Mais um Djoko-Federer cheio de molho
Por José Nilton Dalcim
2 de novembro de 2018 às 19:35

Dois extraordinários jogadores sobre a quadra sintética, Novak Djokovic e Roger Federer voltam a se cruzar neste sábado. Se para Nole vale a ratificação do número 1 recém recuperado, para o suíço é a chance de mostrar que, livre da contusão na mão direita, ainda pode brigar pelos grandes títulos e, por consequência, vislumbrar a chance de tentar o 100º troféu.

Este será o 47º duelo entre eles, com vantagem de 24 a 22 para Djokovic, que venceu meses atrás em Cincinnati, piso também veloz, por duplo 6/4. O suíço não ganha desde a fase classificatória do Finals de 2015, portanto quase três anos, ainda que apenas três duelos tenham acontecido desde então (decisão do mesmo Finals e semi de Melbourne-2016, os outros).

Nos jogos desta sexta-feira, Djokovic esteve em apuros contra Marin Cilic e se deu bem por dois fatores claros: a cabeça muito mais forte e a capacidade de reagir sob pressão. O croata, depois de bom primeiro set em que conseguiu se manter ofensivo, desperdiçou 2/1 com saque na série decisiva na base de erros bobos e ainda teve um break-point crucial que lhe daria 4/3, mas aí reencontrou o contragolpe mortal de backhand na paralela.

Federer por sua vez demorou para fazer o serviço funcionar e viu Nishikori bem agressivo – outra vez até com saque-voleio -, mas quando o suíço encaixou o saque e calibrou o forehand a diferença ficou clara.

A outra semi é uma surpresa. Dominic Thiem sempre tem dificuldade quando o piso é mais veloz, porque precisa de  tempo adicional para executar seus golpes de base. Por isso, chegou a devolver 5 metros atrás da linha de base diante de Jack Sock. Deu certo.

O russo Karen Khachanov sacramenta sua meteórica ascensão técnica, atropelou Alexander Zverev e faz a segunda semi de Masters desde o Canadá, em agosto, quando era 38º do ranking. Agora já garantiu o 13º e subirá um posto por vitória que acontecer daqui em diante. Aos 22 anos, parece candidato sério ao top 10 já no começo de 2019. Ele e Thiem jamais se cruzaram.

Obviamente, Djokovic tem favoritismo sobre Federer e isso é resultado imediato de seu grande momento. São 21 vitórias consecutivas, todas sobre quadra dura. Mais do que isso, perdeu apenas um jogo desde que chegou a Wimbledon. Para ter chance, Federer precisará obviamente do saque, mas também de uma postura mais agressiva das devoluções e um grau de risco para executivas paralelas de backhand, o que pode abrir espaço para transição à rede.

Vote agora no ‘desafio’ para este outro grande momento do tênis em 2018. Valem prêmios!


Comentários
  1. Luiz Fabriciano

    Tenho duas considerações sobre esse jogo, e uma, quase velha: Roger Federer e 37 anos são desculpas prontas para serem usadas a qualquer momento. Mas ele não precisa, ele se basta; a segunda: no US Open de 2015, Federer teve um caminhão de break points e perdeu o jogo – disseram que perdera para si mesmo. Hoje Djokovic teve, digamos, uma camionete de break points. Não converteu nenhum, mas ganhou o jogo.

    Responder
    1. André Barcellos

      Tirar onda em cima de uma vitória suada desta? Não dá mesmo.
      Pra mim fica uma constatação: Federer melhorou, mais ainda está distante do suíço versão 2017.
      Pena que os dois não se pegaram lá no AO ou em outro torneio ano passado.

      Responder
  2. Joao M P De Faria

    Nunca vi tanto “SE” a favor do Federer. Novak não precisa de “SE”. Ele simplesmente ganha o jogo. Vamos ver “SE” o Federer depois desta derrota não inventa uma mão machucada, menosprezando aqueles que ganharam dele na quadra.

    Responder
  3. Luiz Fernando

    Grande jogo, bem mais equilibrado do q eu imaginava, mas no fim venceu o melhor, o q tem mais preparo fisico, o numero um Djoko. Não fosse o excepcional serviço de Federer, que conseguiu salvar todos os 12 breaks cedidos, creio q o servio venceria em 2 sets, mas acima de tudo a partida de hj demonstrou uma coisa: o cara está longe de ser invencível, tanto Federer quanto Rafa se estiverem bem, e hj o suíço esteve muito bem, podem vence-lo. Já não é o caso do nosso querido Khachanov, que deve ser um adversário bem menos complicado, embora sempre muito perigoso, pois serve bem e sua bola anda muito.

    Responder
  4. Jhonny

    Boa tarde dalcin estou voltando a comentar aqui depois de alguns anos (com raras excessoes).
    Que jogo de tenis eu que comecei a torcer pelo nole em 2011 pos australia opem que me rendeu uma raquete do seu site, leio com tristeza muitos torcedores do federer “aposenta-lo” pos uma fase ruim, estas duas semanas pelo menos pra mim mostrou que Federer pode tranquilamente jogar ate as olimpiadas de Toquio desde que saiba dosar seu calendario.
    Sobre nole esta parte do final do ano pelo que vejo sempre foi a fase mais dominante (pelo menos e o que parece) e tem tudo para entrar 2019 visando novamente o nole slan e quica o slan.
    Porem contudo e todavia federer hoje mostrou que bate de frente ainda e nadal dispensa comentarios torcer que wawrica murray voltem aos bons tempos que del potro continue sem lesoes e teriamos 6 excelentes tenistas brigando por grand slans em 2019.
    A nova geracao e boa porem sinceramente nao vejo ela ainda tirando um grand slan desdes 6.

    Responder
  5. André Barcellos

    Aos 37 e jogando mais ou menos Federer deu suadeira no número 1.
    Poderia ganhar se a cabeça não tivesse ido pro saco no tie break. Foram dois míseros erros, mas em momento crucial do jogo.
    Vergonha para o suíço por amarelar.
    Vergonha pra Djoko por tomar um quase sacode de um ancião. Deveria ganhar fácil…

    Responder
  6. Rafael

    Os dois fizeram um grande jogo, jogadas espetaculares, passadas magistrais, voleios e lances geniais, o saque de Djokovic definitivamente incorporado como MAIS uma arma do sérvio, extremamente eficiente, e ficam as considerações;

    Federer depende de um dia ruim de Djoko para voltar a ganhar dele. Hoje tivemos um excelente Federer, batendo até backhand flat – e ganhando pontos, fazendo o diabo, e não deu.

    Pq jogou contra alguém que hoje é o melhor jogador do circuito. Federer mostrou que é homem, enfrentou sem ser quebrado contra o melhor devolvedor da história do tênis, mas as coisas são como são, tentou o que era certo tentar, mas é isso aí. O melhor venceu.

    Parabéns a Federer por dar um suadouro tremendo no No. 1 do mundo e apresentar um jogo fantástico, aos 37 anos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade.

      E perdeu nos detalhes, viu.

      Porque teve set point no primeiro set, mas aí foi conservador demais naquele ponto, e o sérvio virou.

      Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    O Federer é sempre muito feliz quando encaixa bem o backhand batido na paralela…

    É uma bola MORTAL, que o Guga fazia muito bem.

    Ninguém pode com essa bola, se bem executada.

    Nem mesmo o Djokovic…

    Responder
  8. Renato

    Novak está ganhando, pois é muito superior fisicamente. Chega bem posicionado pra bater. Mas a diferença de categoria entre os dois é gritante a favor de Roger.

    Responder
  9. Sônia

    Dalcim, pensei que seria um atropelamento, pois do jeito que estão “engrandecendo” o sérvio (rsrsrs)… achava que iria trucidar o meu Lindinho, mas no momento 7/6 4/5. Incrível, aos 37 anos, uau uau uau… só TU, só TU meu PROFESSOR. Preciso sair, mas pelo que vi, dá pra acreditar num bom desempenho no finals. Beijos.

    Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    Uma coisa que me irrita profundamente, não só no Federer, mas em quase todos os tenistas que enfrentam o Djoko:

    Se eles estão com o ponto praticamente ganho, eles estupidamente tentam finalizar o ponto justamente no LADO do sérvio, na mão dele.

    O Federer fez isso o jogo todo até aqui.

    E em 90% dos casos se deu mal…

    Neste momento está 2 x 1 Federer nos egundos et.

    Vamos ver se ele pára de fazer isso, porque teimosia mata…

    Responder
  11. Paulo F.

    Muito bom poder ver Roger Federer jogando neste nível em pleno final de 2018.
    Jogará tranquilamente (assim espero) até as Olimpíadas de Tóquio.

    Responder
  12. Renato

    Acho difícil acontecer, mas se Federer jogar o seu melhor, vence o jogo. Por que? Porque é o melhor tenista da história. Simples assim.

    E o Khachanov tá jogando muito! Será que vai tomar a diantera da nova geração?

    Responder
  13. Luiz Fernando

    Khachanov venceu o primeiro set e creio q vencerá a partida, fazendo sua primeira final de um grande torneio. Como enfrentrará Djoko ou Federer, o vice será excelente p ele…

    Responder
  14. Flávio Barroso

    Acho que vai ser um jogão. Federer tá sacando super bem e tá sentindo muito a bolinha, sua direita tá muito boa. Têm chances de vencer desde que Novak jogue abaixo do seu padrão. Na torcida para o sérvio vencer mais esse Masters 1000 e igualar ao touro Moura.

    Responder
  15. Rodrigo S. Cruz

    Aonde estão agora os panacas e a ladainha de que o Federer perde na véspera, só para ” fugir” do Djokovic?

    Aliás, o Roger bem que poderia ganhar do Djoko amanhã, pra ver se diminui um pouco a arrogância desses caras…

    Tarefa das mais difíceis, mas…

    Responder
  16. Antonio Gabriel

    No atual momento, RF vai ter que manter o nivel la em cima e contar com dia irregular do Sérvio, caso contrário é Djoko na cabeça pois os dois a 100% sou mais Nole. Espero mais um grande jogo

    Responder
  17. SPIDER

    O Fedex está com muita vontade de faturar esse histórico centésimo título. Se jogar como jogou hoje tem chances reais de vencer. Estamos na torcida por mais esse feito do GOAT.

    Responder
  18. Jose Luis Bueno

    Dalcim, assim como os ex tenistas Richard Krajicek e Greg Rusedski ja disseram, o melhor Djokovic vence o melhor Federer. Se o Djokovic jogar bem, independente de o Federer jogar o seu melhor ou nao, ele vencera. Resumindo, a vitoria esta nas maos do Djokovic e, depende exclusivamente dele proprio. Minha opiniao: o Djokovic vencera amanha e, sera campeao do Masters 1000 de Paris, de tornando recordista em numero destes titulos, junto com Rafa Nadal.

    Responder
      1. Jose Luis Bueno

        Oi Sonia.
        Rusedski foi um tenista britanico que chegou ao numero 4 do ranking em 1997. Ele sacava a mais de 240 km/h. Atualmente ele e um comentarista de tenis muito conceituado.
        Krajicek foi um tenista holandes de muito sucesso. Ele venceu Wimbledon em 1996. Ele sacava e voleava muito bem. Atualmente ele e diretor do torneio de Roterdam.
        Ambos sao muito respeitados no mundo do tenis.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Na boa, Bueno. Ambos grandes Sacadores e freguêses dos nomes da Época. Hoje não seriam TOP 20. Ambos não tem credibilidade alguma. Pior o Holandês. Federer cansou de pular Roterdã , e o diretor do Torneio se morde… Esse teu papo de respeitados não deu rs Abs!

          Responder
  19. Marcel azevedo

    Dalcim lembro da final de Cincinnati em 2015, em que o Federer jogou demais e não deu chances ao Djokovic…tenho esse jogo. Se ele jogar dessa forma ele consegue ganhar.

    Responder
  20. Marcel azevedo

    Dalcim, Você acha que depois de hoje o Federer terá chance com o Djoko amanha? vc concorda que o saque do Djokovic é pior que a do Federer em termos de qualidades técnicas?

    Responder
  21. Gustavo M.

    Dalcim,

    estou tendo o privilégio de acompanhar ao vivo o torneio desde quarta-feira e irei amanhã também. Como leigo e pouco experiente em partidas ao vivo (é o terceiro torneio de altíssimo escalão que acompanho), não consigo avaliar a velocidade do piso e mesmo a avaliação acerca do desempenho dos jogadores curiosamente é menos acurada que pela TV.

    Porém, vi um Djokovic absurdamente apurado na devolução e nas trocas, de modo que senti o jogo todo que o Cilic não tinha solidez pra levar a partida, como de fato ocorreu. Ele parecia o tempo todo no limite e o Nole fazendo o que desde o início, de forma assustadora, faz: devolver tudo com profundidade, spin e velocidade. Além disso, o sérvio alegou estar acometido por uma gripe. Te pareceu que ele não está 100% mesmo? Ao vivo, o tetracampeão parecia um demônio!

    Forte abraco

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não achei que ele tenha jogado tão abaixo. Na verdade, acho que o Cilic jogou muito bem nos momentos em que conseguiu dominar a partida.

      Responder
  22. Sérgio Ribeiro

    Mantendo a tradição repetida à exaustão pelos “ experts “ , o Craque Suíço fugiu de novo de Novak Djokovic. Mas antes resolveu jogar o seu melhor Tênis nas rápidas ( bem acima das jogadas na Basiléia) e novamente não deu chances ao Samurai. Um vasto arsenal de golpes, com direito a mais uma penca de Voleios Geniais. Em contra-partida Novak mesmo não tão inspirado, mostrou que é amplo favorito numa quadra dura em 2018. Se dá ao luxo de nem ir mais pros Aces. Sabe que vai levar vantagem nas trocas , e ninguém defende mais que o Sérvio nesta superfície. A troca de direção das bolinhas é realizada com maestria. O Velhinho infelizmente vai ter que esperar mais um pouco para o centésimo. E o SuperEstimado consegue para desespero da turminha a terceira consecutiva ida ao FINALS junto com Sasha, como previmos. Mas acredito que o Russo faça a Final com o Sérvio. Abs!

    Responder
  23. Paolo Bolsonaro

    Djokovic IMPEDIU o tão sonhado 100° título do suíço.

    Fechou a porta na cara dele.

    Djokovic terminando o ano como número 1, até quem não gosta do sérvio vai ter que dar uma TRÉGUA.

    Eu tenho certeza absoluta disso.Abs!

    Responder
    1. Sônia

      Eu não tinha nada contra, mas depois que comecei a acompanhar os jogos dele e observar como trata sua equipe, os boleirinhos… peguei nojinho. Beijos.

      Responder
  24. Pedro

    Dalcim,

    Federer jogou bem hoje, e Djokovic foi vacilante em alguns momentos. O Cilic não soube aproveitar. Parece que o Cilic não sabia ficar na vantagem. Tem jogador assim, que só joga quando está atrás. Você acha que o mental do Djokovic ficou pior do que era antes ou está igual?

    Responder
  25. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Caso Federer ganhe o master de Paris seria o recorde de tenista mais velho a ganhar esse nível de torneio ou esse também já pertence a Federer?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é do Federer. Ele superou a marca de Agassi (34 anos) em Indian Wells do ano passado e depois ainda ganhou Miami e também Xangai, este já com 36 anos.

      Responder
  26. Leandro martins

    Um grande jogo,a quadra não está tão rápida ,o que favorece o sérvio ,mas se há um jogador que pode derrotar qualquer jogador em qualquer forma este sujeito se chama Federer!!Se manter o serviço calibrado e partir pra cima do sérvio e cortar os erros com bom percentual de primeiro serviço não há jogador que ganhe do suíço!!!Questão seja um grande jogo entre esses dois monstros ,quem ganha somos nós!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *