Show da garotada
Por José Nilton Dalcim
5 de agosto de 2018 às 19:33

No momento em que o Big 4 tenta se recompor, Washington caiu como uma luva para o tênis masculino. Comandados pelo ‘veterano’ de 21 anos Alexander Zverev, a garotada aproveitou o espaço para mostrar um tênis de enorme qualidade, o que deixa perspectiva ainda mais animadora para os Masters e o Grand Slam de quadra sintética que se seguirão.

Apesar de ainda não ter mostrado seu potencial nos Grand Slam, algo que incomoda sem dúvida, Zverev se fixa como um dos grandes do circuito. Com três títulos em dois pisos distintos na temporada, e três finais e uma nova conquista de Masters, o alemão é o líder no número de vitórias em 2018, agora com 41.

O feito mais importante desta semana de atuações convincentes em Washington, no entanto, é o fato de ele assumir o segundo posto no ranking que considera a pontuação desde janeiro, deixando para trás Roger Federer por 75 pontos.

Isso significa que Zverev tem chance real de brigar pelo número 1 da temporada com Rafael Nadal, ainda que a distância de momento seja de 1.675 pontos. Com Toronto, Cincinnati e US Open pela frente, que colocam 4.000 em disputa, existe a oportunidade de Zverev reduzir essa distância desde é claro que faça campanhas superiores às do espanhol.

Aliás, se olharmos o ranking da temporada deste momento, nada menos que 10 dos top 30 têm menos de 25 anos. E estamos falando de uma moçada com tênis de gente grande, como o enorme talento de Nick Kyrgios, Lucas Pouille e Stefanos Tsitsipas; a pegada forte de Zverev, Dominic Thiem, Kyle Edmund e Karen Khachanov; o espírito brigador de Hyeon Chung, Borna Coric e Alex de Minaur. Bem pertinho aparecem também Denis Shapovalov, Nicolas Jarry e Frances Tiafoe. Não fosse a parada por três meses devido a contusão, Andrey Rublev também estaria nesse grupo. E observem: estilos para todos os gostos.

Mais do que números e classificações, o que dá alívio mesmo é ver o patamar técnico desses garotos. De Minaur e Rublev deram um espetáculo incrível no sábado à noite, batendo na bola com coragem e precisão. Mostraram sangue frio e enorme determinação, grande variedade de golpes e táticas. Ao final de quase 3 horas de batalha intensa, abraçaram-se respeitosamente – como haviam feito horas antes Zverev e Tsitsipas -, certos de que haverá muito duelos de importância em futuro provavelmente próximo.

Eu fico cada vez mais otimista com o tênis pós-Big 4.


Comentários
  1. Rodrigo S. Cruz

    E o Tsitsipas deu um BAILE no Djokovic hoje.

    Além de mostrar uma postura muito madura para a idade, ele tem um belo tênis…

    Sou muito mais ele do que o Zverev.

    Responder
  2. CAIO CESAR DE PAULA

    Dalcim, ao ver o seu post, só posso acreditar q vc tem uma bola de cristal kkkkk
    Brincadeiras à parte, vc manja demais de tênis … Incrível!!!!
    Eu nunca vi um jogo sequer do grego, fiquei um bom tempo sem tv em casa e a internet é péssima onde estou morando, mas o que me impressionou nesse garoto foi uma entrevista que ele deu. Sabe quando vc sente que o cara sabe o que quer e acredita realmente nisso? Achei fantástica a postura dele, confiança sem arrogância, tudo com enorme naturalidade. Jeito de vencedor!!!
    Como confio na sua análise ao falar do talento dele, acho que não vai demorar pra esse cara estourar de vez.
    Vc tem essa impressão tbm??

    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele já estourou, Caio. Claro que precisará mostrar valor quando vier a fase de defender resultados, jogar só torneios muito grandes. Mas ele me parece talhado para tentar coisas importantes no tênis, é muito completo e joga bem em qualquer piso.

      Responder
  3. José Eduardo Pessanha

    Estou começando a achar que o Tsitsipas vai nadar de braçadas nesse circuito. Será mais jogador do que o Zverev com certeza.
    Abs

    Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    Eu li direito?

    O Fognini vai ser punido por duas EDIÇÕES SEGUIDAS fora do US Open? (2017, 2018)

    Isso está 100% confirmado?

    Responder
  5. juan carlos

    Não entendi por que vc coloca o Shapovalov “pertinho” dos outros citados. Pelo ranking não é, ele é 26º. Vc citou o Khachanov na frente dele (38º), Edmund (49º) e ele é mais novo que os 2.
    Não bota tanta fé no garoto, Dalcim? Abç.

    Responder
  6. Rafael

    O dia em que a Nike “roubou” minha ideia:

    Certa vez, quando eu morava na Aclimação, patrocinei um curso de inglês para minha esposa (hoje ex) numa escolinha perto de casa. Acho que era uma época de copa do mundo e a tal escolinha distribuiu, de brinde, umas camisetas amarelas pra lá de vagabundas, que tinham a inscrição:

    “Soccer is a little box full of surprises.”

    achei aquilo ridículo e forçado, uma versão literal do massacrado clichê “Futebol é uma caixinha de surpresas”.

    sempre quis ser publicitário, mais especificamente, da área de criação. os caminhos da vida, no entanto, me levaram para a tradução e interpretação.

    cheguei a passar duas vezes no vestibular da ESPM, uma em 22o. e outra em 36o. Cursei um mês numa e, na outra, nem fui.

    bom, pensei e pensei, por passatempo, em como aquela frase podia ser melhorada.

    não podia, tinha que ser substituída 100%.

    que frase poderia expressar as imprevisibilidades do futebol?

    de repente, veio – expect the unexpected. parabenizei a mim mesmo e fiquei melancólico, imaginando como poderia ter sido bem sucedido na minha paixão, se houvesse sido possível segui-la.

    Alguns dias depois, saindo de casa de carro e descendo uma rua próxima, parei em um farol vermelho, de onde via um daqueles relógios de rua que também indicam a temperatura, aqueles totens. Nesses espaços, algumas marcas fazem publicidade. Para minha surpresa, a Nike estava lançando um modelo de tênis, acho, e, abaixo da imagem do tênis, estava a frase: “Expect the unexpected”.

    Fiquei passado. Depois, comentando o caso com uma pessoa de grande sabedoria, perguntei oaquilo era possível, e essa pessoa me explicou que no mundo, em um mesmo dia, havia uma porcentagem x (bem alta) de um grande número de pessoas (não lembro) ter EXATAMENTE a mesma ideia, todos os dias.

    Só fiquei imaginando que eu poderia estar no lugar da pessoa que teve essa ideia na agência de publicidade, ao invés de tê-la no interior do meu cafofo, sozinho.

    Agora, a história tem a chance de corrigir essa injustiça.

    Como a frase se aplica sem tirar nem por a Roger Federer, candidatei-me ao concurso do Dalcim.

    aguardo meu dia de glória e reconhecimento, além do telefonema de congratulações do Washington Olivetto.

    Na confirmação da minha vitória, no concurso, darei uma coletiva em Cannes, onde declararei que doarei as bolas do Federer para o pessoal que dá aulas de tênis grátis lá no Pacaembu, Imagine a alegria dos garotos.

    Outro dia conto sobre o dia em que conheci o “filho” do Gael Monfils por lá.

    Abs

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Da mesma forma q achei errado privilegiarem Federer jogando na quadra coberta por todo W2017 em detrimento dos demais, expostos aos atrasos da chuva etc, também acho um erro privilegiarem Nadal nas sessões noturnas de Toronto, horário bem menos desgastante em razão do calor dessa época. O Djoko, pex, vai fazer hj a terceira partida seguida a tarde, e ele é um nome do mesmo porte do Rafa.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas isso é de certa forma natural, Luiz. Como o tenista sai tarde da quadra, ele não pode jogar cedo no dia seguinte. Então é quase uma norma o tenista que joga à noite continuar assim.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Putz vi agora q o Aliassime perdeu e me decepcionei, assisti até metade do segundo set e o achei sólido em todos os fundamentos, algo raro p um jogador tão jovem. Por outro lado, o Medvedev está absolutamente tenso e intranquilo, mas a maior experiencia deve ter pesado no final. Ontem o Dalcim chamou o rapaz de “prodígio” canadense na chamada do texto da transmissão pelo site, me pareceu ser isso mesmo.

    Responder
  9. Miguel BsB

    Stanimal ganhando na raça, 2 seguidas de virada. Uns anos atrás, quando ele começava assim, costumava crescer progressivamente no torneio e bater campeão. Mas é visível que ainda tá com problemas físicos, então difícil acreditar… O teste de fogo vem agora contra Rafa,que vacilou demais no segundo set contra o Paire. Pareceu WTA com uma sequência incomum de várias quebras seguidas…

    Responder
  10. Gabi

    1. Auger-Aliassime nasceu em 2000…pqp, to ficando muito velha.

    2. Dalcim, por que o Fognini não poderá jogar no US Open?
    Muito obrigada.

    Responder
  11. Gabi

    A maioria dos juizes de cadeira é muito gordo.
    Pelo visto, não ficam sentados e apenas cantando o placar só durante os jogos; o tempo todo ficam parados.

    Responder
  12. Miguel BsB

    Muito se discute quem tem o melhor forehand da atualidade. Federer, Nadal, Delpo…
    Mas o pior acho que ninguém tira do Paire. Pífio! Não anda nada, sem potência, inconstante. Consegue ser pior do que o do Gasquet, seu compatriota francês.

    Responder
  13. Luiz Fernando

    Segundo set dos mais medíocres do Rafa, cedendo quebras seguidas quando tinha vantagem, e o pior q com erros bisonhos do FH. Vai ter q melhorar muito p seguir em frente. Destaque da sua performance: adaptar-se bem a regra do relógio kkk.

    Responder
  14. Miguel BsB

    http://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/60848/Kyrgios-quase-nao-abre-a-boca-em-entrevista-coletiva/

    Tá aí pq esse cara é intragável e um dos poucos que eu torço contra… Atitude de moleque mimado… Joga demais, tem umas jogadas que só ele faz, um dos melhores saques do circuito, tanto primeiro quanto segundo, mas é um boçal… Nunca ganhou nada pra ter essa marra. Se eu fosse patrocinador, não gostaria de ter minha marca associada a esse camarada.

    Responder
  15. Luiz Fernando

    Algumas observações de Toronto: 1) será q o Raonic se juntou ao Delpo e ao Kyrgios nas contusões? Venceu o segundo set c segurança e desapareceu no terceiro. Se for o caso, é outro q se contunde torneio sim torneio não; 2) que performance espetacular do Shapovalov, ao invés da pressão de jogar em casa ele parece q se motiva ainda mais diante do seu público. E q BH cruzado incrível q ele tem, pena q isso surge tão esporadicamente. Se ele e Rafa forem vencendo farão uma semi das mais interessantes sábado. E o Fognini, vencia por 40 o segundo set e levou uma virada típica do Bello; 3) embora não tenha sido transmitido, o grego passou pelo Thiem, q aparentemente tem seu jogo restrito ao saibro. Esse grego vai longe… 4) por fim, estava curioso p ver como Rafa se viraria com o relógio e como eu sempre disse aqui, se portou como os demais, dentro do tempo limite, ao menos no primeiro set. Isso apenas demonstra q se os juízes bundões sempre tivessem coibido seus abusos, a enrolação p sacar teria terminado há muito…

    Responder
  16. João ando

    Shuai peng ofereceu dinheiro para sua parceira não jogar. …e isso mesmo?se estivesse no top como profissional e acontecesse isso dava um soco na cara do meu parceiro e nunca olharia na cara dele…

    Responder
  17. Gabi

    Depois que os comentários provocativos de parte à parte diminuíram, o número de posts tb caiu!
    To achando que é de treta que o pessoal gosta rsrs..

    Responder
  18. José Eduardo Pessanha

    Galera, não sei por que o Thiem tem tanto cartaz aqui no blog. Vez ou outra alguém vem aqui dizer que ele irá dominar RG por anos. Vem surgindo jogadores novos, bem melhores do que ele.
    Abs
    Obs: o citado está perdendo pro Tsitsipas. Alguma novidade? Rs

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Qual a novidade de Thiem perder nas Duras pra alguém membro da ” Farsa” Nextgen segundo o talentosíssimo Fábio Fognini , nobre Pessanha ? O Italiano chegará sem dúvidas a TOP 4 e participará 3 vezes consecutivas do FINALS junto com o Grande Verdasco. Dominic foi o único a bater o Rei do Saibro em 2018 e fez Final com o próprio em Rolanga. Lá o Italiano disse que além de ” Farsa” , a Nextgen ocupava quadras principais com Shapovalov. Fez apenas 6 Winners e tomou uma surra do jovem Canadense em Sets diretos. Na boa, alguém precisa rever rápido os seus conceitos rs ABS !

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Ué, mas você mesmo cansa de falar que ele foi campeão em todos os pisos. rs. Desse jogador eu não tenho dúvidas: nunca vencerá um Grand Slam.
        Abs

        Responder
  19. Mike

    Del potro desistiu mais uma vez por causa do punho, ao meu ver, com certeza senão tivesse se lesionado tanto acima do normal( todo tenista se lesiona), ele seria quem sucederia o Big 4 por um tempo como número 1,pois ele foi a ultima remessa(junto com o big4) da geração que tem um mental acima da média, mas as lesões não o permitem ter a consistencia necessária pra somar pontos e conseguir tal façanha, lembremos que ele em 2009 conseguiu ganhar seu grand slam ( contra federer) e primeiro que o murray, que este aquela altura ja era favorito pra fazer frente ao Big 3, depois em 2010 vieram os problemas com o punho e desde de então consegue ter apenas lampejos em torneio ou outro, mas nunca uma temporada completa. Essa propria desistencia de hoje o barrou novamente de galgar o número 3 pela primeira vez, ainda que dê para fazer pelo resto do ano. Del potro é o típico caso de que as lesões não o permitiram fazer frente ao BIG4 de maneira mais regular, porque tênis e mental pra isso ele tinha/tem.

    Responder
  20. Gabi

    A ATP abriu processo para escolha da sede do finals apos 2020.
    Eu nem tenho direito a votar, mas opino mesmo assim: alguma cidade nos Estado Unidos. San Francisco iria muito bem.

    Responder
      1. Chetnik

        Como sempre as tuas insinuações infantis e levianas – além de baixas. De qualquer forma, para a sua informação, SF é uma cidade espetacular.

        Responder
        1. Bruno

          Vou refrescar um pouco a sua memória
          No passado quando vc disse que Djokovic era macho alfa (volta Soninha arg arg argh)e quis insinuar o que de Federer?
          E outra,eu pelo menos só entro aqui com meu nome,aliás somos xará não é mesmo?
          Gosta muito de zoar os outros mas quando tomo um pisão de leve no calo,da chiliquinho.
          Se liga xará.

          Responder
          1. Luiz Fernando

            Vc e o lógico são irmãos siameses, ao menos na infantilidade e na obsessão por Rafa, sai do armário e assume q vc é Nadal kkk!!!!!!!!!!!

  21. neuton

    Kyrgios e a lei da física: para toda ação (força) sobre um objeto, em resposta à interação com outro objeto, existirá uma reação (força) de mesmo valor e direção, mas com sentido oposto.
    Tá, em termos de atitudes isso não se aplica. Mas vale o dito popular: Deus ajuda quem cedo madruga. Ou seja, sem trabalhar muito, o talento desse jogador não o levará tão longe. Se não pela falta de resultados, pela conta que seu corpo cobrará pela falta de cuidados. Na postura corporal observamos que ele já é um corcunda a olhos vistos e essa condição vai afetar outras partes do corpo. Daqui há pouco ele vira um “parça” do Adriano imperador.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Onde assino , Caro Neuton ?. E o maluco ainda diz que tem o Aniversariante do dia ( o Titio Federer ) como seu ídolo. Este provou ao longo de mais de Década e meia , quem não basta somente o Talento. Kyrgios não chega nem aos 31 de outro ” Talento” ( Fognini ) que vai brindar seu seletivo grupo de parças , com sua ausência do USOPEN 2018 , suspenso que está por hostilidades praticadas contra juízas em quadra. Abs!

      Responder
  22. Renato

    Dalcim. Hoje o Kyrgios disparou um winner, saltando, de forehand e a velocidade foi de 186kh, ou seja, a velocidade de um saque. Ja tinha visto algo parecido?

    Responder
      1. Renato

        Eu vi o lance Dalcim. Tenho certeza que estava correto. Foi uma pancada muito forte! Os comentaristas do SporTV e a torcida ficaram pasmos.

        Responder
    1. André Barcellos

      Vi um vídeo com alguns forehands de Gonzales, Murray (!), Del Potro e Blake cuja medição foi ainda maior.
      Um forehand do Monfils contra o Federer alcançou 135 mPh (216 km/h)!!!
      o vídeo está sob o título “six fastest tennis forehands in history”

      Responder
  23. Carlos Henrique

    Dalcim, surgiu uma dúvida a respeito dos LL. O basic que perdeu hoje pro nole, jogou a última partida no quali no domingo. Foi eliminado. Só hoje, terça, perto da hora do jogo, houve a desistência do Chung, tendo o bosnio assumido seu lugar na chave. O torneio paga a despesa do tenista nesse limbo? O tenista costuma arriscar que haverá desistências ou costuma já viajar pra outro torneio? Tem conhecimento de algum caso onde não existiu LL suficiente pra preencher a chave do torneio?
    Mais una vez, forte abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Aquele que deseja o LL precisa ir todo o dia ao torneio e assinar a lista. Se ele for embora, não tem direito. Enquanto está fora do torneio, todas as despesas correm por sua conta. Mas existe aquele velho burburinho dos vestiários, sempre se sabe se alguém está para desistir e se vale a pena aguardar. Não me lembro de ter ouvido um casos desses, Carlos.

      Responder
  24. Gabi

    O Kyrgios, que adoro muito ver jogar, perdeu!

    Virão o Luis Fernando e mais alguns dizer que o cara é meu caráter então melhor ficar do jeito que está!

    Mas, pô, a escolha de por qual jogador a gente torce não equivale à escolha de alguém para casar. O objetivo não é passar a vida inteira ao lado desse indivíduo, mas apenas torcer, admirando sua habilidade, naturalidade, técnica, etc etc etc ao jogar tênis!

    Óbvio, o ideal seria reunir num só homem o caráter e o jogo, mas as Parcas não são tão generosas para com os mortais.

    Essa é difícil. Você prefere torcer para um jogador com problemas de caráter, mas que jogue um tênis como o do Kyrgios, ou um que seja um homem íntegro, mas que seja um tenista de cujo jogo você discorde peremptoriamente?

    No fundo, acho que a moral da história, parece-me, é que o cara não precisa ser o melhor sujeito do mundo, mas também não pode ser tão patife que se torne disfuncional.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      E aí Gabi, o q tem feito? Claro q cada um torce p esse ou aquele independentemente disso ou daquilo, mas acho q pessoas públicas estão expostas a todo tipo de comentários, o q inclui o seu comportamento. Pessoalmente acho q fora da área do esporte (na “rua”) cada age da forma q quiser, todos são livres, mas o q pega no Kyrgios é a atitude dentro da quadra, nas coisas associadas ao esporte q pratica, as quais nem preciso discriminar. O q não impede q ele seja um jogador excepcional.

      Responder
  25. Luiz Fernando

    O Shapovalov só deveria jogar esse torneio, o q esse rapaz cresce na sua terra é impressionante, está fazendo uma excelente partida frente a Chardy e vence 53 o segundo set, após vencer o primeiro.

    Responder
  26. Rodrigo Azevedo

    Dalcim, achei que o Kyrgios deu uma entregada legal hoje no final do jogo, não acha? E aliás, péssimo preparo físico desse rapaz, não cuida e parece não querer cuidar.

    Responder
  27. Carmelo Mudeh Abdulah

    Olá, Dalcin! como vai?
    Os talentos jovens estão lá fora, porque aqui no Brasil só aparece baranga, pé duro que não aguenta o tranco.
    Apesar dos seus esforços para divulgar o tenis brasileiro sinto dó de você, nadando em mares revoltos. Dalcin
    não adianta sua competência, por aqui só tem jogador BUNDA…”Bunda”. Que perda de tempo.
    Um abraço,
    Carmelo Mudeh Abidulah
    São Sebastião da Grama-MG

    Responder
  28. Mario César Rodrigues

    O Auger melhorou o fisico e dizer que o francês dito aqui que seria número 1 estes caras fazem é de sacanagem,agora esqueceram o Thiem a bola da vez é o Zverev,e o Kyrgios o que dizer deste cara!quadril ok jogar bem até por volta de 100 são ótimos jogadores o negócio é consistência,olhem o Delpo não gosta de treinar os caras fazem uma graninha se treina 5 horas começa a treinar 2 horas.

    Responder
  29. Luiz Fernando

    Os perdedores contumazes continuam… perdendo. Kyrgios e o japa já disseram adeus, esses dois não emendam. Outro jogador tido como promissor q está as voltas com problemas é o Chung, vi q nem entrou em quadra, o q é uma pena. Li q o Djoko controlou o seu jg, mas vacilou na hora de fechar, cedendo duas quebras quase seguidas, algo inesperado mas q pode acontecer c qualquer um. Sinal de q Rafa e cia limitada devem abrir o olho…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Quem não se emenda é você, sempre coa mania de opinar sem saber do jogo…

      O Kyrgios teria vencido fácil o Stan que vem em má fase.

      O problema foi que o australiano sentiu o quadril…

      Responder
  30. Marcos RJ

    Sobre o choro de Andy Murray na quadra vazia, infelizmente tenho a impressao de que isso vai bem alem do desapontamento por desistir da proxima rodada apos uma dura vitoria e nem mesmo por ter que desistir de Toronto. Parece que vem caindo a fixa de que nao da mais pra competir em alto nivel com regularidade. Murray trabalhou duro, fez sacrificios e mostrou toda a paixao pelo esporte, mas sempre chega um momento que o atleta tem que reconhecer que chegou a hora de virar a pagina. Eu gostaria muito de estar errado, tomara que sim, mas nao consigo imaginar Andy jogando competitivamente como antes. A conferir.

    Responder
  31. Marcelo

    Dalcim,

    Você viu a chave de Toronto? O Nadal só pega jogo difícil do início ao fim. Tenho a impressão que o troféu ficará ou com o Zverev ou com o Djokovich.

    Abraços.

    Responder
  32. Sérgio Ribeiro

    A quadra está rápida demais para favorecer Raonic e Shapovalov ? E isso está estragando o Espetáculo ? Claro que não. Dieguito bateu Edmund em Sets diretos. E Coric e Verdasco venceram com facilidade. O Braço Biônico de Raonic o fez vencer 100 % dos pontos com o primeiro Serviço. E cedeu apenas 7 pontos quando Serviu. É um dos favoritos pra fazer outra ( a quarta ) Final de MASTERS 1000 ? É. Méritos do Canadense que está ótimo no jogo de rede. Abs!

    Responder
  33. Luiz Fernando

    Quanto aos campeões de GS q estarão soltos nas chaves em Cincy, Murray é perigoso p qualquer um, mas pelos resultados de Wawrinka o mesmo não se aplica a ele. Veremos como ele se comportará em Toronto…

    Responder
  34. Nattan Lobatto

    E a dupla DjokErson varreu os jovens canadenses ontem, parabéns. O sérvio terá um bom teste daqui a pouco, a vitória será para consolidar a confiança e espantar de vez qualquer fantasma e dúvida… A conferir…

    Responder
          1. Eduardo Pomiecinski

            Boa noite, Então o guga não seria nem top 10 se jogaasse hj em dia com o big 3 hj em dia?? O Hewitt foi 2x Number 1 ao final de temporada e ganhava do guga no saibros de floripa…..Me fale da tua opinião sobre o guga neste cenário….

      1. Sérgio Ribeiro

        Sei , não. Rafa Nadal já afirmou que se inspirou no estilo guerreiro do mais jovem N 1 da Era Profissional. Em seu Auge 7 x 7 com Safin e 3 x 3 com Nalbandian. Em seus 4 x 7 com Rafa Nadal , 5 o Espanhol venceu em Rolanga. E Hewitt o bateu 2 vezes no AOPEN. Nesse TOP 10 teria lugar para o Australiano, a meu ver. Mas isso é somente uma opinião.

        Responder
      2. André Borges

        Nossa, você acha que o auge dele não daria nem um top 10? Os atletas evoluíram tanto assim?
        O Guga de 2000/2001 estaria em que posição do ranking hoje?

        Responder
      3. Marcos

        Dalcim, e o Sampras ? Estaria hoje em top 5 com seu jogo de saque e voleio nas quadras que estão mais lentas e o seus sofríveis backhand e jogo de fundo de quadra ?

        Responder
    1. Marcos Castillo

      Renato,
      Apesar da pergunta ter sido feita ao Dalcim, quero manifestar minha opinião: o Hewitt em sua melhor forma estaria no mínimo entre os cinco primeiros, lembrando que o Dimitrov é o quinto.
      O australiano de 2001/2002 venceu dois Slams, dois Finals e chegou ao topo do ranking. Ganhou 5 de 9 contra Sampras na carreira. De quebra, ainda venceu Guga em Floripa na Davis (no saibro) diante de uma torcida incrédula, que incluía um busão que saiu daqui de Atibaia para torcer para o Brasil.
      Abs!

      Responder
  35. Luiz Fernando

    Pra se ter uma ideia da força de mídia, do apelo do Big3, a TV canadense ao invés de passar o jg do Raonic optou p exibir o jg de duplas do Djoko/ Anderson vs as promessas Shapovalov/ Aliassime. Os jovens até iniciaram bem, com devoluções espetaculares, mas depois foram simplesmente engolidos pelos veteranos, os quais, pelo q eu saiba, nunca haviam jogado duplas juntos antes, demonstrando o abismo q existe entre os principais veteranos e a nextgen, excetuando o Zverev e o Thiem (este, claro, no saibro). E olha q o Djoko, como sempre, vacilou em uns voleios e smashes kkk. Finalizado o jg, passamos a ver o Raonic e pude observar o canadense, q nunca primou p um jogo consistente no fundo, vencendo trocas de BH contra o belga, este sim um excelente um jogador de fundo. Que fase hein Goffin…

    Responder
    1. Bruno

      O abismo é realmente grande.
      Mas não pode ser mensurado por um jogo de duplas.
      Há muitas variáveis envolvidas entre a simples e as duplas, e sem contar o entrosamento entre os parceiros.

      Responder
  36. Rafael

    Olá, Dalcim,

    Sobre o Lucas Pouille, que análise geral vc faz dele – qualidades e defeitos?

    O colega comentou que vc o acha talentoso. Em sua opinião, ele está em um bom caminho ou vc esperaria que já tivesse feito mais coisas, apesar de jovem?

    Agradeço a gentileza de uma possível resposta.

    ______________________________________________________

    “Recuerda: No importa que tan buena persona seas. Todos somos los malos en la historia de alguien.
    Asi que disfruta tu rol y al menos sé un villano memorable”.
    – Carlos Cortéz

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito talento, mas falta consistência. Esperava mais dele, porque tem grande capacidade ofensiva e se vira muito bem em todos os pisos.

      Responder
  37. Alexandre Maciel

    Dalcim, falando em NextGen e a inevitável passagem de bastão para a nova geração, me diga uma coisa, qual dos tenistas abaixo você acha que mais mereceu (ou ainda merece) conquistar um Slam:

    1 – Ferrer (Muito tempo no Top 5 porém nunca conseguiu ameaçar os cachorrões numa final de tamanha importância)
    2 – Thomas Berdych (Mesmo caso do Ferrer, na hora H não conseguia surpreender o Big 4)
    3 – Robin Soderling (Fez o mais difícil, tirou o Nadal em RG e acabou falhando na final)
    4 – Tsonga (Confesso que esse foi em quem eu mais depositei confiança, porém também não conseguiu levantar um GS na carreira, teve ótima chance em 2008 mas perdeu pro Djoko.)
    5 – Nicolay Davydenko (Apesar de não ter tido tanta consistência no topo do Ranking provou que tinha tênis para vencer os grandes.

    Se tiver algum outro nome fique à vontade… grande abraço !

    Responder
  38. Luiz Fernando

    Rafa vai encarar mais um freguês na estreia no Canadá, por sinal um adversário q tem se notabilizado por espetáculos circenses de quebra de raquetes do q pelo nível de jogo. Tudo aponta p uma estreia sem sustos…

    Responder
  39. rodolfo costa sousa

    Ola dalcim
    estarei viajando para NY e agora que reparei que estarei no período do us open
    olhei os preços do ingresso das finais os mais baratos algo em torno de 300 dólares
    1- o preço e esse realmente e vc acha melhor comprar agora out esperar no dia em qual site
    2º mesmo sendo os lugares la em cima levarei minha mae vc acha q compensa
    obrigado

    Responder
  40. wagner wanderley

    Boa tarde Dalcim você acha que o João Menezes pode beliscar um top 200 até o fim do ano ou ainda é cedo e um top 100 daqui uns 2 anos?

    Responder
  41. Luiz Fabriciano

    Meu caro Rafael, obrigado pela menção ao meu nome em um post passado.
    Além de sermos confrades em torcida, admiro-o pela busca da imparcialidade ao tecer comentários sobre outros tenistas.
    Vamos em frente, porque o que nos apraz hoje em discordar, à frente, nos deixará satisfeitos quando somarmos.
    Agradeço também ao Dalcim, por liberar esse comentário, fora do assunto.

    Responder
  42. Carlos Lima

    Uma pena o Orlandinho não estar nesse grupo. No juvenil sempre rivalizou com esses tenistas. Uma pena os tenistas brasileiros demorarem para amadurecerem, quanto mais demora mais aumenta o número de novos tenistas querendo entrar no top 100. Já tem tenistas com 17 disputando os atps enquanto os nossos ainda estão nos futures da vida

    Responder
  43. José Eduardo Pessanha

    Falando em garotada, Dalcim, hoje teremos os garotos canadenses Felix Aliassime e Shapovalov jogando duplas contra Djokovic e Anderson.
    Abs

    Responder
      1. Sandra

        Aliás eu ia perguntar , o Djokovic e o Anderson eles estão jogando-a juntos porque querem ouv ou por imposição do torneio?? Não digo imposição , mas levando um dinheiro a mais

        Responder
  44. Luiz Fernando

    Ao menos até o momento, apenas 2 jogadores da nextgen apresentaram resultados signicativos: Zverev e Thiem. Shapovalov, pex, vive daquela campanha de Montreal 2017, e após isso só teve resultados medíocres. Em franca evolução está o Tsitsipas, com excelente potencial. Kyrgios, outro de grande potencial, não é comprometido c a carreira e convive c contusão atrás de contusão. O De Minaur não me impressionou ontem, acompanho a opinião do Renato acerca dele.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      LF, o SuperesTHIEMado está bem longe de ser nextgen. Na verdade, ele é uma espécie de Neymar do tênis: é considerado menino sem ser. Rs. O austríaco é de 93. Tem 25 anos de idade.

      Responder
    2. Adriano Nadal

      De Minaur vai ser aquele tenista regular, que chega em algumas semis, mas que não vai ter armas pra surpreender um tenista melhor que ele, prevejo um futuro Gasquet.

      Responder
    3. Marcelo

      Luiz, concordo com boa parte do que você falou, mas o Shapovalov conseguiu também a semifinal na Caixa Mágica esse ano, além de outras boas campanhas. Ele é muito jovem ainda, apenas 19 anos, provavelmente fará o salto ano que vem para a elite.

      Responder
  45. Miguel BsB

    Vou me arriscar e fazer algumas previsões sobre essa a nova geração, que, por competência extrema do Big 4,praticamente vai herdar o circuito pela ação implacável da natureza e a aposentadoria dos “cachorroes” :
    Zverev: futuro n 1 do mundo, ganhará múltiplos Slams(acredito que o topo do ranking e seu primeiro slam já virão ano que vem)
    Thiem: Futuro campeão de Roland Garros, dominará o saibro por diversas temporadas(acredito que terá feitos muito parecidos com seu principal compatriota, Thomas Muster, talvez só não alcançando o n1, salvo uma evolução de seu jogo em quadras mais rápidas…
    Kyrgios: será realmente um grande desperdício de talento, tanto por lesões como principalmente por falta de cabeça. Mas, acho que terá algum brilho e faturara um Slam, provavelmente Ausopen ou Wimbledon, e talvez um ou dois Masters… Se aposentará até os 30.
    Shapovalov: tem que deixar de ser afoito, algo que vai acontecer naturalmente, e Tb será campeão de Slam e Masters, talvez número 1(torço por isso)
    Tsisipas: talentosissimo, carrega junto com Shapo e Thiem a arte do Back de uma mão. Tb acho que será campeão de Slams e Masters(torço por isso)
    Chung: vai ser o casca de ferida da turma. Se o físico permitir, será sempre complicado de se enfrentar, com grande mobilidade, defesa e contra ataque, uma espécie de djokinho… Rs mas nem de longe vai atingir as marcas do sérvio. De Minaur talvez, muito talvez, se enquadre nessa categoria…
    Rublev, Kashanov, Coric e os americanos… A maioria será top 10,talvez faturem algum Slam e Masters, mas ficarão abaixo dos primeiros…
    Abs

    Responder
  46. Nattan Lobatto

    Eita, ansioso para os duelos de Zverev × Novaking e Nadal el touro x Del Potro. Certamente o vazio deixado pela a ausência de Federer e Murray será sentido, porém, com essas duas feras em ação: Djoko e Rafa, o espetáculo é garantido, a conferir. Torcendo para que Nole devolva a derrota sofrida por Federer em Cinci 2015, isso se o suíço não correr de lá tb rss. Abs

    Responder
      1. Nattan Lobatto

        Que é isso meu nobre. Aquela partida foi uma das mais perfeitas jogadas por Roger. Fomos abrilhantados naquela tarde de domingo, seria bom demais ver essa revanche 3 anos depois, só que claro com vitória de Djokovic. Abs meu amigo.!

        Responder
  47. Jmsa

    Bom dia dalcim !
    Que falta a esses jogadores da nova geração para ganhar do Big 4 consistentemente ?
    Variação tática,mental ou físico ?
    Seus posts são excelentes .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Jorge! Acho que falta acima de tudo experiência e portanto a parte emocional pesa muito. Enfrentar o Big 4 exige uma grande capacidade de adaptação tática, porque cada um dos quatro joga de forma bem diferente. Mas vários dos novatos já somaram vitórias sobre o Big 4.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sempre uma decisão difícil, ainda mais porque Toronto é um piso mais rápido que combina com ele. Federer poderia sim tentar disputar os três torneios e adotar um estilo bem agressivo, que poupa o esforço.

      Responder
  48. Jony Marcio Santos

    Dalcim, vc não concorda que o Canadá é uma das boas apostas pra levar uma Davis em questão de alguns anos? Além de Raonic, que certamente ainda retornará ao nível de outrora, tem dois jogadores extremamente jovens e com um talento acima de qualquer suspeita.

    Responder
  49. Luiz Evandro

    Dalcim, não entendo vc não considerar o Thiem como um dos maiores talentos do circuito atual.
    Para mim, ele estará durante muito tempo entre os três primeiros. Consegue superar Nadal no saibro, o “maior desafio do nosso esporte”.
    Tem um grande saque, direita e backhand, se movimenta na quadra muito bem. Voleia mediamente, mas pode melhorar.
    O que falta pra ele na sua opinião?
    Eu particularmente acho que, se ele largar de ir muito para as linhas, trocar mais bolas, ser mais paciente em algumas situações, sem perder a agressividade, é o melhor da nova geração. Não consigo ver o Kyrgios no topo com sua gigantesca falta de maturidade.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, não vamos misturar conceitos, Evandro. A falta de maturidade do Kyrgios não o impede de ser um tremendo talento, talvez justamente por isso. Acho Thiem um grande jogador, mas de intensos altos e baixos. Deixa escapar vitórias por não saber dosar a potência dos golpes ou por escolher o risco em horas impróprias.

      Responder
  50. Miguel BsB

    Pelo pouco que vi do de Minaur, na vdd, só essa final e um outro jg um tempo atrás, não me agradou seu jogo, defensivo e sem potência… O Zverev tem um jogo muito mais agressivo e potente, atropelou o garoto. Mas é exatamente isso, ainda é um menino, franzino, daria pra confundi_lo com um boleirinho… Talvez, com uns anos a mais e um trabalho forte de preparação física, alie esse jg mais defensivo com uma maior potência.

    Responder
  51. Adriano Miura

    O problema dessa nova geração é a falta de carisma, o Federer conquistou muitos torcedores pela emoção que demonstrou na vitória sobre o Sampras em Wimbledon. O Nadal também depois da vitória em Wimbledon 2008, que foi arrepiante. Não vejo essa emoção nos jogadores de hoje, parece que jogam no automático.

    Responder
  52. Arthur

    E o Fognini, hein, Dalcim?
    Fora o cabelo à la Gerador de Van de Graaff, o italiano jogou o fino na final de Los Cabos e surpreendeu muita gente batendo o Del Potro no seu piso favorito.
    Se ele mantiver a cabeça nessa temporada de quadra dura, será um adversário encardido. Que o diga Nadal, que perdeu pra ele em 2015 de virada no US Open.

    Um abraço.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Pior que o cabelo e’ sua fixação por um talento jogado fora pela falta de profissionalismo chamado Fábio Fognini. E vem pra cima com papo de que sou baba ovo do ” insosso” Zverev. Leia o Post com atenção Rodrigo. Veja o quanto você perde de não ter saco de assistir um jogo inteiro. O Alemão irá muito mais longe que o Grande Italiano que jamais foi TOP . Abs!

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Sérgio.

          eu não tenho essa mentalidade rasa segundo a qual o Tênis se limite a resultados…

          Quando eu entro na frente da TV pra ver uma partida, o que me seduz é a técnica, o talento, o espetáculo.

          Parece que isso é que você não entende…

          É notório que a qualidade do tênis do Fognini excede em muito o do Zverev.

          Portanto, quando você diz: ” Ah mais o Zverev irá muito mais longe do que ele…”

          Ele pode ir até PLUTÃO se ele quiser! Porque isso vai mudar em nada o que eu penso.

          Quer saber por que?

          O Nadal alcançou resultados que nenhum desses dois jamais alcançará, e daí?

          Mesmo assim, eu nunca vou gostar do tênis praticado por ele!

          Mas gosto não se discute, apenas se lamenta…

          Parei com você.

          Responder
  53. Oswaldo E. Aranha

    Estava feliz com o torneio de Washington, pelo desempenho dos jovens tenistas, chamando-me a atenção o De Minuar, quando vi teu apropriado comentário, Dalcim. Vejo que teremos para o futuro uma leva de ótimos tenistas para nos encantar: grego, russos (russo russo, russo alemão, russo canadense), uruguaio australiano, italiano, norte coreano, sérvio, britânico, francês, etc.. Em suma, será um prato cheio para os críticos de plantão poderem criticar e criar apelidos depreciativos. Vamos aproveitar essa leva.

    Responder
    1. Bruno Macedo

      Pena que não tem nenhum brasileiro, nem um brasileiro português, nem um brasileiro italiano, nem um brasileiro espanhol, nem um brasileiro russo…

      Responder
  54. Bruno Macedo

    Dalcim, pelo o que pude entender do texto, vc considera Nick Kyrgios, Lucas Pouille e Stefanos Tsitsipas os mais talentosos da nova geração. É isso mesmo? São esses os que nasceram para o tênis?
    Acho incrível que o Zverev não esteja nessa lista, logo ele que tem os melhores resultados. Isso talvez mostre que no tênis ter talento é só o primeiro passo de um caminho muito longo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Zverev tem talento, claro, como qualquer tenista top, mas os outros possuem maior facilidade para jogar. Claro que isso não basta. Há físico, tática, cabeça…

      Responder
      1. Marco Antonio Sevidanes da Matta

        Acho esse tema importante: análise da next gen sob a otica do talento x resiliência x físico x mentalidade etc. Mereceria até post próprio

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que o conjunto dessas habilidades premia justamente Zverev, daí seu sucesso já há duas temporadas entre os top do ranking. Entre os novos postulantes, vejo Tiafoe com essa capacidade de reunir os elementos.

          Responder
        2. Paulo F.

          Só que não há como colocar a palavra “resiliência” e “Zverev” na mesma oração.
          Suas campanhas em Grand Slams e, especial RG e W de 2018, atestam isto.

          Responder
  55. Marcio

    Aproveitando novamente o espaço, peço licença para postar novamente o comentário anterior, sobre a interpretação tendenciosa do Rafael sobre o meu comentário em postagem recente. Acredito ser importante não deixar margens para esse tipo de comportamento e possível mal entendido. Desculpe a repetição.

    Marcio
    5 de agosto de 2018 às 08:52
    Bom, devido a má interpretação ou malandragem do Rafael no post anterior, terei que explicar o comentário sobre os comentaristas de blog do Brasil, cuja opinião tentando rebaixar o Federer o Nadal ou o djokovic não teria validade nenhuma naquilo que envolve o Tênis.

    É claro que quando disse os comentaristas de blog do Brasil, me referi a quem comenta nos blogs, mais especificamente àqueles que ficam com essa mania de perseguição sem fundamento aos tenistas citados.

    O Dalcim talvez seja o melhor profissional do Brasil na área de de jornalismo esportivo, então que fique claro que não me referi ao Mestre! Eis o motivo da resposta.

    O menino Rafael parece que está querendo atenção, como voltou ao normal depois q o djokovic voltou a vencer parece agora querer discutir algo com todo mundo.

    Sigamos!

    Responder
    1. Rafael

      caro colega,

      aproveite e poste novamente o que vc postou originalmente, para não ficar dúvidas. vc diminuiu a importância dos comentários de comentaristas de blogs brasileiros de tênis, desconsiderando a importância de tais comentários para o mundo tenístico – eu não concordei – o que é meu direito – apresentei uma lista do que considero bons comentaristas apenas deste blog, o que deixa claro que admito a existência de bons comentaristas também em outros. Em nenhum momento postei, insinuei ou fiz qualquer alusão a uma suposta crítica ou falta de reconhecimento da sua parte perante o Dalcim. Quando me estendi em meu texto e postei MINHAS considerações sobre o Dalcim e seu trabalho, já nem lembrava que vc existia, virou um texto independente.

      Como já disse antes, sou responsável pelo que posto, não pelo que os outros entendem. Mas, para deixar registrado, acho lamentável que coloquem – ou tentem – palavras em minha boca ou em meu texto. É triste, mas não tenho culpa se a única forma que vc tem de julgar os comentários dos outros é a partir da torcida deste ou daquele pelo tenista A, B ou C.

      Recomendo estimulação das sinapses neurais. Dizem que é bom. De qualquer forma, quero acreditar que vc não é mal intencionado, então está desculpado.

      PS: Mas mesmo assim, vc não entrou na minha lista de bons comentaristas. Quem sabe ano que vem.

      Grande abraço, tenho certeza de que muita gente gosta de vc.

      Responder
      1. Rafael

        aproveitando, Arthur, que é bem esclarecido, se expressa muito bem e tem opinião própria, o que acho ótimo.

        gosto de ler o Enoque e também o grande Levi Silva, que deveria parecer mais por aqui. Uma vez, pesquisando os posts mais antigos, vi que o Dalcim chegou a fazer um post baseado numa ideia do Levi, o que é uma grande honra. Só aí já dá uns bons 20, o que compensa os desagradáveis e desimportantes, como eu.

        outra: criticar é fácil, mas elogiar faz bem, principalmente se é legítimo. ESPECIALMENTE se é legítimo.

        Responder
        1. Márcio

          O importante aqui é deixar claro que em nenhum momento desconsiderei o Mestre Dalcim de forma alguma.
          O que vc pensa, menino rafael, não é importante nesse caso.
          Achei bastante “esperto” o que fez, aproveitou-se de um comentário e fez uma interpretação tendenciosa e conseguiu ainda ganhar alguns agradecimentos, elogios, algo típico do que vivemos em sociedade, desde sempre, se formos verificar a premissa do que leva as pessoas a fazerem aquilo que fazem. E o pior de tudo é que funciona.
          Vc atingiu seu objetivo, e ainda deixou mais uma de suas recomendações ácidas no final!
          Tranquilo.
          Como disse, minha preocupação foi deixar claro meu respeito e admiração com relação ao Dalcim.
          Essa trama toda conseguiu atingir nesse ponto.
          Esse blog é algo que acompanho bastante e faz parte do meu dia sempre esperar pelas opiniões aqui postadas, mas não aquelas que desmerecem os maiores jogadores da atualidade, o que só acontece nos comentários.
          Sigamos!

          Responder
          1. EU

            Hehehe….EU tenhu a mesma impressão deli visse…Marciozovski…..o Rafaelzovski é muchu istressadu….hehehe

        2. lEvI sIlvA

          Grato, Rafael, por se lembrar de minha pessoa! Aprecio muitas coisas que posta, já disse isso e, aproveito pra reiterar o que disse antes. Abraço!

          Responder
        3. Arthur

          Muito honrado em fazer parte da sua lista, Rafael. 😉
          Os seus comentários também são excelentes. Gosto também daqueles postados pelo AKC, pelo Brack, pelo Rodrigo Cruz e mais uns dois ou três que verdadeiramente acrescentam informações relevantes a este espaço. O restante eu me divirto mais do que me informo, mas também é válido, considerando o espaço democrático generosamente gerenciado pelo Dalcim.

          Um abraço.

          Responder
  56. raul

    Boa noite, Dalcim, como sempre suas análises são perfeitas. Mas gostaria de fazer uma contraponto, desculpe a ousadia. Pela sua análise nós temos uma grande geração de talentosos tenistas, mas com um grande equilíbrio entre eles, ou seja, no futuro não teremos grandes rivalidades, como as rivalidades entre Federer e Nadal, ou entres esses e Djokovic. Sabemos que as modalidades do esporte são impulsionadas pelas grandes rivalidades: Messi x Cristiano Ronaldo; Senna x Prost; Lebron x Curry, o próprio tênis vive esse momento que nos encanta e cria grandes torcidas. Vc não acha que com esse equilíbrio que vc descreveu, possivelmente com cerca de mais de uma dezena de tenistas podendo ganha um Slam, o tênis não perderia como atração esportiva e showbussines? obrigado e fica em paz.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é possível, mas sempre surgem jogadores com personalidades distintas que trazem esse lado do duelo. Shapovalov explosivo e agressivo contra o concentrado e defensivo De Minaur… Não acredito que haverá um novo domínio como o de agora, mas podemos ter três ou quatro duelando pelos Slam e liderança.

      Responder
  57. Antônio

    “Eu fico cada vez mais otimista com o tênis pós-Big 4.” Chefe, se você está otimista, quem sou eu pra contestar. Haverá vida após o Big 4. Isso é confortante para nós, amantes desse maravilhoso esporte.

    Responder
  58. Efraim Oliveira

    Os jovens estão chegando, mas ainda estão muito longe do nível do big 3. Acho que a partir de 2020 é que de fato passarão a incomodar.

    Tava olhando os campeões de grand slam juvenil… Dos grandes campeões, apenas o Stefan Edberg foi um grande campeão no profissional. O Monfils ganhou três slams de forma consecutiva como juvenil, já como profissional…. foi nem a sombra. Curioso é que ele conquistou três slams em superfícies diferentes, tal qual Nadal fez em 2010 no profissional.

    A maioria das grandes promessas não passam de promessas. Acho que o Zverev é o único que está na transição de promessa pra realidade, ele já conquistou 9 atps, coisa que muito tenista velho não conseguiu. No caso do Thiem, acho que a situação dele está +- definida, dificilmente será um grande campeão.

    Responder
  59. Renato

    Não gosto do tênis praticado pelo garoto australiano. Acho que é apenas um passador de bolas, nada demais! Por ter certa regularidade pode ser que consiga bons resultados com as quadras padronizadas dos dias de hoje, mas não tem tênis para encarar os cachorroes do circuito.

    Responder
  60. Renato

    Vc acha mesmo, Luiz Fernando, que Zverev jogou no nível suficiente para encarar Novak e Nadal, se os dois repetirem o que jogaram em Wimbledon?

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Acho, se vc se recordar do q ele jogou contra Rafa em Roma e pelos seus antecedentes em jogos de 3 sets, inclusive contra o próprio Djoko, sinceramente acho q sim, desde q mantenha esse nível observado em Washington.

      Responder
    2. Paulo F.

      Se estou me intrometendo de maneira pouco educada, me perdoem, mas não vejo Zverev tendo resiliência para encarar tanto o Nadal quanto o Djokovic numa melhor de 05 sets num possível enfrentamento no US Open.

      Responder
    3. Marcos RJ

      Renato, com apenas 21 anos o Zverev tem o tempo ao seu lado e continua evoluindo o preparo fisico, tecnico, mental e pricipalmente emocional. Enquanto Federer, Djokovic e Nadal ainda tem vantagem em suas superficies favoritas, a diferenca vem diminuindo progressivamente. O Ranking vem refletindo essa tendencia.

      Responder
  61. Maurício Luís *

    Achei muito pertinente e bem fundamentado o que o Juca Kfouri escreveu na matéria “Choro de Andy Murray na quadra deserta é dele, não para mídia”.
    Realmente, dá muito bem pra se perceber – ninguém é bobo – quando uma coisa é feita para impressionar, e quando é coisa sincera… não é, Neymar?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *