O melhor dos duelos
Por José Nilton Dalcim
3 de novembro de 2018 às 21:34

Tudo foi um tanto espetacular na épica semifinal deste sábado em Paris entre Novak Djokovic e Roger Federer. A começar pelos números. Ao longo de 3h02, foram disputados 252 pontos, com pequena vantagem de 129 a 123 para o vencedor. O suíço saiu de quadra derrotado mas sem ter o saque quebrado, oferecendo um recorde pessoal a Nole – que certamente o sérvio não gostaria de comemorar – de 12 break-points não convertidos numa mesma partida.

Federer também foi superlativo no risco. Acertou 54 winners, diante de 31 do futuro líder do ranking, mas também cometeu 52 erros frente a 32. O que a estatística não mostra é que foi um jogo de tirar o fôlego em todos os sentidos. Na qualidade técnica, nas opções táticas, no empenho físico e, o mais saboroso, na emoção constante. O melhor dos 47 duelos entre eles, sem dúvida.

Coisas bem curiosas aconteceram o tempo todo. Djokovic esteve muito perto da quebra no primeiro set, mas quem deveria ter levado o tiebreak foi o suíço, com sucessivas vantagens de 2-0 e 4-3, depois um set-point a favor onde, incrível, faltou-lhe iniciativa. O sérvio de novo pressionou no segundo set, poderia ter disparado se houvesse aproveitado o break-point logo no primeiro game e mais tarde no 5/5. Federer no entanto sempre jogou com coragem. Bem diferente de Cincinnati, o saque fez seu papel. A única quebra do jogo veio num 12º game de aplicação notável do suíço na devolução.

Nada melhor para quem gosta de um tênis muito bem jogado do que um terceiro set. Não faltaram jamais pernas ou motivação para os dois. Disputa milimétrica, Federer sempre escapando de situações delicadas, enfim batendo firme o backhand nas paralelas, exigindo tudo da solidez do adversário. Nole também aplicado no saque, o tempo todo centrado em fazer o suíço golpear em movimento. Interessante observar que no quarto, sexto e oitavo games, Federer sempre abriu a devolução com 0-15 antes de encarar a frieza do sérvio.

O vencedor foi definido no começo do tiebreak do terceiro set, em que Federer cometeu dois erros lamentáveis, incluindo uma dupla falta. Djokovic não lhe deu a menor chance de reação e comemorou sua segunda grande vitória da temporada, no nível de exigência e emoção daquela semi de Wimbledon contra Rafa Nadal, porém tecnicamente superior.

Buscará o quinto título da temporada no curto período de quatro meses, uma lista que já inclui dois Grand Slam e dois Masters. O adversário Karen Khachanov precisa ser respeitado, porque vive também um momento mágico. Já tirou três top 10 em Paris e deu uma aula de eficiência e variação tática em cima de Dominic Thiem. Um eventual título do russo lhe dará três prêmios: o maior troféu, o 11º lugar do ranking e a chance de ir ao Finals de Londres como reserva.


Comentários
  1. alessandro sartori

    O russo tá longe de ser o melhor dos novatos, apenas tá numa semana especial, tipo um Stam, a vitória dele hj só diminuiu as chances dos outros que vão disputar o Finals, Djokovic entra ainda mais forte

    Responder
  2. Pedro

    Dalcim,

    Muita gente fala sobre o mental de Djokovic, e realmente é bom, talvez o segundo melhor. Mas, ao meu ver, o do Nadal é melhor. Além do espanhol conseguir se adaptar a várias situações nas quais começou perdendo feio, e depois virar e ganhar, nunca o vi quebrando raquetes. O que você acha?

    Responder
  3. Oswaldo E. Aranha

    Os urubús estão esvoaçando; foi só o Djokovic perder uma partida para um novo grande tenista, depois de ganhar vários torneios importantes e derrotar um queridíssimo, que eles estão excitadíssimos.

    Responder
  4. Fernando Pauli

    E o russo quase perdeu para o Isner na segunda rodada, só foi ganhar no terceiro set no TB por 8 a 6. O russo jogou seis partidas e só perdeu um set nesse torneio, justamente para Isner no TB por 9 a 7. Pena que não jogará o Finals esse ano, mesmo o Nadal não indo teria que haver outra desistência. Se mantiver o foco e a confiança para o ano que vem , pode dar trabalho já no AO/19, a conferir.

    Responder
  5. André Barcellos

    Federer deu uma estragadinha no Djoko para a final.
    Ô velhinho difícil!!!
    Mudando de assunto, acho que Federer já cogita bem de perto a aposentadoria.
    Tem posto em duvida jogar todos os torneios ano que vem.
    Acho que ano que vem é o último.

    Responder
  6. Jonas

    Semana pesada para o Djokovic. Jogos duríssimo contra Cilic e Federer( novo freguês). Quanto a final, esse Russo jogou bem solto, sacou demais e tem uma direita pesada. Grandes atuações contra Zverev, Thiem e Novak.

    Responder
  7. Carlos Umberto

    Todo mundo reclamava da falta de novos talentos! A próxima geração chegou. Algum dia chegaria, inexoravelmente. Preparem-se para novos ídolos, talvez maiores que os atuais. Apenas curtam esse esporte tão bacana!0

    Responder
    1. Enoque

      O Cara ganha seu primeiro título de máster 1000 aos 22 anos. Os grandes talentos costumavam assumir a liderança do ranking nesta idade. Leia o texto do Pedro logo abaixo e vai entender.

      Responder
      1. Enoque

        Os grandes do passado atingiram o auge na faixa de 21 a 25 anos. Se as novas gerações fossem realmente boa estaria dominando o top 5 e deixando os veteranos do Big 3, fora do top 10. O que não conseguem a vários anos.

        Responder
  8. Pedro

    Dalcim,

    Olhando o site da ATP, no ranking de simples, corrida, o cartel dos jogadores até o número 10, é um abismo a diferença entre os 3 grandes e os demais. Djokovic tem 72 títulos nas mais diversas quadras e torneios de grande expressão, Federer 99 e Nadal 80. Depois deles, aparecem Delpo e Cilic, na faixa perto dos 20 títulos e com um GS e um Masters cada. Depois vem o pessoal na faixa de 10 títulos e alguns de pequeno porte.

    Responder
    1. Renato

      Glaiton, Rubao, José….Cada cara Novo que apareceu depois de ontem. Caras que nunca comentaram aqui mas parece que sempre estiveram aqui. Rs. Um por três ou quatro, né? Rs.

      Responder
  9. Pedro

    Dalcim,

    Grande torneio este de Paris, com excelentes jogos. O pessoal mais novo está aparecendo. Kachanov, Zverev, Thiem, dentre outros. O top 20 está com grandes jogadores. Está ficando cada vez mais difícil um espaço para o Murray e o Wawrinka. O que você acha?

    Responder
  10. Thiago Augusto

    Ótimo texto como sempre, só discordo quanto ao fato de ser o melhor duelo entre eles. Acho que os dois já fizeram jogos melhores (RG 2011, US Open 2010 e 2011, Wimbledon 2014 etc.). Por que você considerou este jogo melhor que outros?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Minha comparação – aliás a de Djokovic também – foi a jogos de melhor de três sets. Obviamente não dá para comparar com os Grand Slam.

      Responder
  11. Nova geração tênis vem forte

    Bom quem acompanha os comentários a 2 anos e voltei mês passado a comentar depois acho que 1ano e 10 meses sempre com esse nome , nova geração vem forte , e esses dias tinha genti criticando KKK, eu falei essa nova geração lembra o Federer jogadores clássicos batem fácil na bola, e com físico igual do djokofisico , esse Djokovic quase só tem físico jogador apenas bom ……..mais temos que concordar que ele é o maior atleta físicamente do tênis … Apenas isso pq Djokovic tecnicamente e comum , viva o tênis técnico , Borna coric , zverev e mais uns 10 nomes vindo ae kachanov , edmound , e vários outros

    Responder
  12. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,boa tarde…O assunto nao e sobre esses masters 1000,mas gostaria de uma ajuda sobre informacoes acerca dos ingressos para wimbledon 2019…Voce teria algum site ou alguma informacao a respeito??
    Parabens pelo otimo blog.

    Responder
    1. Fernando

      Lucas, eu fui ano passado. Acampei na fila e a experiência foi sensacional. Se você tiver um equipamento bom de camping, não vai passar aperto e vai assistir aos jogos pagando muito pouco. Ingresso na quadra central , terceira rodada, sábado, Federer, sentado quase dentro da quadra, 95 libras. Tem lugar para tomar banho (pago) e muitas opções para comer. Todo mundo na mesma onda. Vale a pena se você não estiver disposto a pagar uma fortuna no ingresso.

      Responder
  13. Luiz Fernando

    Eu não acreditava mas Khachanov tapou a boca de muitos, inclusive a minha. Que partida, e como anda a bola desse cara, o Djoko me pareceu atônito algumas vezes. O russo vem progredindo a cada torneio, além do FH tem excelentes BH e serviço, e hj está à frente do chorão Zverev, q aos 21 anos reclama de jogar muitas partidas, como se ele fosse obrigado a jogar os torneios? Que piada kkk!

    Responder
  14. Rubem Barros

    Caro, só discordo quanto a ter sido o melhor jogo entre os dois. No mínimo do mesmo nível foram a final de Wimbledon 2014 e a semi de Roland Garros 2011. E, acima de todos os jogos entre eles, a espetacular decisão do Finals em 2012. Abraços

    Responder
  15. Mario César Rodrigues

    Russo detonou e como jogou este cara,tomara que continue disciplinado melhorando o equilibrio emocional e movimentação.Deu uma surra ne Nole sim foi uma surra.e o Número 1 está em aberto!Pois Federer não fez o dever de casa e se Rafa jogar vai apimentar mais ainda!

    Responder
  16. Renato

    Um mero passador de bolas…..Depois de levar uma surra de winners ontem, hoje levou outra surra de winners também.

    Jamais será! Kkkkkk Passador de bolas entre os maiores da história é vergonhoso!

    Responder
      1. Henrique Crispim

        Federer é muito mais velho que o Djokovic , esse é o principal fator que define a partida ,e eles não se enfrentaram ano passado , ano em que Federer conseguiu voltar a um nível do seu passado antes de 2015.

        Responder
      2. Nando

        Pelas minhas contas: 20 Slams x 14 Slams
        6 Finals x 5 Finais
        310 semanas no topo x 223 semanas

        E q coisa hein…cotonete tomando sufoco do “vovô” de 37 anos? E tomando uma entubada do russo de 22? Mas o sérvio não é o todo-poderoso supremo?

        Responder
        1. Sônia

          99 a 72.

          As entubadas aumentarão em 2019.

          Jogar com “mais jovens”, “perninhas novas”, é sempre mais “trabalhoso”.

          Joguinho está ficando óbvio, se não se reinventar, haja “sofrência”.

          Jogador que depende totalmente do físico.

          Talento? Só o MAESTRO.

          Beijos.

          Responder
  17. Renato

    Kkkkkkkk Que surra levou do Kachanov, hein? Qual a desculpa? Febre amarela? Kkkkkk

    Novak é o brinquedinho preferido da nova geração. Depois de levar uma surra de Zverev na final do masters de Roma, volta a ser humilhado no maters 1000 de Paris.
    Sem esquecer as duas surras em dois jogos para Kyrgios.

    Responder
  18. José Eduardo Pessanha

    Conclusões:
    1 – Federer é disparado o melhor de todos os tempos;
    2 – Djokovic só dominou o circuito por que não tem adversários. Vai parar de jogar muito antes dos 37 anos, chega no máximo aos 33;
    3 – Nadal nunca mais vencerá Slams;
    4- Se a molecada levar o tênis a sério, Djokovic também nunca mais vencerá Slams;
    5 – Djokovic deu a sorte de ter surgido bem depois de Federer e Nadal. Dessa forma, se aproveitou da decadência dos dois tenistas super veteranos pra mordiscar alguma coisa (embora ele seja melhor do que Nadal)…além disso, teve todo o tempo do mundo para observar seus dois rivais no circuito e construir seu jogo baseado neles;
    6 – O Craque pode jogar tranquilamente após a aposentadoria de seus rivais, pois é pura categoria. O que esse cara joga é uma enormidade. Pena que demorou 10 anos pra trocar de raquete, senão teria ganho mais 7 ou 8 Slams. Deu mole.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      1. Concordo.

      2. Discordo. O Djokovic já terá 33, no ano que vem. Jogará em alto nível por mais tempo.

      3. Bobagem… Vencerá ainda em Roland Garros.

      4. Aí não dá, né Pessanha. Olha o nível atual do sérvio. Estava 20 jogos sem perder…

      5. A forma como ele pavimentou o seu sucesso, não retira os méritos dele. Porém, o domínio embora merecido é circunstancial. Ou seja, ele atingiu o ÁPICE da carreira, enquanto pros outros dois esse momento passou, e agora buscam se reinventar. Não tenho nada contra o Djokovic, apenas acho deplorável esse anti-federismo da torcida dele. Como se o Federer fosse um entrave, um lobo malvado que se levanta contra a sagrada busca de recordes pelo sérvio…Também divirjo dessa besteirada de que ele seja a “evolução do tênis”. Pra começo de conversa, ele não possui o talento do suíço, e tem um jogo bem menos estético.

      6. Deveria ter trocado de raquete antes. E JAMAIS ter caído na besteira de encarar 15 vezes o Nadal no saibro.

      Responder
    2. alessandro sartori

      …curioso que a idade do Federer só serve de esfarrapada pra diminuir as pancadas que sérvio deu nele a partir de 2011, mas esquecem que a única vez na vida que fez frente ao Nadal foi aos 36 em 2017, acho que a contradição aí kkkkkkk

      Responder
  19. Marcelo-Jacacity

    Grande vitória do Khachanov!
    Djokovic no final do primeiro set já estava morto.
    O jogo contra o Cilic, Federer e mais o resfriado tiraram o melhor do sérvio.
    A final seria difícil, o russo evoluiu muito. Que direitaça!

    Responder
  20. Kennys

    Não é que comeram o fígado do Djokovic!!! Não jogou bem contra o Cilic e deveria ter perdido em sets diretos para o Federer, mas o Federer desperdiçou as vantagens no primeiro tiebreak. Enfim, hoje não teve a sorte dos outros dias e foi massacrado pelo Khachanov. Teve horas que deu pena do Djokovic.

    Responder
  21. Paulo F.

    Agora é aguentar as arrogantes hienas suíças se regozijando com a carcaça do sérvio.
    Méritos para Kachanov, jogou bem, soube anular até taticamente Djokovic.
    Se Nole estava doente ou não, isso não diz respeito ao russo.
    Parabéns pela conquista, mesmo não sendo da patota da Next Fail.

    Responder
      1. Paulo F.

        Mas nem de perto dedicam ao Caixa 9 toda a atenção que dão para Thiem, Zverev, Chung, Rublev, Shapovalov, Chung, MMoh, Tiafoe, Auger-Aliassime, etc, etc.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Exatamente!

      Principalmente depois da arrogância INCOMPARÁVEL dos que cultuam o sérvio…

      Quando o Federer perde é a maior gozação aqui, e eu levo na esportiva.

      Agora, aguentem…

      (rs)

      Responder
  22. Eduardo

    Federer saiu realmente frustrado da quadra após a derrota de ontem, e acredito que o motivo seja uma certa resignação, porque a impressão que dá é de que ele pode tentar de tudo, mas vai perder do sérvio a grande maioria dos jogos, senão todos, daqui pra frente. Djokovic ontem nem estava no seu melhor (resfriado), e mesmo assim teve esse caminhão de BPs, que, caso convertidos, teriam tornado a vitória bem mais fácil. Minha opinião é de que Federer e Nadal só ganharão torneios relevantes nos próximos anos (a exceção talvez seja RG) se alguém fizer o trabalho sujo para eles de eliminar o Djokovic. Ele estando bem, e vimos que nem precisa ser 100%, não dá pra nenhum dos dois…

    Responder
  23. Arthur

    As djokovetes aqui do Blog são uma graça, Dalcim.
    Quando o Djokovic passou quase um ano numa draga sem fim, não vi nenhum deles dar as caras por aqui.
    Agora, quando o Djoko bate o Federer num jogo disputadíssimo, decidido nos detalhes, lá vem aquele blá-blá-blá barato de “Fujão”, “ajudado pela ATP”, “Nole GOAT”, e outras baboseiras do gênero. Como se um sujeito como o Federer, com TRINTA E SETE ANOS nas costas, sendo o maior vencedor da história, ainda precisasse provar alguma coisa a alguém.
    A fila anda, é fato. E, agora, o momento indiscutivelmente é do sérvio.
    Mas – spoiler alert – não se animem muito, djokovetes: assim como a idade chegou para o suíço, chegará para o sérvio (e provavelmente até antes).
    Ninguém ganha tudo o tempo todo. Não será diferente com o Djokovic. #FicaaDica

    Responder
  24. Renato

    Federer x Novak

    Forehand: Federer
    Backhand: Novak
    Saque: Federer
    Slice: Federer
    Drop: Federer
    Voleio: Federer
    Smash: Federer
    Devolução: Novak

    Conclusão: Em aspectos técnicos, Federer vence de goleada. 6 x 2

    Responder
    1. Miguel BsB

      Não sou djokovista, mas se o tênis fosse só feito dos aspectos técnicos… São 4 os pilares que definem um grande tenistas:
      Técnico: Federer
      Físico: Djokovic
      Tático: Djokovic
      Mental: Djokovic

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        De fato!

        Um pouco mais abaixo, teve gente tirando sarro do meu post, quando destaquei a enorme vantagem física do sérvio.

        Mas se o Federer fosse ao menos próximo do Djokovic no aspecto físico, iria infernizar a vida dele…

        Não adianta querer tapar o sol com a peneira, gente.

        Quem tem o melhor físico, obviamente chega mais equilibrado na bola, e tem mais precisão na execução do golpe.

        Quantas vezes o Federer chega desequilibrado para bater, porque o Djoko o desloca?

        E o poder de defesa do segundo, que é muitas vezes maior. Não conta?

        Mas se eu falo, a galera acha ruim. Diz que é sofisma, desculpa.

        Fazer o que…

        Responder
      2. Sônia

        Sensacional, pela lógica, o MAESTRO mesmo tendo físico, tática e mental inferior… 20 GS, 6 Finals, 310 semanas como número 1, 99 títulos… uau uau uau, que tenista, que carreira.

        Responder
  25. Ronildo

    Foi realmente uma pena Federer ter perdido.

    Eu estava pensando antes do jogo acontecer que o Federer poderia trabalhar melhor o emocional antes dos jogos, não o dele, mas do Djokovic, que tem sido a grande barreira para Federer ganhar títulos importantes nestes últimos anos. O Djokovic tem uma gana danada de ganhar uma partida do Federer. Isso é visível nos jogos. O Federer, por outro lado, o encara como apenas mais um rival, embora esteja ciente que é o pior para se enfrentar atualmente. Mas é justamente esta pose e status que o Federer tem que tanto motiva Djokovic durante cada partida entre eles!
    Por exemplo, se o Federer ao cruzar com Djokovic nos vestiários fizesse questão de puxar a palavra com ele e soltasse uma brincadeira do tipo: “Olha, se eu vencer desta vez, você sabe que eu tenho motivos pra caramba para comemorar, ne!?” Isto passaria a mensagem para Djokovic que o Federer reconhece ele como o grande jogador atual, e que uma vitória é inesperada. Com certeza, coisas assim tiraram um pouco da gana do Djokovic! Infelizmente, houve muitos atritos nos bastidores entre eles com a família de Djokovic na vanguarda e torna este tipo de abordagem muito difícil. Mas seu fosse o Federer, engoleria um monte de sapo e faria isto. Se fosse um membro de sua equipe o aconselharia assim! E de quebra, teria ganhado mais títulos por ter trabalhado o emocional do adversário antes! Acredito que isto foi uma coisa que o Nadal fez com o Federer durante toda a carreira. De tal maneira que o Federer praticamente pensava que era uma “honra” perder para o Nadal, “seu amigo”! Quando o Federer despertou deste “controle”, conseguiu vencer cinco partidas seguidas, os últimos confrontos.
    Mas sempre houve oportunidades de aproximação. Por exemplo, ao final da partida eu achei que o Djokovic esperava do Federer um cumprimento mais acalorado. Como o Federer se mostrou frio como de costume, o Djokovic logo após o breve cumprimento se voltou para a torcida e comemorou de novo, numa espécie de “vingança” enquanto Federer cumprimentava o juiz.
    Enfim, o Federer deu declarações na imprensa de que considera Djokovic o melhor atualmente. Mas acredito que ele deveriria ter usado as oportunidades que sempre teve para trabalhar o emocional do Djoko e começar a vencer a partida antes mesmo dela começar!
    Rafael Nadal é mestre em pensar em TUDO que pode influenciar para que se ganhe uma partida dentro da quadra!

    Responder
    1. EduardoG

      Enfim, uma boa análise por aqui…
      Acima de aspectos técnicos e físicos, o tênis é um duelo pessoal. O quanto um jogador se prepara e adapta para vencer um adversário específico, faz toda a diferença. O Federer não é agressivo, psicologicamente falando, de forma alguma. Além disso, todo esporte evolui e as gerações novas aproveitam o legado das anteriores, ficando em vantagem relativa. O simples fato do Federer conseguir se reinventar e superar a limitação da idade vencendo um G. Slam com 37 anos em si é algo fenomenal.

      Responder
  26. Juninho Fonseca

    Dalcim….pq será que ele não utiliza mais o SABR?????Era uma arma tão eficaz que ele usava no passado recente… inclusive contra o próprio Djokovic que sempre sofria com ele!!!…não dá p entender pq ele parou de usar!!!oq vc acha?

    Responder
  27. Renato

    Só um ignorante mesmo pra não levar em conta a idade de Roger. Aqui tem ao montes. Assim como os igno pra dizer até Novak é mais completo que Federer! Kkkkk

    Responder
  28. Fernando Godinho

    Não sei se foi o mais emocionante. Aquela semi de US Open (Qual ano mesmo?) que o Djokovic salvou um match point com um winner de devolução em cima da linha foi surreal.

    Responder
  29. Valmir

    Pois é… o ex-diretor do torneio Paris Indoor confessou porque Federer só conseguiu vencer o torneio uma única vez.
    A organização do torneio fez um piso sob medida para o homem… para ve-lo lá vencer.
    É… um ex-goat precisando de ajuda extra quadra… que coisa feia.
    Não me lembro de algo assim na história.

    Aliás, em Paris, Federer ganhou só 2 torneios em tantos anos de carreira.
    Em RG2009 precisou da ajuda de Robin Soderling para fazer algo que nunca conseguiu, pelo menos foi em jogo.
    Em Bercy 2011 precisou de ajuda da organização… que GRANDIOSIDADE!

    Responder
  30. Geailton

    Federer jogou sua melhor partida no ano. Perdeu. Nadal na semi de WB jogou sua melhor partida no ano. Também perdeu. O adversário foi o mesmo, e sem jogar o seu melhor. Isso mostra que pra ganhar do sérvio não basta Fedal jogar o seu melhor e Djoko não jogar bem, ele precisa jogar uma partida horrível pra perder

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Geailton, você tem toda razão. Mostra com essa excelente ” postagem” , que conhece muito do Esporte. Realmente não foi Karen Kachanov , que jogou uma barbaridade TODA a semana. Foi Novak Djokovic que jogou muito mal. Afinal, a Nextgen e’ uma ” farsa” como afirma Fognini e seus Blue Caps rsrsrs Abs !

      Responder
  31. Valmir

    Quem viveu a época de brincar na rua se lembra que sempre havia um fortão que provocava todo mundo.
    Quem tinha juízo… FUGIA… dele… quando alguém se esquecia disso, enfrentava e apanhava.

    Federer teve… juízo… no US Open e em Xangai… mas em Paris fez como alguns meninos da rua
    perdeu o juízo… resolveu enfrentar e… apanhou de novo.

    Responder
  32. Pedro

    Dalcim,

    Achei que Federer jogou acima da sua capacidade atual, e com esse esforço extra o deixou desgastado emocionalmente, o que foi demonstrado em momentos chave como os dois tiebreaks, em que ele jogou abaixo do que vinha jogando. É importante dizer que foi uma das melhores partidas que o suiço fez no ano. Foi interessante ver que mesmo com esta idade ele ainda está competindo em nível excelente. Em relação a velocidade de bola, as estatísticas apontam apenas saque, e os golpes de fundo mostram rotação. Deveria ter rotação e velocidade. Na internet, dados de um Grand Slam de 2016 mostram que a velocidade de bola de Djokovic e Nadal são parecidas e que de Federer é menor. O suiço usa mais a colocação dos golpes e a sua movimentação para ganhar os pontos. Em relação ao Kachanov, muita gente fala, nas transmissões que ele possui golpes pesados, porém, é difícil avaliar isso. O saque anda bem, e a esquerda sendo flat também anda bem, mas a direita não parece ter tanta velocidade, parece ter bastante efeito. Você tem alguma informação sobre velocidade destes golpes?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há uma diferença entre bola pesada e bola veloz, Pedro. A bola pesada é a que está carregada de topsin, como fazem Nadal, Thiem ou o Kyrgios a maior parte do tempo. Alguns preferem tirar um pouco do spin para ganhar velocidade, como Djokovic e Federer ou o backhand do Zverev. Claro que há tenistas que têm a capacidade de fazer as duas coisas e Djoko certamente é um deles.

      Responder
      1. Pedro

        Eu penso que o peso de bola venha da combinação de velocidade e efeito, isto é, um golpe lento e com muito efeito não teria tanto peso, e um golpe veloz e flat tem peso porém, menos peso do que um golpe veloz e com efeito. Por isso achava que as estatísticas deveriam informar não apenas rotação, mas também velocidade, pois com os dois você tem uma ideia melhor de quão pesados são os golpes.

        Responder
      2. Pedro

        O Djokovic depois que quebra uma raquete geralmente ganha a partida. Isso ajuda ele. Mas, independente do ato, acho que deveriam desclassificar qualquer jogador que quebrasse uma raquete por um simples motivo: pode danificar a quadra, e se isso acontecer, não tem tempo hábil para consertar. Embora seja uma superfície asfáltica, pode gerar pequenos sulcos, que podem causar desvios na trajetória da bola ou inclusive lesões em jogadores. O que você acha?

        Responder
      3. Pedro

        Em relação às empunhaduras adotadas pelo Kachanov e Tiafoe, elas além de serem bem viradas, eles usam bastante o punho. Você tem alguma informação sobre a possibilidade de lesões relacionadas a estas empunhaduras?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Quase todo mundo usa semi-western no tênis de hoje, Pedro. Alguns poucos o western extremo. Claro que o risco é grande de lesão, mas curiosamente tem acontecido mais com o punho esquerdo pelo backhand de duas mãos.

          Responder
  33. Mauricio Justus

    Dalcim apesar da derrota acho que foi bastante animador o jogo que o Federer mostrou ontem se comparado com os jogos de Halle, Wimbledon, US Open eCincinatti. Vc acha que recuperou um pouco da confiança dele esse jogo? Vc esta mais otimista com a temporada de 2019 dele? Blog está cada dia melhor!! Parabéns! Queria te ver na TV!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Maurício. Sim, ele subiu de nível desde Xangai e isso certamente aumenta sua confiança. Claro que perder nunca é bom e dava para ver sua frustração na saída de quadra. Eu particularmente gostei muito do terceiro set dele, Maurício. Mostrou-se fisicamente bem, cabeça fria nos break-points, backhand bem mesclado. Faltaram apenas devoluções mais precisas.

      Responder
  34. rubao

    engraçado esses puxa-sacos do federer…dizem que ta velho, não tem mais pernas e blablabla …a mim não enganam, acompanho o federer desde o juvenil, assisto tênis desde a época de sampras e agassy…o que vejo agora é um federer que joga muito mais do que quando era novo, o real problema é que djoko joga mais que ele e acabou!
    o hxh só é um pouco equilibrado ainda por federer ter jogado muitas partidas com o sérvio ainda jovem e em acensão, quando não estava totalmente desenvolvido física, psicologicamente e tecnicamente também, após seu desenvolvimento como profissional ele perde feio.
    podem espernear o que quiserem, mas pelo que vejo no jogo do federer, ele não seria nenhum fenomenos se não tivesse aquele saque matador, não passaria de um bom jogador…quando o saque não entra torna se presa fácil para qualquer bom jogador do circuito, dai as derrotas pra vários zé manés.

    Responder
  35. André Barcellos

    Aos 37 o suíço ainda equilibra o jogo. Isso não é desculpa. É mérito.
    Fica a nítida impressão de que Federer melhorou pra esse jogo, mas não ainda no nível de 2017, principalmente no backhand-ema que os dois não se pegaram não passado umas três vezes, digamos. Seria o suficiente pra empatar esse H2H, apesar da diferença de 6 anos.
    Também noto que o suíço hoje chega muitas vezes desequilibrado pra bater, mas compensa na mão. Até slides de direta estão abundando.
    É genial,
    Novak merece todo respeito, porque não sucumbiu ao melhor momento do suíço no jogo, mantendo a concentração e não dando chance no sque, obrigando Federer a bater sempre mais uma.

    Responder
    1. rubao

      a mesma diferença que vc dia agora com o federer mais velho, pode se calcular com um djokovic saindo do juvenil e pegando um federe já profissional…foram muitas partidas que ele perdeu assim ate seu desenvolvimento profissional, deixa de ser burro cara.
      fora que federer joga mais agora do que quando jovem…já assisti federer perder ate pro guga em quadra rápida por 2×0

      Responder
      1. Henrique Crispim

        Porque os estilos são totalmente diferentes né , meio óbvio. O jogo de Federer é muito diferente , ele já ganhou do melhor Djokovic duas vezes em grande slam 2011 e 2012 , de lá pra cá o suíço não consegui mas vencer principalmente pela baixa do seu jogo e pela idade que pesa muito nesses duelos. Eles não são da mesma geração , 6 anos de diferença é muita coisa.

        Responder
      2. André Barcellos

        Não tinha visto essa resposta ao meu comentário antes.
        Impressionante o nível da grosseria aqui.
        O cara nunca me dirigiu a palavra e vem me ofender assim.
        Anonimato da internet é realmente uma fábrica de “valentões”

        Responder
    2. Renato

      Perfeito! A falta de confrontos em 2017 fez diferença. Também é preciso levar em conta que tivemos muito mais confrontos entre os dois entre 2011 a 2015 do que entre 2006 e 2010, auge do suíço. A diferença de indade favorece o sérvio sem dúvidas nenhuma!

      Responder
  36. Renato

    Como eu disse no post anterior, Federer não tem mais tanta agilidade assim. Ainda tem Boa resistência física, mas longe de ter a velocidade de pernas de anos atrás. Novak fazia ele golpear na corrida e o suíço não conseguia se posicionar para executar os golpes.
    Se tivesse a mesma agilidade de antes provavelmente faria um 6/2 6/0.

    Responder
  37. Renato

    Meu irmão(praticamente um leigo no esporte) estava assistindo o jogo comigo ontem e disse: “Nossa, esse Federer faz tudo parecer fácil. Impressiona a habilidade e a elegância com que ele joga tênis. O outro corre de um lado para o outro, joga feio, mas muita força mas se defende muito bem!”

    Prefeito comentário! Até um especialista concordaria.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Freguês de carteirinha como, se com 36 anos ganhou todos os jogos dele em 2017, incluindo final de Major?

        A maior burrice da carreira do suíço foi ter ousado desafiar o Nadal no saibro.

        Ali sim concordo, ele é um baita freguês.

        Mas, sejamos sinceros.

        Quem não é?

        Responder
  38. Paulo F.

    E que bom ver o Federer bem desse jeito: o Finals vai ter graça e competitividade, tava quase com aquele jeito de “podem entregar a taça pro Nole”.
    Ainda mais que o Finals é um torneio que Federer e Djokovic são exímios competidores.

    Responder
  39. Robson

    Jogaço esse,os dois tenistas deixaram tudo que podiam(no momento) dentro de quadra,a vitória poderia ter ido pra qualquer um dos dois lados.
    Só acho que o suíço perdeu uma ótima oportunidade de enfim vencer Novak Djokovic,1° pq Novak está resfriado e isso incomoda bastante pra jogar,2° pq Novak estava parado e o suíço vem com ritmo por ter atuado semana passada em Basel.
    Nesse jogo Novak empatou com o suíço em número de tie break vencido,agora está 12 a 12 no total disputado entre ambos.
    .
    Dalcim,vc acha que Kachanov pode complicar pra Novak Djokovic na final?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho bem difícil, mas o russo pode jogar sem obrigações e isso o deixa perigoso. Gostei de vê-lo indo mais à rede contra o Thiem. É um bom experiente.

      Responder
  40. Renato

    Na minha opinião, Federer foi melhor nos dois últimos sets, e Novak o primeiro. Roger merecia ter vencido o jogo, mesmo jogando 70% do que sabe enquanto Novak jogou 90%.

    De qualquer forma impressiona como Roger perto da aposentadoria, consegue botar pra correr Novak, 5 anos mais jovem e em plena forma.

    Parabéns Roger! Sem dúvidas o melhor, maior e mais completo tenista da história.

    Detalhe: 95% da torcida estava com o suíço, o que prova a grande popularidade do melhor e a baixa popularidade do número 1 fake.

    Responder
  41. Paulo F.

    Pelo que mostrou em Basel e em Paris, teremos Federer por mais 02 anos (assim esperamos).
    Ótimo para o tênis, vendo o seu maior talento em todos os tempos permanecer atuando.

    Responder
  42. Paulo F.

    Como eu disse anteriormente, Federer x Djokovic é a MELHOR rivalidade dos últimos 20 anos.
    Djokovic x Nadal é a MAIOR.
    Federer x Nadal, o próprio Federer se encarregou de não ser uma rivalidade…

    Responder
  43. Hélio

    37 aninhos e uma apresentação dessas contra outro craque no auge dos seus 31!!! Mesmo tendo perdido deve se orgulhar mt … mais um feito pra Djoko e Nadal mirarem …. jogarem até os 37 ( o espanhol eu duvido ) e em tão alto nível !! Parabéns Djoko e Federer !! Que jogaço !! Felizes somos nós de estarmos vivenciando isso !!

    Responder
  44. Felipe Dutra

    Perfeita sua análise, Dalcim, como de costume.
    Só acrescentaria o seguinte: no último game de saque, no terceiro set, o sérvio praticamente só jogou com o segundo serviço(acho que foram 5 de 6). Pra mim, ali foi a maior porta que ele abriu ao Federer em todo o jogo. E o craque suíço, como muitas vezes já aconteceu, jogou para fora ou na rede. Foi assim também em Cincinnati.
    Abs!

    Responder
    1. Marcos RJ

      Concordo com você Felipe, e também teve o set point a favor de Federer no 1o set, que Djokovic sacou com 2o serviço e o suíço devolveu com seguidos slices até perder o ponto (e acredito a partida) sem jamais tentar atacar.

      Responder
  45. Marcelo Araújo

    A maior demonstração de fanatismo cego e consequentemente “burro” é o menosprezo de qualquer torcedor de um destes dois tenistas (para mim, os dois melhores de todos os tempos) pelo seu adversário deste sábado. Isso apequena o seu próprio ídolo! Como pode um torcedor do Federer ou do Djokovic menosprezar o seu rival diante de um H2H tão equilibrado e disputado. Se um deles fosse um tenista medíocre, naturalmente o outro também o seria, dado o incontestável equilíbrio que existe no confronto entre eles. Simples assim! Assim como Federer é o melhor da grama, Djokovic é o melhor na quadra dura e Nadal é o melhor no saibro. Roger é melhor tecnicamente que Nole que é melhor tecnicamente que Rafa. Já o espanhol tem mais força física e mental que o sérvio que tem mais força física e mental que o suíço. Daí o equilíbrio absurdo entre os três. No confronto mais desequilibrado(Fedal), de cada 5 partidas, Nadal ganha 3 e Federer ganha 2, ou seja, um duelo também muito equilibrado. Se levarmos em consideração que foram disputadas bem mais partidas no saibro do que na grama, fica até fácil de entender o porquê do pequeno desequilíbrio a favor do espanhol. Ou seja, três monstros considerados por nosso especialista Dalcim os três melhores de todos os tempos. Concordo com ele que Federer é o melhor pois para mim a técnica é o que determina o melhor! A força física e mental determina o mais forte, não o melhor. Já o mais completo é bem discutível pois a força física e principalmente a força mental também pesam para a definição de quão completo é um tenista! Neste caso, para mim, há um empate técnico entre os dois adversários do jogão deste sábado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Se ele continuar enfrentando os tops somente com slice, certamente sim. Ele precisa recuperar a confiança no backhand batido como o de 2017. Fez isso muito bem no terceiro set contra Djokovic, especialmente nas paralelas. Até Nishikori, que saca cruzado a 170 km/h, fez saque-voleio em cima do slice de backhand do suíço.

      Responder
  46. Marcos RJ

    Noite de gala para o tênis, talvez um dos melhores jogos de 2018, com duelo de variação contra regularidade e vitoria merecida de Djokovic que foi um pouco mais sólido e buscando bolas impossíveis como de costume. Federer abusou do slice de backhand, que usou em 50% das oportunidades desse lado, para neutralizar o revés encardido de Djokovic e forçando o sérvio a tomar a iniciativa do 1o ataque com uma bola sem peso. Achei que o Maestro pecou algumas vezes por não ser mais agressivo na devolução do 2o saque, abrindo mão de tomar a iniciativa do ataque – mas claro que é muito mais fácil afirmar isso do conforto do meu sofá pois Nole sacou muito bem e sempre muito perto da linha. De qualquer forma foi um jogaço digno de final de GS.
    Nole superfavorito na final, mas não duvido de uma surpresa depois dessa maratona de 3h contra o embalado e competente Khacha. E Djokovic que se cuide para não cair na arapuca do desgaste excessivo nesse final de temporada.

    Responder
  47. Jony Marcio Santos

    Excelente análise, Dalcim.

    Só achei falta de uma notinha de rodapé acerca da semana de recuperação da Bia. Acompanhei alguns jogos por aqui e fiquei bem satisfeito com o que vi. Mas certamente vc já está preparando alguma matéria pra alguma coluna vindoura. Grande abraço.

    Responder
  48. Marco

    Achei o jogo muito bom, mas não acho que tenha sido o melhor dentre todos os 47 confrontos.

    Federer jogou mt bem. Sacou mt bem e conseguiu se segurar durante a partida.
    Djoko não jogou o seu melhor, não é normal ele perder tantos BP, obviamente uns foram méritos do Federer, outros foi na sorte do suíço, mas outros tantos foram dados de graça pelo sérvio, o que não é normal.

    Enfim, acho que era uma das últimas, se não a última, de o Federer vencer o Djoko. Jogou bem, teve sorte e o Novak ainda estava gripado.

    Como torcedor do Djoko, achei que poderia ter acabado a partida sem tanta emoção, mas beleza. Agora é vencer o russo e levantar outro caneco.
    Mais que isso, é se manter saudável e principalmente motivado.

    Idemooooooooo Novak!

    Responder
  49. Castro

    O jogo de hoje foi, realmente, bom. O Djoko dizer que foi o melhor entre eles, entende-se, afinal ele é uma pessoa educada, faz parte do “politicamente correto”. E mais, ele não jogou tão bem assim, estava gripado, e GANHOU. Ao revés, Federer jogou tudo que sabe e mais um pouco e PERDEU. Todos nós que gostamos e assistimos tênis sabemos da capacidade incrível do Federer, mas, alguns precisam admitir que, estando em condições apenas normais, Nole nunca mais perderá para ele. e ainda, gostem alguns ou não, DJOKOVIC tem tempo e jogo para ultrapassar praticamente todos os números de Federer, inclusive os Slams. Grande abraço a todos e, especialmente ao professor Dalcim, que nos instiga a comentar alguma coisa a partir de seus textos sempre bem colocados, contudo, ao de hoje, me permito discordar em parte.

    Responder
  50. Nando

    Federer jogou mto bem hoje e mostrou q jogando o q jogou hoje pode sim ganhar desses caras (os outros Bigs). Vacilou nos 2 Tie-breaks, mas poderia ter acontecido com o cotonete tbm…vamos ver no Finals, mas esse Federer de hoje tem chances lá CONTRA QLQR UM.
    37 anos e ainda nos brinda com grandes apresentações…quero estar aki em 2022 e 2023, entendedores entenderão.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Exercício de futurologia:

      Quando o Djokovic tiver 37 anos, vai conseguir ganhar de todos, EXCETO do melhor do mundo?

      Muito, mas muito difícil…

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Rodrigo,
        Não há a mínima chance de Nadal e Djokovic chegarem a 37 anos na ativa. 0% de chances. Vão parar muito antes disso.
        Abs

        Responder
  51. Rodrigo S. Cruz

    (quote]Luiz Fabriciano
    3 de novembro de 2018 às 21:23
    Tenho duas considerações sobre esse jogo, e uma, quase velha: Roger Federer e 37 anos são desculpas prontas para serem usadas a qualquer momento. Mas ele não precisa, ele se basta; a segunda: no US Open de 2015, Federer teve um caminhão de break points e perdeu o jogo – disseram que perdera para si mesmo. Hoje Djokovic teve, digamos, uma camionete de break points. Não converteu nenhum, mas ganhou o jogo. [/quote]

    Tá bom, Luiz.

    Então você quer que os fãs do suíço falem o que?

    Que o Djokovic ganharia do Federer em qualquer circunstância, IDADE, quadra, ou condição física do suíço?

    Isso não dá pra dizer, pois você sabe que não é verdade…

    Mas se com 37 anos, e ligeiramente abaixo do nível que mostrou em 2017, conseguiu exibir o que vimos hoje.

    Imagine então, o que não faria se reunisse essa técnica apurada, com as pernas que ele tinha em 2006…

    Acho que seria praticamente imbatível.

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Hehehe Nada como sair de uma aula de raciocínio lógico para concurso, acabar de estudar obre os vários tipos de sofismas e se deparar com exemplo de uma falácia informal dessas…. kkkkkk

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Tá bom, Cipriani.

        O Djokovic ganharia do Federer até se os dois jogassem sobre a NEVE.

        Como se sabe, o sérvio desliza mais.

        Tá bom assim, pra você?

        E o físico pouco ou nada importa num jogo de tênis.

        Você tem toda razão nisto, e tuas postagens são INSOFISMÁVEIS…

        Aliás, o Kachanov tem um péssimo preparo físico.

        Ele ganhou hoje na sorte, não foi?

        Responder
  52. João

    Foi com certeza um grande jogo, mas é muito difícil imaginar outro jogo entre eles em que o federer consiga novamente se livrar de tantos breaks. O fato é que para ganhar o djokovic o federer precisa jogar muito no limite , indo pras linhas sempre. O suíço pode fazer chover numa quadra, pois tem mais talento, mas o djoko é mais completo. Dalcim, em sua opinião qual é o ponto fraco do djokovic? Além de jogar com o primeiro saque, vc acha que o backhand batido seria a melhor forma pro federer derrotá-lo?

    Responder
  53. Sérgio Cipriani

    Nada como um punhado de partidas pra fazer um tenista subir seu nível. É inegável a diferença na qualidade de tênis do suíço apresentado na semana passada em Basel e nessa semana em Paris… Ritmo de jogo, aliado ao tempo suficiente de recuperação que ele teve de domingo à quinta, o deixou na ponta dos cascos. Se Roger souber espaçar melhor seu calendário ainda pode fazer grandes apresentações no circuito.
    Entretanto, não se enganem, a diferença entre Nole e Roger está maior do que o que foi visto hoje. Novak não estava no mesmo ritmo de partidas que o suíço (antes do clássico: 7 contra 2 e meia…). Praticamente só jogou com o portuga e Cilic… Faltou mais horas para ele estar afiado. E ainda assim venceu, mesmo tomando mais de 50 Winners e não conseguindo quebrar o saque do suíço… Agora, param por uma semana… No finals, começam do zero e vão se enfrentar com o mesmo número de partidas jogadas. A ver também como o suíço vai lidar com o fato de jogar a terceira semana em quatro e com o desgaste adquirido dessa última partida…

    Responder
  54. Dominic DeCoco

    Dalcim, você acha que Nole sentirá o físico na final??? 3 horas contra Federer, 2:30 contra Cilic, em jogos exigentes, sei não.

    Agora vale a penar fazer uma analise sobre o jogo entre os dois quando o final é disputado, como por exemplo um tie break.
    Vamo lá, hj, tie break do terceira set, Federer comete um erro não forçado e uma dupla falta nos saques, presenteando o sérvio, coisa que não tinha feito o jogo todo, ai qual foi o último jogo disputado entre eles com um fim apertado, em Wimbledon 2014, e o que aconteceu no último game todos sabem, e antes, Indian Wells 2014, onde Federer perdeu todos os pontos praticamente com erros não forçados, e antes, US Open 2011 e 2010, onde em ambos o suíço teve 2 match points.
    Apesar de ser fã de Federer, fica claro e evidente que quando ele enfrenta Djokovic e o jogo vai ficando apertado a tendencia é ele amarelar, pq ao meu ver ele tem medo do sérvio, e na hora H não tem coragem de atacar, e eu falo isso com muita dor mesmo, pq vejo caras como Cilic ou Wawrinka, que apesar de H2H extremamente negativo, na hora H eles não tremem, e se perdem é por total méritos de Djokovic, diferente de Federer, que na hora H sempre tem perdido por tremer diante do rival.

    Responder
  55. Sérgio Cipriani

    Djokovic é mesmo um cara sensacional! Conseguiu deixar todo mundo feliz: seus torcedores comemorando a vitória e os torcedores de Roger satisfeitos com uma quase-vitória! 😉
    Nada demais. Apenas um dia comum no escritório…

    Responder
  56. Evaldo Medeiros

    Dalcim… Estou com uma dúvida cruel… Não quero acceditar que o Nadal premeditou a desistência após o sorteio só pra forçar a antecipação da final entre Nole e Roger para a semi-final e assim fazer com que o vencedor da partida chegasse mais cansado na final (e vai chegar) e por isso mesmo ter menos chance de levar o caneco?? O Espanhol já não sabia antecipadamente que seu joelho não lhe permitira ainda jogar em Paris e ainda assim quis participar do sorteio só para dificultar a vida do sérvio e do suíço??? Realmente não quero acreditar nessa hipótese… E vc? Acha isso plausível ou esse pensamento é só um mero devaneio da minha parte???

    Responder
    1. Benjamin Butão

      Deus do céu… O quê esses fãs de tênis andam lendo sobre tênis na web… Não entendo pq essa molecada tem fixação por essas teorias idiotas sobre quem tem medo de quem, sobre quem amarela mais, ou quem desiste de propósito para dificultar fulano ou ciclano… O nível que esses atletas jogam, pelo tamanho do staff que eles tem (alguns chegam a ter mais mais de 30 pessoas trabalhando junto, tendo estrategistas, médicos, técnicos, marketing, advogados, contadores, assessores, etc…) , a ultima coisa que se pensa numa equipe de trabalho profissional como esses é sobre essas coisinhas infantis que a molecada insiste em dizer que é real…

      Responder
  57. Kennys

    O que eu acho interessante nos torcedores do Djokovic é a prepotência quando ganha um jogo; no início do ano passado, antes de Wimbledon ele não jogou nada, esse ano tbm não. Federer em 2017, no primeiro semestre, ganhou tudo o que disputou e o saibro ficou com o Nadal; Djokovic só levava pra casa derrotas. Aí, Nadal se machuca no Joelho e Federer na mão e o Sérvio se sobressai sobre eles e os demais. Ou seja, quando o Djokovic não ganha nada é pq tava lesionado, mesmo quando claramente não estava, mas quando o Nadal ou o Federer mesmo depois de lesão não o vencedor é pq ele, o Nole, é o melhor de todos os tempos. Fala sério. Nadal só perdeu a liderança do ranking devido a lesão no joelho e o Federer claramente caiu de nível devido a lesão na mão. Podem esperar um Federer melhor em Melbourne, caso não sofra lesão. Federer com 37 anos jogou de igual para igual com um jogador bem mais novo, atual número 1 e em um piso que não é o seu favorito. Imagino como sofreram os torcedores do Djokovic no começo de 2017 e 2018 quando o mesmo não estava lesionado e não ganhava nada. Quando o Nadal se lesionado e o Nole ganha alguma coisa é pq não tem ninguém como o comedor de fígado. Eita torcedores sem noção.

    Responder
    1. Enoque

      Kennys,
      Eu também era torcedor do Federer e o maior carrasco dele foi o Nadal.
      Agora acho que o Djoko assumiu a posição de vingador, assumindo a condição de maior adversário do espanhol. Só não entendo como vc pode torcer pro Nadal.

      Responder
    2. Marco

      Mas para isso você tem de analisar o momento. Antes do Djoko largar e machucar estava dominando o tênis mundial, batia em Federer, Nadal e Murray. Somente após a lesão do Djoko é que Nadal e Federer voltaram a vencer os grandes torneios.

      Aí o Djoko volta a um nível parecido com o seu melhor e volta a ganhar tudo.

      Há uma certa lógica no dito. Acho sim que o Nadal seria n°1 caso não tivesse machucado, mas é mt provável que o sérvio continuasse copando os torneios que conquistou. Federer se recuperou, jogou bem, Djoko estava gripado e perdeu n chances, mas mesmo assim venceu.

      Enfim, há lógica no que vc contesta.

      Responder
    3. Robson

      O que,Novak no começo de 2018 não estava lesionado? A cirurgia que ele fez em março foi no cabelo dele né?
      Começo de 2017 ele estava já sentindo muitas dores,tanto que era quebrado com muita frequência por todos os tenistas,durante seus serviços, aí em Wimbledon estourou de vez,o fazendo ficar por 6 meses afastado do circuito,por ser teimoso,optou por repouso ao invez da cirurgia e não resolveu nada,entrou 2018 sem conseguir jogar e teve que fazer a cirurgia.
      Novak só perdeu a liderança do ranking por causa dessa lesão no cotovelo,foi a primeira lesão grave na carreira dele,mas já aconteceu com todos e continuará acontecendo,pq o calendário é apertado e os jogos cada vez mais exigentes.

      Responder
  58. Valmir

    Os que viveram a juventude no começo dos anos 80… vão se lembrar da música… DEU PRÁ TI… do Kleyton & Kledir.
    Depois de… mais uma derrota… vai uma paródia para os Federistas…

    Deu prá ti… Djoko mau… vou pra Basiléia… tchau

    Quando eu ando assim… meio down…
    Jogo um ATP500 e… bah… trilegal…

    Alô tchurma do blog do Dalcim
    Jogar contra o Djoko é ruim prá mim…

    Que saudades do … Roddickão…
    do Baghdatis e do Gonzalão…

    eh eh… eh eh…

    Poderia parodiar os outros versos…. paralela nos 30…. mas fica por aqui…
    eh… eh….

    Responder
  59. Valmir

    Com todo o respeito, Sr. Dalcim, mas a semi do US Open de 2011… que durou 3 horas e 52 minutos…
    Aquela partida do.. THE SHOT… em que Djoko saiu de 0x2…. para depois salvar 2 match points com saque contra… no quinto set
    É imbatível em emoções e adrenalina… além de ter sido em um Slam.

    Responder
  60. Valmir

    No histórico de Djokovic x Federer…. 3 partidas foram decididas no tiebreake.
    Djokovic ganhou as três.

    Em 19 partidas em que Djokovic ganhou o primeiro set de Federer, ele venceu 18.
    Federer só conseguiu… virar… uma partida contra Djoko… uma única vez… em 19 partidas.
    Assim… quando Djoko ganha o primeiro set de Federer… é vitória quase que certa.

    Já Djokovic conseguiu virar 7 partidas contra Federer, após perder o primeiro set.

    É… um desempenho desses contra um contemporâneo… são coisas de quem é o tal… goat… ou… melhor… ex-goat.

    Responder
  61. Kennys

    Dalcim, o Federer tem evoluído muito depois que se recuperou do problema da mão. Na sua opinião, o suíço tem como chegar ao nível do ano passado em 2019? No ATP Finals ele certamente entrará melhor do que em Xangai e em Cincinnati? Acredito que ele está com mais ritmo, terá uma semana pra descansar e tem tudo pra jogar bem Londres. Não querendo exagerar, qual a diferença de piso entre Paris e Londres, esse ano?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Apesar da derrota, certamente ele deverá ganhar confiança. Londres sempre foi tão lento como era Paris (hoje um pouco mais veloz).

      Responder
  62. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,

    Foi um grande jogo, porém, com todo respeito não acho que tenha sido o melhor confronto entre Fed x Djo. Pra mim, os jogos abaixo foram melhores:

    2007 USOpen F Fed 76 76 64 Djo
    2007 Masters Canada F Djo 76 26 76 Fed
    2008 AusOpen SF Djo 75 63 76 Fed
    2009 USOpen SF Fed 76 75 75 Djo
    2010 USOpen SF Djo 57 61 57 62 75 Fed
    2011 Roland Garros SF Fed 76 63 36 76 Djo
    2011 USOpen SF Djo 67 46 63 62 75 Fed
    2014 Wimbledon F Djo 67 64 76 57 64 Fed

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Dentro do Big-3, o confronto mais interessante ao meu ver é Djokovic x Federer. É o melhor.

      Claro que há quem possa prefirir Nadal x Federer ou Nadal x Djokovic.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Quanto a isso, não há o que discutir..

        Obviamente que tanto Federer x Djokovic, como FEDAL são muito mais empolgantes.

        Por um motivo simples:

        ESTILOS diferentes.

        Responder
      2. Marco

        Eu prefiro Djokovic x Nadal.

        Não é um jogo com tantas variantes, mas acredito que seja uma partida mais imprevisível qnt a resultado, mais intensa e etc.

        Responder
  63. Marcel azevedo

    Federer jogou muito bem, mas Dalcim vc ñ acha que o Federer era para ter batido o seu poderoso backhand mais cedo no jogo? ele demorou mto para se soltar e usar essa arma, ele fez isso nas ano passado nas vitórias em cima de Nadal em Indian Wells ( nas oitavas ), na final de Miami e Xangai tbm com o Nadal. Aquele backhand angulado pegando a bola de cima para baixo e cortando o tempo de reação do adversário, ou foi mérito do Djokovic em ñ dar a chance do Federer executar isso. enfim qual foi o fator determinante para Federer ñ conseguir executar isso ?

    forte abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Teríamos que perguntar a ele, mas acredito que foi uma questão de confiança mesmo. Como escrevi semanas atrás, ele precisa bater mais o backhand para ‘modernizar’ seu jogo.

      Responder
      1. Valmir

        Djokovic disse que foi uma das melhores…. não a melhor.

        As palavras dele na entrevista…
        … and definitely one of the best matches I’ve played against him in my career…

        Responder
  64. Alison Cordeiro

    Djoko gigante diante de um Federer empenhado em devolver as derrotas recentes. Um jogão digno do tamanho da rivalidade dos dois. No fim, Nole fez valer sua notável capacidade de manter a frieza diante do genial suíço nas horas importantes.

    Nole venceu seus maiores rivais de forma espetacular este ano, em dois jogos inesquecíveis. Não admirar as habilidades do sérvio é ignorar o óbvio: ele é tão genial quanto o Federer, a seu modo.

    Responder
  65. Rafael

    Mestre, que jogaço! Merecia um empate, se possivel. Federer mostrou que ainda tem lenha para queimar e Djoko provou ser o cara a ser batido. Que raça e força mental do Servio, não acha mestre? Acho que Djoko leva o caneco domingo e o Finals em Londres. Abraço

    Responder
  66. Chetnik

    Nada de novo no fronte. Todo mundo sabe que, com um Djokovic em forma no circuito, o Federer não ganha nada relevante. Mas não tem problema, ano que vem tem Basel novamente, kkkk.

    Parabéns ao Federer. Jogou como nunca e perdeu como sempre, kkkkk.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      (rs)

      Dá uma raiva!

      Mas que nível vem jogando o sérvio. O homem está “IMPARÁVEL” .

      Só um GÊNIO mesmo como o Federer, para sem ter 50% das pernas dele, chegar ainda tão perto…

      Com todo ao Nadal, mas acho que numa quadra rápida como essa de Paris, ele teria tomado um duplo 6/4, fácil.

      (de ambos).

      Responder
  67. Marcelo-Jacacity

    Ontem, Cilic jogou muito. Hoje, Federer jogou demais.
    Resultado: aos trancos, com resfriado, jogando razoavelmente bem, Djokovic chegou à final.
    Roger possui 37 anos? Deve ter no máximo 30 e olhe lá! Não demonstrou em nenhum momento da partida, qualquer cansaço, pelo contrário, estava voando, chegava bem em todas as bolas. Sempre voltava um slice venenoso, forehand cruzado. E dizem que Novak se defende bem, acho que não é só ele não.
    Mesmo assim o tenista da Basiléia, precisou evitar a quebra em doze oportunidades cedidas. Ok,teve muita sorte duas vezes. É do jogo! Mas o grande pecado foram dois erros bobos no tie-break do último set.
    Creio que Federer desperdiçou uma grande chance hoje.
    Djokovic, mesmo não estando nàquele dia, não perdoou.
    Sérvio na descisão contra o russo Kachanov que está em franca ascensão, o jogo promete ser bom, mas não terá o apelo do clássico de hoje.
    Fazer o quê: assim quis Nadal.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *