Muitas dúvidas
Por José Nilton Dalcim
13 de dezembro de 2017 às 16:20

Dias atrás, Roger Federer garantiu esperar um 2018 extremamente duro e concorrido com a volta de vários dos grandes nomes do tênis que tiveram sérios problemas físicos e se afastaram ao longo do segundo semestre. Apesar do otimismo do suíço, a verdade é que sobram dúvidas.

Algumas das mais ansiosas perguntas podem começar a ser respondidas ainda neste ano. Dentro de 15 dias, Stan Wawrinka faz seu primeiro jogo na exibição de Abu Dhabi diante de Pablo Carreño, mesmo dia que marcará a volta do também contundido Milos Raonic frente Dominic Thiem.

A sexta-feira será mais importante. Novak Djokovic fará seu primeiro jogo desde Wimbledon diante de Raonic ou Thiem e o número 1 Rafa Nadal terá a chance de mostrar que está recuperado do joelho diante de Stan ou Carreño. Mesmo que percam, Nole e Nadal voltarão à quadra no sábado para disputar o terceiro lugar. Mas não é nada difícil que ambos disputem o título, um teste bem mais valioso.

Logo em seguida, na segunda-feira, Nadal vai para Brisbane e Djokovic, para Doha. Mais cauteloso, Wawrinka não programou nada até o Australian Open.

Brisbane merece toda a atenção, porque ali acontecerão os retornos de Andy Murray e Kei Nishikori. O grupo é fortíssimo. Além de Nadal e Raonic, estão inscritos Grigor Dimitrov e Nick Kyrgios. Ao mesmo tempo, Thiem e Carreño são os principais concorrentes de Djokovic, atual campeão de Doha, que terá ainda as presenças de Jo-Wilfried Tsonga e Tomas Berdych.

Mesmo sem ter dado muito detalhes de sua recuperação, Djokovic treina em Monte Carlo, contratou Radek Stepanek como técnico para acompanhá-lo nos torneios e chamou o analista de desempenho Craig O’Shannessy para participar da pré-temporada e do Australian Open. Sinais positivos.

Sobre Murray recaem maiores incógnitas, principalmente depois da tentativa frustrada de tentar jogar o US Open. O escocês decidiu evitar a cirurgia no quadril e, segundo a mãe, cumpre a cronologia de recuperação. Liberou Ivan Lendl e ficou com Jamie Delgado, que foi reticente na semana passada sobre a volta do pupilo em janeiro.

Wawrinka é outro que não disputa jogos desde Wimbledon e optou por operar o joelho em agosto. O suíço luta eternamente contra a balança e admitiu que a saída repentina do técnico Magnus Norman foi um choque para ele. De qualquer forma, divulgou um calendário repleto até Monte Carlo.

Nishikori por sua vez segue o mesmo caminho de Murray. Não quis operar o punho direito e corre contra o tempo num tratamento longo. Embora esteja inscrito em Brisbane, seu empresário mostrou certo pessimismo e preferiu não garantir sua presença em Brisbane, embora diga que ele estará no Australian Open. De todos os grandes nomes contundidos, o japonês é quem mais desabou no ranking. Enquanto Stan se manteve no top 10, Djoko caiu para 12º e Murray ainda está no 16º, ele deixou o top 20.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Aconteceu o obvio, Rafa não ira a Brisbane, o q significa q não esta bem da contusão previa, obscurecendo, e muito, suas chances no AO. Vamos aguardar mais detalhes, mas o q li não me convenceu, pois aparentemente ele não atribuiu a desistência a contusão.

    Responder
  2. Marcelo-Jacacity

    Parabéns BandSports, notícia fantástica acerca das transmissões dos ATP-500. Reviverei os tempos áureos do Sports+ da Sky.

    Vamos orar para que os amadores e profissionais que fiquem longe das lesões.
    Vida longa ao blog do grande Dalcim.

    E por fim, que todos tenham um ótimo 2018!

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    Alguém aí poderia fazer a gentileza de postar a notícia sobre a mudança de staff do Bellucci?

    Procurei aqui e alhures, mas não achei nada…

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Tenisbrasil tem citado trechos da entrevista de Rafa, mas um detalhe me chamou a atenção negativamente: ele não descarta jogar 2 torneios a mais, claro q a depender dos resultados da temporada. Me parece algo bem estranho p não dizer insano, pelo passado recente de contusões…

    Responder
  5. Nando

    Passando aki pra desejar um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo a vc Dalcim, e a tds os leitores e frequentadores do blog. Q 2018 seja um ano bom pra tds nós, com belas partidas e outras grandes apresentações do Rei Roger Federer.
    Abraço a tds.

    Responder
  6. Rubens Leme

    Dalcim, e essa notícia de que (mais uma vez) Bellucci vai mudar todo seu comando e até se mudar para a Flórida para ver se cura suas contusões e volta a ficar entre os 100?

    Pessoalmente, acho boa, porque bem ou mal, é o único simplista que temos.

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Gostei da atitude do Bello de fazer uma mudança radical no seu staff, isso mostra vontade de superar obstáculos, algo q sempre lhe faltou dentro da quadra. Quem ja foi numero 21 do mundo não pode ficar atras do Rogerinho, que tem grande coração mas bem pouca técnica.

    Responder
  8. Gabi

    Copiei-colei quais torneios cada emissora vai transmitir ano que vem:

    Espn

    Copa Hopman (30 de dezembro a 6 de janeiro)
    ATP 250 de Brisbane (31 de dezembro a 7 de janeiro)
    ATP 250 de Sydney (7 a 13 de janeiro)
    World Tennis Challenge (8 a 10 de janeiro)
    Aberto da Austrália (15 a 28 de janeiro)
    BNP Paribas Exhibition (5 de março)
    Aberto dos EUA (27 de agosto a 9 de setembro)
    Laver Cup (21 a 23 de setembro)
    Bandsports

    ATP 250 de Doha (1º a 6 de janeiro)
    ATP 250 de Pune (1º a 6 de janeiro)
    Copa Davis (2 a 4 de fevereiro, 6 a 8 de abril, 14 a 16 de setembro e 23 a 25 de novembro)
    Fed Cup (10 e 11 de fevereiro, 21 e 22 de abril e 10 e 11 de novembro)
    ATP 500 de Roterdã (12 a 18 de fevereiro)
    ATP 250 de Buenos Aires (12 a 18 de fevereiro)
    ATP 500 de Dubai (26 de fevereiro a 3 de março)
    ATP 500 de Acapulco (26 de fevereiro a 3 de março)
    ATP 250 de Houston (9 a 15 de abril)
    ATP 500 de Barcelona (23 a 29 de abril)
    ATP 250 de Budapeste (23 a 29 de abril)
    ATP 250 de Estoril (30 de abril a 6 de maio)
    Roland Garros (27 de maio a 10 de junho)
    ATP 500 de Londres (18 a 24 de junho)
    ATP 500 de Halle (18 a 24 de junho)
    ATP 250 de Antalva (24 de junho a 30 de junho)
    ATP 250 de Eastbourne (25 de junho a 30 de junho)
    ATP 500 de Hamburgo (23 a 29 de julho)
    ATP 250 de Atlanta (23 a 29 de julho)
    ATP 250 de Gstaad (23 a 29 de julho)
    ATP 500 de Washington (30 de julho a 5 de agosto)
    ATP 250 de Los Cabos (30 de julho a 4 de agosto)
    ATP 250 de Winston Salem (19 a 25 de agosto)
    ATP 250 de Chengdu (24 a 30 de setembro)
    ATP 500 de Pequim (1º a 7 de outubro)
    ATP 250 de Tóquio (1º a 7 de outubro)
    ATP 250 da Antuérpia (15 a 21 de outubro)
    ATP 500 de Viena (22 a 28 de outubro)
    ATP 500 de Basel (22 a 28 de outubro)
    Next Gen Finals (6 a 10 de novembro)

    SporTV

    Copa Hopman (30 de dezembro a 6 de janeiro)
    Copa Davis (2 a 4 de fevereiro, 6 a 8 de abril, 14 a 16 de setembro e 23 a 25 de novembro)
    Fed Cup (10 e 11 de fevereiro, 21 e 22 de abril e 10 e 11 de novembro)
    Aberto do Rio (19 a 25 de fevereiro)
    Masters de Indian Wells (8 a 18 de março)
    Masters de Miami (21 de março a 1º de abril)
    Masters de Monte Carlo (15 a 22 de abril)
    Masters de Madri (6 a 13 de maio)
    Masters de Roma (13 a 20 de maio)
    Wimbledon (2 a 15 de julho)
    Masters de Toronto (6 a 12 de agosto)
    Masters de Cincinnati (12 a 19 de agosto)
    Aberto dos EUA (27 de agosto a 9 de setembro)
    Masters de Xangai (7 a 14 de outubro)
    Masters de Paris (29 de outubro a 4 de novembro)
    ATP Finals (11 a 18 de novembro)

    Sony

    Brisbane (premier): quartas de final (3 e 4 de janeiro), semifinais (5 de janeiro) e final (6 de janeiro)
    Sydney (premier): quartas de final (9 e 10 de janeiro), semifinais (11 de janeiro) e final (12 de janeiro)
    São Petersburgo (premier): quartas de final (2 de fevereiro), semifinais (3 de fevereiro) e final (4 de fevereiro)
    Doha (premier 5): quartas de final (15 de fevereiro), semifinais (16 de fevereiro) e final (17 de fevereiro)
    Dubai (premier): quartas de final (22 de fevereiro), semifinais (23 de fevereiro) e final (24 de fevereiro)
    Acapulco (international): semifinais (2 de março) e final (3 de março)
    Indian Wells (premier mandatory): quartas de final (14 e 15 de março), semifinais (16 de março) e final (18 de março)
    Miami (premier mandatory): quartas de final (27 e 28 de março), semifinais (29 de março) e final (31 de março)
    Monterrey (international): semifinais (7 de abril) e final (8 de abril)
    Bogotá (international): semifinais (13 de abril) e final (14 de abril)
    Stuttgart (premier): quartas de final (27 de abril), semifinais (28 de abril) e final (29 de abril)
    Praga (international): semifinais (4 de maio) e final (5 de maio)
    Madri (premier mandatory): quartas de final (10 de maio), semifinais (11 de maio) e final (12 de maio)
    Roma (premier 5): quartas de final (18 de maio), semifinais (19 de maio) e final (20 de maio)
    Strasbourg (international): semifinais (25 de maio) e final (26 de maio)
    S-Hertogenbosch (international): semifinais (16 de junho) e final (17 de junho)
    Birmingham (premier): semifinais (23 de junho) e final (24 de junho)
    Eastbourne (premier): quartas de final (28 de junho), semifinais (29 de junho) e final (30 de junho)
    Bucareste (international): semifinais (21 de julho) e final (22 de julho)
    Stanford (premier): quartas de final (3 de agosto), semifinais (4 de agosto) e final (5 de agosto)
    Montreal (premier 5): quartas de final (10 de agosto), semifinais (11 de agosto) e final (12 de agosto)
    Cincinnati (premier 5): quartas de final (17 de agosto), semifinais (18 de agosto) e finais (19 de agosto)
    New Haven (premier): quartas de final (23 de agosto), semifinais (24 de agosto) e final (25 de agosto)
    Hiroshima (international): semifinais (15 de setembro) e final (16 de setembro)
    Tóquio (premier): quartas de final (21 de setembro), semifinais (22 de setembro) e final (23 de setembro)
    Wuhan (premier 5): quartas de final (27 de setembro), semifinais (28 de setembro) e final (29 de setembro)
    Pequim (premier mandatory): quartas de final (05 de outubro), semifinais (06 de outubro) e final (07 de outubro)
    Hong Kong (international): semifinais (13 de outubro) e final (14 de outubro);
    Moscou (premier): quartas de final (18 de outubro), semifinais (19 de outubro) e final (20 de outubro)
    WTA Finals – Cingapura: Round Robin (25 e 26 de outubro), semifinais (27 de outubro) e final (28 de outubro)

    Responder
    1. alessandro sartori

      Legal ! O Bandsports voltando a mostrar o tenis e agora no masculino, seria ainda melhor se a Sony fosse pra casa do c… e passasse o direito do feminino pra outro canal que realmente tem interesse de mostrar, esse lixo de canal vive reprisando, AO VIVO que é bom, quase nada…

      Responder
  9. Arthur

    Grande, Dalcim.

    Você como sempre acerta na mosca. Nishikori, Nadal, Raonic, Wawrinka e Murray já indicam que o período de estaleiro vai ser maior do que o divulgado.
    Vamos ver agora o que acontece com Federer, Djoko e o pessoal da novíssima geração. Espero sinceramente um 2018 mais competitivo na disputa do tênis mundial.
    E, enquanto isso não chega, vou desejando aqui um Feliz Natal e um excelente 2018 pra você.

    Um abraço.

    Responder
  10. Luiz Fernando

    Nadal said, “I am very sorry and disappointed to announce that I won’t be competing this year at the Mubadala World Tennis Championship. This would have been my ninth participation in the tournament where I love to play and marking the beginning of my season.
    “It was a tough 2017 and I need to take my calendar in a different way in order to be ready. For this reason, I have sadly announced to the organisers and now to you fans that I won’t play this time in Abu Dhabi. I really want to thank them for understanding and I am sending a special warm message to my fans in the UAE and in Abu Dhabi in particular,” he added.

    Estranho não ter aberto mão (ainda?????) de Brisbane, que começa 2 dias após…

    Responder
  11. Sérgio Ribeiro

    Da maneira que saiu de Paris e do FINALS mês passado, outro Calendário exdrúxulo montado pelo Trintao Espanhol. Duas exibições e um ATP antes do AOPEN. Parece que o Titio Toni continua comandando. E vai se confirmando nosso pessimismo com Stan, Andy, Raonic e o Samurai. Daí a fezinha em Novak tem tudo para se tornar uma realidade. Uma possibilidade de uma Zebra da novíssima geração não pode ser descartada. O Titio fez bem em manter o que deu certo. Eliminação precoce antes do SLAM nem pensar. Abs!

    Responder
  12. Isaias

    Dalcim acabei de ver noticias sobre o Murray, e são noticias eu diria que terríveis, segundo jornal britânico Murray terá que passar por cirurgia, o que adiaria muito sua volta ao circuito e o pior é que se ele realmente operar como ira voltar?? sera que ira voltar a competir no nivel de antes?? essa são perguntas que acho q ele mesmo se faz nesse momento. É uma pena se isso se confirmar, é um tenista de altíssimo quilate e que dispensa comentários já sabemos da capacidade técnica de Murray e de seu grande arsenal. Vamos torcer para que ele volte a competir no nível de antes é um tenista de apenas 30 anos na pior das hipóteses ele teria mais ums 3 anos no auge se estivesse bem fisicamente, o esporte agradecera se voltar como antes, vamos torcer

    Responder
  13. Rodrigo S. Cruz

    Oi galera.

    Após um longo e tenebroso inverno, estou de volta…

    Dalcim,

    Se o Nadal desistisse do Aberto da Austrália em decorrência desse problema no joelho, quantas rodadas o Federer precisaria para assumir o número 1 ?

    Responder
  14. Luiz Fernando

    Rafa desistiu de AD, o q claramente significa q não esta bem, a exemplo do ocorrido com os outros 2 q participariam do evento. A lógica e q também não vá a Brisbane. Sem boas condições físicas vejo sua participação no AO com muitas reservas.

    Responder
  15. Luiz Fernando

    O Japa não está recuperado, Rafa talvez não esteja, Wawrinka e Raonic desistiram da exibição da semana q vem, parece q a bruxa q assolou o tênis em 2017 ainda estará bem presente em 2018…

    Responder
  16. Renatinho

    Dalcim, eu acho que só a Bia que começou com o pé tão esquerdo assim no profissional que eu me lembre nos últimos 20 anos A primeira etapa de testes do profissional são os torneios ITF de 15 mil. O que está achando da Pedretti? Está dando saltos cada vez mais grandes e tem apenas 18 anos. Confiante?

    Responder
  17. Fábio Xavier

    Fala Mestre,

    Com todas essas desistências, será que é possível pintar algum grande nome vindo ao Rio Open buscar pontos para recuperar o ranking? Abraço.

    Responder
  18. Marcos RJ

    Do Jeito que vão as coisas Dimitrov, Zverev, Thiem e Goffin vão herdar posicoes e brigar pelo topo do ranking muito em breve. Nadal ainda é favorito no saibro, Federer em IW & Wimbledon, mas grande parte da temporada vai está em aberto. A novissima geracao deve estar em polvorosa. 2018 vai trazer muitas surpresas.
    Bom Natal e ano novo para todos

    Responder
  19. Sandra

    Dalcim, será que o Murry está ruinzinho do quadril??? Bem disse você que o caso mais preocupante era o Murry, o Stan pelo visto também não melhorou emo Raonic também está na fila

    Responder
  20. Ulisses Gutierrez

    Dalcim tem uma noticia no site tenisnews informando que o Nadal cancelou a semana de treinos por não estar ainda bem do joelho. Inclusive na reportagem aponta que o mesmo foi para Mallorca realizar exames. Vc considera isso muito preocupante? A ponto de prejudicar sua participação no AO2018 onde defende o Vice. Ou não, deve ter parado somente por precaução?

    Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Cancelou, meu bom Dalcim. E agora? AO começa dia 15, e sabendo desse prazo, irá sem condições ideais à Austrália, certo? Pra mim, a participação já está em risco…

        Responder
  21. Rafael Wuthrich

    Dalcim, 2 notícias hoje movimentaram pesadamente a off season.

    Primeiro, Raonic e Wawrinka desistiram de Abu Dhabi por não estarem completamente curados de suas lesões. Stan, particularmente, deu a entender que até o AO está em risco, já que persistem as dores no joelho. Pior: ainda não anunciou quem será seu técnico.

    Depois, João Sousa (o outro) divulga à imprensa portuguesa que seus treinos foram cancelados a pedido de Rafael Nadal, que tinha agendado treinos de preparação para a temporada de 2018. Segundo Sousa, seriam problemas físicos. Rapidamente a imprensa apura que Nadal voltou a Mallorca para novos exames do joelho direito.

    Pra mim, no caso de Stan, é um azar danado. Pior: pouco sabemos se ele tem a motivação necessária para sair de uma longa recuperação e ressurgir no circuito, sobretudo sem técnico.

    Nadal, por outro lado, não surpreende. O esforço excessivo para garantir o número 1 custo extremamente caro, e a conta ainda não parece ter sido totalmente paga. Penso que o primeiro trimestre já está totalmente comprometido, principalmente se considerarmos que ele não está treinando e segue com problemas no joelho. E, ainda mais incrível, divulga calendário pesado para 2018. Há evidente risco para toda sua temporada.

    O que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, o caso de Nadal pode ser apenas precaução. Se ele cancelar Abu Dabhi ou Brisbane, aí será preocupante. O fato é que joelho sempre cobra preço alto e a curta distância entre Londres e Austrália já me prrocupsva. A Stan cabe no mesmo raciocínio ainda que a cirurgia tenha sido em agosto. Mas certamente são notícias desanimadoras.

      Responder
  22. Luiz Fernando

    Que estranha essa desistência do Wawrinka e do Raonic p a exibição daproxima semana hein Dalcim, será q isso não sugere q ainda não estão plenamente recuperados? Se for o caso, má perspectiva p ambos no primeiro trimestre do ano…

    Responder
  23. Renatinho

    Dalcim, estava pensando aqui e algo que considerava impossível já começo a pensar que talvez seja possível. É possível que Federer resolva disputar a olimpíada de 2020 se continuar saudável para jogar ? Jà vi até rumores de que ele pode disputar um torneio na índia em 2019.

    Responder
  24. Luis

    Dalcim legal no tênis começa o ano já muito perto do Aberto Austrália que foi melhor torneio 2017 tomara seja parecido com volta Djokovic,Federer e Nadal repitam grande ano,o tênis ganha muito principalmente com esses 2

    Responder
  25. José Eduardo Pessanha

    Mestre Dalcim,

    Nesse fim de ano eu pergunto: qual seria o top 10 etílico da ATP? Como um pinguço reconhece outro à distância, posso cravar o meu top 10, elaborado de maneira empírica. rs
    1 – Becker – esse aí com certeza gosta muito de uma pinga;
    2- Safin – famoso beberrão do circuito;
    3 – Wawrinka: não tenho elementos pra afirmar, mas aposto 100% da minha grana que o Ursinho Carinhoso gosta muito da manguaça;
    4 – Kafelnikov: do mesmo time do Safin;
    5 – Borg: esse já enfiou o pé na jaca muitas vezes. rs;
    6 a 10 – Esses cinco acima são barbada. Os outros 5 são bem mais difíceis de cravar, mas vou chutar: Davydenko (russo e também com uma face parecida com a de muitos pinguços), Taylor Dent (aquela pança dele denunciava), Cássio Motta (outra pança de respeito), Marc Rosset (outra face eminentemente cachaceira) e Del Potro (também tem cara de que gosta demais da “marvada”).
    Com esse post descontraído, fica o meu Feliz Natal para o Dalcim e todos os que acompanham o blog.
    Um ótimo Natal e…..Nadal acabou. rs
    Abs.

    Responder
    1. Rodrigues

      Pessanha

      Você esqueceu do Dolgopolov, em 2012 encontrei com ele num mercado em Nova York, por ocasião do Aberto do Estados Unidos, com uma raqueteira cheia de …latas de cerveja!

      Rodrigues

      Responder
  26. Rafael Benthien

    Dalcim, passo aqui rapidamente apenas para te agradecer a belíssima cobertura do Tenis e para desejar votos de um feliz 2018! Abraços, RFB.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A USTA tem direito a indicar um nome para a lista de convidados e fez um desafio interno para indicar o nome. O Felix é canadense, não americano.

      Responder
  27. João ando

    Vi na sexta feira no Globo repórter a nataly kurata com a família dela e os avós …acho que não explode se não me engano 465 do mundo aos 24 anos…uma pena… oque vc acha dalcim dela?mais um talento desperdiçado

    Responder
  28. Luiz Fernando

    Tio Toni comentou acerca da possibilidade de Rafa superar Federer em GS, o me parece perfeitamente possível, mas, sendo realista, improvável…

    Responder
    1. Chileno

      Me parece ser um recorde alcançável para o espanhol, mas realmente não parece nada fácil. Se eu fosse apostar, apostaria em Federer mantendo o recorde de Grand Slams depois da aposentadoria de ambos (provavelmente com 20 Grand Slams).

      Responder
  29. SPIDER

    Dalcim, quando fica pronto o calendário 2018 Do Site ? Aproveito o Ensejo para Desejar Para Vc e Equipe Um Feliz Natal e Um Ano Novo Cheio de Realizações e Muito Tênis !

    Responder
  30. Rui Diógenes de Souza

    Bom dia, Dalcin,
    O TenisBrasil continua não atualizando as semanas na liderança das duplas masculinas. Seria muito legal ver o Marcelo Melo aumentando o número de semanas na liderança. Teria como você agir para que a atualização aconteça?
    Abraços.

    Responder
  31. Rafael Wüthrich

    Depois da temporada 2017 ter nos ensinado tantas lições, acho que não há certeza sobre nada para 2018. Acredito que tudo é possível.

    Primeiro, não sabemos como estão Djokovic, Wawrinka e principalmente Murray. O primeiro vem de terra arrasada – trocou todo mundo na equipe, se lesionou, trabalha com dois neófitos na profissão de técnicos, e não sabemos como está sua cabeça – boa parte dos problemas de 2017. O segundo foi ainda pior: vem de lesão mais grave (joelho), perdeu seu técnico, que o transformou de patamar, e sequer sabemos como anda sua confiança; Murray é total incógnita. Além de perder Lendl, o homem que o fez melhor tenista do mundo, sofreu a problemática lesão no quadril. Ninguém sabe do que ainda pode ser capaz. Não aposto em nenhum deles para grandes coisas no primeiro trimestre. Talvez Djokovic, mas uma derrota cedo na Austrália poderia complicar tudo.

    Federer e Nadal são outras duas incógnitas. O suíço acusou estafa física no fim da temporada e cada dia mostra que depende muito de estar fisicamente 100% para aguentar as maratonas de jogos e manter um nível alto de tênis. E não sabemos se será suficiente para enfrentar o calor australiano e outra dura pressão de voltar a ser o favorito, sobretudo para os Masters americanos, altamente exigentes fisicamente. Nadal, por seu lado, está de novo às voltas com lesões no problemático joelho direito. Além de ter se esforçado além da conta no fim do ano, o que lhe garantiu o nº1, pode ter agravado uma lesão que lhe afeta no mais importante de seu jogo: a movimentação. Pra complicar, pela primeira vez na carreira não terá Toni Nadal ao seu lado. Ainda que ausente em alguns torneios, o tio e mentor era uma espécie de esteio para o espanhol. Não devemos subestimar a saída formal de Toni, ainda que Carlos Moyá e Francisco Roig tenham trabalhado na transição e venham aconselhando e orientando Rafa há muito tempo. O peso psicológico de não ter mais o tio na equipe pode pesar, principalmente se considerarmos que Toni estava com Rafa desde criança.

    Se formos mais abaixo, outra série de perguntas sem resposta. Dimitrov terminou o ano em alta, mas fez campanhas medianas para ruins nos Slam e agora sentirá a pressão de ser “o melhor do resto” já no primeiro torneio de 2018. Cabeça 3 na Austrália, terá toda a pressão para repetir a semi deste ano, e não sabemos como ele aproveitará a grande chance da carreira. Zverev, o número 4, teve clara evolução e resultados ótimos em 2 Masters no ano. Mas teve campanhas sofríveis nos Slam e final de temporada para esquecer. Tem buracos escancarados no seu jogo (o approach à rede e a falta de alternativas ao enfrentar tenistas com alta variabilidade) e às vezes tem medo de atacar e fica passando bolinha. Admitiu ter sentido a pressão de ser 3 do mundo e ainda não deslanchou nos Slam. Entra com enorme pressão na Austrália. Dominic Thiem, por seu lado, ainda não consegue fechar jogos. Sofre em partidas que tem tudo na mão e deixa vitórias escaparem entre os dedos. Fora do saibro, ainda não parece ter a confiança necessária para atacar e dominar as partidas. Outra que inicia 2018 sobre fortes dúvidas. Goffin terminou 2017 em alta, mas não sabemos o que 2018 tem a oferecer. Parece ter achado a medida entre a agressividade e a defesa, mas ainda peca com algumas escolhas ruins. De todos, é o que entra em 2018 menos pressionado, mas talvez com menos espaço para melhorias.

    Por fim, Cilic, Raonic e Nishikori são total incógnita. Croata fez bom 2017, mas repetidamente falhou na hora agá. Parece não ter mais a melhorar de modo a voltar ao nível do US Open 2014. Já os outros 2 voltam de lesão, sem qualquer perspectiva de bons resultados a curto prazo.

    Como notamos, meu bom Dalcim, 2017 parece ter deixado várias perguntas a serem respondidas em 2018…

    Responder
    1. Rafael

      Sobre o Wawrinka, li em algum lugar (assim como muitos devem ter lido tb), que, em dado momento desses problemas que envolveram a cirurgia, ele considerou se aposentar.

      Responder
  32. Luiz Nunes

    Boa noite, Dalcim !
    Falando do Djokovic, ele manteve o famoso guru espanhol na equipe?
    Abçs e um Natal esplendoroso para vc e família e um Ano Novo abençoado por Deus.

    Responder
  33. Edgar Lobato

    Gostaria de pedir as voltas do Mariliense, Ricardo de Campinas, Spencer, Buzinas, Marquinhos, Jaqueline e mais uma galera que acrescentava muito no conteúdo do blog.

    Gostaria de pedir, humildemente, que o colega Luiz Fernando parasse de comentar aqui. Suas provocações e ofensas estão afastando bons comentaristas do blog.

    Grande abraço, feliz ano e feliz natal para todos.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Também humildemente eu diria q se eu afastei alguns comentaristas, com certeza atrai alguns humoristas, ou seja, ficou tudo em casa. Desejo a vc e familiares boas festas e feliz ano novo. Abraços.

      Responder
    2. Rafael

      Gostaria de pedir, também humildemente, que o colega acima nunca mais se manifestasse para que x ou y deixem de comentar no blog, devido a sabe-se sei lá o quê.

      Como diria o reencarnado Marquinhos, a quem o colega demonstra apreciar, “Se não gosta do que eu escrevo não leia”.

      Só faltava essa, sugestão para sair. A que ponto chegamos.

      Responder
  34. Anderson Kleiner

    Acho que qualquer prognóstico sobre retorno de lesão é na verdade uma grande loteria. Somente depois dos torneios pré-AO poderemos brincar de adivinhar como será o resto da temporada. A única previsão garantida é que será imprevisível, hahahaha…

    Responder
  35. Luis

    Dalcim 2018 deve ser parecido com 2018 com Djokovic de volta pode ganhar algum Slam no Sintético, tomara Federer belisque 1 Slam o 9 Wimbledon rs,Nadal também em Paris sempre,acho legal Tiefoe falta um título Atp decolar,Zverev se perdendo menos nos jogos com reclamação pode ganhar títulos, Shapovalov,Rubbev,Thiem,Aberto Austrália parecido com 2017 seria legal rs

    Responder
  36. Rubens Leme

    Dalcim, é a terceira vez que isso ocorre então achei melhor o motivo.

    Após escrever meu comentário fui colocar meu nome e email e descobri que estavam preenchidos, hoje por um tal de Fernando com o email dele abaixo. Isso já tinha ocorrido duas vezes, mas acabei esquecendo de lhe avisar.

    Como sempre limpo meu cachê do chrome cada vez que desligo o computador e era a primeira vez que abria o computador achei estranho.

    Veja se não é algum erro no site ou já aconteceu com alguém antes.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acontece algumas vezes, Leme. O problema está no sistema da WordPress. Já reclamamos e disseram que iriam arrumar. Realmente, limpar o cachê teria de eliminar isso. Reclamarei de novo.

      Responder
  37. Rubens Leme

    Cirurgia no qudril é algo complicado. Semana retrasada, Pelé estava em uma cadeira de rodas por uma mal feita que nem uma segunda deu jeito. Sente dores imensas se andar muito e precisa de uma bengala ou uma cadeira, em eventos mais longos.

    Sem falarmos no Guga, claro.

    O problema é que em algum momento ele terá que fazer e quanto mais tempo demorar, mais difícil é a recuperação. De todos, Djokvic é que tinha a mais fácil de se recuperar, mas também preferiu não fazer.

    Responder
  38. Alexandre Maciel

    Previsão para 2018:
    Federer não conseguirá repetir as boas campanhas de 2017. Terá chances em WB e em alguns M1000.
    Nadal ganha mais um RG (Cara chato !!)
    Murray não terá um bom ano.
    Djoko deve ganhar algum Slam (AO ou USOpen).
    Vasco não passa para a fase de grupos da Libertadores.
    Flamengo vai ser vice de algum campeonato

    Responder
  39. Caubi Rocha Jr.

    Bom dia mestre Dalcim
    Perspectiva pro 2018 é interessante…Vamos aguardar o inicio dos jogos para ver o retorno de cada jogador !!
    Mas de todos esses, Djokovic é oque está se preparando melhor, com um corpo técnico de respeito…
    Dalcim, nesse mesmo sentido, oque acha da situação de Stanislas Wawrinka…Quem vce acha que pode ser o treinador do suiço na proxima temporada ?? Alguns possiveis nomes que se encaixariam pra trabalharem juntos ??
    Abraços a todos colegas, Feliz natal e prospero ano novo.

    Responder
  40. Mario Cesar Rodrigues

    Bem,como disse uns tempos atráz,o Andy Murray para mim não é dúvida,ele nem treinando está no máximo fazendo exercicio fisico.Kei preferiufazer um tratamento e não enfrentou a cirurgia,Raonic este para mim é 80 por cento que não estará no começo da Temporada se por acaso jogar vai arrebentar de novo e ficar no estaleiro por um bom tempo,Rafael Nadal estára dando pulo e correndo como sempre,Djokovic ainda estou cético mas espero estar enganado com todos menos o Andy este é certeza que não jogaráo AO.

    Responder
  41. William Laerte Fenelon

    Poucas certezas realmente, mas ao que tudo indica Federer, Nadal e djoko vão estar saudáveis e acredito que terão protagonismo de novo, vai ser um ano interessante, o novo top 10 vai ter que mostrar maturidade pra competir com Raonic, Wawrinka, Murray, Nishikori,etc

    Responder
  42. evaldo moreira

    Boa noite,
    Realmente, muitas dúvidas, e de todos os citados, tenho dúvidas em relação ao Murray, pois não vi treinos dele, o djokovic, vi o vídeo do treino dele, mas nada de concreto, mas a novidade mesmo, além de Radek Stepanek , ele treinou uma nova raquete preta, então buscou alternativas com certeza.
    Os demais, só vendo as atuações deles mesmo, com certeza, um 2018 cheio de retornos, esperamos grandes jogos.
    Dalcim, boas festas de natal, e um belissímo ano novo para você e toda família, abraços.

    Responder
  43. Luiz Fernando

    Se há um ano atrás alguém postasse q Rafa e Federer dividiriam quase meio a meio os títulos dos principais torneios qualquer um daria risadas. Assim, creio q qualquer previsão neste momento seria precipitada, exceto no q se refere aos jogadores não tão cotados q vencer os grandes eventos, q nesse próximo ano devem ser mais protagonistas do q coadjuvantes (Grigor, Goffin, Zverev e, se puser a cabeça no lugar, algo improvável, Kyrgios)). Também vejo como bem improvável q os dois principais jogadores terminem o ano em 1 e 2 do mundo, como em 2017. Aproveitando o momento, desejo ao Dalcim e aos frequentadores do blog um feliz natal e um ano de 2018 pleno de saúde e conquistas.

    Responder
  44. Eduardo Feitoza dos Santos

    Boa tarde a todos .Federer é muito sábio em dizer que algum dos que estavam de fora venha a ganhar algum título.
    Pois tanto ele como Nadal são exemplos que com o físico em dia é só jogar o que sabem . Estarão sem ritmo de jogo,
    de competição mas a qualidade de seus jogos torna-os favoritos a ganhar.Além do mais se compararmos a diferença
    de jogo com a nova geração. Os novatos que estão chegando estão muito abaixo falta muito mesmo,terão que comer
    muito arroz com feijão para tentar fazer frente a Federer,Nadal e Djokovic. Ficou muito claro isso em todo o segundo
    semestre. Infelizmente chegará o dia de parar para esses caras ,enquanto isso temos a honra e o privilégio de assistir
    esses caras incríveis com uma raquete. Acredito que vai ser um nível bem abaixo que estamos acostumados a ver
    aqueles confrontos de altíssima qualidade entre esses caras.

    Responder
  45. Nando

    Pois é…AO tem td pra ser o melhor torneio do ano de novo (repetindo esse ano).
    Vamos ver como Stan e cotonete estarão nessa exibição em Abu Dhabi, tomara q estejam curados das lesões. E Brisbane 2018 terá uma chave fortíssima mesmo, mais forte q mtos masters desse ano hein.
    Qnt a Federer, espero q faça uma boa preparação, se divirta na Hopman e vá com td pra defender seu título no Slam australiano.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Muitos pensam que o Craque caiu de pára-quedas na Copa Hopmam ano passado. Ele em 2001 , ao lado de Martina Hings, venceram a Equipe Norte-Americana cujo a estrela era Monica Seles. Acaba jogando Duplas ao lado das ” meninas “. O Velhinho de bobo não tem nada rsrsrs. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Correção : Copa Hopman. E sempre aparece um maluco pra tirar onda. Ano passado , Zverev o venceu em 3 TieBreaks. Ou seja, se diverte mas precisa mostrar serviço . Abs!

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *