fui ofendido, é porque, de alguma maneira, incomodei. Vc não iria perder tempo com besteira, se não teria que responder muito comentário por aqui… Tbm acho Martina a melhor. Teve Evert pra reduzir seus números de Slam, senão, seriam estratosféricos… Serena não tem ninguém, e se dá ao luxo de ganhar Slams velha, gorda e sem preparações ideais…. Mas há uma diferença essencial na situação de Martina a de Roger, caso ele perca a hegemonia de seus números. Ela foi a soberana de sua época, a tenista mais vitoriosa entre todas as outras que cruzaram sua carreira…. Se elas dividissem a mesma época, Martina não permitiria que Serena tivesse mais Slams do que ela. No caso de Federer, ser ultrapassado por seu rival, contemporâneo de até o momento, 16 anos de circuito, e nada podendo fazer para impedi-lo de superá-lo, ficaria óbvia e cristalina a hierarquia entre eles. Abs!

        Responder
  84. raul

    Boa tarde, Dalcim, como sempre seus artigos são excelentes, não é preciso nem vê a partida para saber como foi, é só ler o que vc escreve e a gente tem uma noção exata do que ocorreu, com a vantagem de ter o detalhes técnicos e táticos que só vc sabe traduzir de forma didática para os leigos, como eu.
    Agora, se vc puder, me responda uma dúvida, sem ficar em cima do muro, brincadeira, rsrs! Se Roland Garros fosse amanha, com o nível de jogo apresentado por Djokovic e Nadal, vc acha que o sérvio seria favorito na França, um abraço e fica em paz.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Raul. Sim, se fosse amanhã e nenhum dos dois tivesse grande tempo para adaptação, moralmente Djokovic estaria em vantagem. Mas não é, teremos uma longa temporada no saibro antes de Paris e então… aguardemos! rsrs… Abs!

      Responder
  85. André Barcellos

    Eu disse que Djokovic não voltariamamser dominante como antes. Errei. Agora ele ganhou os mesmo três Slams que os outros dois GOAT, depois de renascer.
    Com a diferença que o caminho parece bem mais promissor para ele.
    Pessoalmente, não,acho que ele chegue nos 20 do Federer. São muitas as variáveis.
    Mas superar 17 ele parece que vai.

    Responder
  86. André Barcellos

    O Nadal tão obcecado por superar Federer, está perdendo, a passos largos, seu ranking como segundo melhor da história para Djokovic.

    Responder
    1. Thiago Silva

      Não é só o Nadal que está obcecado pra passar o Federer, o sérvio também tem a mesma obsessão.
      E pode apostar que o suíço também está obcecado em manter o posto.

      Responder
  87. Marcos Marinho

    Djokovic fez uma partida perfeita, mas esteve muito claro para mim que ele jogou acima da própria capacidade, que é quase infinita. Hoje foi o famoso “dia iluminado” do sérvio, como Federer e o próprio Nadal já tiveram também – lembro da semi de RG em 2011, quando um suíço inspiradíssimo destruiu a série de vitórias de Djokovic, e da final de RG 2008, quando o espanhol amassou Roger facilmente. O nível exibido hoje não é o que o Djokovic joga sempre. Dito isso, o circuito está aberto. A última vez que previram um Novak “sem adversários” a altura ele ficou 2 anos sem título de Slam.

    Dalcim, o que você pensa sobre o Federer? Está em despedida ou buscará evoluir para competir no nível do sérvio/espanhol?

    Responder
  88. Fernando C.

    Dalcim.

    Você concorda que o Djoko afina o jogo dele quando chega nas últimas rodadas? O mental parece ficar alucinado. Como se os jogos anteriores fossem meio que um fardo (rs).

    Responder
    1. Roger Porciuncula

      Uma coisa que venho observando há tempos a respeito de Djokovic e Federer. Em alguns Slans , Federer vinha amassando seus adversários com um placar elástico, enquanto que Djokovic vinha se segurando, ganhando com certa dificuldade de seus oponentes. Quando se encontram, a lógica se inverte e Djokovic amassa Federer. Vide Austrália Open 2016, na semifinal. Djokovic amassou Federer

      Responder
  89. Philip Furtado

    Dalcim,

    Que massacre. Acho que ninguém esperava por isso. O que vc acha que Nadal precisa trabalhar para pelo menos tentar equilibrar o jogo com o sérvio?

    Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na quadra dura? Jogar mais perto da linha e cortar a tática dos inside-outs. Nadal sempre equilibrou quando apostou no forehand paralelo.

      Responder
  90. Sérgio Cipriani

    Uma coisa é certa: Esses caras são famintos! Não dá pra falar em falta de motivação. A competição deles não é mais ser vencedor de Slam ou n°1 do mundo…. Eles estão brigando pelo status de melhor da história. Quem diz que eles não têm mais nada a provar, se enganam redondamente… Cada 1 dos 3 ainda deseja provar a seus 2 maiores rivais que, quando suas carreiras encerrarem, ele é o que estará acima dos outros!

    Responder
  91. Davi Poiani

    Caro Dalcim, ótima análise como sempre!

    Esperava um jogo mais parelho, como na semi de Wimbledon! Nitidamente houve ansiedade, pressão auto imposta e falta de concentração. Some-se a isto a pressão que Djokovic exerce nos adversários… tivemos então este atropelo, exibição perfeita do sérvio! Muito seguro e confiante, o oposto na questão mental.

    Nem sempre prevalece a lógica: se A vence B e B vence C; então A deve vencer C mais facilmente que B. Interessante como o jogo de um encaixa mais ou menos com determinado oponente. Federer, Tsitsipas ou Wawrinka (em boa forma) poderiam ter dado muito mais trabalho ao Djoko hoje.

    Mas eis a questão, chegar na final é outra história, mesmo com a derrota contundente como a de Nadal hoje. Não à toa tem um troféu para o runner-up (vice). Lembremos que estes caras já levaram várias vezes a bandeja de vice para casa: Federer 10 em 30 finais, Djokovic 9 em 24 finais e Nadal 8 em 25 finais. Na média em torno de 1/3 das finais.

    Por isto mesmo que o Big 3 é esta “entidade” à parte no tênis. Os 3 elevaram o nível um dos outros ao longo dos anos. Agora, além dos 52 títulos somados, juntos os 3 tem 79 finais e 108 semifinais em Grand Slam!

    Nole já disse várias vezes que o desafio de bater Nadal e Federer foi uma das principais questões que o moldaram como atleta. Com este nível provavelmente pode destronar Nadal em Roland Garros e fechar os 4 Slams seguidos pela segunda vez!

    Responder
  92. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal tem pouca bola para encarar o Djokovic e o Federer, num piso sintético…

    A final de 2017, era pro Federer ter vencido com muito mais facilidade.

    O problema é que naquela ocasião o fator mental pesava demais contra o suíço, já que Nadal era seu Nemesis…

    Tanto é assim, que logo em seguida, o Fedex ENTUBOU o Nadal em Indian Wells, Miami e Shangai, com placares tão elásticos quanto esse que o Novak lhe impôs no dia de hoje.

    Coisas como 6/2 e 6/3, ou similar…

    O Nadal é um homem quase imbatível no saibro. O maior e melhor da história ali.

    Porém nitidamente inferior aos arquirrivais, quando sai do seu habitat…

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      É… Não sabia que 11 a 9, com ultrapassagem no canto do cisne da carreira do suíço é ser nitidamente inferior… A verdade é essa: Nole tem vantagem na hard sobre Nadal. Nadal com Roger é equilíbrio e margem de erro… Só o suíço voltar a enfrentá-lo no barro, e Nadal volta a derrotá-lo no piso duro novamente.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Você é muito parcial, quando se trata do Roger Federer, Cipriani. Isso é um fato.

        Qualquer um vê isso… Nem disfarçar você tenta.

        Nesse ponto, você e o Chetnik são gêmeos siameses. (rs)

        Pois o anti-federismo de vocês dois é bizarro!

        Você fala de saibro, e esquece da grama.

        O Nadal enfrentou o Federer no barro 15 vezes.

        Na grama, foram 3 parcos confrontos.

        Sem falar que o domínio do Nadal no saibro, é ainda MAIOR do que o de Federer na grama, ou de Djoko atualmente nas sintéticas!

        É algo tão assombroso, que nunca se viu na história! O cara tem 2 derrotas em quase 80 jogos em RG! kkkkkkk

        Agora, que covardia a tua querer exigir que o suíço volte a perder do Nadal no saibro, só pra vocês sustentarem esse discurso ridículo de vocês…

        Todo mundo sabe que essa é a PIOR superfície pro Federer.

        Até do ponto de vista físico! Basta ele começar a jogar ali, e as dores nas costas tendem a aparecer…

        Ele não consegue encurtar os pontos, e estamos falando de alguém com 37 anos.

        Ou você acha que ele sempre pula a temporada de saibro por MEDINHO do Nadal?

        Acorde, homem…

        Responder
  93. FRED JOSE FERREIRA RIBEIRO

    Essa final lembrou a porrada que federer levou de Nadal no RG de 2007(ou foi 2008).

    Dalcim…

    Federer na grama ou Nadal no saibro podem dar mais trabalho ao Djoko?

    Responder
  94. Sérgio Cipriani

    Gosto da maneira como Novak conduz seu calendário… Agora só Indian Wells e Miami… Depois só Madrid… Esse cara está claramente mostrando que está guardando combustível pra tentar os 4 Slams esse ano… No nível demonstrado na Austrália, ele pode conseguir… Com esse calendário de 13 ou 14 torneios apenas – e bem distribuídos – por ano, ele pode disputar grandes títulos até 36 ou 37 anos tranquilamente…

    Responder
  95. AKC

    Eu já escrevi aqui muitas vezes que não torço para o sérvio nem gosto de seu estilo, assim como escrevi também muitas vezes sobre seu estilo de jogo eficiente, porém não vistoso. Neste momento, é um seríssimo candidato a passar o Nadal em 1-2 anos e o Federer em uns 3-4 – contando que ninguém se machuque, pois se Nadal ou Federer se contundirem, esse prazo pode ser bem menor. O foco de sua equipe sem dúvida será fazê-lo o maior de todos os tempos, e por isso nos próximos 5 anos haverá todo o esmero possível em poupá-lo de qualquer lesão. Não vejo ninguém à altura do sérvio e ninguém do NextGen parece, no curto prazo, estar em condições de barrar o seu estilo do jogo sem lacunas.

    Responder
  96. Felipe

    Mestre td bem??
    Me chamou atenção uma espécie de faixa que vi no abdômen do Nadal no final do jogo… Parecia aquelas faixas que os fisioterapeutas utilizam para proteger de lesões.
    Reparou nisso? Sabe se ele estava machucado?
    Abs!!

    Responder
  97. Rubens Leme

    A pergunta que fica é; se está provado por A+B que Nadal não é páreo para ele na quadra dura, quem é esse homem, Dalcim?

    E a outra pergunta que fica é: será que numa final em RG, Nadal ainda vence Djokovic? Porque se o sérvio vencer, é caso do espanhol procurar outra profissão ou ir cuidar da academia.

    Responder
      1. Rubens Leme

        Pois é, em torneios normais ele pode desconcentrar aqui e ali. Mas em GS….

        E eu ainda acho que ele vai fazer estragos no saibro e levar Paris e, se bobear, consolidar o número 1 até 2020.

        Responder
  98. Sérgio Cipriani

    Surreal… 15 e contando. Todo o respeito a Rafa, a quem admiro muito, mas Nole está com cara de quem quer cometer o crime na Phillipe Chatrier… Toda vantagem psicológica é válida e acho que ele jogou pra causar um dano mental em Nadal … Rafa é mestre nisso. Lembro que quando Rafa derrotou Roger em Wimbledon, ele tinha acabado de dar a maior surra no suíço na final de RG 2008….

    Responder
  99. Marcos Ribeiro

    Djokovic jogou muito e Nadal jogou pouco. Jogo de um time só. Por isso, como jogo e como disputa, para mim decepcionou. Não pelo resultado, porque não sou fanzão de nenhum jogador, mas pelo jogo em si. Os 2 dias de “descanso” do Nadal talvez tenham sido uma desvantagem, tirando ritmo de jogo. No final, tb errei feio nos meus palpites. kkk Ainda bem que não arrisquei o meu dindim. 🙂

    Responder
  100. Igor Menezes

    Mas passada a indignação inicial com Rafa, precisamos reconhecer o gênio que é esse sérvio… Seu domínio ao longo da década sobre todo o big 4, como bem descreveu o Cossenza, é assombroso… Algo me diz que Nole está se preparando pra tentar o feito de levar os 4 GS esse ano… Se o conseguir, será o melhor da história.

    Responder
  101. Alfred

    Interessante notar que do Australian Open 2017 até Roland Garros 2018, o Nadal e o Federer venceram 3 slams cada, justamente na fase de contusão e retorno do djokovic. Aí, para mostrar que ele é tão grande como esses dois, venceu 3 na sequência para não ficar para trás! Incrível! Somos privilegiados por ver essas 3 lendas jogando ao mesmo tempo!

    Responder
  102. Roberto Porto

    Grande, Dalcim. Boa tarde. Diga me, ngm procurou o Marian Vajda? Pqp técnico de primeira linha… ou ele estava esperando esse fenômeno para gritar junto: É campeão! Abs
    Quem sabe um dia venha pra nos visitar em Ribeirão Preto.
    Abs

    Responder
  103. Barocos

    Se o sérvio bater o recorde de Grand Slams será ótimo, mas eu estou mesmo é na torcida que ele consiga faturar a medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio !

    Façanhas que ele pode conquistar:
    – Todos os títulos de Masters 1000 (atingido);
    – Todos os títulos de Grand Slams (atingido);
    – Ouro Olímpico;
    – H2H favorável contra todos os 5 melhores tenistas de sua época.

    Se este cara conseguir todos os feitos acima, que os torcedores do Federer me perdoem, ficará definido quem realmente deve ser chamado de GOAT !

    Gostaria demais que ele enfrentasse o Murray mais algumas vezes, nem importa se ele perder algum jogo contra o Andy (desde que não seja em Grand Slam ou em Olimpíadas, é claro) só para poder dizer o seguinte: em números, as três maiores rivalidades da história tem algo em comum: Djokovic em todas elas.

    Ajde Djokovic !

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      O ouro olímpico é o feito mais difícil de ser atingido de longe, por obviamente ocorrer a cada quatro anos. É difícil mas quem sabe.
      Incrível como Murray é bi-campeão, uma conquista incrível e surreal.

      Responder
  104. Rodrigo Alvez

    Agora que estamos entrando em 2019, é seguro dizer: DJOKOVIC É O MAIOR TENISTA DA DÉCADA!
    Coincidentemente a década começou com sua dieta sem glútem. Observem os números:

    Confrontos vencidos contra o BIG 4 na década:
    – Djokovic 21-9 Nadal
    – Djokovic 19-9 Federer
    – Djokovic 21-8 Murray

    Confronto direto em Finais de SLAM contra o Big4 na década:
    Djokovic 4-3 Nadal
    Djokovic 3-0 Federer
    Djokovic 5-2 Murray

    Títulos de slam do BIG4 na década:
    Djokovic: 14 (12!!!! em finais contra o big4)
    Nadal: 8
    Federer: 4
    Murray: 3

    Semanas como número 1 do big4 na década:
    Djokovic: 235 (parece-me que ele tem mais 24 semanas garantidas, totalizando 259)
    Nadal: 118
    Murray: 41
    Federer: 25

    Incrível!! E Djokovic construiu essa carreira com os maiores da história (ele incluso, obviamente) – Federer e Nadal – em atividade, juntamente com grandes nomes como Murray, Wawrinka, Del Potro, entre outros que tiveram o azar de nascer nesta época.

    Créditos dos dados: Alexandre Cossenza.

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Realmente esses números são espetaculares e surpreendentes. Até 2010 cansei de ver o Djoko caindo em várias semifinais de Majors para a dupla Fedal,

      Responder
  105. Chetnik

    Ué, Sérgio, o Djokovic não seria triturado? Chances perto de zero? Não teria o que fazer contra o Nadal nesse nível? Aprenda de uma vez, o Djoko não é o borra-calças Borrer Borrerer. Ele é o ALFA-MACHO do tênis – para delírio do Nando Moe, kkkk.

    Oh, grande especialista do tênis, único participante do blog que realmente assiste aos jogos. Vou te falar algo que a maioria aqui pensa. Você, fora a arrogância, não entende NADA de tênis, kkkk. Melhor deixar as análises e previsões para o “grupinho de whats que acompanha tênis pelo livescore”, kkkkk. Melhor do que assistir e não entender o jogo, kkkk.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Vindo desta “ maioria “ chegada a você, é um elogio Chatonik kkkkkk Se você lê – se mais os Posts , e assistisse aos jogos, não ficaria tão preocupado em “ Zoar “ se utilizando de um monte de Fakes ( teu prato predileto) . Coloquei Novak favorito antes do Torneio começar. E inclusive no Post de ontem. Sabia que não tinha lido , afinal quem é você ? Kkkkkkkkk Abs!

      Responder
      1. Chetnik

        Da série, “relembrar e viver”. Algumas atrocidades escritas pelo maior especialista do blog:

        “Vai apanhar muito do melhor Rafa Nadal que já pisou numa quadra nesta Final do AOPEN 2019. Fique frio , rapaz. Abs!”

        “Permita – me discordar. De “ Greguinho “ , não tem nada . GUGA seria esmagado do mesmo jeito. Você pode crer que as chances de Novak ou Pouille com este nível apresentado pelo Espanhol são próximas a Zero. Assim como seria para o Suíço . Tsitsipas tem futuro certo no Esporte Tênis. A conferir! Abs!”

        “Na, boa . Esse comentário é inacreditável. Sem nenhum conteúdo e tentando se antecipar aos fatos. Novak é um Tenista espetacular, caro Adriano. O problema é que neste momento o Espanhol sobra na turma. Simples assim. Abs!”

        “Até tu Fernando? A culpa é da nova geração ? Ou os méritos são TODOS do Espanhol ? Dificilmente Novak terá chances de vitória, a meu ver. Abs!”

        Não adianta se fazer de desentendido, porque eu mato a cobra e mostro o pau, kkkkk. QUe vergonha você deve tá sentido, kkkkkk.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Mostra o “ pau “ para os teus fakes , garoto. Por acaso Rafa Nadal apresentou algo parecido no jogo. Leia o comentário do Post anterior ao jogo Mane’. Coloco Novak como favorito e Rafa Nadal com chances caso não recuasse. Se desta vez você viu o jogo e mamãe não chamou pra dormir , vai admitir que o Espanhol não entrou em quadra. Abs!

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Onde está o comentário em “ Djokovic da’ a Resposta “ em 26 de janeiro às 20 h e 55 min , Caríssimo Fake ? Resolveu apagar ? kkkkkkkk ABS !

          2. Chetnik

            “Apagar comentário”? Por acaso eu sou administrador do blog? Kkkkk. Perdeu a compostura, foi, “especialista”? Kkkk.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, com certeza. A final de 2012 foi um duelo de resistência e o de Wimbledon Djokovic ainda não estava tão confiante e portanto agressivo.

      Responder
  106. Chetnik

    Com todo o respeito, mas o Nadal entrou borrado. Djoko tá na cabeça dele mesmo. Eu cheguei a ficar preocupado depois da primeira semi, mas a segunda me tranquilizou – longe de ter certeza da vitória, mas sabia que o Djoko tava pronto para fazer história.

    Tem gente que ainda se engana com o nível do Djoko nas primeiras partidas. Depois de ser “enganado” várias vezes, eu não me deixo mais me enganar. Sei que, chegando a semi e a final, ele vai elevar o nível.

    De fato, fora de RG, esse confronto é definido pelo nível do Djoko. Não tem o que o Nadal possa fazer. Djoko é monstro demais, assustador.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Claro que você nunca se preocupa. Afinal o Sérvio nunca perdeu NOVE FINAIS de SLAM , não é Chatonik ? Vou te ajudar , embora não mereça ( e’ mais fácil perguntar aos seus Fakes ) . Somente hoje o Sérvio empatou em 4 x 4 com o Espanhol em Finais deste porte. Captou ? Kkkkkkkk Abs!

      Responder
      1. Chetnik

        Eu escrevo que “me preocupei” e você entende que eu “nunca me preocupo”, kkkk. Você não consegue interpretar nem o sentido literal das palavras, kkkk. Teu caso é pior do que eu pensava. Mas tudo bem, deve tá com a cabeça inchada depois das previsões mais furadas da história do blog, kkkkk.

        Responder
  107. Naira

    Dalcim, após o jogo, na ESPN, no programa “Pela Quadras”, foi dito que o Djokovic jogando neste nível é praticamente imbatível em jogos de 5 sets, porém em jogos de 3 sets ele seria mais “quebrável”. Voce concorda com esta afirmação? Neste caso qual seria o fator determinante?

    Foi dito também que o Federer terá grande dificuldade em ganhar mais um GS justamente por ser em 5 sets, mas que em jogos de 3 sets o Federer ainda é muito forte. Voce concorda?

    Responder
  108. Rodrigo Alvez

    Sobre o jogo, não foi o Nadal que não sacou como vinha, que não foi agressivo, que não estava confiante, etc, foi o DJOKOVIC que jogou um absurdo e não o deixou o Nadal sacar bem, ser agressivo; acabou com sua confiança lá na partida contra o Pouille e disse “aqui quem manda sou eu”.

    34 WINNERS e APENAS 9 erros não forçados contra NADAL em FINAL DE SLAM.

    Após esse forehand no mesmo nível do back, o já ótimo saque e a melhor devolução da história, acredito que até os mais fanáticos torcedores irão concordar: DJOKOVIC é o mais completo tenista de todos os tempos; FEDERER é o mais fantástico e habilidoso tenista de todos os tempos; NADAL é o ETERNO Rei do saibro. NADA mudará isso, não importa quantos slams e semanas de número um eles terminem suas carreiras.

    Vamos apreciar agradecer por podermos ver essas três lendas vivas ao vivo enquanto podemos!

    Responder
  109. Cassio

    Dalcim, acredita que o Nadal ter tido dois dias de descanso pode ter aumentado muito a ansiedade dele e que também por isso começou o jogo tão mal?

    Nole teve 13-1 nos primeiros 15 pontos disputados e abriu 3×0 em menos de 10 minutos de jogo.

    Responder
  110. Rodrigo Alvez

    Caro Dalcim,

    Gostaria de agradecê-lo pelos brilhantes comentários ao vivo do placar UOL. Estava trabalhando na hora e como não vi o jogo, pude entender tudo o que estava acontecendo graças às suas explicações. Acabei de assistir os melhores momentos e obviamente foi tudo com você narrou. Eu teria ficado maluco vendo esse placar inimaginável no live score sem saber o que estava acontecendo, pois a expectativa devido ao nível do Nadal e do seu novo serviço era enorme para essa partida.

    Em nome de todos que acompanharam por lá e não puderam te agradecer, meu OBRIGADO E PARABÉNS!!!

    Responder
  111. Cassio

    Eu absolutamente sou extremo fã do Djokovic. Acho que ele atingiu um nível de jogo nunca antes visto – papo normal de se ouvir hoje em dia, más há 3 anos quando falávamos isso mts faziam pouco.

    Mas peço que seus fãs tenham sempre os pés no chão. O que foi que nós achamos depois do título Roland Garros? Só se via papo de “imparável! nesse ritmo alcança o Federer já em 2017” ou devaneios como “vai ganhar 9 dos próximos 10 slams”. Calmem, vamos curtir, mas se lembrem do passado recente. Depois de ter participado dessa empolgação e me frustrado amplamente com os 2 anos sem Slam algum, o máximo que consigo é projetar o próximo Slam. Um título de cada vez, sem ilusões.

    Vejo o Nole muito apegado aos seus filhos e esposa e muito motivado com seus rivais. Não sei se ele vai manter o ritmo quando os caras se aposentarem. Hoje foi um jogo tão especial por isso, ele deu o seu melhor por ser o Nadal, fosse o Tsitsipas tenho certeza que ele estaria num ritmo menor, é uma questão de ânimo que a rivalidade aflora. Ou alguém acha que é coincidência que recentemente seus melhores jogos são justamente contra Roger ou Rafa?
    Não acham estranho ele ser o jogador do BIG 3 com mais derrotas pros Next Gen? Pra mim é muita questão de motivação.

    Djokovic já nos deu demais, mais do que poderíamos esperar lá em 2012, 2013… primeiro sejamos gratos! 20 Slams? Sonho muuuuuuuuuuuuuito distante ainda.

    AJDE!

    Responder
  112. Naira

    Dalcim, vi muitos comentários sobre a melhora do forehand do Djokovic e que está quase tão bom quanto seu backhand. Voce concordo com essa afirmação?

    No post anterior, quando lhe questionei, voce disse que o forehand do Nadal é melhor que o do Djokovic. Voce ainda pensa desta forma depois do jogo de hoje?

    Responder
  113. Renato Toniol

    Dalcim,
    Sobre as bolas usadas no torneio, li comentários dos mais variados, desde que ela dificulta o spin, que é mais rápida, etc.
    Enfim, quais as reais características dessa bola usada?
    Abraço e parabéns pela ótima cobertura do torneio.

    Responder
  114. Eduardo Alves

    Temos que contemplar os 3 maiores jogadores da historia do tenis jogarem na mesma época! Já aposentaram Federer, já aposentaram Nadal e já aposentaram o Djoko. Depois desses últimos 3 anos nunca temos que duvidar desses 3 génios. Não adianta fazer previsão. Slam só são 4 por temporada. Muita coisa muda em 3 ou 4 meses. A historia ta acontecendo e muita gente fica nessa de quem é o maior ou melhor. Torço pro Djoko desde 2009 qnd comecei a acompanhar tenis, mas que privilegio ver esses 3 jogarem.
    Abraços Dalcim!

    Responder
  115. Olhar de Lince

    No esporte vc nunca é o melhor….. hj o Djoko esteve melhor e segue o jogo…. de qualquer maneira teve uma sorte gigantesca ja no jogo contra o Nishikori ( “coca cola de 3 litros “ – que quando passa do meio perde a pressao). Vamos em frente que a Nova Geracao vai peitar o Servio e RG volta ao seu devido lugar…. ah e pra lembrar que o nosso amigo Servio nao tem titulo olimpico e nao vai ter tambem…..Segue o jogo!!!

    Responder
    1. Sônia

      Nem parece que acompanham o circuito rsrsrs. O sérvio entrou como favorito e venceu o torneio, beleza, mas dizer que irá faturar tudo no ano? Rsrsrsrsrs, rsrsrsrs… beijos.

      Responder
    2. Romão Gomes

      Já que você tem essa bola de cristal para saber que o Nole nunca vai conquistar um titulo Olimpico, porque não usou ela para se adiantar `a derrota de seu ídolo?

      Responder
  116. Marcelo-Jacacity

    Boa, Luiz Henrique!

    Agora, sim, Djokovic começa ter uma aproveitamento melhor! E finalmente Nadal cai para um percentual mais normal.
    Finais de Majors:
    Federer: 20 v / 10 d: 67%
    Nadal: 17 v / 8 d: 68%
    Djokovic: 15 v / 9 d: 63%

    Responder
  117. periferia

    Olá Dalcim……vendo um post seu anterior ..onde vc toca na ferida do tênis masculino atual….não quero desmerecer o Djoko….longe disso….reconheço o espetacular jogador que ele é……a nova geração vai permitir que Djoko…Nadal …e Federer (esse de cadeira de rodas) continuem dominando o tênis?
    Onde estão os Naomi’s do tênis masculino?
    Passa ano e vai ano é sempre a mesma coisa…..não aparece alguém com capacidade para enfrentar e ganhar slan’s com frequencia em cima dos 3 ” Reis magos”….
    Vi á final hoje….o jogo em si foi feio…pode-Se dizer que o Djoko atropelou…amassou …agora sendo sincero….foi feio….aquela partida de mais de 5hs entre os dois na mesma quadra…..sobrou emoção….mas foi feio…um jogo de base….nada além…..tem quem goste……eu não gosto.

    Responder
      1. Marco

        Não tem isso de entressafra nessa questão. Ora, eles continuam jogando entre si, contra tops all time em condições de vencer GS, sem falar em nomes como Delpo.

        Responder
  118. Naira

    Dalcim, após o jogo, na entrevista, perguntaram ao Djokovic sobre recordes, principalmente sobre o recorde do Federer de 20 GS. O Djokovic respondeu que sua meta é fazer história no esporte que ele ama mas que existe ainda uma grande distância, e que não sabe quantas temporadas ainda jogara em alto nível. Ele pretende se dedicar aos grandes torneios, ATP e Slams. Foi questionado sobre RG. Ele disse que vai trabalhar com o seu time para melhorar o seu jogo para poder ser capaz de enfrentar os grandes jogadores no saibro, e citou alguns, logicamente o Nadal e também o Federer, e mais alguns outros. Então eu pergunto: O que o Djokovic precisa melhorar no seu jogo para ser vencedor no saibro de RG? Voce acredita que ele possa passar o Federer em GS?

    Responder
  119. Paulo F.

    O cômico nesta edição do AO foi ver federetes clássicas como o Renato já dando o título pro Nadal, numa demonstração de uma variante da Síndrome de Estocolmo – após anos de sofrimento (Nadal em cima de Federer), começaram a se afeiçoar pelo agressor!
    HAHAHAHAHAHA!

    Responder
  120. Igor Menezes

    E não é que Rafa confirmou sua participação em Acapulco?! O que esse “retardado” vai me fazer em Acapulco?? Não precisa disso! O cara me passa 5 meses afastado do tênis e sem preparação chega a final de seu Slam de menos sucesso. Não precisava disso uma semana antes de Indiana Wells e de uma sequência dura de torneios que sabemos ser importante para ele… Depois não reclama de ser saco de pancadas 2° semestre à fora…

    Responder
  121. André

    To começado a crer que Djoko e Federer podem acabar a carreira empatados em 20 ou 21… só que acredito que o Djoko ultrapassará as semanas no número 1, terá todos os master 1000… ambos não terão medalha de ouro, creio eu… Nadal deve ganhar mais 1 ou 2 no máximo! Mas seria legal os 2, ou mesmo os 3 terminando empatados em Slam!! Renderia muita conversa de bar!!!

    Responder
  122. Leonardo lima

    Mais uma mestre rs, agora o djoko passou o sampras com 15 grands slam
    Qual o espaço do djoko na historia ? Seu top 5, sem ficar no muro mestre rs

    Responder
  123. abel af

    Dalcim
    tenho três perguntas:
    ao que vimos nas semi finais e final do AO, acha que Djokovic controlou o torneio enquanto Nadal jogou o que podia e isso deu uma aparência de igualdade?
    Djokovic com o descanso agora e sem torneios a disputar até Indian e Miami, poderia ser considerado “zebra” ele não vencer os dois torneios que tanto conhece e vence?
    entre este circuito, você vislumbra, tem fé ou acredita em que nomes para aumentar o nível e igualar a concorrência digamos, nos próximos dois anos com Nadal no saibro ( claro, sem ser Djokovic) e com o Djokovic principalmente em pisos duros?

    Responder
    1. abel af

      só mais uma: essa pressão de vitórias importantes fora do saibro de Nadal diante do sérvio pode vir de alguma forma a se refletir nos duelos dos dois na temporada até RG ou a confiança de Nadal nessas arenas ( o saibro) ainda se faz mais forte do que estes números ?
      lembrando que, do Roland Garros de 2013 para cá, os dois estão empatados no saibro (4 a 4)

      Responder
    2. José Nilton Dalcim

      Zebra é uma expressão forte. Uma vitória de qualquer top 10 sobre ele em piso duro mais lento não é tão inesperado assim. Sim, acho que Zverev e Thiem são fortes no saibro, Zverev também na quadra dura, além de Delpo, Tsitsipas, Shapovalov…

      Responder
  124. Leonardo lima

    Torço pro Federer, mas de longe o djoko é o tenista mais completo que ja vi,e que não possui buracos em seu jogo (quem sabe smash), mas chega a ser irrisorio, pelo tenis atual mais lento, e quase nenhuma subida a rede.
    Vc acha o djoko o tenista com menos buracos em seu jogo ?

    Responder
  125. Leonardo lima

    Boa tarde Dalcim
    Visando ja roland garros, o que vc enxerga para esse novo duelo ( que acho que vai se repetir na final ), acha que o nole pode bater o touro novamente la, jogando desse jeito, comparando com o jogo entre eles em roland garros 2015, o que acha ?

    Responder
  126. Robson Couto

    O jogo foi surpreendente para mim. Pelo que Nadal apresentou no torneio imaginava que ele iria impor um ritmo alucinante desde o início e Djokovic teria que jogar muito para se manter no jogo. Acho que até Nadal acreditava que estava num patamar mais elevado e quando percebeu que não conseguia nem ameaçar o adversário mesmo aperfeiçoando seus pontos mais fracos, aquilo foi uma ducha de água fria e a confiança foi para o espaço. Djokovic mostrou que atualmente dosa o ritmo e eleva o nível somente quando é necessário. Dalcim ele já apresenta um nível próximo de 2015?

    Responder
  127. Sandra

    Dalcim , talvez você tenha uma explicação , eu vi Nadal , se e que é essa palavra , acovardado , ou ele estaria lesionado ou assustado com a postura do Djokovic? E você acha tão impossível assim Nole ganhar do Nadal em Roland Garros?? Caso isso acontecesse acho que Nadal se aposentaria rsss, se bem que lá talvez seja a vinganca do Nadal , mesmo perdendo nunca havia visto Nadal tão furioso com a derrota, acho que ele não esperava essa postura do Nole

    Responder
  128. Fernando

    Antes desses jogos contra o sérvio, muitos fãs do Federer/Nadal, já dão como certa a vitória contra o Nole. É inacreditável como não respeitam o cara mais difícil de ser batido! Não aprendem mesmo! Continuem com essa soberba, e continuem se frustrando! ????????

    Responder
      1. Fábio

        Jogou muito bem e melhor o Djokovic. Vitória merecida. Contudo acredito que se o suíço Federer mantiver a boa saúde e o jogo completo pode sim ganhar do Djokovic. Afinal ninguém ganha todas. E o suíço tem mais rede q o sérvio. São os melhores do mundo..

        Responder
      2. Pedro

        Dalcim,

        Não tinha visto o jogo inteiro. Apenas o último set e o resultado. Depois vi a reprise. A análise correta é que o Nadal já entrou derrotado, com medo. Nunca tinha visto um jogo tão ruim do espanhol. O sérvio não fez nada além do que faz. Vimos um sérvio igual e um Nadal que estava irreconhecível. Parece que não dormiu a noite. O Nadal errou bolas que nunca erra, com o forehand, e sem ser forçado. Para a frente só esperando a nova geração melhorar logo porque desta turma mais velha, vai ser bem complicado eles evoluírem tanto. O suiço está em rota de aposentadoria. O espanhol já teve tantos problemas físicos que teve que mudar o jeito de jogar. Talvez Zverev em um ou dois anos. Vi o Sarreta falando sobre a situação da esquerda com duas mãos e o de uma mão. Como o Nadal se beneficia do forehand em cima da esquerda de uma mão. O problema foram os jogadores que se inspiraram no suiço e desenvolveram a esquerda de uma mão. Por melhor que sejam, estão em desvantagem contra o jogador que tem esquerda de duas mãos.

        Responder
  129. Marcel Azevedo

    Parabéns pelos comentários Dalcim, que jogo o Djokovic fez sufocando sempre o Nadal, não deixando ele respirar. Me pareceu muito a final de Xangai de 2017 de Nadal x Federer. Mas na sua opinião Dalcim foi o Djokovic que jogou demais encurralando o Nadal ou o Nadal que não jogou tão bem assim e permitiu o Djokovic jogar assim?? Pra mim foi ataque contra defesa o jogo todo !! Abracos

    Responder
      1. Clayton

        Dalcin, assisti o jogo desde o começo e para mim o Nadal já perdeu antes de entrar. Não sei se reparou mas ainda
        No corredor dos campeões ao parar diante das escadas ele solta as bolsas, amarra o tênis e começa a dar pulos na frente do Nole como querendo autoafirmar algo. Nunca tinha visto isso vc já? Abração

        Responder
  130. Gildokosn

    Essa cara que o Nadal fez hoje do meio do segundo set em diante eu conheço muito bem kkkkkk
    Cara de freguês, agora ele adquiriu a carteirinha de vez, o que resta é se manter firme no saibro, se não dificilmente ele ganha do sérvio de novo. A boa fase do cara foi completamente ignorada pelo sérvio nesse atropelo…
    Misericórdia, nem Federer tomou uma dessa nas finais que perdeu para Djokovic.

    Responder
  131. André Luiz

    Olá Dalcim, ótimo opinião como sempre, só uma pequena correção em relação ao seu texto, Nadal foi quebrado cinco vezes na partida de hoje, e na semifinal Djokovic cometeu apenas cinco erros não forçados.

    Responder
  132. Adriano Souza

    Apareçam Nadaletes! Apareçam Federetes! Vcs não diziam q o Djokovic não ganharia mais nenhum Grande Slam? Eu me lembro de um tal de Renato dizendo isso kkk Federete doente kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  133. Willian Lopes

    Impressionante, Djokovic elevou ainda mais o seu nível e por entrar na cabeça do Nadal, isso fez o Touro ficar completamente desconfortável em quadra e acabou sendo anulado e dominado pelo sérvio. Poucas vezes vimos Nole tão dominante como foi hoje, incrível, título merecido.
    Pelo domínio do Djokovic em boa parte dessa década, ele merecia ter um recorde de taças em um mesmo Slam. Nada mais justo que seja no Australian Open onde é o quintal da casa dele e nunca perdeu uma final.

    Responder
  134. stephany raposo

    Torço pelo Nole ,mas o Rafa não jogou nada do que sabe jogar hoje. Foi uma partida estranha, o Rafa tem superar mentalmente primeiro, para depois resolver na prática. Nas redes sociais, na véspera Djoko demonstrou tranquilidade e foi a praia com seu técnico, já Rafa estava pilhado treinando, isso já demosntrava ao meu ver insegurança, o que sabem mais e jogar tênis, acredito além de estar na mente estar também no coração, eles nasceram para isso. Contudo , acho que Rafa tem que pegar mais leve com sua cobrança interior, isso é muito externado em suas ações.
    Abraço Dalcim, amo seus textos, não deixo de lê-los nunca. Até o próximo master 1000 e que seja do Nole.

    Responder
  135. GUSTAVO DE ALMEIDA

    Impressionante o Djoko encarar o forehand do Nadal sem medo.
    Ele perdeu o respeito pelo Nadal mesmo, q assumiu de vez uma postura passiva.
    O Djoko tava tão dominador no fundo q deixou de ir a rede umas dez vezes no jogo, mesmo após deslocar completamente o Touro. Algumas chegou a dar passo pra trás.
    Agora só o saibro pra dar um conforto pro Espanhol.
    Em verdade, o jogo do Rei incomoda bem mais o Djoko, mas lógico que q FedEx já não tem as mesmas pernas.

    Parabéns ao Sérvio.

    Obs: Se o Nadal fosse destro, tinha ganhado só uns 3 GS.

    Responder
  136. Jose Alexandre

    Eu estava bem confiante que Rafa viria com tudo pra pegar esse título, logo após a partida contra o grego, mas a expectativa foi pra longe ANTES de começar o jogo hoje e não teve nada a ver com ele.

    Como que um cidadão entra em uma semifinal de Grand Slam com o objetivo de ceder menos que 6 games para um adversário que nunca tinha enfrentado? Como que um cidadão, na véspera de uma final de Grand Slam, está brincando na praia enquanto o adversário está treinando? A explicação só pode ser uma: o cidadão tem convicção que está em outro nível e que não tem dúvidas que irá vencer. Assustador.

    Responder
      1. Sônia

        Pensei a mesma coisa, na praia com o técnico, o mesmo indo “mergulhar” rsrsrsrs, e depois andando de bicicleta rsrsrs. Sensacional, completamente tranquilo rsrsrs. Realmente como o Dalcim mencionou, confiança é tudo rsrsrs, show. Beijos.

        Responder
    1. Kahlil

      Exato, pensei a mesma coisa já quando ele declarou que o objetivo dele na semifinal era perder menos de 6 games. Confiança absurda. Está em outro nível.

      Responder
    2. Neto Gauss Gomes

      Como todos sabem o tênis é um jogo mental.

      A divulgação nas redes sociais que Djokovic estava muito relaxado e curtindo praia, um dias antes de uma final de GS , seria parte do jogo mental contra Nadal? Uma mensagem para o espanhol “Olha, eu estou relaxado (nada ansioso) e confiante do jogo de amanhã….estou aqui curtindo a praia com minha equipe…muito tranquilo….E você? Como está?”.

      Desde o primeiro game, Nadal estava desconfortável e teve poucas chances de quebra o saque de Djokovic.

      Outro detalhe que me chamou atenção é o fato de Djokovic “apreciar” o lance de Nadal. O espanhol deu uma bela deixadinha…e o sérvio fez o sinal positivo, significando que tinha gostado da jogada. Ao mesmo tempo essa atitude demonstra que o sérvio está muito tranquilo e não se abala com belas jogadas, inclusive pode aplaudir tranquilamente o adversário…rsrsrsr….

      Nadal não queria o sinal de positivo….o que lhe agradaria mesmo é se Djokovic ficasse irritado…desapontada…quebrasse uma raquete.:)

      Responder
    1. Geailton

      Nadal é um exemplo de profissional, um multi campeão e um dos maiores da história. Mas seus torcedores o fazem parecer pequeno. Já diziam que iria atropelar o Djoko na final, com arrogância. Nao souberam ler o histórico, nao aprenderam. Como torcedor do sérvio, nao esperava um domínio tao assustador, porque diferente dos torcedores do espanhol, reconheço a grandiosidade deste

      Responder
    2. Sônia

      Rsrsrsrsrs… completamente certo Adriano, curta o momento, na verdade, eu também adoooooooorei rsrsrs, caba não mundão, caba não rsrsrs. Beijos.

      Responder
  137. Rossini

    Errei completamente o prognóstico para as rodadas finais do AO. Rsrs. Há uns dias disse que Djoko não estava pegando tanto na subida, deixando Medvedev enrolar ele. Eis que nos três últimos jogos, ele fez tudo diferente.
    Pior final de slam que Nadal disputou. Ganhou até a semi sem precisar amassar o adversário no físico, mas amassando no saque e golpes de ataque. Do jeito que vinha jogando, causa mais espanto ainda. Porém com Djoko, ser agressivo é o que Djoko gosta e iria ter que supera-lo no jogo rápido de dentro da quadra. Recuar e ficar um pouco mais atrás é charada já resolvida por Djoko contra ele temporadas atrás. O sérvio mexe muito com a cabeça dele, que é sempre resolvida ao enfrentar os demais. Nunca o havia visto com a base desequilibrada, fazendo os golpes voarem. Tomara que não se apure muito e não invente de sair jogando tudo agora em fevereiro e se adeque para IW e Miami.

    Responder
  138. Leo Gávio

    Vamos falar sobre GOAT?

    Quando DJokovic tinha 12 GS eu já dizia que ele era o melhor e maior tenista da historia, com a ressalva de que, nos numeros absolutos o Federer ainda é o maior, mas após vencer RG não havia mais duvida de que Djokovic é o melhor e maior tenista de todos os tempos, considerando os numeros de forma relativa titulos/temporadas e H2H contra principais rivais.

    Muitos torcedores do Federer não admitem isso, claro, por fanatismo.

    Djokovic domina Federer e Nadal em 75% dos GS, apenas em RG Nadal é dominante. E mesmo assim Djokovic quando perde em RG, perde fazendo um volume alto.

    15 GS com 31 anos, 6 temporadas a menos que Federer

    São 24 Slams pra ganhar 5. Se ele fizer 20% já alcança. A média dele é 2 por ano, desde 2011. Não vai demorar muito.

    Minha previsão é que Wimbledon 2020 ele atingirá, de forma espetacular, essa marca. em 6 slams, ganhar 5. Com a forma atual, é bem possivel.

    Na pior das hipoteses, USOpen 2020.

    Responder
    1. WELINGTON FRANCA DOS SANTOS

      Perfeita sua análise. Sou torcedor do Nadal mas devo admitir. Djoko vai explodir todos os recordes do tênis. Ele está sobrando em quadra e está cada vez mais dominante dentro do big3

      Responder
    2. Jonas

      Resumindo: djokinho é papai dos dois.

      Mas essas previsões são perigosas, tudo depende de quanto o sérvio vai correr atrás disso, ele não pode, por exemplo, se desmotivar tal como ocorreu pós RG 2016.

      Responder
    3. Leonardo lima

      Sou torcedor do federer, e admito,o servio é melhor jogador e completo que o suiço, mas ainda não é o maior,os numeros de majors ainda pesam mt,ja considero o djoko maior que nadal, mas para ser maior que federer teria que atingir a marca de 18, e acho que vai atingir
      Abraços

      Responder
    4. Lucas

      Se minha memória ainda estiver em dia , e acredito que esteja , lembro que , assim que Djokovic ganhou Roland Garros em 2016 , aqui no blog surgiram profecias e previsoes as quais indicavam que , no máximo em 2 anos , ou seja , em meados de 2018 ,Djokovic , entao com 12 slams , superaria Federer , que havia parado nos 17. O que aconteceu depois disso acredito que todos aqui já sabem . Federer ganhou mais 3 , e hoje Djokovic ganhou seu terceiro slam depois da conquista em Paris , portanto a diferença que em 2016 era de 5 taças ainda permanece . É possivel o sérvio alcançar o suíço ?Claro , está jogando mais que todos , sobrando , mas somente o tempo vai nos responder isso .

      Responder
    5. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Léo Gavião. Você falava desta mesma dominância em 2013. Seus comentários vão se repetindo numa mesma neurose desde então. Você consegue lembrar quando Novak tinha 11 , Rafa 14 e Federer 17 SLAM ? Anos depois das suas baboseiras ficou 14 , 17 e 20 . Federer aos 31 , possuía 17 SLAM. Todos reconhecem a excelente fase do Sérvio. Você sumiu dois aninhos com seus seguidores. Volta agora cheio de marra porque não acompanha o Esporte o tempo suficiente. Quando o Sérvio estava abraçando o Guru e suas árvores , você andou lá pelo Sítio kkkkkkk Curta a fase boa enquanto e’ tempo sem precisar vir com suas ridículas e repetitivas dominâncias de maior e melhor. Não aprendeu nada por ser um fanático de carteirinha. Abs!

      Responder
      1. Jonas

        AO 2017, WB 2017, AO 2018…slams nos quais Djokovic jogou muito abaixo, não é uma desculpa, é fato.

        O sérvio ficou longe longe de seu melhor por praticamente 2 anos. Óbvio que a história seria outra com Djoko no nível atual. O sérvio é tão impressionante que mesmo com esses 2 anos de atraso, ele retornou em condições de ainda bater os recordes de Nadal e Federer, afinal ainda tem 31 anos e demonstra uma forma física excelente.

        Responder
  139. Marcos

    Nadal não tem bola para encarar o sérvio. Nunca teve. É no saibro e olhe lá. A chave beneficiou o bezerro espanhol, que hoje nem fez beicinho de brabo diante da avalanche que vem da península balcânica. Dizer que as chaves não beneficiam é incorrer em grave miopia analítica.

    Responder
  140. Tom

    Foi uma atuação pra deixar qualquer um estarrecido, atônito. Djokovic parecia estar enfrentando um top 50, mas do outro lado não era ninguém mais ninguém menos que o Touro Miúra em sua versão mais eclética e agressiva da carreira. Se continuar saudável pelos próximos 3 ou 4 anos, não duvido que ultrapasse o professor suíço em número de majors, pois este já está nos atos finais de sua exuberante carreira. Vida longa ao Big 3!

    Responder
  141. Chico

    Boa tarde Dalcim

    Esse arsenal exibido hoje pela “Máquina Mortífera”, como você tão bem alcunhou o sérvio, seria suficiente para ganhar do melhor Nadal em uma hipotética final em Paris ou ainda seria preciso algo mais?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      No saibro, o jogo é outro, Chico, e cabe mais essa postura atrás da linha do Nadal. Portanto, acho que o jogo taticamente muda bastante.

      Responder
  142. Rafael

    Que aula de tênis do Sérvio! Há tempos eu não via um nível tão alto e ainda mais em uma final! Acho que o Djoko mostrou que está na briga por todos os recordes e que será muito difícil ganhar dele. Acho que o Nadal não dorme hoje, depois desse atropelamento! Mestre, você se recorda de uma final tão bem jogada como essa só Sérvio! 34 winners, 9 erros não forcados e nenhuma quebra. Abraço e parabéns pelo blog! O melhor disparado!

    Responder
  143. Maurício Luís *

    Desta vez o DJOKO *MILHOU* o espanhol. Passou o rodo. Acho que nem os seus maiores fãs esperavam por isso. Numa hora dessas, o LÓGICO deve estar soltando foguete.
    Seguuuuura o hómi! Tá com pilha nova!
    Mas há que se reconhecer que a campanha do Nadal até a final foi perfeita. Pra ele, ficou meio que tipo assim… ” A operação foi um sucesso! O doente morreu. “

    Responder
  144. Juninho Fonseca

    Ok ok Dalcim…..mas o fato eh que o Nadal deu muito ponto de graça também!!….errou muito!!!…tá certo que o Djokovic sempre exije uma bola a mais… mais eh fato que também sempre exijiu….p mim o que foi determinante para o placar foram mais os erros do Nadal do que a qualidade do Djokovic!

    Responder
  145. Leonardo

    Djokovic massacrou. Jogou fácil demais… O apontamento do Nadal, novo backhand e saque, pareciam de amador frente a ele.
    A temporada de saibro do Nadal corre sérios riscos de ser dominada pelo Djokovic.

    Responder
  146. Carlos Lima

    O golpe mais forte do Nadal é o forehand com spin, mas isso pro Djocko não faz nem cócegas. Por isso que ele ficou cabisbaixo bem cedo, não tinha o que fazer. Assim como o jogo do Federer não casa com o do Nadal, acho que o do Nadal não casa com o Nole.

    Responder
  147. Carlos Umberto

    Olhem, nunca gostei muito do jogo do Nadal. Vi ele ganhar jogos apenas na força mental. Surgiu o Djokovic, capaz de derrota-lo física e mentalmente. Grande este sérvio. Principalmente porque o Nadal é um animal predador. Se vê uma brecha, vai na jugular. O coitado do Federer que o diga. Isso é apenas um lado do confronto. Alguém para vencer o Nadal, não precisa apenas de técnica.

    Responder
  148. Paulo F.

    “Djokovic não joga agressivamente, não dá winners, só passa a bola pro outro lado”.
    Eles disseram.
    Hoje, entupiu Nadal de winners.
    Mas, logicamente, porque é “barbadinha” dar winners num Rafael Nadal né…?

    Responder
  149. Mateus Antônio calado

    Dalcim Djokovic fez com Nadal o que e o próprio fez com tisitsipas acha que ele sentiu a mesma coisa que o jovem sem plano tático para o jogo do servio foi um show e seus comentários são o melhor parabéns ????????

    Responder
    1. Sônia

      Vide o net worth dos dois, uma vez que… adora “tentar” comparar, e olha que o sérvio já está há muito tempo no circuito e vencendo tudo. Tolinho, pode insistir, afinal… “é de graça” rsrsrs, mas lembre-se, jamais serão, nunca serão. Beijos.

      Responder
  150. Miguel Ângelo Pereira Delfes

    Nível de tênis do Djokovic hj foi fora de qq previsão..
    Um verdadeiro massacre físico-mental daqueles raramente vistos em finais de torneios desta importância..
    Foi semelhante ao ano passado entre Federer e Cilic onde este até chorou..
    Onde Djokovic vai parar ?
    Acho q nem vc Dalcim arriscaria dizer pois..como citei em posts anteriores..destes 3 gigantes do tênis..tudo parece ser possível..
    Ainda acho q os 3 tem condições de chegar aos 21 GS..
    O jogo hj foi uma decepção aos amantes deste nobre esporte..
    Nadal certamente não merecia um derrota como esta..
    Parabéns pelos posts de todo o torneio.. d: )

    Responder
  151. Rafael Brasiliense

    Federer é o maior da história. Djokovic é o melhor. O nível de tênis que ele alcançou supera tudo que já foi visto nesse esporte. Ninguém jamais chegou perto da sua consistência e precisão nos golpes de base. Enquanto seu forehand é excelente, o backhand sem dúvidas é o melhor da história, tal como sua devolução. A plasticidade e beleza do jogo do Federer são incomparáveis, mas o Djokovic compensa parte disso por apresentar um nível de tênis tão alto e consistente. Dá gosto de ver.

    Responder
  152. Daniel

    Bem, pra mim esse resultado era esperado. Enquanto todo mundo se deixou contaminar pelas vitórias fáceis do espanhol no torneio, eu vinha sempre batendo na mesma tecla: o espanhol pegou uma chave muito fácil até a final. Ano passado foi a mesma coisa, primeiro adversário de peso (Cilic), ele rodou. Como alguém em sã consciência pode dizer que o espanhol é favorito diante do sérvio em grande fase numa quadra dura, especialmente em Melbourne? Para esses, foi um belo choque de realidade rs.

    Enfim, antes mesmo desde jogo, já considerava o Djokovic mais jogador que o Nadal, depois desse atropelamento, pra mim é o top 2 da história, e se aproxima de forma perigosa do Federer. Pode ter 2 GS a menos que o espanhol, mas os 15 GS são mais distribuídos e ele possui muito mais Finals e semanas na liderança do ranking.

    Só resta a lamentar, como o Dalcim disse no texto sobre a Osaka, a postura extremamente mimada, preguiçosa e infantil das gerações que vieram depois do Big 3. É vergonhoso que não tenhamos sequer um grande jogador na faixa dos 22 a 29 anos (o que dá praticamente duas gerações inteiras). O Djokovic, que não tem nada com isso, caso se mantenha motivado e em forma, tem tudo pra se aproximar mais das marcas do Federer nesse circuito de baixa concorrência. Confesso, como fã do Federer, que seria frustrante, afinal gostaria de ver como o sérvio lidaria com ameaças 5 anos mais novas assim como o suíço teve que lidar com os próprios Nadal e Djokovic, além do Murray, mas paciência. Será merecido.

    Responder
    1. Daniel

      Outra coisa que precisa ser dita: o espanhol sempre foi mais agressivo em quadra dura contra tenistas, digamos, medianos. Em muitas outras oportunidades, ele vinha jogando de forma bastante agressiva, até enfrentar um adversário de mais peso, com maior poder de fogo, e aí voltava pro padrão “antigo”. Hoje não foi diferente. Por isso que eu digo: só vou acreditar num “novo Nadal”, o dia que ele vencer um Djokovic ou Federer na base da agressividade.

      Responder
  153. EU

    Hehehe…..u robozin si laskou…GURI….hehehe…..paricia u bunecu du judas na semana santa….vissi…Agora vamu aguentar u .bichu chatu da porra….hehehe…du L Ferdandu….ningueim mereci….hehehe

    Responder
  154. Nando

    Mestre, supondo q o sérvio vença RG e pare nesses 16 Slams, e nadal pare nos 17…quem terminaria a carreira como “maior” entre os 2? Supondo q eles terminassem tbm com esses números de agora nos títulos totais.
    Te pergunto isso pq se o sérvio vencer RG, teria tds os Slams pela 2° vez.

    Responder
  155. Rafael Antonio da Silva

    Mestre,
    Foi um atropelo! Nunca tinha visto o Nadal tão acoado, tão desnorteado!
    Você acha que o Nadal vai levar esta derrota por muito tempo, quero dizer, emocionalmente falando? Você acha que isto pode impactar em um eventual encontro em RG?
    Abs.,
    Rafael

    Responder
  156. Jônatas L. de Paiva

    Não é fácil mas a bola que mais incomoda o Nadal é sem dúvida uma bola baixa e veloz em seu FH. Como o seu movimento é relativamente amplo, e o ângulo da raquete ao bater na bolinha exige uma maior preparação para dar força e velocidade ele fica vulnerável pois não tem tempo de bater como quer e tem que empurrar a bola o que resulta numa bola flutuante onde o adversário tem a chance de dominar o ponto. Aconteceu isso na final contra o Wawrinka, aconteceu o mesmo contra o Federer e hoje o também. Quem consegue melhor anular o estilo do Nadal sem dúvida é o Djokovic.

    Em piso rápido o Djokovic é melhor que o Nadal.

    Responder
  157. V Mauricio

    Boa tarde jovem Dalcim!
    Poxa, meu palpite no desafio foi 6/3, 6/4, 6/2. Alguém chegou mais perto?? Espero que não!!
    Quanto ao jogo, acho que essa final algo frustrante pra quem esperava um jogo mais disputado se deve tanto ao Djoko, que não errava nada e não deixava o adversário respirar, quanto ao nível do Nadal, muito errático e sem confiança desde o início. Pra mim está claro o quanto Djoko mexe com o psicológico de Nadal. Acho que não resta dúvidas de que Djokovic é o jogador mais completo entre os 3 e ainda reais chances do recorde de Federer em Slams ser batido tanto por um quanto por outro. Num eventual e provável confronto entre Nadal e Djoko em Roland Garros, certamente teremos outro jogo, muito mais disputado, e o favoritismo dependerá de como eles chegarão até lá.

    Responder
  158. Jonas

    Djokovic é o que há de mais absurdo no tênis, desde 2011. Não é o mais genial, nem o mais habilidoso, mas é o tenista mais completo de todos e não é de hoje.

    Se essa motivação continuar e o físico ajudar vai ficar bem difícil pra Federer manter o recorde de 20 slams, sendo que o número de semanas como n1 já está bem ameaçado.

    Claro que Nadal ainda é muito forte em RG e Federer em WB ainda pode aprontar. Por enquanto, acredito que nesse nível apresentado hoje, Novak é quase imbatível e beira a perfeição.

    Responder
    1. WELINGTON FRANCA DOS SANTOS

      Federer pode aprontar em WB? Difícil… ele não tem mais a mínima condição de prosperar em GS, nem mesmo em M1000. A nexgen tá surrando ele sem dó. Sou torcedor do Nadal, mas sou realista e acredito que djoko quebrará todos os recordes do tênis.

      Responder
  159. Bruno

    Djokovic deu uma aula de tênis hj.
    Nadal vinha jogando bem ,mas como eu disse antes não tinha sido testado e duvidava que jogaria agressivo contra os melhores.

    Responder
  160. fabriciogoiano

    Bom tatde Dalcim!!

    Como sempre, seu post sintetizou com abrangência o que aconteceu hoje em Melbourne.Parabéns!!!
    Gostaria de uma opinião: Foi nítido o domínio de Nole durante a partida, entretanto e sem tirar o merecido mérito pela conquista sérvia, não lhe pareceu que Nadal se entregou cedo demais? Achei uma decepção visto que esperava que ele elevasse mais seu nível de jogo. O que não indicaria que mesmo assim tirasse um set do sérvio. Achei que ele não sacou bem e suas bolas estavam meio que “lentas”. Isso tudo pela falta de confiança? O abatimento veio muito cedo. Essa foi a minha impressão.
    Notei também que Novak variou muito mais sua batida de backhand. Nos últimos jogos ele batia 90% dessas bolas na diagonal e no jogo de hoje ele buscou bem a paralera deixando seu jogo menos previsível. Notou isso também mestre? Se sim, por que será que ele não põe em prática em todas as suas partidas? Isso não lhe pouparia mais tempo em quadra?
    Bem…título merecido mas não esperava um Rafa tão apático e sem confiança. Parabéns aos torcedores do sérvio e esperamos que tenhamos batalhas mais acirradas nas finais desse ano.

    Um abraço a você e aos colegas do blog.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nole sempre usou a parelala de backhand nos duelos contra Nadal, assim como o forehand na paralela sempre foi a melhor arma do espanhol contra ele. Quanto à parte mental, destaquei bem isso no texto. Abs!

      Responder
      1. Danilo Blumetti

        Olá Dalcim! Considero que nesse nível Djokovic poderá se tornar o maior de todos os tempos! E pode ter certeza que ele buscará com muito apetite o “Djoko Slam” em Rolanga! Dalcim, vc concorda comigo que nesse nível apresentado hoje Djokovic é imbatível?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Puxa, não gosto do termo imbatível, porque adversários diferentes exigem táticas diferentes. Quem diria que o Medvedev daria mais trabalho que o Nadal?

          Responder
          1. Danilo Blumetti

            Imbatível pode não ser a melhor palavra, mas o que temos visto é que em todos os últimos títulos de Grand Slam de Nadal e Federer Djokovic não estava no seu melhor… Em resumo, sempre que Djokovic joga o seu nível mais alto, Nadal e Federer não consegue vencê-lo. A meu ver basta apenas dar tempo ao tempo e torcer pela longevidade em alto nivel desse monstro sérvio, pois os números confirmarão sua condição de maior de todos os tempos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *