Melhores do Ano
Por José Nilton Dalcim
7 de dezembro de 2017 às 10:51

Como acontece há 17 anos, TenisBrasil colocou no ar sua pesquisa dos Melhores do Ano, com algumas questões também sobre o que pode acontecer na temporada 2018. Como de hábito, as respostas são coletadas em dois painéis separados, um para os internautas e outro para especialistas convidados, o que sempre dá panoramas curiosamente distintos. Saberemos os resultados na segunda-feira. Até lá, convido vocês a votarem.

Vou dar minha visão da temporada em cima das perguntas. Claro que a mais polêmica é quem teriam sido os melhores da temporada. Eu voto em Roger Federer e Garbiñe Muguruza, pelo conjunto da obra, ainda que Rafa Nadal e Simona Halep tenham terminado com merecidos números 1. Difícil mesmo é decidir sobre o ‘feito do ano’. Ficarei com o título incrível de Federer na Austrália, pela exigência da chave, por então marcar seu retorno incerto às quadras e ainda por cima após a épica final diante de Rafa. Também por isso, Australian Open foi o ‘torneio do ano’ para mim, com menção honrosa ao inesperado sucesso da Laver Cup.

A surpresa pode ser tanto de Jelena Ostapenko como de Sloane Stephens. Tendo mais para a letã e seu jogo deliciosamente agressivo em pleno saibro de Paris. E daí podemos falar das evoluções técnicas, outra questão cheia de alternativas. Ficarei com David Goffin e CoCo Vandeweghe, que me parecem candidatos aliás a boas coisas em 2018. Quanto às revelações, Denis Shapovalov, sem dúvida.

A área de jogos é bem divertida. Zebra do ano? Puxa, quantas. Gostei demais do jogaço entre Denis Istomin contra Novak Djokovic na Austrália. Melhor jogo masculino? Esse é barbada: Fedal em Melbourne. Melhor do feminino? O duelo de estilos Muguruza x Kerber de Wimbledon.

As questões sobre 2018 devem ser bem competitivas. Acredito que Djokovic consiga ganhar um novo Grand Slam, talvez já em Roland Garros, e que ele e Murray serão ameaça real a Rafa e Federer a partir de Miami. A número 1 ao final de 2018 será… Serena Williams! E imagino que Halep esteja bem mais perto de seu primeiro Slam do que Karolina Pliskova, Sascha Zverev ou Grigor Dimitrov.

Por fim, o tênis brasileiro viveu uma temporada fraca, apesar da campanha magnífica de Marcelo Melo, da grande e esperada ascensão de Bia Haddad e dos bons jogos de Rogerinho Silva. O feito do ano nem dá nem para pensar duas vezes: título de Wimbledon é o máximo que se pode querer no tênis.

Por falar em Bia, será um ano duro por jogar em nível muito alto e então minha expectativa é que se mantenha no top 50. A aposta da nova geração me deixa em dúvida, infelizmente. Talvez opte por Luísa Stefani, que tem o piso duro como seu forte.

Clique aqui e dê seu voto para os Melhores do Ano,


Comentários
  1. O LÓGICO

    Dolgopolov afirma o que todo mundo sabe há mais de 10 anos, sobre o limitado tênis que pratica o UNIDIMENSIONAL kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    “Graças a essa rotação tão potente, Nadal não precisa fazer nada além disso em metade das partidas que disputa. Gira a bola no lado esquerdo de seus oponentes e eles não conseguem fazer frente, pois não têm uma boa esquerda. Ele ganha muitas partidas assim”.

    O tio Tony parada dura deveria se sentir envergonhado de ter pego um garoto e transformado num embuste de tenista kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  2. Rafael Wuthrich

    E os fiascos e decepções? Colocaria as inúmeras desistências de temporada pós WB e a ausência de Vika Azarenka, que quase não jogou em 2017. E você?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah sim, decepção certamente os problemas físicos de Nole, Murray e Stan, principalmente. Fiasco mesmo foi o do Nastase, acabou o pouco que restava de imagem.

      Responder
  3. Oswaldo E Aranha

    Estamos chegando ao fim de mais um ano tenístico e gostaria de destacar o que me impressionou:
    – como positivo o aparecimento de uma nova estrala: Shapovalov
    – como negativo a ausência de alguns grandes tenistas na temporada.
    Aproveito a ocasião para mandar uma grande abraço ao Dalcim, com os meus agradecimentos, abraços extensivo aos parceiros do blog, indistintamente de suas preferências, desejando a todos um ano de 2018 com grandes disputas, alegrias e tristezas, o que faz parte da vida.
    Feliz da vida pelo meu Vasco ter tido acesso à Sulamericana.
    Até lá!

    Responder
    1. Nando

      Não costumo concordar com nada do q vc diz (exceto em relação ao Shapovalov, esse moleque joga mto e foi uma grata surpresa), mas nessa vc foi ótimo caro Oswaldo.
      Q vc tbm tenha um ótimo Natal e um ótimo 2018.

      Responder
  4. Luis

    Dalcim esse jogo Federer X Nadal na Austrália 5 sets foi incrível e os pulos do Federer comemorando rs,Federer X Kyrgios foi mundo bom também, ShapovalovxNadal,beijo Alice,bom natal

    Responder
  5. Sônia

    Dalcim concordo contigo, o melhor tenista do ano sem dúvida foi Roger Federer (maravilhoso, SIMPLY THE BEST). O feito do ano… AO obtido por ELE e vencendo aquele que nunca se cansa, adorei. Evolução técnica… Goffin e Dimitrov, revelação… Ostapenko e Shapovalov, WB… o melhor torneio, a surpresa do ano… Carol vencendo o finals, Federer vs Kyrgios… a partida do ano. Zebra? Vitória do Goffin contra o Federer no finals. Torcedores mais legais do seu blog… os federistas, em especial o Mário Fagundes. Beijos.

    Responder
  6. Rafael

    Olá,

    só 3 palpites:

    feito do ano (indiscutível, de loooonge): Nadal ganhar o mesmo slam pela 10a. vez.

    retorno do ano: Roger, provavelmente nem ele esperava.

    jogo do ano: não houve. Enquanto o invencível jogou, esteve mal. Depois que parou, não é possível haver um jogo do ano se o invencível não está presente!!!!

    Saudações!!!!!

    Responder
  7. Renato

    O bocó ja foi devidamente desmentido pelo Mestre Dalcim. O bocó queria empurrar goela abaixo dos demais que a causa do fim da moderação foram os torcedores de Federer. O blogueiro ja afirmou que não se trata de torcida a,b ou c. Mas o cara gosta de se fingir de surdo, cego ou é tonto mesmo.

    Responder
  8. Zezão

    Fala, Dalcim!
    Sua análise está tão boa que nem tem o que mudar, nem preciso fazer minha lista, fico com a sua mesmo.
    Eu só acrescentaria alguns “bônus” nessa lista:
    1 – A vitória no WTA Finals da Wozniacki, mostrando a renascida dessa tenista, após 7 anos. Vamos ver se ela apronta alguma ano que vem, quem sabe? Falta a Bouchard renascer também, essa tá devendo e muito.
    2 – Outro ponto é que, assim como a Bia, o Thiago Monteiro também teve um ano duro, onde passou a focar mais nos ATPs. Talvez ano que vem consiga ir um pouco além, agora já mais adaptado a esse circuito. Quem sabe um top 70?

    Responder
  9. Luiz Fernando

    Acaba de ser postado o premio de “campeão da ITF” para Rafa e Muguruza. No q se refere a Nadal, o texto do Tenisbrasil expõe como razões para tal escolha exatamente o q expus abaixo, acrescentado do fato dele ser o cara mais velho a assumir o posto de número um do mundo ao final de uma temporada inteira, o que digamos, não deve ser nada trivial ou fútil, deve ser algo de grande mérito…

    Responder
    1. Mario Cesar Rodrigues

      Meu caro desista,aqui é um Blog,e a projeção e os palpites do Dalcim que é um cara isento mas isento mesmo torce pelo tênis tu não concorda com isto????ele é o que escreve vc esperava outra coisa!poxao Dalcim ele é um grande admirador de tênis ele puxa mais pelo seu gosto para ele é Federer acabou,que mal tem isto não é mesmo.ele não vai achar ruim comigo pois estou falando a verdade!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Mario, todos nos q frequentamos o blog, incluindo o Dalcim, torcemos p alguém. Como vc, eu também acho q ele torce p o Federer, mas não vejo influencia disso nas postagens, pois vejo o Dalcim capaz de separar o “torcedor” Dalcim do “jornalista” Dalcim, este ultimo q posta de forma isenta e correta como eu escrevi. Alias, isto e mais do q impressão, e uma realidade, basta vc voltar aos posts do AO e de Shangai p ver q o “jornalista” Dalcim deu o favoritismo a Rafa contra Federer, q infelizmente não se comprovou. Imagine um blog do Logico ou dos fakes do Marquinhos, q coincidentemente sumiu desde o aparecimento dos mesmos, isso sim seria uma piada kkk…

        Responder
  10. Ronildo

    Bem parecida as escolhas do Dalcim com as que eu fiz. Isso quer dizer que estou entendendo de tênis! Kkkk
    Acho que o que foi diferente é que escolhi a Halep em tudo que podia no lugar da Muguruza. Porém, minhas escolhas em relação as duas tiveram mais o sentimento de fã mesmo. Na verdade gosto muito da Muguruza também. Aliás considero que as duas tem uma personalidade bem parecida. Porém tenho uma leve preferência pela Halep. Também não dei voto ao Goffim.
    Mas, falando das tenistas, gosto muito da Halep, Muguruza, Kerber, Pliskova. Respeito bastante Caroline Wozniacki, Serena e Vênus. Antipatizo com a Maria Sharapova. Mas sei que vida de Maria Sharapova foi muito dura até ela vencer na carreira. Certamente a dureza da vida deixou sequelas nela.
    IA formação de um tenista vencedor não devia ser algo tão duro e exigente como é hoje! Se houvesse uma fórmula para amenizar a coisa, eu aprovaria. Creio que a única solução seria realmente diminuir o número de games dentro o set, acabando com a vantagem. Isso faria com que a técnica e a habilidade superasse o físico como fatores determinantes no resultado. Só que uma mudança assim mudaria completamente o tênis, criaria uma nova era. Todas as estatísticas começariam do zero novamente!
    Mas se há um momento para mudar, creio que este momento é agora. Uma mudança assim traria muitos benefícios aos tenistas, e todos eles poderiam jogar até os 40.
    Vários assuntos num comentário só! É isso que dá ficar um tempão sem comentar!

    Responder
  11. Lunard

    Prezado Dalcim,

    Eu como torcedor do nadal leio repetidamente que o jogo do espanhol é feio, demorado, pouco plástico etc… não pelo autor do blog claro mas dos comentários em geral…
    Gostaria de saber como se dá ou porque se da esse fenômeno uma vez que o nadal está representado em metade dos jogos relacionados (3/6), possívelmente será o do jogo ganhador nadal vs federer.
    Não me lembro mas acho que nadal em 2016 foi representado ou ganhador em nadal vs verdasco(aopen) e em 2015 com nadal vs fognini(usopen)…

    Responder
  12. José Felipe Velasquez de Andrade

    Dalcim, também acredito que Djokovic e Murray serão uma ameaça para Nadal e Federer. Também acredito que o domínio de Federer nas quadras rápidas será menor. 2018 está prometendo! Uma pergunta: Nadal consegue permanecer como número 1 até quando?

    Responder
  13. Renato

    Já votei! Não existe dúvidas que o maior feito do ano foi o oitavo título de Roger, em Wimbledon. Como o próprio Dalcim escreveu no post, é o slam mais desejado e Federer é o recordista.

    Responder
  14. Luiz Fernando

    Opinião cada um tem a sua, mas é obvio que um cara vencer um mesmo GS em um numero com 2 dígitos é algo marcante e que dificilmente será igualado; basta ver q com toda a sua habilidade na grama Federer não alcançou e creio q não alcançará esse feito. Assim , RG10 de Rafa foi o feito principal, só os fanáticos alheios a realidade não admitiriam isso. Melhor jogo, disparado o Fedal no AO. Além disso, fosse o suíço q viesse de 2 anos ruins, muitas vezes com atuações péssimas, e vencesse 2 GS, voltando ao número 1 do mundo, faltaria espaço no blog p postagens enaltecendo o ocorrido. Não admitir isso também só demonstra o quanto alguns são alienados do q ocorre a sua volta…

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Dalcim, vejo vc como um jornalista abalizado, isento e correto, e justamente por pensar desta forma não me referi a vc, me referi a outras pessoas q frequentam seu espaço e q agem da forma citada. Tanto é prova q agem mal q vc foi obrigado a fazer censura prévia. O que não quer dizer q eu concorde com tudo o q vc pensa e posta, pois creio que é sempre saudável divergir.

        Responder
        1. O LÓGICO

          Ah, não L Frágido kkkkk, não tem mais como consertar seu fricote kkkkkkkk. Porque pra você, quem não elegeu RG10 é fanático kkkkk. Essa é sua premissa maior – uma premissa sentimental kkkkk -, e se o Guru não o fez…. pode completar o silogismo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Responder
    1. Alice

      Eu o entendo, L.F. Foi um ataque de reflexão, referente algumas opiniões que vão de encontro mais com a emoção, do que com a razão. Mas, não há preocupações, pois todos nós estamos sujeitos a “erros” ao ver uma cena e interpretar o que ela significou. Não concordo com a maneira escaldante que tentou fazer alguns refletirem, porém estou de acordo com suas perspectivas, porque eu fui capaz de enxergar sua visão sobre o mesmo ângulo. Não se iluda, eu disse que te entendo…porque sei como funciona o circo que acontece no comentários as vezes, e até sinto por ter participado dele. Eu sei, é interessante..mas não serve de muita valia..quando participamos da premissa de um jogo de “vencedores e perdedores”, ou, “disse e me disse” do mais famoso “estou estou certo e você errado”.

      Que possamos relevar…

      E uma última coisa, eu te admiro…porque consigo imaginar aquilo que já tenha passado pelo seus pensamentos e aquilo que consegue expressar em reações de emoções através dos seus comentários. Sabe, eu digo que, não importa, não há nada melhor que a história, os números pra provarem o que aconteceu aos olhos daqueles que puderam enxergar ou não. Aquela visão que não pode ser renegada, queira ou não…porque “contra fatos, não há argumentos.”

      Beijos, Luiz Fernando. Que tenhamos uma melhor versão nossa a caminho, porque sempre dá pra melhorar. 😛

      Responder
    2. Bruno

      Que cara estranho.
      Começa bem o texto falando que cada um tem sua opiniao e tal e de repente surta ou pode ser uma pirraça chamando os outros de alienados pq nao concordam com a opiniao dele.
      Ha va se………

      Responder
    3. Viviane

      Olá Luiz Fernando. Sou super fã de Federer mas reconheço que o feito do Nadal foi maior. Ganhar 10 vezes um mesmo torneio de grand slam é algo incrível, fantástico e que parece inalcançável e ele conseguiu.

      Responder
  15. Mário Fagundes

    1) Melhor do ano: Roger Federer;
    2) Feito do ano: O 18º caneco de RF, em Melbourne;
    3) Torneio do ano: AO;
    4) Surpresa do ano: David Goffin;
    5) Revelação do ano: Denis Shapovalov;
    6) Jogo do ano: Federer x Nadal (AO);
    7) Blog do ano: Tenisbrasil/Dalcim;;
    8) Apostas para 2018: Dimitrov e Wozniacki;
    9) Comentarista do ano (no blog): Sônia.

    Responder
  16. Marcos Cristian

    Meu que post anti… Nadal, se nem na térra sagrada de Paris ele favorito, e um cara machucado é favorito pelo menos.pra vc… Meu deus da onde tirou isso ? Pura intuição?, acho que nos últimos 12 anos não dar o favoritismo pro touro e ser muito federista

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Achar que Novak pode vencer Rolanga, parceiro. Não que dizer que o Touro não seja favorito no ” Barro Sagrado ” rs. O Suíço e’ sempre o favorito na ” Grama Sagrada” , mas nem sempre leva. Se liga ! rsrsrs Abs!

      Responder
  17. Ricardo Pergentino

    Votei o mesmo que tu Dalcim, até as previsões de 2018…ali eu mantive mais uma torcida, que uma análise pura…risos. Abraços, sucesso em 2018 e sempre! MELHOR BLOG!

    Responder
  18. Renato

    Se Novak realmente está se adaptando a uma nova raquete, e somado a falta de ritmo de jogo, pode ser que ele demore para engrenar na temporada. Se ele ainda deseja superar o recorde de slam de Roger,vai precisar vencer, no mínimo, uns dois slam ano que vem. Acho difícil, pois ele não vencer Major faz tempo.

    Responder
  19. Renato

    Melhor tenista do ano: Federer. Melhor jogo do ano: Fico entre Federer x Nadal, na Austrália ,ou Federer x Kyrgios, em Miami. Revelação do ano: Shapovalov

    Responder
  20. Renatinho

    Dalcim, como a band sports comprou o direito dos torneios da série 500, é possível que o canal aberto da band possa transmitir pelo menos a final ou algum jogo importante de um destes torneios²

    Responder
  21. PIETER

    Causou-me estranhamento você nem mencionar como aposta da nova geração o Thiago Wild. Ele ainda tem muito chão pela frente, é fato, e todos já estamos mais do que escaldados com as revelações juvenis brasileiras que não dão em nada mas, ainda assim, ele é diferente da média dos garotos brasileiros.
    Tomara que eu não esteja enganado e ele possa vir a realizar a inevitável expectativa que se criou sobre o jogo dele após esse bom segundo semestre que ele teve.

    Responder
  22. Carlos Nascimento

    Querido Dalcim, seria viável em futuras votações dos melhores do ano fazer uma divisão entre melhor jogo em melhor de 3 sets e melhor jogo em melhor de 5 sets.

    Responder
    1. André Barcellos

      Acho que é um enorme feito o 10 RG, mas o torneio , em si, foi sem graça.
      Assim como a vitória de Federer em Wimbledon.

      Agora, voltar aos 35 de lesão, vencendo 4 top 10 em 3 jogos de 5 sets, sendo o último set do torneio uma virada em cima do maior carrasco….acho que esse feito é o mais impressionante.

      Responder
  23. Nando

    Mestre, Kyrgios x Federer em Miami merece uma menção honrosa hein?
    Pelo menos foi o melhor jogo do ano em se tratando de melhor de 3 sets, concorda?

    Responder
  24. William

    Dalcim, acha que Djoko e Murray tem poucas chances no AO então? quanto ao saibro eu prevejo uma temporada muito bacana com djoko e nadal fazendo partidas épicas, Thiem deve entrar nesse meio aí

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *