Final mágica na Caixa de Madri
Por José Nilton Dalcim
12 de maio de 2018 às 19:36

Os dois tenistas com maior número de vitórias na temporada, exatamente 25 cada um, irão decidir o título no importante Masters 1000 de Madri neste domingo. Alexander Zverev e Dominic Thiem tiveram trajetória bem distinta sobre o veloz saibro da Caixa Mágica e dividem favoritismo. Se o alemão já tem dois Masters apesar dos três anos a menos de idade, o austríaco ganhou quatro dos cinco duelos entre eles. Excelente clima.

Zverev fez uma semana tão incrível em Madri que só encarou um break-point na soma de todas suas partidas, lá no começo, contra Leonardo Mayer. Ou seja, aproveita bem a altitude para trabalhar com o primeiro saque e manter o adversário acuado. O duelo contra Denis Shapovalov só teve oito games de real disputa. Depois de ser quebrado, o canhoto canadense perdeu o rumo, ficou apressado e falível. Não teve graça.

Thiem sofreu bem mais na semana. Vindo de atuações decepcionantes em Monte Carlo e Barcelona, levou sufoco de Federico Delbonis e viu Borna Coric sacar para a vitória, virando as duas partidas. Aí fez um jogo magnífico diante de Rafa Nadal e desta vez manteve o embalo, dominando Kevin Anderson com aplicação nas devoluções. Nada daquela pressa exagerada, mas total consciência para trabalhar os pontos.

A final é bem imprevisível, porque Madri é um ponto um tanto fora da curva dentro do saibro europeu. Thiem deveria ter o favoritismo pelo retrospecto, mas terá a pressão de jamais ter vencido um Masters. No fundo, a meu ver, os dois disputam não apenas um título de peso para suas carreiras mas o embalo essencial para tentar fazer um grande Roland Garros.

Na ala feminina, emocionante e bem disputada final entre Petra Kvitova e Kiki Bertens. Que jogo intenso. Games extremamente longos, chances desperdiçadas, vacilos aqui ou ali, e uma entrega total até o último minuto. Bertens talvez tenha demorado demais para tomar uma postura mais agressiva, porém mostra que, agora na condição de 15ª do ranking, é uma tenista que merece atenção durante o Slam francês.

Ao mesmo tempo, é preciso enaltecer o empenho de Kvitova, que por vezes pareceu ir além de seu limite físico. É uma jogadora excepcional quando está no comando dos pontos, tem uma visão incrivelmente boa do lance e das alternativas. Não dá para colocá-la como candidata a Paris, onde as condições costumam ser bem mais lentas, porém seria uma magnífica façanha se ela conseguisse seu terceiro Slam justamente na terra.


Comentários
  1. Mario César Rodrigues

    Com todos problemas de contusão e fase ruim Rafa é se não o cara que nunca saiu do top 10 desde 2005 quando foi numero 5 aos 18 anos!já com Federer,Nole,Andy despencaram penso que o pior foi o Federer pela fama do tal melhor de todos os tempos só fama mas não reflete a realidade!Isto realmente é impressionante!

    Responder
    1. Henrique

      Claro que é a realidade , federerpode ser chamado de melhor de todos os tempos , sem dúvida. Outra ,são muitos anos de carreira , ninguém consegue ,com mesmo tanto talento ficar no topo a carreira toda , federer teve uma queda em 2016 e já estava com 34 pra 35 , deixe o recalque de lado . E em falar te talento Nalbadian era um dos grandes talentos do tênis , acho que no mesmo nível do Federer . Era melhor que nadal , tinha mais recursos , claro que o espanhol evoluiu ao longo do tempo , porém no s anos 00 Nalbadian era bem superior em nível de talento e técnica do Nadal . Nalbadian era pra ter sido o Rival do federer e disputado a maioria dos Grand slams com ele. Acho que safin está na mesma também, não levou a carreira a sério …

      Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    Dominic , sentiu a pressão. Sacha além de não sentir, jogou como um verdadeiro CAMPEÃO. Irretocável seu jogo de base , de Serviço , e porque não de rede( algumas vezes ). Deixando as babaquices de lado, Alexander se mostra como o mais próximo do BIG FOUR. Um Torneio na qual foi exigido a fundo, e parecia um Veterano. As críticas de Juan Carlo Ferrero , fizeram bem ao Moleque. Seu Pai, e treinador ( além de MISHA ), lapidaram um jogador do mais ALTO nível. Thiem deve estar feliz por não ter sido humilhado pelo seu Contemporâneo Três anos mais jovem. Hoje me emocionei com um GUGA vinte um anos depois. Sacador como o Manesinho da ilha , e sem temer ninguém. A diferença de Back com uma ou com duas mãos , pouco importa para quem ama o Esporte. ABS!

    Responder
  3. Luiz Henrique

    Apenas o big four e Zverev dos jogadores em atividade ganharam 3 ou mais masters. Com 21 anos apenas, ele tem um belo futuro no tênis.

    Responder
  4. evaldo moreira

    Dalcim,
    já que estamos na gira do saibro, hoje me lembrei de ver , sobre o calendário 2018na página tenisbrasil, e acabei vendo algo, que alguns aqui já levantaram a bandeira, respeito a decisão do Federer, mas pelas datas, creio eu, daria sim, para o suiço jogar pelos um, Internazionali BNL d’Italia
    Roma, Itália – Master 1000, e a seguir Roland Garros, embora a explicação do preparador físico do Federer, tenha explicado isso, e você mesmo, fez uma análise outro dia, eu na minha hum ilde opinião, como torcedor do suiço, gostaria de vê-lo nesta gira de saibro, e acho, dependendo do andamento, chegaria tranquilo na grama, desgastes a parte, o que achas mestre, mesmo sabendo de sua resposta em outro post(rsrsrss)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, eu também achei que ele poderia facilmente jogar Madri e Paris, por exemplo, mas temos de respeitar a decisão dele, ainda mais apoiada por seu preparador físico de confiança.

      Responder
    2. Ricardo

      Pra quem ja ganhou tudo na vida, dar-se ao luxo de pular os torneios nesta superfície abominável que é o saibro, nada mais é do que um privilégio

      Responder
  5. José Eduardo Pessanha

    SuperesTHIEMado é uma espécie de Robinho do tênis. É aquele que foi craque sem nunca ter sido é que nunca vai ser.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Kkkk

      Também não exagera.

      O Zverev jogou demais em Madri.

      Não teve um serviço quebrado sequer, em todo torneio!

      Até o Nadal, que vinha ganhando tudo no saibro, já havia sido quebrado.

      Quanto ao SuperesTHIEMado, acho que a derrota hoje foi mais mental do que tudo.

      O austríaco ainda treme. E não sabe como dirimir esses jogos mais importantes.

      Mas acho que é questão de tempo, logo, logo ele consegue algum título 1000 na terra.

      Acho que só de ter ganhado do Nadal, ele já pode sair contente.

      O Zverev provavelmente teria perdido…

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Rodrigo, por algum motivo eu também acho isso. O alemão perderia de Nadal já que no quesito experiência e títulos, ele tem muito mais. Zverev deve um Matser 1000 a Thiem…!!! rsrsrs ( O jogo de Madri, na minha opinião, foi entre Thiem e Nadal!) Abraço!

        Responder
  6. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    muito se falou do backhand do Nadal, mas depois desse torneio pelo que vi a esquerda do Zverev e muito melhor do que a do Nadal, não sei se ajudado pela altitude, mas existe uma diferença razoavel. Assim, mesmo que tenha tido uma melhora na direita do Zverev eu acho ela muito inferior a do Nadal. Mestre acredita que no momeno thiem e zverev são os tenistas com mais condições de tirar RG do Nadal? ou apontaria outro?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que são os adversários mais perigosos. E o backhand de Zverev é realmente superior, mas um golpe só não resolve o problema do tênis.

      Responder
  7. Sandra

    Puxa vida Dalcim!!!! Deve ser praga do Nadal , Thiem ganha dele e depois acaba perdendo. E o zverev ???? Daqui a pouco bate os recordes do Nadal!!! O que vc acha???

    Responder
  8. Marcos Castillo

    Acho que o Thiem perdeu pq escolheu mal o técnico.
    Mais um que foi iludido pela velha história que o Galo Blanco que é o bom.
    Brincadeiras à parte, acho que os finalistas de hoje podem sim levantar o caneco de campeão em Roland Garros.
    #euacredito

    Responder
  9. FONSECA

    DALCIM:
    A vitoria de Zverev sobre Thiem é a vitória do backhand de uma mão contra o de duas? Tirando a genealidade do Federer o backhand de uma mão está morto?
    Foi isso que vi…….?

    Responder
  10. José Eduardo Pessanha

    Mestre, vendo pela TV achei que o Manolo Santana deu uma “caída” em relação aos últimos anos. Achei a postura dele bem abatida durante todo o torneio. Sabe dizer se ele esteve doente? Se for o caso, desejo melhoras pra ele.
    Abs

    Responder
  11. Luiz Fernando

    Assisti o segundo set da final de Madri e Zverev repetiu o mesmo padrão impecável de ontem. Poucos erros, agressivo na medida certa, serviço excepcional, não deu chances a Thiem, o qual me pareceu claramente sentir o peso de sua primeira final de M1000. O alemão venceu com sobras, demonstrando a paridade de forças entre ele eo austríaco, ou seja, ele com uns bons degraus a mais. Vamos pra Roma.

    Responder
  12. Paulo F.

    kkkkkkkkkk
    É uma piada sem graça esse Dominic SupersTHIEMado mesmo!
    Consegue o mais difícil no torneio – ganhar E BEM – do Rafael Nadal há 50 jogos invicto e na oca do Bugre Careca,
    Aí na hora de erguer o caneco…pfffffffffffffff…
    É um Atlético de Madrid, um Cerro Porteño mesmo.

    Responder
  13. Paulo F.

    Zverev favoritaço.
    Thiem não é jogador de chegada.
    É como um ABC de Natal – mais de 50 títulos estaduais (ATP 250) e nada além disso.

    Responder
  14. Rodrigo S. Cruz

    Poxa.

    O Stanimal faz falta ao circuito, principalmente aquele backhand dele no saibro.

    Mas eu não esperava nada diferente de derrota precoce, após esse tempo de inatividade.

    Só torço para que não tenha sentido o joelho.

    Responder
  15. Rubens Leme

    Confesso que não entendi essa volta do Wawrinka. Visivelmente fora de forma e sem ritmo, escolheu um saibro lento e difícil como Roma e caiu para um dos bons americanos neste piso. Steve Johnson é bicampeão na terra de Houston, além de um vice em Viena para o David Ferrer.

    Assim com Djokovic, voltou cedo demais em um torneio muito forte para seu momento. O único que faria uma volta mais sensata era o Andy Murray, adiada.

    Se queria um teste para RG, voltou duas casas.

    Responder
  16. Leonardo Freitas

    Mais talentoso dessa geração liderada pelo Dominic Thiem e o Kyrgios mas por não ter uma cabeça competidora e o foco extra dimensional que o circuito exige e preciso a melhora do físico que muito deixa pecar e Zverev tem pouco menos de talento natural mas porem e um competidor,e um jogador equilibrado e um dedicado tenista e salvo o talento do Shapovalov e sua evolução ou kyrgios se transforma no tenista que ele tem talento para ser, inevitavelmente o alemão sera próximo tenista a ser número 1 do mundo apos a era big four.Uma final interessante com equilíbrio mas com um pequeno favoritismo para o Zverev mas com Thiem forte na disputa.Finalizando o comentário Roma e Roland Garros e muito difícil e improvável não ser o título do Nadal por este estar em grande fase e forma.

    Responder
  17. Rodrigo S. Cruz

    [quote/] O Dalcim afirmou que Laver não fazia ” Saque – Voleio ” o Tempo Todo. Isso em 1968. Basta conferir no Youtube. Teu problema é ser extremamente vaidoso e não conhecer nada do Esporte. Ate’ mesmo chamar o Craque de Fujão e GUGA melhor que Murray já fez parte das suas ” Pérolas ” .Sobre apaixonado uma Whats pro Pessanha resolve tudo. Pergunta se você mandou bem kkkkkkk ABS!

    1) Exato, o Dalcim que te explicou isso, “jêniu”. Se dependêssemos de tua vasta “sapiência” estaríamos perdidos. (rs)

    2) Pulemos pro próximo item. Afirmar que conhece mais que outro é tão infantil quanto medição peniana.

    3) Chamei o craque de fujão. Oh Céus, que lástima! Acho que o Federer agora até “magoou”. Snif, snif. Affe, quanta frescuragem…

    4) Mantenho minha opinião. O Guga foi melhor do que Murray mentalmente. A diferença é que se machucou mais rápido que o britânico. Mas sabe-se lá, quão longe poderia ter ido na carreira, sem a lesão…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Para por aqui. Nem THOMAZ KOCH, muito menos Pistol Pete Sampras, jogavam o Tempo Todo no Saibro, Saque-Voleio. O papo saudável com o Dalcim, era esse. Pois neste estilo , ninguém venceu Roland Garros. Becker que exagerava, ficou sem um UNICO ATP. E Andy Murray não foi Ídolo do Guri. Mas foi muito mais jogador que GUGA. A meu ver. E na boa , me esquece. ABS!

      Responder
  18. Maurício Luís *

    Analisando estatisticamente a situação semântico-ortopédica da pontuação do Federer e do Nadal, e levando-se em conta a teoria da elasticidade do rabo da lagartixa, em consonância com a atual situação em princípio de cacofonia convergente, cheguei à brilhante conclusão: o Federer tem o seu número 1 na corda bamba. Porque o Nadal só depende de si mesmo para voltar ao topo.
    É bem verdade que em Roland Garros a coisa vai se complicar pro espanhol. Por mais favorito e especialista que seja, ganhar um Slam nunca é tarefa fácil.

    Responder
  19. Anderson Kleiner

    Vou torcer pro Thiem, porque acho que ele tem feito jus há algum tempo a um título de Masters, ainda que eu considere o Zverev muito mais “all-around”. Também pudera, depois de acabar com o recorde de 50 sets consecutivos do Nadal…

    Responder
  20. Nando

    Estava vendo aki Dalcim…se Zverev for campeão, ficará a pouco mais de 1900 pts do espanhol, e aí, acho q pode começar a “sonhar” né? Ao menos com o N2…já q defende pouco nos Slams, enquanto nadal defende RG e USO. Mas desde q Zverev melhore nos Slams.
    Acha possível ele “sonhar” ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Plenamente possível, Nando, mas como você bem disse ele precisa realmente provar lago nos Grand Slam. Claro que você precia ver que ele defende Roma na próxima semana e pode até perder o posto para o Grigor Dimitrov. Mas o importante é vermos que Zverev consegue manter padrão para ficar lá no topo do ranking. Abs!

      Responder
  21. Sônia

    Parabéns pra Kvitova, não foi fácil, lutou até o fim. A holandesa em alguns momentos levantava a bolinha sem dó, mesmo assim, não conseguiu desestabilizar a tcheca. Merecidérrimo esse título Kvitova, aprendo muito contigo. Amanhã, nada contra Zverev, mas estarei torcendo muito para o ThieMito. Beijos.

    Responder
  22. Arthur

    Uma maravilha, Dalcim. Que bom para o tênis essa final entre Thiem e Zverev.
    Vou torcer pelo austríaco porque sempre tendo a torcer por quem bate com o back de uma mão, especialmente quando tem a potência que o do Thiem tem (embora o do Wawrinka ande mais e seja bem mais bonito).
    Tomara que seja um prelúdio de dias mais felizes no circuito, com mais competição e sem a pasmaceira agoniante de Dimitrov e Cia. Ltda., que só fazem figuração (com um abraço ao meu caro Sérgio Ribeiro).

    Um abraço.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Valeu, Arthur . Mas sem o Big Four + STANIMAL, ainda da’ tempo para essa geração entrar na ” Temporada de Caça” pelos SLAM. ABS!

      Responder
  23. Sérgio Ribeiro

    Devido a Talentos muito próximos, o Backand de duas mãos poderia ser um fator de desequilíbrio para Zverev. Principalmente agora que seu Forehand está afiado. Mas algo me diz que Thiem vai tentar botar o Alemão pra se mexer ( lateralmente ele não gosta) .Assim como fez com o Rei do Saibro. Se conseguir, leva. Ao menos, a meu ver. ABS !

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      SuperesTHIEMado sendo superesTHIEMado. Zverev é infinitamente mais jogador do que o Thiem, Sérgio. Mesmo sendo muito mais novo.
      Abs e saudações rubro-negras

      Responder
    1. Nando

      Rapaz, vc é fanático doente…vá se tratar. Passa recibo nas páginas de notícias td vez, e agora quer passar aki tbm?
      Já saiu do grupo do whats pq seu ídolo perdeu do Muller (papelão hein…vc saiu antes do cumprimento à rede), vive falando merda do site e do blogueiro….já é velho e barbado, cresça rapaz!

      Responder
      1. Bruno

        Nando,
        Eu fui conferir lá na página dos comentários,sobre o tal de David,desisti de comentar ao ver que o rapaz faz chapinha no cabelo.

        Responder
        1. Nando

          Kkkkkkkkk
          Ele era do grupo do whatsapp e se dizia “amante do tênis”, q não era fanático…
          Mas era só chamarem nadal de baloeiro ou de siri, q saía xingando os outros. Qnd Muller venceu em WB no ano passado, saiu do grupo antes do cumprimento à rede dos caras kkkkkkkk.
          Hoje ele passa recibo naa páginas de notícias, falando mal do site, chamando ele e o blogueiro de tendencioso, diz q o site deveria se chamar “Federer Brasil” kkkkk, mas não sai daki né?
          Pessoa patética.

          Responder
    2. Rafael Benthien

      David, talvez Dalcim esteja propondo um trocadilho com o nome do estádio, além de festejar o fato de, finalmente, a mais nova geração estar dividindo a final de um importante torneio. Eu li o comentário por essa chave (mas posso muito bem estar enganado). Federer, Nadal e Djoko não são eternos enquanto jogadores em ação. É importante para o tênis formar novos campeões, pois as pessoas vão, e o esporte fica. Dito isso, todas as finais com Federer, Nadal e Djoko são mágicas… porque esses caras levaram o tênis a um patamar inédito. Daí a importância de celebrarmos os mais jovens. Eles têm de fazer algo com o peso do mito (esse sim mais longevo) desses grandes jogadores. Abraço, Rafael.

      Responder
    3. Marcelo Araújo

      Que recalque o seu David! Pode ter certeza que uma final de Slam em qualquer piso que envolva 2 jovens talentos como Thiem e Zverev, será mágica sim! Imagine se a final de Wimbledon for entre Kirgios e Shapovalov? Será fantástico! Eu, como torcedor dos 2 melhores tenistas que vi jogar, vou torcer para uma nova final entre Federer e Djokovic mas não deixaria de achar formidável uma final entre os jovens talentos. Imagine que barato que não seria Thiem e Zverev fazendo a final de Roland Garros?? Seria o máximo!! Um novo vencedor de Grand Slam, a vitória da técnica sobre a força… Seria demais!!

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Bruno,

        Ele é do norte de Minas. Ali na cidade dele começa um pedaço do Brasil que infelizmente é negligenciado por nossos governantes: o polígono das secas.
        Com relação ao sul de Minas, sinto muitas saudades das minhas viagens para São Lourenço. Bons tempos. rs
        Abs

        Responder
        1. Bruno

          Vc tem razão Pessanha!
          Fiz confusao com o Bruno Louzada ,esse sim ,do sul de Minas.
          Concordo com vc e a Sônia ,região é maravilhosa.

          Responder
          1. Sônia

            Maravilhosa “por demais”. Lamentavelmente sendo destruída pela “ambição humana”, triste demais. Beijos.

  24. Rodrigues

    Dalcim

    Descobri porque o Federer pulou a gira no saibro europeu.
    A Mirca disse que estava cansada de lavar meias sujas de terra, (ele usa dois pares).
    Se disputasse, teria que, além de lavar as meias, lavaria o resto do uniforme.
    É o que a minha mulher me obriga…..
    Porque se disputasse, com certeza terminaria o ano como número 1

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Rodrigues, só pode ser isso. Tá explicado. No lugar dele, entre lavar as meias e perder o número 1, fico com a segunda opção. Acha?.. Lavar as meias e ficar com a mão toda enrugada? Que coisa de pobre!

      Responder
  25. Eduardo

    Belo post, Dalcim. Acho o Zverev favorito amanhã, por pequena margem, muito devido a seu saque pesado e muito eficaz em Madrid. O saque quique do Thiem não deve incomodar tanto o excelente backhand do alemão. Aliás, Dalcim, vc não acha que o Zverev passou a se dedicar mais e melhorou bastante após as críticas do Ferrero? Parece querer provar algo… Outra coisa, gostaria da sua opinião, ele deixa a desejar ainda no forehand, falta mais peso de bola em muitos momentos… me lembra o Murray às vezes… Se desenvolver uma técnica mais apurada na direita, será difícil segurar, hein?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o forehand dele é melhor do que o do Murray, Eduardo. Na verdade, a movimentação para a frente é um problema. O Shapovalov até apostou em algumas deixadinhas hoje, mas depois desistiu. É um bom caminho puxá-lo para a frente.

      Responder
  26. Bruno

    Incrível como vc consegue comentar partidas sem dar pista sobre quem ganhou o jogo. Claro que vc não deveria dar pista, mas dizer claramente quem ganhou. Muitas vezes leio o blog e termino tendo que ir buscar informações extras porque seu texto simplesmente não entrega o mais óbvio e importante: o vencedor! Eh frustrante, apesar de gostar bastante do blog.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Dois coisas, Bruno. A função do Blog não é informar placares, mas fazer análise. Segundo, se logo no primeiro parágrafo (segunda frase, na verdade) está escrito que Zverev e Thiem irão decidir o titulo, me parece bastante óbvio quem foram os vencedores do dia. Abs!

      Responder
      1. Raul Patti

        Dalcim
        É impressionante como seu blog apresenta boa escrita mas nunca revela os números da mega sena

        Acabo tendo que consultar pai oxo, mãe Dinah

        É frustrante trabalhar 12 meses por anoz perdendo a chance de ficar rico

        Toma jeito Dalcim

        A propósito, sobre essa coluna da final THIEM vs ZVEREV, quem foram os vencedores das semifinais?

        Responder
      2. Bruno

        Concordo totalmente que vc não precisa informar placares. Venho aqui exatamente para ler sua análise. Mas a análise fica totalmente comprometida quando vc sequer menciona ou dá a entender quem foi o vencedor da partida. Não estou me referindo às semis masculinas, mas à final feminina. Por favor, releia seu texto e se coloque no papel de leitor que não sabe o resultado da partida. Impossível saber se a vencedora foi a Kvitova ou a Bertens. E não eh a primeira vez que isso acontece quando leio uma das suas análises. Apesar disso, gosto bastante do blog e o acompanho há anos, desde que o começo.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Entendo e agradeço a colaboração, Bruno. Como o Blog faz parte do site TenisBrasil, e não é um veículo à parte, parto sempre do princípio que as pessoas têm acesso fácil ao bloco de resultados, manchetes e notícias que o site produz em tempo real e grande quantidade. Mas ficarei mais atento a seu pedido, sempre na tentativa de melhorar o Blog. Abração!

          Responder
  27. Renato

    Dalcim, hoje a SporTV mostrou que o RPM de backhand do Shapovalov é superior ao do Thiem.

    Na minha opinião, o campeão amanhã será Zverev. Mais jogador e mais currículo.

    Responder
  28. Rubens Leme

    Curiosidade: na única final de Masters, na terra entre um austríaco (e não australiano, como insiste o UOL) e um alemão, aconteceu em Monte Carlo, Thomas Muster bateu Boris Becker, por 3×2: 4–6, 5–7, 6–1, 7–6(8–6), 6–0.

    Muster, aliás, era ridicularizado pelos norte-americanos (especialmente Pete Sampras) quando se tornou número 1 porque a maioria dos seus títulos era no barro, afinal dos seus 44 títulos, 40 foram neste piso.

    Responder
    1. Luciano

      Cara como vc é ridículo nos seus comentários.
      Terra, barro… Certeza que Sampras jamais teve seu recalque pra comentar sobre um adversário. Aliás está cada vez pior os comentários aqui. Se alguém ganhar 10 títulos no ano no cimento é gênio, porque vc e o mais preconceituoso dos comentaristas, um tal de Renato, o que mais fez comentários nos títulos do Nadal são podres, pobres, simplesmente o que há de pior em termos de diálogo. Sinto muito por vcs que, infelizmente, com tantos adjetivos com relação ao Federer que deveriam enaltecer, se preocupam inexplicavelmente com o Nadal.
      Muito, muito ridículo vcs

      Responder
      1. Rafael

        Nossa, que braveza.

        Não vi nada disso no Rubens leme até hoje, naquilo que eu li. Ele diz barro, outros falam pasto (sobre a grama). Por favor, não afaste outro bom comentarista daqui.

        ———————————

        Quanto ao Renato, antes tarde do que nunca. Li seu post de autocrítica lá atrás sobre falar coisas sem provas, etc. Achei muito bacana de sua parte. Eu também penso muita coisa e não digo.

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        O Cara vinha de 14 Títulos e 40 Vitórias no Saibro inclusive Roland Garros em 95. Em fevereiro de 96 tomou o N 1 de um de seus principais Carrascos ( Pete conseguiu bate-lo inclusive em Rolanga 91). Sampras e Agassi realmente tiraram um Sarro na época, Caro Luciano. E não deu outra. Seis semanas depois Pistol Pete estava de volta ao TOPO. Mas o Austríaco era espirituoso e levou na boa. Acabou aprontando uma Zebra pra cima do próprio em plena I Wells 98 rsrsrs ABS!

        Responder
        1. Rubens Leme

          Rafael, eu sou responsável pelo que escrevo não pelo que os outros entendem. Mas agradeço sua defesa. Quanto ao sarro de Sampras e Agassi, Muster não levou tão bem assim, ficou magoado até porque ganhou conforme as regras e após viver aquele drama de quase ficar paralítico ao ser atropelado em um estacionamento.

          Eu não tomo partido sobe este ou aquele, até porque meus tenistas favoritos todos já se aposentaram. Sobrou o Delpo, é verdade, mas torço discretamente.

          Enfim, cada um entende (ou distorce) o que quer. Eis o bom (ou o mau) da democracia.

          Responder
  29. Bruno Macedo

    Shapovalov realmente precisa amadurecer, tenho certeza que essa melhora virá com o tempo. O que mais importa é que o talento está garantido.

    Certamente torcerei por Thiem amanhã, o Zverev ja tem 2 masters, então creio que esteja na vez do Thiem.

    Teremos excelente final amanha, pena que será na hora do almoço das mães… rsrs

    Responder
      1. Gabi

        Sônia, eu justamente escrevi “para a gente ver o que ele acha ser tanquinho”, mas foi publicado errado.
        Bem que o Thiem poderia levantar a camiseta tb rsrs.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *