Esforço recompensado
Por José Nilton Dalcim
15 de novembro de 2017 às 01:16

Num jogo exigente, em que se complicou num segundo set que parecia dominado, Roger Federer ganhou sua segunda partida neste Finals de Londres, avançou para a semifinal e já é líder do grupo, o que significa encarar no sábado o segundo colocado da outra chave, o que é uma absoluta incógnita. Desde sua primeira participação no Finals, em 2002, só ficou fora da semi uma vez, em 2008.

O duelo contra Alexander Zverev foi intenso, com vários momentos de grande qualidade, principalmente nos 12 primeiros games. A partir do tiebreak, que viu 11 erros não forçados em 14 pontos disputados, os dois caíram de intensidade e o jogo viu altos e baixos. Até então, Zverev não estava incomodado com as variações constantes de velocidade, efeito e direção do suíço.

Federer poderia ter simplificado a tarefa, quando quebrou precocemente no segundo set e via um adversário cabisbaixo. Mas o serviço foi caindo de produção, sofreu duas quebras e lá se foi a segunda série. Depois, fez 4/1 após uma sucessão de bobagens de Zverev, e sofreu para confirmar novamente o saque e enfim ir a 5/1. De qualquer forma, Federer passou por seu mais difícil adversário provavelmente de todo o torneio, ainda que possa reencontrá-lo numa possível final de domingo.

O norte-americano Jack Sock é a grande surpresa de Londres até aqui. O norte-americano executou mesmo o que havia prometido e está acima de tudo se divertindo. Anda tão solto que o backhand, seu eterno calcanhar de Aquiles, conseguiu ótimas jogadas em cima de Marin Cilic, o primeiro que está eliminado da semifinal. O croata aliás possui um recorde muito ruim na arena O2, com uma vitória apenas em oito jogos realizados.

Sock perdeu dois games de serviço no set inicial e isso é imperdoável no seu estilo. Mas soube reagir. Dominou amplamente a outra série e não se assustou quando Cilic abriu 3/0 no set decisivo. Muito ligado no jogo, recuperou-se abusando até de deixadinhas de forehand. O momento crucial da partida veio quando o croata abriu 4-2 no tiebreak, o que deveria ser suficiente para a vitória, mas pode ter pesado o histórico das duas derrotas anteriores para Sock e assim cedeu cinco pontos consecutivos.

A segunda vaga do grupo para a semifinal de sábado será decidida portanto entre Zverev e Sock na quinta-feira. Os dois não se cruzaram nesta temporada e cada um venceu uma vez no ano passado, ambos na quadra dura. Claro que o alemão tem o favoritismo natural pelo ranking e grande qualidade na base. Porém, é um jogo nervoso e a parte mental pode influir mais do que os golpes em si.

A quarta-feira
A rodada desta quarta-feira terá a segunda rodada do grupo Pete Sampras, já sem Rafael Nadal. Às 12 horas, Grigor Dimitrov e David Goffin fazem o jogo de vencedores. Os dois já se cruzaram três vezes neste ano, com 2 a 1 para o búlgaro, que também tem uma vitória em 2014. O piso mais lento favorece um tanto a solidez e as pernas de Goffin, que vai precisar antes de tudo ler bem o saque afiado do adversário.

Em seguida, Dominic Thiem necessita fazer a lição de casa, derrotar o reserva Pablo Carreño e ainda sonhar com a semi. O austríaco tem 5 a 1 no confronto direto, embora um apenas na quadra dura, e obviamente é mais tenista que o espanhol. O duro é sua fase tão ruim. E ainda pode pegar um Carreño totalmente no lucro.

Para os duplistas mineiros, quarta-feira importante também. Marcelo Melo e Lukasz Kubot podem garantir semi contra os irmãos Bryan, que não andam jogando tudo isso, caso Bruno Soares e Jamie Murray vençam mais tarde Ivan Dodig e Marcel Granollers.


Comentários
  1. Marcelo

    Dalcim, no post você diz que o Federer se classificou pela primeira vez para o Finals em 2003. Mas, na verdade, em 2002 ele também jogou, correto?
    Abraços!

    Responder
  2. Marcos Castillo

    Uma dúvida que talvez os colegas do blog possam me esclarecer: aquele garotinho da propaganda da Vivo que passa exaustivamente nos intervalos do Finals é o Narck Rodrigues ou o Ricardo Acioly quando era criança?

    Responder
  3. Renato

    Cansamos de ver Federer jogar muito bem um torneio e depois perder para Nadal ou Djokovic na final. O adversário era o inverso. Em Shanguai, Federer oscilou, Nadal jogou o torneio de forma brilhante e Roger atropelou na final. As coisas estão mudando.

    Responder
  4. Renato

    Stepanek é um bom jogador, e uma figura. O tênis vai sentir falta dele. Jogador com estilo bem diferente do tênis praticado nos dias de hoje. E ele é a maior prova que, você pode ser feio que dói, mas se tiver uma boa lábia e ser engraçado, pode conseguir alguma coisa com mulheres bonitas(não que seja o principal) e não ficar SÓ no coxão duro. Kkk

    Responder
  5. Rafael Wuthrich

    Acho que você resumiu bem o jogo, Dalcim. Alto nível técnico e grandes jogadas até o TB, depois uma queda de intensidade que resultou em erros e enfeiou o jogo. Ainda assim semore achei Federer mais próximo da vitória. Mesmo antes do TB teve chances de quebrar no 12o game, e no 2o set bobeou duas vezes no saque. No 3o, após levantar o 2o game e quebrar o alemão em seguida praticamente assegurou a vitória, ainda que tenha passado alguns sustos.

    Achei Zverev disperso em alguns momentos, como ao longo de todo esse semestre. Fazia expressões de descrédito ou até de desdém por algumas jogadas, além de sair do jogo muito facilmente. Não está bem, claramente.

    Sobre Federer, queria saber de você se já tinha notado o suíço tão irritado em quadra, falando consigo mesmo ao melhor estilo Murray, insatisfeito com os golpes e e escolhas e transbordando impaciência. Estranho, não?

    Responder
    1. André Barcellos

      To achando que ele está irritado por não ter conseguindo soltar seu jogo ainda, além do nervosismo da partida, em si.
      É muito importante para ele ganhar este título. Talvez o último finals.

      Responder
  6. Miguel BsB

    Achei que o suíço sacou mal nesse jogo, ganhou poucos pontos mais fáceis com esse fundamento, o que, quando acontece, dificulta seus jogos.
    Ambos jogadores estavam nervosos, o braço do Zverev encurtou nos pontos capitais, principalmente quando abriu 4×0 no tie break do 1 set. Errou direitas bobas em bolas curtas, e faltou agressividade pra fechar o set, deixando Federer dominar os pontos.
    Roger tb estava nervoso, há tempos não o via reclamando tanto e balançando a cabeça negativamente. Mostrou sua capacidade de ganhar jogos parelhos mesmo sem jogar tão bem…
    Agora, que partida do dimitrov! Ganhou os 9 primeiros games. Como ele tem um jogo de variação, agressivo, e sabe construir e definir os pontos na rede! Na menor oportunidade, ele sobe e vai pressionar o adversário. Seu jogo me agrada muito, e nessa temporada é visível sua maior força mental e comprometimento, apesar de bobear de vez em qd pra fechar alguns jogos.

    Responder
  7. Neto

    Dalcim, sou fã do Federer desde sempre, e admiro muito o Nadal pelo espírito guerreiro e capacidade de dar a volta por cima sempre, mas vc não acha que está chegando cada vez mais perto a Aposentadoria dele ?por problemas físicos lógico , chego a achar que ele para antes do Federer , oq achas ? Grande abraço e parabéns pelos posts, são os melhores .

    Responder
  8. Márcio Souza

    Federer jogou de forma pragmática esse segundo jogo, oscilou muito com o saque, mas no fringir dos ovos botou a bola no chão e venceu sem sustos no terceiro set.

    Zverev vem bem (apesar de no segundo semestre ter oscilado) mas com certeza sera um dos grandes nomes no circuito no futuro, e queiramos ou não, será número 1 um dia.

    Quanto ao GOAT, vem jogando como aquelas seleções favoritas a Copa do Mundo nos 3 primeiros jogos, jogando o suficiente pra vencer e guardando forças pros dois jogos finais que realmente valem o caneco.

    Quinta contra o Cilic será mais um jogo pragmático aonde será necessário calibrar bem os golpes e a esquerda, para poder descansar na sexta e entrar no sábado na semi e na final de domingo com tudo em cima pra levar o 7° caneco do Finals e o 96° título no geral.

    Bora GOAT garante mais essa e deixa os antis e sem noção que o aposentaram chupando o dedo e batendo com a cabeça na parede.

    Fechar o ano com somente 140 pontos de diferença pro número 1, tendo jogado apenas 3 GS e 4 Masters 1000 não é mole não ne?

    Bom feriado a todos!

    Responder
    1. Marcos RJ

      A comparação com a seleção na copa não se aplica. O craque desperdiçou enorme energia ao jogar fora (literalmente, com duas duplas faltas seguidas) um game de serviço que vencia por 30×0, já tendo uma quebra de vantagem. Totalmente não característico pois nessas horas Federer que costuma jogar solto, confirmando serviços com mais facilidade.

      Responder
  9. José Eduardo Pessanha

    Mestre, duvido que você, mesmo com todo o seu lendário amor pelo tênis, conseguirá assistir ao jogo entre Carreño Busta e SuperesTHIEMado. Tirem as crianças da sala. rs

    OBS: Goffin, considerado por alguns colegas como um respeitável oponente, acabou de tomar 6/0, 6/2 do Dimitrov. E olha que a quadra está um verdadeiro mangue, perfeita para o maratenismo do belga. rs

    Responder
  10. Jose Alexandre

    Dalcim sabe me informar se numa situação hipotética do Federer dar WO por conta de um resfriado forte por exemplo ou se retirar durante o terceiro jogo, ele poderia disputar a semi? Obrigado

    Responder
  11. Marcelo Reis

    Comentários:

    *Esse Zverev é mesmo um excelente jogador!
    *O Goffin foi humilhado no 1º set hoje. Quando pensou em reagir na partida, era tarde. Dimitrov deu uma aula de tênis!
    *Torcendo por uma semi do Búlgaro x Alemão! Um potencial campeão pode sair daqui.

    Responder
  12. José Ricardo Gaspar

    Dalcim, considerando que Federer ja garantiu não somente a classificação mas também o primeiro lugar do grupo, ele poderia não jogar a partida contra Cilic? Ou entregar o jogo para terminar rapido? Haveria algum tipo de punição para esta conduta?

    Responder
  13. Gilvan

    Dalcim, alguém já levou o Finals tendo vencido apenas 1 jogo na fase de grupos? Ou melhor, alguém já conseguiu se classificar para a semifinal com apenas 1 vitoria?

    Responder
  14. Jonatã Lopes

    https://twitter.com/TrudelSteph/status/930502447990177792

    Não sei se a fonte é confiável, que afirma que a quadra da 02 está média-rápida (41.9), até um pouquinho mais rápida do que no ano passado. O próprio Federer confirmou isso, inclusive, afirmando que a quadra está rápida. E outros comentaristas também afirmam isso. Mas ontem também tive essa sensação de que era difícil disparar um Winner, e as próprias partidas vem sendo um tanto longas, apenas uma foi decidida em sets diretos. Uma coisa que talvez possa explicar isso é o péssimo enquadramento das câmeras, tão ruim quanto Bercy, onde a quadra parece menor e mais larga, e os golpes parecem curtos, e qualquer quique um pouco mais alto parece gigante. Não sei se o Steph Trudel trabalha com os números oficiais do CPI (Court pace index), vamos aguardar nos próximo dias, normalmente a Tennis TV divulga isso antes mesmo de terminar a fase de grupos.

    Responder
  15. Schuster

    Boa tarde Dalcim e amigos ! Fazia um tempo que eu não escrevia, mas sempre leio os posts e comentários dos colegas do blog.

    Dalcim, li uma matéria interessante e aplico muito isso ao Nadal, é citado de forma resumida que todos temos que ter determinação e sermos obstinados para conquistar os nossos desejos, mas o limite para isso seria a obsessão! Vendo o jogo do Nadal e sua carreira vejo isso, um cara determinado e sempre em busca de títulos, mas por sua obsessão tendo problemas físicos e não sabendo lidar com as derrotas, o que pra mim pode encurtar a carreira do mesmo, se não fizer os ajustes de calendário necessário para ano que vem ! O que pensa a respeito ?

    Em questão do Roger nessa partida, o senti reclamando demasiadamente com ele mesmo ! Por um lado positivo, pois mostra que está querendo mais, mas por outro lado uma forma de ser que não lhe e particular, como se não estivesse jogando bem ! Teria algum comentário sobre isto ?

    Parabéns pelo blog abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, discute-se há anos as falhas de calendário de Nadal. Este ano ele até ajustou algumas coisas, mas mesmo assim o joelho sentiu no final. Sim, Federer falou mais do que o normal, o que reflete alguma frustração.

      Responder
  16. Leonardo Lima

    Bom dia Dalcim
    Em relação ao ranking. Se o Federer ganhar o finals a diferença dele para o nadal fica em apenas 150 pontos, ou seja , ela ja pode ser número 1 nos primeiros torneios da temporada como doha e brisbane( somando os 250 pontos ) e nadal defende 45 pontos de brisbane.
    Minha conta esta correta mesmo Dalcim ?
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, 140 pontos. Sim, poderia, mas Federer já anunciou que joga Copa Hopman, que não vale pontos. Então só mesmo no Australian Open, em que dependeria da campanha de Nadal.

      Responder
      1. Juninho Fonseca

        Se ele for campeão invicto e diminuir a diferença p 140 pontos….. sei não se ele não joga Brisbane ou Doha só p ter a chance de voltar a ser n 1…..ou vai ser agora ou nunca mais….pq depois fica complicado p ele…

        Responder
  17. José Eduardo Pessanha

    E o galã de Praga se aposentou. Como Haas aparentemente está aposentado, finda-se uma era. Que eu lembre, não há mais ninguém da Era Guga jogando tênis profissional. Grande Stepanek.

    Abs

    Responder
    1. Fabio

      Federer tem duas derrotas e uma vitória no head to head com o Guga, não sei se conta. O último jogo entre eles foi em Roland Garros 2004, Federer era número um no ranking da ATP.

      Responder
    2. Miguel BsB

      Roger pode ser considerado dessa era tb, apenas um pouquinho mais tardio…ele praticamente tem a msm idade do Hass e do Stepanek.
      Aliás, um dos grandes feitos do Federer foi atravessar tantas gerações em altíssimo nível, agora tá batendo na turma dos 20, 20 poucos (zverev, thiem…)
      Acho que talvez só o connors se compare, ou o rosewall, que conheço pouco.
      Concorda Dalcim?

      Responder
  18. PIETER

    O piso da quadra deste Finals está irritantemente lento, parece Roland Garros. Para que os tenistas consigam um mísero winner é preciso trocar infindáveis bolas, lamentável!
    A mim, não resta a menor dúvida sobre quem será o sucessor da geração Big Four quando estes aposentarem-se.
    O Zverev já é uma realidade. Quando amadurecer mais e aprimorar o físico será inevitável disputar a liderança do ranking.
    E olha que ele já está bem perto disso, como um sólido e merecido número 3. Arrisco dizer que em 2018 ele pode vir a conquistar um título de Grand Slam. Façam suas apostas sobre qual deles…

    Responder
  19. José Eduardo Pessanha

    Apesar do jogo essencialmente maratenístico, gosto da habilidade e do estilo de ser do Murray. Entretanto, lesão no quadril é uma coisa muito séria. Infelizmente, acho que ele não conseguirá jogar em alto nível de novo (vide Guga). Já Djokovic deverá voltar renovado, mas perdendo o que o diferenciava dos demais tenistas: a parte física. Um cara que poderia aproveitar esse hiato no circuito para disputar com os tops seria o Pouille, mas falta sangue nos olhos.
    Abs

    Responder
  20. Renato

    Tem alguns aqui que querem ser os críticos, moralistas, donos da verdades e etc. Os manes só esquecem que, ninguém aqui precisa de aprovação de ninguém para emitir uma opinião, seja ela sobre o que for. O único que aprova ou não é o Dalcim, que faz a moderação.

    Responder
  21. Pedro

    Dalcim, muito interessante o formato do Finals. No caso do sorteio colocar os melhores em um grupo, mesmo assim, eles podem ainda se reencontrar em uma final. Com exceção do Nadal, foi o que aconteceu com o Federer e o Zverev (ranking 2 e 3). Em relação ao jogo da terça, achei que o Federer jogou ruim, e deu uma tremedeira no início do segundo set, igual ao que aconteceu como Dimitrov em um destes últimos torneios. Parece que o jogador trava e entrega o game. O que você achou da sugestão do Nadal para trocar o piso do Finals?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Gosto muito do formato do Finals, é um dos meus torneios prediletos. Não concordo com o Nadal. O Finals tem de ser uma média do circuito. Além disso, os tenistas vêm na quadra dura desde julho. Não tem sentido mudar o saibro só para o Finals.

      Responder
      1. Pedro

        Sua opinião é igual a do Pat Cash, e eu também achei que tem sentido, porque os atletas estão vindo de uma temporada em quadras duras. Achei que nem deviam ter sugerido isso, porque parece que a pessoa quer ganhar de qualquer maneira. Seria como o Sampras pedir para trocar o piso de Roland Garros para dura só porque ele não conseguiu ganhar lá. Fica estranho.

        Responder
        1. Marcelo F

          Nada a ver o que você diz a respeito de o Sampras “querer” mudar o piso de Roland Garros. Comparação descabida. Até concordo que não dá para mudar o piso do Finals por causa da época do ano, mas não seria de todo errado. À parte a logística de fazer isso todo ano, eu acho que a distribuição poderia ser parecida com os Grand Slams. Poderia ser assim: ano em quadra dura, ano no saibro, ano em quadra dura, ano na grama, ano em quadra dura… Muito mais justo, afinal os pontos ganhos ao longo do ano para se classificar para o Final não são só os de quadra dura.

          Responder
  22. Tekion

    É totalmente hipotética, Dalcim, mas o que vc acha que passa na cabeça de Nadal vendo o suíço ir tão bem, afinal, ele é seu grande rival. Será que pintam comparações entre calendários, escolhas, etc?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não acredito que ele fará as coisas em função do Federer. Vamos lembrar que Djokovic deverá retornar às quadras e terá todo o segundo semestre para somar pontos.

      Responder
  23. Marcos RJ

    Goffin deve sentir o desgaste físico e mental após a partida contra o Ogro, além de sofrer com um segundo semestre comprometido por lesões. A 2a vaga do Lado B só deve sair na 6a feira numa guerra de foices entre Goffin e Thiem. A notícia ruim para o vencedor vai ser enfrentar o Maestro com um dia a mais de descanso, já no dia seguinte. Que dureza!

    Responder
  24. Neto

    Boa análise, Dalcim, concordo com você.
    O jogo começou bem e caiu nos erros. Federer deu aquela cochilada, normal, Zverev sentiu um pouco, normal, e notei pelo alto nível que essa é a provável final do torneio, já que ambos foram os únicos até agora que mostraram algo a mais.
    Mas vou torcer pro Sock na sexta, mesmo assim.
    Do outro lado, creio que só o Dimitrov pode mostrar algo a mais, e olha lá, oscilou muito na estreia

    Responder
  25. Nando

    Só vi o 1° set do jogo do Federer (o resto vi só highlights), foi um jogo duro mesmo…Zverev sacou bem no 1° e 2° sets, seu BH andou mto (melhor golpe dele e pra mim top 3 no circuito entre os BH de 2 mãos), porém se complicou td qnd tem q jogar com o forehand, qnd foi chamado à rede e com a variação do Federer.
    E Federer foi buscar o 1° set q achei q estava perdido após o alemão abrir 4-0 no tie break…no 2° se complicou e no 3° matou o alemão (q tbm se complicou sozinho com as df).
    E acredito em Sock como 2° desse grupo hein, jogou bem contra Federer e na vitória sobre Cilic.

    Responder
  26. Luis

    Dalcim pensei também Federer pode reencontrar Zverev na final Finals e que foi teste bom pro Suíço, um queda no segundo set do Federer depois do bom 1set,no 3 set conseguiu voltar a conseguir seu bom tênis de 2017,tem tudo pra tá na final Finals o Federer e o título de um dos torneios preferidos e’ o que falta pro suíço em 2017

    Responder
  27. Neto

    Boa noite Dalcim, até fugindo um pouco do jogo de hoje , qual foi na sua opinião a maior exibição de Roger Federer ?parabéns novamente pelo blog, leio tudo sempre e fico aguardando vc postar pra ler os comentários e perguntas

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, teria de pensar com calma, mas assim de imediato acho que a final da Austrália deste ano foi um de seus melhores jogos em termos de qualidade técnica, capacidade de defesa e de jogar sob pressão, Neto.

      Responder
      1. Hélio Coelho

        Pra corroborar…. a Semi de RG em 2011 contra o Djokovic…. freou o Sérvio que vinha em um ano mágico de semana igualar a Rodovia Laver e vencer os 4 GS naquele ano… E a Semi de Wimbledon 2012, contra o Djokovic tb.. A final de Wimbledon e 2008 foi inesquecível tb !

        Responder
      2. José Eduardo Pessanha

        Federer x Roddick no AO, Federer x Bjorkman em Wimbledon, Federer x Monaco no US Open, Federer x Djokovic em RG 11, pra ficar só nos Slams. rs

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *