Saibro renovado
Por José Nilton Dalcim
11 de maio de 2018 às 19:03

Quando parecia pouco provável que alguém ousasse ameaçar Rafael Nadal sobre o saibro europeu, eis que Dominic Thiem resolveu colocar a cabeça no lugar e, ao usar suas melhores armas, conseguiu uma verdadeira façanha em Madri. Tirou cinco games de serviço do número 1, se mostrou mais forte mentalmente do que o espanhol na hora da pressão e venceu em sets diretos. Para quem levou surra dias atrás em Monte Carlo, atingiu o típico ‘água para o vinho’.

O austríaco, todos sabemos, é um excepcional jogador sobre a terra e seu maior pecado sempre esteve na cabeça, principalmente a ansiedade. Ainda assim, o triunfo de hoje teve uma necessária composição: ele jogou num nível muito alto, com paciência e tática apurada, enquanto Rafa cometeu sucessão de erros fatais em momentos chaves, algo que não se tinha visto ainda nesta fase do saibro. Já havia mostrado certa instabilidade diante de Diego Schwartzman, porém Thiem exibe capacidade ofensiva muito superior à do argentino e colocou isso em prática.

O primeiro set foi um belo espetáculo, em que pesem os quatro instáveis últimos games. Thiem suportava bem o tiroteio em cima de seu backhand sem se mostrar desesperado. Na hora certa, tentava um forehand na paralela. Nadal por sua vez sacava com ótima variação e colocava o adversário para correr. Duelo de saibro a toda prova. O espanhol, para surpresa geral, falhou duas vezes. Permitiu a primeira quebra, teve alguma sorte para evitar a perda do set com um forehand de Thiem que saiu por milímetros, e aí na hora de virar fez um game bizarro. O austríaco experimentou até saque-voleio e enfim encerrou a invencibilidade de sets com ace.

Os dois tenistas diminuíram o ritmo no segundo set e novamente Nadal abriu a janela primeiro, cedendo o serviço para 3/1. Thiem foi heróico ao salvar 15-40, mas no serviço seguinte mostrou – pela primeira e única vez na partida – aquele velho problema da pressa exagerada em acabar com o ponto. Outra vez, Nadal não conseguiu virar o placar e daí em diante vimos um Thiem muito confiante, agora apostando num forehand diagonal magnífico, outra das poucas armadilhas que podem segurar o espanhol.

A queda inesperada de Nadal irá animar todos os semifinalistas de Madri. Thiem deveria ser favorito diante de Kevin Anderson, mas já vimos muitas vezes ele sair de giro após uma grande exibição, como se a missão já estivesse cumprida. Anderson é um jogador de força, vai se concentrar no saque e ir para cima do backhand. O austríaco pode usar muito bem o slice e as deixadinhas para desequilibrar o sul-africano.

Alexander Zverev é igualmente nome forte no saibro e felizmente reagiu bem em Madri. Fez outra boa exibição diante de John Isner, esperando a hora certa para as quebras, além de ter trabalhado incrivelmente bem com o próprio saque. A aposta lógica é que vá dominar Denis Shapovalov no saibro, assim como já fez duas vezes no piso duro e na semi de Montréal de agosto. O canadense – que venceu um jogo muito duro e intenso diante de Kyle Edmund – terá de arriscar o tempo inteiro e evitar trocas longas.

De volta ao saibro menos veloz, Nadal continua superfavorito para Roma e Paris, porém ao menos existe agora a expectativa de maior competitividade, E, que bom para o tênis, justamente por parte da nova geração.


Comentários
  1. Maria izabel

    Assisti o jogo, vi um Thiem focado,exuberante.Tem talento só precisa ser menos afoito.Li no Marca a entrevista de Nadal que disse, que Thiem jogou muito bem e ele não conseguiu acompanhá-lo.Tambem vi alguns comentários aqui que beiram a insanidade.Triste ver cada vez mais,e em cada setor o ser humano ser tão ruim.Dificil ler certas coisas.Cada tenista tem sua característica,uns com mais FH,BH,rei de aces etc.Mas daí,pegar um tenista que já venceu 10 RG,11Monaco etc ser chamado de baloeiro,dopado etc é um desrespeito sem precedentes.Adoro tênis e sempre vejo os grandes desde lá atrás.Nāo consigo desejar o mal porque prefiro ou não outro.Me sinto muito privilegiada de poder ter visto e ver grandíssimos jogadores.Que o tênis tem de ser renovado,não há dúvidas. E que bom ver essa safra chegando,Thiem,Zverev,Shaparolov,Kyrgios etc.Afinal,tanto Federer,Nadal,Wawrinka,Djocko,Murray estão no fim de suas carreiras.Essa sucessão é natural,e é melhor ainda vê-los ganhando e perdendo dos jovens.Jogo para me exercitar vez por outra e sinto que o desgaste vem mesmo até jogando (?)de brincadeira.A análise fria e Muito bem feita fica para o Sr.Dalcin,entendedor,educado e muito balizado em suas crônicas. E deve fazer malabarismos para bloquear as asneiras piores que se lê .Enfim Dalcin,prefiro de agora em diante ler suas crônicas que me acrescentam muito mais;que ler um monte de gente destilando suas frustrações,ódios e venenos parecem que fugiram do Butatan!Como não ganho nem zeros a esquerda do que todos ganham, fico feliz,em vê-los bem sucedidos,bonitos e agradecida por ter uma alma do bem.Desejando vitórias a todos quando as merecem e derrotas idem.Mas sem desmerecer o talento de cada um.Afinal,se vou torcer para que os preferidos ganhem não faz sentido desmerece-los.Que Thiem e Zverev amanhã e sempre estejam cada dia,trilhando longos e belos caminhos também. Boa noite!

    Responder
  2. Luiz Fernando

    Que partida espetacular do Zverev, arrasando o Shapovalov sem dó. Foi superior ao canadense em tudo e mais um pouco, além de excelente transição da defesa p o contra-ataque. Se jogar nesse nível amanhã Thiem terá q jogar muito, mas põe muito nisso. Eu q julgava o austríaco favorito tenho q rever minha opinião, vendo muito equilíbrio…

    Responder
  3. Juliano

    Me sinto privilegiado em poder assistir a Jogos com Nadal, Federer, Guga, Sampras, safin, e muitos outros.
    Torço por Federer, mas respeito todos os tenistas, cada qual com sua qualidade e características. E também um privilégio em poder ler o blog do Dalcim, sempre coeso, cheio de informações e sem tendências. Obrigado sempre pelas informações e fazer com que amemos mais este esporte sempre. Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Juliano, e compartilho totalmente com você esse privilégio. Depois de ver tantos tenistas espetaculares ao longo dos últimos 30 anos, ainda temos o momento incrível de ver Federer, Nadal e Djokovic (e Murray, Stan, Delpo…) juntos. Abs!

      Responder
  4. Marcelo Cretto

    Pois é; as leis das espécies aparecem sem mais sem menos em Madrid. Como diz o poeta: “Os homens dos nossos dias, enfim, se tornaram, definitivamente, homens reforjados ao insensível estado bruto”.
    Exemplo claro e cristalino, a atitude rasteira do Shapovalov incomodando a educação britânica (educação britânica ou educação de qualquer nativo dessa terra) do Kyle Edmund.
    Ê mundão!

    Responder
  5. Miguel BsB

    Dominik Dominou Nadal! Só falhou na hora de fechar o 1 set. E tem gente que o chama de superesthiemado… Tsc Tsc. É top 10 há 2 anos, é o único há 2 anos capaz de derrotar o rei do saibro no seu habitat, já ganhou torneios em tds os pisos, vai ganhar diversos Masters no saibro e, mais cedo ou mais tarde, será campeão de Roland Garros. Aproveitem que esse é o cara…
    Agora torcer pra El Shapo despachar o bonecao Zverev e fazer a final de belos e mortais Backhand clássicos!
    Vida longa ao backhand de uma mão!

    Responder
      1. Nando

        E digo mais: o backhand de uma mão, e na paralela, é o golpe mais bonito do tênis (na minha opinião)…um drop shot bem executado, fica em 2°.

        Responder
  6. Renato

    Como o colega Sérgio escreveu, Stan venceu seu primeiro slam com 29 anos, depois venceu mais dois. Tanto Thiem quanto Dimitrov tem menos de 26 anos. Tenho certeza que os dois tem muito a evoluir e ainda não chegaram ao auge. Se vai ser com 25, 26, 27, não sabemos.

    E tem muitos dizendo que o Zverev é mediano e etc. O cara tem dois títulos de masters 1000 e apenas 20 anos. É f…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Onde assino, Renato. O exemplo de Stan e até mesmo Del Potro que somente venceu um MASTERS 1000 agora aos 29, e’ suficiente para a Turminha toda vez que Thiem e’ derrotado, vir com o tal do Superestimado que e’ uma afronta ao talentoso Tenista. Zverev achou o seu Forehand. Dominic tem que esquecer o tal h2h positivo e ficar bastante esperto com o perigosíssimo também jovem talentoso Tenista. ABS!

      Responder
  7. Sérgio Ribeiro

    De muito serviu o h2h de 0 x 6 com Kevin Anderson rs Um chocolate do Austríaco, com direito a TODOS os números da estatística a seu favor. Escolhas de golpes bem mais acertadas e o amadurecimento chegando aos poucos. Os comentaristas de resultados ( não assistem jogo algum ) e suas gerações perdidas ( Stan venceu seu primeiro SLAM aos 29 ) , vão ter que aturar o jovem Tenista como favorito na Final do MASTERS 1000 de Madri. Apenas um senão. Voltou a jogar lá atrás o tempo todo. Isso pode ser fatal contra Shapovalov ou Zverev. Bem mais completos que o Sul-Africano. Abs!

    Responder
  8. Sandra

    Dalcim, uma curiosidade , caso você consiga responder, qual o problema em relação ao clima do país para,o jogador? A pergunta está sendo feita porque Nadal reclama do clima no Rio, dito isso eu pergunto até por experiência própria, não seria pior jogar em Lãs Vegas??? É tão seco que os lábios racham , se tem tosse e sangramento do nariz? E não tem mar! Não seria bem pior jogar “”” tênis”””” rssos num lugar como esse???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, talvez por isso não tenha mais torneios em Las Vegas… rsrs… Acho que clima depende de cada tenista. Uns gostam de uma coisa, outros de outra. Não vejo problema. O Rio tem uma umidade sufocante, não é fácil jogar lá, Sandra.

      Responder
      1. AKC

        É verdade, Rio é um inferno, você vê os caras suando em bicas, saudades da época dos torneios na Bahia, Club Méditerranée, Costa do Sauípe…

        Responder
  9. Luiz Fernando

    Thiem demonstrou agora cedo a diferença entre um tenista e um sacador, vencendo com tranquilidade e sem sustos. Amanhã vejo o cara favorito contra qualquer um dos dois q jogam a tarde, embora pela potencia dos golpes acho q Shapovalov seria uma adversário pior, embora Zverev seja um tenista q sabe o caminho das pedras, pois venceu Roma 2017. Vamos aguardar.

    Responder
  10. Sergio Gonçalves

    Eu estou revoltado. Indignado. Injuriado. Abespinhado. Poucas ococrrências nessa vida tem o poder de me descompensar como a que agora cito: ser enganado. Tenho lido, ouvido e visto incessantemente o mesmo mantra: Nadal é invencível no saibro. Qual não foi minha surprêsa ao me deparar com o Siri sendo escovado em Madri (logo Madri). Fui conferir para ter absolouta certeza: sim, aquilo era saibro. Sim, o Siri fez a mesma carinha de barata em salão de forró ao término da peleja. Era verdade. E como eu fico com minha ilusão de assistir a um jogo de um tenista invencível que perde? Claro que, há anos, tenho afirmado: Nadal acabou. Muita gente acredita, outro sapateiam e me dirigem vitupérios. Nadal acabou. Feche os olhos, coloque um tema new age para tocar, esses com música para baleia dormir. Acenda um incenso e repita: Nadal acabou, Nadal acabou, Nadal acabou. Costuma funcionar.

    Responder
    1. Márcio Souza

      Hahahahahahaha!

      Boa Sérgio Gonçalves, ótimo texto como sempre!

      Já ia mesmo citar você aqui ou iria pedir pra Carenla no grupo do watss pedir a você que escrevesse algo sobre a surra de açoite que o Siri levou ontem kkk

      Se possível escreva algo sobre o Craque suíço que amanhã nas primeiras horas assume de novo a liderança do ranking e bate mais um recorde como o mais velho (de novo) a liderar o ranking e deixar o Siri comendo poeira mais uma vez.

      Abraços!

      Responder
    2. Marcelo F

      Sérgio Gonçalves voltou! E, como sempre, falando mal de Nadal. Ao menos escreve bem. Não devia ser elogiado por isso. Mas, nos dias de hoje, isso é uma qualidade. Só deveria falar um pouco sobre tênis às vezes. Falar sobre golpes, estratégias, nuances… Mas daí acho que é pedir demais.

      Responder
  11. Luiz Fabriciano

    Dalcim, notei que nos jogos do Dominic Thiem, a TV tem mostrado em vários momentos a Kristina Mladenovic torcendo por ele. Será que está rolando um affair alí?
    Grande abraço.

    Responder
  12. Renato

    As modelos que são pagadoras de bola em Madri são muito bonitas de rosto, de corpo……. Bom, por lá eles não apreciam o mesmo que aqui.

    Responder
  13. Emerson

    Nossa que raiva do povo contra a geração atual hein. Como se fosse culpa deles o domínio do big four. Eu gosto de torcer por eles. Menos o Raonic pq não gosto muito do estilo dele

    Responder
  14. Vítor Barsotti

    Sinceramente, não dá pra entender todo esse fanatismo.

    Lembro que ano passado um comentarista aqui do blog falou, ainda durante a temporada de quadras duras de início de ano (quando Federer estava ganhando tudo), que estava esperando a reação dos torcedores do Federer quando chegasse a gira do saibro. Ele previu que, caso o espanhol tivesse o mesmo sucesso do suíço, surgiriam vários insultos a ele e seu jogo, o que, infelizmente, acabou se concretizando.

    E nesse ano a história se repete. Lamentavelmente. Sou Federer, mas isso pouco importa. Respeito em primeiro lugar. Primeiro pelo outro ser humano que está jogando (com seus toques, manias, fraquezas…), Segundo pelo autor do blog, que apesar de todas as provocações mantém um altíssimo nível, e terceiro pelos demais que aqui lêem.

    Infelizmente, percebo que tal conduta (por parte considerável dos participantes) acaba afastando bons comentarista e boas análises.

    Que saibamos curtir o circuito. Se não suporta determinado jogador (qual seja), não assista seus jogos ou guarde suas implicâncias para si mesmo. Que sejamos mais homens e menos meninos mimados nesse espaço tão proveitoso.

    Por fim, meus parabéns pelo excelente trabalho, Dalcim. O blog é leitura diária por aqui. Sucesso, ainda mais!

    Responder
    1. Marcos Castillo

      Vítor, infelizmente o fanatismo muitas vezes leva a esse tipo de comportamento, em qualquer área, em qualquer lugar. Hoje pela manhã entrei no site da atp para ler os comentários da vitória de Thiem sobre Nadal e fiquei impressionado com a baixaria. Aqui tem muita provocação, mas normalmente é na base da brincadeira bacana…embora não quero nem imaginar o que o Dalcim barra na moderação para manter a dignidade do espaço kkk

      Responder
  15. Rodrigo Bravin

    Depois de vencer Nadal, o austríaco merece mais que os outros vencer madri. Ele ganhando talvez o motive a dar trabalho para Nadal em roma e em roland garros.

    Responder
  16. Fernando Brack

    Como bem observou o Lógico, não basta ser saibro. Para Nadal ser tão dominante como é, tem que ser um saibro bem lento, um barrão, uma areia movediça. E eu aqui não paro de amaldiçoar os Renshaw brothers por sua enorme estultice. Imaginem os times de hóquei sobre o gelo jogando o hóquei na grama, ou o pessoal do vôlei de quadra jogando simultaneamente o vôlei de praia. Não dá, né? São esportes diferentes, assim como o tênis sobre terra batida e pó de tijolo. Onde aqueles dois estavam com a cabeça quando inventaram essa aberração?

    Responder
  17. Alexandre G.

    O saibro mais rápido certamente favoreceu Thiem, mas vi um Nadal cometendo erros incomuns dele, Thiem com um certeiro e potente forhand, excelente movimentação e uma distribuição de golpes com bastante spin, os quais alguns pareceram incomodar Nadal.
    Com relação ao aspecto psicológico o Thiem suportou acima do que costuma, pois após estar ganhando o 1o set por 5 a 3 e permitir que um sobre humano como Nadal empatasse e depois ainda vencer, mostra que a mente estava equilibrada.

    Responder
  18. Maurício Luís *

    Como a diferença de pontuação entre o Nadal e o Federer é pequena, alguns tenistas tem sido o fiel da balança nesta briga pelo número 1. Vejamos:
    1) Thanasi Kokkinakis – ganhou do Federer e entregou o número 1 de bandeja pro Rafael Nadal;
    2) Dominique Thiem – não concordou com o Kokkinakis e fez justamente o contrário em Madri.

    Responder
  19. Kelly

    É claro que o Nadal sofreu um baque psicológico no decorrer da partida! Com toda sua experiência, inteligência tática e sensibilidade tenística, ele percebeu que a bola vinha pesada demais, a autoconfiança austríaca em alto e atípico nível, um talento indiscutível num dia ultra inspirado, enfim, que a Caixa Mágica estava se abrindo pro Thiem!

    Responder
  20. Ernesto

    Somente faltou quem irá assumir como número 1 a próxima semana , e quem chegará a marca inatingível de 310° semana na ponta… falha grave de informação…

    Responder
  21. Rafael Wuthrich

    É, meu bom Dalcim. Como você sempre diz, no tênis cada dia é um dia. Quem diria que Thiem conseguiria se recuperar mentalmente em menos de 20 dias. Diferença absurda de postura. O “príncipe do saibro” é mesmo o legítimo sucessor do espanhol.

    Responder
  22. Douglas Fernandes Lacerda

    Boa noite. Parabéns pela ótima análise. Thiem jogou muita bola, olhando em retrospectiva, um jogo perdido há poucas semanas, de 6-0 e 6-2, deixa a impressão, olhando pelo placar, que não haveria chance de um revés hoje. Ocorre que se tratando de 2 excelentes tenistas, isso não quer dizer nada. Thiem vinha sofrendo há vários jogos no primeiro set, entrando nas partidas a partir do 2set. Hoje conseguiu largar na frente e aí a confiança em si mesmo aumenta muito, isso também conta ao meu ver e muito. Nadal pode ter “se poupado” um pouco também, visando a sequência de Roma e RG. Mas hoje Thiem foi excelente de mais.

    Responder
  23. Mário cesar

    Saibro renovado ok Maravilha.Rafa estava nervoso,sem paciência e errou ao meu ver apenas nas escolhas erradas ora Back ora no fh sem time…e sua esquerda estava cambaleante,mesmo assim perdeu em pontos chaves sérios bisonhos…mas Thiem jogou bem tá louco 10 bolas na linha em pontos chaves…e mereceu e tudo certo vamos para Roma e tenho dó do Thiem se pegar o Rafa…e agora torço para o Thiem ser campeão.

    Responder
  24. Arthur

    Dalcim, não sei se você vai concordar, mas não acha que o fator físico foi o que acabou definindo a partida?
    Na verdade, a paciência do Thiem – anulando a sua natural afobação – permitiu que os pontos se alongassem o bastante para que ele fizesse valer sua maior potência, tanto em função da força, quanto em função da idade.
    No final das contas, acho que esse foi o fator decisivo da partida, mais até do que alguma variação tática específica por parte do austríaco.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, o que me surpreendeu foi o fato de Thiem ter aguentado fisicamente a pancadaria, principalmente no backhand. Jogar com uma mão só diante do spin de Nadal exige muito esforço.

      Responder
    2. alexpicelli

      Opa, também achei o fator físico o culpado, só se erra, quando o corpo não responde ao pensamento, isto é, quando a cabeça pensa e o corpo padece, ah, vai sair erros.
      Para mim Nadal sentiu, teremos a confirmação em Roma, se foi o físico ou mental.

      Responder
  25. JANAINA DIAS

    THIEM finalmente elevou o nível e jogou na potência máxima, com paciência e confiança, sem as hesitações de costume. Fez uma partida maravilhosa.. NADAL jogou bem, mas os forehands flamejantes do austríaco deixaram o espanhol falando sozinho…e correr atrás da bolinha no saibro aos 21 anos de idade é bem diferente do que aos 31..

    SHAPO e EDMUND fizeram um jogo parelho e de alto nível. .um pouco de ar fresco pra animar o circuito.

    Responder
  26. O LÓGICO

    Então o UNIDIMENSIONAL perdeu kkkkkkkkk E alguém sabe responder porquê? Eu, o LÓGICO, respondo: porque o robozinho é tenista de um piso somente – o piso lento – e não importa nem mesmo se é saibro ou não. Madri é o experimento científico que comprova minha tese. Por que, afinal, o robozinho de xangô tem tão poucos títulos nesse piso de saibro, quando comparados com os títulos que tem nos demais? Porque é um piso veloz; e todos sabemos que o tênis do rambinho do tênis kkkkkkk, programado para assassinar o tênis arte, só funciona bem em quadras lentas. E a razão é simples: seu tênis é medíocre. Não há improvisação, criação espontânea e demonstração de recursos técnicos que o ombreie aos grandes do tênis. Dizer que esse simulacro de tenista é “melhor” que o Sampras é um impropério. Fora do saibro – e o lento – ele vira um indigente do tênis kkkkkkkkkkkkkkkkk Um sem-teto kkkkkkkkkk E não duvido que se fosse brasileiro votaria no lulinha kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Claro, é difícil encampar a tese que apresento, mas afirmo que ela vem sendo provada ano após ano. O saibro, criado por dois abestados, é o habitat que propicia a sobrevivência do ANIMAL no circuito, pois suas armas – balão, ganchão e rotação kkkkkk – só funcionam bem lá, em quadra lenta, porque o tempo de reação é crucial para seu limitadíssimo tênis. Em quadra rápida, vale a técnica e habilidade mais apuradas, a capacidade de ser mais agressivo, de improvisar e mostrar os recursos tenísticos em todos os seus fundamentos – que faltam sobremaneira para o robozinho enganador de incautos kkkkkkkkkk

    Eu gostaria que alguém me respondesse, com sinceridade, e vale para o GURU kkkkkkk, a seguinte pergunta: quantos títulos, NO SAIBRO, o robozinho talibã teria se as quadras fossem predominantemente rápidas como em Madri? Vamos melhorar a pergunta: quantos RG ele teria se as quadras de Paris fossem rápidas como as de Madri?

    ENTUBEM NADALZETES, POIS HOJE O TOURINHO MIXURUCA FOI ESCULACHADO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Danilo BR

      O LÓGICO, vc disse TUDO! Nadal é um robozinho programado para quadras lentas, e ganha muito jogo tb na intimidação dos adversários. Eu falei aqui ontem mais cedo que bastava aparecer um homem pra derrubar esse cara. Rafa já teria encerrado a carreira há um bom tempo se não houvessem mais as quadras LENTAS de saibro. O jogo dele é irritante, porém infelizmente é muito eficaz muito em função da falta de macho no circuito masculino. Sei que são lendas, mas é muito salutar pro esporte quando Nadal e Federer perdem. Torço muito pela aposentadoria de ambos. O tênis ficará sobremaneira mais interessante.

      Responder
    2. Miguel BsB

      Lógico e seu séquito de seguidores rsrs… Rapaz, se um tri campeão do US open, bi campeão de Wimbledon, e campeão do Ausopen, fora as diversas finais, é um sem teto, o Guilherme Boulos vai ser eleito Presidente esse ano… Sei que vc quer ser engraçado, e às vezes até consegue, mas menos né, menos…

      Responder
  27. Victor Martins

    Já estava na hora do posto de número 1 voltar para aquele que lhe é de direito. O maior de todos.
    E Rafa que se cuide, que só falta 2 torneios pra ele ganhar títulos esse ano. Por que depois, é só lapada. Kkkkkkkkkk

    Responder
  28. Arthur

    Viva o Thiem, Dalcim!
    Vamos ver se ele consegue manter a cabeça no lugar, porque jogo ele tem. Bater o Nadal duas vezes no saibro é para poucos.
    Esperemos apenas que ele não entregue a rapadura na rodada seguinte, como aconteceu em Roma.
    E o melhor de tudo isso foi exatamente o que você pontuou no final do texto: todos os quatro semifinalistas fazem parte da novíssima geração (embora o Edmund seja um pouco mais velho, salvo engano).
    É o que eu digo desde sempre: fora geração perdida (Dimitrov, Raonic, Goffin e Nishikori)!
    Que venham os mais novos para destronar os mais velhos.

    Um abraço.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Bateu 3 Vezes , Arthur . E em Buenos Aires 2016 bateu na Semi e levou o Troféu. Dos citados na geração perdida tem Finalistas de SLAM , vencedor de MASTERS 1000 e FINALS . E todos atingiram o TOP 10 . Abs!

      Responder
      1. Arthur

        Não me lembrava dessa terceira partida, Sérgio.
        Quanto ao resto, mantenho minha opinião. Que essa final de Madrid seja um prelúdio de dias melhores no circuito, com mais competição com os velhinhos, e sem a enrolação perebenta e broxante de Dimitrov e Cia.

        Um abraço

        Responder
  29. Paulo F.

    Acho que Shapovalov ou Zverev levam o caneco de Madrid.
    Dominic Thiem parece clube de futebol tipo Atlético da própria Madrid, Arsenal – faz um grandes feitos DURANTE o torneio, mas na hora de levantar o troféu… Hummmmmm…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Acho que o comentarista não sabe que o Austríaco já levantou troféu em todos os Pisos. Tendo batido Rafa Nadal na Semi do ATP de Buenos Aires e Federer na Semi da Mercedes Cup em Stuttgart, ambos em 2016. Levantando o Caneco nos dois. Tá na boca de brigar por um MASTERS 1000. Abs!

      Responder
  30. André

    Poxa, Dalcim, que jogo extraordinário! Uma pancadaria do início ao fim como há algum tempo não via. Não sei quem falou essa frase, mas não pude deixar de pensar vendo o jogo. Dizia que tênis é como boxe, pois os jogadores se agridem da mesma forma, mas através de uma bolinha e usando raquetes.

    Vendo um jogo tão físico e extenuante, fica fácil entender porque Federer não joga Rolando Garros nem por muito dinheiro. É simplesmente inviável um torneio nessa superfície para jogos de 5 sets para alguém depois dos 30. Nadal consegue porque não é humano, mas difícil saber até quando ele suporta. O suíço não teria chance de encarar uma sequência de jogos nesse nível com essa duração. Talvez a tendência seja para quem quiser prolongar a carreira, Saibro com essa pancadaria em melhor de 5 sets não é para humanos normais.

    Responder
  31. Sônia

    Cheguei em casa e estava terminando o primeiro set, como era o ThieMito jogando, resolvi assistir. ThieMito finalmente jogou como se deve jogar contra essa aberração protegida pela WADA, ou seja, sem se deixar intimidar, com foco, consistência, bolas anguladas, paciência e principalmente “fisicamente preparado” (ainda bem que é mais jovem). No decorrer do segundo set, várias vezes ThieMito “levantou” a bolinha no backhand da aberração, ou seja, bichinho provando do próprio veneno (que joguinho horroroso), confesso galera, nesses momentos… regozijei rsrs, adoooro. ThieMito, já te amava, agora… i love you more rsrs. Beijos.

    Responder
  32. Marcos Castillo

    Pqp, aí vc entra no site do tenisbrasil louco pra ver o novo post do Dalcim e dá de cara com a manchete:
    Nadal: “Não joguei bem o suficiente. Ele foi melhor”
    Entro para ler a notícia completa e tá lá o espanhol dizendo que não sentiu bem a bola, que a velocidade isso, que a confiança aquilo… que saco!
    Não pode pelo menos uma vez na vida dizer que jogou bem mas seu adversário foi ainda melhor? Ou será que ontem ele jogou muuuuuito melhor contra o Schwartzman?

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Nesse ponto, o Djokovic dá de 1000 a zero no Nadal.

      O espanhol é bem “babaquinha” nisso…

      Ele tem uma dificuldade imensa de dar o crédito devido da derrota, ao adversário.

      A maior prova disso é que eu NUNCA (mas nunca mesmo) vi o Nadal aplaudir ponto de algum rival.

      Não importa o quão de efeito, difícil ou bonita que a jogada tenha sido.

      Ele só faz arquear a sobrancelha e fazer aquela “carranca”.

      O Djoko, ao contrário, sempre aplaude…

      Responder
      1. Bruno

        Discordo.
        O Federer é que dificilmente aplaude jogadas dos adversários.
        Pode até ser uma cortesia do tênis mas acho que isto tem que ser para depois do jogo.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Então, preciso admitir que o Djokovic é bem mais cavalheiro que o Federer nesse ponto…

          Pois eu já cansei de ver o sérvio fazê-lo.

          O Federer eu realmente não me lembro mesmo não.

          Não precisa ser sempre, mas acho que todo tenista deveria, uma hora ou outra, aplaudir um lance bonito do adversário.

          O Federer então, nem se fala, pois ele é o jogador que mais jogadas geniais consegue.

          Responder
      2. Miguel BsB

        Só vi o Federer aplaudir uma vez, acho que foi até contra o Djoko. E, uma vez, vi ele explicar,e realmente faz sentido em um esporte tão competitivo e mental. Disse que, com essa atitude, pode dar um “up” na confiança do adversário, e, de repente, complicar o jg.trazer o cara de volta pra partida ou dar confiança pro cara arriscar mais. Então melhor não aplaudir. Concordo com ele.
        Agora, realmente é feio por parte do Nadal não dar os créditos quando o adversário joga melhor e ficar buscando desculpas no seu jg. Talvez ele Tb queira, monstro competitivo que é, evitar dar confiança para os próximos encontros com o adversário… Mas aí já acho um exagero.

        Responder
  33. Márcio Souza

    Thiem hoje deu um tapa com luva de pelica na fuça dos urubus e aves de rapina aqui do Blog kkkkk

    Como eles devem ter ficado putos com a vitoria do austríaco e de quebra com a perda do número 1 que caiu de novo no colo do GOAT kkkkk

    É companheiros o mundo da voltas né? Kkkkk

    Desculpa galera mas não consigo terminar uma frase sem dar risada no final kkkk

    Fico imaginando a cara de tacho de cada um de vocês que espinzinharo aqui no Blog nas últimas semanas enquanto o Siri tinha força na peruca pra seguir vencendo e agora com essa derrocada, tudo voltou ao normal e vocês tomaram na tarraqueta kkkk

    CHUPA QUE É DE UVA CAMBADA KKK

    Responder
  34. Márcio Souza

    Já postei no outro post mas é preciso postar de novo porque a reflexão nesse ditado precisa ser bem analisada.

    O ditado que não quer calar:
    “QUEM COM O BALÃO FERE, COM O BALÃO SERÁ FERIDO!”.

    Thiem, Dominic.

    Hahahahahahahahaha.

    Responder
  35. Ricardo - DF

    Dalcim, indo para o mundo das suposições, será que não teria sido melhor para o Thiem, que é um jogador de saibro, ter optado por um backhand de duas mãos ? Acho o backhand dele muito instável, faz grandes golpes mas erra muito tb.

    Responder
      1. João ando

        Dalcim. Normalmente a criança começa com back de suas maos depois la pelos 15/16 anos muda para uma mão …as vezes volta com as duas mãos. …foi assim comigo que fui um jogador de tenis e com 19/20 anos voltei com uma mão e foi assim com Gustavo Ramos que foi tenista profissional que por volta dos 18 anos voltou a jogar com uma mão…os técnicos dizem que e mais fácil devido ao momento vc poder escolher bater um slice ou pegar na cara da bola e vc não precisa ter um jogo de pernas tão preciso….

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Não, necessariamente…

      Basta lembrar que o Guga, quando começou no tênis tinha o backhand de duas mãos.

      E foi ideia do Larry, fazer ele mudar pro de uma mão.

      E o resultado, foi um dos backhands mais espetaculares da era aberta…

      Responder
  36. Filipe

    Dalcim, boa noite

    Meu caro qual a sua opinião sobre aquele lance na partida entre o shapovalov e o edmund, em que o canadense sacou, um torcedor gritou e o edmund parou no ponto.
    O canadense agiu certo ou deveria ter voltado o ponto?

    Abraço

    Responder
  37. Luiz Evandro

    Não vi ainda este ano o Nadal jogar como em Roland Garros de 2017. Ano passado, ele estava jogando muito, bola profunda, sem bola no T. No Australian Open, também estava jogando muito, aí veio a contusão na perna contra o Cilic.
    Vejo um perigo danado para ele em Rolang Garros.
    Agora, não entendo como os críticos não colocam o Thiem como possível número 1, qdo o Big Four parar.
    O cara é completo. Fala-se muito em Kirgious, mas acho o backhand dele MUITO inferior ao do Thiem. Fala-se tb muito do Zverev, mas até agora em Grand Slam nada provou. Tem uma direita que fica muito atrás a do Thiem.
    Se o maior desafio do mundo do tênis é ganhar do Nadal no saibro, o Thiem já o fez 3 VEZES.
    Olho nele.

    Responder
    1. Renato

      Kyrgios tem um saque (primeiro e segundo) muito melhor que o Thiem, além de ter muito mais variação e ser bem melhor na rede. O austríaco tem um físico melhor.

      Responder
      1. Miguel BsB

        Realmente os saques do Kyrgios são melhores, mas não é muita coisa não. O Thiem saca pra caramba Tb, muito forte, e, principalmente, o saque quique dele é absurdo, funciona muito no saibro.

        Responder
    2. José Eduardo Pessanha

      Olha, o Thiem é 4 anos mais velho do que o Zverev. Imagina como o Zverev estará daqui as 4 anos? Não há nem o que se comparar. Zverev é muito mais jogador, pelo menos pra mim. E já tem 2 Masters, enquanto que o Thiem não tem nenhum. Abs

      Responder
  38. Kelly

    Um “pneu” é capaz de mexer com o brio de um tenista. Isso pode ter ocorrido com o Thiem, que jogou uma partida esplêndida, hoje! Talvez, a perda em Monte Carlo, tenha sido o remédio que ele precisava pra repensar seu comportamento, tornar-se mais autoconfiante e assim, aproximar a força mental de sua técnica apurada. O Nadal pode ter colaborado na criação de um novo monstro! rss

    Responder
  39. Guga Silva

    Queria muito uma final entre Thiem e Shapovalov. Dois backhands de uma mão, com os tenistas batendo forte na bola como se não houvesse amanhã. Mesclando, claro, com muitos ângulos e toques magistrais. Mas isso é delírio de minha parte, já que Zverev deve jogar mais uma final de Masters, provavelmente contra Thiem. Mas, depois de hoje, tudo pode acontecer.

    Responder
  40. AKC

    Infelizmente perdi esse jogo, pelos comentários foi de altíssimo nível. Mas considerando a exibição de ontem, em que Nadal parecia sem potência e algo desgastado, o austríaco farejou a chance, jogou agressivo e venceu. Fez isso também em Roma no ano passado. Mudando de jogo, consegui ver o segundo set da partida do Shapovalov e fiquei impressionado com a potência e a com sua postura destemida. Com certeza, um futuro campeão. Tomara que a final seja entre Thiem e ele, mas se for contra Zverev, será um belo espetáculo também.

    Responder
  41. Marcelo Reis

    A minha deixa da postagem de ontem se confirmou. Já estava achando o Nadal meio cansado, hoje ele cansou de vez. Nada anormal. Um cara que ganha tudo seguido, uma hora tem que descansar. E para cair pegou um rival inspirado que jogou muito. Parabéns ao Thiem pelo grande feito. Eu acredito seriamente que ele possa voar mais alto, mas só no saibro por enquanto.

    Vou torcer para um Shapovalov x Thiem na final.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E é bastante natural para quem faz 32 mês que vem, Marcelo. Dai ser absurdo alguns não entenderem as escolhas do Craque Suíço na montagem do Calendário aos 36/37. Mas que foi legal vê -lo retornar ao N 1 rapidinho graças ao Back de uma mão de Dominic , isso foi rsrsrs Abs!

      Responder
    2. José da silva

      Já vem os torcedores de Nadal dizer que ele estava cansado. Dois torneios, jogos fáceis, sem muito esforço, poucos games perdidos, o próprio admitiu que fisicamente estava em plenas condições. É só perder um jogo que começa o mimimi. Vamos aprender reconhecer que o adversário foi superior.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Quem viu o jogo sabe que não foi o cansaço.

        O espanhol correu feito um louco!

        E o próprio Nadal nem sequer deu qualquer sinalização nesse sentido, ao comentar sobre a derrota…

        Perdeu, simplesmente porque hoje, o outro foi melhor.

        Responder
      2. Marcelo Reis

        José, veja como é injusta a internet, rsrs. Você tira suas conclusões e não poderia estar mais errado, rsrs. Eu não sou torcedor do Nadal, mas gosto dele e acompanho seus jogos sempre que posso. E não só ontem, como antes de ontem, achei que ele estava cansando e, por isso, caiu seu rendimento. Eu assisto aos jogos e comparo. E se você ler com cuidado, verá que exaltei a vitória do Thiem, que jogou em alto nível. ????

        Responder
        1. José da silva

          Ele perdeu porque o outro foi melhor. Se tivesse vencido ninguém ia falar em cansaço, até mesmo por ser fato que não tinha motivo para estar cansado.

          Responder
      1. Marcelo Reis

        Rodrigo, para mim ele cansou e cansou bonito – correu muito, mas o ímpeto dele foi bem menor, encurtou N bolas que não costuma fazer, o braço pesou etc. Acho estranho ver um cara jogar N torneios seguidos ganhando tudo e achar que “cansaço” não é uma explicação plausível. Eu não só vi esse jogo como o anterior dele, e já tinha assinalado isso (cansaço) no meu post anterior. Eu não estou dizendo que o Thiem não jogou melhor porque sei que ele jogou. Só estou dizendo que o cansaço fez Nadal jogar abaixo do nível das partidas dos outros dois torneios, fora o fato de essa quadra ser rápida, mas isso não tem nada a ver com o fato do oponente ter jogado melhor, independente do físico do Nadal. Nunca vi alguém jogar pior e ganhar no tênis.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Nunca vi esse espanhol perder jogo por cansaço.

          Porém, eu fico com o que ele mesmo disse.

          Ele criticou sua atuação do ponto de vista técnico, não físico.

          Em nenhum momento da entrevista ele deu qualquer dica sobre estar cansado.

          Bom, é a minha opinião. Mas você pode pensar como quiser…

          Responder
    3. Renato

      O que ele ganhou seguido? Dois torneios apenas! Entrou como bye nos dois e não jogou primeira rodada. E teve uma semana de descanso entre Barcelona e Madri. Outro detalhe é que ele não teve nenhum jogo longo e não jogou mais do que dois sets em nenhuma partida. O cara tem o melhor físico do circuito, acha que ele vai se cansar tão fácil? Tese que não convence.

      Responder
      1. Marcelo Reis

        Mas é só minha opinião, não precisa convencer ninguém.

        Veja, Nadal jogou alguns jogos da Davis, depois Monte Carlo, Barcelona e agora Madrid. Tudo isso em 1 mês. Calcule aí e veja que dá uma média de 1 partida a cada 2 dias, aproximadamente. Que o físico dele é superior ao resto do circuito, sabemos tem mais de década. Mas ainda me surpreende a ideia de que acham que ele não cansa, rsrs. O cara já está às vésperas do 32, joga um monte de vezes em um mês e não pode cansar, rsrs. Nadal não é nem de longe meu tenista favorito, mas estou analisando os fatos conforme meus parâmetros. Não precisamos ter um dono da razão. Cada um segue sua verdade.

        Responder
  42. Luiz Fernando

    Se não assisti a partida q eu gostaria, tive a oportunidade de assistir o segundo set do jogaço q fizeram Shapovalov e Edmund, e depois vi q o canadense levou a melhor. Ambos jogaram de forma soberba, embora me pareça q o jovem canadense tenha mais armas e q sua bola anda bem mais. Incrível q esses dois fizeram campanhas obscuras nos dois torneios anteriores e agora vieram com tudo. Amanhã toda a minha torcida fica para Thiem e Shapovalov, mas quem quer q vença, o título ficará em boas mãos..

    Responder
  43. Luiz Fernando

    Não vi o jg do Rafa, estava viajando, mas me surpreendi, pois achei q venceria sem maiores problema, a despeito de Thiem ser um bom saibrista. Acompanhando pela net e lendo posteriormente as reportagens, vi q o maior fator foi a boa performance do austríaco, que tem boas armas e pelo segundo ano consecutivo elimina Nadal no saibro, demonstrando suas qualidades, a derrota em Roma 2017 não foi simples fato casual. Para Nadal nada mudou, uma hora teria q sets, jogos, esporte é assim mesmo, continua favorito para os dois torneios remanescentes do saibro. Como sou otimista, melhor perder aqui do em RG. Na segunda Federer reassume o número um, algo conquistado na quadra e por méritos, o q também ocorrerá se Rafa retomar a ponta em Roma.

    Responder
  44. Sérgio Ribeiro

    E Dominic Thiem me fez calar quanto ao Backhand de uma mão contra Rafa Nadal no Saibro. O Austríaco se aproveitando de um Piso mais veloz meteu a mão na bolinha sem medo de ser feliz. E surpreendeu devolvendo o primeiro Serviço mais à frente. No segundo recuava bastante ( menos que ” a maior devolução da história no Saibro segundo o Professor Pardal ” ) para ter tempo de preparar os mísseis. E inteligentemente além dos golpes citados no Post , centralizou bastante tirando muitas vezes os ângulos do Espanhol. Sua terceira Vitória sobre o ” Rei do Saibro ” em seu habitat ainda aos 24 anos, faz calar de vez aqueles que teimam em denegri-lo para serem engraçadinhos . Antes do Torneio começar chamávamos a atenção sobre os jogos mais interressantes da Next gen em relação aos dos Ex-Top10 Trintões. Shapovalov e Zverev ( cada vez mais firme no TOP 5 ) para alegria dos que acreditam na renovação, não nos deixaram na mão. Abs!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Absolutamente ninguém já denegriu o Thiem aqui, Sérgio.

      È porque você, quando se “apaixona” por algum tenista, não gosta que o critiquem em nível algum.

      A gente até brinca com o apelido (muito criativo por sinal) que o Pessanha inventou.

      Mas ninguém é besta (ou cego), para não admitir que se trata de um tenista com predicados.

      Mormente no saibro…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Se apaixonar? Va’ procurar tua Turminha dos SuperesTHIEMados .Tu pega no pé do LF , mas não passa de um comentarista de resultados. Demorou a descobrir o que representa Andy Murray para o Tênis, porquê conhece pouco .Deixa as gracinhas para o Lógico e procure assistir aos jogos kkkkk Abs!

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Primeira coisa. Apaixonado é quem comenta com o coração, no lugar da razão.

          Você é apaixonado sim senhor.

          Pode achar ruim! (rs)

          Só fiz uma observação quanto ao teu mau comportamento de não ser contrariado.

          O que também é uma coisa que apaixonados costumam detestar…

          Segundo. Comentarista de resultados, comenta só resultados.

          E ao contrário do que você afirmou, eu assisto quase todas as partidas que comento.

          Quem não entende nada é você, que um dia desses teve até de ser corrigido pelo próprio Dalcim , ao dizer que o Rod Laver fazia saque e voleio no saibro! kkkkkkk

          Terceiro. Guarde contigo os teus abraços FALSOS…

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            O Dalcim afirmou que Laver não fazia ” Saque – Voleio ” o Tempo Todo. Isso em 1968. Basta conferir no Youtube. Teu problema é ser extremamente vaidoso e não conhecer nada do Esporte. Ate’ mesmo chamar o Craque de Fujão e GUGA melhor que Murray já fez parte das suas ” Pérolas ” .Sobre apaixonado uma Whats pro Pessanha resolve tudo. Pergunta se você mandou bem kkkkkkk ABS!

      2. José Eduardo Pessanha

        Pois é, Rodrigo. Os caras esquentam com pouca coisa. rs. Vou continuar chamando o Thiem de SuperesTHIEMado até que ele vença RG. Rs. No piso duro, acredito que ele não terá chances de vencer Slam, pois temos vários jovens melhores do que ele nesse tipo de piso, sem contar os dinossauros que ainda continuam ganhando seus GS nas quadras rápidas.
        Abs

        Responder
  45. Rafael

    Mestre,

    Pq o inside out de direita funciona tão bem contra o Nadal? Na minha opinião o deslocamento lateral dele para cobrir o forehand é muito pior do que quando se desloca para cobrir o forehand. Concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Funciona desde que seja cruzado mais ou menos na altura da linha de saque, Rafael. Funciona por causa do posicionamento muito atrás da linha de base, o que abre o ângulo. E Nadal tem a tendência natural de proteger o backhand. Se você lembrar daquela sequência de vitórias do Djokovic sobre Rafa no saibro, verá que o sérvio fez muito disso.

      Responder
  46. Rubens Leme

    Parabéns ao Thiem, que calou muita gente (eu me incluo nesta) e deu sabor ao que parecia favas cantadas.

    Particularmente, sou partidário de quanto mais, melhor, em termos de talento, até porque o tal “G4 1/2” (Stanimal merece ser incluído, nem que um pouco só) vai sofrendo com a idade e as contusões.

    Agora é torcer para botarem fogo em RG e termos uma final inédita, um Thiem x Zverev, por exemplo. A renovação é urgente, até porque os cachorrões já ganharam Slams demais.

    PS: Dalcim, avise o UOL que AUS é abreviação de Austrália e não de Áustria (AUT)!

    Responder
  47. Bruno Macedo

    Que bom que o Nadal perdeu, estava tudo muito sem graça! Estou torcendo por Canadá X Áustria na final. Os dois jogam bonito, vai ser bem legal! Mas o canadense tem que passar pelo alemão antes. Vamos torcer!

    Não tenho nada contra o Nadal, mas tenho tudo contra o tédio que é assistir o mesmo jogador ganhando tudo!

    E viva a novíssima geração! Que essa nova geração não seja mais uma perdida!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Dois backhand de uma mão na final sobre o saibro? Puxa, é coisa rara… rsrs… Acho que Stan-Federer foi a última, lá em Monte Carlo.

      Responder
  48. Rodrigo

    Foi muito engraçado assistir Nadal tendo que devolver os balões to Thiem kkkkkk. Outra coisa muita chata do torneio foi ver a omissão dos juízes com Nadal que demora mais de 30 segundos para sacar.

    Responder
    1. Anti anti-jogo

      Desde a barração que ele fez no Carlos Bernardes, ele conseguiu o que queria: juiz pensa 40 vezes antes de adverti-lo por causa de tempo.

      Responder
    2. Anti anti-jogo

      E mais triste é que iria ter o relógio em quadra no Australian Open desse ano, mas justo o Mestre Suíço foi um dos que vetaram… que decepção…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        O Craque quis fazer média com Nadal no AOPEN. De nada adiantou pois assim como na introdução do Tie-break , o USOPEN vai inaugurar o Cronômetro. E lá o Espanhol vai cumprir quietinho rs .Abs!

        Responder
  49. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    sem querer diminuir o feito do Thiem, jogou muito. Ao meu ver senti em determinado momento, principalmente no segundo set e quando os ralis se alongavam, uma certa falta de perna para o Nadal chegar bem na bola. Principalmente na sua esquerda, errando demais. Achei o Thiem mais inteiro fisicamente. Vc concorda Dalcim? Caso concorde, isso se deve ao fato da longa sequencia de jogos? Ou discordando, vc acredita que o Nadal não estava bem na esquerda por mérito do Thiem que estava atacando com muita velocidade e precisão seu revés. O que acha mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não posso imaginar que Nadal estivesse cansado. Sua sequência de torneios foi bem tranquila até aqui. Acho que a altitude de Madri tirou um pouco seu tempo do backhand, principalmente quando Thiem conseguia dar mais spin e angular, forçando a batida acima da linha da cintura.

      Responder
  50. Tiago Castro

    Dalcim, você já recebeu convite para comentar na TV (digo SPORTV).
    Você é muito bom na análise do jogo…
    parabéns pelo post… que a nova geração venha com força.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Tiago! Sim, algumas vezes, mas declinei porque minhas atividades aqui no TenisBrasil tornam o compromisso incompatível.

      Responder
  51. Bartolomeu

    É muito comum, aqui no blog, comentários no sentido de que o Thiem é um jogador medíocre e supervalorizado, mas no saibro isso está longe de ser verdade. No saibro, foram duas vitórias para cada nos últimos quatro confrontos contra um Nadal imbatível para todos os outros tenistas, o que está longe de ser desprezível.

    E Dalcim, sabe qual foi a última vez que um semifinal de Masters teve uma média tão baixa de idade? Fazendo um cálculo de cabeça, a média de idade é de 24 anos e uns meses. Um alento para quem espera renovação

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Tivemos a semi de Montréal do ano passado com Zverev e Shapovalov, mas o outro lado era bem veterano (Federer e Haase). Teria de pesquisar, Bartolomeu.

      Responder
  52. Gilvan

    So vi os melhores momentos, mas achei a bola do Nadal muito curta. A bola estava acelerada, mas quicando na linha do T dava o tempo perfeito para a preparacao mais longa do Thiem, principalmente no backhand.
    A verdade eh que, com excecao dos dois, nao temos outros especialistas de alto nivel no saibro. Temos alguns jogadores que sabem se adaptar ao saibro, mas a concorrencia nao chega nem perto dos torneios de quadra rapida ou mesmo de grama.

    Responder
    1. André Barcellos

      Eu diria que Pablo Cuevas é um especialista. Mas obviamente Thiem tem mis potencial.
      Nadal nem se fala. No saibro é de outro planeta., como diz o Guga.

      Responder
  53. Carlos Alberto Alves

    Dalcim, boa noite. Ando um pouco afastado de postar aqui, mas continuo lendo seus excepcionais posts. Hoje o que vi foi um Thiem altamente agressivo e muito assertivo nos pontos decisivos angulava bem as bolas e hora matava os pontos na cruzada e hora na paralela. Ainda segundo seu post também acredito que ele é favorito para Roma e RG, porém a julgar pelo que vimos hoje na sua opinião Rafael Nadal começa ao menos ver alguém pelo retrovisor para o Slam Francês?

    Abs,
    Carlos Alberto.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que Nadal jamais menospreze seus adversários, Carlos Alberto, muito menos um real saibrista como o Thiem. Claro que Madri é mais veloz que Roma. Paris pode ter dia muito secos (veloz) ou muito úmidos (lento). É sempre um incógnita.

      Responder
  54. Nando

    Zverev vai ganhando uns pontinhos, já q na semana q vem tem os 1000 pra defender em Roma…mas amanhã espero q Shapovalov, o “menino de ouro”, vença.
    Na outra semi, “a tendência” é q o austríaco vença, mas vai saber né?

    E adivinhem quem voltará ao N1, batendo o próprio recorde de tenista mais velho no topo? Quem? Quem? Quem?
    FEDERER NONATO! A zebra suíça, q está de boa, na Basiléia descansando.
    “Ajude” djokovic.

    Responder
  55. ANDRE MARTINI

    Meu caro Dalcim, acho que você queimou um pouco a língua. No post anterior você disse que Thiem vinha de derrota humilhante e que Rafa sabia exatamente o que fazer. Mas não contava com a evolução do austríaco ne? Mais maduro, menos afobado, mais paciente. Senti um certo menosprezo pelo austríaco.
    Mas no mais, é bom ver a molecada vencendo.
    Abcos

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Menosprezo? De forma alguma. São fatos, André. A derrota foi humilhante e Nadal fez exatamente o esperado. A diferença é que Thiem colocou a cabeça no lugar e não mostrou a ansiedade exagerada que tanto o atrapalha.

      Responder
  56. Oswaldo E Aranha

    Estamos vendo uma redenção do tênis. Antes só se via e falava em Nadal no saibro e Federer na grama e cimento, os demais ou estavam ausentes de fato ou fisicamente ou ao da etapa intermediária não se firmavam; felizmente agora a nova geração está mostrando a cara, salve Shapovalov e Thiem. O tênis está salvo! Delculpem pela ausência prolongada, mas estava chato demaisl

    Responder
  57. Renato

    De se lamentar os comentários dos torcedores do espanhol na página do tenisbrasil. Principalmente um tal de Emerson sei lá do que.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Thiem sempre bateu com muito efeito na bola, Renato. Quem já o assistiu ao vivo deve ter percebido o quanto gira a bola. Um assombro.

      Responder
  58. Renato

    Foi uma surra, um baile, uma paulada. Graças aos deuses do tênis não veremos a aberração levantando mais um troféu. O frango foi humilhado na frente dos seus conterrâneos. O austríaco fez com o espanhol o que Roger fez cinco vezes ano passado. Parabéns Thiem!

    Vou torcer para uma final entre Dominic e Shapovalov, seria muito bom para o esporte.

    Quem sabe alguém não tira do baloeiro o título de Roland Garros? Parece que está aparecendo alguém.

    Responder
    1. Marcelo Bragatto

      Ano passado foi a mesma coisa e Thiem não deu nem pro café em RG.

      Federer é o maior de todos, não precisa secar o Nadal jovem!

      Responder
    2. Leandro

      Que ódio é esse? Isso não faz bem.

      Torço pelo Federer, mas Nadal é um tenista excepcional é admirável pela sua luta independente de qual seja o ponto na partida. Não é porque não tem o estilo que acho gosto mais de assistir que devo desmerecer seus feitos.
      É o melhor jogador da história no saibro e vai brigar até o final da carreira com Federer quem é o melhor de todos os tempos. E que ótimo podermos acompanhar essa disputa!!!
      E que jogo Thiem fez hoje. Só assim para vencer o rei do saibro mesmo.

      Responder
        1. Sônia

          Briga? Que dó rsrsrsrs… hilário demais. De acordo com os verdadeiros números nesse incrível esporte (semanas número 1, GS, Finals… e outras coisitas mais rsrsrsrs) jamais serão, nunca serão. Beijos.

          Responder
        2. Rodrigo Carreiro

          A única coisa que dá pra garantir é que com um comentário desse nível você não chega no Top 5 de comentadores com mais bom senso desse site. Quiça nem sequer ao Top 50.

          Responder
      1. Anti anti-jogo

        É um tenista admirável, no sentido que consegue demorar às vezes 40 segundos entre os serviços e não é advertido; admirável no sentido que quer o Finals no saibro., admirável no sentido que não consegue articular uma frase coerente sobre qualquer assunto…. enfim..

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *