Paciência, Djokovic
Por José Nilton Dalcim
12 de março de 2018 às 11:16

Por sete ou oito games, Novak Djokovic animou. Diante de um adversário tecnicamente inferior e nervoso, executou quase todo seu conhecido repertório: bolas profundas, saque variado, ataque na paralela e voleios vistosos. Até me surpreendeu. Na hora de fechar o set, faltou determinação e daí em diante o jogo diante de Taro Daniel, mero 109º do mundo, virou uma gangorra, regada a uma infinidade de golpes no meio da rede ou além da linha de dupla. Faltaram pernas no terceiro set.

A rigor, nada de errado nisso tudo. Djoko jogou apenas sua quinta partida desde julho do ano passado e temos de considerar que a campanha no Australian Open esteve o tempo todo associada à dor no cotovelo e a incertezas. É primordial antes de tudo se livrar do medo, e esse é um processo que pode ser mais rápido ou menos veloz conforme cada um.

Como já cansei de dizer aqui, confiança no tênis não vem com jogadas bonitas ou lances mirabolantes, mas com vitórias, qualquer que seja ela. Então Nole precisará de paciência e olhar o retorno pelo lado positivo: a não ser por um momento em que alongou o braço, não houve qualquer sinal de desconforto em relação ao problemático cotovelo. Ele já indicou que vai a Miami também.

Preocupante mesmo é a situação de Alexander Zverev, que parece ter perdido o rumo, joga um tênis com pouca criatividade e, mais grave ainda, parece estar com dificuldade clara de conviver com as frustrações naturais do dia a dia. Não que João Sousa seja sem predicados, mas a sequência de resultados ruins é alarmante.

Levou uma surra de Juan Martin del Potro em Acapulco, não se achou contra Andreas Seppi em Roterdã e perdeu completamente o juízo no quinto set diante de Hyeon Chung em Melbourne, apenas para citar os três exemplos mais gritantes. No meio disso tudo, dispensou o treinador Juan Carlos Ferrero e bateu boca publicamente com ele.

Por falar em Delpo, ele merece especial atenção em Indian Wells. Vem de campanha limpa em Acapulco e tem caminho aberto rumo à semifinal com Marin Cilic. Claro que deve respeitar David Ferrer na próxima rodada, porém me arrisco a dizer que Del Potro está jogando seu melhor tênis desde a campanha olímpica, especialmente porque o backhand está bem mais solto. Do jeito que Zverev e Grigor Dimitrov estão jogando, ele é sério candidato a ocupar o quarto posto do ranking antes mesmo do saibro europeu.

Na chave feminina, confirma-se a expectativa em cima de Amanda Anisimova, aquela norte-americana de pai russo que desfilou nos torneios juvenis brasileiros de 2017. Ainda aos 16 anos, tem tênis de gente grande. Bate de forma simples e eficiente, busca sempre a definição dos pontos e trabalha com o saque para ser agressiva já na segunda bola. A forma com que dominou Petra Kvitova é para poucas. Excelente aposta para futuro a curto prazo.

Nestas duas rodadas iniciais de Indian Wells, me chamaram a atenção duas coisas: a qualidade baixa da arbitragem, com uma quantidade assustadora de marcações mal feitas. Houve uma chamada fora no sábado para uma bola que estava um palmo dentro da quadra. Nunca tinha visto algo tão gritante. E a outra é o jogo horroroso entre Gael Monfils e John Isner, com uma dúzia de lances bonitos e uma soma pavorosa de lances mal executados. O gigantão ganhou dois jogos na temporada até agora e Monfils está cada dia menos comprometido com a carreira.


Comentários
  1. Luciano Serafim

    Boa noite.
    Vendo o jogo do Del Potro, parece q ele sentiu algum incômodo nas costas, no ultimo game do 1° set.
    Levou a mão nas costas algumas vezez no 2° set e seu rendimento caiu muito no saque do Ferrer,
    Espero que não seja nada demais, abç

    Responder
  2. Miguel Delfes

    Dalcim..
    Alguns tópicos..se quiser ou tiver tempo..comente algum deles..
    *Forehand mais potente hj de todo circuito como foi postado aqui.. Del Potro..fenomenal..
    *Lesões..estão ocorrendo hj mais q em qq época na minha opinião por dois motivos principais..devido ao fato entre outros q o ganho em $$ nunca foi tanto..sendo assim..fazem o q podem p faturar mais..o q acho perfeitamente normal..e..tb pq os mais ranqueados tem como ídolo..Roger Federer..um tenista fora de qq “Curva de Gauss”..assim sendo tentam de certa forma.. às x fora de suas condições físicas ou até técnicas..se aproximarem dele..p mim..Novak Djokovic é um exemplo disso..
    *Vc postou em um comentário achar q A Zverev tem um porte físico perfeitamente adaptado p prática do tênis.. respeitosamente discordo..Federer 1.85 Nadal 1.85 Sampras 1.86 Novak Djokovic 1.88 Rod Laver 1.73..ou seja..os maiores até o momento não são tão altos assim..
    *E viva o tênis..

    Responder
  3. João ando

    Ken flach que fazia dupla com o Robert seguso faleceu de pnemonia com 54 anos…pqp. …muito novo….outra dupla famosa era o grantt connel e o Glen michibata ….era canadenses ne dalcin?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, era bem comum as tenistas antes da década de 70 jogarem com uma mão. Então temos o caso máximo de Margaret Court, a recordista de Grand Slam. Das que eu vi jogar, acho que Justine Henin foi perfeita.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Ô, Dalcim, pode dizer que vc também viu a Navratilova jogar. Faz tempo, mas viu. E quem sabe BJK? Rsrs!!
        E porque não lembrar da nossa Maria Esther?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Vi a carreira praticamente toda de Navratilova, Brack, aliás foi um privilégio… rsrs… Bom, foi questionado sobre qual teria sido a maior com backhand de uma mão, então obviamente é preciso começar pela Margaret Court, não?

          Responder
  4. Rodrigo Azevedo

    Dalcim, não dá mais para o Djoko ficar trocando inúmeras bolas para ganhar 1 ponto, ainda mais em um jogo de primeira rodada contra um tenista muito inferior, o que acha? Ele já esta com 30 e seu corpo não aguenta mais esse estilo. As lesões estão aí, sei que difícil mudar o estilo mas ele precisa pensar nisso.

    Responder
  5. Renato

    Acho que a trajetória de Nick Kyrgios será parecida com a de Ernest Gulbis, mas com resultados mais expressivos. O australiano não me parece profissional, dedicado, além de ser egocêntrico. Uma pena o desperdício de talento. Tenho certeza que o cara curte uma balada, uns drinks, mulherada e etc. Deve achar que é bom o suficiente para vencer sem ter uma vida de profissional. Tsc tsc

    Responder
      1. João ando

        Renato .o gulbis e filho de um dos homens mais ricos do mundo ….ele ia disputar torneio juvenil e chegava de avião do pai…e uma pena .tem um talento de sobra. Sim ele gosta de uma festa …o dalcim pode confirmar isso …

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Só se for no aspecto físico.

      Pois o letão teve a carreira muito prejudicada por lesões.

      E o australiano, parece que está indo pelo mesmo caminho…

      A diferença é que o Kyrgios tem mais talento do que o Gulbis.

      Responder
  6. Luiz Fernando

    Dalcim, nao sei se sua visão e a mesma, mas vejo o Phillip K, que acaba de vencer o Cilic, melhor hj do q quando mais jovem, inclusive mais agressivo. Concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que hoje ele está um pouco mais lento de pernas, que era uma das compensações que dava para sua estatura não tão alta. Mas é um jogador cheio de recursos, muito legal vê-lo em quadra.

      Responder
  7. Fernando Pauli

    Mais um grande indo para o cacha-prego, agora foi a vez do Cilic cabeça dois do torneio. Aí alguns dizem que o Federer só ganha na entre-safra, como se ele tivesse culpa dos grandes não chegarem as fases finais de um torneio, por pura incompetência deles. Torcendo por um FeDel para apimentar um pouco esse torneio.

    Responder
    1. Enoque

      Fernando,

      É justamente por isto que estamos na entressafra, o que vc chama de grande, não tem regularidade nem competência. E isto acontece a muitos anos, fato raro na historia no tênis.

      Responder
  8. Rafael

    Marcos Castillo

    Sensacional sua lista, não me lembro de ter dado uma gargalhada espontânea tão gostosa há tempos. Isso é humor inteligente, parabéns.

    E, aliás, muito justo. O que os torcedores de Federer tiveram de aguentar de aposentado há algum tempo, rs, agora tomemos de volta.

    Responder
    1. Marcelo

      Rafael, parabéns pelo seu senso de humor com a lista muito divertida do Marcos, apesar de vc ser Djokovista! rs
      Poderíamos ter mais pessoas que levassem as brincadeiras na esportiva assim!
      Abraços!

      Responder
  9. Carlos Leite

    Dalcim, qual conquista vc acha q o Federer iria preferir : ter ganho do Nadal em Roland Garros 2007 ou 2006(completando o grand slam year) , Wimbledon 2008 ( considerado por muitos um dos maiores jogos da história do tênis , se n o maior ) ou ter ganho as Olimpíadas contra o Murray (completando o Golden Slam) ?? Difícil hein , n pode ficar em cima do muro kkk

    Responder
  10. Luiz Fernando

    Esta aí um claro sinal de novos tempos: o promisso Chung derrubou Berdych, algo q eu julgava bem improvável. Obs: dalcim, queria fazer uma observação, quando fui postar, havia o nome e o email do Mário Fagundes ao invés do meu. Claro q corrigi, mas fica o alerta, pq isso deve estar acontecendo com outros.

    Responder
  11. Miguel BsB

    Chung realmente é o Djoko 2.0. Esse ano promete pro garoto.
    Agora, em termos “estéticos”, imperdível o jogo entre Kerber (que pernas) e Garcia (que gata). Rs

    Responder
  12. Miguel BsB

    Vou ficar na torcida para os nossos Hermano… Cuevas, que não deve ir tão longe, e Delpo, esse sim com chances de chegar à final e ganhar do gênio Federer. Tá jogando muito, um Fedel seria o grande jogo para a final do torneio. Vamos Delpo!

    Responder
  13. Oswaldo E Aranha

    Bruno, sou vascaíno ferrenho. Ligia, estou fechado contigo. Aos demais o meu abraço, aceitando democraticamente as manifestações.

    Responder
  14. Mário Fagundes

    Apesar de Djokovic não ter demonstrado qualquer incômodo com o cotovelo, penso que não deveria ter voltado em IW. O grande campeão sérvio fez uma de suas piores partidas que já vi, ainda que em outros tempos a gente tenha se acostumado a vê-lo jogar mal, errando muito (como naquele jogo dos 100 ENF´s) e, no final, saindo vencedor. Acredito que para voltar aos melhores dias, mais do que treinar e ter uma equipe qualificada e comprometida, ele também precise muito das pessoas mais próximas a ele. Federer pensou na aposentadoria em 2017, mas Mirka não permitiu e foi fundamental na retomada da carreira do marido. Foi triste ver Djokovic perder daquele jeito. Espero que a família o apoie neste momento tão delicado.

    Responder
  15. Fernando Pauli

    Aposto que Federer pega Chung nas quartas e Coric na semi, claro que tem que passar por Chardy primeiro. Torcendo por um FeDel na final.

    Responder
  16. Eduardo Nery

    Dalcim, vou aproveitar o espaço para que você me esclareça uma curiosidade:

    Em transmissões na TV, de vez em quando, é dito quantas RPM teve uma bola batida por um tenista. Como é feita esta medição?

    Um abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na teoria, por um radar, Eduardo. Eu também fico surpreso com a rapidez dessa informação. Ontem o Nicolas Kicker teria feito um winner de forehand a mais de 4 mil rpm… Juro que fiquei ainda mais surpreso.

      Responder
      1. Benjamin Botão

        Dalcim,
        Segue o link a respeito: https://www.google.com.br/amp/s/super.abril.com.br/comportamento/como-se-calcula-a-velocidade-da-bola-de-tenis/amp/.

        Como atleta das modalidades tenis e tenis de mesa eu desconfio dessa informação. 4000 RPMs é muita rotação, daria algo como 66.6 rotações por segundo. Só no tênis de mesa, que é um esporte com mais efeitos e giros, se consegue produzir tamanho RPM. Como no tênis se consegue isso com uma bola mais pesada e com mais atrito no ar? Devo relembrar que no tênis de mesa a raquete possui uma borracha para causar atrito na bolinha e assim produzir spin e velocidade. O atrito entre um bola e uma raquete no tênis é muito menor.

        Responder
  17. Luis

    Sempre achei que o Djoko era um jogador excepcional porque tinha formado um time excepcional, começando pelo treinador. Estou curioso para ver como ele vai dar a volta por cima sem todo o staff de primeirissima que ele tinha formado.
    Apesar de ter agora o Agassi do lado… e da escassez de grandes oponentes…

    Responder
  18. Sérgio Ribeiro

    E se completou o mal presságio , Serena caiu. Ainda bem que foi para Vênus. E o mais fraquinho da novíssima geração , segundo os Sabichões ( só sabe sacar…) , impede mais um brilhareco do grande Verdasco ( melhor que Moya rs). O Espanhol jogou 3 Sets e mais de 2 Horas e meia , e só foi 8 vezes a rede. Menos que o garoto basiliner. Taylor ( já com o primeiro Milhão de US$ em premiação ) vai bem mais longe que Fernando, a meu ver. E completa com Coric a turma jovem dos sobreviventes das Oitavas. A Ladainha ridícula das chaves fracas já começou . Mais da metade dos Cabeças já caíram. Mas Del Potro confirmando teremos uma grande Final em INDY 2018. A conferir ! Abs!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Que mau-gosto o teu hein, Sérgião?

      Não posso acreditar que você troque o Verdasco que tem um tênis quase completo.

      Com ótimo top spin, golpes fulminantes de base, e boa variação de saque,

      por esta PORCARIA MONOCÓRDIA que o Taylor Fritz pratica…

      O americano saca e bate forte de direita, e mais nada!

      Mas o que sempre faltou ao espanhol tem nome: CONSISTÊNCIA!

      Ele oscila mais do que uma gangorra.

      Entretanto, quando joga o que sabe, sai de perto, é um tremendo jogador de tênis.

      Responder
    2. Rafael

      Impressões são subjetivas, Sérgio. Ás vezes, até ilógicas. Não importa quantas dezenas de jogos que deveria ganhar Verdasco ainda vai perder. Para mim, ele sempre vai ser melhor do que Moyá.

      É claro que as estatísticas, objetivas, dizem o contrário.

      Minha visão pode parecer ridícula, mas eu não me importo. É só como penso.
      ——————————————————————————————————————————-

      Aproveitando o espaço, postei antes que Federer escapou de mais uma e era sortudo porque Djoko não estava bem. Aí um colega vem dizendo que é perseguição contra Federer. Foi uma brincadeira!!!!!! Achei que estivesse tão óbvio, mas, por outro lado, sempre achei que escrevia de forma inteligível, também.

      Responder
  19. Sônia

    Hoje o jogo DELE foi tão rápido (muito bom) que consegui terminar umas pendências aqui. Assistindo o jogo do Anderson contra o Kicker, não pude deixar de perceber a incrível semelhança dos baixinhos argentinos (Diego e Nicolás)… é no andar, no jogar, na estatura rsrs, jeito que usam a toalha, até quando reclamam rsrs, muito interessante… aaah papai rsrs. Por outro lado, Anderson (gosto muito dele) num bom momento, bastante confiante. Torcendo agora aqui para o ThieMito pois Cuevas é um tenista complicado. Beijos.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      ThieMito além da torção , teve sangramento devido à grande Umidade , Sônia . Cuevas também Quadrifinalista ano passado , não tem nada com isso. E estava fazendo uma INDY jogando bem mais próximo à base. Pena. Bjs!

      Responder
  20. Luiz Fernando

    Começo a acreditar nos esquemas de bastidores aventados aqui no blog kkk. Basta ver a chave complicadíssima de Federer, com Delbonis, esse F complicado de escrever de hj e agora a revelação francesa Chardy p ver q há algo contra o suíço, não há como contestar kkkkkkkkkkk…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O Federer é o cabeça 1 do torneio.

      Os cabeça-de-chave 1, em geral, costuma pegar as chaves mais fracas.

      Basta você lembrar da RIDÍCULA chave que o Djokovic pegou em RG 2016…

      Isso, sem esquecer das INCONTÁVEIS chaves fracas que o Conan pegou também.

      Além disso, os jogadores que restam no torneio de Indian Wells, são em sua maioria, nomes pouco expressivos…

      E o Federer não tem culpa nenhuma disto.

      Responder
    2. Nando

      Rapaz, tá difícil pra vc né? Kkkkkkkkkkk
      Seu tenista bichado, o tenista q vc mais odeia ganhando mais uma e aumentando seus números, mesmo estando velho para o circuito…o negócio é vc procurar um ombro amigo pra chorar kkkkkkkkkkkk

      Responder
    3. Luiz

      Os jogadores sao esses mesmos….
      Se Murray, Djoko, Nadal, Stan, nova geracao ( sverev, kirgios) geracao do meio ( dimitrov) estão mal ou com lesões …O que sobra é isso ai….
      Se Federer sair ….ai o organizador do torneio vai ter um infarto
      Com dó de miami…
      Irao poucos lá…

      Responder
      1. JANAINA DIAS

        Essa do “infarto” foi ótima..kkk, mas piripaque mesmo os organizadores vão ter quando o FEDERER se aposentar, vão ter que rebolar pra encher as quadras…kk

        Responder
    4. Chetnik

      Mas qual a surpresa? Essa é a história de vida profissional do cara. Sempre foi um abutre que se aproveitou do péssimo estado do circuito para ganhar títulos enganosos e fraudulentos.

      Responder
  21. Rodrigo S. Cruz

    Foda hein, Verdasco…

    Você joga um belo tênis, mas não chega lá, hein?

    PS> Muito bonita essa Raquel Pedraza, esposa do “Dr. Fritz” …

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Pois não achei a morena do Verdasco bonita…

        Bem normal, e com pintas demais na pele.

        Porém, Esther Satorova e Raquel Pedraza são BELDADES pra ninguém botar defeito!

        Responder
  22. Bruno Macedo

    O que falta na vida do Djokovic é uma Mirka Federer. O Federer teve grande sorte de encontrar essa esposa que parece ser super companheira e parece que apoia o Federer demais. Ela está em quase todos os jogos, leva filhos, cachorro, papagaio… O suporte q ela oferece ao Federer me parece essencial para que ele continue amando o tênis.

    O nadal parece só amar o tênis na vida, então ele não tá nem ai se tem esposa, filhos, casa…rsrs

    Mas o Djokovic parece meio dividido entre vida pessoal e tênis, ele parece meio incomodado com a vida apenas de tenista. Não tô dizendo q ele seria igual ao Federer se fosse casado com uma Mirka, mas acho q ele se sentiria bem mais completo e motivado.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Aí e’ que está Bruno. Mirka como Ex-Tenista também ajuda muito com sua presença In loco junto com os filhos. Já Novak se diz orgulhoso de sua mulher presidir sua Espetacular Fundação. Agora , o tal do ” Guru ” . Sei , não … Abs!

      Responder
    2. Mário Fagundes

      Rapaz, concordo com você. O apoio de Mirka tem sido fundamental na carreira de Federer, que sempre a enaltece nas entrevistas. Ontem, num jogo de terceira rodada do suíço contra um adversário inexpressivo, estavam todos presentes: a esposa, os quatro filhos, mãe, pai… Federer é exemplo dentro e fora de quadra.

      Responder
      1. Sandra

        Ha muito tempo que não comento nesse blog, mas essa da esposa do Federer e engraçada , com certeza ela ajuda o Federer a ele ser o que é , mas na hora de uma separação , além de ir para imprensa como escândalo, ela vai querer receber por tudo que ajudou kkkk

        Responder
        1. Mário Fagundes

          rsrsrsrsrs Sem dúvida alguma! Li, certa vez, que ela é quem gerencia a carreira de Federer, sem permitir que até mesmo os pais dele tomem conhecimento das decisões. Bem, seria possível Federer obter mais sucesso na carreira ao longo de todos esses anos sem Mirka? Impossível afirmar, certo? Então, Sandra, você no lugar dela não agiria da mesma forma numa hipotética separação? rsrsrsrs

          Responder
  23. Victor Martins

    Toda vida que o Djoko perder vai ser o cotovelo ainda em recuperação, ou falta de ritmo. Mas vocês tem que entender que existe uma diferença brutal, do Nadal e Djoko, para o Federer.
    O Federer é talento PURO, aliado a mecânica dos seus golpes que agride menos o corpo.
    O Djoko e o Nadal dependem do físico, da consistência de seus golpes no fundo de quadra pra ganhar jogos. O Djoko não aprendeu a sacar e volear com o Becker, não vai ser agora que vai aprender.
    Volto a dizer, existe uma diferença BRUTAL entre o maior de todos, pro Nadal e Djoko.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Tem qualidades. Saca bem, bons golpes de base, se defende bem para seu tamanho. Mas precisa enriquecer seu arsenal com jogo de rede.

      Responder
  24. Osvaldo NT

    Dalcim, tive o privilégio de ir a Indian Wells e vi alguns jogos e alguns treinos. Apesar de não ser um especialista no tenis como você, eu pude reparar que o Alexander Zverev não iria longe já no bate-bola com o Thanasi Kokkinakis – a bola não pegava no sweet spot, cruzava a rede com uma margem muito pequena e várias vezes ficava longa. Sem dizer que a atitude do Zverev é péssima – ele fica olhando para os espectadores, encara um ou outro, faz careta.
    Fiquei também impressionado com a magreza e a altura dele – desproporcionais, não acha?

    Abs

    Osvaldo NT

    Responder
  25. Marcos Castillo

    Sobre a polêmica lista com os maiores da história, não concordo que jogadores em atividade participem, pois seus números ainda não são definitivos. A comparação entre Nadal e Sampras, por exemplo, fica difícil. Nadal ainda está em atividade, enquanto Sampras já encerrou a carreira.
    Sendo assim, meu top five ficaria assim:
    Laver, Sampras, Borg, Djokovic e McEnroe

    Responder
    1. Marcos

      E O QUE O DJOKOVIC ESTÁ FAZENDO NA SUA SELETA E BEM PENSADA LISTA?? JÁ QUE O CRITÉRIO ADOTADO POR VC FOI NÃO COLOCAR JOGADORES QUE ESTÃO EM ATIVIDADE? A NÃO SER QUE VC CONSIDERE O SÉRVIO UM EX-JOGADOR!

      Responder
      1. Marcos Castillo

        Bruno, imaginaria que mais gente percebesse a “piada”, ainda mais pelo momento em que ela foi postada…Enfim, depois de 5 anos lendo alguns torcedores do sérvio chamar o Federer de aposentado, não vejo problema algum em retribuir a brincadeira, concorda? Abs!

        Responder
    2. Pedro Luis Rodrigues

      Coerência total do comentarista, que afirma categoricamente não concordar que jogadores em atividade entrem em rankings de melhores da história, para logo em seguida incluir Djokovic em um ranking do tipo.

      Demostração clara de distanciamento crítico.

      Responder
        1. Chetnik

          Verdade. Mas se não explica, tem gente que não entende, mesmo…se explica, ainda tem gente que não entende. Isso se chama analfabetismo funcional.

          Responder
  26. Jose Alexandre

    Olho no Coric, o garoto massacrou 3 em IW já. Quanto ao sérvio vai aqui uma previsão, que muitos vão duvidar: campeão de RG 2018.

    Responder
    1. Marcos Castillo

      José Alexandre, apesar das brincadeiras que faço com o sérvio, acho essa possibilidade bem real. Um bom resultado em qualquer um dos Masters que antecedem o Slam e o sérvio já se colocaria entre os favoritos. Abs!

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Alexandre. Se Rafa Nadal estiver inteiro, esquece. Caso contrário e’ bem possível mesmo que o Craque faça a besteira de aparecer por lá. Abs!

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Djokovic, campeão de Roland Garros agora, só em SONHO, cara…

      É o major que o sérvio sofre mais.

      E quando obteve o título lá, pegou uma chave muito, mas muito fácil.

      E claro, e sem o “Todo-Poderoso” Nadal pela frente.

      Responder
  27. Ricardo

    Dalcim, o Djoko chegou a falar alguma coisa do cotovelo na entrevista pós-jogo? Ele sentiu algum desconforto físico ou foi a falta de ritmo mesmo?
    Abraço!

    Responder
  28. Carlos Leite

    Dalcim, tava me lembrando aqui, q em 2013 tinha tido um torneio de tênis em Teresina com premiação de 50 mil , na época até o Feijão veio jogar , inclusive ele foi o campeão , só q na primeira rodada ele tinha enfrentado um menino de 16 anos , mas q era considerado revelação e jogava muito bem , mas perdeu de 6/0 e 6/0 pra ele , e na época muita gnt se surpreendeu com o resultado e pelo nível de tênis q era muito superior do feijão ! Mas no msm ano , o feijão pegou o nadal sem confiança no Brasil open e ainda foi dominado por ele , então esses caras q são top 5 , tipo Federer , Nadal e Djokovic, oq fzm deles tão diferente da galera do top 100 ? Vc acha q é a técnica , condicionamento , psicológico ? E existe esse abismo técnico msm entre esses jogadores ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é um pouco de tudo, Carlos, mas no tênis atual a parte física e a mental pesam demais. A questão emocional inclui a capacidade de mudança de postura tática, que exige coragem e concentração, além é claro de capacidade técnica para executar um outro plano de jogo. Apenas como exemplo, Feijão tem um backhand muito abaixo do seu forehand e isso é um abismo grande no alto nível.

      Responder
  29. Oswaldo E Aranha

    Vi alguns comentários tentado desculpar a derrota do Djokovic e alguns outros dizendo que não gostam dele. Pois vou dizer que como torcedor do Djokovic não encontro qualquer desculpa para o feio papel que ele fez neste torneio. Quanto à questão de simpatia, acho-o simpático e nem tanto o Federer e, muito menos seus admiradores.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Aranha,

      Você é a maior VIÚVA do Djokovic desse blog, amigão.

      Que coisa chata.

      Ninguém nem ao menos criticou o teu amado sérvio aqui.

      90% dos comentários o defendem, e acham normal ele perder, vindo de recente cirurgia….

      Mas aí, você não resiste, e já vem falar de pouca ” simpatia” do Federer e seus fãs.

      Só que o suíço é um gentleman.

      Dentro e fora das quadras…

      Responder
  30. sandro mg

    Como sempre, ótima análise, Dalcim! Parabéns! Sem dúvida, a gente imagina a cabeça de Nole: Federer e Nadal retornaram fazendo final de um GSlam! Ficaram em primeiro e segundo lugares no ranking ao fim daquele ano! Algo excepcional!!! Naturalmente, Nole gostaria de fazer o mesmo!! Mas a prática difere da expectativa! De qualquer forma, nos últimos jogos, antes de dar a parada, o mental dele estava extremamente instável, coisa que ele precisará trabalhar para voltar ao auge.
    Vamos torcer! confesso que o circuito não é mais o mesmo sem o big 4 completo, mais wawrinka e outros! Os novos, que pareciam que iam deslanchar, estão decepcionando…

    Responder
  31. Pieter

    Olá Dalcim, desculpe-me se você já comentou por aqui e eu não soube, mas gostaria de saber sua opinião sobre o tal circuito de transição que seria (?) implementado ano que vem?
    Vai dificultar ou facilitar a vida dos tenistas iniciantes ?

    Responder
  32. Luis

    Dalcim sobre texto Djokovic ainda tá sem confiança pouca vibração,físico talvez acaba caindo nos jogos,sobre Federer Suíço fez o suficiente pra vencer parecia não tão a vontade na continuação no sol deve se soltar onde vai bem em Indian

    Responder
  33. Tom

    Boa observação sobre o Delpo, Dalcim. Esse merece todo o respeito, pois joga um tênis monstruoso, especialmente no forehand (pra mim o melhor do circuito).

    Responder
  34. Rodrigo S. Cruz

    Eu estava vendo a chave dos jogadores que restam em Indian Wells e fiquei estarrecido.

    Claro que restam alguns bons jogadores.

    Mas a maioria dos nomes me desanima…

    Confiram:

    Krajonovic, Mannarino , Chardy , Fritz, Agut, Medvedev, Kicker, Anderson, Querrey, Bhambri (quem?),

    Sela, Sousa, Mayer, Daniel, Herbert e Cilic.

    Responder
  35. Marcos RJ

    Tenho a impressão que Monfis está mais preocupado em juntar $ com cachê de participacao do que ir longe em cada torneio. Daí o foco nas jogadas de efeito e baixa regularidade. Uma pena, poderia ter ido bem mais longe na carreira.

    Responder
  36. periferia

    Olá Dalcim…….o Djokovic está lembrando o Borg antes da aposentadoria……esta faltando amor pelo jogo……o que sempre sobrou no Nadal e no Federer…… está faltando nele………o Borg nunca se arrependeu de ter parado…ele se arrependeu pelo dinheiro que deixou de ganhar…….o jogo em si nunca foi o motor da alma dele….o Djoko está parecendo o Borg …..vendo ele ontem ….em determinado momento ficou parecendo que ele perguntou…..”o que estou fazendo aqui”.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, não vejo isso, essa desmotivação que muitos falam. Se estivesse desmotivado, teria empurrado seu retorno para Roma. Só o fato de adiantar a volta já é mostra clara que está com vontade de competir. Acredito que Djoko está sim pressionado, talvez mais por si mesmo, a jogar bem e conseguir bons resultados.

      Responder
      1. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

        Hoje em dia um cara como BORG jamais se aposentaria aos 26. Não por amor ao esporte, mas pelos contratos de patrocínio. A pressão por estar no circuito, resultados vem muito desses contratos, as obrigações dos tenistas com seus patrocinadores.
        Acredito inclusive que a volta antecipada do Djokovic tenha muito a ver com isso.

        Responder
  37. Felipe Silva

    Dalcim, falam bastante sobre o jogo e todas as variáveis táticas, mas você não acha que, aproveitando o jogo do Djokovic como exemplo, o que mais influencia no “matchup” ultimamente é a pressão do saque/segunda bola? Até mesmo Federer, Djokovic, Murray e, um pouco menos, Nadal, sentem muito se o saque não garante pontos “de graça”. Para mim, depois que o Nole perdeu intensidade no saque e começou a ter o serviço pressionado, o jogo dele desmoronou.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, é um padrão do tênis atual. Na verdade, nem se trata de definir o ponto na segunda bola, mas de tomar a iniciativa do ponto e colocar o adversário na defensiva. E em muitos casos, evitar as longas trocas.

      Responder
  38. Alfred

    Dalcim, em relação ao Monfils, porque acha que ele está pouco comprometido com a carreira? Achei que a vinda dele para o saibro sul americano tinha como objetivo pegar mais ritmo para o saibro europeu…

    Responder
  39. Fernando Brack

    Complicada a situação do Djoko. Não era pra ter perdido essa partida. Parece ainda ter alguma coisa mental
    atrapalhando seu desempenho, e essa não tem cirurgia que resolva.

    Responder
  40. Alvaro Armbrust Junior

    Mais uma pergunta ao Mestre e aos colegas de blog.
    Será que só eu acho um baita saco assistir jogos dos atuais tenistas norte-americanos?
    Eu acho o jogo destes caras chato, sonolento, monocórdio, não tenho nenhuma vontade de assistir.
    John Isner, Sam Querrey, Jack Sock, Taylor Fritz, Donald Young, Jared Donaldson, Steve Johnson (esse tem cara e nome de golfista), enfim… pra mim ninguém se salva nesta turma sem graça. Nem o Tiafoe. Falta tênis, falta carisma, falta variação, falta tudo.
    Mas de repente sou eu que implico. Não consigo assistir 5 minutos de Mannarino e Benneteau também. Prefiro até o Simon.
    Abraços!

    Responder
    1. Gilvan

      Também não suporto. Acho a escola norte-americana um negócio tão incutido nos jogadores que todos parecem saídos de uma fábrica: jogadores altos, com saque potente, direita potente, esquerda medíocre, movimentação ruim, voleio e variações inexistentes.
      Fora uma ou outra variação (Johson usa muito slice na esquerda, Sock voleia bem etc), todos os americanos seguem o perfil traçado acima.

      Responder
    2. JANAINA DIAS

      Não é só você Álvaro..também acho um saco o jogo deles, Querrey me dá calafrios de tão chato..kk.
      Como você disse, é um jogo modorrento, entediante e terrivelmente óbvio..
      Agora, a combinação que eu acho mais terrível é Isner x Karlovic (croata), aí não tem Cristo que aguente..kk

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Com a ridícula padronização dos Pisos , a aposentadoria do genial Pistol Pete Sampras , os Norte-Americanos partiram para se adaptar aos novos Tempos. E esses citados, Janaína, não praticam nem Saque-Voleio, nem um exuberante jogo de fundo. As quadras estão mais lentas que na Austrália. Ou seja, somente uma nova grande safra para salva -los da mesmice.Abs!

        Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Caramba, Alvaro!

      E eu que pensava que estava sozinho nessa… (rs)

      Também acho o jogo desses citados um SACO!

      O tênis norte-americano está uma porcaria mesmo.

      Sampras, Agassi e até mesmo Roddick fazem falta.

      Pelo menos tinham carisma…

      Responder
  41. Bartolomeu

    Comento esporadicamente no blog, sempre com a ressalva inicial (e desnecessária) de que sou torcedor do Federer.

    Agora confesso que entre Nadal e Djokovic, prefiro o Nadal, sobretudo pela história de rivalidade com o Federer, e também por ser o maior saibrista de todos os tempos. Djokovic é um dos grandes, indubitavelmente, mas sempre me incomodou um pouco. Percebo nele um instinto de constante revanchismo, uma profunda mágoa por ser para o tênis o que Federer e Nadal são. E esse ressentimento sempre ficava mais evidente nas vitórias, enquanto se dirigia ao seu box, aos familiares que compartilhavam do mesmo sentimento, nos gestos ao público, seja apontando para a própria cabeça para indicar a sua força mental, seja nas imitações/deboches com que tentava divertir o público. Pois Federer e Nadal são, para o tênis, o que talvez Beatles e Stones sejam para o rock. Você pode preferir um outro, pode reconhecer a qualidade de outras bandas e até preferir essas bandas, mas você não pode negar que Beatles e Stones levaram o rock a um outro patamar de grande e popularidade. E a história não se reescreve. Djokovic poderia ser o maior DEPOIS deles, ele sempre soube disso, e dedicou a sua carreira a lutar contra essa circunstância.

    Dito isso, confesso que fiquei triste com a sua derrota ontem. Ele também é um dos grandes. Um campeão indiscutível. E vê-lo assim – inseguro, tímido, errático – é triste. Eu sempre torço para ver o melhor Federer, o melhor Nadal, e o melhor Djokovic, enfim, o melhor de cada tenista. Contentar-se com menos é não gostar do esporte.

    Responder
    1. Viviane

      Excelente comentário. Devo dizer que nunca simpatizei com Djokovitch. Também sou super fã de Federer, desde o início de sua carreira quando diziam que ele seria um grande tenista e para minha surpresa e felicidade o quanto G R A N D E ele foi e tem sido. Sem dúvida o Djokovitch é um dos grandes na história do tênis e o que ele jogou em 2015 até meados de 2016 nunca vi nenhum jogar, nem mesmo Federer (embora este o tenha vencido 2 vezes nesse mesmo ano).

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Três , Viviane. E TODAS em Sets diretos. Esse mesmo rapaz que escreveu está ” Pérola ” , esqueceu de Dubai. Não e’ necessário entender muito do Esporte para saber que o melhor de Novak, nunca será mais que o melhor de Federer, pois nenhum Tenista reúne todos os Fundamentos em altíssimo nível como o Suíço.Bjs !

        Responder
    2. JANAINA DIAS

      Brilhante comentário Bartolomeu, concordo com tudo o que você disse. Acho que esse revanchismo do DJOKO foi alimentado pelo pai dele, que o pressionava muito pra que ele fosse o melhor, o n°1, e acho que isso o prejudicou demais mentalmente. A pressão do pai, segundo a mídia, o fez até “mudar de personalidade”: no começo da carreira ele era brincalhão e despachado, depois, na ” tentativa” de ser o melhor do tênis e desbancar o FEDERER (desejo do pai dele), DJOKO se tornou um tenista sério, polido e triste, uma imitação da postura gentleman do suíço, a qual infelizmente não era a essência da personalidade do sérvio, o que pra mim o descaracterizou e o fez perder o rumo como jogador..
      A contratação do guru foi a cereja desse bolo murcho..

      Também fiquei muito triste com a apresentação do DJOKO em IW, não me pareceu só um tenista lesionado e com falta de ritmo, mas um esportista que perdeu a própria identidade e a direção de sua carreira…

      Queremos que ele se reencontre e se recupere, mas a mente e o físico dele vão ter que se recuperar juntos senão vai ficar difícil..

      Responder
  42. Renato

    Não gostei do jogo do Federer. Sua bola não estava andando muito e ele parecia meio preguiçoso, mas pelo menos estava vibrando. O argentino é fraco, limitado e chato pra c..

    Responder
  43. Renato

    Apesar da derrota de pangarevice ser engraçada, o torneio perdeu um pouco da graça para mim. Estava torcendo por uma boa campanha de Shapovalov, Aliassime, Tsitsipas e Dieguito. Pena, fica para a próxima

    Responder
  44. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    A nova geração (no masculino) vem confirmando o que eu já esperava, ou seja ainda falta muito para assumir o protagonismo nos torneios. Shapovalov, Rublev, Zverev , Tsitsipas, Minaur , Tiafoe amargaram derrotas sem oferecerem grandes esforços de seus adversários. Mesmo o Chung teve problemas num jogo hipoteticamente fácil. O que me deixou a melhor impressão foi o Auger-Alisassime. Vi um pouco de quase todos e a grande decepção foi o Tiafoe, que fez um jogo horroroso contra o sofrível Escobedo, ratificando a péssima fase do tênis masculino americano. !!!! O jogo do Sock ontem também foi bem fraco !! Pode ser que o Querrey vá longe, pois a chave tá bem aberta para ele.
    E a Bia 4 x 0 e depois 5 x 3 e 30-0 no 2º set e não consegue fechar !!!
    Mais preocupante é o nosso tênis. Que desempenho horroroso num torneio fraquíssimo no Uruguai. E o Bellucci continua com as suas desculpas incoerentes. Disse que é duro perder um jogo que tava nas mãos, que isso é fruto da parada que teve que dar por conta do doping. Acho que ele deve estar com problema de memória, pois isso sempre aconteceu com ele durante toda a carreira.
    Monteiro e Rogerinho também decepcionaram bastante contra adversários sem grande expressão.
    Grandes problemas nos aguardam na Davis, pois os jogos de duplas sempre são os mais imprevisíveis, taí IW para comprovar onde as duplas 1 e 2 foram eliminadas na 1ª rodada por adversários que nunca jogam juntos.

    Acho sua análise muito boa quanto ao retorno do Djoko, apesar de não ter visto o 1º set (vi no replay o lance incrível do Taro que evitou sua derrota no 1º set). O que mais impressionou foi a queda do rendimento físico no 3º set. Teve várias bolas que o Djoko nem esboçou reação, deixando a quadra livre para o Taro.

    E quanto aos juizes, deve ser perseguição com o Monfils, pois aqui no Rio no jogo de duplas (onde fez parceria com o Demoliner), o juiz de linha errou um lance que saiu uns 2 palmos e deu dentro e a juíza de cadeira ainda desceu para verificar a marca da bola (dava pra ver facilmente da cadeira que tinha sido fora) !!!! E isso no saibro !!!

    Aliás, Demoliner não conseguiu ranking para jogar IW ou está machucado ?
    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A situação do tênis brasileiro é realmente preocupante. Nem no saibro estamos conseguindo resultados e a chance de ficarmos fora de Roland Garros ficou grande (a menos que Rogerinho e Thiago aprontem no quali e na chave de Miami, já que Bellucci nem para lá vai). A Bia ainda precisa de rodagem. Não gostei de ver o jogo dela com tão pouca variação, ainda que Puig seja típica tenista de quadra dura. Não sei o que aconteceu com o Demoliner, já que ele tinha ranking para jogar.

      Responder
  45. José Eduardo Pessanha

    Dalcim,

    E o que achaste do jogo Raonic x Aliassime ? Pensei que o garotão iria tirar pelo menos 1 set do Thiago Silva, mas vejamos pelo lado positivo: disputou quatro partidas em nível ATP e foi bem. A tendência é melhorar bastante ao longo do ano.

    Abs

    Responder
  46. Nando

    Sobre Zverev, tá complicado pra ele mesmo…parece q “involuiu”, perdeu o rumo, seu FH não machuca ninguém.
    Ainda bem q é mto jovem, tem tempo…assim como Shapovalov e Félix, q devem ser “o futuro”.
    Sobre o sérvio, kkkkkkkkkkkkkk.

    Responder
  47. Bismarck louback

    Dalcim, chave se abrindo dos dois lados sem zverev, djoko, kyrgios e dimitrov. Acha possível final federer x Delpo? Quem pode atrapalhar isso ai? Cilic? Thiem? Berdych?

    E o que achou da volta de raonic?

    Abraços!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho o Cilic perigoso, com certeza, mas hoje eu apostaria sim em Federer x Delpo. A coisa que mais me chamou a atenção na partida do Raonic foi o fato de ele voltar a ir para o saque-voleio. Não entendi até agora porque ele desistiu disso quando estava dando tão certo.

      Responder
  48. Renato

    Novak, SEGUNDA DIVISÃO, foi humilhado por Istomin, massacrado por Chung e, agora, foi entubado por um tenista de QUARTA DIVISÃO, que costuma ter como rivais, em challengers, Clezar, Rogerinho e Thomaz Bellucci! Kkkkkkkkk E olha que FRANGOVICE ficou a um game de levar um humilhante pneu no terceiro set. Kkkkk

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Opinião típica de quem realmente entende de esportes.
      Se o cara confirmou seu serviço no primeiro game, o set poderia ter 100 games que jamais seria um pneu. Então dizer que ficou a um game de levar um pneu é uma bobagem sem precedentes.

      Responder
      1. Rafael

        Fabriciano,

        Por que o milionário frequentador de festas e ativista Bruce Wayne nunca foi fotografado junto com o Cavaleiro das Trevas, Batman?

        Por que Peter Parker, o repórter fotográfico, era o profissional que sempre conseguiu as melhores fotos do Homem Aranha?

        Por que aquele cara que entrava pela porta do apartamento, com aquele saco de papel amassado na barriga e aquela barba de algodão doce e estofo de travesseiro, apresentando-se como Papai Noel, quando a gente era criança, tinha uma incrível semelhança com papai?

        Resposta a todas as perguntas: Porque eram todos a mesma pessoa!!!!!

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Pois é meu caro Rafael.
          E gente como eu ainda insiste em encontrar essas duplas-personalidades juntas. Já deveria ter aprendido a lição.
          Grande abraço.

          Responder
  49. Alvaro Armbrust Jr

    Bom dia Mestre Dalcim, como sempre aguardando seus posts com muita expectativa!
    Tenho algumas perguntas para você mas convido os colegas do blog a responderem se assim o quiserem, pois são dúvidas reais que tenho.
    1. Como pode um jogador com a força física de Monfils (pelo menos aparentemente o cara é um monstro), jogar sempre na defensiva, devolver no T e cometer tantos erros não forçados com bolas no meio da rede. Com aquele biotipo eu imagino que ele tinha que afundar a bolinha na quadra adversária.
    2. O que significa aquele toss do Federico “sem queixos” Delbonis? Primeiro ele ameaça e não lança e depois lança a bolinha na ionosfera? Dá tempo de tomar uma café enquanto ela desce novamente. É um movimento correto ou um “vício” desde a formação”? lembro que há uns 30 anos atrás o toss de maneira geral era bem mais alto (o da a Steffi Graf se não me engano).
    3. O Guru ainda continua na equipe do Djokovic? Porque me parece um picareta oportunista e não vejo lugar para este tipo de gente no staff de atletas tão profissionais e bem orientados. Até entendo que consigam enrolar artistas, músicos de sucesso, mas atletas de alto rendimento, que trabalham com resultados tangíveis??? Não consigo entender.
    É isso, agradeço todas as respostas e aproveito para parabenizar mais uma vez pelo blog que é meu companheiro dia a dia.
    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Álvaro, o Monfils gosta de jogar assim, no contraataque, o que para mim é um tremendo erro. Afinal tem saque e forehand contundentes. Uma pena. Quanto ao toss, não é recomendável lançar tão alto devido principalmente ao vento, mas não é incomum e, se o jogador está se saindo bem com isso, não há motivo para mudar. Por fim, não vi mais o guru, mas li em algum lugar que ele continua assim sendo conselheiro de Nole. Abs!

      Responder
  50. Marcelo

    Caro Dalcim,

    Confesso que também achei o Monfils muito desinteressado na gira latina de saibro. Assisti ao jogo dele ao vivo no Ibirapuera, e percebi a falta de vontade.
    Quanto ao Isner, é sempre chato e entediante assistir a jogos dele. Só tem saque, e tem talvez a pior esquerda do top 100.

    Responder
  51. Gilvan

    Com ou sem ritmo, a partida do Djokovic contra o Taro Daniel foi de fazer os olhos sangrarem. A bola mal saía do meio da quadra tamanha a covardia dos 2 jogadores e, mesmo assim, os dois juntos fizeram mais de 100 erros não forçados em uma partida de 3 sets.
    Parece que o retorno do Djokovic a um nível razoável vai demorar alguns meses.

    Responder
  52. Marcelo Reis

    Novak vai pegar ritmo ainda. A gente viu que o jogo dele está lá, mas faltou a gana e o físico excepcionais que ele tem em quadra. Taro Daniel é bem fraquinho, mas bastou ele mandar a bola de volta – e alguns poucos ataques – para que Nole adicionasse mais um ENF.

    Zverev nem comento. Será mais um caso Kyrgios pintando aí!? Ele já teve grande sucesso ano passado, mas me parece muito imaturo também. Não está sabendo lidar com a vida de top do ranking.

    Arrisco a dizer que apenas um desastre vai tirar Del Potro da final. Não vejo ninguém ganhando dele até lá, nem mesmo Cilic, que vem jogando medianamente. Mas o tênis …!

    E sobre Federer, achei ele bastante errático. Se não jogar bem na 2ª rodada, já fará as malas pra Miami.

    Responder
    1. Marcelo Reis

      O Federer me fez pagar a língua, rsrs. Jogou mega concentrado e atropelou o rapaz. Dos mais de 40 ENF na 1ª partida, nessa só 10. Já aqueceu. Agora ele deve ir bem longe.

      Responder
  53. Sérgio Ribeiro

    Gostei do que Federer colocou em relação ao caso de Novak. Lembro do imenso número de Posts contrários a decisão do Suíço de voltar se divertindo na Hopmam. Hoje vemos o quanto acertou. Del Potro e’ o TOP 8 com mais cara de TOP 3 dos últimos anos. A meu ver, vai preencher uma das lacunas do BiG Four! ABS !

    Responder
    1. Cristiano Andrade

      Pois é.. com todas as lesões do circuito, HOJE (Março/2018) só existem 3 tenistas jogando um grande tênis: Federer, Delpo e Cilic.
      Aí tem um monte de lesionados (Murray, Djoko, Nadal, Stan, Kyrgios além dos que mesmo não voltando de lesões não estariam no mesmo nível como Nishikori, Goffin, Raonic) . E tem uma galera que não aproveita o momento e está bem abaixo do que esperávamos: Dimitrov, Sasha, Shapovalov, Thiem (ok, eu não espero nada dele, mas tem gente que espera).
      O saibro será uma incógnita. Se o Nadal curar a lesão vai voltar atropelando todo mundo (já vimos isso muitas vezes), Djoko não sabemos quanto tempo demorará a recuperar a forma física, técnica e a confiança, Thiem (bem, não precisamos falar dele, né?), Sasha mega instável, Federer vai pular a maior parte da temporada de terra (acho que só joga RG e talvez Roma se vir que o Nadal não está voando e perceber que tem chances reais de vencer o segundo troféu dos mosqueteiros) . Minha aposta ainda é que Nadal volta forte, talvez um tropeço e Monte Carlo, mas depois passa o carro no restante da temporada de terra batida.

      Responder
  54. Henrique

    Apesar de todos os pesares, não achei a derrota do Djoko tão normal assim. Embora, talvez, a volta tenha sido um pouco precipitada, considerando o período de recuperação (mas se ele resolveu jogar, deve ter condições mínimas para isso), esperava uma campanha por parte dele, passando pela estreia. Mas, enfim…
    A questão é saber se a cirurgia resolveu o problema dele ou não…
    Bem, Federer à parte, o caminho está aberto para alguém brilhar, em especial o Delpo, aparentemente livre do problema no punho, bem física, técnica e emocionalmente…

    Responder
  55. Luiz Fernando

    Djoko enfrentou um adversário ideal p um retorno, um jogador que não saca de forma contundente, que não tem grandes golpes, que não vai a rede e mesmo assim entregou. O pior foi ver q seu BH, antes um verdadeiro fenômeno e exemplo p os demais, falhou de forma grosseira. Será um longo caminho p voltar a competitividade. A maior a decepção p mim foi Zverev, q pra variar entregou e perdeu novamente num início de torneio. Esse não tem desculpas, não está voltando de contusão, infelizmente ruma a passos largos p se tornar um Dimitrov 2, ou seja, aquela q tinha tudo p vencer muito mas foi vencido por ele mesmo, seja por noitadas, seja por falta de foco etc etc. A seu favor conta a pouca idade, a possibilidade de se recuperar a curto prazo, de identificar o q está atrapalhando, se for algo contornável com facilidade (pex vida noturna agitada) e corrigir, mas q a trajetória do rapaz está numa clara curva descendente isso é inegável.

    Responder
  56. Manoel

    O Zverev precisa voltar a ter um grande treinador, para que ele não se perder, pois com familiares sempre passam a mão na cabeça.
    Já o Delpo, vai para Final com certeza, e acho que com RG.

    Responder
  57. Samuel Tiago

    Negócio é tenso a situação do Zverev é mesmo alarmante, Dimitrov me passa um desânimo, disso tudo bom mesmo é o Delpo cada vez mais solto e com um backhand mais confiável, finalmente perdeu o medo e também não lhe incomoda mais. Que continue assim, arrisco uma final Delpo x Federer e quanto a Djokovic eu e a grande maioria que conversei achamos precipitado voltar antes do saibro sem o tal e precioso ritimo de jogo, fez falta seu preparo físico e backhand armas principais de Djoko lhe deixaram na mão, é algo a ser trabalhado, talvez no meio do saibro ele se encontre.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *