Khachanov mostra maturidade
Por José Nilton Dalcim
4 de novembro de 2018 às 21:31

Pelo segundo ano consecutivo, Bercy deu uma grande surpresa para o circuito. O russo Karen Khachanov repetiu Jack Sock, mas com requinte, ao levar seu primeiro Masters com vitória em cima de quatro top 10, dos quais apenas um tirou set dele, o gigante John Isner.

Não é difícil ver semelhanças entre Khachanov e seu principal ídolo, Marat Safin. O estilo e até mesmo o gênio difícil de controlar lembram um dos mais carismáticos nomes do tênis profissional. Para buscar evolução no circuito, mudou-se ainda garoto para a Croácia e depois tentou um período na Espanha. É por isso talvez que tenha muito das duas escolas: grande saque e golpes pesados de base.

Khachanov está longe de ser um desconhecido. Já fez grandes jogos nas duas últimas temporadas, somava três títulos de ATP sem jamais ter sofrido derrota numa final. É bem verdade que vimos muitos jogos escaparem por conta dos nervos, da reclamação excessiva, da perda de foco.

Nesta semana, tudo se encaixou. Mostrou um voleio apurado e competência para deixadinhas, não ficou afoito em momentos delicados de jogos tão duros como o que fez contra John Isner. E se mostrou maduro na final contra o poderoso Novak Djokovic. Maturidade é o ingrediente que mais se cobra da nova geração.

O jogo teve dois momentos bem distintos. No primeiro, Nole parecia senhor da quadra e abriu 3/1 e 30-0. Daí em diante perdeu o foco e o russo agarrou a oportunidade. Cortou os erros com o backhand, mexeu-se para todos os lados, usou slice. Parecia entender que uma partida longa acabaria por beneficiá-lo diante do provável cansaço de Nole, vindo de gripe e dois jogos duríssimos seguidos que o deixaram mais de 5 horas em quadra.

Guerreiro por excelência, Djokovic não se entregou e exigiu que Khachanov ganhasse o jogo. E o russo mostrou de novo que a cabeça deu um salto de qualidade, saindo de 0-30 em dois games consecutivos após a quebra no terceiro game do segundo set. Nesses momentos, concentrou-se nas duas grandes armas que possui: o primeiro saque seguido de um forehand agressivo. Levou o título com todo o mérito.

Por duas temporadas consecutivas, o circuito vê três novos campeões de Masters. Desta vez, foram Khachanov, Isner e Juan Martin del Potro. Em 2017, Alexander Zverev, Grigor Dimitrov e Sock. Como bônus, Khachanov aparecerá no 11º lugar do ranking nesta segunda-feira e terá direito a ser reserva no Finals de Londres, uma experiência muito especial que permitirá a ele treinar e trocar ideias com os melhores do mundo por uma semana seguida.

Djokovic por seu lado tem sete dias para se recuperar fisicamente e assim manter seu favoritismo para o sexto título em Londres. Ainda não se sabe se Rafael Nadal estará na arena O2. Na nova listagem, o espanhol aparecerá 565 pontos atrás no ranking e assim nem mesmo o título inédito e invicto no Finals o recolocará na ponta sem depender da campanha do sérvio. Nole está com um pé no número 1 de 2018.

Desafio – Norbert Goldberg e Julio DIni levam os prêmios do Desafio para as semifinais de Paris. Cravaram os dois finalistas corretamente e acertaram os dois sets da vitória de Khachanov sobre Thiem. Os dois receberão em seus emails os vouchers com 15% de desconto para compras na Loja TenisBrasil até o total de R$ 1.200. Parabéns!


Comentários
  1. Sousa

    Rei da entressafra, será?
    Federer:
    Profissionalização 1998
    1º título de Federer: Milão em 2001
    1º Grand Slam: Wimbledon 2003
    1ª vez número 1: 2004

    Nadal:
    1º título: Sopot 2004
    1º Grand Slam: Roland Garros 2005
    1ª vez número 1: 2008
    Primeiro jogo da ATP: 2002

    Djokovic:

    1º título ATP: 2006
    1º Grand Slam: AO 2008
    1ª vez como número 1: 2011
    Primeiro jogo na ATP: 2003.

    Considerações importantes: Nadal já era top 5 em 2005 (chegando a ser o número 2, permanecendo durante as 160 semanas).
    Como podemos perceber, nos anos de ouro de Federer tanto Nadal como Djokovic já faziam parte do circuito (tenistas profissionais). Considerando ainda que, durante os anos de 2004 a 2009 foram seus principais anos ( se bem que os anos de 2004 a 2007 foram os incontestáveis melhores anos para o suíço, não esquecendo 2009 com a conquista de RG) podemos perceber que nessa época o Big 3 já estava bem presente e ganho muitos torneios e Slams; Djokovic, por exemplo, em 2007 venceu 5 torneios da ATP e Rafa venceu seu primeiro Slam já em 2005. Deve-se lembra que a primeira vitória de Djokovic sobre Federer ocorreu em 2007, e o primeiro confronto em 2006, ou seja, na época de domínio do suíço Djokovic já era um tenista perigoso, Rafa nem se fala.
    Portando, essa estória de entressafra não existe. Federer foi vencedor em duas gerações impecáveis do tênis, a do Big 3 (4) e a geração do Agassi.
    Contra fatos não há argumentos.
    Aceita que dói menos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que tenta ao menos começa a temporada. Tentará challengers e provavelmente terá convite para Rio e São Paulo, onde sempre é possível se recuperar. Mas que a fase está tenebrosa, está.

      Responder
  2. Sérgio Cipriani

    E Nadal, já percebendo que não teria condições de jogo, fez o que se espera de um grande cara e anunciou sua desistência antes do sorteio, mesmo as partidas começando somente na semana que vem. Só não fez o mesmo em Paris pois, combatente do jeito que é, acreditou até os últimos instantes que teria condições de empunhar sua raquete e ir pro campo de batalha… A lamentar de Rafa somente a falta de sensibilidade e tato de encerrar sua temporada logo após o US Open,
    economizar tempo, descansando e fazendo os procedimentos necessários com vista a temporada que se aproxima… Poxa, se a reta final do ano nunca foi seu forte, pra que perder tempo insistindo em participar desses torneios quando se está em recuperação de lesão e sem o devido ritmo de jogo… Vai entendê-lo! Pode ter comprometido a primeira parte de sua temporada…

    Responder
  3. Sérgio Cipriani

    E no que importa, Novak iguala mais uma marca de Roger: vencedor de 5 temporadas como n°1. Ultrapassagem à vista em 2019… E com a desistência da fera espanhola, Djoko, que entrou a semana em sua 224° semana na ponta do ranking, já tem garantido, pelo menos, até a semana de n° 235 no topo da ATP, que será alcançada na semana do meio do AO19. Idemo Nole!!!

    Responder
  4. Rafael

    Sendo este um blog de amantes do esporte tênis, gostaria de colocar o quão lamentável é a postura de uma boa parte dos postantes. Explico:

    – Na época em que anunciou a desistência de um torneio após ter-se inscrito, choveram pedras pra Andy Murray. Posteriormente, o cidadão nunca mais se recuperou a contento. O interesse em participar é posto em questão frente a um “embaralhamento” das chaves, o que dificultaria pra A e/ou B.

    – Djokovic poderia ter suas decisões sobre o tratamento de sua contusão postas em dúvida.Mas tem asnos aqui que se referem a tal contusão como “suposta”.

    – O mesmo aconteceu agora com Nadal. E vem a notícia que ele desistiu do Finals e vai operar o tornozelo.

    Como verdadeiro amante do esporte, desejo uma recuperação completa a Nadal, para que este possa competir ainda por vários anos e por esse molho tão gostoso nas 3 maiores rivalidades do tênis. Assim como para Murray, embora quadril seja um troço complicado, como vimos com Magnus Norman, Guga…

    Abs

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Infelizmente Nadal desistiu.

      Seria ótimo para o Finals ter o trio de ferro jogando.

      Que o espanhol se recupere 100% para que tenhamos um super Australian Open. Tomara que Wawrinka e Murray voltem com tudo!

      Responder
  5. Sérgio Ribeiro

    Depois de Cincy cravamos Novak como pule de 10 para reassumir o N 1 , a quinta temporada como N 1 , e empatando com o Craque Suíço com 6 FINALS. Não levamos fé que nem mesmo Rafa Nadal pudesse fazer um segundo Semestre nas duras aos 32, muito diferente dos outros anos. Alguns que estão entre os 8 melhores de Toda a Temporada , podem surpreender numa quadra mais lenta como a Arena O2. Tipo Thiem que precisa de mais tempo para preparar seus golpes. Mas sem Khachanov e Medvedev para perturbar , a melhoria do Velhinho parece ser o único UP para estragar a festa mais do que completa de Novak Djokovic. A conferir, Abs!

    Responder
  6. Rubens Leme

    Oi Dalcim, não gosto muito de escrever pra criticar o Bellucci, mas é cada vez mais difícil assistir os jogos dele. Hoje ele começou a se desanimar ainda no primeiro game da partida quando errou uma bola besta no T.

    Tudo bem que ele nunca foi um jedi em termos de mentalidade, mas perto dele o Deyverson é um mestre zen. Não sei se é a má fase eterna que o incomoda ou o fato de perder prum monte de jogador mediano ou estar colocando dinheiro do bolso nesta altura da vida ou algo físico ou algum problema pessoal, mas o fato é que está sendo horrível assistir os jogos dele, chego até ter pena dos juízes e pegadores de bolinha que precisam ficar até o final, porque eu desisti logo depois do primeiro game do segundo set.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Poderia tirar um ano sabático em 2019, e procurar um bom profissional pra “cuca”.

      E retornar só depois de curado.

      Seguir perdendo incontáveis jogos de primeira rodada em Challengers, vai apenas CONSPURCAR o bom currículo que um dia ostentou…

      Responder
  7. Pedro

    Dalcim,

    Como eu esperava, Nadal não vai jogar. O sorteio dos grupos foi muito favorável ao Federer. Ele pode chegar até a final. Agora vencer o torneio é outra estória. Grupo do Djokovic bem mais forte. Não ficaria surpreso se ele não ganhasse este grupo.

    Responder
  8. Adriano Souza

    Dalcim, O Djokovic cometeu erros que não costuma cometer. Subiu a rede varias vezes precipitadamente e tomou varias passadas. O russo fez um bom trabalho e dara trabalho a muitos.. Sou torcedor do Djokovic e que venha o proximo ATP

    Responder
    1. Alexandre G.

      Rede não é o forte de Djokovic. Ele não tem segurança quando sobe a rede, principalmente quando a bola sobe e ele precisa “smashar”.

      Responder
  9. lEvI sIlvA

    Há de se elogiar Rafael Nadal em relação ao Finals. Particularmente estava cético com sua participação, achei que iria abandonar , o mais tardar após o 1º jogo de grupos ao ver que não renderia o desejado. Seria muita inconsequência e falta de desportividade bagunçar as chaves pra só depois desistir. Dalcim, vale um Post a parte a decisão do espanhol?

    Responder
  10. Renato

    Não quero e não vou voltar ao estilo provocador e chato que eu apresentava aqui meses atrás. As provocações(muitas vezes é fato) são direcionadas aos bobocas e fanáticos fakes/torcedores do sérvio. Lamento e peço desculpas aos bons torcedores do Novak. Nós sabemos quem é quem.

    Responder
  11. Fernando Pauli

    Ainda bem que dessa vez seu Nadal agiu de forma correta, desistindo antes do sorteio. Com a queda de Federer na SF de Paris, ele está 1460 pontos atrás de Nadal. Como já disse, se Federer vencer o Finals invicto termina o ano como número dois. Como o Evaldo Medeiros disse, se Nadal não tem condições de jogar o Finals como a teria de jogar em Paris? Já tem até cirurgia marcada, e quem vai entrar na faca não pode ir para a quadra. Ficou na chave de caso pensado, pois já sabia que não participaria. Sabia que as chances de Federer cair no lado de Djoko era de 50%, arriscou e se deu bem, até agora deu tudo certo, pode terminar o ano como número dois ainda e continua a ser o maior vencedor de M 1000 da história sem entrar em quadra.

    Responder
  12. Renatinho

    Dalcim, com a desistência de Nadal você arrisca dizer que o Federer pode terminar como número 2 do mundo ao final da temporada ? Nadal não somará mais nada na temporada enquanto que o Federer terá mais o atp finals para somar.

    Responder
  13. Fernando Pauli

    Eu ainda estou cético quanto a presença de Nadal no Finals. Pena que o sorteio da chave é hoje e o Nadal tem até a outra semana para se decidir se vai ou não. Olha certei! Nadal acaba de desistir do Finals, que bom que teve bom senso. Se Federer ganhar o Finals invicto ele passa Nadal em 40 pontos, isso seria ótimo para o AO/19.

    Responder
  14. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, uma curiosidade: O Khachanov ao vencer Djokovic na final, tem em suas estatísticas vitória sobre um #1 ou ainda não, pois, a atualização dos rankings se dão às segundas-feiras?

    Responder
  15. Chetnik

    Khachanov jogou muito e foi forte mentalmente. É bom para o circuito que um desses jovens consiga dar o passo que muitos se borram em dar. Tem potencial, vamos ver o que apronta ano que vem.

    Responder
  16. Marcelo-Jacacity

    Carlos Reis,
    Federer é espetacular mesmo!
    E embora, não seja plástico como o suíço, a devolução, o backhand e o poder de defesa ( jogando a bola sempre perto da linha) do Djokovic são espetaculares, sim.
    Isso sem contar o bom forehand e o saque que não “aparecem muito” mas que se o Gasquet, por exemplo, tivesse esses dois bons golpes do sérvio faria com o jogo do francês desse um super salto.

    Ah, tem o smash!? são poucos durante o jogo, e esse golpe do Novak está melhor.
    E o pessoal pega no pé do sérvio quanto ao smash, mas o que vi nos últimos meses vários jogadores errando smashs é uma enormidade: o Cilic perdeu um de maneira incrível no Masters de Toronto contra o Nadal, até o Federer (exímio smashador) errou um no último jogo, faz parte.
    Até o voleio do Djokovic evoluiu bastante. Obviamente, ele não é o Pat Cash, Stefan Edberg, Patrick Rafter voleando. Cada tenista no seu estilo.

    Responder
  17. ANTONIO GABRIEL

    Parece que em relação aos Masters, a “gurizada” já deu o salto necessário para vencer, mas em GS isso ainda esta um pouco distante, vamos ver em 2019, ainda mais com Stan e Murray podendo estar jogando em forma. Parabens ao Khacha e descobrimos também que o Djoko é humano, não ganha tudo. Que venha o finals e também estou na turma que acredita que o Nadal não joga, Dalcim que você acha, o espanhol vai entrar em quadra semana que vem ?

    Responder
      1. JOSÉ LUIZ

        Boa tarde Dalcim,

        Sabe pq o Federer perdeu 600 pontos? Pois, o mesmo não jogou o Master 1000 de Paris de 2017.

        Sei que o ranking é de 52 semanas, mas não localizei estes 600 pontos.

        Obrigado!

        Responder
      2. Marcos RJ

        Agora que sabemos que Nadal desistiu do Finals, ao menos temos que reconhecer que ele foi bem consistente nesse final de temporada, uma vez que também havia viajado para Paris. Rsss

        Responder
  18. Luiz Fernando

    Tomara q Rafa de fato jogue o Finals, já q se credenciou p o sorteio. Se desistir de ultima hora do segundo torneio seguido será algo indesculpável, pois se ocorrer significará q se credenciou sabendo que não tinha condições de jg. Aliás eu acho q ele nem deveria participar, pois além do fantasma da contusão recente não o vejo em condições de jogar em alto nível e em condições de igualdade com os potenciais adversários no momento, em razão do período prolongado de ausência das quadras.

    Responder
  19. Chileno

    Excelente partida do Caixa 9! Não acompanhei muito a carreira dele até aqui. Apenas lia as notícias de suas até então eventuais vitórias ou boas partidas. E o que eu tinha assimilado a respeito dele até agora era basicamente um “Cilic piorado”, ou um “novo Berdych”. Grande saque, marretada de forehand, movimentação ruim, e tal…

    Bom… agora eu vi apenas os highlights, mas algumas coisas me chamaram atenção no jogo dele. Que contra-ataque! A movimentação dele me pareceu no máximo mediana, o que já é louvável para alguém com a estatura dele, mas, ele conseguiu ao menos nesse jogo, contra-atacar com maestria em vários momentos em que Djokovic estava dominando os pontos. Muito bacana! Não sei se isso é uma característica do jogo dele mesmo, ou se ele apenas foi bem nesse fundamento durante essa partida. O mental também foi surpreendentemente positivo.

    No mais, bacana ver alguém da nova geração encarando de frente o maior nome do tênis atual. Será que os outros se animam? Esperemos também que o próprio Khachanov não deixe cair, como fizeram outros que pareciam estar despontando e acabaram tropeçando seguidas vezes depois de ganhar grandes títulos, como Dimitrov, Zverev, Thiem, etc. Não que eles ainda não possam fazê-lo, mas esperava-se mais regularidade deles.

    E só pra complementar: ótimo jogo do maestro contra o sérvio na semi. Perdeu no detalhe. E teve gente teimando comigo que em 2017 o Federer só venceu quase tudo porque o Djoko “não estava”. Ora… se ante-ontem, com metade do backhand de 2017 por 1 set (o terceiro), o maestro conseguiu batalhar palmo a palmo com o maior tenista da atualidade por 3h de partida, porque acreditar que o 2017 não teria plenas condições de vencê-lo? O de ante-ontem poderia perfeitamente ter vencido a partida.

    Responder
    1. DANILO FONTINELLE

      Bom dia !!

      Chileno, eu q dias atrás afirmei q Federer não teria o sucesso q obteve em 2017.
      De fato vimos sábado Federer fazer um jogo espetacular contra Novak, onde qualquer um poderia levar a vitória.
      Porém, não vai ser todo jogo q Federer vai sacar tão bem quanto o último jogo e Novak não vai desperdiçar tantos breaks point.

      E lembre q falei q Federer não teria vida fácil em 2017 se Novak tivesse competitivo, não disse q Novak venceria todos jogos, até pq em 2015 vimos ele perder 3 jogos dos 8 q tiveram naquele ano.

      Mas nao tem como vc ignorar q Novak certamente teria dividido no mínimo os títulos com Federer na quadra dura e grama. Ou vc acha q Novak, especialista e vitorioso na quadra dura e grama, seria menos competitivo q Nishikori, Stan e Nadal no Australian Open e q os jogadores em Wimbledon ??
      Se tem um jogador q conhece o Federer, esse jogador se chama DJOKOVIC, oponente q mais jogou e venceu Federer. E no jogo de 5 sets, acredito q Novak levaria mais vantagem.

      Agora uma coisa eu tenho q reconhecer, eu com meus 39 anos “me senti representado” vendo Federer aos 37 anos fazer o q ele fez no sábado. Me senti mais novo e empolgado para jogar futebol e tênis com os amigos após vê-lo correr tanto e mostrar toda aquela gana mesmo já tendo uma carreira vitoriosa.

      Responder
  20. Nova geração tênis vem forte

    Bom quem acompanha os comentários a 2 anos e voltei mês passado a comentar depois acho que 1ano e 10 meses sempre com esse nome , nova geração vem forte , e esses dias tinha genti criticando KKK, eu falei essa nova geração lembra o Federer jogadores clássicos batem fácil na bola, e com físico igual do djokofisico , esse Djokovic quase só tem físico jogador apenas bom ……..mais temos que concordar que ele é o maior atleta físicamente do tênis … Apenas isso pq Djokovic tecnicamente e comum , viva o tênis técnico , Borna coric , zverev e mais uns 10 nomes vindo ae kachanov , edmound , e vários outros

    Responder
    1. Jose Yoh

      Penso eu que para um jogador ser número um é obrigatório ter em primeiro lugar um físico bom, para chegar nas bolas equilibrado e com o mental em ordem. Aliado a isso, o sérvio está longe de ser um jogador comum tecnicamente; a consistência e a capacidade de defesa dele está muito acima da média do circuito já faz um tempo e acho que mesmo os federistas e nadalistas mais extremados enxergam assim – apenas não admitem para continuar a brincadeira.

      Responder
    1. Roberto Cerqueira

      Deve ser porque alguns dizem que ele é um jogador completo. Não é. Tem preparo físico excepcional, uma bola muito pesada, precisão, profundidade, capacidade de alterar a direção incríveis e uma paciência enorme para ficar trocando bolas até o adversário errar. Mas quando se defronta com alguém de jogo semelhante, a paciência começa a ir embora. Joga bem em todas as superfícies, mas vai pouco à rede, usa pouco as deixadinhas e voleia mal, a não ser em alguns dias muito inspirados. Seu smash era ridículo e melhorou só um pouco ultimamente. Por isto, está muito longe de ser completo.

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Mas não existe nenhum tenista completo e perfeito.
        Só se houver a fusão das principais virtudes do Sampras, Laver, Federer, Nadal e Djokovic em um único tenista.

        Responder
      2. Jose Yoh

        Não me agrada o jogo físico do Djokovic, mas as deixadinhas e o jogo de rede dele são fracos porque o tênis atual não exige estes fundamentos como grande diferencial. Qualquer um faz uma boa passada ou chega bem em uma deixadinha. Alguém que tem uma capacidade tão boa de jogar no fundo não deve se arriscar indo para rede à toa.
        Acho que se fossem fundamentos essenciais para o jogo, sem dúvida ele treinaria o máximo possível e atingiria um nível excelente. Nunca duvido da dedicação destes caras.

        Responder
      3. DANILO FONTINELLE

        Meu nobre, pq ele iria à rede se está levando vantagem na maioria das vezes jogando da base ?? Vai mudar só pq alguém acha mais interessante ?
        O padrão de jogo e piso hj em dia dificulta subidas mal planejadas. Federer mesmo não sobe com a mesma frequência de antigamente
        Ele tem q jogar pra vencer e pronto.
        Em 2015 e 2016 ele subia muito à rede e com muita eficiência, isso em razao da influência de Boris Becker.
        Novak tb executava mais “deixadinhas”. Por algum motivo ele não está achando interessante executar tais golpes com mais frequência.

        Falam muito do Smash do Novak, mas busque contar quantas vezes ele executa esse golpe durante um jogo (são poucas vezes) e o nível de aproveitamento. Normalmente gira em torno de 80% de aproveitamento em winners, o restante ele posterga o fim do ponto ou executa erroneamente. Tal golpe nunca comprometeu o seu jogo.

        Complicado é afirmar q FEDERER é mais completo tendo uma “deficiencia” no seu backhand quando comparado aos TOPs, q tirando 2017, sempre foi seu “buraco” para as vitórias de NADAL e NOVAK. Qual jogador do big4 vc acha q nos presenteia com mais “madeiradas” de backhand ??
        Não tem como comparar a quantidade de vezes q os jogadores executam backhands nos jogos com a quantidade insignificante de Smashs.
        Em um universo de 1000 golpes executados em um jogo, temos uma porcentagem de Backhands, forehands e saque muito maior q os outros golpes, logo a deficiência em um dos principais golpes é muito mais relevante e prejudicial quando comparado a carência de aproveitamento nos golpes poucas vezes utilizado nos jogos.
        Questão de Lógica e matemática meu nobre.
        Ser mais completo não é sinônimo de perfeição em todos os golpes, mas sim menor vulnerabilidade nos principais golpes executados no tênis.

        Um forte Abraço !!

        Responder
      4. Alexandre G.

        Concordo Roberto. Sólido ele é, fisica e mentalmente e é o melhor do circuito no momento. Mas completo está longe de ser, e pode até ultrapassar Federer em títulos, mas estará para Schumacher assim como Federer está para Ayrton Senna.

        Responder
  21. Valmir

    Bom dia,

    O Nadal apostou de se deu bem!
    Com sua inscrição ele teve a chance de fazer com que pelo menos um de grandes seus adversários(no caso real os dois) perdesse pontos.
    Ele faz tudo que pode, as vezes mais que isto, para se manter no topo.
    Não concordo, mas no mundo o que vale é isso, então está certo…

    Um abraço Dalcim.

    Responder
  22. Daniel

    Djokovic é um monstro e atual jogador “a ser batido no circuito”.
    Só acho que sua atitude em quadra é batante arrogante. No sábado, contra o Federer, ele fazia umas caras de menosprezo, como se estivesse jogando com um garoto que estava acertando “na sorte”.
    Ontem, novamente. Quando começou a perder e viu que não teria pernas, os ombros baixaram, a expressão de coitado apareceu na face, pegava o lencinho para assoar o nariz a cada troca… enfim: Federer não é o que é somente pelo seu jogo, mas pelas atitudes e elegância.
    Não deixo de admirar o jogo do Sérvio por isso, mas certamente me seria mais simpático vê-lo em quadra.
    Malcomparando, temos na Moto Gp um Valentino Rossi e um Marc Marquez mais ou menos na mesama situação.

    Quanto ao Kachanov, que belo jogo tem!
    Corre pra frente, pros lados, tem direita, esquerda, saque, slice, voleio, bate-pronto… caixa de ferramentas completa.
    Vamos torcer para manter esse ritmo e trazer ainda mais competitividade ao circuito.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Ah não! Por favor… Federer fez inúmeras “caras e bocas” quando perdeu pontos importantes no jogo contra Djokovic. É uma reação normal devida à frustração… Todos os grandes competidores agem assim eventualmente. Além do mais, aquela bola que tocou a rede e foi em direção ao rosto do suíço voltou por pura sorte mesmo! Federer demonstrou clara irritação ao ser cumprimentado pleo sérvio no final do jogo; quase não conseguiu abraçá-lo. Em Wimbledom, literalmente “chorou de raiva” ao perder a final para o sérvio em 2015!
      Parem com essa história de colocar Djokovic como mau caráter. Nada contra a preferência de ninguém, mas não se pode trabalhar para denegrir a imagem de um atleta dessa maneira.

      Responder
      1. Daniel

        Caras e bocas todos fazem, normal.
        Nem citei o fato de quebrar a raquete porque acho muito legal o jogador destruir a raquete (tendo patrocínio, claro) para voltar no jogo.
        O problema é o jeito dele, é arrogante.
        Mas opinião é como braço, cada um tem o seu.

        Responder
    2. Alexandre G.

      Há muita diferença no comportamento de Federer e Djokovic em quadra.
      Djokovic denota um pouco de arrogância? Sim. Frequentemente ele “invoca” até a torcida para que o elevem, talvez a um nível “deus”. É o que ele demonstra.
      Ele se comporta muitas vezes como a estrelinha do circuito, e posso estar enganado – é apenas uma suposição pela observação – mas ele tem uma certa inveja da popularidade de Federer. Óbvio que jamais admitirá isso.

      Responder
  23. Luiz Fernando

    Da mesma forma q alguns torcedores do Djoko ficam chorando pq perdeu, pra variar os do Federer ficam c essa ladainha q a ausência de Rafa prejudicou este ou aquele, por isso ou por aquilo, imaginando conspirações kkk. Balela pura. Os q venceram o fizeram por mérito e os q perderam foram inferiores ao adversário. Chega de desculpinhas esfarrapadas, quem perdeu deve se conformar, ponto final. Outro detalhe: quem frequenta esse espaço ler q arrogância é com a torcida do sérvio só pode encarar tal afirmação como piada kkk, e das boas…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      É porque você faz vistas grossas pros nolistas, cara.

      Sempre fez…

      Porém, alguns deles são EXTREMAMENTE arrogantes sim!

      Embora aqui nesse blog também haja boas exceções.

      Caras como Jeremias, Jacacity, Fabriciano e Rafael são excelentes comentaristas…

      Mas a banda podre têm um anti-federismo cristalizado na alma.

      È uma mistura de raiva com inveja. Eu nunca vi nada igual. (rs)

      Duelam pau-a pau com o mais fanático dos federistas. E com a diferença de que postam com mais frequência…

      E pouco ou nada comentam da boa fase do Djokovic. Pois eles não estão nem aí pra isso…

      Quando o Djokovic estava em recuperação, eles nem apareciam aqui.

      O negócio deles é sempre postar CONTRA O FEDERER, seja em forma de depreciação, seja de acusação…

      É só isso que importa pra eles…

      Vide esses cidadãos: Valmir, Léo Gávio e Jonas, por exemplo… Nem tentam esconder o ódio visceral que sentem.

      Responder
  24. Rubens Leme

    Karen Khachanov e Daniil Medvedev recolocarão a Rússia no rol das potências do tênis. Muito bom ver esses dois jogando.

    E, Dalcim, que diferença esse Finals em relação ao ano passado, hein? Nada de Sock (que deixou o Top 100), Carreno Busta, Goffin e Dimitrov. Pena que Del Potro, lesionado, e Murray e Stanimal ainda estejam longe dos seus melhores dias, mas o nível técnico deste ano será bem maior.

    Responder
  25. Cláudio Ortiz

    Dalcim que fantástica geração russa…Khachanov, Medvedev e Rublev…terão um fortíssimo time pra Davis nos próximos anos não acha? Abs e parabéns por manter o melhor blog de tênis do país

    Responder
  26. Sérgio Ribeiro

    E mantenho a minha tese que o Piso mais rápido abre mais oportunidades para se sair da mesmice. Em vez da queda de qualidade, espetáculos bem mais emocionantes. Na Semi e na Final tivemos belíssimos Winners. O Suíço declarou que não ser quebrado pela melhor devolução do Mundo ( suas próprias palavras ) ,o deixava bem mais animado para o FINALS. Esqueceu que na tentativa de beneficiar Andy Murray ( acabou levando o seu pra cima de Novak ) , o piso da Arena 02 e’ irritantemente lento. Daí Rafa Nadal ter largado Paris e confirmado a luta pelo N 1 em Londres. Abs!

    Responder
  27. Pedro

    Dalcim,
    Fugindo do tema do texto de hoje… Você acha que o Murray tem alguma chance de repetir o Djokovic esse ano? Falo em se recuperar ao longo do primeiro semestre de 2019 e disputar a ponta no fim do ano.

    Responder
  28. Nando

    Parabéns ao Khachanov…eu não via nada de mais no jogo dele até meados desse ano, porém evoluiu mto e calou a minha boca. Ganhou o meu respeito após aquele bom jogo q fez no USO contra o siri calvo.
    E um recado ao Oswaldo Choranhas (aquele q ama falar dos outros, e o comentário dele no post anterior foi mais um desse tipo) : Engole o choro! Perdeu perdeu e pronto!
    Use um COTONETE!

    Responder
  29. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    sem tirar qualquer mérito do Kachanov que jogou muito bem tenho que uma partida de 3h em um final de temporada foi demais para o Djoko. Quando o cansaço bate a primeira coisa a ir embora e a precisão na execução dos golpes, pois se começa a chegar atrasado nas bolas. Lógico que também teve o cansaço mental. Eu diria que em porcentagem a derrota de hoje se deu em virtude cansaço físico, mental e mérito do russo, na ordem de 50%, 20% e 30%, respectivamente. O que acha mestre? Qual porcentagem vc daria?

    Responder
      1. Fernando larcher

        Tambem acho,todo master é assim, joga se sem folga, qual o problema? Todo tenista passa por isso, perfeitamente normal, nao serve de desculpa pra derrota.

        Responder
    1. Renato

      Como se Novak tivesse feito uma temporada cansativa. No primeiro semestre mal jogou pela suposta contusão ou perdia para pangares nas primeiras rodadas. Cansaço não é desculpa!

      Responder
  30. Evaldo Medeiros

    Dalcim, já comentei sobre isso e você discordou. Mas vou bater na mesma tecla. Pra mim o Nadal jogou sujo ao entrar na chave mesmo sabendo que não iria jogar só para evitar que Roger e Nole se pegassem apenas na final como cabeças 1 e 2. Com isso prejudicaria ambos. E de fato prejudicou. E Nadal ainda mentiu alegando problema no abdomen. Caro Dalcim, eu insisto: Nadal premeditou isso. Tenho quase certeza disso. Eu lhe pergunto: vc ainda mantem a tese de que isso não procede?? Vc conhece o Nadal a ponto de afirmar que ele é incapaz de fazer isso, ainda que seja orientado por sua equipe? Abs.

    Responder
    1. Emerson

      Amigo, mas concorda que existe um sorteio e que o Federer poderia ter caído do lado do Nadal? Então, pela sua tese, ele não teria desistido se isso tivesse acontecido?
      Além disso, ele só encontraria o Federer na semifinal ou final e o Djokovic, na final.
      Ou você quis dizer que ele se manteve inscrito apenas para “ver no que daria” o sorteio, já pensando nessa possibilidade de “atrapalhar” os outros dois com uma possibilidade de 50% de sucesso?
      Eu fico com Dalcim, pois acredito piamente que qualquer do três em questão não tem medo de nenhum dos outros dois, como já se disse muitas vezes aqui.

      Abraços!

      Responder
      1. Evaldo Medeiros

        Amigo. O Dalcim respondeu assim: “E o que mudaria com isso??”. Sabia o que mudaria??? Com Djokovic e Federer como cabeças 1 e 2, eles se encontrariam na final e simplesmente 1 dos 2 levaria mais um caneco de masters pra casa. Ou Federer chegaria a 28 ou Djokovic a 33. Simples assim. E Nadal e sua equipe astutamente evitou isso. Por isso sou anti Nadal de carteirinha. Nunca gostei e agora ainda mais vou passar cada vez mais a detestá-lo e a torcer contra. Não gosto do caráter dele. Isso foi premeditado. Ainda que vc e o Dalcim não acreditem nessa tese. Mas pra mim Nadal é um cara extremamente ambicioso e egocêntrico.

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Evaldo, “entrando” na sua tese, Nadal teria que combinar com o russo também, não?
          Federer subir um M1000, não faria diferença para o Nadal. O sérvio sim, afinal empatariam novamente. E como ninguém apostava no russo antes da final, seria um plano muito arriscado do Nadal e seu staff.

          Responder
    1. EDVAL CARDOSO

      Raramente faço comentários aqui,mas como torcedor do Djokovic,vou dizer,vcs acham que o Russo jogou em um nível melhor que o Federer na semifinal?claro que não,ele apenas jogou em cima do cansaço do Sérvio,em condições normais, não daria nem pro cheiro,e não acho nada de mais um tenista alegar que estava cansado e se recuperando de uma gripe,pois foi o que realmente aconteceu.

      Responder
  31. Miguel BsB

    Rodrigo Cruz, voltando um pouquinho aos nossos comentários do post anterior, quem joga tênis minimamente bem, e costuma competir, sabe o quanto é “chato” e complicado enfrentar um cara que não cansa, chega em tds as bolas, se defende e contra ataca bem.
    Vc faz uma ótima bola, e o cara vai lá e manda de volta, vc desloca ele de novo, tá lá o desgraçado mandando de volta, vc desloca mais uma vez, agressivo, sobe a rede, e o camarada vai lá e te passa, ou vc tenta colocar mais perto da linha e erra. Isso vai se acumulando, vc começa a arriscar e errar mais, e o cara vai entrando na sua cabeça e pifando seu mental e acabando com vc fisicamente… Contra caras como Djokovic e Nadal, essa situação é elevada a “enesima” potência! É preciso estar muito bem preparado, tanto fisicamente, como mentalmente e taticamente, e afiado o tempo todo. E msm o grande Federer muitas vezes não é capaz de manter esse nível de exigência todo enfrentando esses monstros, ainda mais com 37 anos!

    Responder
  32. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    Por que o Caixa 9 será reserva em Londres, sendo o décimo-primeiro?

    Não teria de ser reserva somente o número 9 e o número 10?

    Responder
  33. Rafael

    Muito boa a vitória do Khachanov. E o respeito que ele demonstrou por Nole na hora do discurso da premiação me fez gostar ainda mais dele.

    Todo o sucesso do mundo pra esse moço, tomara que não se deslumbre nem ache que é um popstar como Zé Verev, que já anda reclamando do calendário (hahahahaha) ou a coisa vai pro brejo.

    Vi Djokovic perder o foco muito cedo, na primeira adversidade. Não sei o que aconteceu, mas Nadal, em forma, não perderia esse jogo. É o que acho.

    Gente, quando Djokovic perde, ninguém fica de luto, nem deixa de ir trabalhar, nem broxa nessa noite. Assim como quando ele ganha as contas não aparecem pagas no dia seguinte.

    Para os que se esbaldam com a derrota de Djokovic quando ele tira Federer, aposto que todos estão cadastrados em http://www.torcidaterceirizada.com/qualquerum.

    PS: Não reparei nessa hora, mas é verdade que Federer não retribuiu o cumprimento de Djoko ao final do jogo e se desvencilhou apressadamente? Ou isso são fake news?

    Responder
    1. Ronildo

      O cumprimento foi normal Rafael. Mas aí é que está o problema a meu ver. Porquê a partida foi épica e muito especial. O Federer, como perdedor, deveria fazer uma gracinha, soltar um elogio a mais. Ele só teria a ganhar se fizesse isso. Mas não, ele vai lá e faz aquele cumprimento básico!

      Acredito que todos estão lembrados como foi o cumprimento entre Nadal e Thiem depois da partida no US Open. Não precisava tudo aquilo para Federer e Djokovic, mas podia ser algo mais especial do que foi. Mas a iniciativa tinha que partir do Federer.

      Responder
    2. ANTONIO GABRIEL

      Pra turma que diz que o RF é um gentleman, cairam do cavalo. RF comprimento Djoko muito protocolarmente e não retribui o abraço, assim fica desfeita essa fama do cara que faz tudo certinho, nem digo que ele esta errado, afinal quem gosta de perder, ainda mais em dia em que se jogou bem ?

      Responder
    3. Luiz Fabriciano

      “PS: Não reparei nessa hora, mas é verdade que Federer não retribuiu o cumprimento de Djoko ao final do jogo e se desvencilhou apressadamente?”
      Nesse quesito, nenhuma geração passada ou atual é equivalente à Novak Djokovic. Basta ver novamente esse momento da final.

      Responder
    4. Chileno

      Federer cumprimentou Djokovic rápida e protocolarmente. Apenas isso.

      Óbvio que seria mais bacana se cumprimentasse com o mesmo carinho que o sérvio o faz, sempre que perde. Mas não dá pra achar que todo mundo que não cumprimenta seu adversário dessa forma é rude ou algo assim. Djokovic é uma exceção nesse quesito.

      Especialmente se levarmos em consideração a frustração que provavelmente acometeu o maestro após batalhar por 3h, palmo a palmo com o maior tenista da atualidade e um dos seus maiores rivais, e acabar perdendo o jogo por conta de 2 ou 3 pontos.

      Responder
    5. Alexandre G.

      Bobagem exigir que um tenista abrace o outro de forma tenra e calorosa, tendo em vista que tenha jogado uma barbaridade e ter perdido por detalhes.
      Daqui a pouco vou esperar que ele dê beijinhos. Pára né.
      Concentrem-se no que ele vem jogando, com 37 anos nas costas e dando de relho num monte de guri Nutela do circuito.

      Responder
  34. Bruno

    QUANDO SERA O SORTEIO DA 2 CHAVES DO FINALS E A HORA……POREM JÁ SABEMOS QUE O DJOKO FICARA NA CHAVE COM NADAL OU FEDERER, O ANDERSON E OUTRO JOGADOR, COMO UMA PESSOA QUE POSTOU AQUI QUE É O NADAL QUE MANDA É SÓ CONFERIR. OBRIGADO

    Responder
  35. Miguel BsB

    Grande Vitória do Kasha9!
    Só não concordo muito com a comparação com o Safin… O backhand do “nextgen” tá longe do seu compatriota… E nunca o vi quebrando raquetes, marca registrada do Safin rsrs

    Responder
  36. Bismarck Louback

    Caixa9 jogou muito bem, demonstrou maturidade na partida, e quanto aos fãs do djoko, menos, ele é humano, vi muitos ontem dizendo e se gabando por ele ter ganho federer sem ainda estar ao melhor nível, como se o federer estivesse bem vide 2017 por exemplo, ano que vem promete com alguns jovens chegando.

    Dalcim, já aposta em algum desses jovens faturando algum Grand slam, ou ainda acha que vai ficar com o big 3???

    Responder
  37. Arthur

    Dalcim,

    Tô rindo mais que Monza SL/E a álcool tentando subir ladeira de segunda, kkk.
    Em apenas UM dia, Djokovic saiu de monstro devorador de títulos, que “humilhava” Roger Federer, para tomar uma cacetada impiedosa do novato Kachanov.
    Como o tênis é dinâmico, né? hehehehe
    Falando sério, faço minhas as palavras do AKC. Que felicidade ver caras novas no circuito detonando esses monstros sagrados.
    E o CAIXA9 fez justamente aquilo que eu sempre cobro do pessoal da novíssima geração: foi pra cima, sem medo, soltando o braço. Nada de “respeitar” o adversário e “ficar feliz por já ter chegado à final”, como aconteceu, por exemplo, com o Thiem em RG.
    Só botando a faca nos dentes essa galera vai conseguir seu espaço no circuito.
    Tomara que tenha ficado a lição para os demais.

    Um abraço.

    Responder
  38. Pedro

    Dalcim
    Parabens pelo blog, excelente.
    Sou fã do big 3, e reconheco que finalmente essa era dourado do tenis está em seu final.
    Assim como foi a era de Sampras, Agassi e cia.
    Única coisa a lamentar é o Sampras e nosso Guga não pertencerem a essa mesma geração.
    Assistindo no YouTube a semifinal do AO de 2000 entre Sampras e Agassi, que show de ataque contra defesa
    Em 2004 Guga ganhou do Federer número 1 do mundo por 3×0 em RG, fantástico nosso tricampeão.
    Enfim, mudaram muitos pisos e realmente nivelou por baixo, muito por baixo.
    Os atuais Masters 1000 já consolidados bem diferentes dos incipientes super 9.
    E comparando com a fórmula 1, Airton Senna não foi o maior campeão e nem o mais vencedor, mas quase todos
    inclusive o pentacampeão Hamilton concorda com que o maior e melhor piloto de f1, respondia pelo pelo nome de Senna.
    O big 3 é fantástico, porém devido todas essas mudanças de piso, inclusive para atender a solicitação de jogadores, fica difícil saber qual é o maior de todos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      De fato…

      Enquete de 2009 feita pela revista britânica Autosport, em que votaram 217 pilotos que passaram pela Fórmula 1, dentre pilotos em atividade à época, ou já aposentados (incluindo o Schumacher).

      Foi solicitado a cada piloto que ele fizesse sua própria lista Top 10, e depois submetesse à Revista.

      O vencedor foi aquele que mais vezes figurou na primeira colocação das listas…

      Dessa forma, o resultado final ficou:

      1. Senna

      2. Schumacher

      3. Fangio

      4. Prost

      5. Clark

      Responder
  39. Renato

    Papo furado a estória da gripe! Não pareceu nem um pouco gripado. Deve ter dormido com o ar-condicionado ligado e teve um resfriado. Cheio de mimimi, arrogância e desmerecendo a derrota de um jogador que engoliu ele no jogo.

    Responder
    1. Luis

      Ow MARQUINHOS, teu Deus Suiço cansa de fazer isso.
      Uma hora são as costas, agora a mão… vamos ver qual vai ser a próxima parte do corpo culpada.

      Responder
  40. Renato

    Tem um tal de Luís Felipe(fake) que comenta nas páginas de notícias que é um ser insuportável! Representa muito bem a torcida do cotonete. Aliás, de fakes a torcida Sérvia é imbatível! Ja que não é grande coisa, eles multiplicam.

    Responder
  41. Renato

    O Mestre Dalcim concordou com a comparação que eu fiz entre Novak x Federer, que o suíço leva grande vantagem sobre o hominho levando em conta critérios técnicos. 6×2 e fim de papo!

    Apenas da contestavel vantagem de h2h que Novak tem sobre Federer e Nadal, infelizmente está no ‘papel. Mas se tem duas coisas que fazem Novak se borrar todo, é ter que enfrentar a nextgen em final de masters 1000 e enfrentar Stanimal em final de slam. A esposa do sérvio não aguenta mais lavar cueca.

    Não achei que o russo fez um grande jogo. Jogou muito melhor contra Rafa em Nova Iorque do que hoje contra Novak. Karen fez um jogo nota 8.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Gripado, mas correndo feito um louco, com 21 vitórias seguidas.

        O Federer sim machucou a mão, esqueceu?

        A arrogância desses torcedores do sérvio é a coisa mais asquerosa desse blog…

        Responder
        1. Alexandre G.

          Eu já venho notando o estrelismo do Djokovic há muito tempo, mas a arrogância dos seus torcedores tenho começado a confirmar. E não só arrogância: até uma certa falta de respeito mesmo.

          Responder
  42. AKC

    Que bom termos mais uma revelação vencendo um título importante e se firmando. O Caixa9 tem muito potencial, já demonstrou várias vezes neste ano.

    Responder
  43. Marcelo-Jacacity

    Khachanov foi perfeito, merecidíssimo! Jogou demais hoje e a semana inteira, está mais consistente e contra-atacando muito bem. Realmente o jogo dele lembra muito o do conterrâneo Safin, como muito bem frisou o Dalcim.

    Somente me surpreendi com a incontida alegria de alguns aqui do blog Não sabia que o Karen era tão adorado assim. rs
    Ouvi até gente por aí elogiando o estilo inovador do russo, dizendo que isso que é tênis??? Cacetada! rs

    E Djokovic, corretíssimo:
    http://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/63249/Djokovic-evita-desculpa-e-festeja-o-numero-1/

    Agora, é o sérvio se preparar bem para o Finals e focar no objetivo de terminar o ano como nº 1.

    Responder
    1. Renato

      Correto em que? Simplesmente desmerecer a vitoria do russo. Vc acham que ele é invencível, ou seja, não perde pra ninguém quando está 100%. Fanatismo e ignorância.

      Responder
      1. Jonas

        Em um dia normal, Novak não perde pro Federer. Mas hoje em dia…até gripado e bem longe do seu melhor o sérvio vence.

        Detalhe, ainda que Federer tenha feito sua melhor partida no ano…

        Responder
        1. Carlos Reis

          Mesmo gripado venceu blá-blá-blá… Venceu, mas poderia ter perdido, tanto que não quebrou o saque do craque suiço em 3Hs de partida, mas como sempre, as melhores jogadas da partida foram do suiço craque de bola… Federer é espetacular, DjokoVICE é eficiente…

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *