Os velhinhos sonham
Por José Nilton Dalcim
10 de janeiro de 2019 às 10:45

É absolutamente incrível que dois tenistas de 37 anos sejam sérios candidatos a levantar o primeiro Grand Slam de 2019. O histórico recente em Melbourne, a superação constante de façanhas e a qualidade técnica permitem tal distinção a Roger Federer e Serena Williams. Não será certamente tarefa fácil, ainda mais porque Novak Djokovic voltou a sua melhor forma e a nova geração está faminta. Mais do que adversárias jovens ou atléticas, Serena por sua vez lutará antes de tudo contra si mesma. Como ficou o sorteio das chaves?

Pelo menos até as semifinais, não consigo ver nem de longe um adversário capaz de frear Djokovic numa melhor de cinco sets. Nem a experiência de Jo-Wilfried Tsonga, a ousadia de Denis Shapovalov ou a consistência de base de Daniil Medvedev. Claro que o russo merece cuidado especial, porque tem golpes agressivos, se mexe muito bem no fundo de quadra e adora um contragolpe. Por fim, o mais provável é que Djokovic faça as quartas contra Kei Nishikori e, apesar de estar na procura de uma mudança de estilo, o japonês costuma falhar na parte física e emocional.

Alexander Zverev carrega a maior esperança de renovação deste Australian Open e parece que o destino resolveu ajudá-lo, dando-lhe uma sequência promissora para quem imagina fazer sua primeira semi de Slam. Ainda assim, precisa de cabeça no lugar contra o trabalho de formiga de Gilles Simon, numa eventual terceira rodada, e terá de aguardar o sobrevivente de um setor de chave curiosíssimo que tem Nick Kyrgios x Milos Raonic e o vencedor encarando Stan Wawrinka ou Ernests Gulbis. Apostaria no suíço e provavelmente Zverev adoraria evitar Kyrgios. Há uma boa chance de as quartas serem diante de Borna Coric, ainda que o croata não tenha feito qualquer preparação para Melbourne.

O caminho de Federer também não empolga nas três primeiras rodadas, ao menos se o suíço mostrar a mesma qualidade e determinação que vimos na Copa Hopman. As oitavas prometem ser mais interessantes seja com o garoto Stefanos Tsitsipas – que deu trabalho em Perth – ou com o sólido Nikoloz Basilashvili. Acho que o georgiano seria um grande teste. Por fim, as quartas indicam reencontro com Marin Cilic, o favorito de um setor que tem Karen Khachanov e Roberto Bautista. A estreia de Cilic contra Bernard Tomic não é fácil, mas pode lhe dar o ritmo e a confiança necessários.

Por motivos óbvios, Nadal gera dúvidas. Desde o US Open, já foi o joelho, o pé, o músculo abdominal e a coxa. Assim, não vence uma partida desde o duelo épico contra Dominic Thiem, há quatro meses, incluindo exibições. Mudou o saque, segundo Carlos Moyá para jogar de forma mais agressiva, o que sempre é um risco. Pode ter uma sequência australiana – James Duckworth, Matthew Ebden e Alex de Minaur – antes de Diego Schwartzman. Ou seja, partidas fisicamente exigentes. Por fim, nas quartas, viria um grande sacador. Kevin Anderson é o mais cotado no grupo que tem John Isner e Grigor Dimitrov. Aliás, Anderson me parece o jogador fora dos quatro cabeças com maior potencial de ir bem longe.

Dureza mesmo está a vida de Simona Halep. Sem técnico e sem vitórias desde agosto, terá de estrear contra a mesma Kaia Kanepi que a tirou do US Open e a levou a encerrar prematuramente a temporada. Se avançar, ainda pode ter as duas Williams pela frente: Venus na terceira e Serena em seguida. Isso que é sorteio cruel.

Claro que novamente o foco está em Serena, campeã em 2017 já grávida e que vem de duas finais frustradas na tentativa do histórico 24º troféu. É também seu primeiro torneio desde a confusão de Nova York e há certa expectativa de como o público irá reagir. Serena tem estreia perigosa contra Tatjana Maria e está no setor de Karolina Pliskova. E não é nada impossível que cruze outra vez com Naomi Osaka, agora na semi. A japonesa não começou bem a temporada, porém tem ótima sequência até possivelmente encontrar Elina Svitolina.

Na chave inferior, Angelique Kerber e Carol Wozniacki, duas das três últimas campeãs, me parece levarem favoritismo. Ash Barty no entanto corre por fora para ser o grande nome da casa. Petra Kvitova e Aryna Sabalenka prometem grande confronto por quartas. E nunca se pode desprezar Sloane Stephens. É portanto um setor bem diversificado.

Cada vez mais prestigiado no circuito por seu esmero de organização, o Australian Open tem o clima como tradicional adversário para todos. O verão tem sido especialmente quente e os dois primeiros dias podem ter temperaturas acima dos 35 graus, mas há uma queda vertiginosa prevista para o restante da primeira semana. Outro fator a se verificar é a velocidade de piso e bola, que mudou de Wilson para Dunlop. Como todo mundo sabe, rodadas noturnas deixam as condições mais lentas. Por fim, há a grande novidade do supertiebreak (um tiebreak que vai até 10 e não a 7) se houve empate por 6/6 no quinto set. Emoção garantida.


Comentários
  1. Rodrigues

    Dalcim

    Paulo Cleto costumava dizer que os torcedores do Murray cabiam numa Kombi.
    Acho que agora a Kombi vai ficar vazia….
    aliás, você sabe por onde anda o Paulo Cleto?

    Responder
  2. PIETER

    Como todo fã de tênis, também fiquei consternado com a anúncio da precoce aposentadoria do Murray. Além de muito talentoso, uma grande personalidade e um exemplo de esportista. Que tenha saúde e sucesso em sua vida fora das quadras.
    Dalcim, dá para esperar uma vitória da Bia na 1a rodada do AO. A adversária dela está na melhor fase de sua carreira, um desafio e tanto!

    Responder
  3. Marcelo-Jacacity

    Ah…Murray. Incrível como a medicina não avançou nessa região do corpo.
    Será que essas horas a mais em que o escocês ficou em quadra desencadearam essa lesão? Quantas pessoas do meio do tênis pediram para o Murray ser mais incisivo no plano de jogo e desperdiçar menos horas em quadra. Mas isso fica no campo das hipóteses.
    Apesar de ofuscado pelo Big-3, alcançou feitos incríveis na carreira.
    Triste fim.

    Responder
  4. Gustavo

    Dalcim, boa noite!

    Tenho 2 questionamentos a você, e gostaria das suas respostas, por gentileza:

    1) Segundo a chave, de cima para baixo, o Tignor previu nas semifinais:

    Djokovic
    Zverev
    Cilic
    Nadal

    Gostaria de saber quais seriam os seus 4 nessa fase!

    2) Quais as reais chances das maiores promessas da Nextgen efetivamente derrubarem os favoritos? Exemplo: Shapovalov, Zverev ou Coric no caminho do Djoko, KX9 no caminho do RF e Alex de Minaur no do Nadal?

    Desculpe a incomodação com a questão longa…

    Muito obrigado pela atenção!

    Bom trabalho, abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, dessas semifinais eu concordo com Djoko-Zverev mas apostaria Federer-Anderson. Dos novatos, sem dúvida Zverev é quem tem mais chance de aprontar para cima dos grandes. Talvez De Minaur possa incomodar Nadal caso o espanhol não esteja 100%. Abração!

      Responder
  5. Luiz Henrique

    Uma pena a aposentadoria do Murray, muito triste. Único bi olímpico. E ele conseguiu algo ainda mais raro: uniu as 3 torcidas, unidas no lamento pela aposentadoria do Murray. Todo mundo reconhecendo que ele jogou numa era de 3 jogadores fantásticos. Ou seja, estão admitindo que não só o seu jogador “favorito” é fantástico, mas que os 3 são. Algo raro por aqui…

    Responder
  6. Renato Toniol

    Acabei de ver a ordem dos jogos do primeiro dia do Australian Open e, na minha opinião, Andy Murray merecia atuar na Rod Laver Arena.
    Ele tem, se não me falha a memória, cinco finais nontorneio, e pode estar fazendo a última partida de sua carreira. Seria no minímo uma forma de homenagem.
    No mais, acredito em uma final entre Federer e Djkovic.
    Em relação a nova geração, acredito que Zverev tenha potencial para surpreender depois do título no Finals.
    Gosto também muito do jogo do Tsitsipas, que além de técnico, o cara sabe se virar bem na rede. Kachanov também me agrada o estilo de jogo. Medvedev também joga um belo tênis, mas ainda acho que poderia deixar os seus golpes um pouco mais compactos, pois faz um movimento muito amplo, principalmente no forehand.

    Responder
  7. Bartolomeu

    Eu diria que os velhinhos podem e os jovens sonham.

    Está certo que prever o futuro é uma arte ingrata, mas, se eu fosse apostar, o meu primeiro favorito seria o Djokovic, o segundo o Federer (se o físico responder) e Nadal o terceiro (favorito contra qualquer tenista, mesmo em seu atual momento, com exceção dos dois nomes acima).

    E o Wawrinka seria o meu azarão.

    Claro que um novo campeão pode surgir, mas ainda parece improvável. O grego, Kyrgios e Kashanov precisariam de um torneio mágico, à la Kuerten em Paris em 1997. Difícil, mas às vezes acontece

    Quanto a Zverev: acho que vai depender muito da primeira semana. Se ele for se arrastando em jogos de cinco sets, como nós últimos slams, duvido que passe das quartas. Mas se ele conseguir bons jogos iniciais, com vitórias rápidas e convincentes, aí ele entra na segunda semana com um patamar de confiança ainda inédito para a sua carreira.

    Responder
  8. Renato

    Nadal e Novak tem ou o triplo ou o quádruplo de slam em relação a Murray. Triste, bizarro! Impossível não dizer o o escocês nem de longe é inferior aos dois em técnica, talento e habilidade

    Responder
  9. Luis

    Pütz, muito triste o desfecho do Murray!!. Sem duvidas merecia ter vencido uma das finais do Australian Open!. É o fim do Big Four!!! Quando foi vinculada a notícia sobre o treino com o Djoko eu pensei que ele fosse desistir do Australian Open!!! Triste!!! Vai fazer falta!!

    Responder
  10. Rafael

    É meio chocante o anúncio de Andy Murray. Traz lembranças ruins, de Magnus Norman e do nosso querido Guga. Também anuncia o fim do BIG 4, um quarteto que talvez nunca mais veremos. Para mim, Andy sempre esteve logo atrás de Federer em termos de habilidade, com uma boa dose das qualidades de Djokovic. Porque ele não venceu muito mais nunca saberei. Talvez nunca tenha usado tudo que era capaz de fazer.

    Muito triste mesmo. O grande Sérgio Ribeiro já nos lembrou aqui que as gerações passam, os grandes nomes também, mas ainda assim é difícil presenciar isso acontecendo.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é , Rafael. O problema e’ que nesta que seria a Décima Terceira temporada do BigFour + Wawrinka , a sensação é que não para somente com a saída de Andy. Acredito que vem mais por aí… ABS !

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Não sei bem o motivo, mas tenho um pressentimento de que Sir Andy Murray ganha o jogo contra Roberto Bautista na 1ª rodada e mesmo assim encerra a participação no A Open 2019. (“Pessoal, não é que eu não queira mais jogar… simplesmente não consigo!” by G. Kuerten) 🙁 🙁

        Responder
    2. EU

      Hehehe….Rafaelzoviski?…axu qui tu vai derreter igual gurdura di pikanha na brasa quando u djokovice si aposentar ….visse….hehehe…itu vai vir nu brog du GURI pedir socorro ispiritual…hehehe

      Responder
  11. Bruno

    Murray disse que pretende se aposentar após
    Wimbledon,foi isso Dalcim ou cravou mesmo que vai parar após o torneio?
    Claro que a questão nesse caso é clínica e física,mas se ele reagir bem nesses aspectos duvido que pare nesse ano.

    Responder
  12. Adriano Souza

    O Federer como sempre pegando a chave mais favoravel, podendo pegar o Caixa 9 nas quartas e o fregues Cilic nas semi. Do jeito q existe favorecimento a ele, ele pode até se dopar se quiser, q a ATP fara vistas grossas

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Adriano. Seus comentários não são apenas tendenciosos. Você nem tem noção do que Posta. Esse ” freguês ” Marin Cilic , tirou o Hexa mais fácil da historia do Suíço. O bateu na Semi do USOPEN 2014 , quando o Craque estava com a mão na taça. O gigante Croata levou fácil em cima do Samurai na Final. Abs!

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Cara, isso é muito chato!

      A chave do Federer está no mesmo nível da chave do Djoko.

      Aproveite o excepcional momento do seu ídolo, em vez de dedicar a vida nesta perseguição imbecil ao Federer.

      Responder
    3. Benjamin Button

      Claro… Limpo é o Nadal… Físico de fisiculturista jogando tênis… Ninguém tem noção de nada sobre doping até saber quem é dr. Rodchenkov… Quem sabe dele sabe o que é doping esportivo…

      Responder
  13. lEvI sIlvA

    Dalcim, este anúncio de aposentadoria de Andy Murray vale um Post só sobre o assunto, né? Conquistas, dificuldades pra mostrar seu melhor e ainda assim achando espaço na era do Big 3, personalidade etc…

    Responder
  14. Marcio Souza

    Lamentável essa noticia do Murray em se aposentar após Wimbledon.
    O quadril é sem duvida uma das piores lesões para um tenista, pois nem com cirurgia e um bom tempo de recuperação são garantias de um retorno em alto nivel.
    Murray conseguiu brilhar e ser numero 1 mesmo jogando contra 3 cachorrões fantasticos.
    Vai fazer uma tremenda falta e vai deixar saudades com certeza, excelente tenista.
    Mais uma vez o corpo em especial o quadril, vence o tenista e faz interromper a carreira como foi com o nosso Guga.

    Em relação ao sorteio das chaves no AO, achei bem equilibrado e tanto Federer, como Nadal e Djoko acho que passam pela primeira semana sem sustos.
    É claro que seria magnifico que o Tsonga derrubasse o Cotonete logo de cara, ou mesmo o Shapovalov pudesse fazer o serviço sujo, fica a torcida.
    Nadal se não abandonar após jogos bem intensos onde o fisico pode abrir o bico devido a falta de ritmo, pode fazer com Federer uma semi interessante.
    Já o Fedex na segunda semana os jogos vão ser mais pegados mas acredito que se não sentir nenhuma lesão, na possivel semi contra o Nadal ele chegará bem.

    Seria fantastico uma final entre Federer e Djoko, valendo o 7º caneco para ambos e o titulo de MAIOR CAMPEÃO DO AO!
    Cotonete com certeza é favorito, mas se o Fedex entubasse ele seria espetacular e a zoeira aqui no Blog não ia ter fim kkkk
    Mas vamos aguardar e espero que seja um bom GS para acompanharmos e torcermos.

    Ah e parabens pela Bia ter conseguido entrar na chave principal, johou muito bem as partidas do quali.

    Boa sorte ao Federer e rumo ao 21º GS e 100º caneco no geral.

    Ótimo acompanhamento do AO para todos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade, Márcio.

      Claro que por hora, não passa de apenas um sonho distante.

      Já pensou se o Federer de fato realizar a proeza de derrotar na sequência o Nadal, e depois o Djokovic?

      Nossa!

      Se a vitória dele em 2017 já rendeu mais de 1000 posts, imagine o que isso não renderia…

      Responder
  15. Jose Yoh

    Prenúncio de tempos sombrios do tênis.
    Lá se vai o primeiro do Big 4.
    O homem que desafiou os deuses nestes 14 anos de raríssima reunião de talentos.

    Bom descanso Andy Murray!

    Responder
  16. Miguel BsB

    Muito triste o anúncio da aposentadoria do Murray. Essa lesão no quadril até hoje assombra os tenistas profissionais. Mas já era de se esperar, estava claro que o escocês não tinha condições de competir mais…
    Um grande jogador, considerado por muitos o maior atleta britânico de tds os tempos, ganhou quase tudo. Destaca-se o bi campeonato olímpico, feito de gigantesca relevância e dificuldade, além de encerar o jejum britânico em Wimbledon.
    Tenho curiosidade em saber se ele chegou a conversar com o Guga sobre essa lesão antes ou durante o processo de cirurgia e recuperação.
    Sabe algo sobre isso Dalcim?

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Olha, Miguel, quanto a ser o maior atleta britânico, acho que Murray passou longe. Tem um remador que foi campeão olímpico cinco vezes seguidas em 5 Olimpíadas. Esse foi o cara da Grã-Bretanha. Steve Redgrave. Primeiro atleta olímpico a virar Sir.
      Abs

      Responder
      1. Leo Gavio

        Desculpe, mas Mas Andy Murray foi maior que esse remador ai.

        O sujeito foi um grande remador, mas as modalidades olimpicas de grande relevancia são o atletismo, a natação e a ginastica olimpica, onde ter um atleta top é rarissimo, a concorrencia é muito elevada. E se vencesse 5 olimpiadas seria fantastico, nesses esportes. As outras modalidades olimpicas são legais, mas não se compara.

        Já o tenis é um esporte premiere onde ele causa mais repercussão fora da olimpiada, ao contrario do remo. Afora isso Murray conseguiu um feito incrivel para o tenis, conquistar duas medalhas olimpicas, em superficies diferentes, pra piorar ainda mais. E alem disso conseguiu vencer Wimbledon (imagine um brasileiro vencendo o numero 1 do mundo na final de Wimbledon). chegou a ser numero 1 do mundo contra Nadal, Djoko e Federer, e venceu masters, master final, muitas finais de slam, e 10 anos de uma carreira solida, abreviada por uma lesão.

        Murray foi numero 1 no maior esporte de todos que é o tenis, na minha opinião o tenis é o esporte mais completo de todos, exige mental, estrategia, adaptação, resistencia, força, velocidade, resiliencia, habilidade, tecnica, mudança de estilo.

        È um esporte extremamente complexo. Com todo respeito ao remo, mas tenis é esporte mais bonito e interessante de se apreciar.

        Responder
  17. Juninho Fonseca

    Bom dia Dalcim!!!

    E essa do Murray hein??..q pena!!!…. Murray merece um post só sobre ele hein??.. ficaremos esperando!!!… abraço!!

    Responder
  18. Chileno

    Putz… Murray vai parar mesmo… que tristeza…

    Sem dúvida um dos tenistas mais talentosos que vi jogar. Na minha opinião, a qualidade do tênis jogado por ele não é/era tão menor do que a do Djokovic pra que houvesse tanta diferença nas conquistas. Murray merecia pelo menos uns 6 Slams pelo que ele jogou ao longo da carreira.

    Ainda assim, teve uma carreira muito vitoriosa, é o único que tem duas medalhas de Ouro Olímpicas em simples, e será sempre lembrado como o maior tenista dentre os seres humanos de sua geração. Espero que ele consiga se livrar das dores e tenha uma boa vida daqui pra frente.

    Força Andy!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro, Vinicius. Estamos falando de um fora de série. Ele precisará ganhar ritmo e confiança, evitar desgaste nas primeiras rodadas.

      Responder
  19. Renato

    Murray será lembrado como um dos grandes. Tem habilidade, técnica e talento apenas inferior a Federer no “big 4”. Apesar de nunca ter vencido Rafa ou Roger em final de slam, será lembrado por ter humilhado Novak em final em Wimbledon e U.s open.

    Responder
  20. Alessandro Sartori

    Não sou médico, mais acredito que Murray ainda vai rever a aposentadoria, Hewitt operou mais de uma vez o quadril e voltou a nivel de vencer torneio ATP, aliás o australiano parece que não para nunca, deve jogar o Aopen de nas duplas, pois já jogou esse ano com De Minaur e Thompson…

    Responder
  21. Rubens Leme

    Muito triste o adeus de Andy Murray e só mostra que o esporte de alto rendimento está longe de gerar saúde. Semana passada, Renato Gaúcho fez um procedimento para corrigir um arritmia que se tornou frequente em ex-jogadores de futebol, uma cirurgia de “médio risco, como todas realizadas no coração”, segundo o médico que o operou, mas que virou rotineira em futebolistas.

    Outto caso triste foi o de Gabriel Batistuta, maior artilheiro da seleção argentina, antes de Lionel Messi, que revelou ter pedido para amputar suas pernas após a aposentadoria de tantas dores que sentia e que urinava na cama porque não conseguia se levantar para ir ao banheiro (https://trivela.com.br/batistuta-de-tanta-dor-queria-amputar-pernas-depois-que-encerrei-carreira/).

    Como consolo, Murray fez um excelente pé-de-meia para a família e certamente será sempre convidado para comentar torneios ou mesmo como organizador.

    É o fim do G4.

    Responder
  22. Luiz Fernando

    A aposentadoria de Murray era esperada, essas lesões graves de quadril são um empecilho a pratica do tênis num nível como o q ele desempenhava e necessitava. Lamentável sob todos os aspectos, Andy foi um craque, com resultados inferiores ao seu potencial.

    Responder
  23. Rodrigo S. Cruz

    “Há pequenas coisas no dia a dia que também são muito difíceis. Seria bom fazê-las sem dor. Colocar sapatos, meias, coisas assim. Essa é a principal razão para fazer essa cirurgia”. ( Andy Murray)

    Que merda, hein!

    Coitado do Murray.

    É muito triste ver um campeão, um jogador de tanto talento, se despedindo do ama fazer assim, desse jeito.

    Eu não pensava que a situação fosse tão grave.

    Impressionante como lesão de quadril ACABA com a carreira de um tenista.

    Vimos isso com o Guga, e agora exatamente a mesma coisa ocorre com o Andy…

    Responder
  24. Sérgio Ribeiro

    Esta de Andy foi demais. Fiquei anos o defendendo contra meio mundo aqui no Blog que teimavam em desmerece-lo o Tempo todo. Inclusive não o aceitavam no Big Four . O ÚNICO Bi-campeao Olímpico em Simples , acabou sucumbindo do mesmo jeito que o Manezinho da Ilha. Perdeu para as mesmas dores. Não antes de vencer mais MASTERS 1000 que Sampras , o FINALS que falta a Rafa Nadal e mais que o dobro de ATPs que GUGA. Coincidentemente se tornou N1 na última partida do ano ( pra cima do atual N 1) , assim como o Brasileiro pra cima de dois Ex N 1 .Empatou em número de SLAM com o mesmo , mas com a vantagem de Pisos diferentes. Sir Andy Murray vai deixar saudades não somente pelo seu enorme talento. Mas um Caráter acima de qualquer suspeita. ABS !

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Já ia passando batido pela grande Zebra que aprontou ao atingir o N 2 em 2015. Tirou os Britânicos da Segunda divisão da Copa Davis , e bateu ao lado de seu Irmão : Norte-Americanos , Australianos e Belgas , sempre marcando os TRÊS Pontos nas disputas. Coisa que somente gente grande consegue. ABS !

      Responder
  25. Kleber Araujo

    Muito triste o anúncio do Murray!
    Uma LENDA, que venceu na era de 3 ETs do esporte, que sucumbe para o quadril.
    Tinha MUITA lenha pra queimar ainda… dia triste para o tênis mundial!

    Responder
  26. Marcos RJ

    Poxa mas que boca maldita: cantei logo abaixo que acreditava que Murray iria se aposentar em Wimbledon 2019… e a noticia sai pouco mais de 6h depois aqui no Tenis Brasil. Vou fazer uma fezinha na loteria ou quem sabe ate apostar no Zverev : )

    Responder
  27. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, confesso que já esperava essa aposentadoria do Murray, mas receber essa notícia me deixou muito triste. Essa contusão é terrível e a medicina ainda não evoluiu ao ponto de combatê-la.
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Também não me surpreende, mas me deixa muito triste. O tênis perderá não apenas um tenista espetacular, mas uma grande personalidade. Muito triste.

      Responder
  28. Arthur

    Dalcim,

    Antes de mais nada, feliz ano novo!
    E desculpas por estar tão ausente do Blog (embora eu continue lendo todos os posts com regularidade).
    Viu a bomba do Murray?
    Curiosamente, o Big4 vai acabar justamente com a aposentadoria do mais novo do grupo.
    Uma pena, realmente.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Antes de tudo, me deu muita pena saber das dores terríveis que ele enfrenta. Impossível não lembrar do sofrimento do Guga. O quadril continua a ser a contusão mais assustadora do tênis, não resta dúvida.

      Responder
      1. Sandra

        Com certeza é a pior delas ,mas qual foi o milagre da cirugia do Leyton heewt , saiu o nome errado , mas acho que vc vai saber que é o australiano , ele feZ a cirurgia e continuou jogando por muito tempo e ainda está jogando duplas

        Responder
  29. Luiz Fernando

    Também creio q o sorteio está equilibrado, sendo Djoko e Federer os principais favoritos nas duas chaves. Numa final hipotética entre ambos, faço minhas as palavras do Sergio Ribeiro, com Djoko favorito, mas longe de ser por larga margem. Não acredito em Zverev para vencer 7 partidas melhores de 5 sets, mas quem apostaria nele no Finals, vencendo os dois principais favoritos na sequencia. Rafa é a maior incógnita, e só um torcedor cego pra não enxergar q suas chances são exíguas. No entanto, se estiver livre de problemas físicos e atingir a segunda semana sem grande desgaste, tudo pode acontecer… Antes q seja tarde, vejo Anderson como o terceiro principal favorito!

    Responder
  30. Oswaldo E. Aranha

    Dei uma ideia, abaixo, que parece que não teve muita aceitação, entretanto vou dar a partida para ver se outros aderem.
    Amamo-nos, odiamo-nos e não nos conhecemos.
    Dalcim, quero fazer uma proposta, de haver um espaço para que cada um dos frequentadores do blog possam se identificar.
    Assim, se seguiria os seguintes tópicos:
    – nome: Oswaldo Euclydes Aranha
    – nacionalidade: brasileira
    – naturalidade: cariucho
    – cidade onde reside: Curitiba
    – formação profissional: Engenheiro Agrônomo
    – atuação, presente e passada: agronomia e produção musica (música clássica) como profissional e remo e natação como esporte
    – clube de futebol: Vasco da Gama e simpatias pelo Palmeiras, para o Dalcim ficar contente
    – tenistas preferidos: Djokovic, Shapovalov e Halep.
    PS. não colocar a idade porque seria inconveniente para o setor feminino

    Responder
  31. Marcos RJ

    Apesar da pouca competitividade em GS até agora, acredito que Zverev vem como o terceiro favorito apesar de bem atrás de Federer/Djokovic. A parceria com Lendl ja mostra resultados na parte física e mental e a confiança vem em alta desde o fim da temporada 2018 – onde vale lembrar bateu os dois favoritos.
    No lado oposto vem Murray, que depois de tanto tempo de preparo declarou que ainda continua com dores no quadril. Com esse cenário não acredito que uma mudança de plano tático iria fazer qq diferença e a tendência deve mesmo ser temporada de despedida com o capitulo final em casa: Wimbledon 2019.

    Responder
  32. Kennys

    Dalcim, do big3 qual, na sua opinião, pegou a chave mais difícil?
    A meu ver, a chave mais difícil foi a do Federer, pois pode pegar francês Gael Monfils (32º colocado), na terceira rodada. Nas oitavas, Federer pode rever o grego Stefano Tsitsipas, cabeça 14, e depois reeditar a final contra o croata Marin Cilic, número 6 do mundo, já nas quartas de final. Além de Ter o Nadal na semi e o Djokovic na final.
    Dos 3, qual a chave mais difícil?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nem sei se Monfils realmente vai jogar, acabou de desistir de Sydney. E o Tsitsipas perdeu feio hoje. Então não vejo tão difícil assim a chave do Federer. Acho que ficou tudo bem equilibrado.

      Responder
  33. Miguel BsB

    Concordo com a análise sobre o Anderson. Fora os tradicionais favoritos, é quem tem a chance de chegar mais longe, a meu ver. Tem sido extremamente sólido em todas as últimas competições que disputou.
    Do lado feminino, estou na torcida por uma “zebra”, que nem seria tão zebra assim, de conquista do título ou pelo menos uma grande campanha da Zabalenka. Gosto de ver ela jogando.
    O que acha dela Dalcim? Pra mim, será top 10 logo logo e, quem sabe, número 1.

    Responder
      1. Dominic DeCoco

        Dalcim, em relação a final de Pune esse ano, você achou que prejudicaram o Anderson no tie break do terceiro set???? e vc achou que Karlovic amarelou????
        Vejo hoje um Anderson que tem entrado nos torneios com sangue nos olhos, e se antes amarelava na hora H, hoje perde tão somente pq os adversários ou são melhores ou jogam melhores.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não, achei uma situação normal para o juiz decidir diante da velocidade do jogo. Acho que Anderson devolveu incrivelmente nos dois pontos decisivos, quando Karlovic teve o 5-4 e saque. Claro que o croata não encaixou o primeiro saque, mas foram duas devoluções precisas no pé seguidas de passada em paralela. Eu daria mérito ao Anderson.

          Responder
  34. André Barcellos

    Dalcim, tem ouvido alguma coisa sobre as bolas? Acho a Dunlop mais dura que a Wilson, mas acho que acaba sendo mais lenta, apesar disso.
    Mas no nível dos grande torneios não sei se é a mesma coisa. Algum tenista comentou sobre velocidade?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Também acho a Dunlop um pouco mais dura, mas não sei exatamente qual modelo foi escolhido. De qualquer forma, os torneios pré-Open foram todos jogados com a Dunlop, até mesmo a Hopman, e pessoal parece ter gostado. Não ouvi nada ainda sobre a velocidade do piso.

      Responder
  35. PIETER

    Não é o calor excessivo bem como a alta umidade das rodadas diurnas que deixam as condições de jogo mais lentas? Comparativamente, as rodadas noturnas não tendem a ser mais favoráveis ao jogo rápido? Fiquei na dúvida…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O calor deixa a quadra com menor grip e daí a resina sintética fica mais veloz. Claro que a umidade do ar pode interferir nas rodadas noturnas, mas o comum é a temperatura cair até 10 graus à noite.

      Responder
  36. Babidi

    Ninguém ganha campeonato de véspera. O fator clima pesa muito na Austrália. É geralmente o Grand Slam com mais zebras. Se colocarem qualquer um dos favoritos naquele calor infernal que machuca muito, pode ser que isso atrapalhe o desempenho deles. Eu não tenho tanta convicção que Federer, Nadal, Djokovic e Zverev estarão na segunda semana. Nadal vai pegar uma sequência de jogadores que estão evoluindo muito bem, Djokovic pode reencontrar adversário de final de GS, Federer vai ter esse Istomin mandou o Djoko mais cedo pra casa dois anos atrás, e o Zverev ainda é uma incógnita quanto a torneios desse porte.. ainda dou favoritismo ao sérvio, afinal voltou a ser o jogador mais temido do circuito. Mesmo assim, apesar da fome de voltar a vencer em Melbourne, acho que Nole está mais “ganhável” do que em outros anos.

    Responder
  37. Sérgio Ribeiro

    Acredito que as famosas Zebras tradicionais no AOPEN antes das Quartas , possam derrubar alguns dos favoritos devido a presença da já respeitada NextGen. O sorteio bem equilibrado , não dá muita margem ha’ reclamações. As incógnitas Andy , Stan e Rafa podem mudar toda a lógica dos Especialistas. Novak firme como favorito mas longe de ser barbada, a meu ver. Assim com a Rainha. ABS!

    Responder
  38. GUSTAVO DE ALMEIDA

    Achei as chaves bem equilibradas.
    Djoko e RF favoritos com sobra.
    Kevin Anderson e Zverev os outros com reais chances.
    Acho q Nadal vai se desgastar muito no segundo e no terceiro jogo, perdendo força pro final.
    Se o Rei jogar o q jogou na Hopman e não se cansar muito no caminho, vejo ele com grandes chances mesmo, até numa final com Novak.

    Responder
  39. Rafa Darvin Ramos

    Mestre,

    Sabemos que ainda é uma incógnita, porém qual seu feeling em relação ao Murray? Se considerarmos a gravidade da lesão, tempo (e tipo) de recuperação e seu estilo também altamente físico que conta com um segundo serviço de pouco prestígio, eu acredito que o mesmo não deverá voltar a competir no mais alto nível.
    Levou uma surra do algoz Novak numa sessão de treino, deveria ter treinado comigo rsrs
    No mais, sorteio super equilibrado… sem chororô rapaziada
    Lets go Roger.. rsrs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Temos ainda de esperar para ver, mas sinto que Murray não conseguirá voltar ao melhor nível se não mudar seu plano tático. Precisa ser mais agressivo e diminuir a correria. Ele voleia muito bem, pode usar esse recurso com maior frequência.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Para ficar no top 5, precisa da final. Dureza. Acho que a chave do Djoko é ligeiramente mais favorável, mas no geral vi um grande equilíbrio.

      Responder
  40. Rodrigo S. Cruz

    Novak Djokovic chegará às semifinais , com os pés nas costas.

    Exceto, se o Nishikori apresentar uma qualidade que há muito não mostra contra ele.

    O Nadal, por sua vez, é dúvida pura. A todo momento convive com um problema físico “mandrake”.

    No entanto, se esse problema tiver sido sanado, pode encontrar com Anderson nas quartas, e aí sim a coisa complica…

    O Federer pegou uma chave mediana. Nem tão fácil, nem tão difícil.

    O adversário mais perigoso nas quartas seria o ” Caixa 9″. Já que o Cilic é um bosta quando se depara com o suíço…

    Destaque para o LAMENTÁVEL encontro de primeira rodada entre dois dos meus tenistas favoritos: Ernests Gulbis e Stan Wawrinka.

    Também detestei a ideia de que um dos dois pode pegar justamente o Kyrgios, já na segunda rodada.

    Não vejo como um “baleado” Murray possa contra o Bautista Agut, que recentemente venceu o Todo Poderoso número 1 do mundo.

    Por fim, tudo se desenha pra mais uma final épica entre Roger Federer e Novak Djokovic.

    Qualquer que seja o desfecho, os fãs não podem reclamar…

    Responder
      1. Thiago

        Juntamente com Kokkinakis também é meu tenista favorito no circuito.

        Kokkis já furou quali. Disse aqui há alguns dias atrás que sem contusões, ele jajá estará enfiado no top 30 com os seus contemporâneos da Nextgen. E tem uma boa primeira rodada contra o Taro Daniel.

        Responder
    1. Vítor Barsotti

      Rapaz, eu já achei “totalmente excelente” esse encontro Stan x Gulbis na primeira rodada.

      Seria brochante esperar esse duelo pra uma segunda ou terceira rodadas que acabaria, muito provavelmente, nem acontecendo, pela irregularidade atual dos dois.

      Fora que já deixa o torneio interessante desde o começo. Pra mim, é o grande jogo da primeira rodada!

      Responder
  41. Renan Vinicius

    Muitos falam que Nadal pode não suportar a sequência de jogos, mas tenho a impressão de que Djokovic tbm não ta com essa bola toda não. Após o US Open, o qual foi beneficiado pela chave bem tranquila, o sérvio vem de várias derrotas. Começou a temporada em Doha e tbm perdeu, sofrendo para vencer alguns jogos. É bom abaixar um pouco a bola, pq começar a temporada achando que vai vencer os 4 Slams, como o próprio técnico disse, coloca uma pressão gigantesca. Portanto, quanto maior a soberba, maior o tombo.

    Responder
  42. Gilvan

    Kyrgios não passa nem da primeira rodada então. Rumo à aposentadoria!
    Nadal pegou os pangarés de sempre nas primeiras rodadas, mas com o corpo totalmente podre, acho difícil de ir longe.
    Não tem como não apostar as fichas em Federer e Djokovic. Ambos pegaram chaves sem maiores sustos na primeira semana (talvez um Tsonga inspirado e olhe lá) e possuem experiência e qualidade muito acima dos demais.

    Responder
  43. Hélio

    Acho que a nova geração vai amargar mais um slan a seca! Os bons (ótimos) e velhinhos manterão a hegemonia tanto no masculino quanto no feminino.

    Responder
  44. Renato

    Creio que dificilmente o título saia das mãos de Federer. Se estiver tudo bem, é o grande favorito.

    Novak poder perder pra Daniel M ou abrir as pernas novamente pra Zverev, se o alemão chegar as semis.

    Nadal não deve chegar nem as semis, ou chegará extremamente baleado.

    Novak pegou a chave mais fácil pra variar….

    Responder
  45. Nando

    Mestre, achei q as chaves foram boas pros Bigs…na 1° semana, treinarão (taaaaalvez Tsonga complique pro cotonete).
    Federer teoricamente tem um caminho mais duro à partir das oitavas, mas tem grandes chances de passar.
    Kyrgios x Raonic é o jogo da 1R, e o vencedor disso aí fará outro grande jogo na 2R contra Stan…acho q o suiço pode chegar longe no torneio…

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Posso estar errado, Nando, mas achei o sorteio excelente para Federer. Na minha modesta opinião, pode perder somente 1 ou 2 sets até chegar à final. rs
      Abs

      Responder
  46. Tom

    Ali onde estão Kyrgios, Raonic, Stan e Gulbis o chicote já vai comer logo cedo. Esse Australian Open promete. A conferir o que vai acontecer com Murray, que me parece estar com o físico ainda baleado.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *