Bom começo
Por José Nilton Dalcim
12 de novembro de 2017 às 21:37

A lógica prevaleceu na abertura do Finals de Londres. Roger Federer não foi brilhante, mas conseguiu a consistência necessária no piso coberto e lento da arena O2 para superar Jack Sock em dois sets. Alexander Zverev deu um susto e parecia caminhar para outra dura derrota quando então mostrou firmeza mental e reagiu em cima de Marin Cilic.

Federer também possui no Finals alguns dos números mais impressionantes do tênis. Com o recorde absoluto de 15 participações – 14 consecutivas, série interrompida com a contusão do ano passado -, ele atingiu neste domingo a 53ª vitória em 65 partidas já feitas.

Ao longo desse tempo todo, só não passou a fase de grupos na temporada de 2008, aquela em que sofreu com mononucleose, ao perder dois dos três jogos iniciais. Desde que o torneio se mudou para Londres, jamais ficou de fora da semi, ganhou dois títulos e participou de outras três finais.

A partida contra Sock não teve todo o brilho técnico esperado e o próprio suíço admitiu que não conseguiu jogar solto, algo bem natural numa estreia, ainda que o Finals não traga aquele mesmo fantasma da eliminação de outras competições tradicionais. De qualquer forma, o saque foi seu grande aliado e, apesar de um ou outro game mais apertado, não cedeu um único break point.

Sock merece elogios. Depois que perdeu o serviço logo de cara, realizou uma partida bem sólida, onde se destacaram a boa variação de saque e seu poderoso forehand. Não pode ser totalmente descartado da luta por vaga na semifinal. Enquanto Federer disputará na terça-feira o jogo de vencedores contra Zverev, Sock terá jogo decisivo contra Cilic e é bom lembrar que o americano ganhou os dois duelos que já fez diante do croata.

Zverev por sua vez trazia algumas interrogações para sua estreia. Desde o título em Montreal, no meio de agosto, não teve resultados expressivos e sofreu quatro viradas com atuações que mostravam decadência física e pouca força mental nos terceiros sets. A história quase se repetiu contra Cilic neste domingo, ao perder o saque ndo terceiro set, mas desta vez se manteve na partida sem aquela carinha de bebê reclamão e buscou a reação. No geral, foi um bom jogo, com boas variações e empenho.

O duelo direto de Federer e Zverev oficialmente está empatado por 2 e não considera a vitória do alemão na Copa Hopman de janeiro. Isso já dá dimensão de como o alemão gosta do desafio e sente motivação, mesmo diante dos terríveis slices e curtinhas do adversário. Promete ser um ótimo duelo.


Comentários
  1. André Barcellos

    Se eu não estivesse atento iria acabar postando com o nome de Rodrigo…
    Tem algum bug acontecendo neste blog.

    Em relação ao Nadal, aconteceu o que eu esperava.
    Um adversário mais gabaritado consegue vencer Nadal, mesmo que este esteja descansado, num torneio hard coberto.
    Acho que o espanhol ainda perde do Dimitrov e ganha do Thiem

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    (Este post, eu dedico inteiramente ao Luis Fernando):

    * h2h entre Nadal e Goffin, em quadras de hard

    NADAL 0 x 1 GOFFIN

    * h2h entre Bellucci e Goffin em quadras de hard:

    BELLUCCI 2 x 1 GOFFIN.

    Conclusão:

    Bellucci melhor do que Nadal…

    Kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  3. O LÓGICO

    E o acovardadão kkk perdeu a primeira kkkk Viram, nadalzetes, como ele jogou como um tenista submisso? kkkkkkkkk De um lado da quadra um tenista indo pras linhas, jogando o tempo todo de forma agressiva; do outro, ele, o CAGÃO MOR do circuito, correndo de um lado por outro – como sempre kkkkkk -, passando a bolinha – como sempre kkkk -, e esperando o erro do adversário – como sempre kkkkkkkkkk

    Será que na outra partida ele entra em quadra com esparadrapo (vejam só kkk) no joelhinho etéreo? kkkkkkkkk Esse é o N 1 – das feirinhas de artesanato e dos camelôs kkkkkkkkkkkkk Sem embargo, o tenista mais medíocre da história do tênis kkkkkkkk

    Responder
    1. Carlos Reis

      Excelente! rsrsrs O Boi garantido forçou muito o joelhinho de cristal para terminar como n.1 – da 25 março – do ranking. Torço para o FedeX vencer o 7.Finals e aumentar esse recorde. Abraço Lógico!

      Responder
    1. André Barcellos

      Sério isso?
      Nossa. Isso que é olhar o próprio umbigo.
      Por estas e por outras que não suporto o espanhol.
      Obs: nem calado ele é um poeta…

      Responder
  4. Sergio Ribeiro

    De encher os olhos a grande partida entre Dimi e o SuperEstimado. Bem diferente da de alguns trintões em Final de Temporada que estão lesionados a lá Berdych. Meu Caro conterrâneo Pessanha. A UNiCA Tenista a vencer os 4 SLAM e o Ouro Olímpico no mesmo ano, venceu 7 ( e não 11 ) SLAM de seus 22 , no afastamento de Seles. E meses antes do atentado Graffi bateu Seles por 6 x 1, 6 x 2 na Final de Wimbledon 1992. A jovem tenista retornou ao Circuito em 1996 ( aos 23 ) ganhando de Cara o AOPEN e perdendo a Final do USOPEN para Graf. jogou até 2003 ( a Alemã parou em 99 depois de bater Hings em Rolanga ) . Seu maior problema foi o surgimento de Marina Hings ( 5 x 15 ), Vênus ( 1 x 9 ) , Serena ( 1 x 6 ) e Justine. Além de problemas de peso e lesões graves nos pés. Tudo isto está em sua Biografia feita pela própria. A Senhora Agassi não tem nada a ver com isso. Seles se aposentou aos 30. ABS!

    Responder
    1. Fernando pauli

      Meu caro Sérgio Ribeiro a Seles nesse jogo foi proibida de “gritar” ou seja jogar do seu jeito natural, se fosse ela não entrava em quadra e mandava WB às favas. Se o mesmo valesse hoje, metade das jogadoras seriam prejudicadas, porquê essa regra não foi usada depois? O que WB fez foi uma discriminação só para a queridinha Graf vencer. Estranho nos seis jogos que a Seles jogou ela pode “gritar” e justamente na final não? Você assistiu esse jogo? Bem eu assisti e a Seles estava abatida e irreconhecível em quadra. Para mim foi uma das maiores injustiças feito a uma tenista na era profissional!
      Abs!

      Responder
    2. José Eduardo Pessanha

      O maior problema da Seles foi o atentado. Não fosse isso, passaria o carro na Graf, na Hingis, na Henin e em quem mais viesse. Conseguiu 8 Slams com 19 anos e 1 mês. Não fosse o atentato, ela teria lá seus 30 ou 35 Slams. Com relação à Wimbledon, realmente era o único ponto fraco da sérvia….mas em 1993 ela já estava com o circuito na mão, passando o rodo na concorrência. E sim, Graf ganhou 11 Slams após o atentado contra a Seles (AO 1994; RG 93, 95, 96 e 99; WB 93, 95 e 96, US Open 93, 95 e 96), e não 9, como você disse.
      Abs

      Responder
  5. Ziggy Stardust

    Lógico, Sônia e Márcio,

    ao ler matéria de outro sítio especializado em tênis, lembrei-me de vocês:


    “O suíço comentou as declarações de Rafael Nadal que há dois dias reforçou o desejo para que o torneio fosse para o saibro em alguma oportunidade: “Vejo justo que o torneio seja indoor. Tampouco há Masters 1000 na grama e no calendário só tem um Masters 1000 indoor em Paris. Entendo que o Rafa queira jogar o Finals no saibro, mas agora estamos em outra gira”.

    Isso que é conjugar educação com bom senso crítico, não é?

    Responder
  6. Sônia

    E o cabeção dopado americano vomita asneiras novamente. Coloca uma melancia no pescoço cabeção, tenho certeza que aparecerá mais, ou escreva uma nova biografia ensinando como levar vantagem sobre os adversários utilizando “substâncias dopantes”. Ser nojento, indigno, desonesto, vergonha ainda opinar sobre tênis depois de tudo que fez, vergonha. Entendo sua preferência, entendo sua identificação, mas falar DELE? Voce… jamais! Como eu tenho nojo de tenistas dopados argh argh argh… na torcida para que ELE esteja atento sobre a opinião desse ser invejoso. Beijos.

    Responder
    1. Carlos

      Como esse argumento do H2H é falacioso. O exemplo que vou dar não fará nenhuma diferença para o Sr. Steffi Graf , mas pode servir para os demais. A seleção brasileira penta campeão mundial de futebol nunca venceu a Hungria em copas do mundo. Então os húngaros são os melhores do futebol em todos os tempos.

      PS: claro que sei que a seleção húngara de 1954 é considerada a melhor de todos os tempos, mas vcs entenderam onde quis chegar .

      Responder
    2. PIETER

      Certamente o careca dopado deve ter dado essa infeliz declaração depois de ter fumado uns bons tragos de crack.
      Daí as asneiras que falou para se manter na mídia… muito infeliz e rancoroso da parte dele…

      Responder
  7. Márcio Souza

    Cilic complicou a vaga na semifinal que era praticamente certa com essa derrota pro Zverev.

    Se a lógica prevalecer dificilmente ele ganhará do Federer na quinta (mesmo que vença o Sock na terça).

    Mesmo sendo derrotado por Federer amanhã, basta vencer Sock na quinta que o Zverev entra na semifinal.

    Cilic complicou se de fato ao perder para o alemão.

    Enquanto isso vamos torcer para o Martin Mcfly hoje derrotar o Cueca Atômica.
    Queremos pegar ja o Nadal nas semifinais pra com a pontuação invicta do Federer ja ir diminuindo a diferença no ranking.
    Com o Siri fazendo somente 400 pontos e o Federer fazendo 1500 a diferença ja cairia 1.100 pontos olha que beleza.

    O negócio é torcer pro Cueca perder pelo menos um jogo e entrar como segundo no seu grupo e ja ser entubado de cara pelo GOAT.

    Vamos aguardar….

    Responder
  8. Alan

    Bom dia, Dalcime demais companheiros do blog!

    Em que pese as reais condições da quadra, o prórprio Federer afirmou, após o duelo contra Sock, ter sentido as condições mais rápidas do que nos últimos anos. Oxalá ele esteja correto, pois dado o nivelamento dos pisos na atualidade, tendendo mais para a lentidão do jogo, possamos nos deleitar com a possibilidade de um tênis mais agressivo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A lista deve fechar na prieeira segunda-feira de dezembro. Portanto, estes challengers na América do Sul são a chance derradeira para entrar direto. Ainda há chance de tentar o quali.

      Responder
  9. Lauro Guerra

    Boa estréia do Federer. Não foi espetacular mas também não levou sustos na partida.
    Acredito que Federer eleva o jogo conforme o tamanho (dificuldade) do adversário, então o veremos jogar melhor contra Zverev.

    Responder
  10. Chileno

    Federer jogou medianamente. O saque esteve afiadíssimo, como tem sido praxe este ano (exceto em Montreal e US Open), mas falhou com alguma frequência no jogo de base. Por isso perdeu inúmeras oportunidades de quebrar Sock no segundo set. Ainda assim, não foi um jogo ruim do maestro, já que ele também não deu chances ao americano no seu saque. Porém, ele precisará melhorar daqui pra frente, pois a coisa tende a engrossar cada vez mais. Ele pegou a chave mais difícil e Sock é, teoricamente, o menos perigoso dentre eles.

    Responder
  11. Sérgio Ribeiro

    Se o Craque resolveu fazer média com os ” Organizadores ” , quem sou eu para discutir. A quadra está absurdamente igual a Paris . De tanto Rafa e Novak reclamarem, ficou na conta. Mesmo assim o Velhinho vai elevar o Nível. Acredito que se preparou para brigar pelo Título . E Zverev e Marin Cilic vão pagar o pato . Chega Invicto para decidir. Sock não decepcionou. Fez o que pode , sem a pressão que Rafa Nadal e Roger estão mais que acostumados. Jogou solto , mas não deu. ABS!

    Responder
  12. O LÓGICO

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    O suíço comentou as declarações de Rafael Nadal que há dois dias reforçou o desejo para que o torneio fosse para o saibro em alguma oportunidade: “Vejo justo que o torneio seja indoor. Tampouco há Masters 1000 na grama e no calendário só tem um Masters 1000 indoor em Paris. Entendo que o Rafa queira jogar o Finals no saibro, mas agora estamos em outra gira”.

    O UNIDIMENSIONAL quer ganhar esse torneio a todo custo kkkkkkkkkkkk

    Responder
  13. Nando

    Federer não sofreu sustos na partida contra Sock (apesar do tie-break no 2° set), vai melhorar jogo a jogo.
    Jogo de estréia é assim mesmo, ainda mais q não jogava de forma competitiva desde Basel.
    Vamos ver contra Zverev.

    Responder
  14. Ideon Carvalho

    CONCORDO COM O PALPITE DOS QUATRO AEMIFINALOSTAS. O JOVEM.ALEMAO, ALEXANDER ZVEREV SERÁ CAMPEÃO. ACREDITO QUE EM 2 OU 3 ANOS ESSE RAPAZ GERMÂNICO JÁ SERÁ O NÚMERO 1 DO MUNDO. PARABÉNS PARA ELE. É UM.TENISTA PROJETADO, COMPLETO, TEM.BOA ESTATURA, PODEROSO SAQUE, ÓTIMA VARIAÇÃO DE JOGO, PRINCIPALMENTE MUDANÇAS DE DIREÇÃO DA BOLA . Tem um dos melhores bachend do circuito. Espetacular jogador de tênis. Já não é mais promessa, é realidade. O jovem alemão chegou pra ficar.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Quem bate mais reto pega na ‘cara’ da bola e seu golpe irá quicar ainda mais baixo. Quem bate com topspin tem que achar um jeito de entrar por baixo da bola já baixa e seu golpe irá levantar a bola quando chegar do outro lado, portanto com menor efeito sobre o piso que quica baixo.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Nesse ponto de vista concordo, mas entendi a pergunta do colega sob o ponto de vista de quem a recebe, ou seja, se ela quica baixo, ai sim, para atacar é necessário maior esforço para colocar o devido efeito na bolinha, sem o qual, a rede a aguarda fatalmente.

  15. Hélio Coelho

    Promessa de jogão sem dúvida… vale o registro de Federer nas duas derrotas oficiais pro alemão… não estar. Em fisicamente…. em Montreal ficou nítido sua limitação e desconforto, atuou por respeito ao Público

    Responder
  16. O LÓGICO

    “Dalcim. Se Miami, Paris e Londres estão entre as quadras sintéticas mais lentas do circuito, por que vc acha que Nadal nunca venceu? Curioso, não?”

    O Renato é um cara acima da média no quesito inteligência, exatamente como o são todos os torcedores do Fedex desse blog kkkkkkkkkkkk E a resposta já se encontra implícita na própria pergunta, que eu costumo resumir numa palavra: UNIDIMENSIONAL KKKKKKKKKK O finals é pra gente grande kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Zezão

      Pensando nos últimos 10 anos, Nadal sempre teve um desempenho abaixo no segundo semestre, por conta do físico, o que eu acredito que explica em parte o desempenho abaixo em Paris e em Londres. Outro ponto é que indoor favorece quem bate reto na bola, já que a bola anda mais. E Nadal joga com uma empunhadura Western, de saibrista, própria de quem gosta de jogar com muito spin e ruim para bater reto.
      Já Miami, é uma boa pergunta, me lembro dele perder uma vez para o Ljubicic nas semis, para o Davidenko nas finais, mas ele fez várias finais em miami, perdendo também para o Federer e o Djokovic. De qualquer forma, 5 finais é um número bem decente.
      Mas o Djokovic é o melhor em Miami, sem dúvidas, enquanto Federer é o melhor no indoor.
      .
      Só um contra-exemplo: Jack Sock. O cara tem um dos forehands mais estranhos que eu já vi, ele também usa um Western, como o Nadal, e ele consegue gerar ainda mais spin na bola.
      Mesmo jogando com a Western, Sock venceu Paris e tem ótimo desempenho nas duplas.
      Creio que a diferença é que Sock angula mais a bola, consegue atacar mais, mesmo com spin, e faz mais variações com o forehand.
      Repara quando o Sock pega uma bola baixa no meio da quadra, a facilidade com que ele consegue gerar spin, passar fácil por cima da rede e ainda gerar uma aproximação decente para o voleio. É uma jogada que eu particularmente acho muito difícil de fazer.

      Responder
  17. Gilvan

    O Federer esteve um pouco erratico na base, mas ainda assim fez uma boa estreia. A direita do Sock anda demais, entao eh dificil pegar o ritmo.
    Concordo com o Dalcim e acredito que o Federer vai abusar dos slices curtos, principalmente nas devolucoes, para chamar o Zverev para a frente. Todos sabem que ele tem serios problemas saindo da linha de base.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *