Djokovic à frente
Por José Nilton Dalcim
11 de outubro de 2018 às 13:11

Claro que não é possível comparar Marco Cecchinato na quadra dura com Roberto Bautista, mas as duas exibições já feitas em Xangai deixam claro que Novak Djokovic está nadando de braçadas, enquanto Roger Federer não achou ainda seu melhor tênis sequer sobre uma quadra decidamente rápida.

Diante de Jeremy Chardy e Cecchinato, o sérvio começou mais lento, como que ainda a procurar um ritmo comfortável, e aí mostrou não apenas um saque firme mas também determinação de ir à rede e ótima movimentação, sem falar é claro numa devolução tão apurada que o italiano – seu algoz em Roland Garros cinco meses atrás – levou uma surra impiedosa.

Na contramão, Federer fez apresentações firmes nos primeiros sets diante de Daniil Medvedev e Bautista, mas sofreu uma repentina e preocupante queda de intensidade. Irritado com seus erros e escolhas, correu risco real de derrota diante do espanhol. O suíço está determinado a ir muito à rede e repetiu a tática nos dois jogos, mas por vezes faltaram velocidade para chegar mais perto da rede ou calma na preparação da subida.

Curiosamente, os dois grandes favoritos em Xangai têm partidas exigentes nas quartas de final. Djokovic reencontra Kevin Anderson, que adora um piso rápido e provavelmente ganhou confiança com aquela vitória sobre Nole na Laver Cup, ainda que amistosa.

Federer terá pela frente Kei Nishikori, um adversário muto mais qualificado sobre a quadra dura do que os anteriores, que joga em cima da linha com capacidade tanto de defesa como de ataque. Os dois não se cruzam desde aquela espetacular batalha de cinco sets no Australian Open do ano passado.

A se lamentar a contusão no joelho de Juan Martin del Potro, sofrida ainda na metade do primeiro set diante de Borna Coric, o que tirou o argentino da briga imediata pelo número 2 e pode ter consequências ruins para os três últimos torneios que estavam no seu calendário (Basileia, Paris e Finals).

Detalhes
– Bruno Soares está na semi de Xangai e jogará o Finals pela 5ª vez na carreira, a 3ª ao lado de Jamie Murray.
– Nishikori já retomou o 11º lugar do ranking e será top 10 se for à final de Xangai.
– Coric, que tem sido outro jogador depois da cirurgia no joelho em setembro de 2016, garante o melhor ranking da carreira, com o 16º.
– Com mais uma vitória, Alexander Zverev estará matematicamente no Finals.


Comentários
  1. Rodrigo S. Cruz

    Assisti o jogo do primeiro ao ultimo ponto.

    E realmente não dá pra criticar muito o Federer, que tentou de tudo um pouco.

    O Coric foi quem não deu a menor chance!

    O croata foi muito sólido e sereno, e hoje não errou nada.

    Fosse no saque ou fosse da base, fez tudo com perfeição.

    Se jogar assim amanhã, até o Djokovic vai ter trabalho…

    Responder
  2. Mario César Rodrigues

    Federer a meu ver,está avariado,esgotado,descansa descansa e nada,hoje não teve apito amigo Roger,sem jogo de pernas,região lombar claramente afetada,sem paciência,Coric jogou certinho merece.se federer não está no fim está chegando lá,Amanhã se Coric jogar no mesmo nivel pode dificultar muito para Nole,e falando em Nole ele está jogando muito!

    Responder
    1. Marcos RJ

      MC e suas pérolas: “região lombar claramente afetada”.
      Muito além da sua habitual “sabedoria” agora descobrimos que ele também tem visão de raio-X. Incrível!

      Responder
  3. sandra

    Dalcim , essa quadra de Xangai é fechada? A de Paris também? e quais outras são fechadas, de masters 1000 e de atp 500?
    mais duas perguntas, digo treis rssss, Será que a troca de patrocínio pesa? Djokovic quando trocou não estava dando uma dentro, agora é o Federer. Voce reparou que ninguém acrditava na volta do Djokovic e ele voltou com tudo, nem eu acreditava e nem o comentarista rssss, será que o Stan volta? e o Murry?
    Tinha mais uma pergunta, mas fica para a pr´xima

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Xangai é aberta. A única dos Masters fechada é Paris. Não tem como mensurar a questão de patrocínio, mas não acredito nisso, a menos que haja uma cláusula muito específica sobre rendimento em quadra.

      Responder
  4. Luiz Fernando

    Num tipo de quadra q sempre lhe foi favorável Federer não conseguiu um mísero break frente a Coric. Acho q deu sorte ao não ter q enfrentar Djoko amanhã, provavelmente seria atropelado…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      E olha que não foi por falta de empenho…

      O Federer tentou de tudo.

      Eu vi claramente o esforço dele, até mesmo com trocas longas do fundo, coisa que ele detesta!

      Não deu mesmo.

      O Coric hoje esteve perfeito, tanto tática quanto tecnicamente…

      Responder
    2. Marcos RJ

      Federer realmente não esteve bem e certamente não venceria Djokovic numa eventual final. Mas vale comentar que mesmo que Nadal estivesse saudável em quadra, não teria passado nem das rodadas iniciais.

      Responder
  5. Pedro

    Dalcim, o Federer hoje sabe que não tem jogo para o Djokovic. Sendo assim, ele vendo que o sérvio vai jogar a final, ele prefere perder de antemão para o Coric do que piorar o H2H diante do Djokovic? Uma outra pergunta diz respeito as estatísticas do jogo. Os erros de primeiro saque não entram nas estatísticas de erros não forçados, mas os aces entram nos winners. Você não acha que um erro de primeiro saque seria um erro não forçado?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não existe essa possibilidade de entregar um jogo para não enfrentar alguém na rodada seguinte, Pedro. Quanto ao saque, não são considerados erros não forçados, apenas a dupla falta.

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Os caras do Big3 não precisam provar nada a ninguém, são todos jogadores consagrados, ícones do esporte. Por isso mesmo, nao tem cabimento insinuar q um perde p não enfrentar o outro.

      Responder
  6. Paulo F.

    Falando sério, Sérgio Ribeiro:
    É claro que Zverev é um dos que dominará o circuito – mas ainda levará um bom tempo – ainda mais do jeito que Djokovic vem demonstrando em seu retorno.
    Mas falta ao teuto-russo ainda melhorias em seu plano tático, como a variação dele, e principalmente o mental – seria ótimo que se espelhasse no próprio Djokovic e no Nadal neste quesito.
    Não precisa destruir raquete a cada break sofrido, isso não significa necessariamente a perda do set. Peca muito nisso o Sascha.
    Além dele, os que eu vejo um melhor futuro são o Coric (acho ele mais parecido com o Djokovic do que o Chung – o coreano me parece ter um físico muito propício a lesões) e o Tsitsipas. Shapovalov me decepcionou este ano com muita pouca evolução.

    Responder
  7. Paulo F.

    E aí Sérgio Ribeiro?
    Que tal a atuação do mimado Alex Danoninho, Zé Verev contra o tenista de segunda divisão (segundo o Renato)?
    Se Sasha é assim tão estupendo, tão sensacional, tão gênio – o placar foi um tanto quanto elástico, não?
    Abs!

    Responder
  8. José Eduardo Pessanha

    Danoninho Zverev sendo Danoninho Zverev. Depois desse massacre, nada melhor pro alemão do que afogar as mágoas com Yakult, Doritos e Chandelle.

    Responder
  9. Luiz Fernando

    Uma horinha, uma horinha kkkkk, foi o tempo necessário p Djoko atropelar o maior expoente da next gen numa semi de M1000. Vamos aguardar os comentários do papai q já deserdou o Dimitrov aqui no blog, será q vai abandonar outro “filho”? Agora entendi perfeitamente a expressão “entendido desesperado” kkkkkkkkkkkkk…

    Responder
  10. Flávio Barroso

    Que taca levou o alemão. Novak têm que pegar mais leve. Federer deve tá morrendo de medo agora. Capaz que vai entregar o jogo para o Coric pra evitar de levar uma surra do sérvio comedor de fígado kkkkk. Novak em forma fica sem adversários kkkkkk

    Responder
  11. José Eduardo Pessanha

    Craque Dalcim,
    O Felix acabou de vencer o Challenger de Tasquente. Como ele veio do quali, fez 8 jogos em 8 dias, com destaque para a vitória sobre o local Istomin, nas quartas, em sets diretos.
    Deve estar às portas de entrar no top 100, podendo se tornar o primeiro jogador nascido nos anos 2000 a conseguir tal feito.
    Abs

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      E pra completar a felicidade do rapaz, ele ainda terá boas chances de entrar no Next Gen Finais. Como o Zverev não deverá disputar esse torneio, Aliassime está na briga pela última vaga.
      Abs

      Responder
  12. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Pelo que jogaram até agora, numa eventual final de Federer a Djoko vc vê alguma chance do suíço? O Djoko parece uma parede, volta tudo. Além disso o saque melhorou, cada jogo que passa está melhor. Gostaria de ver o 100° ATP esse ano, mas pelo visto está difícil. O que acha mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como assim não tem chance? Você está falando de Federer, Ulisses. Num jogo desse tamanho, jamais o desconsidere. Imagino claro que Djoko tenha o favoritismo pelo momento, mas…

      Responder
    2. Roger Pacheco

      Exatamente. Pra ter chances primeiro tem que chegar a final. Os federetes que me desculpem, mas seu tenista parece não fazer questão de confrontar o Djokovic.

      Responder
  13. André Barcellos

    Federer deu um jeito de jogar bem e ganhar de um Nishikori em um bom dia.
    Mas o suíço tem tirado coelhos da cartola.
    Sua velocidade está muito ruim , assim como a recuperação, e ele vem chegando atrasado em quase todas as bolas, compensado na munheca.
    Impressionante.
    Hoje nem usou tanto a rede quanto nos dois jogos anteriores, não sei exatamente o motivo.
    Enfim, agora é torcer pra ele não ser tão inconstante e conseguir fazer uma boa semi e uma boa final.

    Responder
  14. Arthur

    Aquela partida na Laver Cup nunca me enganou, Dalcim.
    Foi só a partida valer alguma coisa para que o Djokovic trucidasse o pangaré do Anderson.
    Vamos ver agora se pelo menos o Zverev joga de igual pra igual com o sérvio.
    Porque o Federer, do jeito que vem jogando, também não será páreo pra ele.

    Um abraço.

    Responder
    1. Paulo F.

      Se o Djokovic fizer um jogo variado, com os voleios que praticou contra o KA, tendo que fazer o mongolão do Zé Zverev correr tendo que vir à rede buscar, vejo muitas dificuldades pro Bonecão de Olinda teuto-russo.

      Responder
  15. Marcelo-Jacacity

    Em tese há favoritismo para o Djoko e Federer nas semifinais, porém, Zé Verev é perigoso assim como o Coric.
    Grandes jogos nas simples e tomara que Melo e Kubot vençam o próximo jogo e façam a final contra Murray e Soares.

    Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Aí que você se engana, Paulo. O blogueiro já fez Posts em homenagem a Nextgen e seus integrantes. O Alemão mesmo sem ir bem em SLAM , se classificou facilmente para o FINALS graças ao seu imenso talento que ainda não foi totalmente lapidado por Ivan Lendl.. A opinião da Turminha que repete à exaustão até o apelido , e’ desespero. Ele é “ apenas “ DEZ anos mais jovem que Novak. No mínimo terá uma carreira semelhante à de GUGA. A conferir ! Abs !

        Responder
  16. Rodrigo S. Cruz

    A inconsistência patente do Federer, e a lesão do Nadal cristalizam um fato.

    Daqui pra frente, ninguém pára mais o Djokovic…

    Essa vitória relativamente fácil contra o Anderson (a décima sexta seguida) mostra isso.

    Mesmo com o “Professor Pardal” distribuindo pancadas e saques potentes, o Djoko terminou com aproveitamento de serviço superior…

    Não enxergo nem um ponto vulnerável sequer no jogo do sérvio.

    Está servindo quase tão bem quanto devolve, além daquele conhecido ANTI-TÊNIS que pratica.

    Ou seja, sempre obriga o adversário a bater mais uma até ele errar…

    Nunca neguei insatisfação com esse tipo de jogo.

    Sem contudo, a admissão de que é defeso dizer que não funcione…

    Hora vem e já chegou, em que os seus adversários vão precisar jogar próximo da perfeição, ou torcer por uma queda de nível do sérvio.

    Responder
  17. Pedro

    Dalcim,

    Ainda há espaço para o Federer se reinventar. Já é visível que a tática de pular alguns jogos não está sendo suficiente. Ele deverá tentar alguma modificação no jeito de jogar, arriscando mais winners, e abandonando um pouco o jogo defensivo. Assim poderá ainda ganhar alguns torneios. Ele tem ganhado jogos em detalhes, com jogadores que antes ele passeava.

    Responder
  18. Chetnik

    Quando é sério e pra valer o buraco é mais em baixo né, Anderson? Djokovic tá jogando muito. Ansioso para o jogo contra o Alex Danoninho.

    PS: Muito legal ver jogos nessas quadras mais rápidas.

    Responder
  19. Sérgio Ribeiro

    Nada de Anderson, Nishikori , Raonic , Del Potro e CIA . Federer , Djokovic e as 2 “ farsas Imberbes “ de 21 anos’ , para desespero dos “ entendidos “ . Detalhe : Sasha já bateu Novak e Coric já bateu Roger. Se Novak está sobrando , a Nextgen não tem nada com isso. Mais uma vez e’ comprovado que a quadra bem mais rápida em vez de beneficiar somente Sacadores , os obrigam a diminuir as entediantes passadas de bolinhas. Ver o Samurai mostrando seus também ótimos recursos na rede , foi bom demais. E a maior devolução da história ( não deu chances ao grande Sacador Anderson ) , se sente também a vontade com seu excepcional jogo de pernas. Este quesito hoje desequilibra demais num confronto com o Velinho de 37. O Craque elevou bastante o nível para alegria da galera. Respeito sempre os profissionais das transmissões, mas não entendo porque o Professor Pardal não leva uma chamada da direção da emissora. Longe de ser isento, a meu ver. Abs!

    Responder
    1. Alexandre G.

      Lola, aqui no Brasil só se conhece futebol, pois nossa mídia é amadora e oportunista. Poderiam mostrar mais matérias sobre tênis? DEVERIAM, afinal tivemos Guga, não?

      Responder
  20. Paulo F.

    Ajde Nole!
    Só te peço uma bela vitória contra Zverev!
    Uma coisa é ganhar Roma contra o Djokovic já demonstrando o declínio físico por lesão que viria a apresentar.
    Outra será enfrentá-lo no piso duro, retornando quase à plenitude de sua melhor forma e devolvendo saques de modo cada vez melhor!

    Responder
  21. Paulo F.

    Dalcim:
    Impressão minha ou em Xangai o Djokovic deu um belo “upgrade” no seu jogo de rede?
    Dos lances que vi dele, em seu confronto contra o Anderson, vi belos voleios.

    Responder
  22. Juninho Fonseca

    Dalcim..uma pergunta fora do tema……
    As estatísticas no circuito Challenger conta no circuito ATP??não neh??..digo..aces.. vitórias…derrotas..essas coisas..

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Se pensarmos no Federer do primeiro trimestre de 2017, piorou tudo. Não está tão confiante com o saque, parece um pouco mais parado de pernas, hoje errou uma infinidade de forehands fáceis… Mas é difícil saber o motivo. Claro que tem a idade, o calendário curto, mas me parece que há uma certa cobrança dele próprio sobre si, o que pode gerar ansiedade e falta de paciência com os erros.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É uma faca de dois gumes. Sem elas, ele não teria prazer (ou físico) para aguentar o calendário. Com elas, falta ritmo, principalmente em mudanças mais radicais de piso e bola. Então não vejo muita solução.

      Responder
  23. Flávio Barroso

    Federer depende muito do saque. Como não funcionou tão bem hoje, teve que tentar ir mais a rede já que no fundo de quadra ele não têm demonstrado muita consistência, por causa da sua fraca esquerda. Ponto positivo é que apesar do saque abaixo do esperado, ele conseguiu vencer dois jogos duros de atletas que jogaram super bem. Ele teve muita calma no final, aproveitando as chances que teve.
    Já Novak tá jogando com muita confiança, mesmo tendo ficado nervoso no início de partida, após desperdiçar várias chances de quebra. Teve um jogo firme, seguro, não dando a menor chance para o italiano. Agora têm um páreo duro, Kevin Anderson vêm jogando um bom tênis, tendo ótimo saque e golpes bem potentes e consistentes dos dois lados. Têm tudo para ser um jogo bastante disputado, como também será entre o suíço é Nishikori.

    Responder
    1. Marcos RJ

      Esquerda tão fraca que permitiu apenas 17 títulos de GS antes da troca da raquete, e depois mais 3 GS após adaptação à nova raquete com maior área que permitiu que o backhand ficasse mais agressivo. E para finalizar, boa parte das madeiradas em Xangai vieram do lado direito, muito mais pela ferrugem da falta de jogo e movimento por vezes atrasado. A consistência melhorou um pouco contra o japonês mas vamos ver o que acontece amanhã.

      Responder
  24. sandro mg

    Dalcim, boa tarde. Sobre o big 03: o unico que assume que quer se tornar novamente o numero 01 é o Djokovic. Vc acredita mesmo que isso não seja mais prioridade para o Nadal e Federer? E vc acha que Djoko tem gás ainda para tentar isso esse ano e o que vem?
    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Nadal leva sim isso em conta. E Federer, quando teve chance, foi lá e tentou. Então todos levam a sério. Djokovic a meu ver tem grande chance neste ano em função de não ter nada a defender neste segundo semestre e tenho certeza de que ele gostaria de permanecer lá em 2019, Sandro.

      Responder
  25. Sérgio Ribeiro

    Novak sobra na Turma. Está com os mesmos 31 que o Suíço tinha, quando venceu NOVE torneios entre novembro/2011 e Agosto/2012 e retomou o N 1 em cima do próprio Sérvio. A diferença e’ que o Big Four + Wawrinka estava na ponta dos cascos. Sem Rafa Nadal e o Craque tomando sufoco até mesmo em quadra rápida ( quem diria ), não há limites para Novak Djokovic. Novos recordes de MASTERS 1000, FINALS, e o retorno ao N 1 parece pule de 10. Como dizia Pete Sampras, a gasolina do Suíço parece já estar na reserva. Novak não tem nada com isso e está pronto para as conquistas. A conferir . Abs!

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Só lembrando que nesse período que você citou aí, época dos 09 títulos, Federer estava com 30 anos em 8 deles, tendo vencido apenas Cincinnati após completado 31 no mês de agosto de 2012. Já Novak começou sua arrancada com quase 31 anos e 2 meses, ao vencer Wimbledon. Hoje Djokovic tem cerca de 31 anos e 5 meses, e nessa mesma idade, Roger enfrentava a famigerada temporada de 2013…

      Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    O Federer está parecendo político quebrador de promessas…

    Quando pulou Roland Garros neste ano, deu a sua palavra de que jogaria lá, ano que vem.

    Agora, e ainda faltando uns 8 meses pro evento, já começa a PAVIMENTAR desculpas, dizendo que não sabe se jogará.

    Já não vimos esse filme antes?

    Responder
    1. Arthur

      Meu palpite é que só voltaremos a ver o Federer jogando RG – se jogar – numa eventual temporada de despedida, Rodrigo.
      Algo que, a meu ver, vai acontecer em 2020, no ano dos Jogos Olímpicos do Japão.
      É uma pena, porque eu sempre achei que um dos poucos grandes desafios ainda existentes na carreira do Federer era bater o Nadal em RG.
      Pelo visto, nunca veremos…

      Um abraço.

      Responder
  27. Paulo Vinícius

    Federer ganhou de Medvedev, ele era parada dura. Acredito que mais do que Bautista, e mais do que ambos os oponentes de Djokovic. Pessoal ta falando que Federer ta com problemas de idade, realmente parece, mas também devemos ver os oponentes, eles são problemas.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Nadal sempre me pareceu um cara bacana e pé no chão, que ama sua Maiorca natal. Gosto muito das suas atitudes fora de quadra e de muitas das suas declarações fora do tênis…Assim como Federer e Novak. Claro que não sabemos até que ponto isso é treinamento em relações públicas, mas, pelo que acompanho, acho 3 grandes exemplos de cidadãos. Poucos desportistas no mundo tem a conduta que esses caras tem.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *