Ufa!
Por José Nilton Dalcim
16 de abril de 2018 às 17:15

Revisado às 18h05

Finalmente, Novak Djokovic voltou a vencer. O adversário e compatriota Dusan Lajovic não deu lá grande trabalho na estreia de Monte Carlo, mostrando-se pouco à vontade sobre o piso, mas acima disso vimos um Nole com cabeça fria, saque eficiente, devoluções agressivas e backhand afiado na paralela, ou seja, um pouco de tudo o que o fez tão grande no tênis internacional.

Este foi apenas seu sétimo jogo desde a parada forçada em julho e o terceiro depois da cirurgia feita no final de janeiro. Novamente ajudado por Marian Vajda – ainda que ambos afirmem que se trata de trabalho pontual -, foi curioso assistir a Djokovic dar balões até mesmo de backhand para se manter nos pontos, sinal inquestionável que a prioridade absoluta era simplesmente vencer.

Me parece essencial relembrar aqui a excepcional performance de Djokovic sobre a terra nos últimos seis anos, o que o torna de longe o segundo melhor saibrista do circuito desde 2011, quando deu sua grande arrancada técnica.

Nesse período, Nole ganhou sete Masters na terra – dois a menos que Nadal -, sendo três em Roma e dois em Monte Carlo e em Madri, além de outros seis vices, num total de 60 vitórias e apenas 11 derrotas nos três Masters do saibro.

Ao longo dessa excepcional campanha, tem até mesmo placar favorável contra Rafa, com 6 a 5, incluindo Roland Garros de 2015 e Roma de 2016, tendo perdido a mais recente em Madri do ano passado, já mergulhado em seu inferno astral.

Dessa forma, ainda que não esteja no ápice de sua confiança, Djokovic tem de ser respeitado porque evidentemente sabe o que fazer em qualquer velocidade do saibro. Claro que enfrentar Borna Coric na segunda rodada indicará um grau de exigência maior, já que o croata, além de jogar num estilo muito semelhante, tem feito um bom início de temporada pautado em saque mais pesado e atitude ofensiva. Será um degrau a subir no plano emocional.

Detalhes
– Quatro tenistas de até 21 anos venceram na estreia de Monte Carlo: Coric, Andrey Rublev, Stefanos Tsitsipas e Karen Kachanov. Eles se juntam ao cabeça Alexander Zverev, que entra diretamente na segunda rodada.
– O esloveno Aljaz Bedene será mesmo o adversário de Nadal na estreia do canhoto e atual campeão. Houve só um duelo entre eles, lá mesmo em Monte Carlo, dois anos atrás, e Rafa venceu por duplo 6/3.
– Bedene é 58º do mundo e meses atrás foi finalista em Buenos Aires, onde derrotou Diego Schwartzman e Albert Ramos, e quartas no Rio, batendo Pablo Carreño e tirando set de Fabio Fognini. Não é bobo no saibro.
– Bellucci amarga nesta segunda-feira o 224º lugar do ranking, sua mais baixa classificação desde novembro de 2007. Mas tem uma ótima chance de reagir em Sarasota, challenger fraco sobre har-tru, e recuperar rapidamente 60 posições.


Comentários
  1. Terson Ribeiro Carvalho

    Dalcin, para lamentar o ranking de Thomaz Bellucci, torcer para uma recuperação.
    Para voce Dalcin, que gosta de números, registrar que hoje o tenista espanhol Fernando Verdasco, chegou a vitória de n. 499, chegando perto da vitória n. 500.

    abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Gosto muito dele, Terson. Teria ido muito mais longe se a cabeça ajudasse. Quem sabe a 500ª não acontece em cima do Cilic.

      Responder
  2. Alessandro Sartori

    Logo Dalcim estará fazendo um post do tipo do Delpo pro Djokovic tbm, “Ele voltou´´…quanto às partidas de amanhâ eu to de olho no jogo do Raonic, que enfrenta o italiano Cecchinato, o italiano não é nem uma novidade no circuito mais desde sábado tem desbancado nomes conhecido do circuito e se saindo muito bem nos momentos difíceis dos jogos, no meu caso que gosto de umas apostinhas, vo ta de olho nesse jogo…

    Responder
  3. Rafael

    Taro Daniel vence Djokovic

    G, Clezar (!) vence Taro Daniel.

    Logo, Clesar (!!!!) > Djokovic

    rsrsrsrsrsrsrs, aiai, o esporte é uma metáfora da vida mesmo.

    Responder
  4. Marcos Castillo

    Galera, pq toda essa pressa com o Auger-Aliassime? O cara não tem nem 18 anos…
    Uma rápida pesquisa no histórico do maior de todos os tempos às vésperas de completar 18 anos revela que os resultados dele não eram tão animadores também: derrota no mesmo Monte Carlo para o glorioso Spadea com direito a pneu, derrota para Rafter (especialista no saibro?) em RG com mais um pneu(!), derrota para o Byron Black em Londres com direito a pneu(!!), além de outras derrotas que hoje parecem inacreditáveis…
    Pô, o Félix perdeu no terceiro set para o mesmo cara que acabou de derrotar o Pouille, que até pouco tempo estava no top 10 e defendia os pontos de semifinal.
    Calma, gente, calma…

    Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    E vejam isto senhores.

    O brasileiro Guilherme Clezar acabou de derrotar o japonês Taro Daniel.

    Sim. Aquele que venceu o Djokovic, recentemente.

    Kkkkk

    Vejam a que nível “PANGARÉTICO” chegou a atuar o sérvio.

    Mas, claro…

    Isso daí, o partido do Sr. Luis Fernando, PUXADINHO do partido que torce pro sérvio, não comenta.

    Faz de conta que não viu.

    Prefere falar do Coconakkis…

    Responder
  6. Mário Fagundes

    Incrível como as opiniões mudam rapidamente no blog. Até a estréia de Djokovic, a maioria aqui dava o sérvio como carta fora do baralho. Foi só o cara vencer uma partida e esses mesmos sabichões já mudaram o discurso. rsrsrs Incoerência a gente vê por aqui.

    Responder
  7. AKC

    Não vi o jogo, mas o resultado foi muito animador. Espero que Djoko volte com tudo, agora é só pedreira, se ele passar vai ter uma overdose de confiança. Torço por ele, o circuito tá estranho sem o Big4…

    Responder
  8. Paulo F.

    O que mais gostei desta postagem do Dalcim é fazendo justiça à história de Djokovic no saibro.
    O sérvio, é sim, um jogador monstruoso também de saibro.
    Mas um tanto quanto subestimado neste piso – valorizam mais outros jogadores neste piso com conquistas inferior ao do Nole, por exemplo Guillermo Coria, Thomaz Muster. Sim, eles tem menos conquistas nos títulos mais importantes do saibro.
    Quer dizer que o mito Kokkinakis já perdeu? O greco-australiano alçado ao panteão mitológico por derrotado Roger Federer em Miami?
    rs

    Responder
        1. João ando

          Notamos como o tênis e um esporte difícil …talvez um dos mais dificieis esportes individuais…temos vários casos de filhos de tenistas …cristopher Ruud. Petrk korda. Borg. ..estou falando dos pais agora….poucos chegam entre os top 20/30

          Responder
  9. Joker

    Após essa vitória, Djokovic é favorito a vencer todos os torneios que disputar até o final do ano. Destaque para o Aberto dos Estados Unidos que será vencido sem a perda de sets. Essa volta do Vajda não é somente importante para Novak, mas cria um ambiente de confiança em toda a Sérvia que culminará com o inédito título da Copa do Mundo com direito a goleada sobre o Brasil na fase de grupos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Puta merda…

      Quanta babação.

      É como se o Djokovic fosse um fio, que bastasse ligar numa tomada e PUFF. Pronto!

      Como é que o cara usa um ÚNICO jogo bom do sérvio, para afirmar que ele ganhará tudo daí pra frente?

      Depois, os federistas é que fazem parte de uma seita…

      Responder
  10. Sônia

    Dopadal, ser nojento, asqueroso, ironizando ELE por não jogar no saibro argh argh argh. Hipócrita, fugiu dos masters americanos fingindo probleminha físico, agora que está em seu quintal… argh argh argh, covardão, falso, dopadão, ser nojento, asqueroso argh argh argh… invejoso, jamais será, nunca será.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Engraçado, o contundido é fujão, o sadio não, afirmações típicas desse segmento alienado da realidade ao qual vc pertence. Simplesmente patético seu comentario. Quanto a nunca ser kkkk, tomara q eu sempre esteja longe de vcs kkkkkkk…

      Responder
      1. Marcelo Araújo

        Concordo parcialmente com você, LF. Sou torcedor do tênis bem jogado por isso torço tanto para Federer quanto para Djokovic e sempre contra Nadal que joga um tênis menos técnico baseado na resistência e na força física e mental mas admito que é completamente descabido chamar Rafa que estava machucado de fujão enquanto foi Roger que deixou de jogar a temporada do saibro estando bem fisicamente.
        Mas concordo apenas parcialmente porque alienado ou no mínimo “apaixonado cegamente” é quem não consegue enxergar a qualidade técnica superior do suiço e quem não o reconhece como o melhor tenista de todos os tempos.

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Marcelo, são situações distintas. Um dos fatos comentados refere-se ao fato de um jogador comprovadamente contundido, ou seja , um fato OBJETIVO e comprovado por exames (ressonância magnética), não ter jogado esse ou aquele torneio, só alguém sem lucidez p chama-lo de fujão. Outro é algo SUBJETIVO, considerar-se esse ou aquele como o maior de todos os tempos, algo que não é consensual, algo q é discutível, embora Federer indiscutivelmente seja talvez o principal candidato a ser considerado como tal. Não misture os canais.

          Responder
          1. Marcelo Araújo

            Continuo concordando parcialmente com você. Concordo que uma questão é objetiva e a outra é subjetiva mas vou dar um exemplo de outra questão subjetiva que não deixa de ter uma resposta óbvia para quem não é alienado ou “apaixonado cegamente”: quem se expressa melhor? FHC ou Lula? Embora seja uma questão subjetiva, é óbvio que FHC se expressa melhor. Da mesma forma, para mim, é óbvio que RF é mais tenista que RN!

  11. Marcelo

    Bom jogo entre Shapovalov e Tsitsipas. O grego mereceu vencer, aparentemente se adapta melhor ao saibro. Vamos observar agora contra Goffin.
    Estou curioso também para ver a performance de Djokovic contra o ascendente Coric. Em tese, jogo duro. Se ele vencer, enfrenta Thiem ou Rublev. Ou seja, pedreira pela frente. Importante que o sérvio adquira ao menos um bom ritmo de competição. O próximo jogo dará uma noção melhor de sua evolução.

    Responder
  12. O LÓGICO

    Minha torcida – interesseira kkkkk – é toda pelo Djokão kkkkk zoofilista de tourinho espanhol kkkkkkkkkk No último encontro o robozinho macabro só ganhou porque
    o sérvio tava esmerilhado kkkkkkk. E o tio tony malvadeza ainda fez festa dessa vitória oportuna kkkkkkkkkkkk

    Responder
  13. Rodrigo S. Cruz

    Até o Djokovic comentou que o Coric joga no mesmo estilo que ele.

    O que já foi comentado aqui também…

    Se ele vencer o jovem, acho que já pode pensar em enfrentar Nadal, nas quartas.

    Situação em que provavelmente levará uma surra.

    Responder
  14. Rafael Wüthrich

    Dalcim, achei curioso você mencionar o har-tru. Muitos torneios menores ainda o usam? Sei que na ATP ninguém mais usa, certo? Pena que acabaram com a diversidade de pisos. Era bem divertido.

    Responder
  15. Robson

    Ainda que a vitória de hj de Novak tenha sido em cima de um tenista limitado, sinceramente me animou,a atuação de Novak hj foi a melhor dele desde aquela vitória esmagadora em cima do thiem em Roma a quase 1 ano.
    A volta de M.Vajda parece ter feito um bem enorme mentalmente,vamos ver quarta feira contra o Coric.

    Responder
  16. Thiago Mendes

    Torço pela volta do alto nível do djoko, faz muito falta ao circuito, quando a confiança ta em alta e não tem lesão, os jogos dele são sempre um show à parte. Agora falta a volta do Murray.

    Responder
  17. Renato

    Acho que Coric é mais perigoso pro sérvio do que Thiem. Dependendo de como Novak passar pelos dois adversários, não acho nada impossível que ele vença Nadal. O espanhol também não está no melhor momento, voltando de contusão. Se Djokovic atropelar o austríaco e o croata, o bicho vai pegar!

    Responder
  18. Antonio Gabriel Oliveira dos Santos

    Na vida não existe o SE, mas uma vitória sobre o Coric, certamente dará outro animo ao Djoko. Ainda será muito pouco, mas já será um inicio….

    Responder
  19. Lucas BS

    Mestre Dalcim, o que achou da técnica de saque do Djoko? é a mesma do início do ano ou voltou para o estilo de sacar dos anos anteriores? abraço

    Responder
    1. Nando

      Eu ia dizer isso, “Paulo Coelho”…se ele disse q “Vajda o conhece melhor q ninguém” , e q “ele se sente bem com Vajda”, pq demitiu o cara então né?

      Responder
  20. Ivan

    Dalcim, penso que o Djoko se estiver bem mentalmente quarta, como esteve hoje, deverá esmagar o garoto, pq eu acho que o problema é mesmo mental e não mais físico e ai sim, nas oitavas um excelente teste contra o Thiem. Mais mantendo o mental firme ele passa. Ai contra o Nadal, mesmo Nadal voando deveremos ter um dos melhores jogos até aqui. Vamos torcer para os deuses do Tênis que isso aconteça.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *