Ranking da grama dá cabeça 1 a Federer
Por José Nilton Dalcim
11 de junho de 2018 às 21:46

Não importa o que aconteça nas próximas duas semanas de importantes torneios sobre a grama, o suíço Roger Federer deverá ser indicado como cabeça 1 de Wimbledon com base no chamado ‘ranking da grama’, sistema utilizado pelo torneio desde 2001 para designar seus cabeças de chave no masculino. Tal critério não é usado no feminino.

Mesmo se retirados os 500 pontos que o suíço tem a defender em Halle dentro de suas semanas e ainda que o espanhol Rafael Nadal seja campeão e some 500 em Queen’s, ainda assim Federer terá mais pontos. Isso porque o sistema utiliza a atual pontuação de 52 semanas da ATP e acrescenta a esse valor todos os pontos somados na grama nos 12 meses anteriores e mais 75% do melhor resultado do tenista na superfície nos 24 meses anteriores.

Assim, Federer tem no momento 10.710 pontos e, mesmo que não some nada em Stuttgart ou Halle, ainda manterá vantagem sobre Nadal, que totoliza 8.950 e poderá no máximo ir a 9.450. É mais do que importante frisar que ser cabeça 1 ou 2 num Grand Slam significa exatamente a mesma coisa, uma vez que ATP e WTA decidiram sortear todos os demais cabeças por grupos, sem posição fixa predeterminada, como acontecia antes do ano 2000.

O maior beneficiado na verdade será o croata Marin Cilic. O vice do ano passado seria cabeça 5 pelo ranking tradicional, mas subirá para 4 com o sistema da grama, logo atrás de Alexander Zverev e pode até ser o 3 caso tenha bons resultados em Queen’s. Mas, novamente, ser 3 ou 4 não faz qualquer diferença, já que a indicação de quem enfrentaria Federer ou Nadal na semi se dará por sorteio.

Lucro realmente grande terá Novak Djokovic. Ele, que recebeu nesta segunda-feira convite para Queen’s e assim encerrou especulações de uma ausência em Wimbledon, foi para o 21º lugar do ranking após Roland Garros mas seu histórico na grama pode lhe garantir a condição de cabeça 15.

Um posto entre os 16 cabeças também é pleiteado por vários outros, como Roberto Bautista, Jack Sock, Fabio Fognini, Lucas Pouille e Kyle Edmund. Estar entre os 16 cabeças, sim, vale muito a pena. Outra mudança acontecerá com Diego Schwarztman, 11º do mundo, que deve cair para cabeça 13. Isso não é tão bom do que estar entre 9 e 12.

Dois fatos curiosos em relação ao ‘ranking da grama’. Neste momento, Milos Raonic entraria como cabeça 13 e Andy Murray, como 18. Mas eles não terão esse ‘upgrade’ porque Wimbledon só reclassifica os 32 primeiros do ranking, sem inclusão de alguém de fora da lista. Murray nesta segunda-feira caiu para o 157º posto e Raonic ocupa o 35º, tendo portanto alguma chance ainda.

Os 500 da grama
Vejam como ficaram a lista de participantes dos dois importantes ATP 500 da grama, que acontecerão na próxima semana:

Queen´s – Nadal, Del Potro, Dimitrov, Cilic, Anderson, Goffin, Schwartzman, Querrey, Sock, Edmund, Berdych, Djokovic, Shapovalov e Kyrgios.

Halle – Federer, Zverev, Thiem, Isner, Bautista, Pouille, Chung, Kohlschreiber, Nishikori, Gasquet, Rublev, Coric, Tsitsipas e Khachanov.

Sem validade para o ‘ranking da grama’ porque precedem Wimbledon, Easbourne contou com a inscrição de Schwartzman, Edmund e Shapovalov, enquanto Antalya terá Mannarino e Dzumhur.

Quem levou o Desafio de Roland Garros
Cinco internautas cravaram corretamente o placar com que Rafael Nadal venceu Dominic Thiem neste domingo. Para decidir o primeiro colocado, que terá direito a um cupom de desconto de 30% na Loja TenisBrasil para compras de até R$ 1.200,00, foi necessário ver o tempo de jogo e aí o vencedor foi Guilherme Martins de Souza, que errou por sete minutos.

Os outros quatro premiados do Desafio, que receberão um cupom de desconto de 15% na Loja TenisBrasil para compras de até R$ 1.200,00, foram: Caio Nascimento Cisneiros, por 12 minutos; Michael (sem sobrenome indicado), por 13; Arnaldo Lopes Siqueira, por 17; e Luiz Fernando Ferrari, também por 17.

Nos emails indicados, todos receberão o voucher. Se algum dos emails não estiver correto, por favor enviem para cá o certo.


Comentários
  1. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, muito bom o vídeo postado hoje mostrando os 100 match points da Era Aberta em Wimbledon.
    Show!
    Mas, como era feio o jogo no início hein?

    Responder
  2. Jonatã Lopes

    https://twitter.com/craigvickers_/status/1006171155189915648
    https://twitter.com/livetennis/status/1006889097426821120

    Interessante esse Hawkeye em Stuttgart, mostra a velocidade da quadra, a temperatura e umidade do solo da quadra. Seria fantástico ter esse tipo de Hawkeye em todos os torneios, assim deixaria transparente a velocidade de todos os torneios. Está média, imagino que como eles reconstruíram as quadras de Grama este ano, talvez tenha feitam a parecer mais como a de Wimbledon.

    Federer afirmou que irá vestir Nike até arranjar um novo contrato de patrocínio de roupas, pois é muito grato a parceria: Um adeus a marca ou um pedido público de um contrato vitalício?

    Responder
  3. Luiz Fernando

    Incrível a quantas anda a intolerância no blog, algumas pessoas postam q não gostam do jogo na grama, q eu pessoalmente também acho pior q nos demais pisos, e ja vem o patrulhamento em cima. Ha múltiplos pisos no tênis, uns preferem esse outros preferem aquele, como tudo na vida, é apenas uma questão de preferencia, nada mais.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Luiz, exatamente. Vou além, essa intolerância no blog é reflexo da intolerância que vivemos hj em dia na sociedade. Vc nao pode mais ter preferências que vem um monte patrulhar seu gosto pessoal…
      Gostar de jogo na grama, no saibro, no carpete, no gelo, vai do gosto e da preferência de cada um.

      Responder
  4. Marcelo Reis

    Federer vai jogar esses dois torneios mais para pegar ritmo antes de WB. Acredito que nem ganhe os torneios em si, mas se pegar um boa sequência de jogos, terá mais chances no GS.

    Hoje, após 80 dias parado, jogou bem irregular e deu pro gasto porque o oponente não é dos melhores – embora seja enjoado na grama.

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Atitude de bom senso da Rafa pular Queens, não significa bada p ele é nem p disputa do número 1, pois na pior hipótese chegará 1150 pontos atrás em W. E p ir bem lá as experiências prévias do Djoko já demonstraram q esses torneios preparatórios não são essenciais.

    Responder
  6. Márcio Souza

    salve, salve galera!

    Federer hoje entrou ainda de ressaca e preguiçoso em Stuttgart, parecendo a maioria das pessoas quando retorna de ferias pro trabalho e demoramos alguns minutos para definitivamente entrarmos no ritmo novamente.
    Mischa levou o primeiro set, mas quando o Mestre engatou a quinta foi mais um atropelo e boa vitória.
    Acredito que quanto mais jogar o Craque mais entrara em ritmo e chegara em ponto de bala em Wimbledon.
    Grandes chances agora dele chegar la como numero 1 ja que Nadal anunciou que não jogara semana que vem em Queens.
    Chegando na final em Stuttgart e defendendo o titulo em Halle, ele garante o numero 1 até pelo menos o final de Wimbledon, mas imagino que o GOAT irá se empenhar para ganhar Stuttgart, Halle e Wimbledon, o que obviamente seria o 98º, 99º e 100º caneco,

    Bora GOAT vamos buscar esse canecos e retomar ja na segunda-feira o numero 1!

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Se não me engano, nosso querida Pessanha afirmou q Federer bateria o recorde de sets vencidos agora na grama, acho q vai ficar p próxima encarnação…

    Responder
  8. Renato

    Se Federer venceu slam em cima de Marcus.B, Phillipousis e etc, Nadal venceu slam em cima de Ferrer, Mariano Puerta, Thiem, Kevin Anderson e etc.

    Responder
  9. Renato

    O camarada Welington poderia nos explicar sobre a entressafra de saibristas que vem desde 2003, pois Federer, Novak, Murray, Stan, Kyrgios, Zverev, Nishikori, Cilic e etc preferem as quadras duras, jogam melhor no cimento. Qual é o grande e AUTÊNTICO saibrista que Nadal enfrentou nos últimos 15 anos? E não venham me dizer que os citados acima jogam bem no saibro e blá blá blá, pois todo mundo sabe qual é a opção de piso que os jogadores citados por mim preferem.

    Responder
    1. Marcelo F

      Renato (Marquinhos?), então responda pra mim qual autêntico jogador de grama o Federer enfrentou nesse tempo todo? Jogadores do tipo Rafter, Cash, Edbeg, McEnroe, Becker, Henman… Qual? Ao contrário, venceu (e perdeu para) Djokovic e Nadal, que não são jogadores de grama.

      Responder
  10. André Barcellos

    Só eu que estou achando perigoso o jogo contra o Misha Zverev?
    São três meses sem jogar e vai pegar um cara que não dá ritmo, na grama…
    Seria muito melhor estrear contra um baseliner

    Responder
  11. Mário Fagundes

    Hoje começa a temporada de grama para o senhor Roger Federer. O que esperar dele na estréia em Stuttgart? Acho que esse “velhinho” irá muito preguiçoso pra quadra, mas deverá vencer. O suíço não é tão amigo de Mischa quanto de Haas. Além disso, chegar à final do torneio lhe dará mais uma semaninha como nº 1 do mundo. No post anterior, perguntei se alguém duvida que Federer possa alcançar o 21º GS em Wimbledon. Sônia e LF falaram (basicamente) sobre a competitividade (bem maior que no saibro) que existe na grama. Sim, é verdade. E a grama é traiçoeira também. Wimbledon tem um vasto histórico de surpresas. Mas Federer ainda é o tenista a ser batido na grama, caso esteja 100% em quadra, é claro. No ano passado, venceu o 8º caneco de Wimbledon competindo quase todo o torneio COM gripe. Então duvidar é um verbo que não deve ser conjugado em análises, palpites ou previsões em se tratando não somente de Federer, mas de Nadal e de Djokovic também.

    Responder
    1. Fernando Pauli

      Foi do jeito que você falou mesmo. No primeiro set Federer estava muito errático, no segundo set lutou para não perder seu game de saque e começou a jogar a bola em cima de Zverev forçando-o a errar, deu certo. No terceiro set, já estava bem mais confiante, aí foi um passeio.
      Só faltam duas!

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Prezado Mario, estou de pleno acordo com vc de q na temporada de grama Federer é o cara a ser batido, já q é o grande expoente do tênis nesse piso. Quanto a competitividade, creio q hj a temos em todos os pisos, e sinceramente não vejo pq na grama haverá mais competição do q no saibro. Ano passado houve competitividade na grama? Creio q ocorreu exatamente o mesmo q no saibro, ou seja, o tenista mais apto a jogar no piso venceu fácil, vc mesmo citou q ate estava gripado. Qual é o estilo fundamental e mais apropriado na grama? Saque e voleio, concorda? E quem faz isso bem, com B maiúsculo hoje? Federer e mais ninguém, ou será q temos outros grandes especialistas nesse estilo na atualidade? Claro q se nos reportarmos a Rafa, Djoko e Murray observaremos q outros estilos também podem ser bem sucedidos, mas não vejo nenhum desses jogadores com cacife no momento p tal.

      Responder
    3. leonardo de castro

      Permita-me discordar apenas de um detalhe. A competitividade na grama não é maior não, pelo contrário. Se pegarmos de 2003 para cá (ano do primeiro título do Federer), há somente 4 vencedores de Wimbledon (big four). De 2003 para cá, em Roland Garros, foram 6 (RN, RF, Dojkovic, Wawrinka, Gaudio e Ferrero). No US Open foram 7 campeões desde 2003 e na Australia foram 6 campeões diferente desde 2003. EM Roland Garros, de considerarmos desde 2005 (1º título do Nadal) aí teríamos 4 campeões diferentes – mesmo número de wimbledon-.

      Responder
  12. Gabi

    Luiz Fernando,

    se vc for o Ferrari, muitos parabéns por ter sido um dos ganhadores do “desafio de RG”.
    Já até sei o que vai comprar!!

    Responder
  13. Fernando Pauli

    Comparando o de início de carreira de Federer (profissionalizou em 1998 com 16/17 anos) e Nadal (profissionalizou em 2001 com 14/15 anos), podemos dizer que o começo para ambos foi um pouco parecido, vejamos:
    Tanto Federer como Nadal só foram vencer seus respectivos e primeiro ATP 250 no quarto ano como profissionais, Federer com 19 anos e 6 meses (Milão 04/02/2001) e Nadal com 18 anos e 2 meses (Sopot 16/08/2004). Se despontaram para o mundo também ambos no quarto ano como profissionais, Federer ao vencer Samprar no R4 de WB 2001 e Nadal ao vencer Federer já no primeiro confronto entre ambos (2004).
    A partir daí começam as diferenças:
    A ascensão de Nadal foi muito mais rápida que a de Federer. Entre o primeiro título de ATP 250 e o primeiro GS, Federer levou 2 anos e 5 meses (WB 2003) ganhando mais 7 torneios sendo 1 M1000, já Nadal levou pouco menos de 10 meses (RG 2005) ganhando mais 5 torneios sendo 2 M1000. No ano que Federer ganhou seu primeiro título ele terminou o ano na posição 13 e Nadal em 51. Ao vencerem seus GS pela primeira vez, terminaram o ano ambos como número 2. Notem que Nadal pula de 51 para 2 de um ano para o outro. Federer chega a posição de número 2 no sexto ano como profissional com 22 anos, já Nadal no quarto ano com 19 anos.
    Ou seja Nadal se estabeleceu no circuito profissional em definitivo mais rápido e mais novo que Federer.

    Responder
  14. André Barcellos

    O que aconteceu com a Mirka Federer? Vi um vídeo de comemoração dos 20 anos do Federer no circuito e ela está esbelta, Linda demais!!

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Será q seu homônimo (isso quer dizer q tem o mesmo nome q vc) acharia q esse foi um comentário q respeitou a postagem do outro blogueiro? Acho q não kkkk. Abs.

        Responder
  15. Miguel BsB

    Ao contrário dos torcedores do Federer, que adoram e veneram a grama, pra mim chegou a temporada mais chata do tênis. Pontos curtos de 1,2 trocas de bola, fora os inúmeros aces, Services winners etc dos super sacadores.
    Respeito Wimbledon pela tradição,mas pra mim é o slam mais monótono. Os torneios preparatórios então, quase não assisto.
    Até concordo que deveria-se, por questão de equilíbrio, se criar pelo menos um Master na pasto mas as custas de algum torneio em quadra dura, não dos de saibro.
    Brasileiro gostar mais da relva só se explica por conta de torcida pra campeões no piso. Muito poucos que praticam o esporte já sequer jogaram uma partida no piso… Eu, nunca nem vi.
    Grama, esse ano pra mim, só os gramados da Rússia…

    Responder
    1. Gabi

      Miguel BsB,

      concordo com vc, tb prefiro jogos mais disputados com mais trocas de bola. Esse negócio de sacar, devolver, acabou o ponto é muito monótono. Mas, assisto mesmo assim rs.
      Vai torcer para o Brasil?

      Responder
      1. Miguel BsB

        Gabi, claro que irei torcer para o Brasil, mas sem tanta empolgação como antigamente…Agora, não irei vestir a outrora gloriosa camisa canarinho rs, ficou ridículo trajar essa camisa ultimamente…

        Responder
    2. Mário Fagundes

      Se não gosta da grama, seja coerente com seu discurso. Faça como eu e muitos aqui fizeram durante a famigerada temporada de saibro: “pegue seu banquinho e saia de mansinho”.

      Responder
      1. Miguel BsB

        Então por favor mostre-me a incoerência no meu discurso. Aonde do: “pra mim chegou a temporada mais chata do tênis.” você não entendeu ? Agora, quanto a pegar meu banquinho e blá blá blá, isso fica a meu critério ou ao do dono do blog, não do senhor…

        Responder
    3. Renan Vinicius

      Concordo plenamente. Apesar da grama ultimamente estar mais lenta do que no passado, ainda é o piso mais entediante para se acompanhar os jogos. Valoriza demais os sacadores e marreteiros…

      Responder
    4. Chileno

      Já eu acho bem mais interessante ver um voleio bem executado na segunda bola, do que um ENF na rede depois de 21 golpes parecidos com grande margem de segurança e baixa velocidade.

      Responder
    5. Márcio dos Santos

      É o principal torneio do circuito!

      Wiimbledom está acima de todos no Tênis, desde sempre.

      Maria Ester Bueno venceu Wimbledom.

      Informe-se mais!

      Responder
      1. Miguel BsB

        Bruno, já deixei claro algumas vezes pra quem torço, nunca foi segredo: Sou torcedor do maior campeão brasileiro, a Sociedade Esportiva Palmeiras! hehe
        Quanto ao tênis, sou torcedor do esporte, você jamais me verá nessa ridícula briguinha de torcidas da qual vc adora participar.
        Torço pro Federer, mas tb torço pro Nadal, e consigo tb torcer pro Djokovic, pro Wawrinka, pro Thiem…e, na maioria das vezes, não torço pra nenhum, pra poder acompanhar um grande jogo com mais isenção e atenção. Não fico amarrado a fanatismos. Será que vc consegue entender isso?

        Responder
  16. Alice

    As vezes as pessoas esquecem que o tênis é muito mais mental e físico do que bons golpes, principalmente no circuito atual. Não tenho dúvidas que pra se conquistar grandes títulos e chegar ao topo, é preciso muito físico pra que consiga ser consistente por uma temporada inteira, além de mental e emocional equilibrados pra vencer qualquer um e poder assim conquistar grandes títulos. Claro que a engrenagem (o que move o jogo) são os golpes (poder de fogo) e plano tático (inteligência), mas sem físico/emocional/mental de um atleta de alta performance, não se consegue (hoje) chegar ao Top10. E penso também que, o tenista pode ter tudo isso e ainda não chegar o topo do ranking e nem conseguir levantar um Major, porque quanto maior a competência dos seus maiores rivais (seus colegas de Top10), mais difícil ficaria sua tarefa, pois se tudo se torna (minha opinião) uma questão de detalhes, de ser o mais completo (jogo) e ter a maior capacidade (inteligência) para tal.

    Responder
  17. Renan

    Dalcim, boa noite. Mudando assunto. Estão falando do contrato da Nine com Federer venceu. Mas não era um contrato vitalício? Que nem Wilson? Obrigado.

    Responder
      1. Renan

        Entendi. É que no post “Quanto vale o número 1”, foi dito ser vitalício tanto Nike, quanto Wilson. Wilson é vitalicio? Você sabe dizer?
        Obrigado, Dalcim, Abraço

        Responder
  18. Sônia

    Nossa Dalcim, pelo pouco que vi, Federer está bastante envelhecido, uau uau. Amanhã usará a “nova remodelada” Wilson ProStaff R97, mas o filho do jogador Beckham já está jogando com ela rsrs. Beijos.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Realmente o Velhinho está ficando mais Velhinho mesmo , Sônia. O tal do Misha partiu pra cima sem respeitar a hierarquia. Em compensação a Mirka está cada dia mais exuberante. Acho que ela tá pegando pesado com o rapaz rsrsrs . Bjs !

      Responder
  19. André Barcellos

    Federer e Nadal tinham que disputar Grand Slams em outra galáxia.
    Aqui no mundo tá ficando sem graça.
    Ou os outros tenistas deveriam disputar um circuito “café com leite”.

    Responder
  20. Mario César Rodrigues

    Não sei Realmente se rafa vá jogar estes torneios antes de |WB até agora nada de confirmar mas se em WB ele não pegar sacadores e ele estiver bem pode sim chegar a final e ser campeão!Ano passado contra o Luxêmburgues Rafa deu bobeira naquele jogo e certamente iria para a final!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Desta vez usou a cabeça. Esses possíveis 500 Pontos não farão muita falta no Final. Sem contar que ia vir chumbo grosso pra cima dele em apenas 3 Sets na traiçoeira Grama de Queen’s. Abs!

      Responder
  21. Oswaldo E Aranha

    Dalcim, Gostaria de fazer 2 perguntas:
    Quais os tenistas do atual top que nunca ganharam o Finals?
    Por que nunca foste comentarista de torneios de tênis, tendo em vista que qualidade não te faltam, tanto pelo conhecimento como pela presença, visto tua ótima aparição no SPORTV 3, quando houve o programa em homenagem à Maria Estar Bueno?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Dos tenistas importantes, o Nadal. O trabalho com a TV é totalmente incompatível com minhas atividades no TenisBrasil, Aranha.

      Responder
  22. Guilherme Martins de Souza

    Errei por 7 minutos pq o Nadal estava com 40-0 no saque e acabou se enrolando para fechar. Era para ser só uma diferença de 2 minutos. ahahaha…valeu aí Dalcim! Teu blog é o número 1!

    Responder
  23. Alexandre Maciel

    Dlacim (ou algum frequentador do Blog) saberia dizer se algum canal irá transmitir o ATP 250 de Stuttgart? Federer estreia amanhã, certo?

    Responder
  24. Luiz Fernando

    Incrível como os trintões Nadal e Federer aterrorizam os adversários, geram um sentimento antecipado de derrota e impotência em muitos jogadores, algo já mencionado pelo Rafael em posts anteriores. Vimos em RG alguns caras dizendo que “vencer Nadal no saibro era a mais difícil tarefa no tenis atual” e agora já no início da temporada de grama o mesmo discurso já começou em relação a Federer. Antes mesmo de entrar em quadra o bundão Misha Zverev já diz que “enfrentar Roger é uma honra” (nas entrelinhas já admitindo a derrota), “mesmo que não tenha sorte contra ele” (expondo que amarela e não consegue jogar contra o cara). Será q esse caras não lembram dos Dustin Brown, Darcis, Vitrolas e Donskoy que atravessaram o caminho dos dois? Sem dúvida encarar essas lendas vivas nos seus pisos preferidos é uma tarefa pra lá de árdua, mas esses manés deveriam pensar algo do tipo”sem dúvida Federer é o grande favorito mas vai ter q suar sangue pra me vencer”, agindo como agem já estão derrotados antes do início das partidas.

    Responder
  25. Marcos Castillo

    César Rodrigues,
    O comentário que vc respondeu no post anterior não foi feito por mim, apesar de ter meu nome. Essa falha tem sido recorrente no blog. Pedi para o autor se identificar, mas até agora nada.
    Abs!

    Responder
  26. Luiz Fernando

    PK perdeu do Istomin na grama e na sua terra natal, que zebra, sempre achei o alemão um bom jogador de grama, vc esperava essa Dalcim?

    Responder
  27. Ronildo

    Se tem um jogador que deve desejar muitíssimo jogar contra Rafael Nadal em Wimbledom, esse jogador com certeza é Richard Casquet. Aliás, este ranking deve ser:
    1- Richard Casquet
    2- Roger Federer
    3- Novak Djokovic

    Responder
    1. ♀♥♀ Stefanie Santos ♥♀♥

      E por muito pouco isso não aconteceu em WB 2014, com o Kyrgios salvando 9 match points que o Gasquet tinha a seu favor. Incrível!

      Responder
  28. Renato

    É impressionante a mediocridade do voleio de muitos jogadores do top-10, incluindo Delpo, Thiem, Zverev e Cilic. Jogadores desse nível deveriam saber volear razoavelmente.

    Responder
  29. Renato

    Mas se Nadal vencer Queens, daí sim ele pode ser considerado um dos favoritos para vencer Wimbledon. De preferência vencendo Novak, Cilic ou Delpo. Eu acho que ele não aguenta com nenhum dos três na grama. Até porque, Rafael não tem grande saque e seu slice é fraco.

    Responder
  30. Jefe

    Mestre Dalcim!

    Devido a necessidade de regularidade e muito provavelmente títulos importantes em sequência, podemos afirmar que ser Líder do Ranking é mais difícil do que ganhar um Slam??

    A pergunta surge devido a comentários recentes dos colegas do blog, sobre o que seria mais importante em comparações entre os tenistas FEDERER e NADAL, no momento.

    Sempre tive o entendimento de que os números máximos sejam 237, 302, 20, 06, em ordem de importância e dificuldade.

    Mas sei que existem muitos outros numeros importantes também.
    ABraço.

    Responder
      1. Welington

        Mestre, sem querer desmerecer o FEDERER e tudo o que ele conquistou no tênis, mas uma coisa é fato: ele nadou de braçada entre os anos de 2003 e 2006, quando o tênis estava numa entressafra de grandes jogadores, à exceção de AGASSI (em final de carreira) e NADAL (muito inexperiente ainda, apesar de ganhar RG em 2005 e vários torneios em 2006). Na minha humilde opinião, esse fato ajudou a superlativar o mito FEDERER, pois nesse período ele ganhou nada menos que 9 torneios de GS. Quando NADAL, DJOKOVIC e MURRAY (estes últimos um pouco mais tarde) efetivamente se firmaram como grandes jogadores, o FEDERER teve muitas dificuldade. Resumindo, no ambiente extremamente competitivo do BIG FOUR, o feito de NADAL é muito mais relevante que o do FEDERER. O que vc acha disso?

        Responder
        1. Gildokosn

          Federer ganhou Grand Slam em 2003.
          Federer ganhou Grand Slam em 2018.
          Federer chegou as finais de todos Grand Slans de WB 2005 à AO 2010 com exceção a AO 2008 onde perdeu na semi para o campeão Djokovic. Não ta bom pra você?

          Responder
        2. benjamin botão

          Comentário tendencioso e sem parcialidade… Esse papo de entressafra já está mais que batido. A diferença de anos de profissionalização entre RF e RN é de míseros 5 anos, e de apenas 7 ou 8 anos entre RF e ND. RN poderia ter sido nr1 do mundo por muitos meses antes de realmente se tornar o tal, e se ele foi nr 2 por todo esse tempo enquanto RF era nr 1 então significa que ele já era jogador fortissimo nesse tempo… Vc mesmo admite que RN ganhou RG em 2005, isso já demonstra o calibre dele antes de se tornar nr 1. O mesmo raciocínio vale para ND, ele flutuou muitos anos como nr 3, alternando o nr 2, até se tornar o nr 1 em 2011. Isso significa que os 3 estavam num patamar muito acima dos demais, significa que RF conviveu com ND e ND em grande forma, sim senhor, antes de perder o reinado do nr1. Onde achei esses dados todos? Na internet, onde muita gente poderia pesquisar antes de escrever essas pérolas. Detalhe: não sou fanboy de nada no tênis, mas como acompanhei bem o tênis nessa época então acho importante desmistificar essa estória infantil de entressafra… não existe entressafra, os três atletas pertencem praticamente a mesma geração. A vida útil de um atleta ATP hoje chega a mais de 15 anos.

          Responder
        3. benjamin botão

          Como escrevi de cabeça os números no primeiro comentário, seguem as correções. RN começou em 09.2001, quando RF ainda era só o nr 12, ou seja, 4 anos depois do próprio RF ter iniciado o ranking da ATP, em 07.1997. Já ND começou em 01.2003, portanto apenas 6 anos depois de RF, que comecou em 1997. Com base nessas pequenas diferenças de anos de entrada no ranking da ATP, eu me pergunto: aonde está a tal entressafra ????

          Responder
          1. Welington

            Meu único comentário foi que, de 2003 a 2006, período em que venceu 9 grand slams, FEDERER nadou de braçada. Isso é fato;
            Nesse período, o único jogador a fazer frente a FEDERER era o AGASSI (já em final de carreira);
            NADAL, a despeito de ter vencido RG em 2005 e alguns torneios em 2006, tinha 19/20 anos (você acha que um tenista nessa idade é suficientemente maduro?);
            A inexperiência de DJOKOVIC era ainda maior que a de NADAL;
            Você pode argumentar o que quiser, mas os primeiros 9 GS de FEDERER foram conquistados num cenário de entressafra de tenistas (os maiores concorrentes ou estavam em final de carreira ou eram ainda inexperientes).

        4. benjamin botão

          Hahaha, adoro ver crianças espernearem quando a idolatria é contestada com números e fatos… “Você pode argumentar o que quiser” significa choro, infantilidade… Vou responder, mas não será para essa criança, mas para trazer mais dados para desmistificar essa bobagem de entressafra de vez:

          – RN ficou de 07.2005 até 08.2008 como nr 2, longo tempo para dizer que foi entressafra… diga-se de passagem que ele tinha 19 até 22 anos nesse periodo;
          – ND ficou de 07.2007 até 07.2011 entre nr 2 e nr 3, portanto tinha entre 20 e 24 anos, antes de assumir o nr 1;
          – RF foi nr 1 aos 23 anos em 2004, RN foi nr 1 aos 22 anos, ND aos 24 anos, arredondando;
          – Connors tinha 22 quando foi nr 1, Borg 21, Lendl 23, McEnroe 21, Sampras 22, Guga 25, só para citar exemplos;

          Baseado nesses número podemos concluir tranquilamente que RN foi nr 1 dentro da média, tendo atletas que o foram mais cedo. Podemos concluir também que RF foi nr 1 por muito tempo com os dois no encalço dele. Diria que RN e ND ficaram muito mais tempo como nr 2 e nr 3 do que a média, o que nos leva a crer que tirar o nr 1 de RF era realmente dificil.

          Para concluir, acho que está desmistificado essa estória ridícula de entressafra. Os dados estão na ATP, basta saber trabalhar os dados para obter as visões corretas. E chega de choradeira, ninguém aguenta mimimi de fanboy.

          Abraços

          Responder
    1. ♀♥♀ Stefanie Santos ♥♀♥

      O Federer agora tem 309 semanas como número 1. Incrível demais! Espero que o Nadal consiga passar pelo menos o Djokovic, mas é 50 semanas é praticamente 1 ano inteiro, muito difícil já que tem que defender US, RG e alguns Masters.

      Responder
    2. benjamin botão

      Comentário tendencioso e sem parcialidade… Esse papo de entressafra já está mais que batido. A diferença de anos de profissionalização entre RF e RN é de míseros 5 anos, e de apenas 7 ou 8 anos entre RF e ND. RN poderia ter sido nr1 do mundo por muitos meses antes de realmente se tornar o tal, e se ele foi nr 2 por todo esse tempo enquanto RF era nr 1 então significa que ele já era jogador fortissimo nesse tempo… Vc mesmo admite que RN ganhou RG em 2005, isso já demonstra o calibre dele antes de se tornar nr 1. O mesmo raciocínio vale para ND, ele flutuou muitos anos como nr 3, alternando o nr 2, até se tornar o nr 1 em 2011. Isso significa que os 3 estavam num patamar muito acima dos demais, significa que RF conviveu com ND e ND em grande forma, sim senhor, antes de perder o reinado do nr1. Onde achei esses dados todos? Na internet, onde muita gente poderia pesquisar antes de escrever essas pérolas. Detalhe: não sou fanboy de nada no tênis, mas como acompanhei bem o tênis nessa época então acho importante desmistificar essa estória infantil de entressafra… não existe entressafra, os três atletas pertencem praticamente a mesma geração. A vida útil de um atleta ATP hoje chega a mais de 15 anos.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Sim!

      E o Bolleli foi bem melhor do que o Diego.

      Porque, ele conseguiu endurecer o jogo nos 3 sets disputados.

      E no terceiro teve uns 3 ou 4 sets points.

      Ele literalmente OBRIGOU o Rafael nadal a jogar o seu melhor tênis…

      O Diego só conseguiu ir bem no primeiro set, e depois sumiu do jogo.

      Responder
  31. Márcio Souza

    E eis que começa a temporada de grama e com ela a possibilidade de vermos Federer em ação.

    Parabéns ao monstro Nadal por mais uma vez ter nos brindado com a sua garra e determinação no saibro vencendo quase tudo.
    Eu propriamente faço muitas piadas sobre o Nadal e isso basicamente porque sabemos que ele é capaz de nos contradizer e alavancar títulos, e como diz o velho deitado: “ninguém bate em cachorro morto”.

    Mas resumindo e pra ser bem claro, que privilégio temos de ainda podermos acompanhar esses dois gênios em ação, e o quanto mais ainda veremos do que ele são capazes ainda de nos proporcionar.

    Nem vou entrar no assunto da nova geração, mas que ver Federer e Nadal ainda em ação e levantando GS nessa altura da vida é muito bom.

    Que venha agora o 98° caneco em Stuttgart, 99° em Halle (o que seria o 10° lá) e o 100° em Wimbledon…e que ja na segunda-feira que vem o número 1 volte pra aquele que de fato é o MAIOR e MELHOR de todos.

    Vai Federer!!!

    Responder
  32. ♀♥♀ Stefanie Santos ♥♀♥

    Respondendo ao comentário do Leonardo Rodrigues no post anterior, o Nadal continua se reinventando sim. Pode até ser pouco para vencer o Federer, WB, AO ou Miami, mas só de ter conseguido mais um US já é muita coisa (e na chave dele estavam Del Potro e Federer). Tem tanta gente boa que passa uma carreira inteira e não consegue vencer um GS sequer ou apenas um como é o caso do Del Potro.

    Na minha opinião, reinventar-se seria o mesmo que melhorar os fundamentos técnicos e com isso ampliar seu leque tático. E com o Carlos Moya está mais do que notório que o backhand do Nadal, antes frágil, se transformou numa arma. O voleio melhorou consideravelmente.

    E ainda há espaço para mais reinvenção: qualquer dia desses o saque pode melhorar e ser mais contundente como no US 2013.

    Responder
    1. Renato

      Bom lembrar que Roger estava com problema nas costas no u.s open do ano passado. Como Federer tinha vencido Nadal na Austrália, Indian Wells(com muita facilidade) e Miami, creio que ele seria super favorito contra Nadal no slam americano, se estivesse 100%.

      Responder
      1. ♀♥♀ Stefanie Santos ♥♀♥

        Não há desculpas para chave fraca, independente dos problemas físicos do Federer, o nome dele estava na chave, logo, somente por esse fato não era uma chave fraca. Então o título do Nadal no US 2017 foi passando por uma chave que tinham Del Potro e Federer.

        Responder
        1. Marcos Castillo

          Peraí, Stefanie…agora ficou confuso…
          Del Potro e Federer do mesmo lado da chave,ok,mas o primeiro tirou o segundo antes de pegar o Nadal, o que de certo modo virou uma vantagem, e não uma desvantagem para o espanhol. Se RN tivesse vencido numa fase o argentino e depois o suíço, até faria sentido essa colocação de mesmo lado da chave…mas nada disso tira os méritos do Nadal. Caneco é caneco.
          Abs!

          Responder
  33. Mario Cesar Rodrigues

    dalcim o público em RG este ano bateu o record sendo que ano passado tinha quebrado o recorde e este ano superou.e tem gente que disse que estava pifio o publico.Pifio dalcim realmente é o feminino nossa GS e alguns Masters Mil o feminino vai na aba do masculino.dalcim tem algum master 100 feminino que não haja masculino digo só feminino?

    Responder
  34. FONSECA

    Dalcim
    Vários jogadores já demonstraram resistência a grama. Monfils ja disse que joga por “obrigação “. Trata-se de algo muito específico, como a esdrúxula monarquia inglesa.
    Nunca se cogitou tirar isso do circuito?
    Penso que deveria ser algo para exibição. O circuito deveria se voltar para os dois pisos que tem difusão pelo mundo e que todos realmente jogam.

    Responder
  35. Luis

    Dalcim duas perguntas rs acha vai ter alguma homenagem em Wimbledon pra Maria Esther talvez até uma quadra com seu nome ? E se Federer terá mais dificuldade em ganhar biWimbledon?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, Wimbledon jamais dá nome a suas quadras. Saberemos das condições dele após os dois torneios alemães. Melhor aguardar para ver.

      Responder
  36. Jony Marcio Santos

    Dalcim

    Há muitos anos, o folclórico argentino Alberto Mancini afirmou que não participaria de Wimbledon porque o pasto era para as vacas. Hoje em dia, tirando Del Potro, vc acredita que algum latino americano possa fazer um bom papel por lá?

    Responder
  37. Mike

    Dalcim, essa temporada da grama promete, acredito até que haverá mais surpresas do que muito além do que se imagina, tenho uma curiosidade ate quando o us open foi jogado na grama? parabens pelos textos, sempre muito coerentes.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Foi jogado até 1974. Entre 1975 e 1977, usou-se o har-tru (daí Connors ter um título de Slam no ‘saibro’) e a partir de 1978 mudou-se para a quadra sintética.

      Responder
  38. Pedro

    Mestre,
    Sempre após roland garros todos falam sobre adaptações que os tenistas precisam fazer para a temporada de grama e do quão incríveis foram Borg e Nadal por irem tão bem no saibro e na grama. Não sei se é uma pergunta leiga ou se não estou sendo claro, mas quais adaptações são essas? Seria na batida da bola, posicionamento, algo no saque?
    Apenas por curiosidade, o Nadal tem 5 finais de wb com 2 titulos e o Federer tem 5 finais em RG com 1 titulo, devido a especialidade de cada um, qual feito voce considera ter sido mais dificil? Eles podem ser considerados especialistas nessas superficies?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, devem ser considerados, embora não seja a superfície predileta de cada um. Considero o feito de Nadal na grama algo excepcional, porque ele precisou de uma adaptação incrível para isso. Eu diria até que foram suas duas maiores conquistas em termos de dificuldade e qualidade. Ainda que a grama não seja mais tão veloz, nem a bola quique tão mais baixo quanto antes, é preciso encurtar o movimento de preparação, usar mais slice, ir o máximo possível à rede, usar mais o saque com efeito, abaixar-se constantemente para executar os golpes e não se pode deslizar na quadra. Tudo isso ainda existe uma boa dose de preparação, Pedro.

      Responder
  39. Alice

    Mike, venho nesse post, lhe dizer que você tem uma maneira de pensar muito parecida com a minha em relação a comparações de carreiras que são feitas entre os tenistas. E concordo, a sua maneira de avaliar/analisar os resultados exclusivamente referentes ao tênis, são muito mais lógicas e racionais do que a grande maioria, pelo que pude notar, até a minha própria. Percebi que sua linha de raciocínio é mais correta quando falamos do tênis, pois realmente, os número de Grand Slam seria o ‘recorde’ mais importante do tênis, o topo do ranking e tudo que deriva dele (semanas, temporadas) servem mais pra validar que aquele tenista foi realmente completo, fez jus ao seu número de conquistas, por assim dizer. Confesso, que adorei sua análise sobre o assunto e com certeza vou passar a usa-la nas discussões, pois é a mais pertinente dentro da realidade do tênis que já vi. Enfim, refletindo agora, penso que devemos primeiro ver onde cada um dos três maiores dessa geração (Federer, Nadal e Djokovic) irão chegar, pois tudo pode acontecer. Disso eu não custo a duvidar, mas se alguém superar o número de Majors que Federer alcançar até o fim de sua carreira, com certeza se ponhará ao lado do suíço nessa eterna discussão de maior de todos os tempos. Beijos!

    Responder
    1. Marcos Castillo

      Alice, o que o pessoal fala muito pouco é no Finals, não concorda?
      Com 1500 pontos em jogo para o campeão, é pouco mais do que um M1000 e pouco menos do que um GS. Um absurdo de campeonato.
      Além disso, é um torneio ANIMAL, onde somente os 8 melhores da temporada se enfrentam, não tendo essa de chave moleza. É pedreira após pedreira, top contra top do início ao fim. Abs!

      Responder
      1. Alice

        Sim, Marcos. Eu concordo, o Finals é um grande torneio também e pode servir pra revalidar a boa coleção de troféus de um tenista, só que ele continua e sempre estará abaixo de um Grand Slam. Apesar de que ele pode ser muito mais competitivo e mais difícil de se ganhar, pois não tem como se “fugir” de encarar os melhores da temporada. Isso é interessante, já que estamos vivenciando uma geração onde temos 3 tenistas que possuem todos os quatro torneios de Grand Slam na prateleira e ainda com Federer e Djokovic possuindo o Finals. Todos tem Copa Davis, tendo Federer e Nadal medalhas de ouro em Olimpíadas. Paparam tudo e devem continuar até que Zverev comece a desbanca-los, que é o que eu estou acreditando piamente no momento..rs
        Poderia ser mais empolgante o cenário, mais a geração de Nishikori já não parece mais capaz disso e jovens como Thiem continuam sua evolução lentamente e Kyrgios nunca se encontra, acaba de fazer 23 anos (abril) e não entrou no Top10…

        Responder
        1. Mike

          Alice, sobre o kyrgios, acho muito dificil ele se encontrar pois o mesmo ja falou em entrevistas que não gosta de tenis e que nunca seria disciplinado como o raonic( na visão dele o raonic é disciplinado) ele é a maior amostra de que talento sem mental e esforço de nada valem, pelo menos não pra se tornar uma lenda ou chegar no topo e permancer lá, o gulbis foi outra amostra disso, fognini também. O esforço e afinco, em certa medida, vale muito mais do que o talento por si só, porque um david ferrer provavelmente se sagrará com mais resultados que um kyrgios? ou um Schwartzman( el peque) com 1,70 se continuar nesse ritmo( ainda não) se sagrará mais com um ernest gulbis?o afinco e a paixão vale a ressalva ”guardadas devidas propoçoes”, geralmente no mundo do tênis faz mais diferença que o talento por si só.

          Ps: quando se junta talento e vontade de trabalhar e paixão pelo que se faz, geram aberrações como federer, sampras, djokovic em menor escala del potro,Zverev, Wawrinka

          Responder
      2. Renan Vinicius

        Discordo em avaliar o Finals como um dos maiores torneios. Na grande maioria das vezes, os jogadores chegam exaustos ou lesionados para o torneio, portanto, mesmo sendo os melhores jogadores do ano, eles chegam abaixo de suas potencialidades pelo fato do competitivo e extenso calendário.
        É polêmico, mas muitos profissionais consideram o título olímpico mais representativo do que o Finals, mesmo não distribuindo pontos.

        Responder
    2. Mike

      Puxa alice, muito obrigado pelas belas palavras! Só vi seu comentário agora e pelo que leio deles, além de acha-los bastante coesos,vejo também que pensa muito parecido comigo , mesmo que não haja mal nenhum em discordar. Tentei e tento sempre ao máximo conciliar e abstrair através da lógica como realmente grandes tenistas se sagraram e vem se sagrando e a conclusão que cheguei foi esta, uma coisa que acho bastante rara nesses comentários aqui no blog e eu tento fugir ao máximo desse lugar comum( sem querer generalizar, porque há os poucos e bons), é nessa questão de se deixar levar pela emoção de torcer por tenista fulano, cicrano e beltrano, claro que tenho minhas preferencias, mas isso jamais vai me impedir de analisar a situação de maneira fria e justa, se tal tenista tem tais recordes ele é melhor e ponto, mas a mesma regra que vale pra um, tem que valer pra todos e na emoção da torcida as pessoas esquecem muito disso. Mais uma vez obrigado pelas palavras e digo o mesmo da sua maneira lógica de ver o mundo do tênis, abs!

      Responder
  40. Ernesto

    Ranking da grama eh completamente justo.
    O que acho um verdadeiro absurdo eh a safra do saibro ter um número extremamente excessivo de torneios em relação a grama.
    Algo muito injusto para quem eh especialista na grama.
    Alguns jogadores se beneficiam deste desnível de um piso face a outro. Eh só dar uma olhada no percentual de títulos de saibro em relação ao total da carreira.
    E depois têm que aguentar dizerem que o ranking da grama eh injusto.

    Responder
    1. Babidi

      Concordo. A grama foi a superfície onde tudo começou, por isso deve ser mais valorizada e respeitada. Esse calendário é muito desproporcional, essa é que é a verdade! Falaram tanto que em 2019 haveria uma grande renovação, mas no final nada foi feito. Até pouco tempo atrás, nem ATP 500 existia na grama. Os jogadores precisam fazer as reivindicações deles quanto a essas coisas também..

      Responder
    2. Santista

      Ernesto, porque voce acha que deveriam haver tantos torneios na grama quanto no saibro? Quantas quadras sobre grama voce na viu no Brasil? Quantas acha que ha na América do Sul? Se voce gosta tanto da grama, porque não clama pela redução de torneios na hard (esmagadora maioria do circuito) em prol de mais campeonatos na relva? A questão é que sua análise é de torcedor, ai a passionalidade reduz a precisão dos argumentos. Viva a diversidade! Viva Nadal! Viva Federer!

      Responder
  41. Jonatã Lopes

    Dalcim

    O Federer vai mesmo assinar com a Uniqlo, ou é apenas um boato?…o que se sabe é que realmente o contrato com a Nike terminou em Março, o próprio confirmou hoje

    Responder
      1. Alice

        Achei um assombro, Dalcim. Pelo fato que ela praticamente pleitaria uma década de “salários tenísticos” para o suíço que provavelmente e infelizmente não estará jogando após os próximos 5 anos. Se não for o maior, com certeza seria uns dos maiores contratos com um esportista da história…300 milhões de dólares! Daria + de 1 bilhão de reais, u.a.l !!

        Responder
  42. Luiz Fernando

    Oi Gabi, tudo bem c vc? Vc não secou o Rafa ontem por isso vou te dar um presente kkk! Talvez no link abaixo vc encontre algumas hipóteses p responder a sua dúvida, ou a dúvida da NBA, quanto aos times q podem assinar com o L. James (veja ao final de cada análise dos diferentes times q podem encarar o GSW em 2018-2019 as chances de cada contrata-lo):

    https://sportv.globo.com/site/nba/noticia/abaixo-a-dinastia-que-times-podem-parar-o-golden-state-warriors-em-2018-2019.ghtml.

    Responder
    1. Gabi

      Luiz Fernando,

      muito obrigada pelo presente! Mas prefiro chocolate rsrs.
      Muito boa e completa a análise que vc mandou.
      Enquanto esperamos, tem muito tênis, futebol, surf, volley e natação pela frente.

      Responder
  43. Luiz Fernando

    Dalcim, vc expôs no outro post q considera Nadal um dos caras a serem considerados na temporada de grama, o q eu pessoalmente tenho sérias dúvidas, em especial pelo fato de estar sacando mal, com baixos percentuais de primeiros serviços e velocidade média pífia. Vc não acha q isso limita, e muito, suas chances?

    Responder
  44. Luiz Fernando

    Enquanto os bobos de sempre ficam expondo teses mirabolantes disso e daquilo p explicar suas conquistas, Rafa vai vencendo e sendo homenageado:

    http://rafanadal-kingoftennis.ru/news/photos_video_rafael_nadal_met_with_paris_39_mayor_anne_hidalgo_at_the_paris_city_hall_11_june_2018/2018-06-11-3981

    Claro, talvez a prefeita de Paris esteja elaborando algum programa que privilegie doping e por isso convida Rafa a ir a prefeitura kkk. E onde está a ex-ministra estúpida q fez declarações sem provas? No mais completo ostracismo…

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Kkkkk

        Realmente esse bordão ” os bobos de sempre” já está mais batido do que vitamina de abacate…

        Na boa LF, vira esse disco…

        (rs)

        Responder
  45. Luiz Fernando

    Tinha certeza q Nole iria disputar a temporada de grama, na qual sempre foi um expoente. O q não tenho certeza é se Rafa irá para Queens, p W tenho certeza q irá. Esse ranking da grama eu pessoalmente deploro, mas como em tudo na vida alguns devem achar legal, o q deve ser respeitado.

    Responder
    1. Chileno

      Eu particularmente gosto da ideia do ranking da grama. Só acho estranho ela ser exclusiva da grama. Acho que idealmente, esse ranking deveria ser aplicado em todos os pisos, ou ao menos em todos os Slams, ou em lugar nenhum.

      Responder
  46. Rafael

    No post anterior, várias pessoas acharam por bem entender que a crítica à Thiem era o desmerecimento de Nadal.

    Nadal é um multi, mega campeão, uma lenda viva do esporte.

    Ok?

    Thiem é um bananão, mas é menos banana do que Zverev.

    Ainda assim, um bananão.

    Djoko já tinha SLAM na idade de Thiem e não estava “Here to Create”. Já estava criando.

    Como diz o Elvis Presley – “A little less conversation, a little more action”.

    Nadal já disse, sobre Djoko, que em um determinado período da carreira do mesmo, ele era o mais próximo do jogador invencível que ele já tinha visto – e enfrentado.

    Interiorizem.

    Ninguém, absolutamente NINGUÉM estava dizendo que era para o Thiem ter ganho na 1a. final contra Nadal.

    Mas podia ter oferecido resistência, pelo menos.

    No entanto, torço para que esses garotos virem algo, conquistem Slams, detonem sistematicamente a velha guarda, torço mesmo.

    Torço pra que nenhum deles vire um Berdych da vida, cujo potencial ficou-se esperando que demonstrasse até cansarem de esperar, com uma vitória ocasional (mais rara do que ocasional) sobre os grandes.

    Não quero viver de lembranças de uma época que será difícil eu ver de novo.

    Djoko teria perdido igual essa final, mas teria tido jogo, pelo menos. Pena que, na atual fase, ele não teve competência pra chegar lá.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Qual foi a resistência que STANIMAL ofereceu ano passado , Rafael ? O TOP 3 do Mundo aos 21 , Alexander Zverev e’ um banana ? Comparar um dos Maiores da História com essa novíssima geração não será um pouco demais ? Novak já era assim… Bem ou vocês conhecem muito , ou infelizmente vão pagar um mico assustador. Nos Posts o Blogueiro se mostra fora dessa. E eu , idem. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Se Novak caiu para o Italiano que perdeu para Thiem em Sets diretos, porque ofereceria mais resistência ao Rei do saibro ? Abs!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Teu argumento é fraquíssimo, Sérgio.

        O Wawrinka não ter oferecido resistência, não muda em nada o fato de que DEVERIA ter oferecido!

        E a incompetência pontual do Stan, não justifica e nem isenta a do Thiem.

        Isso que você usou, parece até argumento petista: ” se o PSDB roubou antes, por que o PT não podia”?

        Ou seja, não faz o menor sentido isso… Pelo simples fato de que roubar é errado e pronto.

        O Rafael foi PERFEITO em sua colocação.

        É lógico que o Thiem não tinha dever nenhum de ganhar. Mas OPOR resistência, ele tinha.

        Pois todos esperávamos um grande jogo. E vimos só mais um passeio de Rafael Nadal…

        Responder
  47. Renato

    Ser cabeça um ou dois não faz a menor diferença. O único beneficiado mesmo é Novak. É bom para seus adversários, pois quanto mais tarde puder emfrenta-lo, melhor.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *