Cinco cidades se candidatam para Davis no Brasil
Por José Nilton Dalcim
8 de outubro de 2018 às 14:28

Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte, Uberlândia e Florianópolis são as cinco cidades que manifestaram desejo de sediar o duelo entre Brasil e Bélgica pela fase classificatória da nova Copa Davis, no primeiro final de semana de fevereiro.

Segundo Rafael Westrupp, presidente da Confederação Brasileira, as propostas estão sendo avaliadas, mas a definição poderá acontecer somente no final de outubro, já que a Federação Internacional decidiu dar maior flexibilidade aos países mandantes.

Obviamente, Fortaleza e Salvador colocarão os belgas sob o fortíssimo sol de verão nordestino. O clima pode estar um pouco mais ameno em Florianópolis. Esses três locais são ao nível do mar e, com a umidade natural, deixam as condições mais lentas.

As postulantes mineiras, ao contrário, estão a mais de 850 metros do nível médio do mar, bem parecido com São Paulo, e isso dá maior velocidade ao jogo. Uberlândia, que também costuma ser bem quente no verão, tem sediado vários eventos da CBT e me parece uma das mais fortes candidatas.

Curiosamente, no entanto, Westrupp garante que a comissão técnica ainda não bateu o martelo que o piso será o saibro, talvez porque a terra também seja a superfície predileta do número 1 belga David Goffin. Mas se as chances brasileiras residem em vencer o número 2 visitante e a dupla, então nem dá para imaginar outra coisa que não seja o saibro.

A nova Copa Davis realizará em fevereiro a fase classificatória, com 24 países se enfrentando dois a dois, e os vencedores avançam para a milionária fase final de Madri, em novembro, composta por 18 países. Embora a Federação Internacional não tenha frisado, o fato de acontecer na ‘Caja Magica’ faz supor que os duelos serão no saibro coberto.

Esses confrontos classificatórios serão disputados em melhor de três sets e apenas em dois dias, sendo duas simples no sábado e duplas e mais duas simples no domingo. Cada país pode convocar cinco jogadores. O prazo para definir os times continua o mesmo: 10 dias anteriores à competição, o que provavelmente vai adiar a convocação para a primeira semana do Australian Open.

Surpresas antes de Xangai
Dois campeões inesperados nos ATP 500 prévios a Xangai. Daniil Medvedev ganhou Tóquio em cima de Kei Nishikori, que amarga oito vices seguidos desde fevereiro de 2016. O russo de 22 anos tem tudo para terminar o ano no top 20. Notável também a campanha de Nikoloz Basilashvili em Pequim, ainda que tenha se aproveitado de um debilitado Juan Martin del Potro na final.

Isso leva a conclusões importantes: com a ausência de John Isner em Xangai, apenas Nishikori ainda tem chance de brigar por vaga no Finals durante esta semana. O norte-americano vai tentar uma esticada decisiva em Estocolmo, Viena e Paris, mas está no momento 600 pontos atrás de Dominic Thiem e Kevin Anderson. O japonês vem 100 pontos mais distante de Isner. Marin Cilic deve se garantir nesta semana, desde que não perca na estreia.

Xangai assiste à briga tríplice pela vice-liderança do ranking. Roger Federer defende o título e só pode permanecer com os mesmos 6.900 pontos. Novak Djokovic precisa ir à final para assumir o posto sem depender do suíço. E Del Potro corre por fora, mas necessita não apenas do troféu mas também da queda de Djoko até as quartas.

E mais. Se for campeão, Djokovic sairá de Xangai apenas 215 atrás de Nadal no ranking tradicional. Caso dê Federer, o suíço estará a 760 do espanhol. E se for Delpo, 890. Ou seja, com um ATP 500 a disputar antes de Paris, qualquer um dos três pode desafiar o espanhol em Bercy.


Comentários
  1. Jose Alves Ramos

    Nole é um fenômeno. Será futuramente reconhecido como o maior tenista de todos os tempos, pois, os números dirão, Quem viver verá!

    Responder
  2. Mario César Rodrigues

    Aposto que Federer estava a meu ver com dor lombar,jogo de pernas péssimo,pressa para terminar logo o jogo,agora o Coric jogou bem firme.e amanhã espero um bom jogo.O Nole tá jogando muito!e um aviso não teve o apito amigo para o Federer neste jogo todos sabem o que digo.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    Com esse saque instável, e erros em profusão, o Federer não ganhará do Nishikori.

    Muito menos do Djokovic…

    Precisa elevar o nível, urgente.

    Responder
  4. joao paulo pereira sandin

    Dalcim sera mesmo que a Nova Davis vai ficar mais esvaziada ainda dos tops? Zverev ja disse que não jogara e que muitos tops pensam como ele, sera um tiro no pé da itf?

    Responder
  5. Fonseca

    A verdade é que o ranking de simples, se n]ao tivesse os três monstros, hoje estaria o samba do crioulo doido, como era na época do Guga, Rios, Rafter, Moya, Ferrero, Hewitt, Roddick, Safin, Thomas Johansson, Corretja, etc… Ninguém dominante, ninguém capaz de ficar ganhando 80% das partidas durante anos seguidos…

    Responder
  6. DANIEL DE FIGUEIREDO TOLEDO

    Dalcim, como funciona numericamente a distribuição das 128 vagas num Major relativamente a wildcards e qualifying?
    Por exemplo, 112 vagas para o top 112 salvo contusão, 8 convites e 8 vindos do qualy.
    Há regras ou fica a critério de cada Slam?
    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Basicamente, 104 diretos pelo ranking, 16 qualificados e oito convidados. Mas os Slam podem mudar isso. Wimbledon por exemplo abriu mão de quatro convites e chamou 108 diretos neste ano. Já o quali feminino oferece 12 e não 16, exceto nos EUA.

      Responder
  7. Sérgio Ribeiro

    Escapou , legal. E bota legal nisso ! Para alegria geral do Blog , se o Nextgen MEDVEDEV não virar TOP 10 no próximo ano , me aposento junto com o Craque Suíço. Ia ser quebrado em 3 x 4 no Terceiro Set , quando no velho e bom estilo Pistol Pete Sampras, meteu a Cara na rede no segundo Serviço e desnorteou o Russo. Já era o Plano C . A seguir os costumeiros coelhos começaram a sair da Cartola, para vibração da Galera e desespero do 15 anos mais jovem talentoso tenista. Ljubicic nem piscava. Chega atrasado em varias bolinhas , mas e daí ? Pode assustar o Sérvio numa possível Final ? Com plano A,B, C … Da’ pra brincar … rsrsrs Abs!

    Responder
    1. Marcos RJ

      Infelizmente não acredito numa vitória contra o Sérvio, mantido o status quo. Djokovic recobrou aquela velha confiança irracional e para superar isso o goat vai precisar do lado A

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Gasquet era um jogador de grande potencial, louvado como se faz na atualidade com a nextgen, o qual foi exacerbado e comentado quando venceu Federer em plena forma em MC, não me lembro em qual ano. Me lembro q o Larri Passos, na época, inclusive comentou q seria um sonho treina-lo, tal a perspectiva de sucesso do cara. No entanto, ele enveredou por caminhos tortuosos, embalado no dinheiro ganho a rodo e aí sua carreira se perdeu completamente. O segundo set da partida de hj, que tive a oportunidade de assistir em parte, demonstrou isso de forma cabal: 4 setpoints com o Delpo se arrastando e… a derrota. Caso perdido…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Não custa nada uma entradinha no Site da ATP ou Tênis Brasil, L.F. O brilhante comentarista pode se surpreender com o número de Torneios vencidos pela Nextgen. Deixando de fora jogadores acima dos 24 anos, tipo Thiem e sua Final de SLAM. Abs!

      Responder
      1. Gabi

        Sérgio,

        nao acredito que o brilhante comentarista tem passado a madrugada dormindo em vez de assistir aos jogos do master 1000 de Shanghai e vir aqui comentar! Tsc tsc tsc. Já foi melhor hein…rs

        Responder
      2. Luiz Fernando

        É mesmo? Quantos GS eles tem? Ou mesmo quantas finais de GS eles tem? Além do Zverev, q é absolutamente instável, quem venceu M1000? Torneios corriqueiros, nos quais, os principais jogadores em geral não vão, até o Bello numa semana inspirada tem capacidade de vencer. Quanto ao seu reconhecimento q sou um comentarista brilhante, eu modestamente sei q não sou; já vc, que se considera como tal, precisaria ter a mesma sensatez, mas pedir isso a vc seria como acreditar no papai noel kkk. Grande abraço e bom feriado!

        Responder
  9. Marcelo-Jacacity

    Vi o final do jogo do Djokovic, gostei. Foi o que a MLB me permitiu.
    E hoje mais um jogão torcendo para os meias-de-barro e como vou dormir tarde, acho que conseguirei ver no tênis, apenas, o confronto entre Fed x Med.
    Na madrugada, nem pensar.

    Obs. O Thiem não embala mesmo…

    Responder
  10. EU

    Hehehe….GURI…..zovski….num fica inssima du muru naum imi respondi qual cidadi tu iscolheria levandu inconta somenti a beleza….visse….hehehe

    Responder
  11. Marcelo Bragatto

    Mestre…

    Na sua opinião, qual seria a melhor Sede para os jogos da Davis? O Thomaz sofre mais com o calor do que europeus. Parece-me que o Thiago gosta mais de saibro mais veloz. Rogerinho não deve mais jogar depois daquele mal estar com o João Zwetsch. Ganhamos uma vez da Espanha em SP e perdemos dos Croatas em Floripa, recentemente.

    Forte Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como tenho dito, a questão que mais conta aí é a econômica. A cidade que fizer a melhor oferta, leva. Aí o capitão terá de se adaptar. Neste exato momento, só o Thiago Monteiro teria vaga no time, já que Bellucci está muito mal e sem confiança e Rogerinho não afirmou taxativamente que reconsidera voltar ao time (embora eu ache que sim). Então, pensando no Thiago, pode ser um saibro mais lento, já que ele nasceu em Fortaleza e treinou muito tempo no Rio.

      Responder
  12. Luiz Fernando

    E o georgiano NB continua demonstrando seu bom momento, explicando a dificuldade q impôs a Rafa no USO. Hj atropelou o Shapovalov, o q me parece um retrato do momento da nextgen: muito potencial, resultados parcos e inconsistência.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Resultados parcos ? Nishioka e Medvedev desbancaram antigos TOPs 10. Cilic em seu piso predileto teve MatchPoint e perdeu pra o jovem saibrista Chileno. Foi Semi ano passado. Federer e Novak que não abram os olhos. Não respeitam mais ninguém. A geração não e’ apenas Zverev , Kyrgios e Shapovalov. Ao menos a meu ver. Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Se vitorias isoladas forem resultados relevantes vc esta correto, já eu valorizo títulos, que é realmente o q conta, e esses são bem parcos, quer vc queira quer não…

        Responder
  13. sandra

    Dalcim, um tempo de eleição, independente de quem é o cabeça de chave nesses torneios, seja Nadal, Federer ou Djokovic, existe alguma explicação para todo cabeça de chave sempre pegar pior chave que o cabeça 2, para ser sincero só o Nadal pega chaves piores, mesmo sendo o número um

    Responder
  14. Flávio Barroso

    Como eu havia falado esse Basilashvili vêm jogando muito. Ele atropelou o Shapovalov 6/2 6/2. Se continuar nesse nível vai crescer muito ainda no circuito. Acho que a tendência é essa, atletas altos, com bom saque e golpes pesados do fundo tanto de direita quanto de esquerda.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Essa tendência não é de hj, já vem de muitos anos… Mas os fora de série conseguem competir contra esses superatletas e derrotá-los, com mais recursos, talento e improviso, caso óbvio do Federer.

      Responder
  15. Flávio Barroso

    Se o Medvedev jogar o que vêm jogando, Federer têm grandes chances de se despedir precocemente do torneio chinês. Dalcim, esse Basilashvili vêm jogando muito esse ano, já venceu 2 torneios é deu muito trabalho para Rafael Nadal no US OPEN. Achei o tênis dele bastante ofencivo e consistente. Bonito de se ver. O que achou da evolução tecnica dele nesse final de ano? Tanto ele como o Medvedev têm grandes chances de terminar 2018 no Top 20.

    Responder
  16. Luiz Fernando

    Creio q o Brasil deve escolher o local mais quente, talvez Salvador nessa época, e optar pelo saibro. Isso atrapalharia os adversários, q vem de um clima frio, se bem q Bello, Monteiro e cia limitada também vão nos atrapalhar, e muito…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Você se refere ao Wu? Se sim, ele nem é mais juvenil, vai fazer 19 anos daqui poucos dias. Quem lidera o ranking é o taiwanês Chun Hsin Tseng, que aliás perdeu do Wild no US Open. Mas falando do Wu, ele ainda precisa de muita estrada, tanto que não tem resultados tão relevantes assim (ganhou hoje de outro convidado da casa). Tecnicamente, tem boa variação de golpes, o que é um bom caminho. Abs!

      Responder
  17. Renato

    Novak é o favorito!

    Espero estar enganado, mas não vejo grande futuro para Federer no torneio. O suíço parece estar um pouco desleixado, o que é normal para um cara que ganhou tudo que ganhou, 37 anos e provavelmente querendo curtir mais a vida.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *