Djokovic e Federer ensaiam a esperada final
Por José Nilton Dalcim
16 de novembro de 2018 às 21:04

O melhor tênis de Novak Djokovic reapareceu na hora exata. Numa apresentação bem perto do impecável, o número 1 do mundo manteve a invencibilidade no Finals e reafirmou o favoritismo para o título ao superar um Marin Cilic bem disposto e com nada a perder na última partida da fase classificatória do torneio.

Nole só não devolveu mesmo quando foi impossível antecipar o bombástico saque de Cilic, que escapou de um break-point no set inicial e permitiu uma única vantagem ao adversário no finalzinho do tiebreak. Sólido na base, ofensivo com suas bolas profundas e com a excepcional qualidade para criar ângulos, Djokovic também sacou muito bem e fez um segundo set primoroso.

Virá então o reencontro com Kevin Anderson na semifinal e, em que pese o sul-africano viver um grande momento na carreira, deverá influenciar muito o amargo placar de 7 a 1 em favor de Djokovic, que só perdeu em março de 2008. Dez anos depois, eles se cruzaram na final de Wimbledon e nas quartas de Xangai, e Anderson nem tirou sets.

Claro que Djokovic não irá substimá-lo. É muito provável que utilize a mesma postura tática que adotou contra Cilic, ou seja, fazer a bola voltar, investir no backhand menos confiável e só ir para o forehand quando o grandão estiver em movimento. A Anderson só cabe atacar o tempo todo, principalmente com o saque. Terá de correr riscos se quiser equilibrar, e isso inclui necessariamente transição mais constante para a rede.

Minha aposta: Djokovic em 2 sets, com um tiebreak.

Amigos, amigos, negócios à parte
Apesar dos 16 anos que os separam, Federer e Zverev já se cruzaram oficialmente cinco vezes e o suíço tem apertados 3 a 2  – houve outra na Copa Hopman, um jogaço aliás, que o alemão venceu. No problemático ano de 2016, Federer ganhou em Roma e perdeu em Halle. Em sua grande fase de 2017, suíço levou em Halle e no Finals, mas caiu em Toronto.

Zverev tem um excepcional backhand e saca muito bem, abrindo alguns buracos quando precisa defender com o forehand e se compromete principalmente nas bolas baixas e mais curtas. Provavelmente, serão as duas coisas em que Federer irá investir, ainda mais na quadra mais lenta.

Sascha nunca escondeu sua grande admiração por Roger, dentro e fora das quadras, mas sobrou algum incômodo hoje, quando ele rebateu declaração do suíço, que o criticou indiretamente pela queixa excessiva e redundante do calendário.

Pouco antes, Zverev fez seu melhor jogo da semana diante de John Isner, com destaque não apenas para sua boa devolução e oportunos contragolpes, mas principalmente por ter lidado muito bem com a pressão da vitória, única forma de garantir a inédita semifinal. Muito bom ter um representação da nova geração na fase decisiva do Finals.

Minha aposta: Federer em 3 sets, com até dois tiebreaks.

Bruno tenta final inédita
Únicos invictos nas duplas, o mineiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray terão que passar pela parceria norte-americana de Mike Bryan e Jack Sock, atuais campeões de Wimbledon e do US Open, se quiserem enfim disputar a primeira decisão na arena O2. É a quarta tentativa do mineiro.

Soares e Murray fizeram uma fase classificatória de alta qualidade e confiança. O trabalho de rede muito firme e algumas devoluções excelentes do brasileiro. Tomara mesmo que Sock jogue no nível desta sexta-feira, em que foi muito irregular e por vezes displicente.

A outra semi reúne os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut, outros campeões de Slam na temporada, contra os colombianos Robert Farah e Juan Sebastian Cabal, dupla muito bem introsada mas que continua à procura de seu primeiro grande título no circuito (até aqui, só venceram um Masters, em Roma deste ano).

Minha torcida: vitórias de Soares/Murray e de Cabal/Farah.


Comentários
  1. alessandro sartori

    Pq achar que os torcedores do Djokovic odeiam Federer, se o que o sérvio mais faz desde 2011 é bater no suiço? Eu as vezes torço pra não ter mais esse encontro ou qdo tem torço pro Federer ganhar algum jogo, pq o circuito caminha pro mono com esse Djokovic que é o mais completo de todos os tempos..

    Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    E não deu mesmo para o gigante Anderson, como Postamos antes , nem pra brincar. E por ironia, Novak Djokovic vai fazer a Final com um jovem promissor de 21 anos. A mesma idade que tinha na sua primeira no FINALS em 2008. Bateu Simon na Semi e Davydenko na FINAL. O garoto se habilitou ao bater 3 TOPs 10 inclusive o maior vencedor do Torneio. Previmos também que Sasha poderia enroscar com o Suíço , e não deu outra. Depois de 5 Finais de MASTERS 1000 , agora a do FINALS pra ele sim sacanear ( junto com Khachanov) , Fognini, Safin e outros FARSANTES que não se envergonham de despejar asneiras. Eles que vão tomar no… Todynhos , Danoninhos e outras babaquices. A diferença é que ainda não dá pra cima do 10 anos mais velho. Este tem o Circuito em suas mãos no momento, jogando de maneira PRIMOROSA em todos os seus fundamentos. Atingiu o Olimpo com todos os méritos. Abs!

    Responder
    1. Rafael

      Oi Sérgio

      Sinceramente não entendo essa tua matemática. Vou comentar pq não é a primeira vez que vc posta que Zé Verev fez mais pontos nessa temporada do que na outra. E daí? Ele vai terminar este ano numa colocação tão boa no ranking como na temporada passada? Não, né? Então não faz sentido. Aliás, até Federer falou que o tenista tem a prerrogativa de montar seu calendário. Se Zé decide jogar 4000 torneios, bom jogador que é, vai somar mais pontos.

      Ah, vc esqueceu do Chandelle. Se ganhar amanhã do Djoko, papai Verev prometeu um rega-bofe de chandelle papaya com cassis!

      Abs! 😉

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Na boa, Rafael. Não acredito que você não saiba que somente valem os 18 melhores resultados nas 52 Semanas e mais o FINALS. Jogar acima disso como o fazem Fognini, Thiem, Zverev e CIA ( inclusive Copa Davis ) , e’ a burrice que teve um preço alto para Nadal. Foi mais ou menos o que Federer falou. Thiem concordou no ato. Fez mais pontos devido a ter melhorado suas campanhas nos SLAM, exceto WIMBLEDON. Abs !

        Responder
  3. Barocos

    Qualquer que seja o resultado amanhã, uma coisa é certa .. estamos precisando desesperadamente da volta de Nadal, Murray e Wawrinka em boas condições para que os torneios se tornem extremamente emocionantes novamente!

    Responder
  4. Rafael

    Mestre,

    Eu entendo que a regra diz que o ponto deve ser repetido caso a bola caia da mão do boleiro. A questão que todos os espectadores perceberam é que o Zverev se aproveitou disso para parar o ponto que estava dominado pelo Federer. Pareceu que ele usou disso como uma artifício para repetir o ponto e não por ter sido efetivamente atrapalhado. Na minha opinião faltou FairPlay. Será que se tivesse sobrado uma bola no meio da quadra pra ele fazer um winner ele pararia o ponto? Faltou atitude esportiva. Óbvio que a regra deve ser cumprida. Mas usar da regra como uma artimanha é errado. O que você achou? Que ele parou porque foi atrapalhado ou pq foi atrapalhado msm?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele fez o correto, Rafael. Estavam no meio de uma troca de bolas quando o boleiro não apenas deixou a bola cair, mas se mexeu dois passos para a frente, agachou e recuperou a bola. Isso obviamente distrai.

      Responder
      1. Emerson

        Dalcim, mesmo torcendo por uma final Federer x Djokovic, gostaria de complementar sua opinião favorável ao Zverev, pois o que não se falou ainda é que a regra também tem uma questão de segurança dos jogadores. Claro que isso não iria acontecer nesse caso, mas imaginem um jogador que tropeçasse numa bolinha rolando pela quadra… que desastre!
        O boleiro falhou, mas também não há muito o que se fazer… isso acontece… não passa pela cabeça de ninguém que fosse algo proposital, então segue o jogo

        Responder
  5. Luiz Fernando

    A exemplo do q fez outras vezes em jogos de Rafa, Bernardes agiu de forma correta ao fazer voltar o ponto q alguns estão chorando na net, ou será q as pessoas estão cegas de não ver a imagem? Se o Zverev acertou um ace, mérito dele. Não vamos chorar o leite derramado, e para finalizar, nota zero p a plateia da arena O2, que vaiou o cara por pura ignorância das regras.

    Responder
  6. Barocos

    Bem, que o resto do sábado não nos traga nenhuma surpresa indesejável. Um acontecimento “inesperado” por dia já é suficiente. 🙁

    Quanto às críticas ao Zverev traduzidas em epítetos sarcásticos/deletérios, ainda que seu confronto com o Federer não tenha sido primoroso, acho que devem sofrer ajustes pelos nossos companheiros de blog cognominadores. 😉

    No mais .. na torcida pelo sérvio.

    Responder
  7. Sônia

    Dalcim, Zverev mereceu a vitória com certeza, sem nenhuma dúvida, jogou muito melhor do que o Federer… agora confesso que aprendi mais uma hoje, imaginava que o “let” fosse sempre alertado pelo juíz de cadeira e nunca pelo tenista. Beijos.

    Responder
      1. Sônia

        Dalcim, Carlos Bernardes só fez a chamada porque o Zverev alertou, ou seja, Zverev parou a jogada (como no challenge), Carlos Bernardes não viu. Quem “apitou let” foi o Zverev rsrsrs, essa que foi a minha dúvida. Beijos.

        Responder
    1. Jonas

      Djokovic tem 27 vitórias contra o Federer (sem contar o W.O). Isso inclui diversas pauladas em Slams e masters 1000.

      Ai o cara vem comparar com o Kyrgios, que venceu Djoko 2x em 2017, um baita ano do sérvio…

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Federer teve seus privilégios, o q foi escancarado na declaração dos organizadores de Paris ao dizerem q aumentariam a velocidade da quadra para tê-lo presente. Não há como negar isso. Se nos pusermos no lugar desses caras talvez fizéssemos o mesmo, pois não há como negar q ele atrai o público. Mas daí a chamá-lo de mau caráter tem uma distância muito grande, com o q não há como concordar.

    Responder
  9. Luiz Fernando

    Desta vez não há não louvar Zverev, cujo jogo foi muito mais do q um excelente serviço. Quem sabe esse rapaz agora não embala e deixa p trás a instabilidade e atitudes/comentários infantis q marcaram sua temporada. Esse é o momento. Ja Federer fechou o ano deixando a desejar, com nível pífio de primeiro serviço e um BH medíocre, essencialmente c slices, e por ali o alemão construiu sua vitória.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Para variar comentarista de resultados, né Zé Fernando. Não deve ter assistido aos excelentes jogos contra os três TOPs 10, Novak, Cilic e Isner e insistiu com as chacotas em cima de um jovem de 21 , ainda em formação. Quebrou a cara como sempre junto com a ” Turminha” que só faz denegrir a Nextgen. Pra quem chamava Federer de Aposentado em 2013, demonstrou mais uma vez que pouco conhece do Esporte, alem dos Posters do Espanhol em seu quarto. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Repetindo, Zverev fez mais pontos nesta Temporada , que na anterior. Afirmou o tempo todo que o Zé Verev estava em péssima fase. Nem lê os Posts dor Blogueiro rsrsrs Abs!

        Responder
      2. Luiz Fernando

        Posto minha opinião, e ao contrario de pessoas arrogantes como vc sei que posso cometer erros. E como sei disso, quando acho q erro tenho a hombridade de vir aqui e reconhecer, ao contraio de vc, que se esconde debaixo de seus posts repetitivos e sem nexo. Alem disso, a despeito de ser da área de humanas, sei fazer contas, e por elas os caras da nextgen nao venceram nada de relevante esse ano. Quanto a esse ou aquele vencerem mais ou menos jogos, isso é influenciado pelo numero de partidas jogadas, ou será q quem joga 10 jogos pode ter 20 vitorias? Grande abraço, curta o feriado q se aproxima kkkk…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Área de humanas. Sei rs Somente se for naquela clínica kkkkkkk Posts repetitivos que se o rapaz lê-se saberia que ele foi mais longe nos SLAM. Mas isso pouco importa pra quem nada assiste. Abs!

          Responder
  10. Bruno

    Dalcim,
    Gostaria que vc observasse se estão comentando com o meu Nick juntamente com o meu e mail
    Por que está aparecendo comentário com o meu nome é com a absevacao que está sendo aguardado pela moderação.

    Responder
  11. Ronildo

    Bom, pelo menos acabou a contagem regressiva para o Bicho Papão pegar o Velhinho! 37 anos e ter que enfrentar Djokovic número 1 do mundo, é dose! O mais incrível de tudo é que ao que parece, Federer não está nem aí! Vamos ver como vai ser em 2019.

    Responder
  12. Pedro

    Dalcim,

    Federer atuou hoje como tem atuado na média do ano inteiro. Sem confiança necessária. A situação do fim do primeiro set e no segundo set depois da quebra, mostram isso. Na realidade, ele parece estar fazendo um enorme esforço apenas para acompanhar o nível dos outros jogadores. Se for idade, isso deve continuar acontecendo.

    Responder
  13. Marcos

    Jogo foi um resumo do Federer nos ultimos 6 meses em grandes jogos: uma devolução que não machuca ninguem, que não tira o adversario da zona de conforto.

    Responder
  14. Nando

    Olha o nível das sandices q estão sendo ditas aki…como é q se chama alguém de mal-caráter sem conhecer? Olha só, esse q se dizem não-fanáticos estão mostrando td o rancor q eles têm pelo Federer…pq? Inveja pq seu “ídolo” não joga como o cara? Pq não é tão amado qnt o cara?

    Será q eu poderia chamar vcs de “mal-caráter” pelas groselhas ditas aki? Acho q sim né?
    A internet foi um bem enorme a tds, porém, deu voz aos imbecis rancorosos….aliás, “correr atrás” de coisas mais importantes para a sua vida, com ctz não o fazem, pois a disposição é guardada para despejar asneiras no blog.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Teve 1 único comentário, acho que do Renato, chamando o sérvio de Lixo-vice, contra um sem-número de outros, chamando o Federer de tudo que não prestava…

        E detalhe: o comentário dele veio na esteira de uma resposta. Não foi ele quem começou.

        Mas você vem citar justamente no comentário dele.

        I-NA-CRE-DI-TÁ-VEL…

        Responder
  15. Rodrigo Alvez

    Não consigo entender o motivo deste tolo debate acerca de privilégios sobre os jogadores tops – principalmente Roger Federer.

    Antes de mais nada, é importante frisar que não sou torcedor do Federer, e sim do Djokovic, desde aquele título do Masters do Canadá em 2007 quando ele tinha 19 anos. Foi um jogão e por ter sido em cima de Federer, vi potencial no sérvio, que no mesmo ano chegou a sua primeira final de Slam, quando o suíço deu o troco na final do USOpen.

    Federer iniciou sua carreira em 98 e levou alguns bons anos para ter tais – MERECIDOS – privilégios.

    Ele construiu isso com seu esforço, talento e carisma. Quem estiver reclamando, é simples, faça o mesmo que o suíço fez e terá os mesmos, quiçá mais privilégios.

    Como fã de tênis, sempre que tenho a oportunidade de ver Federer jogando, eu o faço. É por isso que ele joga nos melhores horários, para que todos o vejam. Isso é mérito dele! Todos em vez de reclamar deveriam fazer o mesmo, e desfrutar do tênis que não só do Federer, mas também de Djokovic e Nadal, que sempre serão lembrados no tênis.

    Você, que ainda não se ligou que dever exaltar e curtir esses três tenistas e fica aí depreciando os outros dois para elevar o seu preferido, se arrependerá amargamente quando daqui há uns 30 anos presenciar as pessoas comentando o quão mágico deve ter sido assistir a esses três – e não a um – jogando ao mesmo tempo.

    Responder
    1. Chetnik

      Vou aproveitar o teu post para um arremate final, já que outros estão repetindo a mesma coisa. Vocês precisam ler o que é escrito. O Federer jogar mais no “horário nobre” por questões comerciais é plenamente compreensível, e não tem nada demais. Se justifica e não desequilibra o torneio – ainda mais em um torneio indoor como o Final. EU FALEI ISSO TEXTUALMENTE.

      O problema é quando os privilégios desequilibram competitivamente o torneio. Colocar o Federer para jogar um dia antes, para ter mais descanso na parte final do torneio – não adiantou nada, kkkk -, sendo que esse benefício deveria ser do Djokovic, como líder do ranking, é um ABSURDO. O Dalcim falou que o próprio Djoko pode ter pedido. Mas eu não tenho essa informação, e particularmente não acredito nessa hipótese.

      Igualmente, se eventualmente no AUSO o Federer jogar sempre à noite, clima fresco, e o Djoko e o Nadal – número 1 e 2 do ranking – se matando em pleno sol a pino – isso não vai acontecer, só estou exemplificando -, seria igualmente vigarice e trapaça, pois o intuito seria favorecer um e prejudicar os outros dois. “Apelo comercial” seria só a desculpa utilizada.

      Em outros termos, existem escolhas comerciais lógicas que não ferem a lisura da competição. E também existem favorecimentos escusos que desequilibram a competição, por conceder vantagens/desvantagens COMPETITIVAS a jogadores por critérios puramente SUBJETIVOS. As primeiras são aceitáveis, as segundas não – para quem é honesto e gosta de uma competição justa, pelo menos.

      Responder
      1. Jose Yoh

        Não chore prezado Chetnik. Se o sérvio chegar aos 37 anos jogando em alto nível, muito provavelmente gozará dos mesmos privilégios que o suíço. Merecidamente.
        Afinal, não é ele o “aposentado”? Idosos merecem condições especiais. Já trabalharam bastante.

        Responder
  16. Paulo F.

    Pode ser que Kevin Anderson elimine Djokovic e se diz que ele ainda está convalescente de uma infecção respiratória.
    Mas se Djokovic classificar hoje e estiver bem fisicamente, vejo poucas possibilidades tanto para Sascha quanto para Federer, pelo o que estou vendo da atuação entre ambos.

    Responder
  17. Luiz Fernando

    Primeiro set no qual Zverev jogou bem, não se apavorando nos poucos momentos de pressão w teve. Federer também jogou bem, mas no último game errou mais do q o normal. Manos pro segundo set.

    Responder
  18. Barocos

    Caro Dalcim,

    O nível de irracionalidade e acusações estapafúrdias está beirando o ridículo. Infelizmente não é só aqui, isto está ocorrendo em todo tipo de interação social. As pessoas estão se comportando de maneira extremamente radical e leviana. Quem acusa tem que ter provas ou, no mínimo, fornecer subsídios críveis para suas argumentações e, claro, arcar com as consequências de seus erros. Está muito fácil para os simplórios de plantão escreverem gigantescas sandices em seus dispositivos eletrônicos e publicá-los como se seus textos desnudassem o supra sumo da sapiência, ao invés de serem provas cabais de suas arrogâncias e ignorâncias, sem que tenham que enfrentar quaisquer ônus.

    Fatos deveriam mudar crenças, crenças não modificam fatos. Da maneira algo similar, o ideal isonômico pode nortear nossas aspirações mas deve também enfrentar a realidade dos fatos para que se possa construir o possível, as soluções de compromisso.

    Novak Djokovic, Rafael Nadal e Roger Federer são excepcionais jogadores e, até onde eu sei, excepcionais cidadãos. A primeira afirmação é factual, para a segunda, nunca me apresentaram qualquer indicação em contrário que, sob análise, não se revelassem como frutos de inveja, ciúme, preconceito, maledicência ou pura ignomínia.

    Sigo em minha convicção de que os autores de mal-ajambrados libelos não devem ser respondidos diretamente.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Na minha teoria, os xiitas polarizados não são muitos mas são os que falam muito (alguns com MUITOS fakes). O que faz crer que todos são.
      Porém (tomara) há uma maioria que não se manifesta por justificado medo destes xiitas malucos, mas que não tem a mesma posição radical. Então creio que há esperança.

      O ódio a um dos lados só faz transparecer aquilo que as pessoas são no seu mais profundo ser. Seja nos esportes, na política ou em qualquer atividade humana. Por isso temos tantas mensagens de raiva contra um dos lados, e não a favor. Estas foram as eleições em que votamos contra um candidato e não a favor. O que explica o quão irracional está o momento no país.
      Da mesma forma muitos aqui torcem contra um jogador, mais do que a favor de seu preferido. Tudo para poder chegar aqui e proferir todo tipo de desrespeito tanto ao atleta ou torcedor que sequer conhecem, sob a alegação de “brincadeira”. Coisa triste.

      Responder
  19. Paulo F.

    Reclamam quando atacam Roger Federer (que eu também acho tosco), mas não perdem uma oportunidade de destratar (ao invés de curtir) aquele que justamente mais extrai toda a genialidade e beleza do jogo do suíço – Novak Djokovic.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Um momento!

      Não vem fazer VISTAS GROSSAS, não…

      Eu te convido a fazer um levantamento aí, dos 2 últimos posts abertos pelo Dalcim!

      Compare o número de mensagens.

      Você vai ver MUITO MAIS postagens anti-Federer, do que anti- Djoko.

      Tem muito mais gente defendendo o Federer dos injustos ataques, do que de menoscabo ao Djoko aqui e ali…

      Contra fatos, não há argumentos.

      A ala fanática de vocês é a mais xiita e intolerante que eu já vi.

      Simplesmente ODEIA a figura de Roger Federer.

      Responder
  20. Ronildo

    Nossa, dá de perceber bem quando as pessoas exageram um assunto para tentar denegrir a imagem de quem não gostam. Isto é bem diferente de apenas ver lado cômico e fazer alguns comentários bem humorados. Nos torneios de tênis é impossível, do ponto de vista das regras do jogo, favorecer um jogador em detrimento de outros. Se um jogador for campeão de um torneio foi porque venceu todos os adversários até a final. Tenha jogado de dia, de noite, de madrugada, com teto coberto, descoberto, com vento, com paralizacões ou qualquer outras condições em que sempre haverá outro adversário do outro lado da quadra que enfrentará as mesmas condições. Agora, ignorância absurda é desconsiderar as necessidades comerciais dos torneios em prol de uma tese ou de uma paixão. Mal que o Djokovic mostrou para o mundo inteiro que não tem!

    Responder
  21. CARLOS UMBERTO

    Mas que discussão chata esta de favorecimento de x ou y. Vejam por exemplo no Rock in Rio o tratamento dispensado à uma banda famosa comparada à uma outra iniciante e ainda desconhecida.
    Aliás, sugiro fazerem um pequeno exercício de imaginação. Peguem por exemplo o Belluci (até o acho um jogador razoável) e lhe deêm todos os privilégios possíveis (melhores horários, quadras, bolas, pisos etc). Alguém acha que ele se tornaria um bicho papão de títulos?

    Responder
  22. Rubao

    é incrível a palhaçada que fazem descaradamente sem o menor pudor e falta de vergonha na cara sobre o favorecimento total no cicuito desse jogador chamado roger federer, sempre jogou a noite…agora na semifinal transferem seu jogo para 12 horas visando claramente que ele descance 6 horas a mais que o adversário.
    o favorecimento desse mau caráter, digo sim mau caráter porque se tivesse um pingo de vergonha na cara, vez ou outra ao menos recusaria favorecimentos ilícitos pra não dar tanto na cara.

    Responder
    1. Jonas

      Rubao, tentaram ajudar ele em Paris também tornando a quadra mais rápida. Mas não funcionou, saiu de lá mais uma vez derrotado pelo Djokovic gripado…

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Mau-caratismo é criar um time de clones, para inflar o fã-clube XIITA do sérvio aqui no blog.

      Só pra exteriorizar o ódio, e depois agredir a torcida rival.

      Parece aqueles psicopatas da “Mancha-Verde” ou então da “Gaviões”…

      Responder
    3. Ronildo

      Nossa! Muitas crianças na África ficariam profundamente constrangidas de ler seu comentário! Talvez até achando que estão sendo ajudadas por Satanás para terem uma formação profissional melhor!

      Responder
    4. DANILO AFONSO

      Rubão, mesmo sendo torcedor do Djokovic, acho pesado as palavras que você está usando com relação ao Federer.

      Não esqueça que são jogos à tarde e jogos à noite em Londres. Se Djokovic jogou 18h (horário de Brasília), ele teria que jogar 18h novamente para ter um intervalo de descanso maior.

      O problema eu vejo em colocar o número 1 para jogar 3 jogos seguidos, mas acredito que isso deve ter sido definido por sorteio antes do início do torneio. Se não foi aí é dose.

      Dalcim, além do chaveamento dos grupos, também é definido por sorteio o grupo que irá jogar a última rodada de grupos e semifinal em dias seguidos??

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Como disse, é muito provável que Djokovic tenha pedidopara jogar na segunda-feira (e não no domingo) para ganhar mais 24 horas de recuperação, já que ele próprio declarou ter jogado as duas primeiras rodadas ainda com forte resfriado e com alguma febre.

        Responder
    1. João ando

      Ernesto . O nole e favorito sim ao título…difícil dizer quem é o jogador que fará a final …vou torcer para Roger…agora dizer que Federer e um idoso e dose …então o sasha e um bebê. …

      Responder
  23. Renato

    Lixovice teve o nome vinculado à máfia das apostas e dopping, alem de nunca ter respeitado a regra dos 25seg, quebrar raquetes(colocando o público em risco), xingar pegadores de bolas e NUNCA foi punido, e algumas crianças vem falar privilégios para Federer!? Kkkkk Quanta hipocrisia!

    Responder
    1. Jonas

      Você comenta com raiva do sérvio, já que sabe que ele é mais eficiente e completo que o suíço ‘perfeito’.

      Chega a ser cômico kkkk a tendência agora é o sérvio vencer mais e mais títulos importantes. O seu choro cada vez que ele fizer isso só vai aumentar…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Sim.

        Provavelmente vai .

        Porque certas coisas, nunca mudam.

        Assim como Djoko pode ganhar até 30 títulos de Grand Slam, que NADA vai mudar.

        Você continuará se preocupando mais com o Federer, do que com ele…

        Responder
  24. Rafael

    Mestre, que nível do Djoko hein? Sinceramente, eu não vejo nenhum jogador ganhando dele nesse momento. Você acha quente ele confirmar esse favoritismo e levar o Finals, ele começa uma nova era de domínio em 2019? E não seria um “balde de água fria em Federer e Nadal”? Abraço e parabéns pelo post.

    Responder
  25. Sérgio Ribeiro

    Mesmo o Sérvio, diferentemente do Espanhol, não escolher piso devido à sua preparação mais curta, a quadra mais lenta o transforma numa muralha. Jogadores com as características de Cilic e Anderson não tem a menor chance. Somente muita variação para incomoda-lo um pouco. E na lenta esses gigantes tem muitas dificuldades no jogo de rede. Numa mais rápida como Paris , um Khachanov fechando os olhos e enfiando a mão, pode aprontar uma Zebra ( Novak vinha de uma Semi enroscada de 3 h com Federer ). Favorito absoluto ao Título. Alexander Zverev, mesmo aos 21 e ainda em formação ( Lendl vem tendo trabalho devido ao seu temperamento difícil) , se repetir o que jogou no primeiro Set contra Novak , e hoje contra Isner , enrosca o jogo com o Velhinho. Pena pois o Craque Suíço e’ o único sobrevivente que poderia dar um pequeno susto no virtual Campeão do FINALS 2018. Abs!

    Responder
  26. Rodrigo Alvez

    Dalcim, gostaria de trazer, se possível, um interessante dado acerca das vitórias vs top10.

    Fui pesquisar a respeito e deparei-me com os seguintes números:
    1. Bjorn Borg 64-27 70.3%
    2. Novak Djokovic 184-89 67.4%
    3. Roger Federer 214-111 65.8%
    4. Rafael Nadal 160-84 65.6%
    5. Boris Becker 121-65 65.1%

    O qua chama atenção é que praticamente metade das derrotas dos três maiores de todos os tempos foram para os outros dois rivais.

    Responder
  27. Marcos RJ

    Djokovic jogou uma partida de outro mundo contra Cilic, que por sinal Tb lutou e atacou muito bem. A velocidade do sérvio ao defender foguetes sucessivos em cima das linhas e ainda respondendo com contra-ataques profundos não tem paralelo nesse momento. Em condições normais não perde mais set na semi e tão pouco na final. Abraços

    Responder
  28. Jota

    Dalcim boa noite.Li uma opinião sua quanto ao saque ideal para Federer contra Djokovic. Penso que o saque no corpo, com bom top spin pode incomodar o sérvio pois este não recua tanto para devolução, e a bola com quique alto pode colocá-lo na defensiva. Concorda?
    Quanto à, tola, polêmica sobre favorecimento. Você acha que a decisão da ATP de reduzir a velocidade de bolas e quadras e eliminar o carpete pode ter a ver com o domínio de Federer nos anos 2000? Uma forma de permitir a competitividade de outros jogadores como Nadal e trazer um tempero ao circuito ou essas mudanças já aconteceriam como uma evolução natural do esporte?
    Agradeço a atenção.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O saque precisa ser muito variado contra Djokovic. E sim, o saque alto no forehand funciona bem. Mas vamos primeiro esperar para ver se os dois realmente vencem no sábado. Quanto à polêmica, acho que não foi uma medida contra o Federer especificamente, mas para criar mais trocas de bola e atender ao pedido dos jogadores de padronizar mais e evitar adaptações, o que causaria contusões. Mas vimos ao longo do tempo que o excesso de esforço físico que o piso lento causou – seja na defesa mais constante, seja na força exigida para se atacar – acabou por causar ainda mais contusões.

      Responder
    2. Jose Yoh

      Acho que a padronização dos pisos foi uma reação ao saque-voleio e domínio de alguns jogadores, o que para alguns estava tornando os jogos um tanto quanto chatos.
      Hoje sofremos com jogos chatos pelo fato de ter mil trocas, domínio de alguns jogadores e pelas lesões que enfraquecem o circuito.
      Caso Novak domine tudo no próximo ano e a quantidade de lesões continue, acho que a ATP muda de novo alguma coisa.

      Responder
  29. Sérgio Cipriani

    Engraçado ver o pessoal se esforçando pra defender os privilégios dados a Federer… Tentar provar que ele os merece é confirmar que ele os recebe… No final das contas, privilégios ainda são privilégios…

    Responder
      1. Igor Menezes

        O Cipriani está certo… Se do ponto de vista comercial os privilégios dados a Roger justificam-se, lembre-se de que isto ainda é um esporte. E do ponto de vista esportivo, favorecimento é, no mínimo, patético… Não importa o samba que se façam pra justificar isso.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Mais “engraçado” ainda é o banzé que fazem por algo que sempre ocorre, e ninguém reclama.

      Até porque não faz diferença quase nenhuma…

      Responder
  30. André Barcellos

    Tenho que dar o braço a torcer. Fui um dos que duvidou que Djokovic voltaria ao nível de 2015. Hoje ele jogou com a ,está precisão e potência daquele ano.
    E não acho que em outros jogos desta temporada tenha mostrado o mesmo nível.
    Cilic oferece o que o sérvio gosta: potência e ritmo para contra atacar.
    Federer não está com a mesma bola que o permitiu vencer o sérvio por três vezes naquele ano.
    Mas se liguem pode variar a ponto de tirar o sérvio do prumo é o suíço.

    Responder
  31. Arthur

    Acho que o Federer passa pelo Zverev até com alguma tranquilidade, Dalcim.
    Vai depender, claro, da disposição do suíço. Se jogar como jogou contra o Anderson, vence. Se jogar como jogou contra o Nishikori, vai levar uma surra.
    Do outro lado, vamos ver mais uma vez o Djokovic trucidando o pangaré do Anderson. Acho que não vai servir nem como treino, porque o Anderson não vai sequer conseguir tirar o sérvio em momento algum da zona de conforto.
    Mais descansado e tinindo nos cascos, Djoko deve levar mais uma taça do Finals, a menos que uma nova gripe o derrube antes da final.

    Um abraço.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Será ?

        Ser useiro e vezeiro do termo “zumbi”, meramente para efeito de argumento “ad hominem” recorrente, dá na mesma…

        Agora, uma coisa é indiscutível:

        Passou também disso daí, vai virar palavra de baixo calão… (rs)

        Responder
  32. Denis

    Dalcim, na prática qual a punição que a ATP aplica para os tenistas top que não cumprem todo o calendário?
    A regra de 4 ATP500 anuais, por exemplo, não é cumprida pelo Djokovic há uns 6 anos pelo menos. E acho que o mesmo vale pra Federer e Nadal.
    Outra coisa bem comum é pularem algum Master alegando cansaço, tipo Madrid.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Federer e Nadal já ganharam o direito de pular eventos. Quem não cumpre, perde o bônus que é dado ao final do ano pela ATP aos mais bem colocados.

      Responder
      1. Valmir

        Quem pula um dos 8 Masters obrigatórios fica um ZERO… na lista de 18 torneios que contam pontos.
        Só pode somar pontos em 17 torneios.

        Como Federer e Djokovic já estão contabilizando menos de 17 torneios no ano… não faz diferença.

        As da ATP dizem que um jogador top 30 do ano anterior pode pular UM masters obrigatório se atender a TRÊS condições
        a) Mais de 600 jogos
        b) 31 anos de idade
        c) 12 anos de carreira.

        Federer, Nadal e Djokovic cumprem as três condições.

        Responder
  33. Igor Menezes

    E a quadra segue bastante lenta… Que até um sacador razoável pra bom como Novak conseguiu terminar um jogo perdendo apenas 5 pontos em seu saque…
    Chama a atenção tbm a quantidade absurda de jogos indo a 3 sets nesse saibro disfarçado de sintético…

    Responder
  34. Luiz Fernando

    Djoko fez uma partida quase impecável e pelo visto no segundo set contra Cilic demonstrou o pq de ser franco favorito hj contra qualquer adversário. Zverev hj merece ser chamado pelo nome correto pois jogou muito bem, inclusive superando Isner no numero de aces, algo bem incomum. Precisará atuar da mesma forma amanha contra Federer, jogador de muito mais recursos, mas com um BH mais frágil, q ele deverá tentar explorar. Federer favorito, mas menos do Djoko na outra partida.

    Responder
  35. Adriano Souza

    Dalcin, o jogo do Federer vai ser as 12h e o do Djokovic as 18h. O jogo da final tem q ser as 18h pra dar tempo do Djokovic descansar melhor.. Caso o Djokovic e o Federer se classifiquem pra final, e o jogo da final seja as 10 ou 12 horas, estara beneficiando o Feederer q teve mais tempo de descanso. Concorda?

    Responder
  36. Dominic DeCoco

    Dalcim, se a final for Federer e Djokovic, vc acha que Federer entrará em quadra como entrou na final do Finals 2015, muito nervoso errando muito?

    Responder
  37. Pedro

    Dalcim,

    O Zverev sacou muito contra o Isner. Saque aberto na vantagem ia a 143 mph. É muita velocidade. Aliás, é impressionante como Federer e Djokovic sacam próximo das 120 milhas e mesmo assim tem ótimo aproveitamento. Também acho que Federer ganha o jogo, mas não pela parte técnica que não está tão boa, e sim pelo mental, pois Zverev pode vacilar. Em relação ao jogo do Djokovic, ele é favorito, porém, não ficaria surpreso se Anderson vencesse. O jogo que o Federer ganhou dele, o suiço usou muita variação. Se ficar trocando bola sem variação o Anderson tem muita regularidade. Caso os dois vençam, Djokovic é favorito contra Federer, porém, também não seria nenhum absurdo se o suiço ganhasse. O que você achou da possível mudança do Finals para a Itália?

    Responder
      1. Jonas

        Tem que explicar o óbvio pra esses caras…

        Karlovic tem 2×1 contra Djokovic- bem justo já que esse cara é um dos maiores sacadores da história, o que não muda o fato de Novak ser um dos melhores devolvedores da história. Além disso é um H2H bastante parelho. Karlovic desempatou no início de 2015 em uma quadra bastante rápida.

        Roddick 5×4 contra Djokovic- outro confronto bastante parelho, Roddick saca demais e construiu boa vantagem até 2010, sabemos bem o que aconteceu depois desse ano…

        Novak não é freguês de nenhum tenista. Se não me engano ele nunca venceu Kyrgios, considerando que seus 2 confrontos foram em 2017, ano horroroso do sérvio. De qualquer forma, Kyrgios teria que derrotar Djokovic diversas vezes pro sérvio ser ‘freguês’.

        Responder
        1. Jonas

          Um detalhe interessante é que o sérvio em melhor de 3 sets perde até pro Federer. Agora nos slams é muito difícil mesmo derrota-lo, apenas Wawrinka inspiradissimo, Murray e Nadal tem chances maiores contra ele.

          Responder
        2. Rodrigo S. Cruz

          Uai, sô…

          Mas o sérvio só tem 2 vitórias a mais que o Federer.

          E mesmo quando ele tinha apenas uma só a mais, você já dizia que ele era um freguês…

          É por isso que não dá pra levar vocês à sério… (rs)

          Dois pesos, e duas medidas.

          Responder
          1. Jonas

            Freguês ele é do Nadal.

            Novak tem um certo domínio, o que inclui no pacote diversas vitórias tanto em slams, quanto em masters 1000.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *